Revista GGN

Assine

Os rumos do jornalismo e do negócio midiático na realidade digital

Enviado por alfeu

Da Revista Pesquisa Fapesp

 
Estudo mostra a urgência de um modelo de negócio midiático adaptado à realidade digital

Por JULIANA SAYURI

Com o avanço tecnológico acelerado e o triunfo das mídias sociais, as empresas de comunicação, principalmente os jornais, enfrentam reveses como a perda de leitores, seguida da redução de páginas e de publicidade com o consequente corte de custos. Um dos casos mais emblemáticos é o do diário norte-americano The New York Times, que teve uma queda de faturamento de US$ 3,5 bilhões, em 2000, para US$ 1,9 bilhão, em 2012 – a derrocada das receitas publicitárias foi de 64%. Para entender a situação pela qual passa o jornalismo atual, o jornalista Caio Túlio Costa fez um diagnóstico do setor e, a partir daí, propôs um modelo de negócio rentável para as publicações sobreviverem em tempos digitais.

Costa é professor do MBA Jornalismo e Mídia na Era Digital, da Escola Superior e Propaganda e Marketing (ESPM), e passou uma temporada como pesquisador visitante na Columbia University Graduate School of Journalism, em Nova York, em 2013. Em seu estudo, ele identificou os impasses com os gigantes digitais (Google, Facebook, Twitter) e concluiu que as empresas tradicionais de comunicação devem aprender a jogar com – e não contra – eles.
A partir de exemplos e informações de mercado, o pesquisador propõe uma trinca de soluções para enfrentar a crise do jornalismo na transição para o digital, diversificando os fluxos e as fontes de receita: o sistema paywall (cobrança de assinatura dos conteúdos), a publicidade e a produção de serviços de valor adicionado. Esse último item é uma expressão da indústria de telecomunicações que define produtos que não são a principal fonte de recursos. No caso dos jornais, refere-se a subprodutos como conteúdos patrocinados, dossiês, newsletters e publicações de livros e serviços segmentados, ligados a roteiros culturais, por exemplo. “Há empresas que combinam esse tripé muito bem, como a America Online, o Google e o Facebook, usando conteúdo de terceiros. Mas as publicações tradicionais, em geral, ainda estão amarradas à ideia de que podem resolver a questão apenas com publicidade e assinaturas”, critica o jornalista.

Para garantir, portanto, a possibilidade de um bom jornalismo, crítico e independente, a atividade deverá se adaptar aos novos tempos. “É preciso rever o modelo de negócio do jornalismo praticado no ambiente digital. Até o momento essa velha indústria tenta transpor para o digital as práticas de negociação que desenvolve no ambiente tradicional. O mundo mudou, mas as empresas jornalísticas não”, analisa Costa. “Todos trafegam em velocidade supersônica, enquanto a velha imprensa se mantém na bitola estreita com suas marias-fumaças. Não dá mais. O jornalismo precisa encarar o ambiente disruptivo, enfrentar a questão geracional, trazendo os jovens para o comando das redações. Recomeçar tudo, do zero.”

Ele lembra que a sociedade precisa de mediadores, investigadores, analistas dos fatos. “Se o jornalista compreender que não é mais o protagonista da informação e que qualquer um pode criá-la e distribuí-la atualmente, poderá se dar melhor nessa nova esfera. O jornalista tem a técnica. Basta saber como fazê-la trafegar num ambiente que virou de cabeça para baixo o negócio do jornalismo.”

Em seu estudo, ele analisou o descompasso entre a “cadeia de valor clássica” e a “nova cadeia de valor” na indústria jornalística. Na clássica, a estrutura é composta de redação (repórteres, fotógrafos, editores etc.), departamentos (administração, finanças, gráfica, recursos humanos), área comercial (responsável por vender espaço para publicidade nas páginas impressas) e setor de distribuição (que comanda a entrega dos exemplares para assinantes e pontos de venda). A nova realidade, trazida pela internet, é radicalmente diferente da imprensa tradicional.

Desde o fim do século XX, outros atores surgiram: novas empresas de telecomunicações, poderosos buscadores (como o Google), grande número de portais e arrojados gadgets (smartphones, tablets), além das onipresentes redes sociais (Facebook, Foursquare, Instagram, Twitter, YouTube). O público consumidor assumiu ares de protagonista, principalmente os nativos digitais (ver quadro ao lado), e se tornou produtor e distribuidor de informação. “Com a emergência da interação em tempo real em rede, o jornalista – e, portanto, o próprio jornalismo – perdeu completamente o papel que ele se atribuía de ‘quarto poder’. Hoje qualquer indivíduo ou instituição tem poder de mídia no ecossistema digital”, diz o pesquisador.

A internet virou um território disputado. De acordo com Costa, estudo do Boston Consulting Group mostra que a maior fatia da economia digital (mais de 50%) fica com as operadoras de telecomunicações, seguidas por companhias como Google e Facebook (22%) e por fabricantes de gadgets (14%). As empresas jornalísticas estão na rabeira da cadeia, com apenas 7% do faturamento do negócio digital no mundo inteiro.

O jornalismo, para o pesquisador, mantém seu papel de moderador e a relevância editorial. No entanto, o jornalista tem agora um papel coadjuvante – o que não lhe retira totalmente a importância, mas pede uma mudança na sua forma de atuação. “A questão é se a empresa jornalística digital continuará obtendo receitas capazes de sustentar uma redação com poder investigativo. Se não reestruturar seu negócio, certamente não terá dinheiro para pagar bons profissionais. É preciso ter um modelo de negócio rentável para manter a relevância”, considera.

Nessa nova realidade pode-se pensar num “jornalismo pós-industrial”, ideia expressa por Christopher William Anderson, da City University of New York, Clay Shirky, da New York University, e Emily Bell, da Columbia University, pesquisadores reunidos no Tow Center for Digital Journalism, uma das principais referências do estudo de Costa. “O jornalismo pós-industrial descreve um ecossistema de mídia digital em que foram rompidos os processos rotineiros e racionais pelos quais as notícias são produzidas por grandes empresas. Num mundo de jornalismo pós-industrial, a produção e o consumo de notícias mudaram, passaram das instituições aos indivíduos”, define Anderson em entrevista à Pesquisa FAPESP. “O bom jornalismo ainda é o que era desde meados do século XX: informação produzida por organizações e indivíduos independentes de governos, informações conferidas, honestas e justas. Isso a internet não mudou”, acrescenta. O que mudou foram as condições para se praticar o tal bom jornalismo.

Segundo Costa, a discussão sobre redirecionar os rumos do jornalismo no universo digital implica confrontar – ou contornar – obstáculos como os gigantes Facebook, Google e Twitter. O Facebook é um nó. Ao abrir uma página nessa rede, com 1,15 bilhão de usuários ativos em 2013, a empresa jornalística perde a exclusividade de seu conteúdo e transfere imediatamente seus leitores para a rede social. Entre outros desdobramentos, isso leva a uma situação séria com a publicidade, cujo alvo também eram esses leitores, podendo também migrar para a rede social por um preço muito mais baixo. O problema é: como ficar de fora da maior rede social do mundo?

Já a questão sobre o Google diz respeito ao uso dos conteúdos jornalísticos nos resultados da busca a fim de comercializar publicidade nessas mesmas páginas. Por um lado, o conteúdo dos jornais ainda é prestigiado por sua credibilidade e relevância. Por outro, os jornais não ganham um centavo com a publicidade nas páginas de resultados do Google. Nesse caso, se repete o dilema sobre como ficar de fora da marca mais conhecida e visitada da internet.

A questão sobre Twitter, por sua vez, é relativamente simples. Apesar de sua popularidade, os usuários não precisam obrigatoriamente confinar a interação dentro dos 140 caracteres. Ao contrário, as conversas frequentemente abrigam remissões para outros lugares – abre-se aí uma brecha para os links das páginas próprias dos jornais.

Costa destaca ainda a questão tecnológica para a reinvenção do jornalismo. Para ilustrar a situação: enquanto The Washington Post (fundado em 1877) foi adquirido por US$ 250 milhões pela Amazon, o Instagram (fundado em 2010) foi arrematado por US$ 1 bilhão pelo Facebook. “Por que jornais, cujas marcas são sinônimos de credibilidade, não valem tanto quanto valem empresas digitais que ainda não saíram das fraldas?”, pergunta. A resposta de seu estudo: os jornais não investem suficientemente em tecnologia, uma das premissas para buscar caminhos para o jornalismo digital. Investir em conteúdo multimídia capaz de rodar, além da web, em smartphones, tablets e múltiplas mídias sociais. “Não basta transpor o produto jornal para a internet. É preciso revolucioná-lo no espectro digital. E o caminho natural deve ser pavimentado pela base tecnológica”, conclui.

 

Média: 5 (2 votos)
5 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

dividindo.

 palpite

Desta frase no texto:

Em seu estudo, ele identificou os impasses com os gigantes digitais (Google, Facebook, Twitter) e concluiu que as empresas tradicionais de comunicação devem aprender a jogar com – e não contra – eles.

- Exatamente o que vejo na mídia brasileira, as meias dúzias como a globo jogando contra as digitais todo seu tempo. Perderam na forma e ainda não no total.

Não colocaria exatamente só esta três gigantes digitais e somaria umas dez mais no mundo. Independente da grandeza.

E finalmente não podemos dividir colocando as que são contras e as que são a favor. Existem ainda outras opções. Por isto, acresceria um seguimento muito grande do mercado de jornalismo, comunicação e da própria mídia que comboiou, ficou indiferente ao rumo, não aos seus objetivos e que estão hoje dependentes das decisões como do controle das digitais. A Terra Brasil e o Google é um exemplo para mim.  

Em minha opinião a Huffington Post superou as tradicionais e do padrão antigo com um tipo novo e jovem. Enquanto as tradicionais ficaram na interação digital e os programas antigos, deu-se uma dinâmica mais não suficiente para encarar as digitais que buscam ferramental de interações na multimídia e em tempo real como operativo dos usuários.

As digitais não buscam qualidade e nem quantidade de informações, na comunicação, reportagem e dos jornalismos (blogs). Nem na sua forma de mídia também. As digitais querem acessos ou promoção de um conteúdo para milhões não importa se for verdade, do bem e do mal o conteúdo.

 

Seu voto: Nenhum

Ainda falta combinar com os russos

Com todo o respeito ao Caio Túlio Costa, primeiro ombudsman da Folha, não vejo em sua análise nenhuma ideia realmente nova. Toda a mídia, tanto a daqui quanto a do resto do planeta, segue a cartilha de oferecer farto material em multimídia, novos produtos e apostar em rejuvenescer suas redações. Os resultados são conhecidos: a mídia em papel perde  leitores e audiência na internet. O que falta a consultores e palpiteiros é entender um pequeno detalhe: a grande mídia do planeta pertence a poucos, e todos pensam o mesmo, e não farão agora o que nunca fizeram: jornalismo imparcial. Alguns pontos para refletirmos:

1) Leiam hoje a cobertura dos jornalões sobre a entrada da Ucrânia na UE. Parece que pegaram os releases do Pentágono. Que contraponto lá existe para mostrar que irão concorrer com a Grécia pela lanterna deste campeonato? Quem analisa com propriedade o jogo geopolítico que está atrás das decisões comerciais?

2) Rejuvenecem as redações há décadas. Com isto, uma feia barriga de colunista passa por muitos jovens jornalistas com facilidade. E se querem apostar em seus mais caros ideais de direita, onde estarão formando seus novos quadros de analistas? Caio Túlio ficou conhecido quando na Folha debateu acidamente com Paulo Francis. Faria isso hoje com um Constantino? Um Merval? Um Reinaldo?

3) Não existe imparcialidade também na internet, talvez nunca existirá, mas Google, Facebook etc souberam abraçar em seus negócios as variadas opiniões e disto fizeram parte de seu modelo de negócio. Siga, dê seu like, retuíte quem lhe diz mais respeito. E brigue com os divergentes. Isto é business, nunca para empresas que querem derrubar governos, matando junto o jornalismo. Negócio para eles é repetir que Saddam tinha armas químicas, ou que a Copa seria um fracasso, mesmo que para os dois casos um jornalista, mesmo jovem, pudesse apurar facilmente que a verdade seria outra.

Seu voto: Nenhum

Mudança de paradigma

Pessoalmente eu acredito que estamos vivenciando o fim da comunicação de massa e sua substituição pela comunicação em rede.

A comunicação em rede é o meio natural de comunicação entre as pessoas. Foram encontrados muros em reuínas romanas, onde estavam grafados recados pessoais que se seguiam a respostas e tréplicas, lembrando vagamente o que se faz hoje nas redes socias da Internet.

è a velha comunicação boca-a-boca, vindo da tradição oral que remonta aos primórdios da humanidade e que começou a ser massificada através da impressão de  milhares de cópias do mesmo escrito, produzidas pela prensa de Gutenberg, iniciando a era da comunicação de massa.

Até então a idéia de um únco emissor atingir diretamente vários milhares de receptores sem a propagação de um para outro (o boca-a-boa) era inviável. O rádio e depois a televisão assumiram papel dominante a a era da comunicação em massa atingiu seu apogeu no século XX. Mas a comunicação em massa é antinatural e será rapidamente superada, nas primeiras décadas do século XXI, substituída pela comunicação em rede, impactada pelas novas tecnologias que permitem superar as distâncias e passar enormes quantidades de informação, imagens e sons em uma escala impensável a poucas décadas atrás.

No lugar e um emissor e bilhões de receptores passivos, teremos bilhões de emissores/receptores interativos.

Isso muda tudo em uma escala que a nossa imaginação não consegue alcançar. A mídi será outra, completamente diferente, o modelo de negócios baseado em comunicação de massa vai desaparecer, a televisão e o rádio como conhecemos deixará de existir, o papel não será mais usado... É atordoante.

Como fica o jornalismo diante dessa realidade? Pessoalmente acho que não fica. A profissão vai desaparecer e em seu lugar surgirão outras porfissões e atividades que somente vagamente poderão ser relacionada ao que hoje chamamos de jornalismo.

É uma perspectiva atemorizante para nós que nascemos e crecemos na era da comunicação de massa, mas é uma perspectiva extremamente empolgante e desafiadora para as novas gerações.

Os jornalistas que me desculpem o epitáfio, eu penso o mesmo da minha profissão (na área de TI) e de muitas outras profissões. Mas não acho que seja algo melancólico não, quero mais é fazer parte dessa transformação e ver como esse processo vai se desenvolver.

Só tem uma certeza no horizonte: Tudo vai mudar.

 

Seu voto: Nenhum

ABAIXO A DITADURA

 

imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

"Já a questão sobre o Google

"Já a questão sobre o Google diz respeito ao uso dos conteúdos jornalísticos nos resultados da busca a fim de comercializar publicidade nessas mesmas páginas. Por um lado, o conteúdo dos jornais ainda é prestigiado por sua credibilidade e relevância. Por outro, os jornais não ganham um centavo com a publicidade nas páginas de resultados do Google. Nesse caso, se repete o dilema sobre como ficar de fora da marca mais conhecida e visitada da internet":

Essa eh a abertura que as companias vao usar --so nao sei como ainda.

A verdade eh patente e evidente:  ninguem vai pra internet pra assistir comercial nem pra ler anuncios -eh talvez um em duzentos que vai atraz de um anuncio, mesmo assim porque ta na hora de comprar alguma coisa necessaria.  Mas todos querem o conteudo jornalistico -seja ele Caras ou NYTimes.

Vai haver uma conspiracao de cobranca por  conteudo entre as grandes companias.  Nem assim elas vao garantir qualquer conteudo sem anuncios, claro.  Mas o que vai acontecer eh isso e vai envolver governos de diversos paises de primeiro mundo.  A subsequente debandada de publico das grandes companias de internet vai ser dificil de resolver, e o "mercado" digital NAO vai se solidificar.  Pelo contrario, vai passar por um liquidificador.

Lembrando mais uma vez:  99 por cento -se nao mais- dos anuncios de internet NAO esta sendo assistido nem lido.  Foi pra isso que as pessoas largaram a televisao, alias.  A tv aa cabo comecou com grandes promessas aos consumidores de nao ter comerciais -pois era conteudo pago, como poderia ter, ne?

Deu no que deu...

Seu voto: Nenhum

Caro Nassif e demais Eis o

Caro Nassif e demais

Eis o que o globo se vê obrigado a publicar:

http://www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/2014/06/1477066-vilar...

Saudações

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.