newsletter

As fotos de Hiroshima

Encontraram mais 700 fotos (que ninguém tinha visto) sobre Hiroshima,Nassif:

http://observatory.designobserver.com/feature/hiroshima-the-lost-photogr...

Adam Harrison Levy

Hiroshima: The Lost Photographs

 


Hiroshima: The United States Strategic Bombing Survey Archive, 1945, International Center of Photography, purchased with funds provided by the ICP Acquisitions Committee, 2006

Partly as a result of the following essay, which was originally posted on Design Observer in 2008, the International Center for Photography in New York is exhibiting a selection of these photographs. The exhibition, Hiroshima: Ground Zero 1945 runs from May 20-August 38, 2011. A catalogue, which contains an extended version of this essay, is also available. A video trailer for the exhibition is here:

One rainy night eight years ago, in Watertown, Massachusetts, a man was taking his dog for a walk. On the curb, in front of a neighbor’s house, he spotted a pile of trash: old mattresses, cardboard boxes, a few broken lamps. Amidst the garbage he caught sight of a battered suitcase. He bent down, turned the case on its side and popped the clasps.

He was surprised to discover that the suitcase was full of black-and-white photographs. He was even more astonished by their subject matter: devastated buildings, twisted girders, broken bridges — snapshots from an annihilated city. He quickly closed the case and made his way back home.

At the kitchen table, he looked through the photographs again and confirmed what he had suspected. He was looking at something he had never seen before: the effects of the first use of the Atomic bomb. The man was looking at Hiroshima.

In a dispassionate and scientific style, the seven hundred and one photographs inside the suitcase catalogued a city seared by a new form of warfare. The origin and purpose of the photographs were a mystery to the man who found them that night. Now, over sixty years after the bombing of Hiroshima, their story can be told.

PLAY SLIDESHOW Play
On August 6, 1945 at 8:15am, a silver B-29 airplane called the Enola Gay (named after the pilot Paul Tibbets’ mother) dropped a uranium bomb. Although exact numbers have never been agreed upon, one hundred and ten thousand civilians and twenty thousand military personnel are said to have died in Hiroshima, many of them instantly vaporized in the heat of the blast or burnt to death by the fireball which immediately swept through the city. Thousands more would die in the following months and years as a result of sickness caused by radiation.

Thirty-one days after the blast, a team of U.S. scientists flew over the city. “There was just one enormous, flat, rust-red scar, and no green or grey” Philip Morrison told The New Yorker in 1946, “because there were no roofs or vegetation left. I was pretty sure then that nothing I was going to see later would give me as much of a jolt.”

The world has very few photographs of what gave Morrison that unforgettable jolt. This is no accident. On September 18, 1945, just over a month after Japan had surrendered, the U.S. Government imposed a strict code of censorship on the newly defeated nation. It read, in part: “nothing shall be printed which might, directly or by inference, disturb public tranquility.”


Hiroshima, photographer unknown, 1945, courtesy International Center of Photography

The U.S. government was ostensibly wary of the emotions of grief and anger that could be unleashed in Japan as a result of the circulation of images of the destroyed city; it was probably just as concerned to keep the physical effects of its new and terrible weapon a secret. But this suppression of visual evidence served a third purpose: it helped, both in Japan and back home in America, to inhibit any questioning of the decision to use the bomb in the first place.

Since the invention of the camera in 1839, photography has marched in lockstep with death, especially death experienced in war. Starting with Alexander Gardener’s and Matthew Brady’s images of the American dead at Gettysburg, through Robert Capa’s visceral images of the Spanish Civil War (made more immediate as a result of the camera having been freed from the restraints of the tripod), images of death and destruction have served to document war’s brutality.

World War Two witnessed the maturation of the newly mobile photographic technology and its ability to capture images of devastation. Think of Dresden after it was firebombed or London during the Blitz or the concentration camps of Bergen Belsen and Auschwitz after their liberation and a series of distinctive images flash in memory: powerful and haunting pictures of war’s destructive impact.

But think of Hiroshima and what comes to mind is the mushroom cloud. Awesome in its way, with its bulbous head and towering stem, it is nonetheless an abstract image freed from human agency.

The lack of visual evidence of the atom bomb’s effect has helped us to forget its devastating impact. To see is to remember. Up until now, there have been few publicly available images of what happened on the ground when the first atomic bomb exploded. As a result, Hiroshima has become, as the novelist Mary McCarthy wrote in 1946, “a kind of hole in human history.”

These images go some way towards filling in this hole in our historical memory. Taken during the weeks following the bombing, they show a landscape that is eerily vacant and quiet, like ruins from a vanished civilization. But why were they taken and by whom? And how is it that they ended up in a pile of garbage?

The man who found the photographs, Don Levy (no relation) lives and works in Watertown, a working-class suburb of Boston. Levy owns and operates the Deluxe Town Diner. It’s almost two o’clock in the afternoon and the lunch crowd is thinning out. He sits down for the first time that day and tucks into a Reuben sandwich, fries and a glass of water. He is wearing brown corduroy trousers, a dark blue pullover and horn rimmed glasses. His grey hair is cut short, with a fashionable tuft sticking straight up on top.

“When I opened the suitcase that night I knew what I was looking at almost right away,” he says softly. “Some of the prints had 'Hiro', short for Hiroshima, written on their edges.” He takes a bite of the sandwich. “I felt pleased to have found them but at the same time I was saddened by what I was looking at.”


Hiroshima, photographer unknown, 1945, courtesy International Center of Photography

Daryl, Don’s second wife and his business partner, sits down with us. “The thing that affects me most about the photographs is what isn’t there. The absences, like the photograph of the chalk marks of the feet on the bridge. People know what we did at Hiroshima,” she says pensively, “but we just don’t want to think about it.”

Levy is a connoisseur of found objects (he’s a collector of vintage metal toys, commercial packaging and fabric sample books, among other things). Finding the photographs was the peak of his trash diving career. But the problem is that he didn’t know what to do with them. They were in terrible shape — some were stuck together, others had been hole-punched and stuffed into binders. One of his customers is an antiques dealer; she recommended putting them in archival sleeves. He did so and then he put them in storage while he concentrated on the more pressing demands of his business ventures and the necessities of putting his six children through school.

Years later, while talking to a customer, he mentioned the photographs. She suggested a gallery in New York. Levy contacted Andrew Roth and an exhibition of the photographs was mounted at Roth Horowitz in 2003. Although it received some critical notice, the show was virtually ignored by the public.

Levy finishes his sandwich and we decide to take a drive past the house where he found the photographs all those years ago. Strangely, he has never tried to discover who lived in the house or how the photographs ended up there.

We turn down a leafy, quiet street, full of wooden framed houses. We slow down to pass a house that sits up on a small rise. The robin-egg blue paint is peeling, the porch is sagging and the bushes haven’t been trimmed. “I found the photos right there,” he says, pointing discreetly to an ordinary cul-de-sac at the side of the house.

Next, we visit the local Town Hall where we look up the names of all the residents who lived in the house, starting when it was last sold in 2000 and going back to the 1950s.

With the list in hand, we return to the diner. We thread our way through the bustling kitchen and descend some rickety steps to the cluttered basement room that serves as his office. In front of his computer, we Google the names. We quickly come up with a local phone number for the man who sold the house in 2000, just around the time that the photographs were found.

The voice on the other end of the line shakes with shock. “The photographs? Of Hiroshima? You have them? I thought they were in my basement! How do you get them?”

After an explanation, the voice is still quaking with disbelief. “This is wild! I must have thrown them out by accident when I was moving stuff out. I never would have purposefully gotten rid of those photographs. I’ve been carrying them around with me since 1972!”

The voice eventually calms down. “Look. I think there might even be more of them. I’m sure of it. I’ll call you back in ten minutes.”

A few minutes later the phone rings. “Yes, there are more. I’ll come by the diner in an hour and show them to you.”

Six hours later an athletic man in his early 50s, with a salt and pepper goatee, enters the diner carrying two large pieces of cardboard. The pieces of cardboard are taped together with black electrical tape. Marc Levitt pulls at the tape and spreads open the pieces of cardboard. A musty smell of mold and damp drifts up from thirty 20x10 black and white prints, some of which are marked “Top Secret” and “Restricted.” They are aerial reconnaissance photos, clearly labeled Hiroshima, taken of the city before it was bombed.

A customer walks by the booth. He stops and does a double take. “Hey, guys whaddya got there?” We explain. “Wow! The original Ground Zero,” he says and walks on.

Levitt can’t get over the fact that Levy rescued the photographs, that they no longer belong to him. He had bought the house in 1983, lived in it for a number of years with his wife, and then rented it out. In 2000 he sold. Either he left the suitcase in the basement and the new owners had thrown it out, or he had inadvertently put it out on the street while he was clearing out his effects.

“I got the photos off a friend in the early 1970s, when I was living near New York,” says Levitt. “We had just graduated from college, and my friend was working as a house painter. I think he found them when he was working on a job. I don’t really remember. Anyway they were lying around. I was haunted by them, kept looking at them. Something about them overwhelmed me.”

He pauses. “This is hard for me to talk about.”

Does he want a cup of coffee, a slice of pie? He declines with a wave of his hand, scratches his head, tries again.

“We see death and disaster all over TV but these photographs are different, maybe because they are physical objects. They don’t represent the horror, exactly, because there are no bodies. They’re clinical. But the power of them is really intense. Why is that? I think it’s because I can’t help but place myself behind the lens. What was that guy feeling when he took the photos? He was clicking and whirling, clicking and whirling. These photographs seem real, connected to the event. They have a power in them. I never would have thrown away that suitcase on purpose.”

He sweeps the aerial photos back up into their cardboard housing. As he heads for the door, Levitt promises to try reaching his friend, with whom he hasn’t been in contact for over twenty-five years, to see if he can learn anything more.


Hiroshima, photographer unknown, 1945, courtesy International Center of Photography

Japan surrendered to the Allies on August 14, 1945. The next day, Emperor Hirohito, in a dramatic break with tradition, took to the radio for the first time to announce defeat. Speaking in formalized phrases, he urged his subjects to “endure the unendurable and bear the unbearable.” The enemy had “for the first time used cruel bombs to kill and maim…and the heavy casualties are beyond measure.”

On the same day, President Truman commissioned the United States Strategic Bombing Survey for the Pacific Theatre of War, whose mission was, in part, to quantify that which Hirohito believed was immeasurable. Their goal was to “measure as precisely as possible the exact effects of the two bombs — in other words, to put calipers on the problem so that people back home would have a factual frame of reference within which to draw conclusions about the bomb’s capacities as well as its limitations,” as Paul Nitze, the Vice Chairman and the de facto author of the Survey, would later recall.

As part of the over-all report, a special team called the Physical Damage Division was assembled. Drawn from the ranks of the Army, Navy and civilian population it was made up of one hundred and fifty men, including engineers, ordnance experts, interpreters, photographers and draftsmen. According to the U.S. War Department’s own history, now declassified, this division had “the most important and certainly the most spectacular task” of the Survey.

During late October and through November 1945, the members of the Physical Damage Division were billeted on board a converted battleship destroyer named the Sims, which floated off the coast of Japan. Every morning they would clamber aboard landing craft, sail to the mainland and then drive forty miles to Hiroshima, where they had set up headquarters on the second floor of a partially destroyed bank. They would then fan out across the city, working at their task of tracing blast paths, calibrating bomb damage and analyzing the physical destruction of the city.

It could be grim going. As late as November, members of the team still stumbled across human skeletons that not yet been cremated. “The cities of Japan in those dark autumn days were a manifestation of unspeakable gloom,” remembered John Kenneth Galbraith, who was a member of the economic section of the U.S. Bombing Survey. “…only ashes and gaunt, free standing chimneys.”

By examining these remaining physical traces — the chimneys, walls and re-enforced concrete structures that survived — the Physical Damage Division hoped to explain the blast’s effect: how metal and concrete and wood reacted to the intense pressure and heat of the atomic bomb. They noted the manner in which the awesome downward thrust “dished” roofs and how the blast wave distorted and twisted entire structures.

In order to document their findings, members of the team took photographs. These are the photographs that, via their circuitous route, ended up in the trash on a street in Massachusetts and some of which are published here. A few of these images were included in a special sub section of the Survey, called The Effects of the Atomic Bombs on Hiroshima and Nagasaki, which was published by the U.S. Government in a limited edition in 1946.

These photographs are significant not only for their visual message but also for their very existence as a group, for their cohesive documentation of an event of which we have few other still images.

Although the images taken by the Physical Damage Division don’t depict the human suffering of the atomic bomb they do provide a vital function. They say: this is what we, mankind, are capable of unleashing upon each other. Like ruins, they refer back into time (this is what we have done, are capable of doing) while simultaneously warning of a future we have not yet encountered (they give substance to our terror of the use of another nuclear weapon).

They are a contribution to what Robert Jay Lifton has called the “imagery of extinction,” images that keep alive in our imagination the consequences of another mass holocaust and, in so doing help, however tenuously, to keep us alive as well.

A week after meeting Levitt at the Deluxe Town Diner in Watertown, he is back on the phone. “I spoke with my friend last night,” he says breathlessly. “He remembered working on a house painting job where there had been a fire and the family was getting rid of stuff. He spotted a wooden box with Japanese writing on it. And he remembered bringing the box home, to the house we were sharing at the time. Inside the box were the photographs. He still has the box and I guess I got the photographs.”

Another week passes and an email arrives with jpgs of a wooden box. Levitt’s friend, Harlan Miller, has photographed it sitting on his kitchen table: the box is sturdy looking, more like a small trunk, with a heavy metal clasp and two rows of Japanese writing on it. On the front of the box, spelled out clearly, is the name Lt. Robert L. Corsbie. A check of through the War Department’s written history reveals that Corsbie was a Navy officer and a member of Physical Damage Division. He was stationed on board the Sims and was in Hiroshima from early October through the end of November.


Box in which the photographs were found

That a digital photograph of wooden box sitting on a kitchen table — looking for all the world like just another banal image on eBay — should be the proof that establishes these photographs with the work of the Strategic Bombing Survey seems oddly appropriate. It’s tempting to see the fate of these photographs as something close to metaphor. Twice abandoned, twice rescued; the photographs, like Hiroshima itself, is a subject we would prefer to discard but can’t. As one of the concluding acts of the last “good war” the atomic bombing of Hiroshima initiated a more morally ambiguous era, one of increased uncertainty and fear. With the looming threat of the use of another nuclear bomb in our collective future, it’s a landscape through which we are still wandering.

Adam Levy is a filmmaker and writer. He recently produced "Selling the Sixties," a BBC documentary about consumerism, advertising and culture of the early 1960s.

This is a longer version of an article that first appeared in the Guardian Weekend Magazine on July 16, 2005. All images used with kind permission from the International Center of Photography: "Hiroshima: The United States Strategic Bombing Survey Archive, International Center of Photography, Purchase, with funds provided by the ICP Acquisitions Committee, 2006."

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+21 comentários

 

...De acordo com estudos realizados nos escombros das cidades, praticamente todas as pessoas que estavam até 1 km do centro da explosão foram mortas instantaneamente (86%).

As bombas explodiram nos centros das cidades e pulverizaram escolas, escritórios, prisões, lares, igrejas e hospitais. No centro do ataque, tudo virou pó, não havia cadáveres. Mais longe do ponto zero havia corpos espalhados por toda parte, inclusive de bebês e crianças.

De acordo com Peter Scowen, “Yosuke Yamahata foi enviado pelo exército japonês para fotografar Nagasaki no dia seguinte ao bombardeio. Suas fotos mostram uma cidade completamente aplainada, homogeneamente alisada. (…) Ele tirou fotos de uma mãe morrendo de envenenamento radioativo e amamentando seu bebê, também à morte; fotos de fileiras de cadáveres, pais tentando, inutilmente, cuidar das queimaduras no corpinho de seus filhos. Yamahata morreu de câncer em 1966, com 48 anos”.

As vítimas da radiação apresentam febre e hemorragias arroxeadas na pele, depois surge a gangrena e o cabelo cai. Esta morte dolorosa, tão parecida com o envenenamento por gás mostarda na tortura lenta que provoca, não era coisa na qual os estadunidenses desejariam que o público se concentrasse após o lançamento das bombas, afinal, os Estados Unidos da América haviam assinado tratados em 1889 e 1907 que baniam o uso de “armas envenenadas” na guerra.

Pior que isso, os Estados Unidos haviam concordado com uma resolução de 1938 da Liga das Nações que tornava ilegal o bombardeio intencional a civis. Ou seja, com os ataques de Hiroshima e Nagasaki, os Estados Unidos simplesmente ignorou todos os tratados que haviam assinado até então.

 http://hid0141.blogspot.com/2008/11/hiroshima-o-maior-crime-de-guerra-do.html

Quanto de crédito existe em um acordo com os ianques??? Pergunto aos Palestinos? Vou em Guantánamo? Onde eu acho esta resposta??

 

 

Nassif, isso é que eu chamo de reescrever a história...

Em 1986, um filme feito para a TV nos EUA - "Day One", passado aqui como "Os Senhores do Holocausto" - causou certa comoção: no final, durante as filmagens originais feitas pelas Forças Armadas norte-americanas, o comandante do Enola Gay, ao soltar a bomba e constatar seu alto poder destrutivo (quase ninguém sabia como a bomba explodiria, basta ver o filme) diz, em voz alta: "Deus, o que nós fizemos?". Dois anos depois, a BBC faz um documentário ("HIroshima") com a parte filmada original, mas sem o áudio e uma declaração do piloto que ele não sentia remorsos, que todo mundo na época odiava os japoneses, etc. Mas no próprio documentário revela-se, na sequência, que as fotos das vítimas foram censuradas nos EUA, pois causariam comoção. Estas fotos daí, acima, são fichinha comparadas a esta sequência, que uma simples busca na web vai revelar. Abs.

 

Paz e bem!

 

A foto do bombardeio nuclear contra Hiroshima que mais me impressionou até hoje é dos restos de um ser humano, dele restou o que não resta de ninguém:

Restou sua sombra !!!

Vi esta foto sei que tinha centenas, milhares de sombras por toda a cidade.

 

Ironia ! As fotos exibidas   da  destruição de  Hiroshima,lembram   os  efeitos  dos  tornados  que   assolam  os EUA,com  alguma recorrência.Comparem  com a paisagem  remanescente  de Joplin,no Missouri. Quem terá,finalmente,  puxado a cordinha,americana?

 

rique

As fotos são, sem sombra de dúvidas, um registro histórico e um trabalho profissional respeitável, mas...

"Eu não tenho filhos. Sou uma das poucas pessoas afortunadas que conseguiu sobreviver, mas com lamentáveis sequelas. Vivo com mais de 12 tipos de câncer na pele e cinco dentro do meu corpo, que venci por um milagre", explicou Kodama, ao ressaltar que seu corpo recebeu 4,6 unidades de radiação após a explosão da bomba.

 

HOLOCAUSTO (do grego holókauston, pelo latim holocaustu). Entre os antigos hebreus e outros povos: "sacrifício em que se queimava a vítima". 

Cito um exemplo: 

No dia 6 de Agosto de 1945, às 08:15 horas, um B-29 da força aérea americana, lançou a primeira bomba atômica sobre Hiroshima. Um cogumelo de fumo e fogo elevou-se no ar matando, em pouco mais de meio minuto, 80 mil pessoas, ferindo mais de 75 mil e transformando a cidade num inferno de corpos, pedras e ferros derretidos.No dia 9 de Agosto de 1945, às 11:02 horas, a cidade de Nagasaki foi varrida do mapa por uma bomba de plutônio, detonada a 503 metros acima da cidade (74.000 mortos foi o resultado imediato da explosão e, dos "vinte mil graus centígrados" desenvolvidos pela bomba). Os 40.000 feridos imediatos iriam aumentar o número de vítimas mortais, com o decorrer dos anos, devido à exposição às radiações e às queimaduras portadoras, mais tarde, de leucemia e cancro linfático. 

Ainda existem vivos(??) 235.569 Hibakushas (pouco mais de 100 deles residem no Bra"z"il) como são conhecidas as vítimas dessa tragédia. Os hibakushas sofreram desfiguração física e outras doenças provocadas pela radiação, tais como deterioração genética que afeta gerações posteriores. Durante anos, a população japonesa pensou que as doenças dessas pessoas poderiam ser contagiosas, causando assim, além da dor física e psicológica, a discriminação social dos afetados. 

 

"Nunca poderemos esquecer o Holocausto que matou milhões de judeus! Mas também não podemos esquecer Hiroshima e Nagasaki que foram varridas do mapa vítimas de duas bombas atômicas concebidas pelo engenho destruidor do Homem. 

O Holocausto judeu horroriza pelo dia-a-dia, a lembrança do crime, pelo seu quotidiano "normal", com burocratas contabilizando pacientemente quantos óculos sobraram nas câmaras de gás, quantos dentes de ouro e ninguém lembra de ao menos um Hibakusha. 

Ainda hoje é fascinante ler a racionalização dos americanos para justificar a morte dos japoneses, como se apenas se tivesse tratado duma desinfecção de qualquer centro comercial dos nossos dias.A bomba de Hiroshima explodiu diante da humanidade já anestesiada pela banalização de 20 milhões de mortes na II Guerra e pelo massacre dos judeus. 

A destruição de Hiroshima e Nagasaki não era necessária. O mundo já não estava em perigo pois o Japão estava de joelhos, rendendo-se, querendo só preservar o imperador Hiroito e a monarquia instituída. 

A "razão" de tal loucura foi o "presidente" e os "generais" quererem testar um "brinquedo" novo. Harry S. Truman Truman escreveu no seu diário, depois do primeiro teste da bomba atômica em Los Allamos.

Assim como os nazis elaboraram uma "normalidade" burocrática para a "solução final", os americanos criaram uma lógica "científica" para o seu crime. Por isso, Hiroshima não sujou o nome da América tanto como o Holocausto manchou para sempre o nome da Alemanha. Até hoje, quando se fala em alemão, pensa-se em Hitler, enquanto Hiroshima quase nos soa comouma catástrofe "natural", inevitável, um brutal remédio no calor da guerra... O crime dos alemães "justificou" e, "absolveu" o "crime" americano. Como é que os americanos saíram limpos deste crime? 

Em agosto o mundo relembra com muito pesar o maior "Crime de Guerra" já desferido contra a humanidade. O holocausto nuclear contra as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. Crime ao qual jamais seus "culpados" foram sequer "acusados", muito pelo contrário, foram recebidos e tratados como heróis em todo o mundo." 

J Gomes 

 

- É incrível! É o mais destruidor aparelho já construído pelo homem! No teste, fez uma torre de aço de 60 metros transformar-se num sorvete quente! 

Harry S. Truman, Presidente dos Estados Unidos, em referência ao teste atômico realizado em 16 de julho de 1945, no Novo México. 

 

VEJA, Agosto de 1945: "JÁ PODEMOS DESTRUIR A TERRA"

Bombas atômicas são trágicas estrelas cintilantes do final da guerra

Corrida pela energia nuclear é anterior aos combates - Uso do artefato em Hiroxima e Nagasaki divide opiniões de militares americanos 

http://veja.abril.com.br/especiais_online/segunda_guerra/edicao010/sub1.shtml

 

Para que a História nunca esqueça

http://chuviscos.blogspot.com/2005_07_24_archive.html

 

O racismo de Harry Truman

http://www.nacaomestica.org/TrumanMFP.htm

 

LITTLE BOY

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-energia-nuclear/little-boy-a-missao-13.php

 

Hiroshima, o maior crime de guerra do mundo

http://hid0141.blogspot.com/2008/11/hiroshima-o-maior-crime-de-guerra-do.html

 

HIBAKUSHA

Os filhos do Átomo

Após os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, dezenas de japoneses afetados pela radiação buscaram refúgio no Brasil. Hoje, pelo menos 135 deles ainda vivem no País, mas muitos ainda não conseguiram o direito ao auxílio médico pago pelo governo do Japão

http://leiturasdahistoria.uol.com.br/ESLH/Edicoes/8/artigo78845-1.asp

 

“A voz rouca e arrastada parecia vir de outro mundo. Eram pontualmente nove horas da manhã do dia 1º de janeiro de 1946 quando ela soou nos alto-falantes dos rádios de todo o Japão.

A pronúncia das primeiras sílabas foi suficiente para que 100 milhões de pessoas identificassem quem falava. Era a mesma voz que quatro meses antes se dirigira aos japoneses, pela primeira vez em cinco mil anos de história do país, para anunciar que havia chegado o momento de “suportar o insuportável”: a rendição do Japão às forças aliadas na Segunda Guerra Mundial.

Mas agora o dono da voz, Sua Majestade o imperador Hiroíto, tinha revelações ainda mais espantosas a fazer a seus súditos. Embora ele falasse em keigo - uma forma arcaica do idioma, reservada aos Filhos dos Céus e repleta de expressões chinesas que nem todos compreendiam bem -, todos entenderam o que Hiroíto dizia: ao contrário do que os japoneses acreditavam desde tempos imemoriais, ele não era uma divindade.

(...) Petrificados, milhões de japoneses tomaram consciência da verdade que ninguém jamais imaginara ouvir: diferentemente do que lhes fora ensinado nas escolas e nos templos xintoístas, Hiroíto reconhecia que era filho de dois seres humanos.

(...) Foi como se tivessem jogado sal na ferida que a rendição, ocorrida em agosto do ano anterior, havia aberto na alma dos japoneses. O temido Exército Imperial do Japão, que em inacreditáveis 2.600 anos de guerras jamais sofrera uma única derrota, tinha sido aniquilado pelos aliados.

O novo xogum, o chefe supremo de todos os japoneses, agora era um gaijin, um estrangeiro, o general americano Douglas MacArthur, a quem eram obrigados a se referir, respeitosamente, como Maca-san, o ‘senhor Mac’.

Como se não bastasse tamanho padecimento, o Japão descobria que o imperador Hiroíto era apenas um mortal, como qualquer um dos demais 100 milhões de habitantes.

Mesmo carregada de microfonia e ainda menos compreensível pelas ondas do rádio, a voz arrastada deu a volta no planeta.

(...) No Brasil eram nove horas da noite quando a voz foi captada em um pequeno rádio Vestingal - como eram chamados os aparelhos da marca Westinghouse – na casa de um anônimo chacareiro brasileiro do bairro Coim, nos arredores da cidade de Tupã, a 550 quilômetros de São Paulo.”

Trecho do livro de Fernando Morais, "Corações Sujos", que relata como foi o dia em que o imperador Michinomiya Hirohito, póstumo nome de Showa, anunciou aos súditos que não era uma divindade.

P.S. É lamentável que poucos possam, ou podem, ou conseguem, ou querem, decifrar o que se esconde por trás desse pronunciamento de Hirohito. Mas a história é sempre contada pelos vencedores e, como bem diz Fidel Castro: "A história me absolverá". E a história já absolveu Fidel Castro, se a história não absolveu Hirohito, deveria, ao menos, punir os responsáveis pelo Holocausto Nuclear de Hiroshima e Nagazaki onde vitimou civis inocentes. Quem sabe isso não venha a acontecer em um belo dia de sol, ou em uma noite escura e sem estrelas, ou em uma tarde nebulosa, ou em um frio e chuvoso domingo.

 

A guerra contra o Japão era, sem dúvida, uma guerra justa, porque o regime fascista do país visava manter e extender um império colonial pela Ásia, cometendo as mesmas atrocidades que já vinha perpetrando na Manchúria e na Coreia antes da guerra. Mas a burguesia estadunidense, quando entrou na guerra, não visava somente a eliminação da ameaça do militarismo japonês, mas estender o império estadunidense naquelas plagas.

O ataque a Hiroshima e a Nagasaki visou apressar o fim da guerra antes que a URSS entrasse no front do Pacífico, arriscando a invadir o Japão e atrapalhando os planos de hegemonia dos EUA. Ao mesmo tempo, o império estadunidense fazia uma demonstração do seu poderio avassalador para a URSS. Os EUA tinha uma arma de poder de destruição imenso que os soviéticos não detinham.

A população das duas cidades japonesas eram peões a serem sacrificados nesse xadrez geopolítico (como a população iraquiana e afegã neste momento).

 

Falando em termos genéricos :

A justificativa em torno do uso da bomba atômica pelos Estados Unidos é bem polêmica. Os defensores dizem que os japoneses não se renderiam facilmente e que uma invasão americana ao território japonês ocasionaria a morte de milhares de soldados, etc...

Alguns dizem que a utilização da bomba atômica não foi muito diferente dos bombardeios na europa, como Dresden... como se isso justificasse outra atrocidade.

Outros dizem que foi um recado para o mundo, em especial a União Soviética.

Os EUA disseram que tinham muito mais bombas, mas na verdade a produção era limitada... de qualquer forma, logo teriam muito, muito mais...

No meio de tudo isso, se esquecem que com o fim da guerra na Europa, a União Soviética invadiu a Manchúria e a Korea, anexou o sul da ilha Sakalina e tomou as ilhas Kurilas do Japão e fez milhares de japoneses prisioneiros de guerra.  Isso aconteceu quase que em conjunto com o lançamento das bombas atômicas americanas. 

Dizem que isso se somou ao lançamento das bombas atômicas e fez o Japão se render...

A questão é interessante por isso: se os americanos não tivessem jogado a bomba, os japoneses não teriam se rendido? A teoria que justifica o uso da bomba diz que eles teriam resistido por muito tempo e um 'desembarque' no território japonês seria uma carnificina de proporções épicas para ambos os lados.

Mas será mesmo?

Será que haveria essa tal 'invasão'? Diante do rápido avanço do exército vermelho, inviabilizando a economia de guerra japonesa(o Japão é limitado em termos de recursos naturais), não seria crível que o momento de rendição do Japão se aproximava? Até pq, como se sabe, os alemães tinham tanto medo dos soviéticos que preferiam se entregar para os americanos e afins.

 

É só uma teoria, não concordo ou discordo dela... li a respeito disso pq ainda hoje os japoneses querem as ilhas Kurilas de volta e a Rússia já disse que NUNCA irá devolve-las.

 

 


É fato também que os Americanos queriam evitar o avanço do exército de Stalin sobre o território Japonês, o que seria necessário no caso de uma invasão convencional.


Assim, eles manteriam a soberania sobre a ilha, como aconteceu.

 

Nunca acredite nos Estados Unidos...

são viciados em matar não é de agora, sempre gostaram:

o “diabo” olha para você nessas fotos

 

A "historia" do aparecimento das fotos nao me convence de maneira nenhuma.  Ate prova em contrario, pra mim, sao fotos militares.

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Uns minutos de silêncio para refletirmos sobre essa barbaridade. Foi um crime contra a humanidade e seus autores deveriam ser julgados por um tribunal internacional como o de Nuremberg.

Áudio:

Cancion de cuna de Hiroshima (Atahualpa Yupanqui) # Atahualpa Yupanqui

Rosa de Hiroxima (Gerson Conrad - Vinícius de Moraes) # Secos e Molhados

You are missing some Flash content that should appear here! Perhaps your browser cannot display it, or maybe it did not initialize correctly.

You are missing some Flash content that should appear here! Perhaps your browser cannot display it, or maybe it did not initialize correctly.

 

Pela importância do tema e pelo acontecimento fortuito, contingente, como essas fotografias foram descobertas, reproduzo abaixo o texto reproduzido no Blog Tijolaço do Brizolla Neto e escrito por Adam Harrison Levi. História é isso, não dá para esconder os fatos. Um dia eles são publicados, melhor ainda, documentados por fotos retiradas do video cujo link é:

http://www.icp.org/museum/exhibitions/hiroshima-ground-zero-1945

São chocantes, mas são históricas. 

 

Ver é lembrar: as fotografias perdidas de Hiroshima

 

O  Centro Internacional de Fotografia, em Nova York, está expondo, deste mês até agosto, uma mostra de fotos intitulada Hiroshima-Gound Zero (uma referência ao Marco Zero, como é conhecido o lugar onde ficava o World Trade Center).  O vídeo que posto aí em cima é montado a partir de algumas delas. São fotos que apareceram misteriosamente, segundo conta Adam Harrison Levi, do site Design Observer, num texto fantástico, que em parte reproduzo abaixo.

“Uma noite chuvosa, há oito anos em Watertown, Massachusetts, um homem levou seu cachorro para passear. Na calçada, em frente à casa de um vizinho, viu um monte de lixo, colchões velhos, caixas de papelão, uma lâmpada quebrada. Entre os destroços, viu uma mala  maltratada. Ele abaixou-se e abriu o fecho. 

Surpreendeu-se ao descobrir que a mala estava cheia de fotografias em preto e branco. Mais surpreso ficou ao ver as fotos: edifícios devastados, vigas retorcidas, pontes quebradas – instantâneos de uma cidade destruída. Rapidamente fechou o mala, arrastou-a e voltou para casa.

Na mesa da cozinha, olhou as fotos uma a uma, e confirmou o que suspeitava. Ele estava vendo algo que nunca tinha visto antes: os efeitos da primeira utilização da bomba atômica. O homem olhava para Hiroshima.

De um estilo frio e científico, 700 fotografias na mala compunham o catálogo de uma cidade devastada por uma nova forma de fazer a guerra. A origem e a finalidade das fotografias eram um mistério para o homem que os encontrou naquela noite. Agora, mais de sessenta anos depois do bombardeio de Hiroshima, sua história pode ser contada”.

Trinta e um dia depois da explosão, uma equipe de cientistas dos EUA sobrevoou a cidade. “Era uma enorme cicatriz plana, vermelha de ferrugem, e não verde ou cinza”, disse Philip Morrison ao The New Yorker em 1946, “porque não estava coberto com vegetação. Eu tinha certeza o que veria depois não me impressionaria tanto como isso”

O mundo tem muito poucas fotografias do que deu a Morrison  aquele choque inesquecível. E não é por acaso. Em 18 de setembro de 1945, pouco mais de um mês após o Japão ter se rendido, o governo americano impôs um código de censura à nova nação, derrotada. Disse que uma das partes: “nada que será impresso que possa, diretamente ou por inferência, perturbar da tranquilidade pública.”

O governo dos EUA ostensivamente procurou evitar as emoções de tristeza e raiva no Japão com a circulação de imagens da cidade destruída. Estavam tão ansiosos em evitar esses sentimentos como em manter a confidencialidade de sua nova e terrível arma. Mas essa supressão de provas visuais serviu um terceiro objectivo: ajudou, tanto no Japão quanto nos Estados Unidos, para inibir qualquer questionamento sobre a decisão de utilizar a bomba.

Desde a invenção da câmera em 1839, a fotografia tem andado de mãos dadas com a morte, principalmente após a experiência da guerra. Desde as fotografias de Alexander Gardner e Matthew Brady viu as imagens das morres na guerra civil em Gettysburg, com Robert Capa vieram as imagens viscerais da Guerra Civil Espanhola. As imagens de morte e destruição documentaram a brutalidade da guerra.

A 2ª Guerra Mundial testemunhou o amadurecimento da tecnologia fotográfica, que começou a ser móvel e melhorou sua a capacidade de capturar imagens da devastação. Aí estão as fotos de Dresden depois das bombas incendiárias, ou de Londres durante os bombardeios, ou dos campos de concentração de Auschwitz e Bergen-Belsen, após a sua libertação. Uma série de imagens desde então se converteram em flashes de memória que nos levam a um lugar comum: as imagens poderosas e inquietante do impacto destrutivo da guerra.

No entanto, quando pensamos em Hiroshima o que vem à mente é a nuvem de cogumelo, uma nuvem, uma imagem abstrata, livre da ação e da dor humana.

A falta de evidência visual sobre o efeito da bomba atômica nos ajudou a esquecer as suas consequências devastadoras. Ver é lembrar. Até agora, foram poucas as imagens à disposição do público sobre o que aconteceu com as pessoas quando a primeira bomba atômica explodiu. Como resultado, tornou Hiroshima, escreveu o romancista Mary McCarthy em 1946, “uma espécie de buraco na história humana.”

Estas imagens de alguma forma ajudam a preencher esta lacuna em nossa memória histórica. Tirada durante as semanas seguintes ao ataque, mostrando uma paisagem estranhamente vazia e silenciosa, são como as ruínas de uma civilização desaparecida.

 

 

 

José Antônio

Uma imagem=mil palavras. E posam de bonzinhos, os promotores do bem.

Uma amigo certa vez disse-me: foto é p&b. De fato. Apesar da simbologia da dor e sofrimento, são documentos de grande valor. Testemunhas das atrocidades dos mocinhos do mundo.

 

Quem soltou essa bomba??? Algum "terrorista" islâmico???

 

José Antônio

É o resultado de terem matado mais de dez milhões de pessoas por toda a Ásia... feito concursos de decapitação de prisioneiros... empalado mulheres pela vagina...

 

Isso! EW o povo que fez isso, além de matar 1/4 de milhão de CIVIS como represália é o mesmo que nos dá tão bons exemplos, como Abu Grhaib e Guantánamo, não é mesmo?

 

Leider Lincoln

Pois é  meira, você acabou de dizer que Bin Laden agiu corretamente.

 

Foi a população civil de Hiroshima, inclusive as mulheres e crianças, que perpetrou as decapitações e torturas?

Pelo mesmo raciocínio, Bin Laden e os terroristas que jogaram os aviões contra o World Trade Center estariam plenamente justificados!

Essa direitalha pró-imperialismo estadunidense!

 

A questão de quem massacrou mais na 2ª Guerra é irrelevante pois TODAS as potências beligerantes praticaram massacres tenebrosos e o próprio Robert Mc Namara, um comandante da USAF na 2ª Guerra, afirmou em um documentário que se eles tivessem perdido o conflito seriam julgados como criminosos dadas as técnicas de bombardeio desenvolvidas para causarem mais mortes na população civil. O que estava em jogo para os EUA era: a expectativa de economizar pelo menos 500 mil baixas (entre mortos e feridos) dos Marines que era por baixo a previsão de perdas com a invasão da ilha, só de americanos, além de milhões de japoneses e a necessidades de evitar a todo custo que a URSS que acabava de declarar guerra ao Japão e invadia a Manchuria, desse continuidade a ocupação territorial a partir do Norte e assim tornasse o Japão mais um país sob a esfera de influência de Stalin, além de demonstrar ao líder soviético a capacidade destrutivas de uma nova e poderosíssima arma. Falar de massacres na segunda guerra é uma redundância das mais imbecis que se pode falar, pois todas as potências as praticaram indistintamente.

 

Como assim, "irrelevante"? A SGM não havia terminado, na prática (vencida pela URSS, inclusive) ?  Qual a justificativa moral? Um único país deste planeta, um único, dentre os povos da raça humana, usou armas nucleares. Não lhes esqueçamos o nome, não relativemos seu ato!

 

Leider Lincoln

Os EUA foram o único país que usou a bomba atômica na época porque eles eram a única potência que tinha a arma. Se tivessem um artefato desses japoneses, alemães, britânicos e soviéticos a teriam usado sem pensar, tanto é que alemães e japoneses estudavam formas de obter este artefato. A justificativa moral de matar pessoas numa guerra é simples: acabar com a guerra. Só se consegue vencer uma guerra alcançando o objetivo político militar da guerra, como ocorreu com o Vietnam contra os EUA, ou com o caso dos insurgente argelinos contra a França,  ou então reduzindo o inimigo a impotência total conforme ocorreu com Japão e Alemanha. Não temos que relativizar nada, mas é má fé pura acusar uns de maus e outros de bons conforme as nossas conveniências políticas e ideológicas. Os japoneses protagonizaram o estupro da Nankin e mataram milhões de chineses de fome. Os EUA matavam 200 mil pessoas por mês no Japão até aquele momento, os Alemães, bem, eles promoveram o extermínio em níveis industriais de tão organizados que eram. Os soviéticos massacraram que viram pela frente até chegar a Berlim.  Os ingleses também não ficaram longe disso. Ou seja. Numa guerra não tem nem bonzinho e nem malvadinho..