Revista GGN

Assine

A rede de pesquisa para o mercado de trabalho

Por Marco Antonio L.

Da Rede Brasil Atual

Rede vai atuar na promoção de mão de obra qualificada

Ipea e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial querem investigar carências do mercado de trabalho

Por: Stênio Ribeiro, da Agência Brasil

Brasília – O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) lançaram hoje (24) a Rede de Pesquisa, Formação e Mercado de Trabalho, que vai congregar instituições de pesquisa, governo e setor privado na qualificação de recursos humanos para suprir as demandas de mão de obra especializada.

A criação da rede foi oficializada no início da noite, como passo inicial do primeiro simpósio dos órgãos envolvidos para deliberarem, amanhã (25) e depois (26), sobre os principais rumos para promover o intercâmbio técnico-científico. Em discussão também está a produção de dados e análises para o planejamento das políticas de formação e emprego, de acordo com a diretora executiva da ABDI, Maria Luisa Campos Leal.

Maria Luisa disse que a rede não possui mecanismo formal de adesão e está aberta a todos os interessados. Trata-se de um grupo de colaboração para investigar as necessidades de recursos humanos qualificados – no curto, médio e longo prazos, em especial no âmbito do Plano Brasil Maior. “Precisamos responder aos desafios do mercado e a condição básica para isso se chama aumento de produtividade”, disse.

Coordenada pelo Ipea e pela ABDI – vinculados à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República e ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, respectivamente - a Rede de Pesquisa, Formação e Mercado de Trabalho tem participação inicial dos ministérios da Educação e do Trabalho e Emprego, além da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Sem votos
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+1 comentário

 

Acho que o governo deve seguir os desempregados de perto, com ajuda de assitentes sociais, assim já fazem outros países há quase século. Não deixar o cara se deitar no chão quando chega de outro estado.

Dar treinamento e arrumar logo o emprego. Só um problema: morar onde? Com o salário,  muito mal moraria num galpão com colegas. Sem atividade, cairia no crak de qq modo.

Mas reparei na fila do Centro de empregos, que havia só negros e pardos.