Revista GGN

Assine

Portugal: Chamas da tragédia

Enviado por Antonio Ateu

do Expresso

A estrada mais triste de Portugal

por Ricardo Marques

Dizem que é uma estrada, mas não passa de uma ausência. Como se vida tivesse sido sugada de repente e o caminho entre Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera não passasse agora de uma coisa que já foi. Dezena e meia de quilómetros reduzidos a nada. Há ramos caídos, fios de eletricidade tombados e, na berma, um homem que pede lume. “Já viu a ironia disto”, pergunta, enquanto acende uma cigarrilha. Depois segue o seu caminho, em direção a um dos epicentros do pior incêndio florestal que atingiu Portugal.

Caminha devagar, pelo meio da estrada, fumando a cigarrilha. “Está a ver esta marca negra no chão? É de um carro. Havia dezenas deles aqui”, diz. “Nunca mais nos vamos esquecer deste dia, sabe? Houve um homem que conseguiu sair do carro e fugir a correr pelo meio das chamas. Salvou-se, mas foi o único”. A história dos outros, dos que não conseguiram escapar, está nos destroços. Neste troço da EN236-1, bem perto de uma terra chamada Barraca da Boavista - onde há uma rua chamada Alegria e, nessa rua, está um carro todo queimado.

 

O homem fuma e caminha. Veio da Venezuela há uns anos, conta, como se fosse obrigado a dizer alguma coisa. O silêncio faz muito barulho quando não existe mais nada à volta. São vinte passos até aos carros queimados no meio da estrada. “Não tiveram hipótese”, diz. Nesta estrada morreram 47 pessoas, encurraladas pelas chamas. A terra cheira a queimado, o fumo esconde o céu e o sol, mas o homem caminha. Passa um reboque que, lentamente, começa a carregar o que resta de um carro. Há mais dois ali mesmo, outros três na estrada de baixo, mais de uma dezena, entre veículos ligeiros e camiões, até Castanheira. Não é muito diferente no caminho até Figueiró.

A viagem é feita devagar - há demasiados obstáculos na estrada. Na rádio, o primeiro-ministro admite que o número pode subir nas próximas horas. Não é difícil perceber porquê. Ao longo da estrada sucedem-se os desvios para aldeias e lugares, mas na verdade são caminhos que levam a mais destruição. Pelo meio dessas estradas secundárias existem caminhos de terra, ainda mais secundários. E por toda a serra há casas isoladas. “Este número vai subir muito”, arrisca o homem da cigarrilha, que segue a pé em direção a Castanheira. “Isto foi um horror.”

Fica para trás e, alguns quilómetros adiante, numa curva, um carro dos bombeiros está avariado, com um pneu destruido, junto a um carro incendiado. O céu fica mais negro, vê-se fumo ao longe. Uma coluna de bombeiros passa devagar e os nomes escritos a branco no lado das viaturas dão outra dimensão à tragedia: Paço de Arcos, Barcarena, Algés, Santo Tirso… Passam e acenam a quem está à beira da estrada. A tristeza a saudar o desespero. Vem depois um enorme camião do exército, que transporta uma retroescavadora - e este é o sinal do amanhã. Os trabalhos de limpeza e desobstrução da via já estão em curso e, à medida que as autoridades vão entrando pelos caminhos, ninguém acredita que tragam boas notícias.

Em Castanheira, numa rotunda no fim do caminho mais triste de Portugal, há um moinho de água que nunca para de girar.

Assine

Média: 5 (2 votos)
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

O império do eucalipto

O império do eucalipto - http://www.eldiario.es/internacional/culpables-devastador-fuego-Portugal_0_656184642.html

A soma de fatores que produziram um incêndio devastador ao norte de Lisboa

En las primeras comunicaciones, la Polícia Judiciária dijo que el origen probable del incendio fue una tormenta seca, una clase habitual en las zonas áridas y desérticas cercanas al mar que produce rayos y truenos pero sin lluvia. El aire seco absorbe el agua y la convierte en vapor, que a su vez se convierte en el germen de nubes de tormenta. Pero el entorno es tan seco que las precipitaciones se evaporan antes de tocar el suelo, y los rayos impactan sobre madera árida que propaga el fuego a gran velocidad. Sobre todo, si esa madera es eucalipto. Altamente probable, cuando hablamos de Portugal.

 

El eucalipto es la especie más abundante en los bosques portugueses. El último inventario es de 2013 y registra 812.000 hectáreas, un 26% de la superficie forestal total. Sin embargo, no es una especie portuguesa. Es original del sureste de Australia y Tasmania y fue introducida en Europa el siglo XVIII por botánicos ingleses y franceses para sanear zonas pantanosas y controlar enfermedades transmitidas por mosquitos.

 

En una Portugal diezmada por la construcción naval, se plantaron 35.000 eucaliptos en Coimbra con la idea de secar los pantanos y reducir así la incidencia de malaria. Un siglo más tarde, la industria papelera escandinava empezó a comprar terreno en Portugal para plantar Eucalyptus globulus y hacer pulpa de papel. Portugal estaba perdiendo tres guerras y cambió sus leyes proteccionistas para hacer sitio a la explotación maderera.

 

El imperio letal del eucalipto australiano

 

Así fue cómo el monte portugués se convirtió en un monocultivo de crecimiento rápido y rotación corta que consume toda el agua disponible, acidifica el terreno y lo hace increíblemente inflamable. Es una especie pirófita, amiga del fuego. Cuando se incendia el bosque, conduce las llamas por la superficie pero sobrevive en la raíz, y aprovecha la catástrofe para colonizar. Como explica David Bowman, ingeniero forestal de la Universidad de Tasmania, "el eucalipto evolucionó para quemar a sus vecinos".

 

Todos los monocultivos son tóxicos, pero el eucalipto lo es más. Los bosques de roble, pino y castaño comparten espacio con más de 70 especies; donde hay eucalipto solo hay una docena. Su mala onda se extiende a las especies no arbóreas, que no pueden alimentarse de eucalipto ni refugiarse en él. "Nuestros insectos no pueden comer eucalipto, así que tampoco hay pájaros - explica Pedro Bingre, medioambientalista del Instituto Politécnico de Coimbra. - Deberíamos traer koalas. Al menos tendríamos algo mono que mirar".

 

El incendio provocado por tormenta seca es especialmente peligroso porque, como explica el ingeniero forestal Paulo M. Fernandes, catedrático de la Universidad de Trás-os-Montes e Alto Douro, suele ocurrir en espacios de difícil acceso, que dificultan las labores de extinción.

 

Pero además, los incendios provocan nuevas tormentas secas que, a su vez, multiplican los focos y arrastran las llamas. Los bosques que arden liberan una gran cantidad de dióxido de carbono que contribuye todavía más al calentamiento global. Esta es la naturaleza del calentamiento global: cuando se ha cruzado la primera línea de no retorno, el efecto cadena es imprevisible, y seguramente catastrófico. 

Seu voto: Nenhum

---

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.