Revista GGN

Assine

Lista de Livros: Os Caminhos da Liberdade - Com a morte na alma, de Jean-Paul Sartre

Seleção de Doney

Lista de Livros: Os Caminhos da Liberdade - Com a morte na alma,

de Jean-Paul Sartre

Editora: Nova Fronteira / Saraiva de bolso 

ISBN: 978-85-2093-147-9

Tradução: Sérgio Milliet

Opinião: muito bom

Páginas: 376

     “Voltou-se; cinquenta telas de Mondrian nas paredes brancas daquela clínica: pintura esterilizada numa sala climatizada; nada de suspeito; estava-se ao abrigo dos micróbios e da paixão.”

*

     “– Minha opinião – disse Ritchie – é que a arte não foi feita para suscitar questões incômodas. Suponha que alguém venha me perguntar se desejei a minha mãe: eu o boto para fora, a menos que seja um pesquisador científico. Nessas condições, não vejo porque autorizariam os pintores a interrogar-me publicamente sobre meus complexos. Sou como todo mundo – acrescentou em tom conciliatório. – Tenho meus problemas. Só que no dia em que eles me atormentam, não vou ao museu: telefono para o psicanalista. Cada qual tem seu ofício: o psicanalista me inspira confiança porque começou por se fazer analisar. Enquanto os pintores não fizerem a mesma coisa, podem dizer o que quiserem, mas não lhes pedirei que me ponham perante mim mesmo.

     – O que pede a eles? – perguntou Gomez distraidamente.

     Inspecionava o quadro com uma obstinação melancólica. Pensava: “não significa nada.”

     – Peço-lhes inocência – disse Ritchie. – Esta tela...

     – Que tem ela?

     – É seráfica – afirmou ele em êxtase. – Nós, americanos, queremos pintar pra gente feliz ou que tenta sê-lo.

     – Não sou feliz – retorquiu Gomez – e, seria um salafrário se o tentasse ser, quando todos os meus companheiros estão presos ou foram fuzilados.

     A língua de Ritchie estalou de novo:

     – Meu caro – disse –, compreendo muito bem suas inquietações de homem. O fascismo, a derrota dos Aliados, a Espanha, sua mulher, seu filho: evidente! Mas é bom de vez em quando erguer-se acima de tudo isso.

    – Nem um só minuto! – replicou Gomez. – Nem um só minuto!

     Ritchie corou um pouco.

     – O que você pintava então? – indagou, magoado. – Greves? Massacres? Capitalistas de cartola? Soldados atirando no povo?

     Gomez sorriu.

     – Sabe que nunca acreditei muito na arte revolucionária. E agora deixei de acreditar por completo.

     – Então – disse Ritchie – estamos de acordo.

     –  É possível; só que subitamente me pergunto se não deixei de acreditar na arte simplesmente.

     – E na Revolução simplesmente?

     Gomez não respondeu e Ritchie sorriu novamente:

     – Vocês, intelectuais europeus, vocês me divertem: têm um complexo de inferioridade diante da ação.

     Gomez virou-se bruscamente e agarrou Ritchie pelo braço:

     – Vamos. Já vi demais. Conheço esse Mondrian de cor, posso perfeitamente engendrar um artigo. Vamos subir.

     – Aonde?

     – Ao primeiro andar, quero ver os outros.

     –  Que outros?

     Atravessaram as três salas de exposição. Gomez empurrava Ritchie à sua frente sem olhar para nada.

     – Que outros? – repetiu Ritchie de mau humor.

     – Todos os outros. Klee, Rouault, Picasso: os que fazem questionamentos incômodos.”

*

     “Sem dúvida, ele condenava severamente a tristeza, mas quando se cai nela, é um inferno para sair.”

*

     “Não sou bastante covarde para ter medo de fazer sofrer quando é preciso.”

*

     “Reiniciaram a caminhada para alcançar a estrada; a partida deles provocou uma rápida fenda no frescor da tarde; uma lasca de tempo passou pela brecha, os alemães deram um passo para a frente, cinco dedos de ferro crisparam-se no coração de Mathieu. E depois a sangria parou, o tempo parou de novo, havia apenas um parque por onde passeavam anjos. “Que vazio!”, pensou Mathieu. Algo imenso retirara-se bruscamente, deixando a Natureza guardada por soldados de segunda classe. Uma voz se extingue sob um sol antigoPã morreu, eles sentiram a mesma ausência. Quem morreu, desta vez? A França? A cristandade? A esperança? A terra e os campos retornavam docemente à sua primitiva inutilidade. No meio dos campos que não podiam nem cultivar nem defender, estes homens tornavam-se gratuitos. Tudo parecia novo e, no entanto, a tarde já se debruava com os contornos da noite próxima; no coração desta noite, um cometa se jogaria contra a Terra. Bombardearão? Aguardava-se a cerimônia para dentro em pouco. Seria o primeiro dia do mundo ou o último? Os trigais, as papoulas que escureciam rapidamente, tudo parecia nascer e morrer ao mesmo tempo. Mathieu percorreu com o olhar aquela tranquila ambiguidade e pensou: “É o paraíso do desespero”.”

*

     “É de mim que tenho raiva, pensou. Mas censurava-se por isso porque era uma forma de se colocar acima dos outros. Indulgente com todos, severo consigo: mais uma armadilha do orgulho. Inocente e culpado, severo demais e demasiado indulgente, imponente e responsável, solidário com todos e rejeitado por cada um, perfeitamente lúcido e totalmente iludido, escravo e senhor: sou como todo mundo, afinal.”

*

      ““Será difícil”. “O que será difícil?” “Adquirirmos uma consciência. Não somos uma classe. Quando muito um rebanho. Poucos operários: camponeses e pequeno-burgueses. Não trabalhamos sequer: somos abstratos.” “Não se aflija”, diz Brunet sem querer, “nós trabalharemos”. “Certamente. Mas como escravos. Não é um trabalho que emancipe e não passaremos nunca de um complemento. Que ação comum você pode exigir de nós? Uma greve dá aos grevistas a consciência da sua força. Mas, mesmo se todos os prisioneiros franceses cruzassem os braços, a economia alemã não perderia grande coisa.”
*
     “Moûlu procura conciliar: “Falar de amor de vez em quando não é crime, faz a gente mudar de ideia.” “São os imponentes que falam de amor”, diz Brunet. “O amor a gente faz quando pode.” “E quando não se pode?” “Fica-se calado”, responde Brunet.”
*
     “A inteligência não é tão importante assim, mas torna as relações mais agradáveis.”

Média: 5 (1 voto)
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de ze sergio
ze sergio

Lista...

Temos uma elite esquerdopata que acredita que só ter acesso à informação e ao estudo já os torna intelectuais. Esterco não transformado em adubo é só esterco. Muitos se vangloriam de ter tido acesso a Sartre, ouvido suas palavras. tirado fotos ao lado do professor. Teve até quem se tornou Presidente da República. Mas aprenderam o que? Suas atitudes e o país que comandaram demonstram o tamanho da sua incapacidade. Muitos até leram Sartre, mas o compreenderam?  

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Trilogia excepcional:

A Idade da Razão, Sursis e Com a morte na Alma.

Quem não leu perdeu reflexões existencialistas exemplares.

E o inferno são os outros

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Odonir Oliveira

“A colheita é comum, mas o capinar é sozinho” G. Rosa

          

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.