Revista GGN

Assine

A traição das metáforas

 

Poema 1

 

entre a pele e a flor no asco

com meia sola no sapato

o meu vapor mais que barato

industrial e infonáutico

entre o couro de zinco e o cabelo

mar de indecifrável plástico

por entre os bronzes do teu pêlo

entre o gozar cibernético

em todo sangue magnético

a minha carne pós poeira

entre a flor e  o vaso de barro

na home page ou no carro

na camisinha de vênus

vírus H corroendo

em vita plus ou na sala

meu olho gótico TVendo

brazilírica lâmpada fala

por um tanto ou tanto quase

cento e dez em cada fase

não sendo assim acaba sendo

 

Poema 2

 

debaixo da sacada a escada trota

pássaro sem teto acima do delírio

coração de porco crava no oco da noite

a faca cega, punhal de cinco estrelas

na constelação do cão maior

por onde úrsula nua passeia

dédala de dandi deusa de dali lua de dada

no coração do pintor sem fronteiras

acima do pé de abóbora

embaixo do pé de cajá

malásia não é aqui

espanha não além mar

salvador não é dali

a mulher que eu quero mesmo

e uma dedé que não dada

bia de dante do inferno itamarati itamaracá

constelação ursa maior

pra dada meu coração pra dedé não sou cantor

quando quero quero mesmo

espuma nylon pele tecido isopor

Poundiana

 

torquato era um poeta

que amou a ana

leminski profeta

que amou alice

um dia pós veio uilcon torto

pegou a jóia de ana

 e juntou na pereirAlice

com o corpo de alma das duas

vou bouvoir assombradado

pra lá de frança ou bahia

roendo o osso do mito

pois tudo que sartre dizia

o anjo jurou já ter dito

nonada:

-  biúte ria

 

artur gomes

http://artur-gomes.blogspot.com

Imagens

Sem votos
3 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+3 comentários

Entre Sartre e o Grande Sertão há muita relação mesmo. Rosa dedicou trechos inteiros ao existencialismo, mas na moita, claro. 

Aparece aí, cara. Põe o olho pra fora.

 

Delírio Febril

 

Em meus olhos fina estampa

Reflete horizonte colorido

De tanto olhar lua cheia

Meus sonhos já estão floridos.

 

Na ânsia de amor e verdade

Em meio a angústia e saudade

Em ternos e saias contidas

Por baixo está a liberdade.

 

De volta ao seio da noite

Sentido calor e torpor

Soterram a luz da esperança

Acordam aos gritos de dor.

 G&Cunha

 

 

 

 

 

 

Biúte full.