Revista GGN

Assine

A Internet e a neutralidade da rede

Coluna Econômica

A Internet é vista, unanimemente, como o território livre, a tecnologia libertadora que, em muitos países, permitiu o florescimento da cidadania, a ampliação das oportunidades de educação, o ambiente para novas empresas e novos empreendedores, para o trabalho colaborativo em rede.

Graças a seu ambiente lilbertário, internacionalmente ajudou a derrubar ditaduras e monopólios de mídia, o controle da informação, tanto por governos como por cartéis.

No entanto, não se considere um modelo consolidado. Em outros momentos da história surgiram novas tecnologias, promovendo rupturas, abrindo espaço para a democratização e, no momento seguinte, quedaram dominadas por novos cartéis e monopólios que se formaram.

***

Foi assim com o início da telefonia. Enquanto a Bell Co se consolidava, como grande companhia nacional, surgiram inúmeras experiências locais, como a Mesa Telephone, para localidades rurais norte-americanas, de tecnologia rudimentar porém útil para ligar comunidades agrícolas.

Nasceram centenas de outras companhias por todo o país. Esse mesmo modelo disseminou-se pelo Brasil dos anos 40 em diante, com companhias municipais levando o telefone às cidades menores, em um surto de pioneirismo extraordinário.

Nos Estados Unidos, o movimento dos "independentes" permitiu às comunidades rurais estreitar laços, criar amizades, sistemas de informação, da mesma maneira que as redes sociais de agora. Através do telefone desenvolveram noticiários sobre o clima, sobre a região, relatórios de mercado etc.

Os "independentes" chegaram a ter 3 milhões de aparelhos, contra 2,5 milhões da Bell.

Com a ajuda do J.P.Morgan, o mais influente banco da época, a Bell reestruturou-se em torno da AT&T.

Em vez de declarar guerra aos "independentes", a nova direção propôs um trabalho conjunto, facilitando para eles as ligações de longa distância, desde que trocassem seus sistemas rústicos pelos padrões Bell. Quem não aderisse, não teria ligações de longa distância.

Como resultado,  a AT&T matou a concorrência dos "independentes" e construiu o mais longevo e poderoso monopólio da história, só desmembrado na década de 1980.

***

O mesmo processo de concentração se repetiu no rádio.

No início, o rádio tornou-se uma ferramenta tão democrática e disseminada quanto a Internet. Não havia controle e qualquer pessoa, adquirindo um kit de rádio, montava sua estação sem fio.

Em 1921 havia 525 estações transmissoras nos Estados Unidos. Até o final de 1924, mais de 2 milhões de aparelhos de rádio. Segundo Tim Wu, autor do importante "Impérios da Comunicação" antes da Internet os rádios foram a maior mídia aberta do século.

***

Repetiu-se o mesmo processo do telefone. À medida que aumentava o público e criava escala, o mercado libertário era enquadrado pelo poder público e a ocupação do espaço entregue a grupos particulares.

Hoje em dia, as concessões de rádio se tornaram ativos de empresas privadas, as rádios comunitárias são criminalizadas e o exercício pessoal se restringe aos rádios amadores.

***

É esse o desafio atual da Internet. Se não for garantida a neutralidade da rede - isto é, o direito de qualquer site ou pessoa de ter acesso à rede, sem privilégios - em breve o grande sonho libertário da Internet terá o mesmo destino do telefone e do rádio.

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.