Revista GGN

Assine

...da República de Curitiba..., por Eduardo Ramos

Foto Gazeta do Povo

...da República de Curitiba...

por Eduardo Ramos

O fato de termos um juizado que assume tal nomenclatura é uma humilhação não só para todo o sistema judiciário, é uma humilhação para o país, um evento vexaminoso para o Estado brasileiro, uma das muitas provas de nossa incivilidade secular, do fracasso de nossas instituições ao longo do tempo.

A sabedoria popular vai construindo mesmo nos rincões mais afastados, crenças sólidas estabelecidas através de exemplos tão acachapantes que são apreendidos na verdade por toda a sociedade, e se expressam em sentenças que se tornam “a verdade da nação sobre seu próprio país”.

No Brasil, uma dessas sentenças, das mais trágicas diga-se, é que “a Justiça não é confiável!”. Diz o povo em seu jargão vulgar: “nossa Justiça é para pretos, pobres e prostitutas” – e hoje em dia, acrescentaram um quarto “p” à lista – para os petistas!

Num país onde essa é a imagem PREDOMINANTE na mente e coração do nosso povo, é evidente que não podia dar certo uma operação – a Lava Jato – com procuradores que chegaram já com uma “PAUTA PRÉ-CONCEBIDA”, algo de desonestidade intelectual e ética gritante. Tendo um juiz que abraçou a pauta como sendo dele, agindo e reagindo permanentemente como um braço auxiliar da acusação, diante dos olhos dos maiores juristas brasileiros a Lava Jato chega próximo ao seu fim de modo melancólico, e temos hoje na verdade um “salve-se quem puder”, com Janot, os procuradores e o próprio Moro tentando aparentar de modo patético um ar de “vitória”, de “celebração” que só convence aos seus pares e ao setor mais cego e ignaro da sociedade, principalmente nossa elite social e classe média, pautados pela Globo, Veja, Estadão e assemelhados.

A própria imprensa internacional já descobriu e passa a noticiar cada vez mais o GOLPE em nossa democracia, num paradoxo digno de novela mexicana: a operação criada entre outras coisas para a retirada da presidente Dilma, hoje é abafada pelos políticos que ela PROTEGEU ENQUANTO ESSE ERA O SEU INTERESSE. Não se brinca com o diabo impunemente, talvez soubessem disso os procuradores e são Moro, se tivessem lido atentamente as lições de “Fausto”, de Goethe. Hoje, Temer, Aécio e outros políticos pegos nas teias da Lava Jato são os que atiçam Gilmar Mendes e outros pit-bulls pesados visando o estancamento da sangria. Preconiza-se a vontade de Romero Jucá ao telefone com Sérgio Machado: “É parar tudo, um acordão, com o Supremo, com todo mundo dentro....”

Não podia mesmo dar certo, uma operação que acumulou tanto poder – absoluto eu diria – que de certa forma, agiam como se fossem eles o Supremo Tribunal do país. Essa noção espalhou-se pela sociedade de tal forma, que a expressão “República de Curitiba” tornou-se igualmente um “jargão popular”, o povo, mais uma vez certeiro em sua leitura da realidade, enxergando que “é lá que está o poder.... é de lá que saem as decisões jurídicas que prevalecem....” – Que país subsiste à tamanha distorção, tamanho absurdo?

Nos últimos vinte dias, três eventos desmoralizaram de vez a “República de Curitiba”: a sentença de Moro condenando Lula sem provas, o desejo de Janot em anular a delação de Delcídio, uma das bases da perseguição a Lula e a Polícia Federal assumindo que NENHUMA das delações contra Palloci têm provas. É como um castelo de areia, aos poucos a FRAGILIDADE TACANHA da base em que foi montada a farsa da Lava Jato aparece com uma força devastadora. Tivéssemos uma mídia minimamente digna, os nomes de Janot, Moro e os procuradores todos já seriam motivo de indignação e até chacota por toda a sociedade.

Venal, cabe à grande mídia tentar jogar toda a sujeira acumulada para debaixo do tapete, até mesmo para que haja um ambiente social onde a operação “seja levada a sério” – nem que seja pela necessidade de se blindar Moro e sua patética sentença, para que os desembargadores do TRF4 possam cumprir a missão de condenar Lula, inabilitando-o para a eleição de 2018. Desmoralizada a Lava Jato, avacalhada a sentença de Moro, os desembargadores poderiam se sentir tentados a cumprir a Lei e retificar a sentença, proclamando a óbvia inocência de Lula provada fartamente, nem tanto por qualquer argúcia da defesa, mas pelo motivo ESSENCIAL, a falta de provas que corroborem com as “convicções” dos procuradores e de Moro.

É preciso a partir de agora que falemos dia e noite, todo e qualquer articulista, jurista, jornalista, capaz de fazê-lo, sobre essa maldita “república”,a “República de Curitiba”. É preciso agora, urgentemente, que esmiucemos cada quebra dos direitos e garantias fundamentais, cada CRIME cometido pela Políca Federal, os procuradores e Moro, é preciso que sejam denunciados todos os fatos escabrosos e hediondos dessa farsa grotesca, é preciso que sejam postos a nu os crimes contra a economia nacional, a destruição das cadeias de produção do petróleo e gás, as grandes empreiteiras postas de joelhos, arrasadas aqui e no exterior, DÉCADAS E DÉCADAS de trabalho jogado no lixo, pela sanha de gente concursada, SEM UM MÍSERO VOTO, apoiados por uma mídia ordinária e uma sociedade fanatizada, tornada um pobre e tosco rebanho humano....

É preciso que se questione porque tantas conduções coercitivas ao arrepio da Lei. É preciso que se investigue cada prisão provisória tornada eterna, as delações rejeitadas e as arrancadas à força de tortura e chantagem, no mais torpe episódio do nosso Ministério Público Federal e de um juiz a quem foi concedido, como que da parte de algum deus, o poder absoluto sobre o destino do país. Há muito pouco tempo, no Brasil não se perguntava “o que o Moro vai fazer....” – Mas “quando ele vai fazer”.... – todo o pais de joelhos, esperando pelo próximo passo vindo da “República de Curitiba”... – diante de um Supremo tão catatônico e acovardado, que mesmo diante do crime maior, a divulgação da fita contendo conversas de uma presidente da República, o máximo que se permitiram dois ministros, foi um leve “puxão de orelhas” no menino rebelde do Paraná.... – “o Moro exagerou dessa vez....” - Fico imaginando as gargalhadas de Moro com seus amigos, diante de tanta covardia, e a certeza de que podia ir em frente desafiando a tudo e a todos.

O episódio mais miserável da História do nosso país, no sentido da HUMILHAÇÃO das instituições, do Estado de Direito, de tudo aquilo que faz de uma nação um país civilizado. Nunca fomos tão envergonhados em todo o mundo como nesses últimos três anos, em que o CENTRO DO PODER mudou-se para Curitiba, e uma NOVA ORDEM FOI DE FATO ESTABELECIDA: a ordem da vontade soberana dos procuradores e do juiz Sérgio Moro. Num futuro bem breve, historiadores, intelectuais de todo tipo, estudarão e se quedarão perplexos, quando toda a verdade vier à luz, e tudo aquilo que nossa mente ainda não apreendeu, por estarmos ainda dentro de todo o horror.

Por enquanto, segue a farsa! Em entrevista ao Estadão, o presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Carlos Eduardo Thompson Flores, afirmou que a sentença de Sérgio Moro contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “é tecnicamente irrepreensível" e “vai entrar para a história....” – mesmo reconhecendo não ter tido acesso ao processo, portanto, às provas apresentadas e os argumentos da defesa. Nem se fale de todas as normas e leis que condenam a atitude do magistrado. Afinal, ainda estamos na vigência da “nova ordem” – vale portanto a máxima, que a “República de Curitiba” faz o que quer, e o resto do país aceita submisso.

É preciso um basta! Somos a República Federativa do Brasil. Repetindo, devido à importância do fato: Somos a REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL !

Ou restabelecemos isso NOVAMENTE como nossa realidade política, jurídica e social, ou assumamos nossa covardia diante de um tempo tão perverso e hediondo, entreguemos de vez o país a eles, à Globo, autêntica força política a impor sua vontade quando quer e como quer, e talvez saiamos da República de Curitiba para o “Parlamentarismo de Gilmar Mendes, Temer e Aécio”, são várias as opções quando um povo se omite e acovarda, não haverá vácuo de poder, nunca há! É hora de retomarmos o NOSSO país em nossas mãos!

(eduardo ramos)

Média: 4.3 (11 votos)
7 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Roxane
Roxane

Povo acovardado por séculos

Povo acovardado por séculos de pelourinho, literal e metaforicamente. Os que se levantam contra não estão sendo  suficientes. E agora José o que fazer????????

Seu voto: Nenhum
imagem de Dário Augusto Lins Neto
Dário Augusto Lins Neto

Lula

Pode ser...na real alguns de seus filhos ficaram milionários. Com certeza dentro da ética brasileira mas não, da Ética.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

República ou ditadura?

Ditadura de Curitiba, isso sim!

Seu voto: Nenhum
imagem de manoel juanilo schepp
manoel juanilo schepp

Parabéns!

Parabéns!

Seu voto: Nenhum
imagem de WG
WG

O juristocracia foi além,

O juristocracia foi além, deixou aberto o caminho para os criminosos neoliberais saquearem o Estado.  

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de jossimar
jossimar

Excelente. Espero ver TODOS

Excelente.

Espero ver TODOS os lavajateiros na prisão antes de morrer. Inclusive os empresários, pseudo jornalistas e donos de mídia que ajudaram a destruir o país.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Perfeito!

Como sempre, perfeito!   Emocionante!  A alma chora ao nos sentirmos impotentes diante desses malfeitores de nossa pátria!

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Hermes Cosme
Hermes Cosme

Direito Penal e os "4P"

"4P" foi muito engraçado. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.