Revista GGN

Assine

A formação e o mercado dos músicos fora de pauta

Por Rogério Bezerra

Comentário ao post "O papel da Universidade"

Saudações Nassif!

 

Quanto ao papel da universidade, tenho um exemplo e um questionamento:

A Universidade Federal com a melhor pontuação no Brasil, formou meus filhos em Música. Além desse curso há no mesmo prédio(!), Artes Visuais e Teatro.

Nunca houve uma apresentação que reunisse os  3 cursos.

Raramente as apresentações são divulgadas na Mídia (vendedores de espaço publicitário), ficando limitada ao sítio da Universidade.

Nunca houve uma aula sobre o mercado da Música na Cidade, Estado e, muito menos, no País.  

Nunca houve algo que indicasse o que ainda não foi feito, como por exemplo, o levantamento completo das obras eruditas dos compositores brasieliros. Com a respectiva distribuição de partituras por todos os cursos de música no Brasil.

O "negócio música" não é falado nas universidades? 

Depende apenas da mídia (vendedores de espaço publicitário) ?

Ver esses garotos sairem com boa formação musical, como saem, mas sem essas informações me parece mais uma das burrices de nossas preguiçosas elites 

Felizmente meus filhos não perderam tempo na escola, mesmo nas fracas escolas públicas que sempre estudaram. (Estudar e aprender é um privilégio)

Acabaram se virando...Um dá aula no Bolshoi e na Casa de Cultura (também é sambista, e dos bons) e o outro vai pro mestrado nos Estados Unidos (com bolsa de lá, pois a nossa bolsa, já furou. rsrsrrs)

"Pessoas muito mais talentosas que nós vão ficando pelo caminho".

Felicidades

Rogério Bezerra
Florianópolis  

Sem votos
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+1 comentário

Caro Bezerra, minha solidariedade pelo desabafo...

Infelizmente, a carreira de músico não é profissão que sustente um homem solteiro - quanto mais um pai de família. É mercado de "esquemas" e "jabaculês", onde o que menos importa é o talento ou a boa formação - só o parentesco e o potencial em "cash" pra bancar sua entrada no mainstream e sair do anonimato em oportunidades "compradas" (com dinheiro ou favores) - raro é o artista que escapa desse roteiro hediondo.

Deixei esse meio (fui músico dos bons - de shows e de estúdio) e segui como jornalista...

Não sei o que é pior. Abs.