Revista GGN

Assine

A intolerância na blogosfera

Os veículos de comunicação, também incluídos os blogs independentes, tem feito críticas às passeatas contra a corrupção. Neste momento, não quero entrar no mérito das passeadas em si, mas gostaria de analisar alguns outros aspectos dessas críticas.

Um dos aspectos é a intolerância que também está tomando força nos blogs de esquerda. Isto seria de se esperar nos blogs do Azenha, PH Amorim, Edu Guimarães que se proclamam de esquerda e, mesmo que involuntariamente, incentivam os comentaristas a se sentirem participantes de um time que vê quem não pensa igual como adversário.

 

O blog do Nassif, desde o início, se mostrou um espaço alternativo por dar voz para opiniões destoantes da grande mídia não por ideologia política pessoal, mas pelo puro e simples desejo de praticar bom jornalismo. Isso criou um ambiente propício para o debate de idéias e um conjunto de comentaristas equilibrados.

 

Quando perguntei a uma pessoa mais jovem a quem eu recomendara o blog se ela havia gostado, a resposta foi que o mais lhe chamou a atenção foi o nível pouco habitual dos comentários.

 

Isso parece estar mudando quando o assunto é o processo político. Talvez influenciado pelo baixo nível da campanha presidencial ditado por Serra e seus apoiadores na imprensa, a quem Marina Silva também vendeu a alma ou talvez pela rejeição explícita do Nassif à candidatura Serra, tenho sentido uma agressividade cada vez maior dos comentaristas do blog em relação a quem critica o governo ou elogia a oposição.

 

Experimente alguém dizer aqui que Jamil Haddad não foi o pai dos genéricos. Será , como já fui e serei novamente, apedrejado ao afirmar categoricamente que a contribuição de Haddad para os genéricos foi mínima. Ele simplesmente tomou o texto do projeto de lei de Eduardo Jorge, fez com que Itamar emitisse um decreto sem força de lei, não conseguiu que farmácias obedecessem, colecionou uma série de disputas jurídicas e saiu do governo sem que se avançasse um passo sequer.

 

Qual é o problema deste clima de Fla-Flu? Primeiro torna-se impossível discutir em torno de idéias quando os argumentos governistas e a visão de esquerda tornam-se dogmas que não devem ser questionados, mas simplesmente apoiados. Não há troca de conhecimento, mas simplesmente discussões estéreis que não alteram o pensar de quem participa. Para que discutir se eu não estou disposto a mudar meu pensamento? Qual o sentido de discutir se martelarei minhas idéias sem abrir espaço para, quem sabe, uma troca de paradigma?

 

Segundo, cai-se no erro que a oposição tem cometido desde 2002 e pode render ao PT mais alguns mandatos no governo federal. Passa-se a ignorar o ponto de vista do outro lado e, principalmente, desconsidera-se o contexto que leva determinados grupos sociais a apoiarem uma causa ou corrente de pensamento. Cega-se aos méritos das propostas e realizações concretas do outro lado.

 

A classe A, baseada na penetração de Lula nas camadas de menor renda e menor instrução, considera ignorante quem apóia o lulopetismo (não é assim que nos chamam?).  Esta postura elitista ignora, em primeiro lugar, que o apoio ao governos nas camadas médias nunca foi pequeno. Embora sem os números astronômicos das classes C,D e E, o apoio nas classes A e, principalmente, B é significativo,  bastando consultar as pesquisas de intenção de voto para presidente em 2010 para identificar esta realidade. Esta rotulação de ignorante para os governistas pode ter causado uma rejeição enorme à oposição que levará um tempo significativo para ser superada.

 

Outra conseqüência desta postura elitista-dogmática é não desenvolver canais de diálogo com os extratos da sociedade considerados não-informados e permanecer com o mesmo discurso (neste caso, udenista), esperando que o povo de repente se esclareça e passe a pensar em consonância com o iluminismo político da oposição. Não se desenvolvem políticas para esses extratos, o que é lamentável, e nem sequer discursos eleitorais, demagógicos ou não, mas palatáveis aos segmentos governistas.

 

Acho que este é o erro em que os governistas do executivo, dos partidos da base ou simplesmente simpatizantes não podem incorrer. Esses agentes devem entender que sim, a corrupção no Brasil é um problema sério, lutar para entender suas causas e propor ações concretas para sua diminuição. Não podem menosprezar as manifestações contra a corrupção por que elas significam um extravasar de sentimentos de segmentos da sociedade. Neste momento, este sentimento pode estar sendo ofuscado pelo progresso econômico e deixado de lado pelo eleitorado, mas quando houver uma retração econômica, esta bandeira pode tornar-se diferencial eleitoral e os governistas podem a ter deixado bem plantada no campo da oposição

Sem votos
87 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+87 comentários

A marcha contra a corrupção, se apartidária, deveria ser em frente aos tribunais, que torcem as leis para não punir os corruptos e os corruptores, bem como, em frente aos veículos de comunicação, que não divulgam os nomes dos corruptores, nem dos juízes que soltam os corruptos.

 

Caro Alvim!

 

Gostaria de complementar seus argumentos para que não se acredite que não ser intolerante é ser tolerante. Não se trata de tolerância, mas de aceitação da diversidade de pensamento.

 

A intolerância nega que o outro possui uma verdade a ser dita ou que aquilo que o outro diz é uma inverdade. A tolerância é uma aceitação provisória da fala do outro, mas ao cabo ainda nega ao outro possuir uma verdade a ser dita.

 

A realidade, embora seja um todo, não consegue ser apreendida individualmente em sua totalidade, pelas nossas limitações mentais. Até agora, por exemplo, sinto não ter conseguido uma visão satisfatória da questão da Usina de Monte Belo e acho que vou ter que conviver com uma fome de saber.

 

Por outro lado, a forma como apreendemos a realidade é baseada em nossa histórica condição de existência, que nos providencia necessidades, interesses e cultura que dão cores determinadas a nossa forma de ver o mundo. As verdades com que trabalham aqueles a favor e contra Belo Monte resultam de diversas condições de existência social, o que contrapõem, de um lado, Delfim Netto e, de outro, a liderança indígena da região. Por isso, dado que as condições de existência são diversas, não poderíamos esperar visões homogêneas.

 

É essa diversidade que caracteriza a riqueza do pensamento humano. Porém, aceitar o pensamento do outro não implica em concordar com ele. É aceitar um outro ponto de vista complementar. Caso seja antagônico, marcar posição, criticando o mesmo.

 

O ponto relevante da crítica é que ela precisa ser racional, para que possamos tentar construir pontes. Mas o ponto de partida da crítica não é racional, e sim emocional. Primeiro, nos sentimos atingidos em nosso humor, por meio de nossas sensações, a partir das quais gostamos ou não gostamos de algo, e nossos argumentos buscam racionalizar nossas emoções. Mas frequentemente nossos juízos são apenas a exteriorização de nossa bílis. O recebimento de Lula do Honoris Causa pela Sciences Po causou primeiramente alegria em alguns e desgosto em outros, e os discursos feitos no blog foram de júbilo e de amargor. São juízos legítimos.

 

Ao soltarmos a bílis, incorremos em muitos dos erros argumentativos, as famosas falácias. Uma das mais frequentes é o descrédito ao orador, de modo que não importa o juízo que ele emite já que não possui crédito para dizê-lo. Perde-se a oportunidade de analisar o juízo e aprender algo com ele. O caso do André Araújo é emblemático. Segundo o mesmo, possui uma longa experiência de vida no campo empresarial, condição de existência que lhe moldou um jeito próprio de ver os fatos da vida e de explica-los, mas cujas verdades colidem com outros leitores do blog que frequentemente lhe respondem de forma ácida. Será que não temos nada a aprender com ele? O mundo empresarial não tem nada a nos ensinar? Ou será que é porque André também argumenta com a bílis?

 

Esse caso me remete a outro. Que será que os leitores do blog acham da lógica da eficiência em gestão pública proposta por Jorge Gerdau? Podemos apreender algo com sua experiência histórica a frente de um grupo empresarial de peso, mas cuja condição de existência também lhe forneceu uma visão particular de mundo e que, se exteriorizada, deverá conflitar com aquelas da maioria dos leitores do blog?

 

A questão é como controlar as emoções e travar o diálogo de forma menos biliosa e permitir criar pontes de interação. Acho que deveremos aprender com as meninas que leem esse blog, em especial pela delicadeza no trato do outro, mesmo sem deixar de dar um puxão de orelha. Coisa materna.

 

Gostei muito de sua complementação. Acho que captou, bem diferentemente de alguns, o que eu quis dizer.

 

 

>>>> Um dos aspectos é a intolerância que também está tomando força nos blogs de esquerda.

Não tenho procuração pra defender os blogs que o autor do post cita, até porque eu estaria no campo dos adversarios deles, mas não vejo como intolerância escolher um lado e criticar o lado contrario. Isso é parte do jogo aqui ou em qualquer lugar do mundo.

 

creio que o debate está se direcionando para o número de posts, talvez o Alvim já tenha sido abordado para ter publicidade paga em seu blog. Com meus parabéns, lá vai minha contribuição.

 

A blogosfera é a liberdade e tem seu preço.

A intolerância é ser tolerante com as gargantas-capitanias da grande Murdoch do Brasil.

Blogs democráticos dão uma tremenda lição a essas redes de televisão porcinas, as quais durante anos destruiram reputações e pessoas, sem direito de resposta ou defesa.

Enquanto o Palácio dos Bandeirantes gasta 9 milhões de reais para distribuir ruimvistas invejas, falhas e globolhas nas escolas públicas, a blogosfera tenta despertar os jovens para o quão pusilânime é a corja que governa a comunicação no país.

 

 

Mas... O governo atual (ou mesmo o de Lula) seria de "esquerda"?

O que é ser "governista", o que é ser "esquerda"?

A oposição mais conceitual e acirrada no Brasil, ainda que pequena, é a de esquerda não? (PSoL, PSTU, etc.) A oposição "à direita" (DEM, PSDB) não é oposição aos modelos, mas um desejo de ocupar os cargos... Combater a corrupção é uma bandeira disponível para todos.

A centro-direita, ou seus conceitos (digamos algo que vagamente defenda o conjunto capitalismo de estado, melhoria social mas manutenção do status quo para a iniciativa privada simultaneamente), é quem governa dado o arcabouço jurídico e legislativo do Brasil (de difícil evolução, portanto conservador) que pouco espaço dá para interferências do executivo, que, quando muito, pode fazer políticas mais "à esquerda" nos gastos públicos (isso passando por Lei de Diretrizes Orçamentárias que deve ser aprovada por um Congresso em que centro-esquerda não soma 40%)

Bons exemplos foram o Bolsa-família e o Prouni. Mas igualar oportunidades de educação cai bem também em discurso social-liberal. Uma grande questão é o modelo de exploração do Pré-sal, mas, fora isso, qual grande questão envolvendo participação do Estado vêm sendo discutida?

Mas é assim em quase todo lugar.

Pode ser que comentaristas que se considerem mais à esquerda realmente sejam governistas em função das alternativas eleitorais. Mas isso não significa um apoio incondicional.

Note-se o bizarro de algumas situações, notadamente a política monetária. A maioria dos mais à esquerda (presumo eu sem muita certeza, dada a fluidez dessas categorias de posicionamento político) critica a "situação" de modo vago, não as pessoas que exercem o Poder Executivo (que, em última instância, são os chefes dos Presidentes do Banco Central...)

Falam que falam que são contra os juros elevados (que constrange o orçamento público, havendo no entanto a compensação pela tributação) e contra o câmbio valorizado (que mantem o poder aquisitivo e reduz a concentração de renda - o que deveria ser uma discurso da esquerda brasileira, mas paradoxalmente não é), mas a responsabilidade, no nível de discurso, sempre é atribuída a agentes externos, não ao executivo.   

Quanto à lentidão em se propor um orçamento federal mais voltado à educação e à saúde, fala-se pouco. Só que desenvolvimento não é só infraestrutura, e nacionalismo também pode ser de direita!

E assim vamos passando os dias.  

 

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

Que comentário mais pertinente, Adjuntor Alvim, espero que, inclusive, esses progressistas, que se dizem democráticos, tolerantes - etc que houver de positivo- parem de difamar as pessoas que, por qualquer motivo, tenham tenham atuado em outras searas por motivos que lhes fogem à informação....

 

Me lembro de quando conheci o blog. Tinha até vergonha de comentar alguma coisa pelo nível dos comentaristas.

E não sei por que, sempre me lembro de um deles: Arkx

 

[  Esses agentes devem entender que sim, a corrupção no Brasil é um problema sério, lutar para entender suas causas e propor ações concretas para sua diminuição. ] Tucanês  de prima!!! Nunca que ninguém fez nada quando eram os outros, por que só agora que o governo é de esquerda? Por que os outros podiam usar o poder para ganhar um ¨extra¨ e gente da esquerde deve morrer na miséria eterna? Essa história de que quando esquerda chegasse ao poder todo iria viver apenas do que honestamente o carago público  paga, sem ter direito fazer nenhuma ¨assessoria¨,  é coisa do PIG.

 

Desculpa, Nassif

Eu até concordo com o autor do texto sobre o nível dos comentários sobre política no blog estar decaindo. Até andei evitando ler por este mesmo motivo. Vejo uma simplificação e intolerância grande, e esse clima de. como dizem, Fla-Flu não estimula que as discussões fiquem em um certo nível. 

Respeito as pessoas que saem a rua por se sentirem indgnadas com a corrupção e as mazelas políticas do país. Mas acho que essas passeatas podem e devem sim ser criticadas.

O problema maior desse texto é justamente dar a entender que criticar as passeatas é estar incondicionalmente a favor do Governo, não aceitar críticas, ou, pior ainda, que os apoiadores do Governo acham que a corrupção não é um problema.

Eu votei em Dilma para presidente. E estou satisfeito com o Governo, em vários pontos, e tenho minhas discordâncias em algumas áreas. Eu tenho minhas reseves com relação a essas "marchas contra a corrupção". Não acho que a corrupção no país, onde quer que ela se instale, seja um problema menor. Mas até agora não entendi qual é o ponto desses movimentos.

E até gostaria que esses críticos dos críticos dessas passeatas tentassem me indicar o que essas pessoas querem indo a rua.

Frase pincada do discurso de Slavoj Zizek feito no OccupyWallStreet e publicado nesse mesmo blog:  "Lembrem-se, o problema não é a corrupção ou a ganância, o problema é o sistema". E no discurso ele também lembra aos ocupantes que um dia eles teram que voltar para casa, mas que jamais devem se lembrarem daqueles dias como nostalgia da juventudo. A importância da ocupação é tentar trazer mudanças reais na sociedade.

É justamente isso que critico nas "marchas contra a corrupção". Quais as mudanças que eles propoem ou desejam para dar fim da corrupção? Por que esses eventos só acontecem durante feriados quando pouca gente vai sentir os efeitos que mobilizações costumam provocar nas cidades? 

No entanto, eu sei o que tem-se conseguido com essas marchas. Na melhor das hipóteses conseguem reafirmar o lugar comum de que todo político e ocupante de cargo público é um corrupto em potencial. E, na pior das hipóteses, colar no Governo a imagem de conivente com a corrupção, porque, afinal de contas, se tantos ministros já foram demitidos em tão pouco tempo por serem corruptos, os que ainda estão lá não podem ser melhores. 

Infelizmente, é nisso que esses protestos têm sido transformado por boa parte da mídia.

 

Nassif, eu coloquei este comentário em outro post ("O maior massacre da história"), mas é importante registrá-lo aqui, tb. Porque o A. Alvim destacou (bem) essa tendência nos comments do blog, que precisamos desestimular o quanto antes. Segue:

"...Vamos contrapor argumentos, não xingamentos e desqualificações vulgares, por favor! Eu frequento muito aqui (só posto aqui, pra falar a verdade) porque sempre houve troca rica de idéias. O Blaya, o Rebolla, o André Araújo, às vezes o necolima e o Romanelli tem posições polêmicas, mas nos fazem refletir muito sobre a mediocridade do "senso comum". E eles podem (e devem!) ter e expressar sua opinião pessoal - por mais diferente, extravagante, desarrazoada que possa ser. Não é a minha, mas respeito e discuto com eles preservando seu direito, sem atacá-los com baixezas - mas expondo com argumentos as eventuais intolerâncias, lacunas ou incongruências de suas razões...".

Fica minha postura. Abs.

 

Esses arremedos de comício são uma tentativa de reeditar as marchas com Deus pela liberdade que ajudaram a implantar a ditadura. Se estivessem mesmo querendo combater a corrupção, levantariam também os casos gravíssimos ligados a administrações demotucanas.

Sugiro que o autor do post experimente, no próximo comício dos cansados, levantar a lebre da Alstom, Siemens, Metrô, CPTM, merenda, cunhado do Alckmin, não realização da limpeza da calha do Tietê (que foi paga e bem paga por Serra) e outras. Mas cuidado pra não apanhar dos cansados.

 

_____________________________

Roberto Locatelli

Profissional de computação gráfica, modelador digital

Locatelli,

Porque a UNE chapa branca e a CUT não organizam essa marcha? Nem eles?

 

Não é que não queiramos discutir a corrupção. O que não concordamos é como essa discussão é proposta: a corrupção é uma obra do PT, porque isso não é  uma discussão séria. A oposição e mídia agem como se não houvesse corrupção antes do PT, escondem a sujeira que ocorre em SP. Por que não levaram este movimento contra a corrupção do dia 12 para a ALESP, seria mais conveniente (tem a denúncia da compra de emendas) que levar ao teatro municipal. Queremos discutir e resolver a corrupção, mas não acreditamos no combate à corrupção sem a reforma do judiciário, sem o financiamento público de campanha e sem uma reforma do Estado. Fora disso, é politicagem e demagogia.

 

primeiramente tem-se que ter noção que protestar contra corruptos é como ser contra assaltantes, maconheiros, alcólatras, religiosos etc etc. segundamente imagine uma manifestação exigindo um basta a assaltantes, maconheiros, alcólatras, religiosos etc etc etc... terceiramente voltamos à estaca zero: primeiramente tem-se que ter noção ô sem noção.

 

Sem forças para entrar em polêmica. Mas, para dizer algo - sou uma bocuda - quero parabenizar o Nassif. Coincidência ou não, hoje saí com uma amigona e comentei que considerava o Nassif como o mais ponderado dos alternativos.  Pelo espaço que concede à cultura fora do eixo Rio-SP, pela paciência que tem com os que o detonam, pelo espaço que dá aos que contestam suas opiniões. Espero não estar dando um tiro no pé! rsrsrs Sucesso!

 

Os que pensam diferente podem ser sim adversários e não vejo nenhum problema nisso. E mais: entre os adversários, podem existir inimigos de ideias e ideais, como, por exemplo, tenho como meus inimigos os racistas, os integrantes da Juventude Nazista, os integrantes da TFP, os homofóbicos, os xenófobos, os que não gostam de pobres, os que acham que pobre e pretos são boas pessoas quando sabem seus lugares, que chega no máximo na cozinha da casa da sinhá, os que não gostam de nordestinos, os que não gostam de judeus pelo simples fato de serem judeus, os que negam o direiot do palestinos de existirem como nação etc.

Essa turma tem o direito de ser assim e defender suas ideias, e eu o direito de combatê-las sem violência, mas com contundência. Essa é a vida agreste que nos dá essa alma agreste. O resto, é hipocrisia ou estória da Carochinha.

 

Caco

 

Carlos, seria interessante vc definir o que é contundência. Contundente, pra mim, é o que contunde, o que machuca. Não se precisa usar o argumento da força quando se tem a força do argumento (poucas frases feitas são tão corretas quanto esta).

E é sim intolerância reduzir argumentos de outras pessoas a hipocrisia ou conto da carochinha.

 

1. Segundo o Houaiss, 1ª Edição, Ed. Objetiva, 2001:

"Contundência s.f. qualidade, caráter ou condição de contundente."

"Contundente adj.2g 1 Capaz de produzir contusão (instrumento c.) 2 fig. incisivo, categórico, terminante (prova c.) 3 fig. que causa sofrimento, fere ou magoa (palavras c.)." 

O filólogo demonstra que minhas palavras podem significar algo além do único sentido que o Senhor confere a elas.

2. É hipocrisia pura e simples a argumentação de que a corrupção praticada por aqueles com que simpatizo trata-se de mero descuido ou falha de gestão. Em relação àqueles de que discordo, tudo é banho de lama e não existe e nem nunca existirá prova em contrário. Exemplo: posição da mídia e de muitos que aqui comentam e de outros que saem marchando por aí em relação ao "mensalão do PT", ao "mensalão do DEM" e ao "mensalão do PSDB" (deste se fala tão pouco que muitos já devem ter esquecido, mera falha de memória, nenhuma hipocrisia, é óbvio).

3. É conto da carochinha se dizer democrata e querer o bem do País e tratar o Bolsa Família como Bolsa Esmola. É conto da carochinha se afirmar como democrata e tratar os opositores da Ditadura como terroristas e os torturadores como meros funcionários públicos a serviço da democracia; é conto da carochinha se dizer  preocupado com o abismo social existente no Brasil e ser contra todas, veja bem, todas, as ações de inclusão; é conto da carochinha as pessoas se colocarem contra a corrupção e sonegaram impostos e tentarem subornar autoridades; é igualmente um conto da carochinha andar em excesso de velocidade e sair marchando pela paz, se dizer democrata e angariar votos e apoio financeiro da TFP e por aí vai.

Isto vale dizer que respeito argumentos e não os reduzo a meras falácias. O fato é que certas posições, e não os argumentos em si, deste ou daquele, não passam de contos da carochinha, pelas contradições que eles próprios contêm.

4. Desculpe-me a contundência.

 

Caco

Eu, particularmente, virei um "teaser".

Simplesmente jogo um contraditório qualquer, pois serei tratado como troll, idiota, leviano... etc...

 

Por sinal,  especialmente este blog prova que se pode dizer qualquer coisa  contra ele, menos que seja intolerante.

Basta ver o primeiro comentário de outro post de hoje: http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-maior-massacre-da-historia-por-sader, em que se lê: "o burro se sustenta em quatro patas"

Pode-se não concordar com Sader, mas, será necessário usar esse tipo de expediente?

Se fosse teoria contrária, por exemplo, no blog do "rei", será que passava? Duvido.

 

"Não há nada mais vil do que ser altivo com os humildes" (Cícero, 43 A. C.)

Ainda sobre o preconceito contra paulistas, sentimento que germina como mato aqui no blog, quero dizer que se a mágoa dos paulistofóbicos é o fato de este Estado não ter eleito o candidato do PT ao governo estadual, essa demonstração de preconceito não vai ajudar nada.

 

Daqui a pouco a palavra “petista”, para os paulistas, será sinônimo de paulistofobia.

 

Não dá pra dizer que um  Estado em que o Serra,  que é natural daqui, recebeu 12.308.483 de votos e a Dilma que é radicada no RS recebeu 10.462,447,  é tucano!!!

 

Vocês sabem ler? Então leiam os números!!

http://eleicoes.uol.com.br/2010/raio-x/2/presidente/votacao-por-estado/

 

Como é que um Estado que deu mais de 10 milhões de votos à Dilma é tucano?

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Meu caro, todo mundo é contra a corrupção, mas estas marchas por aí não são apartidárias, uma vez que só enchergam casos seletivos. O que está bombando no momento são as bandalheiras da ALESP e não ví nenhum cartaz na marcha destes grupos. Por outro lado acusam o PT de comprar a UNE e outras bobagens. E uma pergunta paira no ar - Movimentos apoiados, incentivados e às vezes até coordenados por Veja, Globo, Estadão e Foilha tê,m alguma coisa de apartidário? Não seja inocente, meu jóvem.

 

O autor do texto esqueceu-se da história do Brasil que explica a situação atual.Quem,como nós,povo,viveu na senzala durante 500 anos,construindo ae riquezas que eram dividas entre poucos,restandonos as migalhas,chegaram ao ponto de negar-nos a cidadania mínima com a ditadura,mataram,torturaram,expoliaram,até nossa dignidade.Quando trabalhadores foram,vão as ruas,são tratados como arruaceiros,na base do cassetete .Nunca permitiram vozes discordantes,e agora quando são criticados em uma mídia sobre a qual não exercem nenhum controle ,vossa senhoria vem reclamar de patrulhamentos,cita nomes de autores de blogs,que foram pioneiros em abrir os debates.Tente colocar um comentário critico a fhc,Serra,Aecio em blogs do Reinaldo Azevedo,Noblat,Josias e veja se são publicados.Texto enviesado,torto,de visão focada,como nas passeatas que defende das criticas ,dirigido ao governo federal(que ja recbeu criticas minhas aqui e nos blogs citados pelo autor),não havendo na iniciativa de tal movimento uma ampla critica a corrupção que graça em todos os niveisde governos,de legislativos e judiciário.e ai ele se tornou igual aos protestos(o texto ) insignificante,e provocativo ao rotular pessoas mostrando claramente uma tendencia politica-ideologica .

 

 

As recentes manifestações de rua “contra a corrupção”, que vêm ocorrendo, principalmente, nas grandes cidades, têm recebido ampla divulgação da grande mídia e apoios de personalidades diversas. Os atos públicos, muito bem estruturados, com palanques e equipamento de som, vassouras (colocadas como símbolo da campanha, como fazia o ex-presidente e prefeito de São Paulo, Jânio Quadros) distribuídas generosamente não deixam dúvida quanto ao caráter não-espontâneo da movimentação. . Os “líderes” se mostram bem afinados em suas intervenções, fazendo, sem exceção, o discurso anti-corrupção com viés claramente moralista, fazendo lembrar o perfil da antiga UDN. Para eles, as causas da corrupção que assola o país são as pessoas sem “moral” ou princípios éticos, e os alvos são claros: os “políticos” em geral e alguns membros do governo. Nas manifestações não é permitida a presença de partidos – principalmente, é claro, das agremiações de esquerda. . Em nenhum momento, nos atos do movimento e nas declarações de suas lideranças, se fala nos grandes empresários, os corruptores beneficiados por licitações e favorecimentos fraudulentos – e agora, por conta da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016, por obras contratadas sem licitação. São estes que, através do financiamento privado das campanhas, compram os mandatos de políticos, alguns até de origem popular, para os exercerem a serviço dos interesses dos capitalistas. . Se uma ação de um dirigente público ou parlamentar desperta suspeitas, o Ministério Público é imediatamente acionado (o que é correto) e o fato ganha, imediatamente, grande destaque na imprensa. Se um deputado “comprado” para votar pela aprovação de um projeto de lei que beneficia privilegiadamente uma empresa privada é denunciado, passa-se, nos meios de comunicação, a visão de que apenas ele é corrupto, como se a empresa que o “comprou” não existisse - o crime do corruptor é ignóbil tanto quanto o do corrompido. . Não se fala das ligações perenes entre o Estado e os interesses das empresas privadas, existentes nesse governo e nos anteriores, pois o Estado, no sistema capitalista, tem como função básica atender as necessidades dos empresários e patrões, lesando diretamente a grande maioria da população, a classe trabalhadora. Mesmo na hipótese de eliminação de todas as formas de corrupção formal, portanto, o Estado seguiria privilegiando os interesses da burguesia. Mas esta hipótese não existe, porque o capitalismo é intrinsicamente corrupto. O “combate à corrupção”, na forma manipulada com que é alardeado e conduzido por este movimento, atende claramente a demandas da direita, dos setores mais retrógrados da sociedade brasileira, que, nos idos de 1964, marcharam em favor do golpe empresarial-militar e que, hoje, se articulam para restringir, o mais que puderem, o pouco espaço democrático de que dispomos, no Brasil, conquistado à custa de muita luta nas décadas passadas. O objetivo principal é afastar os trabalhadores e os setores populares dos partidos políticos e da própria política, para que o exercício desta seja privativo dos homens e mulheres de “bens”. A mídia burguesa buscará sempre a defesa da suposta “neutralidade” do Estado, ao mesmo tempo em que justifica, muitas vezes de forma descarada, a opção preferencial dos governos pela defesa dos interesses dos empresários e atribui a corrupção a “desvios de conduta” de indivíduos ou de grupos “incrustados” no aparelho estatal. . É claro que a corrupção tem que ser combatida: O PCB condena qualquer tipo de corrupção no executivo, legislativo, judiciário e no setor privado. Se não temos ilusão de que seja possível eliminar a corrupção sob o sistema capitalista, entendemos que, para mitigá-la, devemos lutar para que haja pressão organizada dos trabalhadores sobre o Estado, visando conquistar a mais ampla liberdade de organização partidária, de informação e expressão, o fim da impunidade para os crimes cometidos pelos donos do capital e do poder, a democratização do acesso à Justiça e o controle social sobre a mídia. . Partido Comunista Brasileiro . Comissão Política Nacional

 

“Instrui-vos, porque precisamos de vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos de vosso entusiasmo. Organizai-vos, porque carecemos de toda vossa força.” Revista Lórdine Nuovo

esta mais para MARCHA DOS CORRUPTOS que nao elegeram

 

Lendo e vendo por ai manifestações de muitos adeptos dos protestos tive a impressão que querem  ganhar no grito o que perderam nas urnas.

 

Sou um pirata sonhador! Quando fizerem uma passeata contra a corrupção, nomeando os corruptores, terão meu apoio. Cadê os corruptores? Cadê?

 

Sobre a intolerância na blogosfera eu gostaria de dizer que estou muito decepcionado com o alto índice de pessoas neste blog, hostilizando paulistas, expressando preconceito  explícito, dizendo que paulista não é brasileiro, dizendo que São Paulo rouba os demais Estados, etc.

 

No post “o papel do Nordeste no desenvolvimento do País” - http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-papel-do-nordeste-no-desenvolvimento-do-pais  -, ao invés de ver nordestinos comemorando o crescimento de seus respectivos Estados vejo pessoas ignorantes vomitando preconceito contra São Paulo.

 

No post diz que o Nordeste repassa impostos aos Estados do Sul e Sudeste, no entanto, só vejo gente estúpida acusando somente SP...

Coloquei uma tabela mostrando o QUANTO SP paga de impostos e ninguém respondeu nada...

 

Noutros posts, a mesma coisa: Uma miríade de ignorantes atribuindo a existência de bêbados ao volante somente a SP, atribuindo preconceito contra gays somente a São Paulo e preconceito contra nordestino somente a SP.

 

Qualquer coisa que acontece de ruim em SP aparece alguém aqui comemorando...

 

Não sei não, mas acho que esse blog vai perder muitos leitores paulistas...

 

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Olha, não tive a oportunidade de ver isso aqui ainda. 

Frequento o blog do Nassif diariamente pelo seu alto nível.

Conheci o Nassif através do blog do PHA há bastante tempo atrás.

Os posts do PHA falando de SP e os comentários que vinham em seguida começaram a me incomodar porque passou a ser algo insano a meu ver.

Um dia, depois de ler tantas palavras de ódio proferidas ao povo de SP, fiz um comentário educado, mas me manifestando e dizendo ao PHA que acha que ele incitava o ódio aos paulistas e pedia que fosse de outra forma, que separasse as coisas. Fiz até um paralelo dos políticos de SP e RJ, mostrando que lá também tem muitos problemas. 

Meu comentário não foi publicado.

Eu não frequento mais o PHA.

Espero que isso não aconteça aqui. As críticas que ouço aqui são pertinentes. Uma ou outra passa dos limites, mas dá pra ignorar, afinal a gente aguenta coisas piores de certos trolls aqui. O problema é quando quase 100% dos comentários são de ofensas a um povo. Se isso ocorrer aqui, também paro de vir. Simples assim. 

 

Eu conto nos dedos o números de comentários meus que foram aprovados no PHA, mas continuo lendo o mesmo pra ter um contraponto em algumas questões e por gostar do modo como ele faz jornalismo, quanto à questão desse levante de alguns contra os paulistas isso tá mais pra complexo de vira latas.

 

O mais correto seria fazer um protesto pela melhoria do atendimento médico no Brasil, inclusive nos hospitais particulares e regulamentar esses convenios médicos fajutos.

Eu não tenho parametros nem conheço casos de sucesso onde passeatas e atos contra corrupção deram resultados. Eu ouvi falar do Mãos Limpas na Itália, parece que teve algum resultado.

Recentemente o Cansei foi um fracasso porque era um movimento de pessoas ricas.

Também tem o protesto dos rentistas prejudicados com a baixa da Selic. E por aí vai.

 

Eu também acho problemático quando nos comentários começa a haver uma espécie de auto-regulaçao que parte dos próprios que comentam , que tudo que o governo faz tenha que ser aplaudido, e qualquer crítica ou reserva a algum fato ou decisão que tenha partido do governo tenha que ser enxovalhada. O espaço, que é para discussão, acaba virando o de uma opinião só e se empobrece. 

Nem sempre o governo acerta na mosca, e não vejo qual é o problema em ele ser criticado quando isso acontece. Volta e meia a gente lê comentários do tipo " chispa, cai fora, sai daqui, vai procurar sua turma" - nao vejo em que isso acrescenta qualquer coisa às discussões. 

 

Concordo com o texto.

Ultimamente tenho visto a diminuição dos debates de alto nível neste blog, como os que eu tive com o Andre araújo sobre o pré-sal e a Petrobras por exemplo, e que o Nassif até transformou em post....

Nas palavras do JMP:

"O primeiro link relaciona-se com os comentários aqui na primeira página deste post "O desempenho das ações da Petrobras" que se travaram entre Andre Araujo e Paulo Cezar, a partir do comentário de quinta-feira, 07/10/2010 às 10:29 de Andre Araujo e que Paulo Cezar respondeu quinta-feira, 07/10/2010 às 14:47 e Andre Araujo fez réplica quinta-feira, 07/10/2010 às 23:36 e Paulo Cezar fez tréplica sexta-feira, 08/10/2010 às 13:53. A troca de comentários originou o post "O debate sobre a capitalização da Petrobras" de sexta-feira, 08/10/2010 às 17:10 aqui no blog de Luis Nassif e consistindo exatamente do debate que Andre Araujo e Paulo Cezar travaram. O endereço do post "O debate sobre a capitalização da Petrobras" é:

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-debate-sobre-a-capitalizacao-da-petrobras"

Ao meu ver isso esta acontecendo justamente por essa intolerância que esta acometendo a esquerda que passou a frequentar o blog nas eleições... num comportamento muito próximo da direita do blog do Reinaldo Azavedo ou afins, só que com idéias opostas...

Tenho certeza de que toda unanimidade é burra e toda generalização também. Assim sendo essas pessoas fariam bem em abrir um pouco seu pensamento e fazer as críticas necessárias ao governo mesmo sem deixar de apoiá-lo... assim como admitir que, de vez em quando, a oposição acerta, e que a oposição tem sim nomes bons, não apenas incompetentes ou corruptos...

E que o governo tem sim em seus quadros pessoas ruins.... não apenas pessoas boas...

 

Hoje em dia um debate como esse que citei fica quase que inviável.

Em qualquer comentário do AA ele ja é logo taxado de Troll............

 

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-debate-sobre-a-capitalizacao-...

 

OBRIGADO,NASSIF,POR TÊ-LO PUBLICADO.

ABRAÇOS.

 

gadosb

Vejam bem:

Leio o blog do Nassif.

Do Reinaldo.

Do Augusto.

A VEJA.

O do PHA.

O do Rodrigo.

O do Noblat.

São ótimos.

Sou de Direita.

Fã do FHC.

Detesto o Serra/Cerra.

Gosto da Dilma.

Não do Lula.

Leio de tudo.

(Ou quase.)

Vejo a GLOBO.

A Record.

NÃO PENSE IGUAL A MIM,RESPEITE-ME.

*

Nassif,cito coisas que lhe são desagradáveis,mas é para mostrar que a convivência pacífica entre divergentes é possível.

*

Peço que QUALQUER crítica a mim seja dirigida apenas ao meu blog (exceto as do Nassif-ele pode colocá-las no blog dele-salvo se ele quiser criticar-me lá),se este comentário for publicado,como espero.

*

http://buracosupernegro.blogspot.com/

*

ABRAÇOS,

GADOSB/GABRIEL BIRKHANN

 

gadosb

É claro que sai publicado, você é cadastrado, aparece automaticamente.

Mas isso de tentar canalizar críticas para este ou aquele local não parece muito realista. E não tem a ver com tolerância.

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

no momento que postei esse comentario haviam outros 09 que confirmavam o artigo!

um até confessou que é manipulado pela imprensa, pois disse que na TV disseram que o mensalão e o maior escandalo de corrupção e por isso ele e colocado na defensiva, ou seja a TV provoca o pessoal da esquerda cabeça-de-vento a defender corruptos e eles mordem a armadilha.

 

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

...e eles mordem a armadilha???!?!?!?!

Ganhou o prêmio "Sorvete na Testa" com a melhor frase do post.

 

No habsburgo dos outros é refresco.

Gostei do texto, levanta uma questão importante, embora não veja intolerância nas críticas às passeatas. Da mesma forma que as pessoas tem o direito de se manifestar, outros tem o direito de criticar as manifestaçoes e revelar os seus bastidores, quando conhecidos. Acho que tudo isto faz parte do jogo democrático.

Não nos esqueçamos que muitos movimentos legítimos como, por exemplo, greves de professores, de policiais, também são criticados por parte da imprensa e de posições políticas mais conservadoras, que utilizam os mesmos argumentos, isto é, que sao manipulados por partidos políticos e afins.

 

Não se suporta ouvir comentários favoráveis ao governo FHC, porque simplesmente o interesse maior deste rupo, para nao dizer único, seria o do próprio favorecimento. Não era um objetivo comum a todos, mas restrito a um seleto grupo: PSDB-DEM-PPS. Por mais que este governo tenha falhas, muitos até se permite porque visam um bem maior: o bem estar social, de todos, nao de um seleto grupo. FHC tinha delirios pelas pompas recebidas na Europa. Lula recebe isso como se não fosse nada,  e que recebeu apenas por estar no lugar certo na hora certa. Isso é modestia.

Quando se fala bem do FHC, é como se dissesse que o diabo não é tão feio quanto se parece, e que o mal não é mal, porque é necessário, embora neste momento não o reconheca como diabo, mas alguem que se preocupava com pessoas(ricas é verdade!). Então dizer que FHC teve alguma coisa boa, então seria como reconhecer que o diabo é necessário...

 

 Até o FHC o Brasil era o maior caloteiro do FMI, hoje não deve nada, e ainda tem créditos. Quando FHC saiu, o caixa tinha l7 bilhões de dólares e hoje tem 360. Era também, a décima terceira econômia mundial, e agora é a sétima, bem próxima da sexta e da quinta. De posse desses dados, se você conclui que a corrupção aumentou no Brasil, parabéns, por tanta sabedoria. Mas desta vez, agente vai ficar então, com os corruptos mesmos. Aqueles outros, que o PIG diz que são os "honestos", não queremos mais não. O honesto prá dar prejuízo.

 

Há algo de patético nessas marchas contra a corrupção que faz com que os habituais de blogs de esquerda e afins, como o do Nassif, as rejeitem à priori.

Elas, parecendo agora se valer das marchas de ocupação de Wall Street, não seriam mais do que um ridículo e invertido arremedo delas, que são compostas por populares genuinamente lutando por melhoras no sistema de poder americano e têm toda a grande mídia contra.

As nossas marchas contra a corrupção são incentivadas pela grande (e corrupta mídia local. Que paradoxal!); e os manifestantes, por sujeitarem-se a se envolver num movimento com tal descarado apoio midiático, parecem ser ou ingênuos ou mal intencionados.

Mas há que se reconhecer que o articulista tem razão em criticar a nossa falta de espírito crítico, pois o objetivo das passeatas, pelo menos o aparente, é protestar contra a corrupção. Justo e urgente.

Mesmo que isso soe como uma declaração implícita de que quem está no poder é tão corrupto que as massas têm que vir a público se manifestar, a manifestação pode ser útil.

Talvez fosse o caso de a militância de esquerda ser tão esperta quanto a grande mídia, que combate qualquer manifestação popular que possa ferir seus interesses até o ponto em que essas manifestações não possam mais ser evitadas, como foram as Diretas Já e, quanto à Globo, o impeachment do Collor. Daí as incorporam como suas.

Quem sabe não seriam interessantes as bandeiras vermelhas do PT circulando em peso nessas passeatas, junto com as do PSTU, PSOL e outras do gênero.

 

Para desvituar essa passeata de qualquer conotação política, algo que o PIG tanto adora.  Se faz necessário dar a essa passeata um sentido mais povão e colocar temas relevantes que para o povo é a maior prioridade.  Nunca a corrupção será prioridade quando pensamos que 25% da população carioca ainda sofre com problemas de saneamento básico.  O Brasil inteiro sofre desse problema e outros: Educação, saúde, Segurança Pública e etc.

Se desejarmos passeatas que tratem do problemas dos brasileiros, tem que tem as necessidades básicas na frente de qualquer outro tema.  Sem isso, será uma passeata dentro da Veja e Folha de São Paulo de porta bandeira.  Fala sério!!!!!!!!!!!

Leiam o texto abaixo:

A cidade do Rio de Janeiro está bem melhor que a cidade de São Paulo. O Rio tem 75% de saneamento, enquanto São Paulo, 57% de saneamento. Mas as regiões metropolitanas tanto do Rio, quanto de São Paulo são bem ruins. São João de Meriti e Duque de Caxias têm zero de saneamento, Nova Iguaçu tem apenas 1%.

Em São Paulo, Mauá tem 1%, Itaquaquecetuba tem 4% e Diadema, 10%. O Rio Tietê continua a ser um dos rios mais poluídos do mundo. Os municípios vizinhos a São Paulo sempre despejaram o esgoto in natura, direto no Rio Tietê ou nos seus afluentes.

Se há um serviço que não discrimina pobres e ricos é o tratamento do esgoto. Seja na favela ou onde ficam alguns dos condomínios mais caros de São Paulo, o que falta é a mesma coisa: o tratamento do esgoto

 

Até concordo contigo quanto ao combate à corrupção não ser a questão/causa central a ser resolvida por nosso país, mas com certeza é uma delas e creio que a reação de alguns "progressistas" ruma pra uma direção perigosa onde me parece que a esquerda está entregando de bandeja essa causa para ser manipulada (históricamente no Brasil a atuação da Direita nessa causa é hipócrita, vide UDN) únicamente pela direita, essa reação histérica contra os protestos só passa pro povão a idéia de que a esquerda é contra o combate à corrupção, como aliás o R Azevedo vem histéricamente(pra variar, diga-se, procuro sempre pontos e contra-pontos na Web mas ler o blog dele me é difícil justamente por seu radicalismo que torna quase impossível tirar de lá uma idéia que preste) proclamando em seu blog por exemplo.

 

Lamento, mas, mesmo sendo um esquerdista (que qualifico como MODERADO RACIONAL) e que votou em DILMA, sou seguido e admoestado no Blog, porque critico algumas atitudes demagógicas de LULA, como qualquer político comum (nisso ele não foi diferente - suas catarses de indignação, são nitidamente teatralizadas como as Maluf ou do falecido Brizola; quem gosta que compre - eu não). Isto, entretanto, não impede que eu elogie suas iniciativas como o incremento do BOLSA FAMILIA e a Aposentadoria Rural, que votou na Constituinte, junto a FHC, sem saber de onde sairia o dinheiro. Lamentavelmente, ele e FHC tiraram dos aposentados, que pagaram a vida inteira, e ficaram carimbados como vil~oes, pelas raz~oes erradas. Veio o De`ficit da Previdencia e eles levaram a culpa? "Tomaram" o Fator Previdencia`rio como castigo e viram seu dinheiro mudar de m~ao.

Enfim, foram os u`nicos no Brasil, ate` hoje, a particiopar da REDISTRIBUICAO DA RENDA.


 

Não gosto de rotular as pessoas mas vc pra mim é um dos Trolls mais insanos além de mais hilário e hiperativo que já conheci, o que me faz achar que vc nem trolla por mal, mas que esse é o seu modo natural de se colokar no mundo, parabéns brother, e olha q estou falando isso e nem me considero um esquerdista.