Revista GGN

Assine

Amor de perdição: Globo e Kamel

Ainda não caiu a ficha dos Marinhos sobre o mal que o estilo Ali Kamel causou aos interesses das Organizações Globo – quando foi incumbido de definir a linha política da cobertura da TV.

O grande adversário da Globo é a Record, da IURD (Igreja Universal do Reino de Deus). É uma congregação agressiva, de pouco jogo de cintura, com uma objetividade dura, sem verniz, descolada de todos os grupos de opinião mais influentes – poder Judiciário, universidades, outros veículos de mídia, partidos políticos. E, no entanto, tem "torcedores" cada vez mais influentes.

Cada vitória da Rede Record, por pequena que seja, provoca regozijo, torcida ardente em muitos e muitos segmentos sem nenhuma simpatia por Edir Macedo. A maioria absoluta desses "torcedores" teria calafrios na hora se pensasse na possibilidade da Record ser a líder absoluta de audiência. E, no entanto, torcem entusiasticamente pela Record.

O inacreditável é como a Record – que avança na religião, na mídia e no Congresso – conseguiu se tornar um mal menor que a Globo.

Essa a grande obra de Ali Kamel quando destruiu até a encenação do Jornal Nacional de se apresentar como objetivo e isento, construída a duras penas por Evandro Carlos de Andrade depois do desgaste com as "diretas". Hoje em dia, nos congressos de sociologia e ciências sociais do país pululam teses sobre a parcialidade do JN, sobre a bolinha de papel, sobre o terrorismo na crise de 2008, sobre o endosso a todas as barbaridades da Veja.

Foi brutal a falta de visão dos Marinho ao conferir a Kamel o papel de Ratzinger da Globo. Jamais entenderam – nem ele nem os herdeiros – que uma organização de mídia da dimensão alcançada pela Globo tem um papel institucional que não pode ser atropelado por aventuras políticas – como a de pretender derrubar governos.

O poder excessivo exige ponderação, cuidado, precisa pairar acima de paixões partidárias.

Dia desses recebi vídeos das minhas filhas mais velhas quando crianças – início dos anos 90. Quando a Bimba (cinegrafista da família) perguntava qual programa gostavam, a resposta era imediata: a Globo. Assim, na lata! Depois, especificavam a novela do momento.

Na memória dos políticos, havia um passivo grande da Globo, na maneira como combateu inicialmente as diretas, na campanha implacável contra Brizola, na loucura do caso Proconsult.

Mas o trabalho de Evandro, a discrição do Jornal Nacional (mesmo com Alberico, excetuando a edição do debate Collor-Lula) o tornaram o referencial jornalístico máximo do país. Ajudou a mostrar regiões desconhecidas, brasileiros anônimos. Não se fechava a primeira página de nenhum jornal sem, antes, assistir o Jornal Nacional. E houve um refluxo dos críticos porque o jornal tornou-se cuidadoso, sabendo dosar o imenso alcance que tinha.

Com Kamel todo esse trabalho de reconstrução foi para o vinagre. O JN tornou-se uma força descontrolada, em alguns momentos uma Veja com alcance mil vezes maior, causando desconforto não apenas em faixas influentes de telespectadores, mas nos seus próprios jornalistas, nos seus artistas, em muitos que são a cara pública da Globo.

A politização desenfreada liquidou com a imagem institucional da Globo. Deixou de pairar acima dos governos e das paixões partidários, conforme era o projeto Evandro, e tornou-se parte ativa do jogo político, querendo açambarcar um poder que não lhe pertencia, porque se valendo de concessões públicas. Deixou de ser a emissora dos brasileiros para se tornar representante de uma parte da opinião pública.

E tudo isso no momento em que – com as mudanças tecnológicas em curso – mais carecia de um leque amplo de alianças, seja para enfrentar a Record, as empresas de telefonia, os grandes grupos internacionais de mídia.

Hoje, parte relevante da opinião pública olha para o símbolo da Globo, e enxerga um vulto ameaçador. 

Sem votos

Recomendamos para você

88 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+88 comentários

“Princípios Editoriais”: Rede Globo estreia novo programa humorístico 

http://limpinhocheiroso.blogspot.com/2011/08/principios-editoriais-rede-globo.html

 

Eu quando vejo o símbolo da Globo, penso imediatamente no golpe de 64 e na edição do debate Lula/Collor, mas, nas poucas vezes que assisto: F1 e futebol, desprezo o áudio tamanha é a inabilidade e desconhecimento com que galvão e entourage demonstram sobre os temas acima. enfim a Globo caminha inexoravelmente para um segundo lugar.

 

Eta bicho ruim esse Kamel. A Globo eh um reduto que reune jornalistas responsaveis, inocentes e ingenuos com os nao tao ingenuos que necessitam do salario mensal e sao dessa forma obrigados a se calarem e permanecerem no emprgo. Kamel eh o nome de tudo que eh nefando na Globo.

 

Não demorou 24 horas para que Ali Kamel rasgasse os tais "principios editoriais" da Globo, a conferir neste texto do PHA:

 

“Princípios” da Globo
chegam ao fim

    Publicado em 10/08/2011

 


No Princípio, eram os Princípios

A Globo divulgou a sua Epístola aos Parvos com os Princípios que guiam seu jornalismo.

Isso foi no sábado.

No domingo, o Fantástico provou que o Nunca Dantes e a Presidenta provocariam um choque de duas aeronaves em pleno vôo, sobre território brasileiro.

Foi uma forma singela de saudar a nomeação de Celso Amorim.

Na segunda-feira, desde o “Bom (?) Dia Brasil” até o jornal nacional, a Globo tratou de destruir o mundo com a crise econômica.

No processo, se bem sucedida, destruiria o Brasil e a própria Globo.

(O jornal da globo não conta, porque, de todos os jornais do mundo, é o mais matutino.)

Os Princípios da Globo se afogaram irremediavelmente já nesta terça-feira, quando a chamada do jornal nacional decretou a prisão de Clarice Copete, que foi vice-presidente da Caixa para assuntos de tecnologia.

A Globo dentro de seus sacros Princípios, não quis saber da própria encarcerada se ela, de fato, num cárcere estava.

Não ligou nem para o emprego ou para a cozinheira para confirmar o encarceramento.

Afinal, Princípios são Princípios.

No jornal nacional, na maiora cara de pau, a Globo reconheceu a pequena falha do sistema.

Depois de provocar mal irremediável a vítima.

Esse Ali Kamel …


Paulo Henrique Amorim

http://www.conversaafiada.com.br/pig/2011/08/10/principios-da-globo-cheg...

 

Não entendo o entusiasmo do Nassif com o Alberico Souza Cruz, cuja história pouco edificante encontra-se narrada no importante livro de Mario Cesar Conti "Notícias do Planalto", onde,  de um modo geral, os personagens da mídia brasileira são retratados de forma realista e desfavorável.

 

Comentário de: Zé da Silva

 

Pessoalmente, desejo que Kamel (será que vem de camelo?) se foda. E do primeiro ao quinto, pois se não der na cabeça,  que seja nos prêmios menores. Meu voto é extensivo aos Marinhos.

 

O passado nega os tais "principios editoriais" que a Globo diz defender e praticar, segue link para ótimo texto onde se vê que tudo é blá blá blá e que, pelo contrário, pode ser um sinal de que a Globo está tramando uma contra o Brasil.

http://www.vermelho.org.br/editorial.php?id_editorial=954&id_secao=16

 

 

...spin

 

 

Nassif,

Acabei de ler este post, quando me veio a cabeça que a situação pela hegemonia da mídia no Brasil é muito similar aos recentes conflitos humanitários no mundo, especialmente o dos países árabes:

Uma rede de televisão secular capitalista liberal corrupta vs. uma rede de televisão fundamentalista.

No caso, a diferença para os países árabes é que lá o fundamentalismo é islâmico. Por aqui é cristão.

Como o fundamentalismo cristão tem mostrado a sua face agora também nos países ocidentais, como o último atentado terrorista da Noruega, podemos dizer também que se trata de um conflito similar aos conflitos ocidentais.

Ou seja, fazendo uma comparação bem grosseira, podemos dizer que torcer pela Record contra a Globo no Brasil é equivalente, em termos históricos, a apoiar o fascismo contra o capitalismo liberal.

Tudo por que? Por falta de uma opção de secular de esquerda, que foi massacrada no Brasil durante o século XX não conseguiu se recuperar até hoje.

Como diria Walter Benjamim, por trás de todo fascismo há uma revolução de esquerda fracassada.

 

PET - Programa de Erradicação dos Trolls. Não alimente os trolls no blog!

Nassif,

Os Marinhos, Os Civitas, Os Frias, Os Mesquitas sabem muito bem o que estão fazendo... nenhum deles são inocentes... são como escorpiões... essa é a natureza de todos eles, dono de mídia: influenciar, manipular, eleger e derrubar presidentes.

Eles sabem o que fazem sim senhor!

 

Acredito que a Record, sabe o que quer. Quer ser líder.

No começo fizeram uma TV híbrida: horários nobres - notíciários, filmes, desenhos e séries e porcaria "Subúrbio" Alerta; horários fracos: pregação da igreja. Não deu certo. Os programas religiosos da tarde se foram e os da noite, encurtado.

Mudaram de planejamento e saíram do quarto para a vice-liderança. Investiram em jornalismo e tem nos seus quadros, jornalistas demitidos de outras emissoras não por seus defeitos, mas por suas virtudes.

Na última eleição teve um papel imparcial na cobertura dos candidatos, diferente da Globo, daí porque na posse da presidente estava presente a cúpula da Record. E quem tem boa memória há de lembrar que a Globo filmava, ao vivo, os cumprimentos dos chefes estrangeiros a presidente, quando chegou a vez do Edir Macedo, a Globo encerrou a transmissão, voltando meia hora depois. Mas naquele gesto estava o reconhecimento, não só do apoio maciço que a emissora deu a campanha de Dilma. Na vespera da eleição do segundo turno, a sua Folha Universal fez uma campanha aberta, clara e direta a favor da presidente e ao outro candidato, críticas.

Como já dizia Nicolelis, ninguém é imparcial em política e ciência. Se a Globo optou por um caminho, a Record, optou por outro. Por princípios, quer sejam ideológicos, éticos,  filosóficos e qualquer outro, não sei ao certo, certo é que por co-beligerância (aliados até conseguir o objetivo) escolheram o lado esquerdo e mais progressista da sociedade.

 

O inimigo de meu inimigo é...

Talvez a ascenção da Record não venha a ser um mal maior que a Rede Globo.

Hoje se tem um alinhamento quase que automatico à Rede Globo das retransmissoras regionais. Há um claro propósito de suprimir as nuances locais de cultura,  comportamento e engajamento politico.

A Rede Globo, segundo sua visão e interesse, mostra o dia a dia carioca e paulista como se fossem o padrão de felicidade e realização  a ser seguido e mostra que os demais locais só não podem seguir este padrão por culpa do governo federal, que atualmente não é o preferido dela.

Considerando que estas retransmissoras locais sejam quase que totalmente propriedade de politicos influentes, em maioria da oposição atual, se vier o ocaso da Globo é bem provavel que haja uma mudança nos moldes de concessão que atualmente vigoram. Se é que existe alguma regra de fato e não troca de interesses.

A torcida realmente é que a Record derrote a Globo sem a ajuda assumida de outros atores interessados,mas  ainda com aquele resquício de "medo" de enfrentar a poderosa.

Caindo a Globo, todos contra a Record.

 

Claro que com a ajuda do que vier a restar da Globo.

 

A única coisa que os senhores de bom grado dão aos escravos é a esperança. (Albert Camus)

O maior problema é q as demais emissoras, Sbt, Bandeirantes, Gazeta, RedeTV sao fracas e nao percebemos nelas interesse de se fortalecerem,  principalmente o Jornalismo. Assim sendo vai ficar esta briga Record X Globo, infelizmente sao as piores.

 

 

          A Globo está perdendo com a opção politica.No entanto, não gostaria de vê a Record como absoluta.Todos perderão ,caso isso aconteça.

 

Talvez a Record não seja um mal menor do que a Globo, mas talvez, um mal que iremos nos preocupar com somente após a derrocada do mal mais antigo.

 

 

Na imprensa, não é suficiente qualidade técnica. Credibilidade e isenção  nas informações são fundamentais. Informações  tendenciosas, por mais sutis  e trabalhadas, sempre ficam expostas a olhos críticos.

 

Caro Luis Nassif, a questão de ordem a ser colocada é: um Estado Democrático de Direito pode sobreviver a um poder hiperconcentrado da mídia, especialmente a televisão, em mãos privadas que não se sentem nunca obrigadas a pautarem suas condutas segundo os interesses mais elevados da sociedade? A Globo dos Marinho é sucessora dos Diários Associados de Assis Chateaubriand, e agora, a tendência é a Record da IURD suceder a Globo. O modelo concentrado de mídia não muda, pois as pautas nunca são notícias, mas sim editoriais confundidos com notícias.O "fim" dos Diários não superou isso, bem como o "fim" da Globo também não vai superar. A grande qualidade da programação da Globo que você muito bem atesta, como a divulgação de outras regiões e culturas do país foi sempre usada pelo grupo para encobrir sua parcialidade nas coberturas políticas, e isso não foi diferente com os Diários, e com certeza não seria com a eventual possibilidade da Record tornar-se líder. Uma sociedade democrática implica na destruição do monopólio midiático, portanto a questão não é ser "contra a Globo", mas superar esse esquema deletério. O direito à informação e ao conhecimento não pode depender da "boa vontade" desses grupos hiperconcentrados de mídia. A contradição entre um Brasil que finalmente avança e o poder desses grupos de imenso poder político poderá ser muito dolorosa a longo e médio prazo, pois é quase uma lei física que toda contradição tem que se enfrentada, mais dia, menos dia.  

 

Amor bandido. Os Marinhos e o Kamel se merecem.

 

Tenho apenas uma dúvida: acho que Kamel é o alter ego dos patrões.

Não acho que ainda não caiu a ficha dos Marinho. Eles e Kamel pensam do mesmo jeito, por isto não acredito que alguma coisa mude por lá.

 

Muito verdadeiro este seu escrito.

Não consigo assistir esta rede bobo,acho isto mesmo,pena que não temos aqui no interior alternativas,pois no domingo é terrível,bom que como temos que acordar cedo dormimos mais cedo.

Sou do tempo em que,nas diretas da praça da Sé na juventude que a mim já passou gritávamos:FORA A REDE GLOBO O POVO NÃO É BOBO

Felicidades Nassif,sou seu FÃ a muito tempo.

 

 

A Globo nasceu com o DNA golpista,  seus interesses são exclusivamente para manter o poder e manipular. Nassif, sua análise é perfeita e diz o que muitos gostariam de ter escrito sobre esse mal midiático. Agora, quanto alguém dizer que é nojenta porque não jogou as coisas ruins do governo debaixo do tapete, o moço não leu e nem tão pouco chegou a ver a chamada (manchete) com a resposta da FAB. 

 

Mais uma da série "ainda não caiu a ficha". Acho que na verdade a ficha não caiu para aqueles que entendem que os probelmas da mídia são circustanciais ou decorrem fundamentalmente de excessos pessoais de um editor ou chefe de redação. A mídia brasileira sempre foi reacionária, preconceituosa, oligárquica e covarde. O problema é estrutural e enquanto esse frankestein estiver vivo a democracia brasileira estará permanentemente em risco.

 

Não acredito que os jornalistas das organizações globo se sintem mal. Eles recebem seus grandes salários que para a maioria das pessoas resumi quem tem sucesso ou não. Vendem suas consciências e seus talentos para o jornalismo por dinheiro. E a grande maioria da população que não tem como se informar melhor, acha que só porque alguma noticia saiu na rede globo ou em qualquer veiculo de informação das organizações globo, é verdadeira. O fantastico já foi o programa de maior audiência da TV, hoje é o que? Domingo anoite é um dos horarios que a população tem como ficar em frente à TV e ao inves de passarem materias importantes, a maior parte é lixo.

 

Nassif,

Embora concorde que há anos a qualidade dos jornais da Globo venha caindo em relação ao conteúdo, com direcionamento das notícias e dos próprios apresentadores, que fazem questão de fazer caras e bocas quando falam de assuntos e pessoas que não são do interesse político da emissora, acredito que a aversão que muitas pessoas têm pela emissora é resultado de outros programas ruins também.

Até hoje não entendo a aceitação passiva que os programas da Xuxa e seus assemelhados teve nos meios de comunicação e seus órgãos de controle. Era evidente a massificação do consumo junto às crianças, sem qualquer preocupação quanto aos efeitos nas famílias, escolas e outros.

As novelas, propagandeadas como motivadoras de discussões de grande apelo social, na verdade massificam situações extremas como se fossem a realidade de todo um país. Vemos casais gritando todo dia, tapas viraram rotina, sem falar de traições, golpes e outras apelações que justifiquem manter a audiência. Lembro de uma novela (acho que era "Barriga de Aluguel") em que a personagem queria ter um filho sozinha, endeusando-se o papel da mulher em detrimento da figura do pai, logo na sequência da gravidez solitária da Xuxa. O resultado da novela foram centenas de adolescentes e mulheres gerando crianças sem a participação do pai, incentivadas pela personagem sofredora que só queria ter um filhinho, como se criança fosse um bichinho de estimação. E, em nome da audiência, a Globo agora tem novela desde as 14 horas até o fim da noite.

Os programas de auditório, como Faustão e Ana Maria Braga, são exemplos de programas sem imaginação e desgastados pelo tempo. Bastou a Record criar um programa mais ágil e de boa qualidade para superar os programas da Globo nas manhãs. Nos domingos, até o programa Pânico na TV ameaça a audiência da Globo. E a emissora não apresenta novos programas por falta de criatividade, medo de inovar e sabe-se lá o que mais.

Poucas pessoas se lembram, mas a Globo sempre omitiu informações importantes que não fizessem parte de sua programação. Foi o que ocorreu com a seleção brasileira de vôlei, que venceu vários campeonatos mundiais e era simplesmente desprezada pela emissora. A Stock Car só apareceu na mídia depois que o filho do Galvão passou a correr na categoria, antes era simplesmente ignorada pela Globo. E não podemos esquecer dos negócios sujos que envolvem o futebol, tanto o que ocorreu este ano com o Clube dos 13 quanto às negociações paralelas com Ricardo Teixeira. Situações que uma justiça séria teria questionado em qualquer país sério.

Também não podemos tirar os méritos da Record. O jornal da emissora atualmente melhorou muito a qualidade das imagens e edição, e é o que apresenta notícias com diferentes opiniões e reportagens investigativas. 

Mas a briga mesmo vai se dar nas pontas. Enquanto a Globo usa a sua força de sua audiência e a infraestrutura das retransmissoras para conquistar novos municípios e aumentar seu público, a Record vai reforçar seu poder através da capilaridade da rede religiosa, investindo principalmente nos locais mias remotos do país.

 

Shhhhhhiu, Nassif... Para de alertar o enemigo. Deixa eles se "ferrá"...

 

Também acredito que é isso aí...

de repente é uma clandestinidade introspectiva sendo adorada como inteligência e capacidade.......................interessante terem escolhido uma inocente pra errar dessa vez,

pois como são muitos os erros, qualquer pedido de desculpa da casa vale um tostão furado.

Será que não sabem?

São com coisas assim que a gente vê claramente que alguém tenta acrescentar ao necessário, ao jornalismo puro e isento, algo impossível, enfim,

outrora seria, e foi, como querer derrubar um governo a força, hoje seria, e é,

apenas o desejo de manter uma expectativa..................coisas de frangotes de fralda, pra não dizer de velhacos e canalhas, como antigamente, pois estão destruindo uma grande empresa, até bem pouco tempo querida e muito bem vista pela maioria dos brasileiros.

 

A Globo é o circo das teorias sobre a dominação das massas.

Agora só falta lerem o seu código de ética.

A Globo é voluntária e a penetra brasileira no Bilderberg club.

Re: Amor de perdição: Globo e Kamel
 

LNassif: é lamentável que um jornalista como você, tido como avançado,    teime em proferir comparações, expressões, conceitos, etc,  improcedentes!  Querer comparar Ali Kamel ao   Cardeal Ratzinger - enquanto responsável pela Congregação da Doutrina da Fé e não como Papa,   é de uma infelicidade sem tamanho! Só o fato de êle ser responsável por tamanha Congregação dava-lhe um status muitíssimo acima da média! Êle, o Cardeal, era da mais absoluta confiança do Papa   João Paulo II ! Você, assumidamente,  não entende nada de religião,   e suas opiniões nêsse campo são absolutamente copiadas de outras pessoas! Admita isso, por favor -até ficaria muito bem em você!  Más não ofenda o grande Téologo Cardeal Ratzinger com Ali Kamel -é demais! O Cardeal enquadrou -no

sentido teológico, todos os teólogos e religiosos voltados à Teleogia da Libertação, de tendência

comunista, razão pela qual ele atraiu tantos inimigos, também aos quais tem derrotado sistemà-

ticamente!  Como sou leitor assíduo de seu blog, solicito sua comprrensão para a minha opinião!

 

 

 

José Carlos, ocorre que no fundamental os dois tem algo em comum: ambos são fascistas e é  isso  que  torna a comparação correta.

 

Tem razão. O cardeal não merecia.

 

Nassif, acho que a comparação deveria ser com o ¨Bispo de Guarulhos¨, 

 

Desde que me conheço por gente acho Goeblles é essa mesma m...

Ou será que eu é quem não prestava atenção nas maravilhas do jornalismo que ela produzia  ?

 

 

tem que ser a destruição da GLOBO sim, Claudio Rodrigues, se temos uma rede de TV muito mais confiável, que leva os valores cristãos, porquê vamos dar espaço para a GLOBO??? Esse domínio já durou demais, depois do fim de 500 anos dessa elite podre de SAMPA mandando no BRASIL, agora eh a vez de cair também o contrôle que a REDE GLOBO tem

aqui em casa já dei a ordem, ninguém mais assiste a GLOBO faz tempo, afinal a RECORD oferece tudo o que a GLOBO oferece, as novelas são de encher os olhos, os jornalisticos carregam a verdade, e tudo isso ainda com os VALORES CRISTÃOS QUE SAO TAO IMPORTANTES NA NOSSA VIDA!!!!!!!!!

 

Concordo com quase tudo que vc disse Nassif.

Mas a Globo, eu nunca conseguí engoli.

O Emir Sader no Carta Maior fez um post perguntando: Onde vc estava no golpe?

Eu sei onde eu estava em 64 com os meus 13 anos.

Seguramente do lado do Jango.

Mas como?

Com apenas 13 anos, o que eu poderia entender de política!

Não sei como, mas estava com Jango.

E acho que não estava errado. Porque se Jango tivesse vingado, com certeza nós não teríamos  as Organizações Globo.

Quando a Record foi comprada pela IURD, fiquei com a pulga atrás da orelha. E quando ela começou a crescer, é que nem aquela estória de vc torcer pelo mais fraco para vencer o gigante. Isso é comum no futebol, no boxe ou qualquer outro esporte, quando nós não temos uma preferência.

Eu também me sinto assim, só pelo prazer de ver a derrocada da Globo, por tudo que ela sempre representou de mal para o país.

Você fez um histórico do padrão Globo de Jornalismo com os seus chefes à frente.

Posso estar errado, idependente de quem esteve no comando do jornalismo da Globo ao longo da sua existência, sempre houve maldade lá dentro quem ousasse desafiá-la.

Não sei quais foram os motivos, mas lá atrás o JN acabou com o ex-ministro da Justiça Ibrahim Abi Ackel com aquela história em quadrinhos, passado no JN, dias após dias de que os ex-ministro era contrabandista de diamantes. Lembra-se disso?

Outro caso. A do ex-ministro da Saúde Alceni Guerra com aquela esdruxula estória da compra das bicicletas pelo ministério. Acabaram com a carreira política do ministro.

Para evitar, e para que nós torçamos para o menos ruim, é preciso que haja democratização dos meios de comunicação.

Felizmente por ora, a internete e o seu espaço preenche a minha necessidade e a de muitos internautas.

 

1. Do jeito que você escreveu, prezado Nassif, até parece que o Kamel tinha autonomia e destrambelhou, que fez o que fez à revelia dos Marinhos. Coisa nenhuma, meu caro. Kamel foi sempre um pau-mandado. Os Marinhos sabiam muito bem o que queriam: derrubar o governo Lula.

2. Não me alinho com os que torcem pela Record. Entre ela e a Globo, simples assim: é sair da panela para cair no fogo.

Paulo Roberto Cequinel

The Unchained Ornitorrinco Corporation

prcequinel.blogspot.com

 

A torcida contra a globo vem mais das atitudes monopolísticas dela do que dos Kamel da vida.

1)controle sobre o futebol e outros esportes.

2)até há um tempo atrás, controle sobre os artistas de novela. Se davam ao luxo de empregarem artistas e deixarem na geladeira só para que não fossem para as concorrentes.

3) monopólio de retransmissoras locais. Agora, com satélites, perderam a efetividade. Mas ainda fazem lobby para limitar o acesso aos novos canais que a TV digital disponibiliza.

4) Há um tempo atrás, a globo fez campanha para ser autorizada a fazer registro de DNS na internet. Pra quê?

No final, é até bom ter uns caras bem sem noção lá. É bom ver outras mídias seguindo a líder. Quanto mais fora da realidade, mais a população vai atrás de outras mídias.

Mas o chato é que é cada vez mais dificil se comprar um televisor e assistir "de grátis" um programa razoável. Hoje já se compra celular que pega TV por menos de 100 reais. Mas pra ver o que? Jornais ruins, violência grátis travestida de jornalismo, proselitismo religioso? E o entretenimento, onde que fica?

 

Esse amor de perdição em a Globo e o Kamel não acabará tão cedo. Suponho que a família acompanhe atentamente os trabalhos da emissora. Sendo assim, Kamel tem as costas quentes nesse romance. O problema está concentrado no DNA da família. Roberto Marinho apoiou incondicionalmente a ditadura militar. Sua prole, portanto, possui o mesmo DNA. São direitistas natos.

 

O problema está concentrado no DNA da família. Roberto Marinho apoiou incondicionalmente a ditadura militar. Sua prole, portanto, possui o mesmo DNA. São direitistas natos.

Olá Cafezá, tudo bom. Dá até desânimo em saber que isso é verdade.  Claro que não se trata de uma tarefa fácil lutar contra o poder imperial dos 3 Robertos. Por outro lado, como cidadãos e pelo fato de a Globo ser concessionária de serviço público, temos que lutar por nossos direitos. E isso tem sido feito, entidades dos movimentos sociais estão atentos para o problema, as pessoas já identificam a Globo como não confiável. Tenho visto pessoas nas ruas dizendo que acreditam no que sai no jornalismo da Record,  pelo menos os jornalistas desta emissora publicam as notícias sem um filtro prévio. Só lamento que a melhor opção depois da Globo seja a TV do Bispo. Abraço,

 

 

...spin

 

 

A Rede Globo é um câncer que precisa ser extirpado da sociedade brasileira.

 

ABAIXO A DITADURA

 

Na primeira manhã do primeiro dia...

Que saudades... Pena que ele não está presenciando esta derrocada da rede do "jornalista"...

 

Ñão tenho a menor dúvida que, se vivo, Roberto Marinho teria tentando derrubar Lula do mesmo modo que seus filhos fizeram ao "subscrever a ficha do PIG"; todavia, jamais continuaria uma luta extenuante com claros sinais de desgaste irrecuperável. Já seus filhos, tecnocratas que são, imitam o modus operandum da ANJ que nada mais é do que a repetição ad nausea do Tea Party, descolados da realidade nacional como todos os despeitados com os novos tempos. Ali Kamel? É só um pistoleiro convertido ao vale-tudo do neoliberalismo tardio brazurca. Não tem essa coisa de Ali Kamel agir por conta própria.

 

Muito antes do Ali Kamel, a Globo já era golpista. Aliás, a Rêde Globo é a potência que é, graças ao apoio, incondicional, que deu ao golpe militar de 1964 e aos 21 anos de governos ditatoriais.  Esta empresa guarda muitos esqueletos no armário, e não só de maneira figurada. Quem contou muito bem a história da Globo foi a BBC com o documentário Cidadão  Kane. 

 

Documentário na íntegra pra quem quiser conhecer um pouco das desgraças que esse câncer chamado globo já fez ao brasil:

http://www.youtube.com/watch?v=6uLkX662iEM

 

Hilário a Globo vir a público com uma carta de princípio e manter Ali Kamel, continuar a dobradinha com a Veja...

 

 

Prezado Nassif,

Excelente reflexão. O objetivo não é a destruição da Globo. O propósito é incitá-la à reflexão de modo a que reoriente-se para o seu verdadeiro papel institucional: fonte confiável de informação ampla e multipolítica bem como referência de análise crítica, impessoal e apartidária. De fato, o poder político, transitório em uma Democracia, não pode ser ambição de uma concessão pública.

Ademais, o poder real, que advém do fornecimento diário da informação consistente, que forja a confiança em seus consumidores e os fideliza, indiferente a opção político partidária, é muito maior do que o poder político. Não é o que ocorre na Rede Globo nos dias atuais.

Não há nenhum programa informativo nesta emissora, seja na rede aberta, seja no canal privado, que se paute por estes valores recém divulgados. Analistas, repórteres e apresentadores, portam-se de maneira cínica e arrogante, distorcendo a realidade, acentuando irrelevâncias, falseando nuançes, conduzindo o debate, intimidando as vozes dos poucos convidados dissonantes em qualquer dos noticiosos, políticos ou econômico. Nada que seja reproduzido pela Rede Globo, que se possa conotar como informativo, é confiável e quem orientar o seu pensamento pelo que é exposto por seus repórteres, jornalistas, comentadores e analistas econômicos ou políticos, está perdido quanto às escolha que vier a fazer com base nestas informações, porque as fará errado ou contra os seus interesses, arrependendo-se lá na frente ou então estará completamente desinformado. Viverá uma realidade virtual. E isto se espalhou até mesmo nos programas esportivos ou de cotidiano. Sempre uma falseta, um viés ideológico, um cinismo ou um comportamento arrogante.   

Como bem acentuastes, há uma forte miopia no que deveriam ser os objetivos de uma concessão voltada para a produção cultural e informativa, tanto por parte dos administradores, que detém o controle da concessão, quanto por parte dos formuladores da programação, em especial o jornalismo político e econômico que, inevitavelmente, arrostará a Rede Globo à inviabilidade para aquilo que ela se aproposita o que, lamentavelmente, no fundo, apesar dos regozijos, será um prejuízo para a sociedade brasileira dadas a sua enorme potencialidade diante das possibilidades que se lhe apresentavam, o que também, com muita propriedade, nomeastes  

 

 

"Nada que seja reproduzido pela Rede Globo, que se possa conotar como informativo, é confiável e quem orientar o seu pensamento pelo que é exposto por seus repórteres, jornalistas, comentadores e analistas econômicos ou políticos, está perdido quanto às escolha que vier a fazer com base nestas informações, porque as fará errado ou contra os seus interesses, arrependendo-se lá na frente ou então estará completamente desinformado. Viverá uma realidade virtual. E isto se espalhou até mesmo nos programas esportivos ou de cotidiano. Sempre uma falseta, um viés ideológico, um cinismo ou um comportamento arrogante. "

Concordo plenamente, a Globo distorce e manipula até comentário esportivo. Basta ver o tratamento dado aos amigos e aos enemigos: Dunga x Zagallo / Senna x Piquet / São Paulo FC x Corinthians, Ricardo Teixeira, Nuzman e por ai vai.

Uma TV que não noticia ou ignora um evento mundial ou importante porque ela não conseguiu os direitos de transmissão do mesmo.

Uma TV que só começa  atransmitir os eventos a partir do momento em que a sua audiência cresce (ou ada concorrência): ex futebol femenino, campeonatos sub-20 ou até Libertadores.

Sem falar na imposição de gostos esportivos ao populacho, como os mediocres Futebol de areia, voleibol de praia, vale-tuso, showbol e o próprio volei que se tornou por manipulação. interesse comercial e imposição da mesma no 2º esporte no País.

 

É inacreditável que uma emissora que possui William Waak em seus quadros opte por Ali Kamel.

O jornalismo da Record tem feito um contraponto muito bom. A Record, no entanto, tem limitações claras. Imaginá-la com o poder e a audiência da Globo é assustador. O que precisamos, acima de tudo, é de opções. Diversidade. 

O jornalismo público poderia cumprir esse papel, mas infelizmente não aceita (nem é incentivado a aceitar) a briga pela audiência. O programa dá traço no Ibope, e todo mundo acha que está maravilhoso. É tudo que a Globo e a Record pediram a Deus. 

Tem que brigar por audiência, sim. Tem que ter visão de mercado, fazer pesquisa de opinião, campanha publicitária e tudo mais. Sem abrir mão da qualidade, mas sem tirar o olho do espectador. Duvido que essas coisas sejam sequer debatidas lá dentro. 

 

Eu optei pelo jornalismo público. Vejo a TV Brasil e o Jornal da Cultura na TV Cultura. Acho os jornalismos de ambos (ao menos, neste momento) relativamente isentos e bem feitos. Concordo com a avaliação do William Waack, acho um cara extremamente preparado. Pode-se não concordar com ele, mas não acredito em má-fé do cara (aliás, quando ele era correspondente da Globo em NY, vi ele dar uma dura histórica no Mainardi e com muita classe. Mas disse que ele "não compreendia" determinada situação"). Acho o JN irrelevante hoje. Simplesmente perdi a vontade de assistir (assim como o Bom Dia Brasil). Acho o jornalismo da Record horrível, com as exceções de praxe (as reportagens do Azenha, por exemplo). E gosto muito do Canellas e do Barcelos na Globo (e de um outro rapaz que faz reportagens-denúncia no Fantástico cujo nome me foge), acho a parte internacional da Globo News excelente e, ao menos para mim, o Globo Rural chega perto da perfeição naquilo que persegue. A única coisa que hoje é ilegível são os jornais. Todos absolutamente desinteressantes, com alguns cadernos semanais muito bons (Paladar e Link no Estadão, Prosa e Verso do Globo). Migrei para a Internet.

 

O depoimento mais equilibrado que li sem "paixões".

 

Caro Jotavê,

Por trás daquela carinha cheia de carisma do Bonner existe uma figura tão ou mais sinistra do que Ali Kamel. Ele só não está nos bastidores comandando a manipulação porque a Globo justamente se utiliza deste seu imã carismático...

Agora, de forma geral discordo de muitas pessoas que defendem os funcionários da Globo alegando que os mesmos se sujeitam as safadezas da mesma por necessitarem do trabalho. Na realidade a maioria delas comparte os mesmos ideais (subir na carreira e socialmente como objetivo único), caráter e afinidade ideológica. Quanto ao restante, a minoria, bom, esses são um bando de alienados padrão novela das seis / malhação que nem tem idéia ou conhecimento tem do que se passa nos bastidores da Empresa ou do País, são os chamados "Mamãe, tô na Globo" ou "Galvão, filma nois ai!"

 

Concordo com a maior parte. Só não concordo com as novelas, as da 6 e a malhação atualmente são das melhores da globo...