Revista GGN

Assine

A experiência com tablets entre as crianças da Etiópia

Por André Paulistano

Do Blog do Graveheart

Crianças da Etiópia hackeiam um tablet em apenas cinco meses. Porque isso é importante?

Por 

A notícia saiu na semana passada, mas não deixa de ser interessante: a fundação OLPC (One Laptop per Children) deixou na mão de algumas crianças em várias aldeias da Etiópia unidades do Motorola Xoom. Crianças na idade entre 4 e 8 anos, paupérrimas, a maioria nunca tendo visto qualquer tipo de tecnologia mais avançada e analfabetos. O resultado ao final de cinco meses impressionou até mesmo os mais otimistas: as crianças foram capazes não apenas foram capazes de usar corretamente o tablet, como também conseguiram hackear o aparelho!

A experiência da OLPC era simples: em conjunto com alguns técnicos da própria Etiópia, eles criaram cabanas repletas de paineis solares (para que fosse possível recarregar os aparelhos) e em várias vilas do país deixaram um presente para as crianças. Caixas e mais caixas com o Motorola Xoom dentro. E só. Nenhum deles instruiu as crianças sobre o uso, não havia ninguém ali para ensinar as crianças a sequer ligar o tablet. A idéia era ver o que acontecia. Como relata Nicholas Negroponte (presidente da OLPC), o resultado foi impressionante (tradução livre):

“Nós deixamos as caixas ali. Fechadas. Sem instruções, nada. Pensamos: “as crianças vão brincar com as caixas! Mas em coisa de quatro minutos, uma das crianças abriu a caixa, e encontrou o botão liga/desliga. Ele nunca havia visto um botão desses em toda sua vida, mas mesmo assim ligou o tablet. Em menos de cinco dias, cada criança usava em média 47 apps por dia. Em duas semanas, eles já estavam cantando algumas canções em inglês. E, em cinco meses, eles já haviam hackeado o Android. Algum idiota em nossa organização havia desabilitado a câmera dos tablets! E as crianças perceberam que ali deveria haver uma câmera, e hackearam o Android para habilitá-la.”

(Antes que os haters do Android comecem, “hackear” aqui é utilizado mais em um sentido de alterar, modificar, e não de invadir)

A notícia em si parece bobagem, mais um experimento curioso, mas a verdade é que os resultados são mais interessantes do que parecem. As crianças não tiveram um instrutor, não tiveram nenhuma educação formal ali. Todas as descobertas foram feitas na base da tentativa e erro, do raciocínio lógico. E cada novidade era compartilhada entre as crianças. Elas se ensinavam, sem a supervisão ou interferência de um adulto. E em cinco meses elas foram capazes de feitos incríveis. Isso mostra que:

1 – A tecnologia como nós a conhecemos já deixou de ser uma coisa “técnica”. Dispositivos sensíveis ao toque transformaram a forma como interagimos com o mundo e aprendemos. Antes precisávamos saber ler, ou saber operar um joystick para jogar, ou operar um aparelho complicado para assistir um filme. Hoje tudo isso está na palma das nossas mãos, através de ícones coloridos e comandos simples de entender. Baseando-se nisso, boa parte da nossa educação tradicional está absurdamente ultrapassada.

2 – Se nossa educação tradicional está ultrapassada, os programas do governo (não importa qual governo) também estão ultrapassadas. Iniciativas como o “Projeto Cauã” de John Hall, que desde 2007 trabalha com a idéia de criar centros de tecnologia em comunidades de baixa renda, deveriam ser o modelo a ser seguido, o rumo a ser tomado.

3 – Crianças mostram como nós mesmos criamos nossas restrições, nossos obstáculos, ao longo dos anos. Cansamos de ouvir (e falar) “é difícil”, “é complicado”, “não sei se vou conseguir” e criar as mais diversas desculpas na hora de aprender uma atividade nova, um conceito novo. Quando fazemos como as crianças e simplesmente abrimos nossas mentes, não é difícil aprender algo novo. Seja por tentativa e erro, seja através de raciocinio lógico. Passamos tantas décadas em volta de tecnologias que facilitam nossas vidas que esquecemos como pensar em soluções que não tenham sido passadas através de manuais na escola.

4 – A noção que possuímos da capacidade de pessoas “necessitadas” está toda errada. Ao longo do anos fomos bombardeados com a noção de que as camadas mais pobres da população são incapazes de se virarem sozinhas, incapazes de conseguir grandes feitos sem a mão do “homem rico” lhe ensinando a passo o que deve ser feito. O fato das crianças da Etiópia terem sido capazes de se virarem sozinhas mostra justamente o contrário: elas podem não ter o recursos que nós temos, podem não ter acesso a toda a maravilhosa tecnologia que nós possuímos, mas a chama da curiosidade e da perseverança humana (a mesma que nos deu a roda, a eletricidade e a torta de limão) ainda estão lá. Talvez, só talvez, esse experimento mostre que pessoas de baixa renda precisem muito mais de um incentivo do que alguém 24 horas buzinando no ouvido delas como elas são incapazes de se virarem sozinhas.

Obviamente, professores ainda são importantes. Nem tudo pode ser ensinado através da nossa tecnologia atual. Mas essa história mostra que precisamos, urgentemente, rever muitas das nossas noções sobre educação e capacidade. A tecnologia está anos-luz à frente das nossas idéias.

Média: 1 (1 voto)
30 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+30 comentários

Bom para os designers de interfaces
que criaram os "icones coloridos e
comandos simples de entender".

 

A reportagem me parece mais uma tentativa de vender tecnologia, algo fácil de utilizar,e que facilita nossas vidas. É como dissessem: você pode, se até as crianças analfabetas da Etiópia conseguem, você também vai conseguir.
Compre seu tablet Galaxy agora mesmo!!!!!!
É propaganda de alto nível.

 

Algumas informações a acrescentar sobre a questão:

Relatório afirma que uso de laptops por crianças não melhora rendimento educacional, apesar de ter um pequeno impacto na capacidade cognitiva. Para os autores, é preciso investir em instrução para que a tecnologia surta efeito. - http://bit.ly/UtTykE (Inter-American Development Bank)

Um recente estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) afirma que a adoção de computadores portáteis por alunos no âmbito do programa One Laptop per Children (OLPC), apesar de melhorar a capacidade cognitiva das crianças, não gera ganhos educacionais significativos. É a primeira vez que uma pesquisa investiga os resultados educacionais da iniciativa.

De acordo com o documento, feito com base em dados coletados no Peru, país mais avançado na adoção dos computadores, é preciso investir em um projeto pedagógico no qual as máquinas sejam instrumento e não finalidade. “Nossa sugestão é combinar a disponibilidade de laptops com um modelo pedagógico voltado para o alcance de resultados pelos estudantes. Nossos resultados sugerem que computadores, por si só, ao menos os oferecidos pelo OLPC, não melhoram os resultados em áreas curriculares.” (...)
____________________

(*1) OLPC: Por ser uma fundação 'sem fins lucrativos', a mesma é mantida pelas seguintes empresas: Google, News Corp, AMD, Red Hat, Brightstar, Nortel e mais recentemente pela Intel,estas atuam como sócios corporativos e estão envolvidas nas mais diversas pesquisas de hardware e software.

Inicialmente, os recursos que financiaram o desenvolvimento tecnológico e a divulgação do conceito foram provenientes de 9 companhias com base na simples filantropia: AMD, Brightstar, eBay, Google, Marvell, Nortel, Quanta, Red Hat, SES Astra. Rapidamente várias outras empresas, organizações sem fins lucrativos e organismos internacionais juntaram-se à missão. Em uma escala mais global, a OLPC colabora com o Banco Mundial, as Nações Unidas, a Comissão Europeia e o Banco Interamericano de Desenvolvimento. A One Laptop Per Child também continua recebendo apoio de corporações em todo o mundo, com base na filantropia pura: AMD, ASML, L'Atelier, do Grupo BNP Paribas, Brightstar, Chi Lin, Citigroup, eBay, Google, ING, Fundação Rei Balduíno, Marvell, NewsCorp, Nortel, Quanta, Red Hat, SES Astra, SWIFT

(*2) A News Corporation (NASDAQ: NWS, NWSA, ASX: NWS, NWSLV) é um grupo de comunicação social norte-americano, muitas vezes abreviado para News Corp. É terceiro maior conglomerado de mídia do mundo, atrás apenas da The Walt Disney Company e da Time Warner, e também a terceira maior no mundo no ramo de entretenimento. O presidente da companhia, CEO e fundador é Rupert Murdoch que fundou a News Corp em 1979 na Austrália.

 e por ai vai...

...Meditemos

 

Adendos:

1) "...Esta experiência teve início no começo deste ano, e a intenção da OLPC é a de verificar se as crianças podem aprender a ler e escrever em inglês..."  (of course!) - http://bit.ly/S8Tlgy

2) "Temo o dia em que a tecnologia se sobreponha à nossa humanidade. O mundo terá então uma geração de idiotas." (Albert Einstein)

 

Que maravilha!  Agora eles podem entrar em lojas online e comprar comida e água potável!  E os experimentos seguem à revelia da desgraça humana...

 

A curiosidade  é o que impulsiona a aprendizagem. As crianças a tem naturalmente e por isso aprendem fácil . Pena que muitos adultos perderam essa criança dentro de si, deixaram de ser curiosos e colocam obstáculos em tudo. Experiência maravilhosa!

 

Realmente, os resultados apresentados foram surpreendentes. Porém, dependendo do ângulo que se analise a questão, rola até um aspecto ‘sádico’ na parada. Fica então a dúvida sobre as reais INTENÇÕES (éticas/morais) de tal “experiência”.

ps: Os pais sabiam que seus filhos fariam parte de um experimento?

 

 

Colando novamente o texto, o que ocorreu com o anterior? Se perdeu?

 

Não me espanto e isso é perceptível para quem atentamente observa a capacidade de interação e compartilhamento das crianças na socialização do saber, mesmo com a interferência do adulto educador as crianças aprendem muito mais entre si do que com a intervenção do adulto (ainda bem que a experiência comprova isso com números, pois não basta a observação para o obtuso adulto, tem que achar um número pra dar satisfação pro Déscartes), o mais sábio, o mais velho sempre tenta impor o seu padrão e forma de aprender através dos manuais empoeirados e suas técnicas altamente exaustiva e cansativa dos cursos de educação (como se isso fosse transmissível e não demonstre ser uma forma falida e lenta de educar), como observado pelo Nicholas Negroponte a capacidade de trocar informações entre as crianças é muito mais rápida, efetiva e eficaz, isso infelizmente é muito pouco ou nada incorporado por uma grande maioria dos educadores formais, já as crianças, com o seu educador nativo e não contaminado, são capazes de socializar uma informação muito mais rápido do que nós adultos, são capazes sim, de fazer uma revolução educacional, de encontrar saídas para problemas complexos, e tornar a vida mais prazeroza, são capazes mesmo de hackear e sabotar os adultos sabichões e fazer aquela carinha linda de quem fez arte, como diz a mamãe, mas isso é perigoso e o adulto não deixa e não quer deixar, pois a busca cega e incessante por saber promovida pela e opressão que se impõe no processo educativo, faz com que se replique  o processo de ignorância professoral que faz com que as crianças incorporem isso, e passem a reproduzir isso. Enquanto atuei em laboratórios informatizados e utilizei eles pra mediação de processos educativos da nossa linha formal de produção, percebia que uma informação, que era passada pra eles, rapidamente era socializada dentro da sala informatizada e era ensinada uma vez, depois era só deixar elas andarem, tinha uns que me causavam verdadeira inveja de como faziam o olho de seu colega brilharem com o fantástico mundo da tecnologia, pequeninos educadores com métodos nunca estudados que transmitiam o saber como por osmose numa interação muito rápida. Na nossa cabeça adulta dos conceitos lineares, a criança pediu licença e foi embora, e os conceitos deram espaço ao comodismo do já sei, e aquelas crianças em sua sabedoria infantil já tinham elaborado conceitos muito mais elaborados, do qual nós adultos tentamos registrar, em teses, e não conseguimos, pois educação é processo, não é receita, é uma pena, pois quanto mais adultos e velhos nos tornamos, mais esquecemos de responder qual a nossa função nesse planeta e fazemos questão de ouvir as crianças parcialmente, ou a ouvimos seletivamente para endossar nossas idéias, as crianças em sua sabedoria são capazes de fazer uma informação ser divulgada rapidamente e do saber socialmente produzido ser descartado, quando já não mais provido de sentido prático, sim nós aprendemos e reproduzimos e buscamos reproduzir padrões de fazer educativo sempre baseado na interação adulto criança e modelos universais que deram certo e não como diz o Paulo Freire, outra criança barbuda incompreendida "ninguém educa ninguém, todos se educam entre si, mediatizados pelo meio" o cara cantou  a Pedra e muita gente confude até hoje que o "todos" da primeira frase é só professor x aluno, e descarta o aluno x aluno, esquecendo que dentro do processo ele é só mais um meio. Claro que toda generalização é burra, mas isso é uma verdade que talvez deva ser repetido para as crianças ou voltarmos a ser crianças para compreendermos. Quantas vezes nossa criança calam diariamente e até esquece de fazer a pergunta mais simples e que deveria ser diária, porque eu acordei? É preciso avisar os educadores que se queremos mudar, eles tem que começar a fazer sim como as crianças e diariamente fazem e se perguntar, onde estamos errando? e humildemente sentar e discutir com a criança que tem sim, muito saber, basta deixar ela falar e o ouvido estar bem limpo pra ouvir talvez o que não quer ouvir. E como diz o Negroponte, a praticidade da criança tem que ser cuidada pelo adulto, não alinhada como é feito, os conceitos de civilidade e de respeito ao próximo, é uma tarefa que cabe ao adulto que já racionalizou como nossos crianças são práticas quando o assunto é sobreviver e aprender, e ensinar a ela que devem cuidar uma das outras sempre. Pois ora ou outra o homem cresce dentro delas, os sentimentos pouco racionalizados tomam conta, e temos aí a hipótese do pequeno líder que é criado, tentar dominar os outros, como já fazem os adultos, mas não se perguntam mais. Porque?

 

Uma contraposição muito cômica.

 

 

 

Enquanto educador e trabalhador social não me causou muito espanto para quem atentamente observa a capacidade de interação e compartilhamento das crianças na socialização do saber, mesmo com a interferência do adulto educador as crianças aprendem muito mais entre si do que com a intervenção do adulto (ainda bem que a experiência comprova isso com números, pois não basta a observação para o obtuso adulto, tem que achar um número pra dar satisfação pro Déscartes), o mais sábio, o mais velho sempre tenta impor o seu padrão e forma de aprender através dos manuais empoeirados e suas técnicas altamente exaustiva e cansativa dos cursos de educação (como se isso fosse transmissível e não demonstre ser uma forma falida e lenta de educar), como observado pelo Nicholas Negroponte a capacidade de trocar informações entre as crianças é muito mais rápida, efetiva e eficaz, isso infelizmente é muito pouco ou nada incorporado por uma grande maioria dos educadores formais, já as crianças, com o seu educador nativo e não contaminado, são capazes de socializar uma informação muito mais rápido do que nós adultos, são capazes sim, de fazer uma revolução educacional, de encontrar saídas para problemas complexos, e tornar a vida mais prazeroza, são capazes mesmo de hackear e sabotar os adultos sabichões e fazer aquela carinha linda de quem fez arte, como diz a mamãe, mas isso é perigoso e o adulto não deixa e não quer deixar, pois a busca cega e incessante por saber promovida pela e opressão que se impõe no processo educativo, faz com que se replique  o processo de ignorância professoral que faz com que as crianças incorporem isso, e passem a reproduzir isso. Enquanto atuei em laboratórios informatizados e utilizei eles pra mediação de processos educativos da nossa linha formal de produção, percebia que uma informação, que era passada pra eles, rapidamente era socializada dentro da sala informatizada e era ensinada uma vez, depois era só deixar elas andarem, tinha uns que me causavam verdadeira inveja de como faziam o olho de seu colega brilharem com o fantástico mundo da tecnologia, pequeninos educadores com métodos nunca estudados que transmitiam o saber como por osmose numa interação muito rápida. Na nossa cabeça adulta dos conceitos lineares, a criança pediu licença e foi embora, e os conceitos deram espaço ao comodismo do já sei, e aquelas crianças em sua sabedoria infantil já tinham elaborado conceitos muito mais elaborados, do qual nós adultos tentamos registrar, em teses, e não conseguimos, pois educação é processo, não é receita, é uma pena, pois quanto mais adultos e velhos nos tornamos, mais esquecemos de responder qual a nossa função nesse planeta e fazemos questão de ouvir as crianças parcialmente, ou a ouvimos seletivamente para endossar nossas idéias, as crianças em sua sabedoria são capazes de fazer uma informação ser divulgada rapidamente e do saber socialmente produzido ser descartado, quando já não mais provido de sentido prático, sim nós aprendemos e reproduzimos e buscamos reproduzir padrões de fazer educativo sempre baseado na interação adulto criança e modelos universais que deram certo e não como diz o Paulo Freire, outra criança barbuda incompreendida "ninguém educa ninguém, todos se educam entre si, mediatizados pelo meio" o cara cantou  a Pedra e muita gente confude até hoje que o "todos" da primeira frase é só professor x aluno, e descarta o aluno x aluno, esquecendo que dentro do processo ele é só mais um meio. Claro que toda generalização é burra, mas isso é uma verdade que talvez deva ser repetido para as crianças ou voltarmos a ser crianças para compreendermos. Quantas vezes nossa criança calam diariamente e até esquece de fazer a pergunta mais simples e que deveria ser diária, porque eu acordei? É preciso avisar os educadores que se queremos mudar, eles tem que começar a fazer sim como as crianças e diariamente fazem e se perguntar, onde estamos errando? e humildemente sentar e discutir com a criança que tem sim, muito saber, basta deixar ela falar e o ouvido estar bem limpo pra ouvir talvez o que não quer ouvir. E como diz o Negroponte, a praticidade da criança tem que ser cuidada pelo adulto, não alinhada como é feito, os conceitos de civilidade e de respeito ao próximo, é uma tarefa que cabe ao adulto que já racionalizou como nossos crianças são práticas quando o assunto é sobreviver e aprender, e ensinar a ela que devem cuidar uma das outras sempre. Pois ora ou outra o homem cresce dentro delas, os sentimentos pouco racionalizados tomam conta, e temos aí a hipótese do pequeno líder que é criado, tentar dominar os outros, como já fazem os adultos, mas não se perguntam mais. Porque?

 

Emocionante, e entusiasmante. Pode até ter havido alguma distorção na forma de contar como aconteceu. Mas, aconteceu. A capacidade dos seres humanos é a nossa maior virtude. A ser sempre incentivada. Ao ver um grupinho de crianças de rua é preciso que os vejamos como gênios em potencial, mesmo. E fazermos todo o possível para que eles tenham mais oportunidades de ajudarem-se e ajudarem o mundo.

 

E a bateria nao acabava ?

 

"A experiência da OLPC era simples: em conjunto com alguns técnicos da própria Etiópia, eles criaram cabanas repletas de paineis solares (para que fosse possível recarregar os aparelhos)"

  E isso logo no começo da materia.

 

"Baseando-se nisso, boa parte da nossa educação tradicional está absurdamente ultrapassada."


 


Bem, outro dia apliquei uma prova simples cujso problemas eram enunciados simples retirados do próprio livro texto. Tive de traduzir. (Em tempo, prova aplicadas a alunos de engenharia que vivem navegando)


Gostaria de dizer a educação tradicional não está ultrapassada, ela não está sendo implementada.

 

 

Isso tudo leva a pensar quantas teses de doutorado enviezaram por um caminho pq o doutorando queria provar sua tese e não refutá-las. Dá nesse mico. E o bolsa família ía contra toda as teses de doutores, de que se criaria uma manada de boas vidas. A intuição de um apedeuta foi a solução. Outro mico dos "doutores sabem tudo". Nada como a vida para quebrar certas estruturas mentais montadas para manter a hegemonia dos homens brancos de olhos azuis.

 

 

foram homens brancos de olhos azuis que bolaram e realizaram a experiencia!!  

foram homens brancos de olhos azuis que produziram a maioria das descobertas cientificas que aumentaram e melhoram a vida de todas as pessoas no planeta nos ultimos 300 anos.

mas foram os patetas de estrelinha vermelha na camiseta ou no bone que criaram os bordões mais babacas da humanidade!!!

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

Essa é para Anna Cruzzeli

 

Hávia mais de seis anos que tinha ido a Salvador. Então, estive lá há dezoito meses, fiquei esperando meu avião ir para Ilhéus e, enquanto isto, fiquei observando as pessoas. Uma coisa que me chamou a atenção e que voltou automaticamente em mim, foi a maneira como os negros soteropolitanos andam, eles são elegantes, têm uma graciosidade incrível na forma de andar. Andam de cabeça erguida, têm uma pele incrível. Acobreada é a que eu acho a mais bonita.

 

Ao chegar a casa, fui imitar o andar do paulista, do mineiro, do carioca e do soteropolitano, pois não deixei de comentar em casa sobre a beleza deles. Eles são bonitos e graciosos. Não há como negar, há muitos negros bonitos e, em Salvado,r tem um celeiro disto no Brasil. O problema é que o Ocidente definiu o padrão branco; mas beleza não é apenas física, ela é também endógena e mostra graciosidade nos atos, na forma de falar de se expressar. Tem um texto bíblico que diz que (para aqueles que creem, claro), que Adão foi moldado, criado do barro, ou seja, as outras coisas  vieram a existir apenas com a palavra de Deus, mas o homem, o Senhor pegou na massa. Já a mulher, no texto original para formá-la, é utilizada uma outra palavra, que significa "esculpir". É exatamente nas formas do africano, quando estou na Bahia, que percebo a graciosidade tanto no homem quanto na mulher, a glória da criação do Senhor. Não é que as outras etnias não tenham, mas na minha realidade de Brasil, encontro aquilo que creio no jeito deles.

 

Quando estou lá, penso no universo, penso no homem integrado, mesmo com as intempéries que há no estado, mas a beleza interior exalando e alegrando o rosto, é notável. O que me instiga é como um povo tão perseguido ainda consegue ter uma ligação tão intensa e o coração alegre aformosando o rosto. E isto não é uma característica de Salvador, refiro-me por ser a referência matriz de África para mim no Brasil, pois conheço uma garota angolana e ela tem estas características, assim como um garoto haitiano. Sem falar que eles são os donos do canto. Não é que os outros não cantem, mas o negro, a voz, a graciosidade e a elegância interior, são notáveis.

 

No dia que a melanina deixar de ser padrão, seremos capazes de contemplar a diversidade de beleza da criação.

 

 

O problema é e sempre será político.

Programas políticos propositivos sempre sempre avançam em direção ao progresso.

Conservadorismo e resignação sempre nos arrastam ao atraso, quando não à barbárie. Como é o caso da violência generalizada que assistimos hoje em São Paulo. Tem idiota que ainda acha que isto aconteceu do dia pra noite e não como fruto de um longo período de descaso e irresponsabilidade.

Prá frente é que se anda, XÔ atraso!.

Evoé Etiópia!

Evoé Mundo Livre!

 

Minha nossa! É o branco ocidental imaginando que o negro não tem cérebro. Ei, vc sabia que a Grécia copiou da África ou, como disse Platão, não inventamos nada, mas o que copiamos, fizemos muito bem? Sabiam que os grandes construtores, matemáticos, médicos, pensadores eram africanos? Vide o Egito e sua cultura que floresceu e governou o mundo por séculos.

 

Além, claro, de submestimar, independente de cor, etnia ou cultura a capacidade de aprendizagem de qualquer ser humano. Esta gente não sei não, viu! Se ao menos lessem a Bíblia como fonte histórica seriam capazes de conhecer um pouco mais sobre determinados povos. Aliás, não apenas a Bíblia, mas se assistissem, lessem ou conhecessem sobre Arquelogia e Antropologia fora do umbigo ocidental.

 

na realidade e o esquerdista imbecil que acha que todo branco ocidental e como ele imagina que seja.  O teste foi feito em um local onde o desenvolvimento tecnologico e social estava estagnado,  o resultado surpreendeu porque pessoas sem acesso ao que era um botão de iniciar, e sem nenhum treinamento em 5 meses conseguiu operar um equipamento que poderia ser considerado vindo de outro planeta.

o racismo na realidade partiu de vc.  realmente imbecis como vc são mais ignorantes que esses habitantes de aldeias esquecidas pelo mundo afora, pois eles não tem restrições para o novo, aprenderam e deixaram de lado paradigmas obsoletos.  Vc parou no tempo!!!!

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

"Ao longo do anos fomos bombardeados com a noção de que as camadas mais pobres da população são incapazes de se virarem sozinhas, incapazes de conseguir grandes feitos sem a mão do “homem rico” lhe ensinando a passo o que deve ser feito."


Muito bem colocado! Daí resultam todas as críticas ao Bolsa Família, cotas, bolsas universitárias etc. 

 

 Que noticia boa! Mas não me surpreende, as crianças estão sempre descobrindo coisas diferentes, inventando mais  que adultos. E da uma pena ver essas crianças nesse estado ainda. 

 

5 - essa experiência só foi possível porque ainda existem classes sociais muito diferentes, do contrário, em qual outro tipo de família ou ambiente social essa experiência poderia ser repetida? Chega a ser triste essa constatação.

 

Difícil de entender a matéria, "hackearam"? Dá a impressão de que acessaram via root, o que evidentemente não é o caso...

Crianças são inteligentes, não importa a cor.

 

eu acho que a côr não eram uma variavel do experimento, foi escolhido o local por ser sinonimo de miseria e atrazo social no mundo, esse experimento poderia ter sido feito em uma colonia no interior do Brasil ou em Bangladesh.

o resultado e emocionante!!!

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

Está vendo que você consegue ser educado quando quer?

 

Tocante! Essa experiência deixa claro que o que falta são oportunidades. Capacidade não falta, nem nunca faltou. Esse discurso foi utilizado pelos colonizadores para justificar/facilitar sua dominação. E aqui no Brasil, esse é o grande medo daqueles que criticam as ações afirmativas, pois sabem que a partir do momento em que houver igualdade de oportunidades, aumenta a concorrência.

 

 Etiopia é um dos paises africanos de gente mais bonita do continente e do mundo. Olha a beleza da menina que olha pela camera?Quando vi pela primeira vez uma  uma foto de uma senegaleza tirando leite de uma búfala numa das terras mais secas do mundo, em plena savana africana com tanta elegancia mudei meus valores sobre o que é beleza.

 Voltando ao que interessa...

 A divina providencia quando distribuiu a inteligencia sobre a face da terra foi muito democrática, mas ao fazer da Africa a Eva do mundo sabia o que estava fazendo.

 A mãe de todo mundo é negra.

 

   Para uma injustiça durar basta apenas que os bons fiquem calados

Vocês viram na foto os pezinhos do menino?

 

A questão maior é onde esta pisando, assoalho de terra batida, paredes que pareçe taipa e viva a revolução tecnológica

 

“Instrui-vos, porque precisamos de vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos de vosso entusiasmo. Organizai-vos, porque carecemos de toda vossa força.” Revista Lórdine Nuovo