Revista GGN

Assine

Sérgio Sampaio e a Segunda Sem Lei, por Almir Forte


Reprodução da contracapa de Tem Que Acontecer (1976)

Por Almir Forte

Sérgio Sampaio e a Segunda Sem Lei

Quando, no inicio da década de 1990, o nosso poeta, compositor e cantor Sérgio Sampaio retornou para Cachoeiro, era comum encontrá-lo pelos bares da cidade. O mais frequentado era o Bar do Doutor, ao lado do cine Plaza. O local era uma espécie de point cultural da época, inclusive foi lá que seu irmão Jorge Sampaio, o Dedé Caiano, fez o lançamento, literalmente, do livro de sua autoria Aladim sem Lâmpada. Mas essa é outra história.

Após ter passado uns tempos na Capital Secreta, o poeta se aborreceu, foi embora e prometeu que não mais voltaria a sua terra natal e fixaria residência em outro estado, mais precisamente na Bahia. Mas, como era um artista um tanto temperamental, não levamos muito a sério suas declarações sobre nossa cidade, embora concordássemos com algumas delas.

Foi então que, em maio de 1994, o nosso poeta veio a falecer e foi sepultado no estado do Rio de Janeiro. No ano de 1997, quando completaria 50 anos, o Município, através da Secretaria de Cultura, resolveu trazê-lo para Cachoeiro, onde seria sepultado com grandes homenagens.

O diretor de cultura da época, João de Moraes, fez o translado dos restos mortais de nosso poeta para Cachoeiro, que veio em uma caixa hermeticamente fechada e pressurizada de aproximadamente 50 ou 60 centímetros, envolvida em um papel amarelo.

Como a burocracia não permitiu a agilidade prevista para a solenidade e as homenagens, a caixa contendo os restos mortais de nosso grande cantor e compositor ficou guardada na residência de João de Moraes, até que fossem levados ao seu descanso eterno, o que demorou quase um ano.

Mas, tradicionalmente, na casa de João de Moraes era realizada a chamada “Segunda sem Lei”, quando nos reuníamos para um tira-gosto acompanhado de drinques que variavam de refrigerantes, passando pela tradicional cervejinha, até a cachaça, whisky, arak e, para os mais fortes, o absinto.

E como tudo que é tradicional tem seus avanços, combinamos que a próxima “Segunda Sem Lei” seria especial, pois beberíamos com Sérgio Sampaio. João de Moraes e Penha, Ronaldo, Marquinhos, Pedro, Alcélio, Marlene, eu e mais alguns frequentadores, cujos nomes serão omitidos, uma vez que não os consultei se poderia citá-los, nos apresentamos para o grande evento.

Quando a noite já estava bastante alta, o fato mais importante e esperado aconteceu. De forma solene e com muito respeito o anfitrião trouxe o convidado, ou seja, a caixa amarela que continha os restos mortais de Sérgio Sampaio, e a depositou ao lado da mesa. Foi então que todos fizeram um brinde e cada um dos presentes deixou uma mensagem assinada na caixa.

E assim, sucessivamente, outras “Segundas Sem lei” voltaram a acontecer e muitas personalidades ilustres da cultura nacional passaram por lá e deixaram mensagens para o nosso poeta, cantor e compositor, entre os quais podemos citar os poetas Ricardo Chacal e Sérgio Natureza, o jornalista de O Globo, Arnaldo Bloch, além do jornalista e escritor Marco Antônio Carvalho e outros.

O nosso anfitrião, João de Moraes, atualmente reside em outra capital, Vitória, mas mantém sob sua guarda o papel com as mensagens e assinaturas de todos que ousaram uma “Segunda Sem Lei” na companhia de Sérgio Sampaio.

 

Média: 5 (5 votos)
5 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Quero ir!

Quero ir!!!!!

quero quero quero quero quero quero queroquero quero quero quero

Seu voto: Nenhum (1 voto)

O macho adulto branco sempre no comando
E o resto ao resto, o sexo é o corte, o sexo
Reconhecer o valor necessário do ato hipócrita
Riscar os índios, nada esperar dos pretos ♪♫

imagem de Roberto Monteiror
Roberto Monteiror

Bonita história.

Que seria do mundo sem os loucos e os poetas? Ou somos a simbiose dos dois?

Seu voto: Nenhum (2 votos)

SÉRGIO SAMPAIO MAIÚSCULO

Seu voto: Nenhum (3 votos)

O macho adulto branco sempre no comando
E o resto ao resto, o sexo é o corte, o sexo
Reconhecer o valor necessário do ato hipócrita
Riscar os índios, nada esperar dos pretos ♪♫

E quem pode dizer que ele não gostou?

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Sinceramente...

Né? Como o próprio declarou:

''Não há nada mais bonito do que ser independente
E poder se conquistar, sair, chegar, assim tão simplesmente. . .

Não há nada mais tranquilo do que ser o que se sente
E poder amar, perder, chorar, depois ganhar assim tão livremente

não há nada mais sozinho do que ser inteligente
e poder cantarolar, errar, desafinar, assim sinceramente
sinceramente.''

Bom fim de semana, Malu!

Seu voto: Nenhum (3 votos)

O macho adulto branco sempre no comando
E o resto ao resto, o sexo é o corte, o sexo
Reconhecer o valor necessário do ato hipócrita
Riscar os índios, nada esperar dos pretos ♪♫

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.