newsletter

Espanha e Portugal poderão conceder cidadania a descendentes de judeus sefardim

Por Alessandre de Argolo

Espanha e Portugal estão com planos de conceder nacionalidade portuguesa e espanhola, respectivamente, a pessoas que descendam dos judeus sefardim (plural da palavra sefardin; em português encontramos as grafias sefarditas ou sefaraditas, que seriam sinônimos) que foram expulsos da Península Ibérica (em 1492, da Espanha, e em 1496, de Portugal). O assunto causou frisson nos últimos dias, principalmente em Israel, e vem sendo tratado na Internet desde os fins de fevereiro deste ano (exemplo da notícia abaixo do El País - versão em português). A concessão seria feita por meio da aprovação de leis que alteram a legislação civil vigente nos dois países, as quais regulariam o assunto.

Quem deu o primeiro passo expresso neste sentido foi o Governo espanhol de
Mariano Rajoy, capitaneado pelo seu Ministério da Justiça, que divulgou recentemente a lista de sobrenomes que seriam de origem sefardin. Seria uma política pública espanhola que repara erros históricos cometidos contra os judeus da Península Ibérica, os quais fizeram parte de uma das mais importantes civilizações multiculturais da história, máxime na Andaluzia e durante o período de dominação moura.
O negócio está tão sério que o governo espanhol, que está prestes a aprovar uma lei alterando o Código Civil espanhol (art. 23), publicou uma lista de sobrenomes que seriam supostamente de origens judaicas, de matriz sefardin, o que tem suscitado uma certa polêmica. A polêmica reside em saber até que ponto um sobrenome seria de origem necessariamente judaica, pois muitas famílias judias assumiram nomes que não eram necessariamente de origem judaica desde o início, isso por vários motivos, o principal deles, fugir da perseguição. Quem simplesmente ostentar um dos sobrenomes catalogados poderia requisitar a nacionalidade espanhola. Um outro critério é o do idioma familiar.

A lista circulou pelos grande meios de comunicação de Israel e o assunto foi objeto de matéria dos principais jornais israelenses (Yedioth Ahronoth e Haaretz). O governo israelense tem mantido um escrupuloso silêncio sobre o assunto. Em Israel, várias famílias sefardim já procuraram as representações consulares espanholas para saber o que precisam fazer para obter a cidadania espanhola (Portugal em breve fará a mesma lista que a Espanha fez).

Depois da expulsão, os sefardim se mudaram para muitos lugares, entre eles o nordeste brasileiro (também foram para o norte da África, Balcãs, França e Holanda, por exemplo).

Link extraído do site do governo espanhol: http://www.lamoncloa.gob.es/consejodeministros/enlaces/070214-enlacesefardi.htm

Matéria do El País em português sobre o assunto: http://brasil.elpais.com/brasil/2014/02/10/internacional/1392033414_549013.html?rel=rosEP

Mais links que circularam recentemente na Internet e que tratam do assunto:

http://politica.elpais.com/politica/2014/02/10/actualidad/1392033414_549013.html

http://www.20minutos.es/noticia/2059789/0/judios-sefardies/nacionalidad-espanola/expectacion-procedimiento-documentacion/

http://www.abc.es/espana/20140217/abci-anhelado-regreso-sefarad-201402161856.html?utm_source=abc&utm_medium=rss&utm_content=uh-rss&utm_campaign=traffic-rss

 

Média: 3.1 (12 votos)
12 comentário(s)

Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de silva andrade
silva andrade

A FARSA Do País

A justiça com o atraso do processo do despedimento coletivo do Casino Estoril, não há ninguém que não veja o que se passa, mas como está entregue na justiça ninguém pode fazer nada.
Certo é com esta brincadeira de poder 48 famílias entram na pobreza , pois o estado e a justiça entendem defender os BES, BPP,BPN e CASINO ESTORIL defendem a justiça da igualdade.Quando se tem poder e não resta mais nada a diversão vai para a destruição de famílias e afins.O país está PODRE!!!

Seu voto: Nenhum
imagem de Reinaldo Oliveira
Reinaldo Oliveira

O Brasil vai invadir a europa

mais da metade dos brasileiros possuem esses sobrenomes.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Motta Araujo
Motta Araujo

Ideia ahistorica, depois de

Ideia ahistorica, depois de 550 anos é praticamente impossivel traçar linhagens, alem do que todo judeu pode requerer automaticamente cidadania israelense, portanto não precisam de outras cidadanias, os safariditas se espalharam pelo mundo depois da expulsão ibérica, muitos assimilaram a cultura de outros paises, não me parecei ideia séria essa de paises que estão exatamente em um processo contrario, de limitar ao maximo a absorção de migrantes novos.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Poderiam também conceder a

Poderiam também conceder a cidadania aos  descendentes dos árabes  que foram expulsos na reconquista, depois de 700 anos de vida contínua na Península Ibérica e que provavelmente hoje vivem na Argélia, Marrocos e Líbia. Eram tão ibéricos quanto os cristãos, embora muçulmanos.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Osvaldo Ferreira

Grande parte dos brasileiros

Grande parte dos brasileiros é descendente de sefarditas sem o saber.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Fulvia
Fulvia

Talvés o maior expoente de

Talvés o maior expoente de origem sefardista espanhol em Israel teria sido Shimon (Simão) Perez.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Tem bastante: Do Recife a Chinatown (NY)

  A primeira sinagoga sefaradita fora da Europa, nas Américas, ainda está de pé, é de 1642 e fica no Recife, a Kahal Zur Israel, cujo 1o Rabino foi Isaac Aboab da Fonseca.


  Após a derrota dos holandeses de Pernambuco, os remanescentes desta congregação, 23 pessoas, não foram para a Europa, foram para New Amsterdam, hoje Nova York, fundando em 1654 a mais antiga e ainda ativa congregação sefaradita da América do Norte, a Shearit Israel, cujo 1o cemitério fica na Chattam Sq., e em suas lapides (poucas), ve-se claramente os nomes portugueses/espanhóis, e muitos com nascimento em Recife/Pernambuco ou Brazil.


    Muito relevante para a cidade de Nova York, seu comércio e seus bancos, basta dizer que um dos fundadores da NYSE ( Bolsa de Valores), foi Benjamim Cardozo, familia sefaradita de origem recifense.


    A Sinagoga Kahal Zur Israel, ainda no "Recife Antigo", para os de fé judaica, tanto faz se sefarad (orientais - espanhóis) ou askenazim ( alemães - os do ghetto ), ortodoxos ou hassidicos, é ainda o local, e sempre o será, mais sagrado fora do Oriente Médio, pois possui em seu sub-solo, a "mikva" ( banheira ritual), mais antiga das américas, e 3aou4a mais antiga do mundo. Um tesouro histórico e cultural, incrustrado na "Veneza brasileira" ( uma idiotice de sabujos, complexo pleno de vira-lata, comparar o Recife, com Veneza, é covardia - para Veneza - Recife é muito mais bonita, Veneza "fede", mais que Recife, e as praias do Adriático, que prestam, ficam bem longe, na Croácia, portanto Recife não é a Veneza brasileira, Veneza que é um simulacro, mal ajambrado, caindo aos pedaços, de Nossa Senhora dos Arrecifes).


     

Seu voto: Nenhum (1 voto)

junior50

Silvio Santos, vem ai

 Señor Abravanel, um dos "Grandes de Espanha", Conselheiro dos Reis Católicos Fernando de Aragão e Isabel de Castela, um dos financiadores da expedição de Cristovão Colombo, entre continuar milionário e influente, ou abjurar sua fé, cristianizando-se, preferiu abandonar a sagrada "Sefarad", e ir com todo seu clã, para prestar serviços aos otomanos, baseando toda sua familia, na região de Salonica.


  Este é o ilustre antepassado do "homem do baú", o qual possui o mesmo nome, sem o "til" no n.


  Consultem a história: //clubedotaro.com.br/site/r64_6_espanha_judaica_asp

Seu voto: Nenhum (5 votos)

junior50

imagem de Fabio (o outro)
Fabio (o outro)

Neste vídeo , um defensor da

Neste vídeo , um defensor da igreja católica ameniza as críticas que se faz contra a igreja a respeito da inquisição.


Alega que no caso da inquisição espanhola , o papa não teve culpa pelos abusos praticados por Torquemada contra os judeus ,  com o aval dos monarcas Fernando e Isabel .


A inquisição espanhola foi , entre outras coisas , uma forma encontrada por Fernando e Isabel de levantar fundos para financiar as guerras de reconquista da Andaluzia contra o Islã , espoliando os judeus de suas as fortunas. A mesma coisa que os nazistas fizeram depois.


Seu voto: Nenhum (1 voto)

Para distrair no final de semana...

O Último Cabalista de Lisboa, de Richard Zimler.

A Senhora, Catherine Clément

Seu voto: Nenhum
imagem de Pedrôncio Deslogado
Pedrôncio Deslogado

Podiam também conceder

Podiam também conceder cidadania aos cidadãos das ex-colônias nas Américas, África e Ásia...

Seu voto: Nenhum (3 votos)

complementando post de doutor

complementando post do doutor Argolo, com notícia pertinente de fonte primária, da medieval Lisboa imorredoura, direto da Rua da Judiaria:

"Os judeus sefarditas foram expulsos de Portugal ou forçados ao exílio a partir das perseguições de finais do século XV, continuando a considerar-se e a referir-se a si mesmos como “judeus portugueses” ou “judeus da Nação portuguesa”.

Presentemente, constituem um grupo pequeno, tendo alguns membros cidadania israelita, sendo que a maioria vive no Brasil na maior parte do tempo e correspondendo quase todos a indivíduos com educação de nível superior, em geral profissionais liberais e que, na maioria, falam mais do que o português.

Há muitos judeus sefarditas que aspiram a recuperar a nacionalidade portuguesa, de que se encontram privados mercê da expulsão e/ou exílio forçado dos seus antepassados.

A Espanha – que fez expulsões similares às ocorridas em Portugal – já adoptou legislação, desde 1982, que permite a naturalização dos judeus sefarditas de origem espanhola ao fim de dois anos de residência em Espanha, à semelhança da norma aplicável a um conjunto limitidado de origens específicas. E, em 2008, adoptou a possibilidade por “carta de natureza” e atribuiu a nacionalidade espanhola, independentemente de residência, a judeus sefarditas, mercê unicamente de um conjunto de indicadores objectivos (apelidos, idioma familiar) e competente certificação pelo rabino da comunidade.

Os judeus sefarditas interessados em recuperar a nacionalidade portuguesa sublinham que outros países, como a Grécia, já adoptaram legislação de reaquisição de nacionalidade por judeus expulsos e seus descendentes e que a própria Alemanha o fez, face à tragédia mais recente.

Portugal é dos poucos países, senão o único, que não dispõe de normas para reaquisição de nacionalidade pelos descendentes de judeus expulsos.

Assim sendo, nós, cidadãos portugueses, através dos signatários desta petição, vimos solicitar perante os Poderes constituídos da República Portuguesa , a restituição da nacionalidade portuguesa aos judeus sefarditas portugueses."

Seu voto: Nenhum (1 voto)

"Ganhe as profundezas, a ironia não desce até lá" Rilke. "A ironia é o pudor da humanidade" Renard. "A ironia é a mais alta forma de sinceridade" Vila-Matas.

imagem de robertog
robertog

É uma história curiosa e não

É uma história curiosa e não necessariamente um oportunismo recente. Mesmo Franco salvou judeus durante o Holocausto. Alguns, nascidos em Salônica (Grécia) foram para São Paulo ou para o Rio.

http://wais.stanford.edu/Spain/spain_sephardicjewsunderfranco112302.html 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.