Revista GGN

Assine

O Brasil está uma suruba.

O legislativo age como executivo, o executivo como legislativo e o judiciário como se fosse os dois e, pretensiosamente, acima deles.

Se a constituinte gente fosse estaria perplexa diante deste quadro de anomalias.

Chorando, perguntaria: o que aconteceu com este país que muito prometia? Deixei tudo organizado. Escrito. Três poderes harmônicos e independentes entre si.

E o que vejo agora: estão metendo os pés pelas mãos. É triste, tem gente que não merece o que come.

Eleições organizadas. Um cidadão, um voto. Ganha que tiver a maioria.

Então chega um bando de canalhas, entreguistas e traidores e utiliza a única brecha que havia, o tal do impeachment. Mas mesmo esse dispositivo é bem claro. Tem que ter crime, tipificado, provado e sacramentado e não sobrar a mínima dúvida que a autoridade eleita cometeu banditismos.

Mas não! Os poderes se uniram em quadrilha. Deram um jeitinho. Puxa aqui, remenda ali, tapa acolá. Mistura, bate, divulga, achincalha, contrata uns loucos e pronto: saindo do forno um impedimento novinho em folha. Não tá bom, mas serve.

Aí ou entra a turma dos alucinógenos: sim! sim! sim! E encaminham o processo ao senado. Abraços, choros. Uma festa só.

O senado avalia. Janaína, a possuída, defende a cassação da presidenta, por apenas 50 mil paus.

Tem senador bocejando perguntando porque tanta demora o caso já tá resolvido: a Dilma sai.

Mas o teatro tem que ser completo. Parecer justo, correto e julgado por criminosos honestos.

Resultado final, a Dilma Sai. Mais prantos, abraços, beijos e júbilos.

Quem manda nessa porra? Um juiz de primeira instância de um estado agrícola, cuja capital é Curitiba. E que um menino travestido de procurador, com nome de xarope, diz que é a república de Curitiba.

Pois é, um bando de loucos insanos colocou uma das maiores democracia do planeta de cabeça-pra-baixo.

Educação, saúde, pesquisa vão pro brejo.

Desemprego aumenta.

As riquezas vendidas.

A indústria sucateada.

Os americanos extasiados diante do festim, se refastelam na orgia.

Boca livre meus amados yankees. Podem entrar e levar tudo que quiserem. Não, não precisam tirar o sapato. Só não esqueçam da gorjeta. E um tapinha na bunda, por favor.

Os canalhas são tão canalhas que já não escondem a canalhice. Virou suruba.

E o povo? Bem o povo canta: “já me passaram a mão na bunda e até agora não comi ninguém…”. E viva os Mamonas.

Só a Dilma voltando e prendendo é que o Brasil será reposto nos trilhos da democracia.

Imagens

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.