newsletter

A petição inicial contra Rafinha Bastos

Por Lobo da Estepe

Nassif, acabo de receber uma cópia da petição inicial da ação de indenização por danos morais movida pelo casal Marcus Buaiz e Wanessa Camargo, contra o pretenso humorista Rafinha Bastos, que deu entrada no forum de SP dia 13.10.2011. O caso está a cargo de uma renomada banca de advocacia, portanto, é bom o pretenso humorista ir preparando o bolso:

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

MARCUS BUAIZ, empresário, e sua mulher WANESSA GODOI CAMARGO BUAIZ, artista, ambos brasileiros, xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, com os demais elementos de qualificação lançados no instrumento do mandato outorgado aos signatários, por si próprios e como representantes legais do nascituro que geraram (Doc. 1), este também autor da presente demanda, todos eles patrocinados pelos advogados subscritores e amparados nas pertinentes previsões da Constituição da República (arts. 1º, inc. III, 5º, incs. V e X, 220, caput e § 1º, e 221, caput e inc. IV)e do Código Civil Brasileiro (arts. 2º, 12, 186, 187, 927, caput, 953, caput e § único), comparecem a esse MM. Juízo para, via procedimento ordinário, propor "Ação de Indenização por Danos Morais" contra RAFAEL BASTOS HOCSMAN, também conhecido pela alcunha de "Rafinha", brasileiro, solteiro, jornalista, portador do RG nº xx.xxx.xxx-x e inscrito no CPF/MF sob o nº xxx.xxx.xxx-xx, domiciliado e residente nesta Comarca da Capital, nela com endereços profissionais na Rua xxxxxx x xxx ("xxxxxxxxx xxxxxx xxxx"), xxxxxxxx xxxx, e na Rua xxxxxx xxxxxxxxxx  xxx, xxxx, e residenciais na Rua xxxxxx x.xxx, apartamento xxxx, xxxxx, e Rua Rua xxxxxx x xxx, apartamento xx, Bloco x, xxxxx, fazendo-o pelos motivos e para os fins aduzidos nas inclusas razões.

Em não sendo exarado o julgamento antecipado da lide, os Autores requerem a produção dos meios probatórios, especialmente o depoimento pessoal do Réu, a inquirição das testemunhas arroladas, da terra e de fora, provas documental e pericial, além da requisição de informações a autoridades públicas.

Requerendo-se a citação do Réu por oficial de justiça, objetivando a que, desejando, responda à lide e a acompanhe até final julgamento, dá-se à causa, para efeitos legais e estimativamente, o valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais).

Da distribuição, registro e autuação, pedem deferimento.

São Paulo, 13 de outubro de 2011.

MANUEL ALCEU AFFONSO FERREIRA

OAB-SP 20.688

FERNANDA NOGUEIRA CAMARGO PARODI

OAB-SP 157.367

MERITÍSSIMO JUIZ!

"As pessoas que tendem para o excesso na ânsia de gracejar são considerados bufões vulgares, esforçando-se por provocar o riso a qualquer preço; seu interesse maior é provocar uma gargalhada, e não dizer o que é conveniente e evi tar o desgosto naquelas pessoas que são objeto de seus gracejos." (ARISTÓTELES1).

I

OS AUTORES

1.- Os primeiros autores, o casal formado pelos cônjuges MARCUS e WANESSA (Doc. 2), esta última aos 06 do corrente mês "primigesta na 27ª. semana... com data provável do parto para 31.12.2011...", aguardam a chegada do seu primeiro filho, certo que os exames ecográficos revelaram crescimento intrauterino normal (Doc. 3).

2.- Conforme sabido, sem embargo da personalidade civil iniciar-se do nascimento com vida, a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro (Cód. Civil, art. 2º).

É da doutrina que na vida intrauterina, mesmo in vitro, o nascituro possui ".. .personalidade jurídica formal, relativamente aos di rei tos da personalidade, consagrados consti tucionalmente..."2. Noutras palavras, visto que "Certos direi tos da personalidade são adquiridos pelo nasci turo desde a concepção..."3 — — entre eles, pois, aqueles que na Lei da República consagram a inviolabilidade da honra — — , os nascituros, quando afrontados na sua dignidade, credenciamse à reparação dos correlatos danos morais (art. 5º, inc. X).

Repetindo, "...qualquer injúria sofrida pelo nasci turo poderá ser arguida por seus pais, que, ordinariamente, são quem representam os seus interesses."4. A reparação aos nascituros pelos danos imateriais, além de referendada pelos civilistas5, é jurisprudencialmente aceita6.

3.- Assim, processualmente consorciado aos pais, os autores MARCUS e WANESSA, também o nascituro por eles gerado adere ao polo ativo desta impetração ressarcitória, credor que é dos danos morais, adiante descritos, infligidos pelo aqui réu.

II

O RÉU

4.- O demandado RAFAEL, mais conhecido como "Rafinha", compõe (ou à época compunha) o quadro de apresentadores do programa "CQC" ("Custe o que Custar"), da Rede Bandeirantes de Televisão, que protagoniza (ou protagonizava) ao lado dos jornalistas MARCELO TAS e MARCO LUQUE.

5.- Notório é que, pretextando comicidade, dito "Rafinha" vem se celebrando pelas grosserias que difunde naquela atração televisiva e alhures. Por sinal, algumas delas recentemente anotadas pela revista "Veja – São Paulo" na extensa matéria que, tendo conquistado a capa do semanário, foi a ele recentemente dedicada (Doc. 47).

Entre outros exemplos dessas brutalidades, nas suas aparições o Réu já proferiu frases que, negativamente, ganharam imenso destaque:

(a) "Toda mulher que vejo na rua reclamando que foi estuprada é feia pra caralho. Tá reclamando do quê?";

(b) "É octógono cadela! Põe esse nariz no lugar!" (aludindo a Daniela Albuquerque, apresentadora da "Rede TV");

(c) "Aí , órfãos! Dia triste hoje,hein?" (mencionando o "Dia das Mães") 8;

(d) "Já comi muito a mãe dele!" (referindo o repórter Felipe Andreoli).

Recentemente, em mensagem eletrônica enviada a uma repórter da “Folha de S. Paulo”, o Réu privilegiou a tosca obscenidade: “Chupa o meu grosso e vascularizado cacete...” (Doc.5). Ou, reportando-se a uma operadora de telefonia móvel segundo ele utilizada por “prostitutas e traficantes”, “Rafinha” adicionou: “É celular usado por traficante, e o pior é que eles sabem disso. Não é à toa que têm Fábio Assunção como garoto-propaganda." (idem, Doc.5).

6.- Mundialmente, o Réu é a pessoa mais influente do "Twitter"9, título este que, por óbvio, deveria aumentar-lhe a responsabilidade naquilo que assoalha. Não obstante, infenso ao comedimento, à prudência e à elementar polidez, e desdenhando a dignidade e a reputação daqueles aos quais alude, o Réu orgulha-se de que "Nunca fui o sacaneado, sempre fui o sacana." (Doc. 610).

Ora, ao por si extenso rol das vítimas de suas bufonarias e de seus escárnios, faz pouco "Rafinha" resolveu convocar os Autores.

III

A OFENSA PERPETRADA

7.- Com efeito. No último dia 19 de setembro, no programa "CQC", a propósito do que acabara de atestar o "âncora" MARCELO TAS sobre a beleza gravídica da Autora WANESSA ("Gente, que bonitinha que tá a Wanessa Camargo grávida!"), o Réu de imediato acrescentou, gesticulando para dar ênfase: "Eu comeria ela e o bebê, não tô nem aí! Tô nem aí!"

Exibindo-se a cópia em "CD" do programa e a respectiva transcrição tabeliã (Docs. 7 e 8), e nisso visando a que V. Exa. tenha bem presente o sórdido pronunciamento de "Rafinha", repita-se a incivil observação do Réu sobre a gravidez e a subjacente formosura da Autora: "Eu comeria ela e o bebê. Não tô nem aí , tô nem aí!".

8.- Por óbvio, a glosa televisiva do Réu não expressou, apenas, mau gosto da pior espécie, incompatível com o que se possa razoavelmente rotular de verdadeiro e saudável humorismo. Tampouco se restringiu, o Réu, ao terreno da cafajestice chinfrim, mais adequada às conversas livres de "machões" embriagados que se refestelem em botequins ou casas de tolerância. Nem sequer limitou-se, a afirmativa de “Rafinha”, a desrespeitar o comando, posto na Constituição Federal (art. 221, inc. IV), que manda os programas de televisão respeitarem "os valores éticos e sociais da pessoa e da família".

A par de tudo isso — — ou seja, do péssimo gosto, da biltraria rasteira e do desdém à Constituição — —, malferindo a dignidade dos atingidos o Réu injuriou a todos os autores da presente ação na medida em que, menosprezando o estado civil da autora WANESSA (casada com o autor MARCUS, pai do nascituro, Doc.2), parlapateou a sua vontade de com ela fornicar, chegando ao inimaginável cúmulo de nessa cópula abranger ao "bebê", isto é, ao nascituro demandante, desejos relativamente aos quais, para empiorar, "Não tô nem aí , tô nem aí!".

9.- Aliás, a aleivosia cometida por "Rafinha" dispensa maiores explicações. Ela existe em si mesma, in re ipsa, não encontrando excludente de nenhum tipo e sem que consiga socorrê-la a escusa do animus jocandi. Afinal, conforme doutrinado, "As pilhérias de mau gosto, sujeitando a pessoa ao ridículo e à galhofa, não se coadunam com uma intenção inocente. Não é admissível que, por amor à pilhéria, se tolere que alguém se divirta ou faça divertir à custa da reputação ou decoro alheios. Uma coisa é gracejar, outra é ridicularizar . Neste último caso, o dolo subsiste." 11

IV

A CONDUTA POSTERIOR

10.- Presumir-se-ia que, após a veiculação de ofensa desse porte, melhor refletindo e apurando a repercussão do que dissera e a reprovação pública ao seu comentário (Docs. 10 a 26) — — repreensão essa endossada pelas declarações de seus próprios companheiros de "CQC" e do diretor artístico do programa (Docs. 4 e 9) — —, o Réu viesse a se retratar, lealmente admitindo o abuso no qual incorrera. Ou, no mínimo, buscando suavizar a aleivosia assacada, anunciasse a ausência de intuito ofensivo naquilo que dissera.

11.- Contudo, nenhum desses foi o comportamento de "Rafinha". Pelo contrário, mossa nenhuma lhe causando o que antes dissera, o Réu iria agravar as injúrias lançadas, evidenciando com essa postura que delas não se arrependera. Bem ao revés, se envaidecera.

12.- Por exemplo, quando punido pela direção da Rede Bandeirantes com o seu afastamento do programa, "Rafinha" inseriu no seu "twitter" fotografias com mulheres seminuas massageando-o, dando-lhes o título "Que noite triste para mim..." (Doc.27).

Doutra parte, não contente com o escancarado deboche, o Réu fez circular pela "Internet" vídeo, por ele mesmo encenado, que o colocava em uma churrascaria onde, teimando em rememorar o comentário injur ioso aos Autores, recusava as ofertas de "baby beef" e de "fraldinha", a par de enjeitar qualquer coisa para "bebê” (beber) (Docs. 7 e 8).

13.- Insistente, o Réu não tem abandonado o assunto, nem a menção aos Autores, nos “shows” teatrais que realiza. Por sinal, dessas ocasiões aproveita para reafirmar deselegâncias (“Vocês esperavam o quê? Piada de português? Eu como bebê gente, sou canibal! ”) e menoscabar eventual responsabilização judicial (“Ah, mais um processo...", Doc. 28).

14.- Sintetizando, "Rafinha" não só, explícita ou implicitamente, não quis remediar ou abrandar a expressão detratora previamente endereçada aos Autores, como ademais, após a ilicitude originária, ampliou o seu propósito injur ioso com a prática de novas baixezas e vilanias, persistindo em agredir-lhes a dignidade.

15.- Dessarte, as ofensas à honra cujo ressarcimento é nesta ação impetrado compreendem (1º) a primeira arremetida injuriosa, vertida no programa "CQC" de 19 de setembro próximo passado (Docs. 7 e 8), e (2º) aqueles outros doestos, complementares à primeira agressão, lavrados nas sucessivas manifestações do Réu (Docs. 27 e 28). A todos esses atentados à honra, que participam de um conjunto lesivo uno e harmônico, “Rafinha" deverá ressarcir.

V

CONCLUSÃO E PEDIDO

16.- Resumindo: (1º) mediante achavascada ofensa, o Réu injuriou aos Autores na edição de 19 de setembro do corrente ano do programa "CQC", da Rede Bandeirantes de Televisão (Docs. 7 e 8); (2º) essa lesão à dignidade dos Autores viu-se renovada e majorada nas subsequentes manifestações de "Rafinha" (Docs. 27 e 28); (3º) à reparação aqui pleiteada o Autor-nascituro ostenta legitimação-interesse; (4º) em matéria de agressão à honra alheia, o Réu apresenta deploráveis antecedentes, circunstância esta a ser sopesada na quantificação monetária do ressarcimento devido por S. Sa.; (5º) na fixação do valor indenizatório, V. Exa. saberá levar em conta, além da função punitiva dos danos morais, o inafastável conteúdo pedagógico e desestimulador realçado pelos doutores e pretorianamente sublinhado12, desestímulo este que adquire ainda maior significado à face do impressionante currículo do Réu e da natureza da pretensa "comicidade" que desenvolve.

17.- Diante do exposto, mas notadamente graças aos sempre melhores suprimentos desse MM. Juízo, aguarda-se venha a ser a ação julgada procedente para o fim de condenar o Réu, por todos os danos morais aos quais deu causa e são consequentes às apontadas lesões à honra dos Autores (cf. supra, item 12), ao pagamento da indenização que for judicialmente arbitrada, com atualização monetária e acrescida, a teor do prescrito no artigo 398, do Código Civil, e pacificado no verbete nº 54, da Súmula do Egrégio Superior Tribunal de Justiça, dos juros moratórios computados desde 19 de setembro de 2011, além do ressarcimento pelas despesas processuais, abrangida honorária advocatícia.

São Paulo, 13 de outubro de 2011.

MANUEL ALCEU AFFONSO FERREIRA

OAB-SP 20.688

FERNANDA NOGUEIRA CAMARGO PARODI

OAB-SP 157.367

ROL DE DOCUMENTOS

1.- Procuração dos Autores.

2.- Certidão de casamento de MARCUS e WANESSA.

3.- Exames médicos de WANESSA.

4.- Revista “VEJA SÃO PAULO”, de 05/10/2011.

5.- Sítio FOLHA.COM, em 10/10/2011.

6.- Revista “RG”, de julho/2011.

7.- “CD” com as ofensas.

8.- Ata notarial.

9- Sítio UOL, com nota de repúdio de Marco Luque, de 30/09/2011.

10.- Sítio UOL, de 01/10/2011.

11.- Sítio UOL, de 02/10/2011.

12.- “FOLHA DE S. PAULO”, coluna de Mônica Bergamo, de 02/10/2011.

13.- “FOLHA DE S. PAULO”, coluna de Mônica Bergamo, de 02/10/2011.

14.- Sítio CIRCOLARE, de 03/10/2011.

15.- “FOLHA DE S. PAULO”, ilustrada, de 03/10/2011.

16.- Sítio UOL, coluna de Nina Lemos, 03/10/2011.

17.- “FOLHA DE S. PAULO”, cotidiano, de 03/10/2011.

18.- Sítio “ESTADÃO”, 03/10/2011.

19.- Sítio “ESTADÃO”, coluna de Marcelo Rubens Paiva, de 04/10/2011.

20.- “Blog” de TICO SANTA CRUZ, de 04/10/2011.

21.- Sítio “FAMOSIDADES”, de 04/10/2011.

22.- Discurso do Senador MAGNO MALTA, de 05/10/2011.

23.- Sítio “YAHOO”, carta aberta de AMÉRICO BUAIZ FILHO, pai do autor Marcus e sogro da autora Wanessa, de 05/10/2011.

24.- Revista “QUEM”, de 07/10/2011.

25.- Jornal “O ESTADO DE S. PAULO”, Caderno Aliás, de 07/10/2011

26.- Revista “VEJA SÃO PAULO”, Opinião do Leitor, edição de 12/10/2011.

27.- Sítio “TERRA”, reprodução do twitter de “”Rafinha”, de 04/10/2011.

28.- Sítio “VEJA On Line”, de 10/10/2011.

29.- Custas iniciais.

30.- Taxa de procuração.

31.- Guia de oficial de justiça .

 

 

1 "Ética a Nicômacos", Editora UNB, Brasília, tradução do grego por Mário da Gama Kury, 4a. ed., p. 87, n.g.

2 Maria Helena Diniz, apud Rui Geraldo Camargo Viana, em "Tutela Jurídica do Embrião e do Nascituro", na "Revista do Advogado", da AASP, nº98, de julho/2008, p. 229.

3 Silmara Juny de A. Chinelato, "Tutela Civil do Nascituro", Saraiva, SP, 2000, p. 198.

4 Maria Claudia Chaves, invocando Carl Wellman, em "Os Embriões como Destinatários de Direitos Fundamentais", na "Rev. Forense", v. 378, abril/2005, p.481,

5 Cf. William Artur Pussi, "Peronalidade Jurídica do Nascituro", Juruá, 2008, 2a. ed., p. 422.

6 Cf. o pioneiro acórdão do E. TJSP, lavrado pelo eminente desembargador Renan Lotufo, na Apel. Cível n. 193.648-1, j. de 14.9.1993. Cf., na mesma linha, o v. acórdão do E. STJ no REsp. n. 399.028-SP, na "RSTJ" 161/395, rel. Min. Sálvio de Figueiredo Teixeira.

7 "Veja São Paulo", ano 44, nº 40, "E Ele ainda se acha Engraçado", pp. 22 a 30.

8 Publicado no perfil do Réu ("Twitter") no "Dia das Mães" de 2011.

 "The New York Times", matéria de Larry Brother, 04.8.2011.

10 Revista "RG", julho/2011, p. 75

11 Nelson Hungria e Heleno Cláudio Fragoso, "Comentários ao Código Penal", Forense, v. VI, 5a. ed., p. 57. 

12 Américo Luís Martins da Silva, "O Dano Moral e sua Reparação Civil", RT, 1999, p. 62; TJSP, Ap. Cív. n. 534.196.4/7-00, rel. Des. Francisco Loureiro; STJ, REsp. n. 168.945, rel. Min. Pádua Ribeiro, j. de06.9.2001

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+67 comentários

Havia décadas atrás um programa de humor capitaneado pelo comediante e talking-show man Jô Soares, de quem, aliás, na atividade atual, entrevistador-que-fala-mais-do-que-o-entrevistado, não sou fã.

O tal programa, acredito que muitos comentaristas deste blog se lembrarão, chamava-se "Faça humor, não faça a guerra" (tenho quase que certeza).

Pois não é que o tal do Rafinha resolveu (tentar) fazer humor fazendo guerra?

O CQC, tenho que confessar, é daquele gênero de programas a que nunca perdi meu tempo assistindo. Já havia escutado, no entanto, algumas vezes.

A simples presença do apresentador Marcelo Tas já seria motivo suficiente para não contribuir para a audiência.

O sujeito, qualquer sujeito que fale bem e/ou tenha uma certa presença, elege um "alvo fácil" (políticos em geral, de uma certa forma, são alvos fáceis), e sai fazendo afirmações e perguntas não propriamente inconvenientes (o que, fossem realmente inconvenientes mas politizadas, seria até razoável), mas grosseiras, idiotas mesmo.

Daí, pronto, o sujeito já é um embrião de gênio. Para galgar posições de influência midiática mais altas o cara começa a não ter limites, confundindo fama-de-riso-fácil e cafastejagem com sucesso obtido por qualidades humorísticas de verdade.

Colocações fascistas dão vazão a um tipo de fascismo que tem certa passagem em nossa sociedade (como em outras, quiçá em todas). A política como necessidade orgânica para mediar interesses e conflitos de uma sociedade complexa passa então a ser vista como imunda, suja, etc. e finalmente - aí o que as direitas de uma maneira geral desejam - desnecessária.

Enfim, ao que parece (assim espero), o tal do Rafinha encontrou adversário de peso. Espero que não deixem barato. Não só para o bem deles e do nascituro, como para o bem da inteligência humana, tão pisoteada pelos simplismos grosseiros que os Rafinhas (verdade que não só ele; há outros, sim) da vida encontram para validar um reconhecimento social estéril e perigoso.

 

 

 

 

 

Falta ainda a ação penal.  Ameaça de estupro e pedofilia.  Espero que o advogado elabore bem os argumentos e consiga para o reu uns dez anos de cadeia.

 

 

Quer dizer que não se pode falar para os outros com quem se gostaria de fazer sexo? Isso pode ser até achavascado, mas não é injurioso. 

Onde está o insulto, ofensa ou dano à honra?

Existe em nossa língua uma acepção machista da palavra honra: "virtuosidade, castidade sexual da mulher". Nem essa honra sofre dano quando alguém fala sobre sua vontade de fazer sexo. A mera vontade de A não tira a castidade de B.

 

Ué, então eu posso dizer que estou querendo trepar com sua mulher ou com sua mãe sem problema algum?

Ô beleza!

Manda aí que o vascularizado já tá empertigado.

 

A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória.

Na minha opinião, você pode dizer. Na sua opinião, tinha tido a impressão de que não. Mas como você acabou dizendo, fico na dúvida se além de achavascado você considera seu comentário injurioso.

Parece que, logicamente, você tem duas alternativas, ou concorda comigo ou se proclama louco (ou algo menos louvável).

Eis a explicação. É o famoso Catch-22, você tem duas opções:

1) se você discorda de mim, você foi injurioso e portanto seus atos discordam de sua opinião. 

2) se você concorda comigo, fico feliz.

Enfim, mais um argumento para a tese de que o comentário original não foi injurioso.

Não preciso nem desenhar, né?

 

Chatice de petição, embora provavelmente impecável.

 

É a força do dinheiro, nada mais.

 

"No fim tudo dá certo, e se não deu certo é porque ainda não chegou ao fim." Fernando Sabino

 E reclamavam do ratinho, que nível hein seu Tas ? parabéns! e aquele outro colega de "humor" que foi preso,  saiu do programa ? parece que em um só dele agora, quem sabe essa figura não consegue também um só seu na gloriosa "band"! êta mídia porreta essa.

 

Uma pessoa recorrer a justiça para pedir reparação a ofensas é um ato de civilidade e cidadania. Infelizmente, só agora Wanessa despertou para esse lado da vida. Se tivesse processado Dado Dollabella, com quem teve um tumultuado namoro, provavelmente, o rapaz teria terminado ali seu estranho hábito de agredir mulheres. Parece que agora, depois de condenado no processo movido por Luana Piovani, o rapaz sossegou.

 

[RAFAEL BASTOS HOCSMAN, também conhecido pela alcunha de "Rafinha", brasileiro, solteiro, jornalista]... [compõe (ou à época compunha) o quadro de apresentadores do programa "CQC" ("Custe o que Custar"), da Rede Bandeirantes de Televisão, que protagoniza (ou protagonizava) ao lado dos jornalistas MARCELO TAS e MARCO LUQUE.]

Ainda bem que eles não são sequer palhaços, senão iria pegar mal para os jornalistas de verdade...

 

As chances de Vanessa e Conjuge levarem essa grana toda de Rafinha é minima. O embasamento da ação é inconsistem.  

Que tipo de ofença o humorista fez para a cantora, chamou ela de bonita? Brasil é Brasil, pois conseguiram levar o cara a se explicar sobre uma piada de mulher feia e estupro... Que também não vai dar em nada.

A Vanessa Camargo está por ai se achando uma Lady Gaga dos pobres, indo nas boates GLS onde rola as maiores ferversões (eu sei muito bem). Mas para a midia ela quer se postar como artista séria e tudo mais.

Diria também para o  marido dela que não se importa que ela faça shows ao lado de drag queens, que falam barbaridades muito mais impublicaveis que o Rafinha, e que também adora um negócio obscuros com jogadores e outras pretenças selebridados.

PS: Humor bom faz o Chico Anisio não é mesmo. "Tenho 8 filhos criados no Rio de Janeiro... e nenhum é Gay ou drogado..."

 

Esses advogados estão lendo muito Camões ultimamente...

"O bufão Rafinha, em vitupério indizível e inominável, adentrou por mares nunca dantes navegados, num périplo outrora inimaginado,  insurgindo-se contra a dignidade de minha comissionária  e eclipsando sua dignidade, mediante manobras conspurcatórias e indeléveis, como se ela Tágide fosse, como se ele Calígula fosse..."

 

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

 

 

Ao fazer pilhéria sobre uma mulher casada e grávida, Rafael Bastos Hocsman ultrajou a família brasileira, mas foi sua alusão à pedofilia com um nascituro que o tornou criminoso. 

Não é possível tergiversar nem ser complacente com criminosos, portanto, o casal Buaiz age de conformidade com a lei e com o que se espera de pais responsáveis ao proteger seu rebento.

Este pseudo-humorista agora vai conhecer o grosso e vascularizado cacete a que tanto alude.  

 

 

A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória.

Acho que esse processo é uma das coisas mais ridículas que eu já vi. Direito à honra do feto?

 

Se para sermos contra o sem-graça do Rafinha, temos que dar apoio ao poder do dinheiro, a coisa está braba. Que turma, hem.  Um endinheirado, uma cantora bobinha e um humorista sem graça. Eles que se odeiem, eu fora.

 

 

Com tudo isso, os doutos apenas aumentaram a fama e preço do artista gaúcho. Apenas atesta a razão cínica de gente desocupada como essas celibridades atingidas(?) - um dono do Espírito Santo e a outra, como diz a petição, artista (!?).   

O advogado do dito rafinha contraporá o direito constitucional da liberdade de expressão - matéria prima de todo artistas, principalmente, de humoristas; o resto e falso moralismo dos mesmmos que fazem protesto contra corrupção sob patrocínio da Globo e participam do "cansei" da OAB SP.

Vamos cuidar da defesa do Santos que tá ruim, o resto é resto!    

 

 

Armando do Prado

Quero que o "Rafinha" se f...

 

Brasil, país de cretinóides.

.

Liberdade para Rafinha.

 

Começou errado. Se fosse "Excelentíssimo Senho Doutor Cavalheiro Juiz de Direito..." ele já seria, de cara, melhor interpretado...

 

Pô achavascada,não pode . 

 

Bem feito, tomara que leve uma "trolha" bem grande, para servir de freio para esses pseudos-humoristas.

Isso que esses caras preticam não é humor é apelação.

Apelação por apelação, sou mais os humorista da MTV Hermes e Renato, eles chutam o balde geral.

 

Consagre os seus sonhos e projetos ao Senhor, e eles serão bem sucedidos, creia.

gAS

Sinceramente: A despeito da falta de graça da piada, grosseria, etc, não consigo vislumbrar nenhum dano moral à wanessa e família.

Todo mundo foi contra o reafinha, ninguém ficou contra a wanessa e familia.

Dano haveria se ele dissesse "ela quer dar pra mim, ela me deu molo, ela..."

Tenho dúvidas quanto a existência de dano moral nesse caso.

Grosseria houve, e não há dúvidas...

 

Vou te perguntar o mesmo que perguntei ao esquiber: "Você é casado?..."

 

Alexandre...

Espero sinceramente que você seja torcedor do Fluminense, do Grêmio ou do Bahia, isto porque eu não gostaria de saber que entre são-paulinos existem pessoas que pactuam com ações criminosas.

 

A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória.

Como estão os Processos judiciais:

Edificio Palace II do Deputado Sergio Naya?

Queda do Avião Fokker 100 da Tam?

Queda do Avião da Gol 1907?

Acidente do Avião da Tam Airbus A320?

 

 

Pessoal

R$100.000,00 é o valor dado à causa. Os advogados pedem ao juiz que arbitre o valor dos danos morais quando do julgamento.

 

Acho este cidadão que está sendo processado ridículo em seu humor, mas não posso deixar de notar que os absurdos que ele fala só tiveram consquência quando incomodaram pessoas famosas. Enquanto os impropérios eram dirigidos a grupos de pessoas não famosas era tudo permitido em nome da desgastada "liberdade de expressão".

Este processo me lembra que no Brasil ainda continua forte o velho "você sabe com quem está falando?".

Ah... Brasil.

 

Pois é, é revoltante essa parte!!

 

Há alguns anos um exemplar da fauna chamada "paulista quatrocentona" comentou sobre uma das princesas de Mônaco, algo como "pode c ...r essa que eu já c... i". Esse cidadão levou um processo nas costas e teve que declarar algo como "não conheço esta pessoa e nada posso afirmar a respeito dela".

Acho até que esse cidadão resolveu andar direito depois deste eposódio. Para paspalhos não custa nada se retratar, mas para gente séria isto é uma vergonha.

 

 

Vi ao vivo o imbróglio. Interessante que a piada  (de fato) foi um alento bacana. Dizer que o bb dormiria mais cedo caso contrário o Zézé (bom músico) cantaria aos seus ouvidos me parece ter compensado o vapt-vupt da "incersão" inicial!

Fico com a impressão de que uns parodiam (rafinha), uns se fazem de rogados (o casal e outros) e os tolos comentam (eu/nós e outros)!

inté!

 

Já está ficando chata essa perseguição ao bocó do Rafinha!  ainda achei de pessimo gosto a piada, mas a perseguição está além da conta já! e obvio que tirando a familia envolvida na ofensa, muitos estão atacando o cara apenas pelo recalque de outras piadas dele!

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

Quer dizer que você seria um chato se abrisse processo contra alguém que desrespeitasse sua mulher e seu filho? E ainda mais diante de milhões de pessoas? Em que planeta você vive? Será que você preferia fingir que não ouviu? Ou será menos chato dar uns tabefes no achavascado ofensor?

 

Parece que tem gente aqui que perdeu a nocao totalmente. Parece que acham que a Vanessa deveria pedir desculpas ao digníssimo Sr Rafinha pelos contrangimentos que ela o fez passar ao nao aceitar de bom grado a belíssima piada proferida contra a mesma, deveria ser tomada como  um elogio. Que coisa !

Se for ver o cara tem é muita sorte de ser famoso e tar em rede nacional. Se fosse no interior ou nos rincoes ai sim, ele veria o que é bom para tosse. E nao seria pela justica nao.

 

@DanielQuireza

Quer dizer que você seria um chato se abrisse processo contra alguém que desrespeitasse sua mulher e seu filho? E ainda mais diante de milhões de pessoas?   

 

Concordo Blaya,

O Rafinha pode até ter se excedido em rede nacional, mas daí a merecer um processo vai uma distância muito grande. Não vejo como ele pode ser condenado. Com base em que? Dizer que comeria a Vanessa. Eu também comeria! Agora se o processo é referente a uma alusão sexual infeliz ao bêbê, aí os especialistas que se manifestem. Dizer palavrão não é típico só de Rafinha. A Folha costuma estampar nas suas páginas palavras de baixo calão e jamais ouvi ninguém reclamar. O jornalão dos Frias reproduziu ipsis litteris uma resposta por e-mail do mesmo Rafinha nos termos mais indecorosos a um repórter da Mônica Bergamo, "Chupa o meu grosso e vascularizado cacete" (http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/988673-chupa-o-meu-cacete-diz-rafinha-a-reporter-da-folha.shtml) Outro dia na mesma Folha foi a vez de colocar na página impressa do jornal a linguagem chula de Filipão: "Fotografe o meu pau", disse ao profissional, antes de entrar no ônibus do clube. (http://www1.folha.uol.com.br/esporte/989966-fotografe-o-meu-pau-diz-scolari-a-fotografo-da-folha.shtml) É correto um grande veículo de comunicação reproduzir em suas páginas literalmente palavras que ferem o decôro da profissão? Onde fica o código de ética da empresa? E a ombusdman, não vai se pronunciar sobre esse comportamento recorrente da Folha que faz parte da linha editorial do jornal? Aqui no Ceará é comum os humoristas pegarem alguém da platéia para gancho de piadas sem graça, humilhando e rebaixando a pessoa ao mais baixo nível. Já houve caso de agressões fisicas em que foi preciso intervenção policial para evitar um desfecho trágico e acabou em delegacia. Eu pelo menos não faço questão de frequentar esses shows de humor, mas há quem goste, fazer o quê? O Rafinha só não tinha direito de usar uma concessão pública para vomitar lixo no público que o assiste. Acho porém que a repercurssão negativa de sua performance com perdas financeiras em contratos publicitários e a execração pública foram suficientes para o erro que cometeu. Jucializar a questão é jogo de cena para aparecer.

 

“Ponha um cretino fundamental em cima da mesa e você manda ele falar, ele dá um berro e, imediatamente, milhares de outros cretinos se organizam, se arregimentam e se aglutinam. O cretino fundamental raspava a parede da sua humildade e na consciência d

Esquiber, você é casado? Põe uma foto da sua esposa aqui no blog - preferencialmente de lingerie - pra gente vê se ela é comível.

 

Eita, mano!

Põe a foto! Tamos esperando!

 

Nossa. Entao temos todos o direito de sair por ai dizendo em público que comeríamos qualquer um ?

E os supostos comidos, estes tem que ficar bem quietinhos e até quem sabe, agradecerem né, o elogio ?

Sei nao, acho que nao é bem assim que a coisa funciona nao.

 

@DanielQuireza

Curioso é o fato de a Band não ter sido incluída no pólo passivo da ação. Isso seria indicado em qualquer outra circunstância. Será que os interesses da agência do autor - a 9ine - não são compatíveis imputação de responsabilidade à Band?

É fato. No Brasil, desconsiderando os excessos detestáveis cometidos pelo ilustre Rafinha, quem se ferra é sempre o mais fraco. Invariavelmente!

 

Que Rafinha Bastos pague por seu erros e, o CQC deveria também ser IMPUTADO.

 

Concordo, concordo, e digo mais: Quem tinmha que ser processada em primeiro lugar é a BAND por acoitar aquele antro de facínoras.

 

Também concordo porque ela, a BAND, sendo a dona da matilha, deveria vir em primeiro plano

 

 

Ô piadinha de mau gosto e cara ! 

 Vai " morrer com uns R$ 150.000,00 na brincadeira, pois além de pagar os danos morais para os autores, vai pagar os honorários do seu advogado, do advogado do autor e as custas do processo.

Como se diz no interior, o tal de Rafinha  " arrumou uma bela de uma sarna para se coçar ", faça bom proveito, quem não tem freio na língua, paga o preço da lingua solta.

Que sirva de lição, será que seu paí vai continuar achando que seu  filhinho não fez nada de mais ?

 

Bem feito. Só achei que pediram muito pouco.

 

@DanielQuireza

Quem aparece no ano em 730 propagandas deve ganhar quanto com isso?

 

Eles não pediram um valor determinado; pediram para o Juiz fixar o valor. 

Como deveria ser, aliás.

 

Os cem mil são apenas para efeitos fiscais.

 

Pois é...um show de "graça", porém pago!!!  No melhor estilo perco dinheiro mas não percoa piada....vamos ver até onde vai este show de horror e falta de senso!!! Queria mesmo era ver o Marcelo Tas junto na ação..outro que já passou da data de validade!!!

 

Esse ano vai dar Dilma na cabeça!!

Disso (dobrar o valor) os juros (multiplicados pela demora em julgar a ação) se encarregam...

 

Concordo, Daniel. Poderia  ser o dobro.

 

Melhor nem perguntar o que é "achavascada ofensa"...