newsletter

Pular para o conteúdo principal

Cultura

Descanse em paz, Nonato Buzar!

Regina Albrectsen e lucianohortencio

 

Nonato Buzar, célebre compositor maranhense, faleceu hoje, 02 de fevereiro de 2014, por falência múltipla dos órgãos. Estava internado há 15 dias e sua passagem deu-se no Rio de Janeiro.

Buzar, nascido na cidade de Itapecuru-Mirim - Maranhão, em 26 de agosto de 1932, ganhou fama absoluta através da novela Irmãos Coragem (TV Globo), tendo em vista ser seu o tema de abertura daquela conhecidíssima novela.

Iniciou a sua carreira em 1953, quando foi para o Rio de Janeiro estudar engenharia. Além da composição "Irmãos Coragem", em parceria com Paulinho Tapajós, fez diversas composições para novelas da TV Globo, em parceria tanto com Tapajós quanto com Roberto Menescal e Torquato Neto.

MPB-4, Elza Soares, Elis Regina, Maria Rita, Claudette Soares, Nana Caymmi, Elizeth Cardoso, João Nogueira, Maysa, Alcione, Edgar Gianullo, Milton Nascimento, são alguns artistas que gravaram suas músicas. Além disso, teve alguns LPs solo.

Buzar  não chegou a concluir a faculdade de Engenharia, pois a música falou mais forte e nós, músicos e intérpretes, o agradecemos por isso. Ele era grande amigo e parceiro de Tibério Gaspar.

A morte de Nonato Buzar entristece todo o meio musical, porém fica a certeza de que continuará vivo para sempre através de suas inesquecíveis composições.

Imagens

Vídeos

Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
DÁ LICENÇA; ALÔ HELÔ; FEIRA; RIO ANTIGO
Média: 4.8 (4 votos)
23 comentário(s)

Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Zé, zé
Zé, zé

Notícia ruim!

Hoje, tu só tem  notícia ruim, né?

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Triste domingo 2 de fevereiro

Triste domingo 2 de fevereiro de 2014 !

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Morre no Rio radialista Jorge Nunes, aos 64 anos

  Morre no Rio radialista Jorge Nunes, aos 64 anos, por Edizio Lima, em seu blogJorginho morreu em decorrência de uma tuberculose; enterro será no domingo (2)Do R7Jorginho tinha fãs pelo estilo polêmico e irreverenteReprodução InternetO jornalismo esportivo está de luto no Rio. O radialista Jorge Nunes morreu na sexta-feira (31), aos 64 anos, em decorrência de uma tuberculose ganglionar. Ele trabalhava na rádio Tupi e estava afastado das atividades desde o final do ano passado.Nas últimas semanas, companheiros de profissão se mobilizaram em uma campanha de doação de sangue, mas, muito fragilizado em um hospital na Barra da Tijuca, o radialista não resistiu. O enterro será realizado às 10h de domingo (2) no cemitério do Catumbi, na região central do Rio. A família pede que se use roupas brancas no sepultamento.Jorginho, como era chamado, ficou marcado pelo estilo irreverente e era um dos principais nomes do rádio esportivo no Rio de Janeiro. Vascaíno e sempre polêmico, trabalhava também em um programa de debate no canal de televisão CNT e era conhecido como “comentarista do povo”.Os grandes clubes do Rio emitiram nota oficial lamentando a morte.do radialista ------------------------------------
O blog do radialista Edizio  Limasolidariza com a família e aos amigos de Jorge Nunes, admirador do site e um dos grandes nomes jornalismo esportivo do Rio de Janeiro. 

http://radialistaediziolimaedizio.blogspot.com.br

 

Seu voto: Nenhum

Grato, Spin F

Parece que as bruxas estão

Parece que as bruxas estão soltas hoje ! Vá em paz, Nonato ! Gostava mt de suas músicas.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lenita

Morre conceituado radialista de Ji-Paraná

Roberto Zanettin, morre em acidente de trânsito na BR 364

 

O radialista Almir Roberto Zanettin, de 41 anos, morreu na madrugada deste domingo (02), por volta das 01h30, na BR 364, próximo ao antigo Corintias Praia Clube, entre Ji-Paraná e Presidente Médici. O radialista estava voltando da cidade de Cacoal, onde trabalhou como Mestre de Cerimônias em um evento local.

 

De acordo com testemunhas, o radialista estava dirigindo seu veículo, um Ford Eco Esport, seguindo logo atrás de um ônibus interestadual. De repente, saiu da pista e chocou-se violentamente contra uma grande árvore. Antes da colisão, o carro “rampou” em um pequeno barranco e virou, batendo de lado.

 

Várias pessoas que presenciaram o acidente correram para ajudar o radialista e quando chegaram no local, ele já havia saído do carro e estava sentado. As testemunhas ainda relataram que ele estava sangrando na cabeça e jogava muito sangue pela boca.

 

Roberto Zanettin ainda chegou a ser socorrido ainda com vida por uma equipe do Corpo de Bombeiros, porém não resistiu aos ferimentos e morreu na sala de cirurgia do HM.

 

Um pouco depois que encerrou o evento, em Cacoal, Zanettin chegou a postar uma foto em sua página pessoal e uma frase dizendo: “Mais um evento apresentado, em Cacoal; belíssima cerimonia. Parabéns equipe evento único.”  Depois disso, se despediu dos amigos e seguiu viagem para Ji-Paraná.

 

Zanettin era uma pessoa querida em Ji-Paraná e aos longos dos seus 25 anos trabalhando como radialista, conquistou muitas amizades. Atualmente era gerente da Rádio Transamérica, onde apresentava um programa de “Hits”. Ele deixa esposa e filhos.

 

 

 

NOTA DE PESAR

 

A redação do site comando190 se solidariza com a família Zanettin e a população de Ji-Paraná pela perda irreparável do nosso amigo e cidadão comprometido com sua terra -  Roberto Zanettin.

 

Acreditamos que Ji-Paraná amanheceu mais triste e saudosa neste domingo de Fevereiro, pois não ouvirá mais, a voz que tanto embalou e confortou corações de muitos jiparanaenses. Que encorajava os humildes e esbofeteava velhos conceitos e práticas com sua voz conselheira e serena.

 

Nesse momento de dor e perda, nos solidarizamos com a família enlutada e rogamos a Deus que dê o conforto e paz a todos os familiares e amigos.

 

“Cada um que passa em nossa vida passa sozinho, pois cada pessoa é única, e nenhuma substitui outra. Cada um que passa em nossa vida passa sozinho, mas não vai só, nem nos deixa sós. Leva um pouco de nós mesmos, deixa um pouco de si mesmo. Há os que levam muito; mas não há os que não levam nada. Há os que deixam muito; mas não há os que não deixam nada. Esta é a maior responsabilidade de nossa vida e a prova evidente que nada é ao acaso.” (Antoine de Saint-Exupéry)

 

 

Matéria:comando190.com.br/FLS

 

 

 

Publicidade

 

 

 

 

 

http://www.comando190.com.br/noticias-det.php?cod=3595

 

Seu voto: Nenhum

Grato, Spin F

Nonato Buzar Raimundo Nonato

Nonato Buzar

Raimundo Nonato Buzar
 26/8/1932 Itapicuru, MA 

 http://www.dicionariompb.com.br/images/background/rodape_bg.jpg); background-attachment: scroll; min-height: 50px; font-family: Arial, 'Liberation Sans', FreeSans, sans-serif; line-height: 19.5px; background-position: 0px 0px; background-repeat: repeat no-repeat;"> 

Descendente de libaneses, passou a infância e a adolescência no Maranhão. Em 1953, transferiu-se para o Rio de Janeiro, para estudar Engenharia. Aprovado no vestibular, desistiu do curso e dedicou-se à música.

 

Iniciou sua carreira artística na década de 50, participando de shows nas casas noturnas Little Club e no Bottle's, no Beco das Garrafas (RJ). 

Sua primeira apresentação em televisão foi no programa de Córis Luna Freire, levado ao ar pela TV Continental. 

O primeiro registro de uma composição de sua autoria foi a gravação de "Guerra à bossa", por Paulo Silvino. 


Em 1965, escreveu a contracapa do disco "400 anos de samba", de Elizeth Cardoso, lançado pela Copacabana Discos em homenagem ao IV Centenário da Cidade do Rio de Janeiro.

Idealizou, produziu e fez parte da do conjunto A Turma da Pilantragem, com o qual atuou em 1968 e 1969.

Como produtor musical, trabalhou nas gravadoras PolyGram (de 1969 a 1971) e RCA Victor. Nessa função, foi responsável por discos de Jair Rodrigues, Regininha, Sílvio César, Banda do Canecão, A Turma da Pilantragem, Jimmy Cliff, Festival Internacional da Canção e Wilson Simonal, entre outros. 

Participou de edições do Festival da Música Popular Brasileira (TV Record), do Festival Internacional da Canção (TV Globo) e do Festival da TV Tupi. 

Nos anos 1970, atuou em campanhas publicitárias, como um dos sócios da produtora Aquarius. Compôs, com Marcos e Paulo SérgioValle, Dori Caymmi e Nélson Motta, o jingle do guaraná Brahma veiculado nessa época, entre outros. 

Compôs músicas para trilhas sonoras de novelas da TV Globo, com destaque para "Irmãos Coragem" (c/ Paulinho Tapajós), tema de abertura da novela homônima, "Assim na terra como no céu" (c/ Roberto Menescal e Paulinho Tapajós), da novela homônima, "Verão vermelho", tema de abertura da novela homônima, e "O homem que deve morrer" (c/ Torquato Neto), tema de abertura da novela homônima, além de outras canções para as novelas "O cafona", "Minha doce namorada" e "Anjo mau". Ainda para a TV Globo, trabalhou nas trilhas sonoras dos programas "Chico City", "Brasil pandeiro" e "Saudade não tem idade". Para o cinema, compôs músicas para "O donzelo", de Stefan Wolff, e "Aventuras de um detetive português", de Stefan Wolff e Raul Solnado. 

Entre 1972 e 1976, morou na França, onde formou a banda Nonato Buzar e o País tropical, apresentando-se em shows e gravando o disco "Via Paris". 

Teve músicas gravadas por Elis Regina, Alcione, Elizeth Cardoso, João Nogueira, Nana Caymmi, Rosinha de Valença, Roberto Ribeiro, Luiz Gonzaga, Os Cariocas, Cauby Peixoto, MPB-4, Pedrinho Rodrigues, Jair Rodrigues, Wilson Simonal, Sílvio César, Nélson Gonçalves, Luís Eça, Ivan Lins e Milton Nascimento, entre outros artistas brasileiros, além de Jimmy Cliff, Fanya All Stars e o grupo Santana, no exterior.

Em 2003, sua canção "Menininha do portão" (c/ Paulinho Tapajós) fez parte do primeiro CD da cantora Maria Rita, que atingiu a vendagem de 350.000 cópias apenas dois meses após o lançamento.

 

OBRA:

 

  • 100 milhas (c/ Paulo Sérgio Valle)
  • A feira (c/ Mônica Silveira)
  • A formiga e o elefante (c/ Carlos Imperial)
  • A morte do imortal (c/ Ronaldo Bôscoli)
  • A prima (c/ Gerude)
  • ABC (c/ William Prado)
  • Ah! Ah! Ah! (c/ Chico Anísio)
  • Alô, Helô (c/ Wilson Simonal)
  • Alta sociedade (c/ Marcos Vasconcellos)
  • Amada menina (c/ Antonio Ary de Carvalho e Ronaldo Bôscoli)
  • Amor de ouro
  • Amorrecer (c/ Rogerio Castro Gomes)
  • Andarilho (c/ Chico Anísio)
  • Anjo azul
  • Ao Deus dará
  • As rezadeiras (c/ Rogério do Maranhão)
  • Assim na terra como no céu (c/ Roberto Menescal e Paulinho Tapajós)
  • Atualidades francesas
  • Avião particular
  • Badalação (c/ Tom e Dito)
  • Barra do Rio (c/ Landinho Marques)
  • Beco com saída (c/ João Nogueira e Landinho Marques)
  • Beira-mar (c/ Antonio Carlos Pinto)
  • Bentevi (c/ Chico Anísio)
  • Bola fora
  • Bom barquinho (c/ Chico Feitosa)
  • Caiobá (c/ Heitor Valente)
  • Calca no redengue (c/ Rogerio Castro Gomes)
  • Canção da terra esquecida
  • Canção de chorar (c/ Chico Anísio)
  • Canção de voltar
  • Canto de espera (c/ Chico Anísio)
  • Canto de fé (c/ William Prado)
  • Carango (c/ Carlos Imperial)
  • Carica de coração (c/ Pitty Mello)
  • Carinhosamente
  • Casa branca (c/ Nelson Motta)
  • Céu vermelho
  • Chorinho de rua (c/ William Prado)
  • Clara paixão (c/ Rosinha de Valença e Clara Benchimol)
  • Cobra criada (c/ Chico Anísio)
  • Como nos velhos tempos (c/ Chico Anísio)
  • Companheiro Ita
  • Convenção (c/ William Prado)
  • Coração na voz (c/ Nosly e Gerude)
  • Dá licença (c/ Paulinho Tapajós)
  • De como um garoto apaixonado perdoou por causa de um dos mandamentos (c/ Chico Anísio e Wilson Simonal)
  • Deixa quem quiser falar (c/ Wilson Simonal)
  • Denise
  • Dez pras seis (c/ Paulo Sérgio Valle)
  • Dia de alegria (c/ Chico Anísio)
  • Dia de sorrir (c/ Antonio Remo Usai)
  • Dois de dezembro (c/ João Nogueira e Paulo César Feital)
  • E deixa o relógio andar (c/ William Prado)
  • E depois
  • E lá vou eu (c/ Mônica Silveira)
  • Elementar, meu caro Watson (c/ Paulinho Tapajós)
  • Encontro das águas (c/ Rosinha de Valença)
  • Estorinha (c/ Paulinho Tapajós)
  • Estou triste sim
  • Explicação de saudade (c/ Novelli)
  • Fado do detetive português (c/ William Prado)
  • Feira (c/ Mônica Silveira)
  • Feito sandália
  • Fim (c/ Chico Anísio)
  • Guerra à bossa
  • Hino do patrimônio de São Luís
  • Irmãos Coragem (c/ Paulinho Tapajós)
  • Janela do mundo (c/ William Prado)
  • Kiki (c/ Wilson Simonal)
  • La Madrague
  • Lá vem ela (c/ Wilson Simonal e Chico Anísio)
  • Lagoa da Conceição
  • Le premier safari de Caroline de Mônaco
  • Levanta Brasil (c/ João Nogueira)
  • Liguili democrático democrático (c/ Carlos Imperial)
  • Maior que o mar (c/ João Nogueira)
  • Mão na mão (c/ Sérgio Bittencourt)
  • Maquiagem (c/ Wilson Simonal)
  • Maria do adeus (c/ William Prado)
  • Maria menina fulô (c/ William Prado)
  • Me leva (c/ Landinho Marques)
  • Menininha do portão (c/ Paulinho Tapajós)
  • Menino de São Luís (c/ Rogério do Maranhão)
  • Meu sim, meu não (c/ Carlos Imperial)
  • Meu xodó
  • Missa norte em ação de graça
  • Moleque saci
  • Mon ami João (c/ Durval Ferreira)
  • Muito à vontade (c/ Carlinhos Vergueiro)
  • Namorada do sol
  • Não tem perdão (c/ Paulinho Tapajós)
  • Nos teus olhos (c/ João Nogueira)
  • O carango (c/ Carlos Imperial)
  • O homem que deve chorar
  • O homem que deve morrer (c/ Torquato Neto)
  • O milagre
  • O primeiro retrato (c/ William Prado)
  • O que é saudade (c/ Fred Falcão)
  • Olho-d'água (c/ Paulinho Tapajós)
  • Passa a limpo o teu sorriso
  • Pé de moleque (c/ Antonio Carlos Pinto)
  • Pelo amor de Deus (c/ Paulinho Tapajós)
  • Pequeno samba para uma saudade grande
  • Ponta negra
  • Por quê?
  • Por você (c/ Sérgio Bittencourt)
  • Pra saber o que é voltar (c/ Sérgio Bittencourt)
  • Pra todo mundo rir (c/ Roberto Menescal)
  • Quase adeus (c/ Torquato Neto e Carlos Monteiro de Souza)
  • Que película (c/ Torquato Neto)
  • Quer saber, cara?
  • Querer não é poder
  • Razão de cantar (c/ Chico Anísio)
  • Receita (c/ Chico Anísio)
  • Regra-três (c/ Novelli)
  • Ressureição
  • Retrato do morro (c/ Hamilcar Pereira)
  • Rio antigo (Como nos velhos tempos) (c/ Chico Anísio)
  • Rio, paróquia do céu (c/ William Prado)
  • Roda de palmas (c/ Paulinho Tapajós e Armando Pittigliani)
  • Roseana (c/ Paulinho Tapajós)
  • Rosinha, meu desafio
  • Samba carioca (c/ William Prado)
  • Samba de carro
  • Samba de protesto (c/ Carlos Imperial)
  • Samba de roda de samba
  • Sambamba
  • Sandrinha
  • Sangue quente (c/ Moacyr Silva)
  • Sapato de trecê (c/ João Nogueira)
  • Saudade jovem (c/ Chico Anísio)
  • Sereno (c/ Gerude e Nogueirinha)
  • Silenciosa alegria
  • Sinhazinha (c/ Paulinho Tapajós)
  • Sol e sol (c/ Chico Anísio)
  • Sol nascente (c/ William Prado)
  • Tá chegando a hora
  • Tema de perseguição (c/ Roberto Menescal)
  • Tema indefinido (c/ Antonio Carlos Pinto)
  • Terra Timbira (1º movimento)
  • Timidez (c/ William Prado)
  • Tinha que acontecer
  • Toque de classe (Você decide)
  • Tristeza que dói
  • Um amor de brinquedo (c/ Regina Estela Rodrigues)
  • Uma ordem, sim sinhô (c/ Antônio Carlos)
  • Uni-duni-tê (c/ Chico Feitosa)
  • Vagador (c/ Antonio Carlos e José Carlos)
  • Vai, coroa (c/ João Nogueira e Orlandivo)
  • Vale sagrado
  • Verão vermelho
  • Verdadeira primavera (c/ Ronaldo Bôscoli)
  • Vesti azul
  • Vila azul
  • Vim de longe
  • Visita da velha cigana
  • Vitória
  • Volta do Zeca Diabo
  • Voz da América (c/ Tibério Gaspar)
  • Wanted
  • Ya no quiero I (c/ Chico Anísio)

 

Discografia

 

  • ([S/D]) O primeiro retrato • Tape Car • LP
  • ([S/D]) Temas de novelas • RCA • LP
  • ([S/D]) Via Paris • Copacabana • LP
  • ([S/D]) O donzelo • RCA • LP
  • (1969) A Turma da Pilantragem • Philips • LP
  • (1968) A Turma da Pilantragem • Philips • LP

 

 

Shows

 

  • Olympia, Paris (França).
  • Clube 58, Genebra (Suíça).
  • Cave du Roi, Hotel Biblos, Paris (França).
  • Discofage Saravah, Paris (França).
  • Via Brasi, Paris (França).
  • Brasil Export, Bruxelas (Bélgica).

 

 liografia Crítica

 

  • ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira - Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006.
  • AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010.

 

 

http://www.dicionariompb.com.br/nonato-buzar


 

 

 

Seu voto: Nenhum

  Não conhecia Nonato Buzar,

  Não conhecia Nonato Buzar, mas o blog - por causa desse fim de semana - está meio fúnebre.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Ressurreição, por Nonato Buzar

Nonato Buzar canta"Ressureição" música de Nonato Buzar e letra de Armando Schiavo, gravaçãoTapecar de 1972, arranjo de Edu Lobo.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Grato, Spin F

Amigo José Carlos!

Oportunissimo vídeo!

"E aos que a certeza da morte entristece, a promessa da imortalidade consola! "

Abraço fraterno do luciano

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lucianohortencio

imagem de Gardenal
Gardenal

A sua turma era desse naipe:

A sua turma era desse naipe: http://www.youtube.com/watch?v=ZXBqHW27aHE 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Valeu, Gardenal!

Canção de Chorar - Claudette Soares.

Seu voto: Nenhum

lucianohortencio

Tristezas não pagam dívidas!

Peçamos a Deus que dê PAZ e LUZ ao grande NONATO BUZAR e vamos relembrar sua linda SINHAZINHA...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lucianohortencio

     

 

 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Para a amiga Nilva!

Nonato Buzar - Elementar, meu caro Watson!

Com um abração do luciano!

Seu voto: Nenhum

lucianohortencio

 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Dia triste para as artes.

A propósito, "O homem que deve morrer", de Nonato Buzar e Torquato Neto, feita em 1971, pouco antes do suicídio de Torquato.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Ao amigo Jair!

Apesar de já haver muitos vídeos com essa composição, editei-a novamente em homenagem tanto a Nonato Buzar quanto ao seu grande amigo Tibério Gaspar, amizade essa de vida toda. Achei que a letra da composição e a foto disponibilizada por T.G, no Facebook, valiam uma edição.

Abraço do luciano

Seu voto: Nenhum

lucianohortencio

imagem de Jorge Leite Pinto
Jorge Leite Pinto

Vesti azul... Minha sorte

Vesti azul... Minha sorte então mudou!

Deus o tenha...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Ao Jorge Leite Pinto!

Beira-Mar!

Seu voto: Nenhum

lucianohortencio

imagem de Carlos Hornstein
Carlos Hornstein

Conhecia muito a musica Mon

Conhecia muito a musica Mon ami João. Foi, na época, grande sucesso.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Ontem foi um dia de fúria: Notícias de Franca - SP do Rio Tietê

Mulher em ‘dia de fúria’ tenta matar marido e filhos “Este é um dia para nunca mais ser lembrado.” As palavras são de um ajudante de motorista de 23 anos, do Residencial Chico Neca. Sua mulher, uma costureira de 24 anos, quebrou o carro da família, o agrediu junto com uma tia e tentou colocar fogo na residência com os dois filhos menores no interior. Para acalmar a jovem foi necessária a presença de policiais militares e uma equipe do Samu.
 O ajudante, em seu relato aos PMs cabo Bueno e soldado Maura, disse que a companheira, na sexta-feira, começou a beber e não parou até por volta das 6 horas da manhã de sábado. Completamente alterada, ela agrediu o marido e danificou o Fusca 1300, vermelho, 1978, da família. A violência das pancadas nos vidros do carro fizeram com que a mulher fosse atingida pelos cacos e sofresse cortes, ficando com o corpo coberto por sangue. Uma tia que tentou acalmar a costureira conversando, também sentiu a fúria. As duas chegaram a rolar pelo chão da residência do casal em luta corporal. A PM foi comunicada, mas antes que a primeira viatura chegasse, a costureira tentou colocar fogo na casa com os dois filhos no interior. O pai impediu. Com a chegada dos policiais militares, a mulher tentou atacar a equipe. Ela foi dominada, algemada e colocada no compartimento de presos da viatura até a chegada da viatura do Samu. A costureira foi para o pronto-socorro municipal “Dr. Álvaro Azzuz” e o marido para o Plantão Policial, onde a ocorrência foi registrada.
http://www.gcn.net.br/noticia/240028/franca/2014/02/mulher-em-dia-de-furia-tenta-matar-marido-e-filhos

 

Seu voto: Nenhum

Grato, Spin F

imagem de Eduardo CPQs
Eduardo CPQs

órgãos

Olá, Luciano, meus respeitos pelas suas manifestações.

Atrevo-me, no entanto, a discordar da frase feita muito repetida, "falência múltipla dos órgãos".

Não seria mais apropriado dizer "falência de multiplos órgãos" ou, simplesmente, "falencia de diversos órgãos"?

Atenciosamente,

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Ao Eduardo!

Valeu a dica. Acho que é jargão médico, porém é batido mesmo. 

Para escrever aqui É PRECISO CORAGEM, IRMÃO...

 

Seu voto: Nenhum

lucianohortencio

imagem de Eduardo CPQs
Eduardo CPQs

Senso de humor

Sem surpresa, caro Luciano,

eu tinha certeza do seu senso de humor. Isto vale ouro.

Há outra jóia do jargão médico: "a situação do paciente é estável".

Comentei a frase com um sobrinho médico, dizendo que um morto está em situiação estável. Ele, bem humorado, me explicou que situação estável significa sob controle. Abrão!

Abraço.

 

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.