newsletter

Pular para o conteúdo principal

A catástrofe de Santa Catarina

Por Ronaldo Reis

A experiência de SC, Nassif:

http://scienceblogs.com.br/ecodesenvolvimento/2011/01/as_catstofres_naturais_no_bras.php?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+scienceblogs/brasil+(ScienceBlogs.com.br+:+Combined+Feed)

O documentário da Fundação Bunge:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=-LU1Ts3WWZA#!

http://www.youtube.com/watch?v=6V7NHJKixmo&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=_UsFJlU4lM0&feature=related

Abraço!

As Catástofres Naturais no Brasil

Posted on: Janeiro 24, 2011 8:59 PM, by Claudia Chow

Toda época de chuva no Brasil é o mesmo dejà vu, seja no verão no Sudeste, seja no inverno no Nordeste, enchentes, deslizamentos e inevitavelmente mortes. Mas o que mais me preocupa sempre é o que as pessoas resolveram fazer DEPOIS da catástrofe. Porque imediatamente depois sempre vem ajuda, dinheiro, solidariedade, mas e na hora de reconstruir tudo e a aprender com a desgraça o que acontece?

Recebi um material (diga-se de passagem já tem muitos meses) da Fundação Bunge sobre o trabalho deles no Vale do Itajaí depois das enchentes e deslizamentos de 2008 e eu fiquei muito contente em saber que lá eles aprenderam com os erros e estão tentando não repetí-los. O projeto chama-se "Conhecer para sustentar" e visa não apenas ajudar as famílias a reconstruirem suas vidas, mas também a conhecer melhor o local onde vivem e por que acontecem esses eventos.

Tomara que a população da região serrana do Rio de Janeiro também tenha essa clareza e possa aprender com essa situação difícil, nem que o aprendizado seja apenas votar diferente daqui 2 anos. Entendo que nem tudo a gente pode esperar do governo, esse projeto por exemplo vem de uma iniciativa privada, mas ter governantes conscientes e responsáveis é um bom começo.

Veja o trailer do documentário produzido pela Fundação Bunge sobre o projeto:

Esses dias vi no Jornal Nacional (veja a seguir) uma reportagem sobre o trabalho que está sendo realizado lá no Vale do Itajaí depois dos desastres de 2008 e foi bem legal ver que a prefeitura resolveu instituir uma "Diretoria de Gelologia" para cuidar das áreas de risco da cidade e ajudar no planejamento urbano.

Umas das falas que eu achei interessante foi do Prefeito de Blumenau quando ele diz que 2 anos é um tempo muito longo para quem espera, mas eles optaram pelo caminho mais longo e mais seguro. Achei legal um prefeito/ político enfatizar isso, pois na grande maioria das vezes eles são imediatistas e querem apenas ficar bem na fita com o eleitorado, imagino o quanto não deve ter sido fácil para ele aguentar o povo cobrando e exigindo soluções rápidas e fáceis. Acho que temos um bom caso de sucesso no Brasil, em que uma tragédia pode e deve ensinar muito, principalmente a planejar e fazer melhor.


Média: 5 (1 voto)
Grupos:
2 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+2 comentários

Tenho observado aqui em Curitiba que as autoridades, mais especificamente, a prefeitura e sua instituição adjunta para o Urbanismo (URBES) são os responsaveis diretos pela criação das areas de riscos e agravamento do transito empacado na cidade. Alvarás são emitidos para se construirem predios cada vez mais altos no bairro onde moro, e favelas são "urbanizadas" em torno de riachos, corregos e esgotos a ceu aberto, propicios para encherem numa chuva mais grossa....

O acumulo de predios, torna o transito cada vez mais caotico, e inviabiliza a tal "qualidade de vida" numa cidade que se auto-proclama " capital mundial ecologica" (my ass)....a especulação imobiliaria, e o descaso com os favelados são comandados pelos nossos governantes, portanto, quando das tragedas, estes são os responsaveis diretos....

 

Solução: reforma urbana e prevalência do uso "social" do solo sobre a especulação imobiliária. Poderíamos usar também um sistema de tributos que punisse o acúmulo de imóveis nas mãos de poucos proprietários como acontece na Inglaterra, onde aquele que compra o décimo imóvel é obrigado a pagar um imposto territorial igual ao valor deste bem comprado, no ano seguinte.

 

Sergio J Dias