Revista GGN

Assine

A auto-censura da mídia no caso Cachoeira

Por AlexRio

Apenas como informação.

A nota escrita pelo jornalista Théofilo Silva no blog da "Rádio do Moreno", constante no jornal O Globo de hoje, edição digital, foi retirada e censurada pelo próprio Moreno, a pedidos (ordem) do chefe de redação da publicação, "jornalista" Ascânio Seleme.

Há ainda um lamentável e pernicioso pedido de desculpas pela nota - que relata a ligação do Policarpo com o bicheiro - feito pelo próprio Moreno, que dá toda a razão ao tal Ascânio, seu chefe e dono de seu emprego.

Diz Moreno, na 'nota de desculpas', que jornalista não deve falar mal de jornalista. Acreditem se quiser.

Por frederico-rio de janeiro

Do blog do Moreno:

THEÓFILO SILVA A Cachoeira do Carlinhos Corre um boato em Brasília que tem gente que "caiu na cachaça", na cidade, que está tomando porres – de Scotch Blue Label, claro – fazendo festa, comemorando.

O motivo seria a desgraça do Catão de Goiás, o implacável caçador de corruptos, senador Demóstenes Torres. Eles estariam eufóricos, porque o homem que os apontou, quando da operação Caixa de Pandora, aquela que afastou todo o governo do Distrito Federal, está provando do mesmo remédio que lhes ministrou, e é agora vítima da Operação Monte Carlo da polícia federal.

Os exultantes farristas seriam, entre muitos outros, o ex-governador de Brasília José Roberto Arruda e sua quadrilha. Desculpem, turma, aquela mesma que perdeu os cargos públicos e passou boas semanas no Presídio da Papuda – belo nome para um presídio. Dizem que tem corrupto chorando de emoção, abraçando a família, mandando rezar missas, pagando promessas, até soltando fogos, por se sentir vingado, vendo o colega de partido, que não teve condescendência com eles, ser acusado de crimes mais graves do que o deles.

"Nada como um dia atrás do outro", estão dizendo os ex-deputados expulsos do DEM pela pronta ação de Demóstenes na executiva do Partido. Vemos que nem toda desgraça produz somente dor. A euforia das vítimas do Savonarola do Senado é uma prova de que a vingança é mesmo um prato servido frio!

Em sua cruzada ética pelo país, qualquer homem público acusado pela imprensa, polícia, promotoria, tinha em Demóstenes, o senador promotor, um rápido julgamento. Vamos esquecer Demóstenes um pouco, e falar do seu querido amigo e professor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Shakespeare diz em uma de suas peças que: "O dinheiro é o melhor soldado, quando ele vai à frente todas as portas se abrem!". Cachoeira seguia essa premissa, pois saiu derramando dinheiro pra tudo quanto é lado.

Será que o apelido Cachoeira é porque ele faz o dinheiro jorrar facilmente para as mãos de seus amigos: Demóstenes, Valdomiro, Leréia e outros? O Jornal Nacional mostrou um vídeo em que Cachoeira comenta que despejou três milhões de reais nos baldes do senador. E é só o começo, a polícia federal calcula que o montante chega a cinquenta milhões de reais!

Cachoeira conseguiu derramar seu dinheiro na Secretaria de Segurança Pública de Goiás, onde teria mais de 250 pessoas nomeadas, e outros servidores públicos trabalhando para ele, dentro da polícia federal, ministério público, poder judiciário, e por aí vai. Vários deles estão presos. Como água, que entra em todo canto, Cachoeira espalhou-se por dentro do Estado, minando as instituições públicas. Para acumular esse dinheiro, e comprar essas autoridades todas, Cachoeira explorava os jogos caça-níqueis por todo o estado de Goiás e entorno de Brasília. Para isso, contava com apoio do senador mais respeitado da República, o procurador de justiça Demóstenes Torres.

O fato é que, a Cachoeira do Carlinhos inundou o Estado, derramando dinheiro sobre todos aqueles que facilitavam seus crimes. Sem concorrentes, controlando um negócio ilícito, de lucro fácil, o contraventor podia comprar qualquer um. Um dos outros envolvidos por Cachoeira estaria o poderoso editor da revista Veja, Policarpo Júnior, que falou com Cachoeira mais de duzentas vezes por telefone.

Se você compra a imprensa e as autoridades públicas, o que mais falta para ser o dono do Estado? O grande problema do Cachoeira é que, numa Cachoeira quanto mais água ela jorra, mais incontrolável ela fica, então, do mesmo jeito que ela pode banhar os seres que vivem em torno dela, também pode afogá-los. De certa forma, foi isso que aconteceu com essa turma toda, a Cachoeira que os engordou, acabou por afogá-los!

Tem tanta gente afogada nessa história, que ainda não deu tempo de ver os corpos! Eles vão começar a aparecer agora! Demóstenes é o primeiro deles. Theófilo Silva é articulista colaborador da Rádio do Moreno.

Sem votos
40 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+40 comentários

     Sobre Censura e Pontapés

 

Theófilo Silva

 

Shakespeare nos diz em Tímon de Atenas, que “Nenhum homem vai para o túmulo sem levar no corpo a marca de um pontapé dado por um amigo”. Se os amigos nos dão pontapés, o que não podem fazer outras pessoas? Já levei tantos pontapés na vida que perdi a conta. Portanto, quando fui impedido de emitir minha opinião, como vinha fazendo semanalmente, há cinco anos no Site do Jornal O Globo, Blog do Moreno, não me assustei, encarei como mais um chute, desses que a vida nos dá de vez em quando.

Afinal de contas a verdade é dura, incomoda e dói! Cometi o mais imperdoável dos crimes no Brasil: mexi com uma corporação. Jornalista não critica jornalista, como disse o dono do Blog – citei o nome de um jornalista e sua revista (Policarpo Júnior e Veja), que estão na boca de todo mundo. O corporativismo é a maior praga do país. Aqui, mesmo o maior dos criminosos, se pertencer a alguma categoria, é protegido por uma guarda pretoriana, impossível de ser furada. Quando um deles é pego, a primeira declaração que a corporação dá é: “É preciso cortar na própria carne!”. E não cortam. Que carne, que corpo?

Não sou jornalista profissional. Escrevo, apenas. O jornalismo é uma escada para a literatura. Jornalistas podem se tornar grandes escritores, a história está cheia deles. Estão aí, Jonathan Swift, Mário Vargas Llosa e Gabriel Garcia Marquez para provar. Mas poetas, romancistas, ensaístas, embora não saibam montar pautas, matérias e entrevistas, sabem opinar.

É preciso denunciar o grande circo em que se tornaram as relações entre políticos e a imprensa. Um jogo danoso para a sociedade, do tipo “eu te protejo, tu me proteges e juntos nos protegemos todos, assim nos locupletamos”. Um jogo em que a informação é eivada de mentiras! Não faço parte desse jogo, nem sou franco atirador. Busco a verdade, o fato, “verum facto”, e com ela uso a imaginação para torná-la mais interessante aos olhos dos leitores. Para isso, conto com a ajuda do meu mestre William Shakespeare que, como um farol, ilumina o que escrevo para a alegria dos leitores.

Muitos lutam para pegar “os nacos jogados pelo chão”; luto para fazer algo legítimo! Algo que torne a vida, tão cheia de mentiras e embustes, algo digno de ser vivido. Sigo o lema do Dr. Johnson – o maior dos ensaístas em língua inglesa – “A mente só repousa na solidez da verdade”. Que é um princípio cristão. Já que Cristo disse: “E direis a verdade e a verdade vos libertará”. Sob este princípio somos todos cristãos.

A filosofia discute o que é a verdade, a literatura acredita nela. Nietzsche, em seus aforismos, afirma que “Nós precisamos de arte para que a realidade não nos esmague”. É a arte que suaviza essa vida “cheia de som e fúria” e armadilhas de que falava Shakespeare.

Quanto ás corporações, os grandes impérios da mídia, que manipulam e escondem os fatos, que não dizem a verdade, a tecnologia está se encarregando de dobrá-los. Os jornalistas de talento estão abandonando-os – algumas publicações são exceções – cansados de serem humilhados, e de cumprir uma pauta que os faz vomitar, impedidos que estão de mostrar os fatos, eles estão criando seu próprio espaço, os Blogs. O que não impede que muitos blogueiros não passem de pistoleiros pagos – falei deles no meu artigo Refúgio de Canalhas. Mas tem muita gente séria nesse negócio.

Minha resposta à censura é continuar no mesmo tom, e lançar o meu livro Shakespeare Indignado, uma coletânea de artigos que escrevi nos últimos cinco anos, em que fiz o que Cervantes recomendou: “Acertei contas relativas a ofensas e insultos, corrigi injustiças, puni arrogância, derrotei gigantes e pisoteie monstros”.

Quem pensa assim está comigo e com a verdade! E vamos em frente!

 

Theófilo Silva é autor do livro A Paixão Segundo Shakespeare

 

Esses momentos são ricos no aprendizado. Pesquisei e fiquei sabendo da história do Savonarola. É por ai mesmo.

 

Jorge Bastos, o Moreno, ao censurar o artigo do Prof. Theófilo, prova que é, na verdade, mais um censorzinho corporativista do quarto poder, com amigos intocáveis e atitudes anti-democráticas. Leviano não é o artigo do Theófilo, leviana é toda forma de censura. Aliás, Moreno na ENTRADA, afirmou que o Theófilo era uma grata surpresa para o blog e agora na SAIDA, faz essa cagada.

Zé Tomate

 

Nassif,

parece que o king andou lendo o teu site:

ele hoje:

"Há dias a rede suja da Internet repete a mentira grotesca de que Policarpo teria sido “pego” pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo. O chefe da Sucursal da VEJA em Brasília falou, sim, com Cachoeira e seus “auxiliares” muitas vezes. Ele e quase todos os jornalistas investigativos de Brasília. Em todas elas, estava em busca de informações que resultaram em reportagens que, de fato, derrubaram muita gente. Ousaria dizer que muitos milhões, talvez bilhões, de dinheiro público deixaram de sumir pelo ralo da corrupção em razão do trabalho de Policarpo."

no post de ontem:

 

Os jornalistas do esquema Carlinhos Cachoeirasex, 30/03/2012 - 11:46Assis Ribeiro

Por muito menos do que issso Murdock caiu.

Assis Ribeiro

 Média:Select ratingCancelarNota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5CancelarNota 1Nota 2Nota 3Nota 4Nota 5 

imagem de Frederico69sex, 30/03/2012 - 17:22Frederico69

é mas acho que aqui os advogados da óia vão dizer que estavam preparando reportagem investigativa!! e a justiça aceita, como sempre aceitou este tipo de coisa!

De todas as taras sexuais, não existe nenhuma mais estranha do que a abstinência. Vai em paz millor!!

Frede69

acho que precisamos da transcrição das conversinhas do policarpo, para por uma pá de cal sobre esse assunto.

ps: desculpa por transcrever palavras tão nojentas aqui!

 

 

 

 

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

A diferença entre o Brasil e a República Checa é que, a República Checa tem o governo em Praga, e o Brasil a praga no governo!

 


Quer dizer que se meu amigo jornalista se revela um criminoso eu tenho que ficar na minha. Mais vale um amigo jornalista criminoso que eu, jornalista, ser um dedo-duro.


Moreno amarelou.

 

Atenção!!! A Rádio do Moreno Informa!

Sai a "A Cachoeira do Carlinhos" e entra "Cachoeira do Carlinhos".

http://www.gazetaonline.jor.br/noticia/detalhe/43/cachoeira-do-carlinhos

Cachoeira do Carlinhos o point mais quente do verão

Em 17/03/2012 às 08h50

 

Localizada à aproximadamente 04 km da sede do município de Dores do Rio Preto-ES, a Cachoeira do Carlinhos tornou-se sem dúvida nenhuma o maior ponto de encontro nos finais de semana, para quem curte cachoeira, gente bonita e bons amigos.

Com uma infraestrutura invejável e única no genero na região, o visitante além de desfrutar gratuitamente da cahoeira e das belezas do local, ainda conta com churrasqueiras, banheiros femininos e masculinos, bicão, bar com bebidas variadas e cerveja sempre gelada, a barraca da Célia com seu delicioso pastelão e um chuveirão com água potável.Os frequentadores da Cachoeira são, tanto famílias com crianças de colo como jovens de todas as idades procurando uma forma de se divertir.O proprietário do local, Carlinhos, que também é dono da boate Skalye em Dores do Rio Preto, prima pela segurança e conforto dos frequentadores sempre atento aos mínimos detalhes. Mesmo com o assesso à Cachoeira sendo gratuíto o local conta sempre com seguranças para garantir a ordem do local.Faça uma visita a Cachoeira do Carlinhos, o point mais frequentado do verão.

 

Citem 01(UM!) jornalista, blogueiro, artista(exceto Zé de Abreu), faxineiro, porteiro, contador, maquiador, etc, etc...das organizações globo(sem correção!) que possa falar, escrever, interpretar, etc, etc...abertamente sobre qualquer assunto, a qualquer tempo e assumindo suas posições, mesmo que nitidamente não conservadoras, sem que lhe sejam apertados os arreios...apenas UM!!!!! O Moreno seria a 1.a opção, com certeza...

 

O Theófilo foi o único, o único que vi, desde que a história estourou, a chamar o Cachoeira de mafioso. Enquanto os outros meios o chamavam insistentemente de empresário de jogos.

De ontem pra cá está começou a aparecer timidamente o "contraventor Cachoeira" na imprensa. 

 

Pois é. Esta história de chamar bicheiro de contraventor, até passa, pois, de fato, o jogo de bicho é uma contravenção, então temos que, até considerando hipóteses de processos de "calúnia, injúria ou difamação", aceitar esta espécie de "eufemismo", como se faz com os termos "suposto" isso, "suposto" aquilo. Agora, chamar bicheiro (no mínimo) de "empresário do ramo de jogos" é falso e ridículo! Desde quando o jogo é legal no Brasil, a ponto de existir um "ramo" e "empresas" e "empresários"? Ridículo, ridículo!

 

Nassif

Seu blog eh de utilidade pública.

Quanto á Veja, bem, mais dia menos dia, vao descobrir que ela ta metida até no assalto ao Banco Central.

Abs

 

na nota em que o Moreno se abaixa, ops se desculpa pelo "ataque ao colega" hospedado em seu blog, é dito:

"Reza o bom jornalismo que a denúncia em si não é notícia. Só depois de apurada e ouvida as partes envolvidas"

Será que ao Orlando Silva foi oferecido esse posicionamneto?

Engraçado que volta e meia eu sou tentado a considerar o Moreno um jornalista ético. Obviamente que eu acredito em Papai Noel e que na mídia convencional há espaço para um mínimo de dignidade.

 

"Será que ao Orlando Silva foi oferecido esse posicionamneto?":

Nao.

"Engraçado que volta e meia eu sou tentado a considerar o Moreno um jornalista ético":

Tambem nao.

 

Alguem já sabe qual vai ser a capa da Veja? Uma nova dieta para emagrecer? O resultado do BBB? Outro assunto também muito relevante como os anteriores?

 

Comentário no blog do Moreno:

 

 

"Protejo o meu contratante e o contratante me protege", disse um apóstolo da "ética de mercado".

parece que a lógica vale também para o corporativismo da mídia, um protege o outro.

 

Há tempos não via a imprensa correr tanto pra enterrar alguém (Demóstenes) e poder encerrar o caso logo, loguinho.

 

Boi de piranha... enquanto isso o rebanho (resto do bando - PSDB) atravessa incólume rio acima...

 

Certa vez em tempos recentes a representante da ANJ afirmou que a oposição era incompetente na tarefa de oposição e a imprensa era o verdadeiro partido para este papel.


Pura pretensão, pelos fatos recentes são a mesma face da mesma quadrilha, unidos no único objetivo de desestabilizar as Instituições e nesta data 31 de Março, ou melhor, 1 de Abril é clara a similaridade do passado com o que se pretende no presente.

 

"Theófilo Silva é articulista colaborador da Rádio do Moreno."

Theófilo Silva, provavelmente, não é mais articulista colaborador da Rádio do Moreno. Na altura dos acontecimentos já deve estar pagando por sua honestidade. Escreveu o que salta aos olhos de qualquer bom jornalista.

Abaixo a ridícula nota de Jorge Bastos Moreno:

http://oglobo.globo.com/pais/moreno/posts/2012/03/30/pedido-de-desculpas-da-radio-do-moreno-438352.asp

Pedido de desculpas da Rádio do Moreno

A Rádio do Moreno acaba de tirar do ar o artigo do colaborador Théofilo Silva, que atenta contra os princípios mais elementares do jornalismo, no que se refere, principalmente, à apuração de denúncias. Reza o bom jornalismo que a denúncia em si não é notícia. Só depois de apurada e ouvida as partes envolvidas.

Levianamente, várias pessoas foram atingidas pelo artigo, entre elas o chefe da sucursal da Veja em Brasília, Policarpo Junior, a quem reitero com ênfase os meus sinceros pedidos de desculpas pelo lamentável incidente.

Não funciona como desculpas, mas, até o dia de hoje, a publicação e republicação de artigos aqui, não passavam pela minha fiscalização. Se passasse, certamente esse artigo não teria sido publicado.

Recebi uma grave e merecida advertência do diretor de redação, Ascânio Seleme, por conta da publicação desse artigo.

O jornalista Policarpo Junior é um dos jornalistas mais respeitados e admirados de Brasília. Independentemente da condição de respeitabilidade que usufrui no meio o jornalista Policarpo Junior, não considero correto que um blog de jornalista agrida outro jornalista.

Sempre condenei essa atitude antética, lamentavelmente, praticada costumeiramente, por determinados blogs e twtters. Mas, cada um é responsável por aquilo que faz.

Como responsável por este blog passarei a examinar com mais atenção o conteúdo das colaborações aqui publicadas.

Obrigado,

 

Bom dia.

 

Lí o artigo  do do colaborador Théofilo Silva, publicado originalmente, mas não tinha lido ainda, o pedido de desculpas por sua supressão no blog.

Mais cedo, passei no blog do Brizola Neto e lí a análise feita sobre esse pedido de desculpas publicada no Blog do Moreno ainda antes de saber seu conteúdo. Ele fez uma leitura onde percebia que não era algo que viesse publicado com prazer pelo jornalista responsável pelo Blog.

Pois acabei de ler, aqui no Nassif o pedido de desculpas e, percebi em seu texto um nítido ar de ironia.

De fato, fiquei com a mesma sensação do Brizola Neto: o cara foi forçado a tirar o artigo do ar, mas não necessariamente a publicar um pedido de desculpas aos seus pares. Me parece que ele dedicou-se a pedir desculpas aos leitores e nele, escancarou que sofreu a violência de ter seu trabalho sensurado pelo seu superior que, esse sim, deve estar com seu rabo preso com a chefia de edição.

Parece mesmo um texto do Dr. Hariovaldo, confiram.

 

"A Rádio do Moreno acaba de tirar do ar o artigo do colaborador Théofilo Silva, que atenta contra os princípios mais elementares do jornalismo, no que se refere, principalmente, à apuração de denúncias":

Mentira.  O comportamento dos patroes dele o prova.

"Reza o bom jornalismo que a denúncia em si não é notícia":

Mentira.  O comportamento dos patroes dele o prova.

"Só depois de apurada e ouvida as partes envolvidas":

Mentira.  O comportamento dos patroes dele o prova.

 

Essa eh a tecnica neocon da direita.  Espera se que voce se alinhe automaticamente ao que ela esta pensando.  E quando voce nao se alinha, sai porta afora.  Foi assim que o Brasil terminou nos infernais anos da media de Lula, onde NINGUEM da grande media SEM EXCESSAO era a favor do governo.  Eh tudo "invisivel", e quando eh caso visivel assim, ou como Cajuru, "Witte Fibe" (aquela jornalista de nome esquizito), ou o recem-despedido da revista de historia (!!!), voce esta suposto a esquecer e fingir que nao viu e esquecer de novo...

Foi assim nos EUA e eh assim no Brasil.

 

Jorge Bastos, o Moreno, ao censurar o artigo do Prof. Theófilo, prova que é, na verdade, mais um censorzinho corporativista do quarto poder, com amigos intocáveis e atitudes anti-democráticas. Leviano não é o artigo do Theófilo, leviana é toda forma de censura. Aliás, Moreno na ENTRADA, afirmou que o Theófilo era uma grata surpresa para o blog e agora na SAIDA, faz essa cagada.

Apedido do Zé Tomate

 

O Moreno está apanhando! Pena! Eu curto o blog dele! Mas que ele fez feio, fez!!!

 

"Diz Moreno, na 'nota de desculpas', que jornalista não deve falar mal de jornalista. Acreditem se quiser."

Jornalista, que queira se definir como tal, tem que dar a noticia, o resto é empregadinho lambe botas de patrão. Se o "companheiro" jornalista fez besteira é problema dele, afinar só porque é colega é tudo o que se critica quando se trata dos "famigerados" politicos, temos aqui mais um exemplo claro da ética "o inferno são os outros".

 

Srªs Senadoras e Srs. Senadores, a Transparência Internacional divulgou, nesta terça-feira, a classificação anual dos países mais corruptos do mundo, e a situação do Brasil, sob o império do “lulismo”, só piorou. Demóstenes Torres 08/10/2003

Essa é a desculpa mais esfarrapada que já vi e uma emenda muito mais horrível do que o soneto.

 

Então jornalista não fala mal de jornalista???

 

É um corporativismo bocó, imundo antiético e patético. Onde foi que esse cara aprendeu ética jornalística. Porque isso de jornalista não falar mal de jornalista deve ter vindo das profundezas do inferno.

 

Só em terrar tupiniquim que acontece esse tipo de coisa. Fala sério!  

 

O Moreno está defendendo o emprego dele.

Há uns dias, ele pôs no twitter outra dessas, que o Merval ( acho que era o Merval ) dera um chega pra lá nele, em relaçaõ a uma outra postagem sua. 

 

Confraria de fofoqueiros, isso sim.

Estão tremendo. Mais: estão é com medo da desforra; sabem o que fizeram. Já, já vão afinar o discurso no seguinte sentido: "o governo federal está 'instrumentalizando' a PF para se desforrar em pleno ano eleitoral. São muito chiques; há precedentes. O último foi a combinação para desqualificar o livro do, também jornalista, Amauri Ribeiro Jr. dizendo... dizendo... aquelas bobagens, que são documentos 'oficiais'... que, portanto, anulariam a hipótese de que hovesse algo errado por haver registro público - ninguém cometeria ilícito e o resto seria propaganda, em vez de jornalismo.... Coisa de pessoal que depõe Presidente Constitucional para "salvar" a ordem Constitucional, entendem?

 

A censura interna nos PIGs tem algo a ver com a “Liberdade da Imprensa”?


A libertinagem da imprensa é "Liberdade da Imprensa"?

 

A "liberdade de imprensa" consiste em grandes grupos econômicos na área da comunicação manipularem a informação no interesse da classe dominante, em geral, e dos negócios das "famiglias" em particular, enquanto fazem de tudo para que o cidadão comum NÃO tenha condições de expressar a sua opinião em igualdade de condições com eles.

Trata-se do monopólio da expressão (e da distorção, e da calúnia, e da maledicência, e da canalhice, etc., etc.)

 

FabioREM, deverias ter deixado os links, há quem prefira assim, eram dois links, lembro que um dos links era para o texto postado pelo Marcos ST mas com outra diagramação. Um segundo texto, mais o seu comentário, bobagem ter apagado.

Sou curioso para saber quando foi oficializado esta aliança entre Policarpo e Cachoeira. Já conseguimos retroagir a 3 novembro 2004. Vamos descobrir se há mais coisas anteriores a este data. Só a título de informação, o Cachoeira saiu da clandestinidade em 1995. Ele conseguiu uma fachada de legalidade para, por detrás desta fachada, praticar vários crimes pelos quais foi denunciado somente agora, na Operação Monte Carlo. Antes disso ele sempre se safou, tamém pudera, com tantas autoridades que ele tinha bolso.

Em 1995, a partir de GO, a quadrilha de Cachoeira se ramifica por todo o Brasil, o poder econômico o leva a comprar jornalistas, policiais, tudo o que for possível e nessa trajetória chegou ao ponto de não se saber se o senador de direito era ele(Cachoeira) ou Demóstenes, sem falar na dúvida quanto à identidade do governo de GO, pois ele(Cachoeira)  indicava pessoas para cargo, nomeavas, etc.

Em 1999 o Demóstenes Torres era Secretário de Segurança Pública de Marconi Perillo, a Isto É fez uma série de matérias sobre o esquema de Cachoeira, isso ainda na década de 90, quando a PF não trabalhava, ficando tudo nas mãos de polícias compradas pelo próprio Cachoeira.

E a Veja, quando passou para a assesoria de Cachoeira? 

 

 

...spin

 

 

O link da análise deve ter o mesmo conteúdo do postado acima:

http://asintoniafina.blogspot.com.br/2012/03/veja-defende-empresario-cac...

 

A matéria da Veja de 2004:

http://veja.abril.com.br/031104/p_058.html

 

O Moreno arregou !!!

Censura na véspera do aniversário do golpe... vergonha!!!

 

a Cachoeira que os engordou, acabou por afogá-los!

Hum, disse tudo nessa frase impagável. Uma pena que estejamos impedidos de ler novos textos do autor, uma foi que fora censurado pelo Policaspa

 

 

...spin

 

 

Típico da lei mafiosa: a ormetà. O PIG e seu silêncio ensuurdecedor.

 

Veja defende "empresário" Cachoeira desde 2004Veja defende Foto: Edição/247 Antes mesmo do mensalão, Policarpo Júnior já atuava em sintonia com Carlinhos Cachoeira, a quem chamava de "empresário de jogos" na revista; filmes gravados ilegalmente foram usados à época contra deputados do Rio; na Monte Carlo, há 200 ligações entre eles

30 de Março de 2012 às 18:54

247 – A parceria entre o jornalista Policarpo Junior, editor-chefe e diretor da sucursal da revista Veja em Brasília, e o contraventor Carlinhos Cachoeira é anterior e vai além dos 200 telefonemas entre eles, grampeados pela Polícia Federal, feitos no período de 2008 a 2010. Sob o título de Sujeira para Todo Lado, reportagem assinada por Policarpo em 3 de novembro de 2004, na edição 1.878, teve como efeito prático criar um clima político adverso à prisão de Carlos Cachoeira, cujo pedido neste sentido havia sido feito pela unanimidade dos 58 deputados estaduais do Rio de Janeiro. Eles aprovaram o relatório final da CPI da Loterj, mas a reportagem de Veja, feita com base em conversas gravadas por auxiliares de Cachoeira entre eles próprios e o então deputado federal pelo Rio de janeiro André Luiz, trata de cercar de suspeitas a atuação da própria Comissão. No texto se diz que Cachoeira só teve seu pedido de prisão requerido porque foi vítima de extorsão e se recusou a pagar R$ 4 milhões para sossegar os ânimos dos deputados estaduais. Uma vítima, portanto, e não um réu, como era o caso.

O então repórter Policarpo Junior chegou a essa conclusão de inversão do papel do “empresário de jogos” a partir da escuta de fitas gravadas cladestinamente por auxiliares do próprio Cachoeira, que “sugerem que André Luis agia em nome de um grupo de deputados. Um deles era Jorge Piciani, presidente da Assembléia Legislativa”, como está no texto de Veja. Não pareceu importante, ao jornalista, registrar que o nome de Piciani sequer fora citado em qualquer das conversas gravadas ilegalmente. Igualmente não adiantou o então presidente da Alerj responder à Veja que “se alguém tentou vender alguma facilidade, entendo que é bandido com bandido”. Mais forte que qualquer apuração, a tese da reportagem, como se diz no jargão interno de Veja, era a de que “o empresário de jogos Carlos Cachoeira”, como Policarpo o qualificava, era um empresário honesto envolvido num cerco de chantagens. E foi isso o que foi publicado. Sobre as acusações feitas contra Cachoeira na ocasião, nenhuma menção na referida reportagem. Veja teve o cuidado, ao contrário, de levar suas denúncias de tentativa de extorsão contra Cachoeira – cujas provas, repita-se, foram gravadas por auxiliares do mesmo Cachoeira – a reverberar na Câmara dos Deputados. Informado do caso pela revista, o então presidente da Câmara, João Paulo Cunha, comprometeu-se com a abertura de uma sindicância. “No fim do processo, caso comprove a tentativa de extorsão, André Luis pode ser cassado”, escreveu Policarpo. O certo é que, no papel de vítima, Cachoeira não foi preso na ocasião, ao contrário da recomendação da CPI fluminense. Ele só caiu em fevereiro deste ano, quando se soube que, no período imediatamente anterior, havia trocado nada menos que 200 telefonemas com seu interlocutor Policarpo. No ano seguinte à publicação da reportagem sobre a não comprovada tentativa de extorsão sobre Cachoeira, o mesmo Policarpo recebeu do “empresário” a fita que mostrava o diretor dos Correios recebendo propina de R$ 3 mil, fato que deu origem ao que se conhece hoje como escândalo do Mensalão. Não foi coincidência. Foi bom relacionamento.

 

Mas não ficou sem resposta. Até entre os comentários a reprovação foi unânime:

 

Leia os comentários: Fora dos trilhos : Pedido de desculpas da Rádio do Moreno A Rádio do Moreno acaba de tirar do ar o artigo do colaborador Théofilo Silva, que atenta contra os princípios mais elementares do jornalismo, no que se refere, principalmente, à apuração de denúncias. Reza o bom jornalismo que a denúncia em si não é notícia. Só depois de apurada e ouvida as part>... Enviado por Jorge Bastos Moreno - 30/3/2012 - 17:15 Exibir comentários. Nome: Sergio Reis - 30/3/2012 - 21:09 Moreno, só pra informar: o texto vazou na rede. E amanhã vai repercutir mais ainda. Quem quiser. é só procurar no Google que acaba achando, mas não vou passar o link, melhor os links, aqui. Sem ofensa, sua censura foi patética. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Karlos Santos - 30/3/2012 - 21:04 Na verdade não vi o artigo citado, porém não vejo desonra nenhuma em um pedido de desculpa, pelo contrário. Quanto à analisar as motivações das desculpas, isto deixo para os que se julgam palmatória do mundo e conhecedores profundos da alma humana. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Francisco Monteiro - 30/3/2012 - 20:45 "Protejo o meu contratante e o contratante me protege", disse um apóstolo da "ética de mercado". Uma mão lava a outra, um jornalista protege o outro, mesmo diante de evidências de crimes capazes de derrubar um senador da república. A única informação sincera e honesta é a confissão de que o senhor Ascânio Seleme censura seus jornalistas. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Vida Santos - 30/3/2012 - 20:35 Arregou. nãoé ?Se vc fosse apenas chato, dava para aceitar mas vc é covarde e puxa saco.Aí se torna um ser detestável. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Carlos Santos - 30/3/2012 - 20:26 " Nome: Marcelo - 30/3/2012 - 18:02 É isso mesmo Moreno! Depois que a cabeça do Policarpo rolar, você pede desculpas pro Théofilo Silva e pro seus leitores. Abraços " Até o mundo mineral (royaltyes pra o Mino ) sabe do envolvimento da veja e Policarpo JR nas falcatruas de Cacoeira e Demóstenes tá tudo lá na investigação, já printei e vou guardar para te lembrar moreno. que papelão ! Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Anita Fontes - 30/3/2012 - 20:00 Poucas vezes li em minha vida algo tão abjeto qto este tal pedido de desculpas!... Poucas vezes leio este blog inútil e patético, mas meu radar sempre me faz vir até aqui, qdo o assunto mostra o qto este sr. Moreno é rasteiro, covarde e entreguista.Um homem velho e sem um pingo de honra. Que nojo!!!! Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Jose Carlos Maciel - 30/3/2012 - 19:48 Fica muito difícil aceitar que o prof.Theofilo tenha se manifestado com leviandade como afirma. Perde o blog , a cada dia mais sabujo. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Marcello Salles - 30/3/2012 - 19:15 Corporativismo ! Uma desgraça em todas as classes ... Agora já mostra o que VEJA vai fazer pra abafar o caso Policarpo Jr. - sabem que tem potencial destruidor para eles. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Gianone Carlos Custodio - 30/3/2012 - 18:57 A Máxima Popular: A corda sempre, mas sempre mesmo, arrebenta do lado mais fraco. Infelizmente Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Alex Costa - 30/3/2012 - 18:56 Guardem o nome desse cidadão que se diz jornalista: Ascânio Seleme. Moreno, que vergonha pra vc, meu filho! Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Durval Discoff - 30/3/2012 - 18:22 Escrúpulos que a VEJA,não tem,desobriga jornalistas idôneos a atitudes subalternas. Ali fazem o jornalismo(?)mais repulsivo, desde que Amaral Neto criou a Maquis,revista até ingênua se comparadas a publicação dos Civita. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Sergio Wicker Lossio - 30/3/2012 - 18:19 É isso mesmo, amanhã é 31 de março, aniversário da "revolução", nada como uma censura, para comemorar o evento! Que vergonha, Moreno! Theófilo Silva vá em frente! Seus artigos vão nos fazer falta! Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Delisson de Souza - 30/3/2012 - 18:17 Moreno, estou muito triste com essa sua tomada de decisao. Para mim voce era o mais coerente dos jornalistas de O Globo, que pena, mais uma decepcao. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Jose Antonio Batata - 30/3/2012 - 18:08 A Censura é uma afronta ao estado de direito democrático...Abaixo a Ditadura Militar.. abaixo o Golpe de 1964 e seus amigos.. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Marcelo - 30/3/2012 - 18:02 É isso mesmo Moreno! Depois que a cabeça do Policarpo rolar, você pede desculpas pro Théofilo Silva e pro seus leitores. Abraços Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Helio E - 30/3/2012 - 17:56 LAMENTÁVEL. O Moreno levou um choque ao verificar que o Theófilo publicou matéria sobre o Policarpo da Veja, provavelmente o relacionando com o Cachoeira e as denúncias fajutas (lamento ter perdido o texto do Theófilo, mas certamente ele repercutiu o que circula na Rede.). O Moreno justifica sua repulsa por o colaborador ter publicado denúncia, sem ter ouvido a outra parte. Parece uma piada, embora o Moreno pareça realmente angustiado, que ele faça essa defesa da Veja, que nunca se preocupou com a outra parte - quem lembra da famosa matéria em dez páginas pra privatizar a Petrobras e logo depois negar a publicação da defesa da empresa e quantas pessoas decentes foram agredidas por esse lixo editorial. E a Globo que manipulou a luta pelas Diretas, o discurso do Lula e, agora, ontem, distorceu o agradecimento do Lula, só para falar dos mais recentes. Considerando estes fatos, o moralismo do Moreno me faz lembrar do DEM.óstenes, com todo o respeito. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Alex Costa - 30/3/2012 - 17:51 Prêmio Esso para o Théofilo Silva, o censurado! Que vergonha abrir as pernas pro Ascânio, Moreno! Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Alex Costa - 30/3/2012 - 17:49 Bem, se um jornalista não pode falar mal de outro jornalista (não sei o que foi que ocorreu) espero penas que a Radio do Moreno não reclame quando senadores defenderem outros senadores, e deputados defenderem outros senadores, seja lá o que tenha sido feito. Como só senadores podem cassar o Demostenes, o justo de acordo com o comentario do Moreno sobre jornalistas X jornalistas, é que ele seja poupado por seus pares, afinal , acho que para a Radio, deve ser tão feio e antiético senador crucificar senador, quanto jornalista crucificar jornalista, ora. Creio que o 'espirito de corpo' deva ser geral. Certo, Moreno e Ascânio? Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Sergio Reis - 30/3/2012 - 17:46 Horas atrás postei um comentário no blog do Noblat onde eu perguntava por quê a mídia, que tanto está batendo no seu ex-queridinho Demóstenes Torres, parece ter esquecido das mas de 200 ligações entre o Cachoeira e o Policarpo Jr. Resultado. Depois de menos de meia hora meu comentário, que como sempre não continha ofensas nem linguagem vulgar, foi apagado. Agora vejo que o Moreno apagou o artigo do Théofilo Silva e até chegou a postar um pedido público de desculpa se ajoelhando diante de sua Santidade, o dr. Policarpo. Moreno, espero que você chegue a sentir um pouco de vergonha na cara, mas sinceramente desconfio que jornalista da Globo tenha esta capacidade. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui Nome: Filipe Silva - 30/3/2012 - 17:38 Coitado do colaborador. Já que O Globo tem um filtro interno do que pode ser noticiado, sugiro olhar o sempre correto Jornal do Brasil. E aí que nós vemos que os "Princípios Editoriais das Organizações Globo" é uma bela história pra boi dormir. Este comentário é ofensivo ou inapropriado? Denuncie aqui 

 

Penitencio-me de ter feito mau juízo do Moreno. Deu-me um quinau (como se dizia antigamente) e, também, em muita gente boa. Acho, ainda, que, por uma questão de justiça, o artigo adiante do Fernando Brito (em Tijolaço) merece ampla divulgação.

A seguir, o melhor comentário sobre o "mea culpa" do Moreno:

Há uma indignação na internet com a atitude de Jorge Bastos Moreno, colunista de O Globo, por ter retirado de seu blog o texto de um colaborador – Theófilo Silva – onde se mencionava, en passant, a intimidade entre o “empresário de jogos” (era assim que a revista se referia a ele, como no texto ao lado) Carlinhos Cachoeira e o editor daVeja Policarpo Júnior.

Moreno está sendo acusado de não resistir e até se associar à cortina de silêncio que se quer fazer sobre os 200 telefonemas trocados entre ambos.

Com a mais completa compreensão aos indignados com o que parece – e é – censura ao texto de Theófilo, vejo tudo de forma completamente diferente. Mesmo correndo o risco de “apanhar” de alguns comentaristas, digo qual é minha visão.

Jorge Bastos Moreno é quem foi censurado, porque alguém decidiu que, na coluna eletrônica publicada em seu nome, algo não poderia ser dito.

Moreno tem inteligência suficiente para argumentar, se o quisesse, que uma linha e meia de menção a Policarpo lá pelo décimo ou décimo-quinto parágrafo de um post faria muito menos estrago que a retirada do artigo.

"Se Moreno acatou a censura – o que é comum nas redações – fez algo que é raro, raríssimo: publicou a censura, inclusive dando o nome de quem foi o portador da ordem de expurgo do artigo.

Mostrou o boi e o nome do boi, quando podia publicar apenas duas linhas, dizendo – no máximo – que o artigo não respeitava as normas da redação.

Moreno, que se encarna num personagem um tanto bufo e marcado pela cordura, deu seu jeito de informar a verdade, com uma ironia que nem ele próprio pode confirmar aos seus botões.

Ficou numa “saia-justa” em relação à sua propria credibilidade, mas mostrou o que ocorreu, com todas as letras. Deu-se ruidosamente a bater.

Nunca uma cortina de silêncio foi baixada com tanto barulho…

Em “Memórias do Cárcere”, Graciliano Ramos – perdoem as eventuais incorreções, cito de memória – disse: “Liberdade completa ninguém desfruta: começamos oprimidos pela Sintaxe e terminamos às voltas com a Delegacia de Ordem Política e Social. Mas nos estreitos limites a que nos coagem a Gramática e a Lei, ainda podemos nos mover”.

Numa tradução livrea, Moreno foi puro Macunaíma,  o “herói sem caráter” do Mário de Andrade

Talvez sem querer, admito, embora duvide, porque estamos “rodados” demais para isso.

Só se foi como o Chaves (o mexicano, não o venezuelano, paciente do Dr. Merval): sem querer, querendo."

Moreno deu uma "rasteira" em todo mundo (eu incluído), e só o Fernando Brito percebeu. Brilhantes ambos.

 

 


O melhor comentário foi este:


Nome: Danilo Esper Urbano St - 30/3/2012 - 22:40


RECEITA DE BOLO

POEMA DE CAMÕES

XXXXXXXXXXXXXXX

POLICARPO QUARESMA JR


RECEITA DE BOLO

POEMA DE CAMÕES

XXXXXXXXXXXXXXX

POLICARPO QUARESMA JR


RECEITA DE BOLO

POEMA DE CAMÕES

XXXXXXXXXXXXXXX

POLICARPO QUARESMA JR


RECEITA DE BOLO

POEMA DE CAMÕES

XXXXXXXXXXXXXXX

 

Este triste episódio da auto censura do artigo do articulista do blog do Moreno traz duas revelações perturbadoras:

1- A parede que a mídia ergueu para proteger Policarpo Jr. Como não deu para resistir, a mídia jogou Demóstenes ao mar. Agora estão batendo tanto nele que o objetivo talvez seja não expor Policarpo Jr. Vemos que a mesma falta de limites na condenação dos outros existe para a proteção dos seus. É um nojo.

2- A imbecilidade de alguns profissionais bem colocados na mídia. O que pensaram as toupeiras que decidiram censurar o artigo do Theófilo Silva? Eles pensam que na internet pode ser usado o jargão "Parem as rotativas!" que ninguem saberá do que passou? Na internet, se foi publicado, já era. Agora, ao invés de se lamentarem pela publicação de algo que não desejavam, têm que suportar as críticas pela auto censura.

Como não acredito que vocês tenham a capacidade de se envergonhar, espero que seus familiares se envergonhem por vocês.  

 

É exatamente isso, Alcides!

Ontem me perguntavam do por quê de a Globo et caterva estarem batendo no DEMOstenes.

Respondo: jogam-no aos leões para não sacrificar o Poli, representante-mor dessa mídia esgoto.

Simples assim.

E digo mais: vão tentar enrolar o caso até meados de maio, quando deve entrar em pauta no STF

o dito "Mensalão do PT". Até lá vão criar algumas cortinas de fumaça, com acusaçõeszinhas e 

factóides aqui e ali, apostando no esquecimento da Monte Carlo.

Notem, já começaram as tentativas de emplacar novos "escândalos": "caso" Ideli, "caso" das 28 lanchas

no Ministério da Pesca, "suborno" no Ministério da Saúde, etc.

Só nos resta continuar batendo nos caras via PHA, Nassif, Tijolaço, Escrevinhador, Vi o Mundo e outros

blogs imundos.

Um abraço.