newsletter

Pular para o conteúdo principal

A Negação do Brasil: O Negro nas Telenovelas Brasileiras

Por Mariana Silveira

Nassif,

Ontem  você postou a reportagem da TV Brasil sobre a situação do negro no Brasil. Abaixo, um documentário interessante que fiquei sabendo da existência dele ontem, no programa da TVE, por meio de citação da Professora da Uerj - Magaly.

É muito interessante, chama a atenção, inclusive, os depoimentos de todos, mas sobretudo, Nelson Xavier, Ruth de Souza, Milton Gonçalves, Maria Ceiça, Zezé Motta.

A Negação do Brasil nas Telenovelas

Sem votos

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Bruna Bora
Bruna Bora

Ótimo

Baixar o Documentário - A Negação do Brasil - Uma viagem na história das telenovelas no Brasil e uma análise do papel nelas atribuído aos atores negros - http://mcaf.ee/m82ze

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+24 comentários

Tem mais "negacao" na historia de telenovela brasileira, que os brasileiros normais nunca notariam:  todos os estrangeiros que eu lembro de ter visto em novelas brasileiras eram ladroes, ridiculos, pateticos, exploradores, ladroes, ou uma combinacao dessas caracteristicas negativas e varias outras.  So em Eramos Seis (94), eu lembro sem esforco desses:  a patricinha brasileira que tinha morado no exterior e estava passando um tempo na cidade, o "senhor Hilton" ladrao (cameo de menos de 6 semanas), a atriz deslumbrante da cena idem do carro idem cujo pai era tambem ladrao se nao me engano (ela desapareceu da serie depois de menos de duas semanas e nunca mais ouvi falar), a chocante cena (e frase) final do palhaco (era cameo de uma semana de algum ator que todo mundo no Brasil conhece menos eu), e no comeco da novela o turco ladrao que desgracou o pai da familia (tambem cameo de umas 3 semanas).

Ja existe novela brasileira aonde os estrangeiros nao sao parte do mobiliario e decoracao?

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Eh um documentario fabuloso mesmo!

Particularmente a respeito da cena em 1:17:  talvez tenha sido um problema de repeticao da situacao vezes demais na novela, porque, por exemplo, a letra de "Fast Car" descreve uma situacao bem pior e foi escrito por Tracy Chapman.  Ja a proxima novela (A Proxima Vitima) eh aliciamento de negros aa causa dos "conservadores" e pra mim nao significa nada "socialmente" exceto isso.

Por incrivel que pareca ainda estou assistindo, nao tive tempo antes.

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Os negros nas telenovelas, especialmente as da Globo, não apenas são retratados como empregados domésticos, porteiros e balconistas, mas também como servis, subservientes, puxa-sacos dos patrões, bonzinhos conformados. Em suma, uma "gente que conhece o seu lugar". É uma forma de dizer àquela gente que  sai de madrugada das favelas e das zonas Norte e Oeste do Rio para servir às dondocas da Zona Sul e da Barra como se comportar. E o pior é que esses cariocas humildes vestem o figurino direitinho, e até "se acham" quando têm o cumprimento devolvido na rua pelo "seo Luciano Huck", "dona Xuxa", dona Fátima Bernardes", entre outros da fauna global. É o que se chama "cidadania consentida".

 

Durante a final da dança dos famosos, Rodrigo Lombardi faz um comentário sobre Sammy Davis Jr. Para "ilustrar" que Sammy era genial Lombardi se refere a ele assim: "dois metros de altura, loiro, de olho azul".
Preconceito é assim, quando nossos valores de beleza, graça, maestria e genialidade pertencem intrinsecamente a um estereótipo racial.
Este vídeo não é nenhum ataque ao ator Rodrigo Lombardi ou de qualquer maneira quer especular um comportamento racista ou preconceituoso. Se objetivo é uma reflexão sobre o quão cotidiano é o nosso preconceito. Diriamente muitos manifestam com os mesmos argumentos como se não trouxessem mal algum, mas são esses atos falhos que alimentam nossos preconceitos.

 

"Não existe testemunha tão terrível, nem acusador tão implacável quanto a consciência que mora no coração de cada homem." Políbio

E autor negro nas grandes emissoras? Quantos são?

 

O Brasil - e não só e relativamente ao negro - é sempre sonegado por nossos meios de comunicação. É uma negação só. É uma peste no sentido literal. Acabei de ligar para o meu plano de saúde para resolver uma pendência e eis que tive de ficar dependurado no telefone longos sete minutos ouvindo musiquinha. Americana. Nem a musiquinha do call center (que ninguém chama de central de informações) é, sequer orquestrada. Colonialismo brabo. O Brasil da elite vive negando o Brasil de fato. E o Brasil de fato, quando ascende, vira panaca e imita a elite colonial. Como pode ir à frente quem sequer tem identidade?

 

Concordo Bispo! Meu filho mais novo ía participar de uma peça na escola. Qual a peça? Cantando na chuva! Singing in the Rain! Ridículo! 

Ps.: É o colégio Marista João Paulo II de Brasília!

 

(Ainda estou assistindo mas fiquei surpreso com o casamento do bombeiro porque eu me lembro perfeitamente desse dia!)

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Pois esse trecho do documentário mostra uma personagem de uma novela dos anos 1960 que eu acho o cúmulo do racismo: a empregada feliz por que "é tratada como gente" pelos patrões, recompensada no final casando com um bombeiro branco que diz que ela "tem pele negra mas a alma branca e pura":

http://www.youtube.com/watch?v=9kdgF6NEoO0

 

Sim, Teresa, mas era o que se dizia o tempo todo no Brasil inteiro, inclusive no Flavio Cavalcanti.  De qualquer maneira nao me afetaria em nada, eu nao tinha 8 anos ainda.

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Alguém lembra o equivoca de uma propaganda que colocou um ator branco para representar Machado de Assis?

Aprentemente esse racismo à brasileira  diminuiu, mas é porque o brasileiro conseguiu avançar na sua íncrível capacidade de fazer de conta tipo:  - Que moreninho lindo. - Que negro com traços "finos". - Mas a brrra ainda é muito pesada. Se essas sumidades apresentadas acima  se queixam da situação difícil de ser negro, imaginem aqueles em números bem maior e que não têm esta projeção na sociedade.

 

Bom, tudo normal.

Em um País que até 120 anos atrás tinha escravidão negra. Que depois da libertação, não deu o menor apoio a eles nem a seus descendentes.  E que mesmo com tudo isso,  muita gente é contra cotas, por motivos diversos. Ou seja, é a mesma coisa voce disputar uma corrida largando bem atrás. É até natural ter sido criado esse preconceito, inclusive por quem faz as novelas.

 

@DanielQuireza

Um dos maiores pensadores do mundo o geógrafo braslieiro Milton Santos: "Eu creio que é muito difícil ser negro e é muito difícil ser intelectual no Brasil. É difícil ser negro porque, fora das situações de evidência, o cotidiano é sempre muito pesado para o negro. E é difícil ser intelectual porque não faz parte da cultura nacional ouvir tranqüilamente uma palavra crítica"

http://www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=14890

 

 

Filha de Chico Buarque sofreu preconceito, vejam a entrevista do nosso grande compositor .

Chico Buarque : "Não existe branco no Brasil"

 

 

" A injustiça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a todos." - Barão de Montesquieu

 

 

Tentando de novo

 

" A injustiça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a todos." - Barão de Montesquieu

 

Chico sabe das coisas! Realmente está difícil existir branco puro no Brasil. A não ser que estejacom anemia! kkkkkkkkk

 

Ué! O Rafinha não P.O.I não?

 

Já melhorou um bocado. Nas décadas de sessenta, setenta e até oitenta, os negros nas novelas tinham lugares cativos como serviçais ou bandidos. A novela Escrava Isaura, por exemplo, tinha por protagonista a Lucélia Santos que, como todos sabem, é da cor de chocolate. A Cabana do pai Tomás foi protagonizada pelo ator já falecido Sérgio Cardoso, "pretinho" "pretinho".

Prestem atenção agora nos figurantes, em especial, os que fazem "papel" de bandidos ou gente pobre. 

Não, não somos um país racista. Simplesmente avaliamos os "de cor" inferiores. Só isso. 

 

Quanto à Cabana do Pai Tomás eu concordo com a crítica, mas a Isaura, personagem do romance de Bernardo Guimarães, era branca. O autor a descreve no livro como tendo uma pele branca como marfim, inclusive a compara ao marfim das teclas do piano.

 

- A população em geral não sabe o que está acontecendo, e nem mesmo sabe que não sabe (Noam Chomsky)

Nao assisti "Cabana" e nao sei dizer nem se prestava, mas eh provavel que os brasileiros nao saibam que "Cabana de Pai Tomas" eh um dos livros mais controversiais dos Estados Unidos.  Essa disparidade cultural no background faz de gente como eu orfaos.  Pai Tomas pra mim eh so um espirito de luz e vai continuar sendo ja que eu nunca li o livro nem vi a novela.  Nao significa nada pra mim por razao cultural que nao eh adaptavel devido a homonimia -- em caso de duvida, pra mim o significado brasileiro religioso ganha disparado.

"Pai Tomas" doS espiritualismoS brasileiroS eh um clichee do comeco ao fim:  se chama "roupagem" da entidade.  Isso eu reconheco.  Nao importa, eh entidade de luz.  Pai Joao eh muito mais serio e pesado.

(Gostaria muitissimo de ver a cara de um americano tentando traduzir o que eu acabei de escrever!  Seria comedia pura!)

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Você tem razão, Alan. No afã de exemplificar, errei. Valeu o "puxão de orelha".

 

Puxão de orelha nada, foi só contribuição ao debate. No máximo um "data venia"...

 

- A população em geral não sabe o que está acontecendo, e nem mesmo sabe que não sabe (Noam Chomsky)

De qualquer forma impossível não notar que o sucesso da novela se deu unicamente porque a escrava era branca.

Eita romancezinho fuleiro. Hoje, esse tipo de estória mal contada nem meus netinhos endossam.

 

A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória.

Mas eu só consigo me lembrar da Ruth de Souza e da Léa Garcia fazendo a má escrava Rosa. Marcantes.