Revista GGN

Assine

A proximidade das notas de cotistas e não cotistas

Do iG

Sisu: nota mínima de cotista e não cotista é parecida nos institutos federais

Priscilla Borges

Levantamento exclusivo do iG mostra que, dos 553 cursos em que as notas de aprovados pelas cotas são mais próximas às da concorrência geral, 66% são de institutos federais

As diferenças de desempenho entre os aprovados pelas cotas ou pela concorrência geral do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) são menores nos cursos de institutos federais. Entre os 553 cursos com menores diferenças entre as notas de corte – pontuação do último aprovado em cada modalidade de seleção – de cotistas e não cotistas, 66% são dessas instituições.

Dados do Ministério da Educação (MEC) levantados exclusivamente para o iG mostram que diferença de desempenho dos estudantes selecionados em primeira chamada só é insignificante, ou seja, de menos de 10 pontos a mais tanto para cotistas em 11,54% dos casos: em 553 opções de cursos eme um total de total 4.793 analisado pelo iG .

Os dados se referem apenas às notas dos cursos que já oferecem 50% de suas vagas no processo seletivo em todos os modelos possíveis de cotas, o que totaliza 1.229 cursos. Como as universidades ofereceram até oito modelos de cotas aos estudantes da rede pública no Sisu, a análise considerou 4.793 notas de corte geradas a partir das possibilidades de concorrência.

São elas: candidatos pretos, pardos ou indígenas com renda familiar inferior a 1,5 salário mínimo per capita (algumas instituições dividiram essa categoria em duas, separando os indígenas); candidatos pretos, pardos ou indígenas independentemente da renda (essa categoria também foi transformada em duas por algumas instituições, separando os indígenas); candidatos com renda familiar inferior a 1,5 salário mínimo per capita e candidatos com renda superior a essa.

Pesquisas : Desempenho de cotista é igual ou superior ao dos demais estudantes

As notas entre os selecionados nos diferentes tipos de cotas e na concorrência geral dos cursos oferecidos nos institutos federais que participam do Sisu são muito semelhantes em 364 casos. Desses, 251 variaram, no máximo, cinco pontos.

A nota no Sisu é calculada a partir do desempenho do estudante no Enem, cuja escala varia de 0 a 1000. Na última edição, as notas mínimas e máximas tiradas pelos estudantes em cada prova (não há média geral) variaram entre 277,2 pontos em matemática e 955,2 na mesma prova. Alguns alunos alcançaram nota 1.000 na redação.

Quase iguais

Em 41 tipos de seleção oferecidos pelo Sisu, as notas atingidas pelos últimos aprovados em cada modelo de concorrência foram praticamente as mesmas (diferem, no máximo, em um ponto a favor dos cotistas ou dos não cotistas). A maior parte dos casos de desempenho semelhante ocorre entre não cotistas e os cotistas egressos de escola pública que não fazem parte dos recortes raciais (para candidatos pretos, pardos ou indígenas) e de renda.

Leia também : Para cotistas de pioneiras em ações afirmativas, reserva é estímulo

Na sequência, as coincidências acontecem mais entre os grupos de cotistas que possuem renda familiar de até 1,5 salário mínimo, mas não se utilizaram dos recortes raciais. São nove casos nesse recorte. Entre esses 41 cursos com maiores semelhanças de desempenho entre cotistas e não cotistas, 30 são da área de exatas ou de saúde e 27 de institutos federais.

Os candidatos selecionados com as menores diferenças de pontuação – menos de 0,1 ponto – entre os grupos de cotistas e os não cotistas eram dos cursos: Engenharia Cartográfica e de Agrimensura (integral) da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRAM, câmpus principal); Ciências Contábeis da Universidade Federal de Mato Grosso (câmpus de Rondonópolis); Processos Químicos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (câmpus de Apucarana) e Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (câmpus Valença).

Incentivo : Governo terá programa para manter cotistas nas universidades

Em todos, os cotistas eram do grupo que concorreu às vagas reservadas aos egressos da rede pública independentemente da raça ou da renda. O último aprovado nas 12 vagas oferecidas para a ampla concorrência de Engenharia Cartográfica e Agrimensura tirou 686,4 pontos e o que ocupou a única vaga para essa cota, 686,38. No bacharelado em Ciências Contábeis da UFMT a diferença foi de 0,08 ponto. A nota mínima na ampla concorrência, que ofereceu 22 vagas, foi de 609,48 pontos e, entre os cotistas, a pontuação obtida foi de 609,4 pontos.

Nos cursos de Processos Químicos, graduação tecnológica oferecida à noite pela UTFP em Apucarana, e no de Matemática, licenciatura oferecida à noite no câmpus de Valença do IFET da Bahia, as notas dos cotistas foram um pouquinho melhores. No primeiro caso, o último selecionado pela ampla concorrência entrou com 617,86 e o último cotista aprovado nas sete vagas reservadas para egressos da rede pública (independentemente da renda ou raça) ficou com 617,9 pontos. No outro curso, o não cotista tirou 610,08 e o cotista, 610,14.

Desempenhos discrepantes

Dentro dos vários grupos de cota racial do Sisu, os modelos exclusivos para indígenas, independentemente da renda, são os que mais têm discrepâncias de notas mínimas dos aprovados entre cotistas e não cotistas.A raça é o fator que mais interfere nas diferenças de desempenho dos estudantes .

O curso com diferença mais gritante é o de História da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) oferecido no câmpus do Bacanga. O último não cotista aprovado no bacharelado oferecido no turno vespertino tirou 662,18 pontos. O cotista aprovado na seleção específica para indígenas que cursaram o ensino médio na rede pública, independentemente da renda, tirou 389,74. Uma diferença de 272,44 pontos.

Enem: Possíveis cotistas da rede pública têm desempenho melhor que privada

No mesmo câmpus da UFMA, outro caso de extrema diferença chama a atenção. No curso de Engenharia Química (integral), 164,20 pontos separam o último selecionado pela ampla concorrência do estudante aprovado nas cotas para indígenas (sem critério de renda).

Os outros cursos com maiores diferenças entre cotistas (em algum dos modelos) e não cotistas foram: Educação Física (noturno) do IFET do Paraná (157,44 pontos), Química Industrial da UFMA (156,86 pontos) e Ciências Biológicas do IFET do Paraná (155,66 pontos).

Em alguns cursos, as diferenças foram grandes também, mas a favor dos cotistas. É o caso do curso de licenciatura em Física do IFET Tocantins, em que o último aprovado pelas cotas para egressos da rede pública, independentemente da renda ou raça, alcançou 705,63 pontos e o último selecionado pela ampla concorrência, 633,68. Uma diferença de 71,95 pontos.

Na sequência, os cotistas se saíram melhor nas seleções dos cursos de Agronegócio do IFET Tocantins (69,55 pontos), Matemática da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (55,82 pontos), Letras-Inglês do IFET Paraná (53,96 pontos) e Agronomia da UFRAM (50,56 pontos).

Retrospectiva 2012: Lei das cotas só mudará universidades em alguns anos

Sem votos
21 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+21 comentários

Raphaelm & Alexandre Toledo

Infelizmente , e tão bem mostrado pelo Mensalão Petista , o PT também é Canalh...ops tem os vícios da corrupção entranhados em sua "Alma Política"  , como qualquer outro Partido !.

 

 


JUSTIÇA, EMBORA TARDIA


 


http://www.bassalo.com.br/2012/09/justica-embora-tardia-%C2%B9/


 

 

Tem alguma coisa errada com o enem, talvez seja isso mesmo, propaganda!?...mostrar que alunos de escola publica tem desempenho proximo de alunos de colegios privados. Meu filho acertou no primeiro dia 82 questoes de 90. No segundo dia 84/90. A nota dele foi tipo 768,15. Como um aluno acerta + de 90% de uma prova e acaba com nota menor que 80%?. No site do inep, fala em usar uma "mistureba" de formulas adaptadas de varios lugares do mundo para criar um negocio chamado TRI (teste em resposta ao item, coisa assim). O negocio é sinistro, porque nao mostra claramente como é calculado o valor que cada item acertado ou errado. Falam, que se um aluno acertar um questao dificil ele teria a obrigaçao de acertar uma facil, senao é chute. Entao acertar só as questoes facies é melhor que acertar as dificies e errar as facies....ou seja, se for pra errar que erre as questoes consideradas dificies. Acontece que isso nao é claro nas explicaçoes, porque uma pessoa pode ser muito boa em funçoes logaritmicas e nao saber nada de numeros complexos. Mas deixa isso para lá, apesar de meu filho nao ter atingido nota para entrar em direito na UFRJ, que era o que ele queria. Passou em Direito na USP-SP e isso me deixou muito feliz.

 

Tem alguma coisa errada com o enem, talvez seja isso mesmo, propaganda!?...mostrar que alunos de escola publica tem desempenho proximo de alunos de colegios privados. Meu filho acertou no primeiro dia 82 questoes de 90. No segundo dia 84/90. A nota dele foi tipo 768,15. Como um aluno acerta + de 90% de uma prova e acaba com nota menor que 80%?.]


 


TRI, como isso mesmo diz, significa que as questões foram divididas três tipos: Fácil, Média e Difícil. Havendo correpodência entre entre os  tipos. Assim, errando a fácil e a média e acertando a dificil, isso só pode ter sido no chute, portanto, nota ZERO.  Acertanto a fácil, errando a média e acertado a difícil, isso significa ter no máximo 60% da nota desse último  quesito. E assim, a TRI vare todas possibilidades possíveis e imaginávais. É o que há de mais perfeito em termos de estatística no mundo.     

 

Prezado Nassif

Eu tenho a opinião de que certamente vagas   no curso superior deveriam ser asseguradas  a todos aqueles cidadãos brasileiros  que tivesem obtido uma nota no enem acima, ou igual  a 450  pontos . Mas não nas Universidades Federais , através de Cotas Bizarras. Mas assegurar o curso superior a este grupo de pessoas   sim , nas Particulares , através de Bolsas ( Prouni ) .Ou através de  empréstimos altamente subsidiados , com juros  do tipo do "FGTS" .E aqui se comparece o grande problema : É preciso exigir a devida qualidade  no Ensino Superior das Universidades Privadas Brasileiras , credenciadas neste Programa . Mas quem tem a coragem de colocar o "Guizo" do combate a corrupção e Bandalha Acadêmica  nesta suposta poderossísima Máfia de Universidades , Faculdades , etc,  Privadas Brasileiras (não são todas , mas uma boa parte...)?. E o Curso de Tecnólogo Superior ?. Esquecido ?.

 

Moraes e Anarquista Burr.. ops Lúcida ?

Ore se fraudam até eleições  para a Presidência da República ! (Celulares que interferem nas "Máquinas do TRE" ), imaginem o resto!. E todos sabemos que a exposição de idéias em Temas Sociais sensíveis as Políticas de Propaganda do Governo Petista e Aliados , caso escritas em "Clichês Sociais " , fazem  um apelo "positivo"  danado aos Professores que as corrigem (quase todos graduados  -ou melhor Cerebralmente lavados em Clichês de esquerdas  , dos Cursos Sociais das IFES!) .E sempre pergunta-se Temas Sociais relacionados as Políticas dos Governos Petistas .Jamais sobre temas outros , de interesse Mundial , por exemplo .Por quê será ?.Canalhas !

E quanto a Anarquista Burr..Lúcida , exigir provas de suspeitas de cidadãos contribuintes é uma manobra diversionista ! .Minha cara, são só suspeitas que deveriam ser criteriosamente averiguadas por uma Comissão Independente do MEC .

Quanto ao Morales , bem só idiotas não usam os Revisores !. Até grandes escritores os tem ! . E certamente a única deficiência notada neste episódio , é a sua má-fé em querer usar um preciosismo de Imbecil Latino Americano ("Bacharelismo" no uso da Língua, em Comentários realizados em um Blog !) , para tentar afastar uma legítima inquietação de um Professor , como este vosso  comentarista !.E estamos em um Blog , onde naturalmente usa-se uma Redação Informal , IDIOTA! .

 

Revisor nao corrige lógica sem parafuso. Seu problema nao é de gramática, é de lógica. Pensando bem, você tem alguma razão... Quando um cara bota um chapeu de tres bicos na cabeça e diz que é Napoleão, ele é louco. Contudo, mais louco sou eu, que digo ao louco que ele é louco. Assim, viaje tranquilo na sua maionese, mano. Numa boa.

 

A única pessoa nao idiota do mundo é o LCBotelho. Pena que tao incompreendido! O IMPA nao vale nada, é um monte de matemáticos que só trata de "matemática empoeirada". O CNPq tb nao sabe de nada, nao reconhece o maravilhoso valor do Botelho. E ele aí a desfilar teses delirantes, e nem desconfia de quao absurdo é. Arre! Presunçao é água benta é de graça mesmo. 

 

Falando em "clichês", o teu texto está cheio deles.

 

Ensino público só emplaca escolas "modelo" entre as mil melhores no Enem 2011

         ENSINO PÚBLICO SÓ EMPLACA ESCOLAS ´MODELOS´ entre as mil melhores do ENEN/2011

         E a lei de cotas reserva 25% de todas as vagas em universidades públicas para os alunos dessas escolas, pois a metade das vagas reservadas ao ensino público não tem recorte de renda.

            Antes da lei, esses alunos das escolas ´modelos´ e corporativas militares, por ex., disputavam as vagas com as elites do ensino privado. Agora, embora sejam apenas uma centena de escolas públicas ´modelos´, conquistaram 25% de todas as vagas públicas reservadas para eles.

        A primeira escola pública regular aparece somente em 1.070º. Uma realidade...

   http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/11/23/ensino-publico-so-emplaca-escolas-modelo-entre-as-1000-melhores-no-enem.htm 

   " De acordo com o ranking (MEC) apenas 78 escolas públicas "modelo" ficaram entre os mil colégios com melhores notas no exame. As escolas da elite do ensino público são federais, militares, técnicas ou mantidas por universidades. A maior parte delas faz vestibulinhos para selecionar seus alunos e tem orçamentos superiores aos das escolas públicas normais. Essas estão ainda mais longe na lista: nenhuma ficou entre os mil primeiros."

 

José Roberto F. Militão, ativista contra o racismo e contra a ´raça estatal´. "Numa sociedade com a cultura de raças a presença do racista será, pois, natural." (Frantz Fanon, 1956).

       A lista completa de todas as escolas do Brasil, divulgadas pelo MEC, estão aqui:

 http://guiadoestudante.abril.com.br/vestibular-enem/mec-divulga-notas-escolas-enem-2011-722085.shtml

       Nas públicas, poucas, menos que 5% das escolas, ultrapassaram a média de 500.

     Como os selecionados de acordo com a notícia do post obtiveram notas acima de 600, somente uma elite oriunda das escolas privadas e a elite da pública conseguiram ingresso. Salvo engano, conquistaram as vagas com notas que dispensavam a segregação de direitos.

       Conforme deduzia por ocasião da lei, com 50% das vagas sem recorte de escola pública e renda, e mais 25% da escola pública sem recorte de renda, temos a reserva de 75% das vagas para os mais ricos, restando aos mais pobres, apenas 25% das vagas, onde ocorrerá, doravante, a nefasta e perigosa disputa racial.

       A lei maranhense reserva uma disputa racial somente entre os mais pobres.

    Os dados ora divulgados são preliminares, mas, não tenho dúvida que se repetirá em nível nacional. Somente nos cursos que sobravam vagas, de pouca concorrência, os mais pobres conseguirão ingresso com as notas de corte do Enem.

 

José Roberto F. Militão, ativista contra o racismo e contra a ´raça estatal´. "Numa sociedade com a cultura de raças a presença do racista será, pois, natural." (Frantz Fanon, 1956).

          Prezados,

          Por que a lei de Cotas, sociais e raciais, nasceu no Maranhão?

        Talvez essa matéria explique, ou seja indício, do empenho do Senador Sarney na condição de Presidente do Congresso em 2012, e da sua colaboradora maranhense Deputada Nice Lobão - PFL/DEM, que foi ´Secretária de Educação´ do Maranhão, autora do PLC 73/99 substitutivo PLC 180/2008 que resultou na nefasta Lei 12.711/2012.

          Cinco dos 10 piores resultados no Enem (2011) são do Maranhão

http://www.vermelho.org.br/ma/noticia.php?id_noticia=199551&id_secao=73

O Centro de Ensino Aquiles Lisboa, da cidade de São Domingos do Azeitão, foi considerado a pior escola do Brasil, na média geral do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2011. A lista, com 10.077 escolas públicas e privadas de todo país que tiveram participação de mais de 50% dos alunos, foi divulgada pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) nesta quinta-feira (22).

Os dados levam em consideração alguns critérios, como as médias da prova de matemática, de códigos e linguagens e redação, e avalia, também, a taxa de participação dos alunos no exame. No caso da escola de São Domingos do Azeitão, apenas 52% dos alunos participaram do Enem. A média da prova de matemática foi de 397,69 pontos e a da prova de redação foi de 334 pontos. Já na de Códigos e Linguagens a média foi de 407,49. A média geral foi de 383,71 pontos, numa escala que vai até 1.000.

Outras quatro escolas do Estado ficaram entre as 10 piores escolas do Brasil no exame: O Centro de Ensino José Maria Araújo – Anexo I, em Olinda Nova do Maranhão, teve o 3° pior desempenho, com média geral de 393,52 pontos; Na 5° posição está o Centro de Ensino Maria do Socorro Almeida Ribeiro Anexo III-Limão, em Centro Novo do Maranhão, com 394,55; na 6° colocação Centro de Ensino Leda Tajra-Anexo Juçara, no município de Buriti Bravo, com 396,54 pontos e em 10° lugar, o Centro de Ensino Lucas Coelho, em Benedito Leite, com média geral de 397,20 pontos.

Melhores escolas do Brasil e do Maranhão

Entre as escolas com melhor desempenho em todo Brasil aparece, em primeiro lugar, a escola Objetivo Colégio Integrado, colégio privado da cidade de São Paulo, com média geral de 737,15 pontos.

No Maranhão, a melhor colocação foi a do Centro Educacional Montessoriano Reino Infantil, na posição 165, com média geral de 643,62 pontos. Dentre as melhores escolas do Estado, aparecem, ainda, a Escola Crescimento, o Centro de Ensino Upaon-Açu, o Colégio Educator, O Colégio Dom Bosco e o Instituto Federal do Maranhão (IFMA).

 

José Roberto F. Militão, ativista contra o racismo e contra a ´raça estatal´. "Numa sociedade com a cultura de raças a presença do racista será, pois, natural." (Frantz Fanon, 1956).

Então... Cota prá quê?

 

Prezado Nassf

As suspeitas de "favorecimentos" a clichês  Governistas ,usados na feitura das Redações , e asim , influenciando nas correção das Redações-extremamente subjetivas e sem revisões  ,podem ter gerado diferenciais de até 100 pontos entra as notas dos Exames .

 

Só um idiota pra acreditar nisso...

 

alexandre toledo

Sim, todos os estudantes de escolas públicas usam clichês governistas... Em um universo de tantos corretores, todos também favorecem clichês governistas.

Você tem idéia do quão absurdo é isso?

 

Ora, deuses! Estamos entãio diante de um monumental caso de fraude coletiva? Milhares e milhares de estudantes e mais centenas de professores se meteram numa combinação para que alguns escrevessem "Salve Lula" nas suas redacoes e os outros, corrigindo, lessem a senha e calculassem quanto aumentar essa nota para compensar as notas ruins dos outros exames. Bom, correção de prova de redação tem seu lado subjetivo, por suposto. Admissão de suspeitas, também, tanto mais quando as evidências que as sustentam são tão destemperadas. Alias, a redação do comentário teria uma nota baixa: afinal, pela construção da frase, entende-se que "as suspeitas ...podem ter gerado os diferenciais..." . Se não fosse um caso óbvio de deficiência na escrita, poderiamos ter aqui um fenômeno lógico. As suspeitas (posteriores à prova e à correção) geraram distorçoes nas notas. E se as suspeitas nao existissem, então, as diferenças nao teriam ocorrido. Muito interessante... Dá para ver quanto uma obsessão acusatória pode produzir desastres.

 

Todo mundo aqui lembra da questão ¨nós pega peixes¨ quando o MEC mais do que defendeu na justiça, fez questão de deixar claro que a sua ideoloigia é contra a formatação lingüística burguesa e elitista. Porém, das redações nota 1000 não achei nenhuma dentro do que o MEC defendeu. Pelo contrário, em alguns lugares algumas dessas que o MEC defendeu com tanto zelo aparecem  com a degrante classificação de ¨pérólas do ENEM¨.

 

Pura teoria de conspiraçao... Os professores que corrigem as provas nao devem ter os dados dos candidatos. 

 

Na minha pública  dois bandos de leléus  fizeram o seguinte:


a) foram reclamar pelo fato da tia fazer parte da banca e o sobrinho ser docente de pré--vestibular, como se a lei proibisse isso;


b) foram reclamar com o pró-reitor pelo fato de que uma das corretoras da redação tinha filha fazendo vestibular. quebraram a cara, pois  esse tinha como identificar qual redação era de quem e já tomado providências para que a redação da aluno fosse para outro igarapé e não se banha na mesa da mãe.


 


Agora, desafio alguém por essas banda fazer uma redação no tema migração para o Brasil no súculo XXI, o único lugar do mundo com emprego sobrando, sem elogiar o governo Lula.


 

 

perfeito. o rapaz viajou...