Revista GGN

Assine

BB tem lucro líquido de R$ 2,7 bilhões no 1º trimestre

Do Banco do Brasil

BB tem lucro líquido ajustado de R$ 2,7 bilhões no 1T13

Carteira de crédito ampliada cresce 25,6% em 12 meses

O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 2,7 bilhões no primeiro trimestre de 2013, com RSPL de 17,4%. Desconsiderando a contribuição do item Previ, o lucro líquido ajustado no período ficou em R$ 2,6 bilhões, aumento de 4,2% em relação ao mesmo período de 2012.

A remuneração aos acionistas no exercício somou R$ 1,03 bilhão, equivalente a 40% do lucro líquido, sendo R$ 754 milhões na forma de juros sobre capital próprio (JCP) e R$ 279 milhões em dividendos.

Ativos crescem 16,8% em 12 meses

O Banco do Brasil manteve sua trajetória de crescimento, alcançando ao final do 1T13 o valor de R$ 1,18 trilhão em ativos, evolução de 16,8% em 12 meses e de 2,6% em relação ao trimestre anterior. A carteira de crédito continua como o principal fator de crescimento durante o período.

Carteira de crédito atinge R$ 592,7 bilhões

A carteira de crédito ampliada, que inclui TVM privados e garantias prestadas, atingiu R$ 592,7 bilhões em mar/2013, crescimento de 25,6% em 12 meses e 2,1% em relação ao trimestre anterior. A carteira PJ aparece mais uma vez como destaque, com crescimento de 32,7% em 12 meses. Ao final de mar/2013, o BB manteve sua liderança em crédito no Sistema Financeiro Nacional, com participação de mercado em 20,4%.

Inadimplência em queda

Os índices de inadimplência do BB se mantiveram em queda e menores do que os observados no SFN. O índice de operações vencidas há mais de 90 dias ficou em 2,00% da carteira de crédito, abaixo dos 2,05% registrados em dez/2012 e 2,22% em mar/2012.

No mesmo período, o SFN registrou índice de 3,60%. As operações classificadas na faixa de risco AA-C representaram 94,3% do total da carteira ao final de mar/2013, contra 92,3% observados no SFN. O nível de cobertura da carteira de crédito, que demonstra a provisão existente sobre operações vencidas há mais de 90 dias, encerrou o mês de março em 199,7%.

As despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PCLD) reduziram-se em 8,3% em relação ao 1T12. Esse desempenho é reflexo do crescimento da carteira em linhas de crédito com menor risco, tais como, crédito consignado, financiamento de veículos e crédito imobiliário.

Desembolso para investimento atinge R$ 10,3 bilhões no ano

O desembolso de crédito para investimento atingiu no trimestre o montante de R$ 10,3 bilhões, com destaque para as linhas de repasse de recursos do BNDES/FINAME, Pronaf Agricultura Familiar, Investimento Agropecuário, FCO e PROGER.

Desde 2008 o BB é o agente financeiro líder no repasse global de recursos das linhas do BNDES, atingindo no primeiro trimestre de 2013 uma participação de mercado de 25,15%, com a realização de aproximadamente 130 mil operações. Destaca-se também a liderança absoluta do BB no cartão BNDES, com desembolso de R$ 1,6 bilhão, equivalente a 75,7% do total da linha no BNDES.

BOMPRATODOS agora é Cada vez + BOMPRATODOS

Em 2013, o BOMPRATODOS entra em nova fase. Agora, o Banco do Brasil acrescenta outros atributos, que estão em um conjunto de iniciativas denominado Cada Vez + BOMPRATODOS. Nesse sentido, foram definidos três pilares para excelência no relacionamento: mais transparência nas relações, mais inclusão bancária e mais vantagens em produtos e serviços, com ênfase na qualidade do atendimento e na satisfação dos 59,4 milhões de clientes do Banco do Brasil.

Carteira de Crédito PF cresce 26,3% em 12 meses

A Carteira de Crédito PF Orgânica, que corresponde à carteira de crédito classificada do Banco do Brasil excluindo-se as operações provenientes do Banco Votorantim e de carteiras adquiridas, finalizou o primeiro trimestre de 2013 com saldo de R$ 119,5 bilhões, crescimento de 3,4% no trimestre e de 26,3% em 12 meses.

Desse total, 74,8% estão concentrados nas linhas de crédito de menor risco (Crédito Consignado, CDC Salário, Financiamento de Veículos e Crédito Imobiliário). Destaques para as carteiras de Financiamento de Veículos e de Crédito Consignado, com crescimentos nos últimos 12 meses de 153,2% e 19,7% respectivamente.

Crédito imobiliário ultrapassa R$ 14 bilhões

O crédito imobiliário (PF e PJ) atingiu em março saldo de R$ 14,3 bilhões, expansão de 66,3% em 12 meses e de 11,6% em relação ao último trimestre. O volume contratado no 1º trimestre de 2013 atingiu R$ 3,6 bilhões, 167,9% superior ao observado no 1T12.

O volume de negócios com pessoas físicas no trimestre chegou a R$ 1,9 bilhão e de pessoas jurídicas a R$ 1,7 bilhão. A carteira PF se destaca mais uma vez, com crescimento de 66,4% em um ano, finalizando março de 2013 com saldo de R$ 11,4 bilhões. Ao todo, foram contratadas 13.629 operações PF no último trimestre.

No 1T13, o BB superou a meta estabelecida do Programa Minha Casa Minha Vida, ultrapassando 134 mil unidades habitacionais contratadas nas faixas 1, 2 e 3. Os primeiros projetos da faixa 1 (renda familiar mensal até R$ 1.600,00) já contam com 64.740 unidades habitacionais contratadas, em empreendimentos localizados em 21 Estados brasileiros.

Crédito PJ mantém crescimento

Ao final do 1T13, o BB apresentou R$ 280,5 bilhões de saldo da carteira de crédito PJ, crescimento de 32,7% em 12 meses e 2,4% em relação a dez/2012. As operações de capital de giro apresentaram crescimento de 42,6% em 12 meses e de 4,2% em relação ao trimestre anterior, influenciado pelo grande volume de contratações de empresas do segmento corporate e large corporate. As operações com MPE e Médias e Grandes empresas finalizaram o 1º trimestre com crescimento de 27,1% e 31,0% respectivamente, em 12 meses.

Carteira de Agronegócios ultrapassa a marca de R$ 110 bilhões

O Banco do Brasil encerrou o primeiro trimestre de 2013 alcançando a marca de R$ 110,5 bilhões em sua carteira de agronegócios, valor 19,5% maior do que o registrado no mesmo período de 2012 e 2,3% superior em relação ao trimestre anterior, proporcionando 63,3% de participação no Sistema Nacional de Crédito Rural.

Destaques para o Pronaf, que finalizou o trimestre com saldo de R$ 25 bilhões, crescimento de 20,0% em 12 meses e o Pronamp, com crescimento de 58,7% em relação a mar/2012. O Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) já teve R$ 2,1 bilhões contratados na safra 2012/2013.

Liderança no Comércio Exterior

O Banco do Brasil, principal parceiro do comércio exterior brasileiro, finalizou mais um período como líder no mercado de câmbio de exportação e importação. No câmbio de exportação o volume contratado no 1T13 foi de US$ 14,8 bilhões, alta de 10,6% em relação ao trimestre anterior, com participação de mercado de 27,9%.

No câmbio de importação o volume contratado foi de US$ 11,7 bilhões, finalizando o trimestre com 22,6% de participação de mercado. O BB encerrou o trimestre com participação de mercado de 29,3% nas operações de ACC/ACE.

Captações Comerciais aumentam 11,4% em 12 meses

O Banco registrou ao fim do primeiro trimestre de 2013 R$ 517 bilhões em Captações Comerciais (que incluem Depósitos Totais, LCA, LCI e Operações Compromissadas com Títulos Privados), apresentando evolução de 11,4% em 12 meses.

O saldo de depósitos totais finalizou mar/13 em R$ 468 bilhões, montante 4,8% superior ao registrado em no mesmo período de 2012. As captações em Letras de Crédito do Agronegócio finalizaram o trimestre com saldo de R$ 39,3 bilhões, crescimento de 323,1% em 12 meses e 15,4% em relação ao último trimestre. As operações com Letras de Crédito Imobiliário apresentaram saldo ao final do mês de R$ 121 milhões.

Líder em administração de recursos de terceiros

Mantendo a liderança do ranking Anbima desde 1994, com participação de mercado de 20,8%, a BB DTVM atingiu o volume de R$ 477 bilhões em recursos administrados, crescimento de 7,5% em relação ao trimestre anterior e de 8,0% em relação ao mesmo período de 2012. Considerando os 50% dos recursos administrados pela Votorantim Asset Management – VAM, o BB administra R$ 491,3 bilhões, equivalentes a 21,4% do mercado.

Liderança em Mercado de Capitais

As receitas com mercado de capitais cresceram 68,1% no 1T13 em relação ao mesmo período de 2012. O BB manteve a liderança no Ranking Anbima em quantidade de operações de Renda Fixa no Curto Prazo e conquistou a liderança em volume de operações de Renda Fixa no longo prazo. No primeiro trimestre de 2013, o BB participou de uma oferta pública de ações no segmento Bovespa Mais e da estruturação e distribuição de dois fundos de investimentos imobiliários.

Negócios de seguridade mantém crescimento

Os negócios com seguros, previdência e capitalização mantiveram seu ritmo de crescimento no 1T13. Segundo dados da Susep de março de 2013, os prêmios de seguros nos setores rural e habitacional cresceram, no primeiro trimestre do ano, 139,7% e 37,7% respectivamente em relação ao mesmo período de 2012. Ainda de acordo com a Susep, a Brasilprev foi responsável por 43% de toda captação líquida do mercado no 1T13.

O Banco do Brasil realizou em abril oferta pública de sua empresa de seguros, previdência e capitalização (BB Seguridade). Foram ofertadas 675 milhões de ações, equivalentes à soma do lote inicial de 500 milhões de ações (25% do Capital Social), 100 milhões de ações em lote adicional e 75 milhões em lote suplementar, a um preço definido em R$ 17,00. O resultado bruto da venda dessas ações para o BB é estimado em R$ 9,4 bilhões, caso seja confirmada a liquidação do lote suplementar na sua totalidade.

Faturamento com cartões de crédito mantém ritmo de crescimento

O faturamento com cartões de crédito cresceu 22,8% no 1º trimestre de 2013 em comparação ao mesmo período do ano anterior. Com uma base ativa de 21 milhões de cartões, a evolução do faturamento reflete o aumento da participação do cartão como meio de pagamento em segmentos tradicionais, a utilização do produto no financiamento ao consumo e a expansão do uso em cadeias de valor.

Destaca-se no 1º trimestre a intensa utilização dos cartões como meio de pagamento junto ao segmento empresarial, que resultou em uma evolução de 62,5% do saldo da carteira em relação a março de 2012.

Em 2013, os cartões Elo emitidos pelo BB apresentaram até março aumento de 287,0% em volume de compra em relação ao ano de 2012, devido à migração realizada de seus cartões do agronegócio, pré-pagos e domésticos de outras bandeiras para a bandeira Elo. A Alelo apresentou no trimestre faturamento de R$ 4,2 bilhões.

Índice de Basileia fortalecido

O Banco do Brasil encerrou março de 2013 com Patrimônio de Referência 32,3% superior ao observado no mesmo período do ano anterior, atingindo R$ 112,3 bilhões. O Índice de Basileia encerrou o trimestre em 16,29%, o maior desde junho de 2007.

BB é listado em novo Índice de Sustentabilidade do Dow Jones para Mercados Emergentes

O Banco do Brasil foi selecionado para integrar o novo Índice Dow Jones de Sustentabilidade Mercados Emergentes, confirmando o reconhecimento em nível internacional da liderança do BB no tema sustentabilidade.

O DJSI Mercados Emergentes é o primeiro índice a avaliar mercados emergentes e utiliza os mesmos critérios de seleção do Índice Dow Jones de Sustentabilidade Empresarial - DJSI, no qual o BB também é listado, porém em um universo focado em empresas com sede em países de mercados emergentes.

Além disso, o Banco do Brasil foi o único banco brasileiro reconhecido dentre as 100 empresas mais sustentáveis do mundo no ranking Global 100, elaborado pela Corporate Knights. Em janeiro de 2013 foi anunciado que o Banco do Brasil mantém-se listado na nova carteira do Índice Carbono Eficiente (ICO2) da BMF&Bovespa.

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.