newsletter

A cidade de Salvador sem comando

De iG

Viagem do prefeito de Salvador ao exterior deixa cidade sem comando

João Paulo Gondim

João Henrique Carneiro passa 15 dias fora do País e os três na linha sucessória – vice, presidente da Câmara e vereador mais idoso – também viajaram

Uma viagem ao exterior com detalhes ainda nebulosos do prefeito João Henrique Carneiro (PP) causa polêmica em Salvador sobre quem vai cuidar da cidade enquanto ele estiver fora. Isso porque os três primeiros da linha sucessória também viajaram: o vice-prefeito, Edvaldo Brito (PTB); o presidente da Câmara Municipal, Pedro Godinho (PMDB); e o vereador mais idoso, Pedrinho Pepê (PMDB).

Outra coincidência é que os três – vice-prefeito, presidente da Câmara e vereador mais idoso – têm pretensão eleitoral e, se assumirem o cargo mesmo que seja por um dia, não poderão participar do pleito. Para a prefeitura, quem representa a cidade na ausência do prefeito é a procuradora-geral do município, Angélica Guimarães.

Mas, de acordo com a Secretaria de Comunicação do município, quem responde pelo cargo ainda é João Henrique, o prefeito, visto que sua ausência da cidade é de 15 dias, metade do tempo estipulado pela lei orgânica para se licenciar da função com a permissão da Câmara. O prefeito viajou no dia 17 de junho e deve voltar em 2 de julho.

As informações sobre o que João Henrique foi fazer no exterior são vagas. A secretaria de Comunicação informa apenas um compromisso oficial: na última quarta-feira (20), ele assinou, na Espanha, convênios com o Instituto de Estudios Fiscales de cooperação em saúde sanitária. Além disso, a prefeitura reafirmou aliança com a entidade espanhola para formação, capacitação, treinamento, fortalecimento e estudos no setor tributário. “A secretaria não confirmou nem desmentiu rumores de que o prefeito depois da Espanha vai emendar um passeio, acompanhado de familiares, ao parque de diversões Disneylândia, nos Estados Unidos.”

Tais polêmicas – quem de fato comanda a prefeitura e a veracidade do prolongamento do tour para o parque norte-americano – são investigadas pelo Ministério Público baiano. O promotor Adriano Assis abriu inquérito civil para apurar eventuais desvios de conduta."Vamos verificar se houve pertinência dos gastos dos recursos na viagem e se a transferência do cargo não infringiu a Constituição Federal e a Lom (Lei Orgânica do Município), os parâmetros normativos desse assunto", afirmou o promotor. Se for comprovado que João Henrique foi para a Disneylândia e que lá gastou dinheiro público, ele vai responder a processo por improbidade administrativa. "As sanções são restituição do dinheiro gasto, aplicação de multa e suspensão dos direitos políticos por até oito anos", disse Assis.

Durante a ausência do prefeito, Angélica, a procuradora, executou pelo menos um ato administrativo referente ao Poder Executivo, segundo a Secretaria de Comunicação. Na última quarta-feira (20), determinou que a Fundação Gregório de Matos – responsável por ações culturais da cidade – convocasse audiência para debater as atrações de festas juninas de Salvador.

Mas a redação vigente da lei orgânica é clara ao afirmar que não compete à procuradoria-geral do município tomar medidas administrativas que são do prefeito e não pode substituí-lo no comando da cidade.

"À procuradoria resta representar a cidade em assuntos jurídicos", afirmou o diretor da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Celso de Castro. De acordo com ele, qualquer ato referente ao executivo municipal assinado por Angélica Guimarães não vai ter validade.

Celso de Castro também criticou a postura do vice Edvaldo Brito de se ausentar da cidade para não se prejudicar eleitoralmente.

O vice-prefeito, o presidente da Câmara Municipal e o vereador mais idoso, Pedrinho Pepê não informaram para onde foram nem o motivo das suas ausências de Salvador.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-06-22/viagem-do-prefeito-de...

Sem votos
8 comentários

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+8 comentários

Nessa coisa de viagem dos seus governantes, acho que ninguém supera o governador do Rio.  Paris que o diga. 

 

Salvador pede socorro!

Há alguns anos a cidade está abandonada, sem comando e sem idéias novas que busquem solucionar os seus muitos problemas.

A ausência de João Henrique na cidade não traz nenhum prejuízo à rotina da ciddade, uma vez que o Prefeito é de uma inércia e incompetência absolutas. 

Boa parte da população de Salvador é responsável pelo mal que esse senhor causa à cidade nos últimos 8 anos. Seu discurso demagógico, apoiado em propaganda eleitoral massiva e o apoio no último pleito do PMDB de Gedel Vieira Lima, fizeram com que o prefeito pior avaliado em todas as pesquisas se reelegesse. Votei em Walter Pinheiro, hoje Senador da República, que ficou em segundo lugar.

Esse mesmo PMDB que agora quer enfiar o ex-prefeito Mário Kértesz goela abaixo da população, moveu montanhas para tornar João Henrique o prefeito reeleito de Salvador, depois, convenientemente brigou, se afastou e hoje, faz parecer que nunca estiveram juntos como unha e carne.

A turma do Gedel foi a principal responsável por fazer esse senhor sem idéias, que era mandado pela ex-mulher, se reeleger. 

Cabe-nos abrirmos bem os olhos e não incorremos no erro de dar a essa truma do Gedel a chance de tornar de volta à prefeitura outro ex-prefeito que largou a cidade atolada em dívidas quase eternas, num conluio criminoso com algumas empreiteiras e empresas de coleta de lixo, que sangraram a prefeitura durante mais de 8 anos.

O ex-prefeito Fernando José e a ex-prefeita Lídice da Mata não conseguiram derrubar os contratos criminosos assinados nos últimos dias do governo Mário Kértesz, que permitiam o saque direto no caixa da prefeitura, de empresas como a Sérvia e a Engepar...

Apenas Antônio Imbassahy, cria e tutelado à época por ACM, conseguiu na justiça interroper o sequestro das verbas.

A situação de Salvador é desesperadora, pois as opções eleitorais para a prefeitura são sofríveis. ACM Neto, Mário Kértesz, Pelegrino, João Leão... são de dar dó de tão ruins... 

Mas, a cidade, guerreira que é, saberá fazer a sua escolha... 

Que Deus nos ilumine!!!

 

As informações sobre o que o Sr. Prefeito João Henrique faz são sempre vagas, no entanto as informações a respeito do que ele não faz abundam!

Quanto ao fato da cidade está sem comando isso já faz muito tempo e aliás não tem a menor relação com o fato dele ter viajado, ele aqui em Salvador ou em qualquer outro lugar do universo não faz a menor diferença, o sujeito é de um total indiferença com os problemas da população que se chega a duvidar se ele exite mesmo ou é algum tipo de delirio coletivo fruto do consumo demasiado de dendê e pagode.

 

Não acredito que isso aconteceu lá na Bahia. Impossível. Essa notícia é fake, com certeza.

 

Claudia,

Pense num absurdo. Na  Bahia acontece! Ja dizia Otavio Mangabeira, se nao me falja a memoria.

 

Matéria falsa.

Se o vereador mais idoso viajou, automaticamente ele deixa de ser o vereador mais idoso, mesmo que seu suplente eventualmente não tenha assumido.

 

Não é notícia falsa... se o suplente do suplente não está presente o mpróximo assume o comando..

Mas como este vai comandar se caiu de para-quedas????

Salvador está sem prefeito há 8 anos...

João Henrique foi um dos piores prefeitos que Salvador já teve!

O povo baiano achando pouco os 4 anos de inércia do João Henrique o re-elegeu sem ter feito nada pela cidade!!! A re-eleição dele foi algo incrivel! inacreditável...

 

 Assis e Marcia, apertem os cintos, que os pilotos sumiram! Cada uma, hein ? Sera que precisa mesmo firmar convênio com a Espanha para a saude sanitaria ? No Brasil não ha orgãos competentes ?