Revista GGN

Assine

Cachoeira e Delta: o todo e a parte

Tome-se a gravação em que o presidente da Delta fala sobre subornos. Apareceu em todos os jornais e mereceu menção no Jornal Nacional. A fonte era o jornalista assessor de Carlinhos Cachoeira.

A rigor, o diálogo não significa nada. O executivo fala em hipóteses: "se eu" colocasse tantos milhões nas mãos de fulano, ganharia a obra; "se eu" colocasse tantos milhões nas mãos de beltrano, e assim por diante. Ele não falou "eu coloquei" tantos milhões nas mãos de fulano.........

Tem o mesmo valor de uma declaração tipo "se eu fosse Onassis, conquistaria Jackie Kennedy".

Não se tenha a menor dúvida de que a Delta está atolada até o pescoço em subornos e falcatruas. Transformar em mote de cobertura geral um diálogo absolutamente insosso chama atenção.

Mas faz parte de uma estratégia de fogo de encontro que foi bastante utilizada na CPI dos Precatórios, de tirar o foco do todo e colocá-lo na parte. Na época, o todo era Paulo Maluf, Gilberto Miranda e companhia. A parte era o Banco Vetor, elo menor da corrente.

Focando-se no todo, pegar-se-iam todos, incluindo o Vetor; focando-se na parte, apenas o Vetor, livrando Paulo Maluf e companhia.

Durante um mês, toda a cobertura de Brasilia focou na parte. E aí se entra no efeito-manada.

Havia uma sucursal específica empenhada em livrar Maluf. Ela assumiu a liderança da coberturae o restante da mídia foi atrás, pelo efeito-manada.

Vai se tentar repetir o estratagema, agora, em relação ao todo Cachoeira e a parte Construtora Delta. Focando-se na Delta, deixam-se de lado as relações de Cachoeira com políticos de vários estados e funcionários de vários ministérios, com os dossiês, com seus investimentos em genéricos e com suas parcerias na mídia. E fica-se apenas com a parte Delta.

Nessa guerra retórica e de cobertura, um segundo recurso tem sido a insistência nessa versão de que o Planalto teme a CPI e está manobrando para minimizar os estragos. Não teme, mas tem sua estratégia que consiste, justamente, em colocar o foco no todo.

Portanto, o jogo político-midiático em torno da CPI é simples de entender: o Planalto quer apurar o todo Cachoeira; a cobertura da mídia quer apurar apenas a parte Delta.

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+47 comentários

A mídia, os jornalistas sérios como Nassif, já nos revelaram seus métodos e costumes. Falta convencer alguns intelectuais de diplomas. Mas, não se trata só de mídia e sim de todos os agentes sociais das diversas áreas. Há décadas que as obras são superfaturadas e mal feitas. Mas não temos outras empreiteiras nem outro padrão ético que mude isso. Nem mesmo a mídia consegue mudar esses hábitos. Há quanto tempo o Janio de Freitas denuncia quem ganhará determinada licitação? Temos os bacharéis, aos quais estamos subjugados. Que operam os sistemas. Quem descortina muitos são bacharéis. Mas os que o organizam ou contribuem para a sua proliferação, são, também, bacharéis. Portanto, as cobranças devem ser dirigidas a esses agentes e a quem os forma e os congrega. Não podemos assistir esses ilustres que, por ação ou omissão participam dessa tranquibérnia, saírem em passeatas contra a corrupção. Precisamos de Nassifs em outras áreas também. Se a popularidade do Lula e da Dilma estão nesses níveis é sinal que o poderio do PIG está minguando. Logo, a mídia, apesar da luta desigual devido aos meios, principalmente televisivos, está fazendo suas autocríticas e nos revelando os tentáculos das quadrilhas instaladas e sendo compreendida pela população. Quadrilhas essas que tem poder de paralisar o País. Esse o medo que todos nós sentimos, não o de que corruptos de diversos matizes que possam ser desmascarados.

 

E enquanto não se apura nada, não se encontra um só culpado e o dinheiro que é desviado não retorna, uma simples ponte sobre o rio Guaíba custa mais do que uma de 42 KM sobre o Mar na China, construida em tempo récorde.

O povo não entende isto, não percebe que poderia ter no Brasil a ponte  e mais o trem bala e mais aeroportos decentes sem ter de dar um centavo a mais para os que governam e cuidam de gastar o dinheiro do povo.

Tá mais que na hora de dar um basta a esta situação, lembro que num golpe popular a baderna é grande e muitos acabam sofrendo desnecessariamente.

O fim desta situação é inevitável, questão de tempo e inteligência de quem conduzirá o processo.

Acorda Dilma!

 

Follow the money, follow the power.

Mais um governo do PSDB com contratos com a DELTA. Esse é o caso da prefeitura de São José dos Campos-SP, aquela do Pinheirinho "do" Nahas.

 

http://www.ovale.com.br/regi-o/investigada-delta-detem-monopolio-em-s-o-jose-1.244048

 

 

REGIÃOApril 17, 2012 - 03:30Investigada, Delta detém monopólio em São JoséVia Norte em São José

Thiago Leon

Empresa suspeita de fraudar licitações ganhou R$ 35,3 milhões do governo Cury para obras viárias

Filipe Manoukian
São José dos Campos

Sob suspeita de fraudar licitações, segundo a Polícia Federal, a Delta Construções venceu algumas das principais licitações para obras viárias durante a gestão do prefeito de São José, Eduardo Cury (PSDB).
Em todos os casos, a empreiteira apresentou problemas, atrasando obras em mais de dois anos. Um dos quatro contratos assinados junto ao governo tucano, também, foi julgado como irregular pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado).
Investigações da PF na Operação Monte Carlo apontam uma suposta ligação entre a Delta, que é presidida pelo empresário Fernando Cavendish, e os negócios suspeitos do bicheiro e empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.
Preso desde fevereiro, Cachoeira é acusado de exploração ilegal de jogo e é apontado como homem influente entre políticos e empresas.
Junto com o bicheiro, a Delta deve ser alvo de investigações na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) mista do Congresso.
Só no ano passado, a empresa, principal empreiteira do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), recebeu R$ 862,4 milhões do governo federal.

Atuação. Entre 2007 e 2008, a Delta foi escolhida pela administração de Cury para assumir as duas fases da construção da Via Norte, promessa de campanha e principal projeto viário executado pelo tucano, e a Via Oeste, outra vitrine do governo.
Em 2007, a Delta também venceu a licitação para duplicar a avenida Benedito Friggi, no Jardim Santa Inês.
Juntas, as quatro licitações renderam R$ 35,3 milhões à Delta (veja quadro ao lado).
Na execução dos contratos, a Delta apresentou problemas em todas as obras. 
A licitação e o contrato da duplicação da avenida Benedito Friggi, por exemplo, foram apontados como irregulares pelo TCE, por suposta limitação de empresas no certame.
Nas outras três obras, todos os prazos de entrega foram descumpridos --o caso mais emblemático é o da fase 2 da Via Norte, que deveria ficar pronta em 12 meses, mas só foi entregue depois de 37 meses.
O governo Cury nega irregularidades (leia texto abaixo).
Dentre as suspeitas que recaem sobre a Delta, está a prática de ofertas inexequíveis em licitações. Ou seja: a empresa faz uma oferta muito baixa em certames, o que culmina com descumprimentos de prazos e revisões de valores.

 

Prefeitura nega irregularidade em obras
São José dos Campos

O governo do prefeito Eduardo Cury afirmou ontem que todas as obras realizadas pela Delta na cidade foram “concluídas”, não comentando possíveis problemas. 
Procurada por volta das 17h de ontem, a prefeitura enviou nota afirmando que “a Delta Construções foi contratada através de processo licitatório e que todas as obras foram concluídas regularmente”.
Procuradas às 18h, a Delta não se pronunciou sobre as acusações ontem e nem tampouco sobre sua atuação em São José, informando que o fará posteriormente.
Presidente da Comissão de Obras da Câmara, o vereador governista Walter Hayashi (PSB) classificou como “normal” a atuação da Delta em São José dos Campos.
“O grande problema na Via Norte foi o da licença ambiental. Não acredito que irregularidades tenham ocorrido, ou num relacionamento irregular da Delta com a prefeitura. Mas, como surgiram essas denúncias, vamos apurar”, disse.
Por sua vez, o vereador da oposição, Wagner Balieiro (PT), afirmou que muitas empresas questionaram a atuação da Delta em São José. “Falavam que a Delta praticava preços inexequíveis. O que vemos são atrasos e obras mal feitas”, disse.

 

SAIBA MAIS SOBRE AS OBRAS DA DELTA EM SÃO JOSÉ

Os contratos
A empresa Delta Construções Ltda, empreiteira colocada sob suspeita na CPI do Congresso que vai investigar ligações do bicheiro Carlinhos Cachoeira com deputados e senadores. Ganhou quatro das principais obras viárias executadas no governo Eduardo Cury (PSDB) em São José dos Campos. Juntos, os contratos somam R$ 35,3 milhões

Problemas
Em todas as obras foram registrados problemas, como atrasos no prazo de entrega (que pelo menos dobrou em três casos) e irregularidades na licitação e nos contratos apontadas pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado)

Via Norte (Fase 1)
OBJETIVO: Melhorar o acesso à zona norte, distrito de São Francisco Xavier e Monteiro Lobato, atingindo cerca de 60 mil moradores. Tem 2.320 metros de extensão

VALOR: R$ 7,1 milhões
PRAZO: 12 meses
INÍCIO: maio de 2007
SITUAÇÃO: entregue em julho de 2009
PROBLEMAS: atraso de 14 meses para conclusão

Via Norte (Fase 2)
OBJETIVO: melhorar o acesso à zona norte, distrito de São Francisco Xavier e Monteiro Lobato, atingindo cerca de 60 mil moradores. Tem 2.320 metros de extensão
VALOR: R$ 15,3 milhões
ADITAMENTOS E REAJUSTE: R$ 3,7 milhões
INÍCIO: janeiro de 2008
PRAZO: 12 meses
SITUAÇÃO: entregue em fevereiro de 2011
PROBLEMAS: atraso de 25 meses para conclusão

Duplicação da avenida Benedito Friggi

OBJETIVO: melhorar a segurança e fluidez no tráfego sentido região leste, beneficiando 60 mil moradores. Trecho de 730 metros foi duplicado
VALOR: 3,4 milhões
INÍCIO: outubro de 2007
PRAZO: 8 meses
SITUAÇÃO: entregue em setembro de 2008
PROBLEMAS: Licitação e contrato julgados como irregulares pelo TCE. O órgão apontou que governo teria limitado participação de empresas no certame. De 64 interessadas, apenas três foram habilitadas e só uma chegou à fase de propostas. Atraso de três meses para conclusão

Obra: Via Oeste
OBJETIVO: desafogar trânsito na avenida Cassiano Ricardo, melhorando o acesso entre as regiões do Jardim Colinas e Jardim das Indústrias. Tem 2.000 metros de extensão
VALOR: R$ 5,8 milhões
PRAZO: 6 meses
INÍCIO: janeiro de 2008
SITUAÇÃO: entregue em janeiro de 2009
PROBLEMAS: atraso de seis meses para conclusão

 

O governador do Rio, Sérgio Cabral, tá com aquilo apertadinho, apertadinho. As águas do ‘cachoeira’ estão descendo e já estão chegando ao sul maravilha. Do Cavendish, da Delta, para o Sérgio Cabral é só um pulinho. Vai acabar sobrando até para o presidente da ALERJ, deputado Paulo Melo. Haja vaselina…

 

Brasil , Pré sal , Venezuela , segunda reserva mundial de petróleo , segunda reserva mundial de  petróleo , Argentina discute sub avaliação dos valores e reservas comunicados pelo repsol ao Governo , importações de 11 bi na área de combustíveis em um país que sempre foi auto suficiente , falta de investimentos de ou em acordo com o mercado financeiro internacional com a qual a Argentina não tem relações , produção de derivados de acordo com interesses dos exportadores e não da Argentina em primeiro lugar.


Um pequeno poço só que não de petróleo..........  

 

tudo será uma questão de desconstruir a linguagem - mentiras - do pig-veja-globo-estdadão-folh(-partícipes da famigerada construção do falso mensalão) O Pig,   em sua linguagem mentirosa, aliás, já confessa suas mentiras, como não poderia ser de outra maneira, já que são empulhações, ou seja, notórias mentiras...

mais uma vez o nassif descontrói e mostra a verdade...parabéns...a todos os blogueiros que estão nesa luta....

se a cpmi seguir os blogueiros, desmascara a grande mídfia.

avante,pois.....como diria aquele personagem do rubrem fonsecsa....

 

FHC na Câmara Federal , cerimônia para nos lembrarmos do que é a oposição , um senhor de idade avançada , sem o raciocínio nas mesmas condições da vida adulta , e de olho nas pesquisa do Nicolelis, caindo da cadeira.............quem mandou não me levarem a Cartagena...........


Fiquei pensando se apelarmos paro o espírito cívico dos últimos remanescentes poderiam nos permitir empalhá-los para fins históricos e estudantis das próximas gerações ........


Ta aí pertinho , pergunta pra ele faz favor Maia.........imagina aRio + 20 .............FHC cheio de graça ensaiando uns passinhos........

 

monarca , outra , quando levar o Felipon junto nestas aventuras troca as espingardas por maquinas fotográficas fazendo o favor


Felipon resmungando , ainda acertou meu pé........pra cima ou baixo neste caso não na direção do pé o miniatura..........

 

Pelo que entendi a estratégia tem sido essa:

1) Coloca-se vários fatos de diversos partidos. O jogo embola e a mídia tenta passar para a opinião pública que todos são corruptos, sem especificar o grau da corrupção de cada um. Assim tapioca é comparada com viaduto.

2) Joga-se todo o foco para a Delta. Tentam tirar alguns nomes de cena. Cria-se a imagem que é a Delta é o maior corruptor do país.

3) Abre-se uma frente para a apuração de corrupções no DNIT. A mídia conclui que o DNIT é o maior cliente da Delta.

4) Concluem que como a Delta é a maior corruptora e que como o DNIT é o maior cliente, então o maior esquema de corrupção já visto neste país estará no DNIT. Daí através de factóides tentam chegar em mebros dos partidos. Tudo isso sem sequer uma apuração mais detalhada.

 

Não houve declaração conjunto após o final da Conferência , huuummmmm , de que jeito , acharam a metade e destes 20% somente conseguiam falar............ e falavam do Yeltsin.........

 

Conferência , huuummm , de Cartagena , como que perdi essa........


Aí Bill ,  o outro já faleceu mas pela animação , cada negão Bill , contei três , outra que vai entrar no porretito..........


E os meninos que estavam confraternizando , jovens , essa doeu , que ficaram com o pepino , cada pepinão.........


Saudações americanas 

 

BLOG DO ZÈ:


Certa mídia desvia foco das relações do crime organizado com políticos e instâncias do Estado


Publicado em 17-Abr-2012
-->

-->

Novamente estamos diante da mesma tentativa de veículos de comunicação - a revista Veja à frente - de desviar o foco das investigações das relações entre o crime organizado, comandado pelo grupo do contraventor Carlos Cachoeira, e governos, instituições de Estado como polícias e Ministério Público, e políticos, entre os quais se destaca o senador Demóstenes Torres (DEM até a semana passada, agora sem partido).

Com base em nota do site do Mino Pedrosa - aliado de Carlos Cachoeira -  vem a público, novamente, notícia veiculada pela Veja há um ano (09.05.2011) sobre um contrato de consultoria que minha empresa deu à empresa Delta. Como a própria reportagem da revista revela, aquela consultoria  tinha como objetivo análise de investimentos no Mercosul e na América Latina.

Por decisão exclusiva da Delta o contrato seria firmado com sua coligada Sygma. O trabalho foi realizado por dois meses e pago mediante emissão de nota fiscal da JDA Consultoria, no valor de R$ 20 mil.

Assunto velho volta a ser notícia um ano depois


Após um litígio entre as empresas citadas, um dos sócios - a quem estou processando por calúnia - depois de dizer até que desconhecia o contrato com minha consultoria, deu uma entrevista à Veja afirmando que se tratava de tráfico de influência, o que foi desmentido pela própria empresa contratante.

Como já frisei, um ano depois o assunto da matéria voltou ao noticiário ontem. Agora no Jornal Nacional da Rede Globo que, sintomaticamente, ao tratar do caso deflagrado pela operação Monte Carlo da Polícia Federal, que expôs as entranhas da ligação do crime organizado com políticos da oposição, quase esconde o principal personagem da história, o senador Demóstenes Torres.

No começo da operação Monte Carlo o noticiário distorcido, lembrando a todo momento a gravação que Carlos Cachoeira fez em 2002 com o Waldomiro Diniz, já fazia essa mesma tentativa de me vincular, mais uma vez, com o escândalo.

Omitem vídeo em que foi tramada minha saída do governo


Sintomaticamente esse noticiário não fazia referência à gravação que Cachoeira fez com o procurador da República José Roberto Santoro, pela qual fica exposto o objetivo de toda a armação: a de me tirar do governo Lula.

Mas, as provas do inquérito fizeram Demóstenes Torres, o Governo de Goiás e a ocupação do Estado pelo crime organizado virem à tona. Mais grave: jogaram luz sobre as relações de certa mídia - particularmente da revista Veja - com o crime organizado para forjar matérias políticas de interesse deste e de outros veículos de comunicação.


 


VIDEO-TAPE DA GLOBO DE 08/05/2011:


(Atentar para quem quis levar os empresários para serem ouvidos no congresso)

Empresários acusam ex-chefe da Casa Civil José Dirceu de tráfico de influência 

BRASÍLIA e SÃO PAULO - O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu está sendo acusado por dois empresários de tráfico de influência em favor da Delta Construções, a empreiteira que mais recebeu recursos de obras do governo federal em 2010. José Augusto Quintella Freire e Romênio Marcelino Machado disseram à revista "Veja", na edição desta semana, que Dirceu foi contratado para aproximar o presidente do Conselho de Administração da empresa, Fernando Cavendish, de pessoas influentes do PT. Os líderes da oposição no Senado querem ouvir Cavendish, Freire e Machado, para que ele falem sobre o suposto tráfico de influência de José Dirceu.


O líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres (GO), vai procurar o PSDB e o PPS para, numa ação conjunta da oposição, apresentarem requerimento  de convite aos empresários.


"Com alguns milhões, seria possível comprar um senador"


Freire e Machado eram donos da Sigma Engenharia, comprada pela Delta em 2008. Durante as negociações de fusão, houve um desentendimento entre eles e Cavendish. Os dois empresários afirmam que o presidente do Conselho de Administração da Delta não pagou o valor combinado pelo negócio. O caso está hoje em disputa na Justiça.


Ainda nas palavras de Freire e Machado à "Veja", Cavendish contratou a JD Assessoria e Consultoria, de Dirceu, por meio da Sigma para encobrir a relação. Machado afirmou que, quando recebeu as notas fiscais da consultoria prestada pela empresa do ex-ministro, decidiu não pagá-las porque não sabia do que se tratava. Mas depois o pagamento, no valor de R$ 20 mil, acabou sendo feito por ordem de Cavendish. Oficialmente, a JD foi contratada para ampliar a participação da Delta em negócios no Mercosul. Mas Machado afirmou que o verdadeiro trabalho da consultoria do ex-ministro era "tráfico de influência, aproximar o Fernando Cavendish de pessoas influentes do governo do PT".


A reportagem afirma ainda que Cavendish teria dito que, "com alguns milhões, seria possível comprar um senador" para conseguir um bom contrato com o governo.


Para a "Veja", a Delta informou que, quando a Sigma foi comprada, o contrato com a empresa de Dirceu já havia sido feito, e o grupo só manteve o compromisso, que depois foi rescindido, porque a promessa de ampliar os negócios no Mercosul não tinha sido cumprida. Freire nega e disse que nunca viu o ex-ministro.


De acordo com reportagem publicada ontem pelo GLOBO, a Delta recebeu R$ 758,2 milhões por obras federais no ano passado, o maior valor entre todas as construtoras do país. O crescimento da empresa tem chamado a atenção do mercado.


Procurada ontem pelo GLOBO, a assessoria de imprensa da Delta não retornou a ligação. Dirceu também foi procurado por meio de sua assessoria, que também não respondeu. Em seu blog, o ex-ministro negou que o crescimento da Delta tenha relação com o trabalho de consultoria que prestou para a empresa. "Meu contrato com a Delta, de R$ 20 mil, durou quatro meses e foi como os demais do mercado, firmados por qualquer consultoria com seus clientes. Prestei um serviço profissional. Portanto, é pura má-fé atribuir a alta no faturamento da Delta ao meu trabalho de quatro meses, quando o setor em que ela atua se expandiu muito nos últimos anos", escreveu o ex-ministro.


Dirceu promete ir à Justiça.



 

 

Parece que Demóstenes vai, mas fica.


O deputado delegado do PSDB em 12/05/2011, entra com o convite:

 

Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC )



  • Apresentação do Requerimento n. 58/2011, pelo Deputado Delegado Waldir (PSDB-GO), que: "Requer sejam convidados o Sr. José Dirceu (Ex-Ministro Chefe da Casa Civil da Presidência da República e Representante da Empresa JD Assessoria e Consultoria), o Sr. Fernando Cavendish (Presidente da Empresa Delta Construções S/A), os Srs. José Augusto Quintella Freire e Romênio Marcelino Machado (Diretores da Empresa Sigma Engenharia, representante do Tribunal de Contas da União (TCU) e representante do Ministério Público Federal, para prestarem esclarecimentos sobre acusações de tráfico de influências em favor da Empresa Delta Construções".

 Reportagem da Folha de 31/03/2012, mostra o gingado do Senador:


Gravações revelam favores de senador para bicheiro

Folha de S.Paulo


Brasília - O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) usou o cargo para atender pedidos do empresário de jogos clandestinos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso pela Polícia Federal.


Em setembro do ano passado, Demóstenes ajudou a abrir portas na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para representantes de um laboratório farmacêutico que é controlado pelo bicheiro, segundo a polícia.


Segundo registros da Anvisa, o senador pediu uma audiência para tratar de um "protocolo sobre o câncer", mas usou a reunião para discutir pendências do laboratório Vitapan.


Gravações, cujas transcrições foram obtidas pela reportagem, mostram que Cachoeira pediu a ajuda de Demóstenes para impedir a convocação do empresário Fernando Cavendish, dono da construtora Delta, para depor numa comissão da Câmara, em maio de 2011.


O senador procura tranquilizar o empresário, dizendo que não havia possibilidade de o pedido ser aprovado. "Manda ele retirar o requerimento", pediu Cachoeira.


O senador do DEM respondeu: "Não, isso não aprova não."


O requerimento foi apresentado pelo deputado Delegado Waldir, do PSDB de Goiás, que atuou como suplente no ano passado.


E o pastelão midiático continua...

 

Irã News , Governo Iraniano , Novosti , russo , TeleSur , padrão de qualidade de emissão , informações e equipamentos que servem de modelo de formato de jornalismo para a AS , Telam , argentina , www.gov.cn ou english.gov.cn , chines , fico devendo o indiano e o sul africano


O Tijolaço colou um comentario com uma lista mais completa, aos poucos colo os mais relevantes que surgirem , olhem o formato das noticias , as óticas e linguagem , declarações oficiais dos Governos não as editadas pela velha mídia ,  comparem com a velha mídia internacional........


Salario minimo venezuelanao é o maior da AS , governo iraniano tem um programa social semelhante ao BF , a Líbia tambem tinha , e  hoje..........a velha mídia é uma tira do obscurantismo ocidental das últimas decadas anteriores ao progressismo , o sistema financeiro desmoronou , o militarismo perde forças , as petroleiras são questionadas , o que sobra da velha mídia sem estes setores , nada , lixo , o que eles publicam , e alguns entusisastas como no caso brasileiro gilmar mendes.


Aparecem  denuncias envolvendo fazendas do quadrilha cachoeira em MT , quintal produtivo do gilmar e seu grupo financeiro , em sua outra atividade alem de ministro do supremo , é uma s...... com a nação , já que não é politico e acho que grupo juridico que não é........


Fazer esse pilantra dá um pulo pra cima.........


O perillo parece um defunto preparado pro enterro , todo arrumadinho , andando pelos corredores se dizendo inocente , sou foucoultiano , a CPI tornará o processo e os autos públicos , ai nos diz que é inocente perillo....... o menino que foi avisa o Lula , garoto de recado do bicheiro e do civita é f........

 

Ou vice-versa, Nassif. 

Tendo em vista que a Delta só virou a Delta após ter José Dirceu como consultor, pode-se conjecturar que o governo quer focar no Cachoeira e em seus comparsas para livrar uma investigação minuciosa na empreiteira amiga do cacique petista.

 

 

JANIO DE FREITAS

Imprensas

Não há motivo para que a imprensa brasileira seja tão omissa quando se trata da transparência de si mesma

DUAS ESPERANÇAS problemáticas em relação à imprensa brasileira, manifestadas simultaneamente. Uma, de Barack Obama, na Cúpula das Américas, na Colômbia. Mas prefiro começar pela outra, de Suzana Singer, ombudsman (sic) daFolha.

Depois de referir-se às relações de parte da imprensa com o círculo de Carlinhos Cachoeira, citadas nos vazamentos da Polícia Federal, Suzana Singer conclama: a imprensa "tem o dever de apurar tudo -mas sem se poupar. É hora de dar um exemplo de transparência".

Por nossa conta, pode-se encontrar na última frase um segundo sentido, que é o da necessidade de uma transparência ainda ausente das normas. Aqui, é claro. O caso remete, porém, a uma face ainda mais crítica do uso da marginalidade para obter informações.

A depender das circunstâncias, o contato com a marginalidade pode ser jornalístico e legítimo. Não há como saber se o é na maioria ou na minoria das vezes. Mas sempre deveria estar, e não está, submetido ao cuidado de ponderar sobre a finalidade de quem dá a informação. Na marginalidade, a tendência do propósito é servir à própria marginalidade. E, quando é assim, o jornalista e sua publicação servem também à marginalidade.

Se houver, devem ser poucas as dúvidas sobre a prática mais crítica que é a compra de informações e de documentos, para noticiário denunciante. Esta pode parecer mera transação, mas, ainda que o fosse, jornalista não é negociante de notícias e documentos. No mínimo, porque tal negócio é uma forma de corrupção.

Nos vazamentos da PF não apareceu negócio algum nas conexões de imprensa e Cachoeira. Mas também não há motivo para que a imprensa brasileira seja tão omissa quando se trata da transparência de si mesma. Omissão, aliás, que vem lá do século passado, como uma regra silenciada, mas praticada.

Essa regra já tinha idade na imprensa brasileira dos anos 50, a que Barack Obama se referiu. No relato de Sylvia Colombo, Obama acusou a imprensa latino-americana de ainda "usar a linguagem" daqueles anos "para tratar da relação EUA-América Latina". Em sua reclamação (ou seria apelo?): "É preciso acabar com a mentalidade de que o culpado por tudo o que vai mal na América Latina são os Estados Unidos".

Não são? Ou não são mais? Ótimo. De qualquer modo, Obama se engana quanto à linguagem do jornalismo por aqui, nos anos 50 e em muitas dezenas de anos mais, sobre os EUA. O extremismo da Guerra Fria não permitia que a imprensa nem sequer tivesse, quanto mais usasse uma linguagem criticante dos EUA.

Na eventualidade de palavras que não fossem de inteiro apoio aos americanos, a imprensa estava apenas transcrevendo algum alto mandatário em momento de exceção. E transcrição literal, ou haveria problema.

A censura democrática, sem lei, mas com todos os meios de poder, não tinha limite. Uma ilustração basta. É a do diretor de "Manchete", Justino Martins, que viaja à União Soviética, anos 60 ou 70, para registrar o mal conhecido cotidiano por lá.

Publicada a primeira de três reportagens, a multinacional Rhodia (têxtil, química, indústria farmacêutica, plásticos, múltiplas atividades), maior anunciante do grupo Manchete, faz a Adolpho Bloch, por telefonema de seu presidente brasileiro, este aviso simples: "Se sair a segunda reportagem da URSS, a Rhodia retira todos os anúncios de tudo aí".

Obama não sabe que a América Latina está aprendendo a falar sobre os EUA. Mas o passado não pode apagar-se todo. Nem os EUA se interessaram por fazê-lo.

Link: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/37633-imprensas.shtml

 

 

Um conhecido publicitário se auto incrimina para acusar o PT


Imaginem a cara dos Procuradores , talvez alguém tenha perguntado mas o sr fez tantas campanhas para os tucanos e nunca falou nada , estava espantado com a corrupção do governo petista , alguém pergunta e esse cara não escutou falar em privatizações.......


Se não foi uma tentativa de golpe contra os resultados legítimos das urnas que elegeram Lula não sei como definir


No STF gilmar mendes na espera , tudo organizado , ou me digam qual destas condições ou fatos não existiram


pfl 107 dep federais , dem 27 dep federais , pós carlismo , o acm e o roberto marinho eram os padrinhos dos regimes dos arautos da moralidade , em governo banhado pelas privatizações , em conjunto com a velha midia , que ficou com os anuncios das empresas que participaram do butim 

 

A cobertura que a imprensa vem dando para o caso é uma contradição só. Se o governo/Zé Dirceu queria tanto "melar" o julgamento do mensalão e o PT/Zé Dirceu tinha o rabo preso com o Delta com certeza não se enfiariam na operação Monte Carlo?
Acreditar que o PT/Zé Dirceu são ingenuos e burros a este ponto está no mesmo nível da cobertura que a imprensa/colunistas comprometidos com a oposição creditam ao nível intelectual dos leitores de suas publicações.
O comprometimento ético dos editores dos principais veículos de comunicação do Brasil é do nível do Demóstenes. Hipócrita e totalmente desrespeitoso com relação a nação. O que importa é o comprometimento ideólogico/financeiro dos editores/patrões com o grupo político que eles creditam ser melhor aos seus interesses. Os jornalistas só servem para massa de manobra. Assim como Demóstenes era massa de manobra para o patrão Cachoeira(e quem esteja nas sombras atrás dele) enquanto pregava a ética em sua atividade pública.
Quando eu vejo os jornalistas Bonner e a Patricia Poeta no JN (e eu tenho assistido o JN todos os dias porque a versão da cobertura caso Cachoeira para a nação vai sair dali) com uma interpretação teatral divulgando a versão do caso Cachoeira fico a imaginar se são apenas burros ou canalhas da espécie Demóstenes.

 

Vera Lucia Venturini

Desde que o Brasil é Brasil ouço falar dos demotucanos (e seus antecessores) em maracutaias, politicagem e corrupção com construtoras. Vou citar alguns exemplos de empresas que se associaram com esses politiqueiros raposões e se eu estiver errado me corrijam: OAS, Mendes Junior, Andrade Gutierrez, Camargo Correa, Odebrecht, Cowan, Cojan, Melo Azevedo, Cetenco, Queiroz Galvão, CR Almeida, e por aí vai. Aqui em Minas, dos 14 trechos da linha verde, construtoras dos amigos do Aecinho foram agraciadas com 9. Onde esteve a tal imprensa investigativa nessa ocasião? Por isso, acredito que com uma imprensa como esta que está aí, e com todo o poder concentrado desses demotucanos, que atuam no legislativo, ministérios públicos, tribunais de contas, judiário e em outros setores, nunca passaremos o país a limpo. Uma pena. Oportunidades, principalmente no desgoverno FHC, não faltaram de desmascarar esses politiqueiros e varrê-los para sempre do cenário nacional.


Algumas tinham até caderneta com anotações de mesadas para a turma  (demotucana) de Brasília. Quem irá investigar Rodanel, metrô de São Paulo, Cidade Administrativa e linha verde de Minas Gerais e outros desgovernos demotucanos?


 

 

 

segunda-feira, 16 de abril de 2012

do Blog AmigosdoPresidente:

 

Marco Maia manda a Veja parar de espernear contra a CPI do Cachoeira

 

 

O Presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT/RS), emitiu nota em resposta à revista Veja. Eis a íntegra (os grifos e negritos são nossos):

Por que a Veja é contra a CPMI do Cachoeira?


Tendo em vista a publicação, na edição desta semana, de mais uma matéria opinativa por parte da revista Veja do Grupo Abril, desferindo um novo ataque desrespeitoso e grosseiro contra minha pessoa, sinto-me no dever de prestar os esclarecimentos a seguir em respeito aos cidadãos brasileiros, em especial aos leitores da referida revista e aos meus eleitores:

- a decisão de instalação de uma CPMI, reunindo Senado e Câmara Federal, resultou do entendimento quase unânime por parte do conjunto de partidos políticos com representação no Congresso Nacional sobre a necessidade de investigar as denúncias que se tornaram públicas, envolvendo as relações entre o contraventor conhecido como Carlinhos Cachoeira com integrantes dos setores público e privado, entre eles a imprensa;

- não é verdadeira, portanto, a tese que a referida matéria tenta construir (de forma arrogante e totalitária) de que esta CPMI seja um ato que vise tão somente confundir a opinião pública no momento em que o judiciário prepara-se para julgar as responsabilidades de diversos políticos citados no processo conhecido como "Mensalão";

- também não é verdadeira a tese, que a revista Veja tenta construir (também de forma totalitária), de que esta CPMI tem como um dos objetivos realizar uma caça a jornalistas que tenham realizado denúncias contra este ou aquele partido ou pessoa. Mas posso assegurar que haverá, sim, investigações sobre as graves denúncias de que o contraventor Carlinhos Cachoeira abastecia jornalistas e veículos de imprensa com informações obtidas a partir de um esquema clandestino de arapongagem;

- vale lembrar que, há pouco tempo, um importante jornal inglês foi obrigado a fechar as portas por denúncias menos graves do que estas. Isto sem falar na defesa que a matéria da Veja faz da cartilha fascista de que os fins justificam os meios ao defender o uso de meios espúrios para alcançar seus objetivos;

- afinal, por que a revista Veja é tão crítica em relação à instalação desta CPMI? Por que a Veja ataca esta CPMI? Por que a Veja, há duas semanas, não publicou uma linha sequer sobre as denúncias que envolviam até então somente o senador Demóstenes Torres, quando todos (destaco "todos") os demais veículos da imprensa buscavam desvendar as denúncias? Por que não investigar possíveis desvios de conduta da imprensa? Vai mal a Veja!;

- o que mais surpreende é o fato de que, em nenhum momento nas minhas declarações durante a última semana, falei especificamente sobre a revista, apontei envolvidos, ou mesmo emiti juízo de valor sobre o que é certo ou errado no comportamento da imprensa ou de qualquer envolvido no esquema. Ao contrário, apenas afirmei a necessidade de investigar tudo o que diz respeito às relações criminosas apontadas pelas Operações Monte Carlo e Vegas;

- não é a primeira vez que a revista Veja realiza matérias, aparentemente jornalísticas, mas com cunho opinativo, exagerando nos adjetivos a mim, sem sequer, como manda qualquer manual de jornalismo, ouvir as partes, o que não aconteceu em relação à minha pessoa (confesso que não entendo o porquê), demonstrando o emprego de métodos pouco jornalísticos, o que não colabora com a consolidação da democracia que tanto depende do uso responsável da liberdade de imprensa.

Dep. Marco Maia,
Presidente da Câmara dos Deputados
Em 15 de abril de 2012

 

Cachoeira , Dantas , Serra  , todos têm em comum a arapongagem dos próprios negócios. Ficam com o recibo , com a prova , adquirem poder sobre a outra parte. Èsses negócios , digamos , heterodoxos , contam quase sempre , com a participação ativa ou passiva das empresas de midia , daí a blindagem. Quando o bicho pega , vem o arsenal de truques que embaralha as investigações e evita os respingos. 

 

O pensamento, a lógica está correta. A estratégia da mídia deve ser a de desviar o foco do todo. No entanto, hoje temos a internet  e como blogueiros fazemos o contra ponto com a mídia tradicional. A luta não vai ser fácil. 

 

90% dos contratos da Delta são com o DNIT , do MT , o qual teve o ministro que assinou os contratos afastado


Teve seu afastamento em função de denuncias e pressão pública da velha mídia , saiu brabo com o Governo , vai entender os erros eram no miniterio dele a pressão pública da velha mídia e ele ficou brabo como Governo.


Igual ao Bob Jeff , cobra cridada da politica levou uma volta do bicherio , comentarista caindo da cadeirta ,  alá o bicherin boto o bob no bolso , comentarista os prantos tirando a maior onda com  o bob , qual é junior , ficou brabinho com o JD........ aí JD vamo s....muito , fazia a documentação andar a 220 por hora , coisa e tal , bicherin fez chama de papá..........passando mal........

 

A Agência Estado, repercutida em outros sites de informação, incluindo aí o Estado de Minas/UAI, propondo a operação "abafa" e cita nomes como se fosse uma negociação. Aí já não é medo. É pavor.

 

Abaixo-assinado QUEREMOS O DEPUTADO FEDERAL DELEGADO PROTÓGENES QUEIROZ NA PRESIDENCIA DA "CPI DO CACHOEIRA" http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N23400 A CPI do Cachoeira vem aí! abril 16th 2012 Posted to Sem categoria Chegou a hora de sabermos a verdade dos mais de 1.000 áudios de negociatas e roubalheira na República. A velha mídia do Partido da Imprensa Golpista -PIG- e os corruptos envolvidos com o contraventor de Goiás estão com medo da minha participação na CPI, requerida por mim originalmente. Conto com seu apoio: assine e compartilhe a petição abaixo e faça a sua parte. Vamos juntos lutar contra a corrupção! Acesse a Petição Online clicando no link acima ! Os cidadãos e cidadãs brasileiros que subscrevem este documento, vem à público, solicitar a permanência do excelentíssimo Deputado Federal Delegado Protógenes Queiroz como presidente da “CPI DO CACHOEIRA”, tendo em vista os relevantes serviços prestados por esse exemplar parlamentar à nação brasileira como Delegado da Polícia Federal.

 

A repotagem do Azenha, postada no Blog Vi o Mundo encaixa como uma luva nesse post Nassif.

 Coincidências sobre a gravação de empresário que foi parar no JN

Coincidências sobre a gravação de empresário [título original deste post]

por Luiz Carlos Azenha

Ao relatar  o vazamento de um aúdio na internet, hoje, a Folha de S. Paulo entregou de leve o funcionamento do esquema que envolvia o senador agora sem partido Demóstenes Torres.

Disse a Folha, aqui:

Em conversa gravada, em dezembro de 2009, o dono da Delta Construções S/A, Fernando Cavendish, afirma que é possível ganhar contratos com o poder público subornando políticos. A Delta já recebeu mais de R$ 3,6 bilhões em verbas federais desde 2003 e está no centro das investigações da Polícia Federal envolvendo Carlos Cachoeira, preso pela Operação Monte Carlo por envolvimento em jogo ilegal. A PF chega a descrever Cachoeira como um sócio oculto da Delta, o que a empresa nega.

“Se eu botar 30 milhões [de reais] na mão de político, eu sou convidado pra coisa pra caralho. Se eu botasse dez pau que seja na mão dele… Dez pau? Ah… Não é que seja um monte de dinheiro não, mas eu ia ganhar negócio. Ô…”, diz Cavendish, que não se refere a um caso específico. “Estou sendo muito sincero com vocês: 6 milhões aqui, eu ia ser convidado. ‘Ô senador fulano de tal, tá aqui. Se convidar, eu boto o dinheiro na tua mão’”, continua o empresário.

A revista “Veja” já havia publicado trechos dessa conversa, em maio passado, sem divulgar o áudio da conversa.

Explicando. Em maio de 2011, a revista publicou reportagem acusando o ex-ministro José Dirceude fazer lobby para a construtora Delta, do empresário Fernando Cavendish. Seria a explicação para a Delta, de um empresário próximo do governador do Rio, Sergio Cabral, ter ganho tantas licitações em todo o Brasil. Dirceu diz que recebeu R$ 20 mil da Delta como consultor, mas nega se tratar de tráfico de influência (explicação dada por ele em seu blog).

Chama a atenção a frase final da reportagem de Veja:

A compra da Sigma pela Delta, como foi dito, é motivo de uma intensa disputa judicial. Graças a essa contenda é que veio à tona a confirmação de que o consultor José Dirceu age como um intermediário de oportunidades dentro do governo. Ela mostra também o perfil de cliente que busca esse tipo de serviço. Em reunião com os sócios, no fim de 2009, quando discutia exatamente as razões do litígio, o empresário Fernando Cavendish revelou o que pensa da política e dos políticos brasileiros de maneira geral: “Se eu botar 30 milhões de reais na mão de políticos, sou convidado para coisas para ‘c…’. Pode ter certeza disso!”. E disse mais. Com alguns milhões, seria possível até comprar um senador para conseguir um bom contrato com o governo: “Estou sendo muito sincero com vocês: 6 milhões aqui, eu ia ser convidado (para fazer obras). Senador fulano de tal, se (me) convidar, eu boto o dinheiro na sua mão!”. Subornar pessoas com poder de decisão no governo é crime de corrupção ativa. Todo mundo sabe que isso ocorre a toda hora. Mas ouvir a confirmação da boca de um grande empresário do país, mesmo se for só bravata, é assustador.

Não há dúvida que Cavendish disse o que disse. Foi gravado. Ao ler a revista, ele deve ter se dado conta disso. Ou seja, sabe-se lá o que passou pela cabeça do dono da Delta, então. Existiriam novas gravações?

O curioso é a repercussão do fato.

Quem é que pediu que os empresários fossem chamados ao Congresso para se explicar?

Demóstenes Torres. Deu no Globo:

O líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres (GO), vai procurar o PSDB e o PPS para, numa ação conjunta da oposição, apresentarem requerimento de convite aos empresários. Para Demóstenes, caberia requerimento à Comissão de Constituição e Justiça ou à de Fiscalização e Controle.

A novidade? É que hoje sabemos que a gravação, tudo indica, é originária do esquema do Cachoeira, já que coincidentemente foi divulgada com acusações contra o dono da Delta, apesar de não fazer parte da Operação Monte Carlo, no momento em que são coletadas as assinaturas para instalar a CPI.

É uma forma de colocar gente para trabalhar os telefones e tentar convencer deputados e senadores a não assinar os requerimentos para a criação da CPI. Especialmente se Cavendish doou dinheiro para campanhas eleitorais ou colocou em prática o que disse que poderia fazer, na gravação.

O esquema de Cachoeira grava, Veja expõe e Demóstenes pede explicações. Cavendish fica refém.

O áudio vaza justamente no dia em que estão sendo recolhidas assinaturas para a CPI e merece destaque da Folha.

O Brasil não é para amadores.

Definitivamente, não vai faltar assunto para esta CPMI.

PS do Viomundo: E, agora à noite, a gravação que saiu em um blog na internet foi parar no Jornal Nacional! O JN não perguntou, obviamente, quem deu a gravação ao dono do blog, Mino Pedrosa.

 

http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/coincidencias-sobre-a-gravacao-de-empresario.html

 

Azenha  foi felicíssimo  com  esse post,  foi  quem  apareceu para  colocar os pontos nos  IS, ontem.

 

O que me deixa decepcionado é que o efeito manada na cobertura política-econômica da mídia inclui a EBC, empresa pública que deveria, no mínimo, apresentar um contra-ponto distinto do "mainstream"

 

@gledsonshiva

A Folha de S. Paulo sai hoje com uma entrevista com o Ministro do Supremo Cezar Peluso. Como eles são muito mal intencionados, ou apenas burros, não pinçaram a manchete gritante. Resolvemois consertar a Folha, colocando a manchete que não quer calar.

Re: Cachoeira e Delta: o todo e a parte
 

Remindo Sauim

Então cabe a você, Nassif, e os demais blogueiros do país pautar a mídia tradicional. Impossível? Não! Vocês jornalistas que já passaram pelos principais veículos de imprensa do país tem a responsabilidade de contrapor esses mesmos veículos, inclusive de serem pautados por eles, quando partir deles matérias coerentes. Habilidade você e os demais tem de sobra. Já pensei por várias vezes ver reunidos os principais blogueiros em um só blog. Nassif, PHA, Rodrigo Vianna, Azenha, Altamiro, e mais outros, além de abrir espaço para políticos blogueiros. Lógico, há de se abrir espaço também para outros setores de informação e não só a política. O Brasil247 vira e mexe está pautando a imprensa. Imagina só poder ler esses tantos brilhantes em um espaço só. A força que seria exalada tomaria espaço nesse vácuo que a imprensa brasileira deixou. Mãos à obra

 

Em geografia, designa-se por delta a foz de um rio formada por vários canais ou braços do leito do rio. E é formado em planícies, portanto não acaba em cachoeiras.

 

Pessoal, sei que minha denúncia é bem menor do que essas divulgadas até agora, mas parece que o esquema de Cachoeira é muito mais amplo do que se imagina

Sua quadrilha também está envolvida em golpes pela internet, daqueles em que se vende algo e não se entrega.

O nome utilizado foi a da empresa Box Mercantíl.

Segundo pesquisa rápida no google:

Box Mercantil Assessoria Financeira ME Pessoa Jurídica Tinkey Serviços de Cobrança Ltda, Exploração de Jogos de Azar,Formação de Quadrilha,Lavagem de Dinheiro Estabelecida em São Paulo, consta que integra quadrilha de exploração de jogos de azar comandada por Carlinhos Cachoeira. Seria proprietária do site Brazil Bingo, que permite apostas online, hospedado atualmente na Irlanda, mas voltado para apostadores brasileiros.

 

vejam mais detalhes de pessoas enganadas no link:

http://forum.jogos.uol.com.br/vendeu-e-sumiu-box-mercantil---cnpj-077224...

 

se alguém souber como se deve proceder nesses casos, agradeço a ajuda

 

ola gente eu sou um viciado em jogos de cassino na internet 

e queria denuncia, pois perdi mais de 50 000 reais no decorrer dos tempos em jogos de cassino na internet ,isso não é proibido?Pois jogo normalmente dentro da minha casa no site betboo.com. pois não consigo parar e quando eu ganho algum dinheiro peço para depositarem em minha conta e vem no meu extrato bancario DISTINTA BOX MERCANTIL ASSESSORIA   gostaria de saber se isso é uma fraude pois me ajudem estou perdendo tudo que tenho ,sou um viciado acreditando que posso ganhar alguma coisa e estou sendo enganado.

 

É verdade que eles vão tentar repetir a estratégia da CPI dos precatórios, mas os dias são outros (internet) e eles vão quebrar a cara desta vez!

 

@gledsonshiva

Um macete usado pela grande mídia no caso da Delta é o seguinte: a Delta recebeu tantos milhões do gov. federal etc. Dá a impressão de que foi presente, e não pagamento por obras executadas, obtidas por licitação. Se a licitação foi fraudada, dirigida etc., resta a se provar. A malandragem funciona que é uma beleza. Tenho gastado litros de saliva para mostrar às pessoas -- e gente inteligente, informada, culta -- que receber dinheiro do estado não é sinal de mutreta. As patifarias, se existem, estão alhures: licitações fraudadas etc.

 

"O mundo estaria salvo se os homens de bem tivessem a mesma ousadia dos canalhas" Nelson Rodrigues

Eu comentei no post "Veja e a CPI de Cachoeira" as diversas matérias na Folha de hoje que vão nessa direção apontada pelo Nassif aqui: todo o foco na Delta e nenhum pio sobre o Demóstenes.

Mas isso que você fala é interessante, porque já li em diversos portais da internet sobre os 3,6 bilhões que a Delta teria recebido do Governo Federal desde 2003, como se esse valor fosse pagamento indevido, e não a remuneração pelas obras tocadas pela construtora. No meu comentário referido acima, destaco uma pequena nota na coluna Painel que diz: "Delta Construções, pivô da CPI do Cachoeira, recebeu em contratos com a Prefeitura de São Paulo de janeiro de 2005 até este mês R$ 329.765.040,66." (nenhuma referência e muito menos surpresa com o fato de que esse valor representa quase 10% do total que a construtura recebeu do GF desde 2003).

Seria interessante se alguém fizesse um levantamento dos valores pagos à Delta "em contratos" não apenas com a Prefeitura de São Paulo, mas também com as demais prefeituras, Governos Estaduais (SP, RJ, DF, etc.) e as respectivas obras. Aí veríamos se houve contrapartida aos valores recebidos em serviços prestados. Eu aposto que vai respingar mais sujeira nos governos municipais e estaduais do que no GF, onde, segundo o próprio Nassif, a concentração das falcatruas estava no DENIT e já estavam sob investigação.

 

 

Há dois dias, o Azenha disse que faltava muito pouco para tentarem jogar Cachoeira no colo de Lula e Dirceu. Dito e feito: ontem o JN trouxe uma matéria fora do contexto da operação Monte Carlo, dizendo que enquanto Zé Dirceu deu assessoria à Delta, os contratos com o governo federal aumentaram. Agora, para se fazer jornalismo, teria que se fazer o mesmo levantamento em relação aos 23 estados que têm negócio com a Delta.

Enfim, essa mídia é enojante e óbvia. O marco regulatório não pode mais esperar.

 

A luta pela Ley de Medios, defendida por praticamente todos os militantes digitais, e também pelo PT, em seu encontro nacional, finalmente encontra um caminho rumo à sua efetivação.

O PIG não faz jornalismo, faz política partidária. Neste caso, tentando proteger Cachoeira e os políticos subordinados a ele. Assim como proteger-se a si próprio já que, no mínimo, a Veja e a Globo estão envolvidas em atos suspeitos.

 

_____________________________

Roberto Locatelli

Profissional de computação gráfica, modelador digital

Nassif, desconhecia a Delta, como a maioria, bem como nos rolos que se metia. Mas, putzgrila, o bendito do Zé Dirceu tinha de prestar consultoria a ela. E segundo consta para investimento no exterior. Que seja, mas é facilitar para quem quer melar ou disvirtuar a CPI.

Em tempo, ele é eclético.

 

Taí,  eu  sempre  votei  na esquerda,  sou  eleitora de Lula/Dilma mas  acho  que Zé  Dirceu  só  atrapalha o Governo. Não  sei  se  ele  é culpado ou não, mas  será  que   ele não tem o bom  senso  para  não  se  envolver  com  empresas   contratadas pelo  Governo? Se  eu  fosse ele escolheria   com mais   critério meus  clientes. Talvez  eu  esteja  dizendo uma tremenda bobagem mas  é o  que me vem á mente nesse  momento. Gostaria (  sem ironia)  que  alguém  me mostrasse  que  estou errada  até porque tenho mente  aberta  e  vontade de  compreender melhor a vida,  as pessoas,  etc.

 

As empresas de comunicação que focarem na Delta estarão revelando seu envolvimento com a organização criminosa chefiada por Cachoeira.

Uma mão lava a outra... nas águas do Cachoeira...

 

A disputa é moral. Duvido que alguém vá para a cadeia, mas se a imprensa for desmascarada nesse episódio, isso será um divisor de águas no Brasil. A questão chave é provar, mostrar o envolvimento da Veja com Cachoeira. Civita convocado em uma CPI ou Policarpo será o fim de uma era de calunia e difamação, isso não tem preço. O que está em disputa aqui é o poder de manipulação e influencia da mídia, no tempo do Collor se ouvia que a Veja e a Globo elegiam presidentes, hoje este poder está restrito a derrubar ministros, se a CPI avançar poderá ser o fim desse poder.  Enfim, a questão é moral é de quem está com a verdade é de provar o que todo mundo já fala nas ruas, que a imprensa só defende seus interesses.

 

Franklin.

É isso aí, quem espera punições e julgamentos vai se decepcionar, CPI's não são feitas para isso, o grande ganho que essa CPI pode dar para o país é expor o jogo sujo da mídia de maneira nunca vista antes pelo grande público, frequentadores deste blog e de outros com a mesma linha já estão carecas de saber disso mas existe um enorme público que não tem acesso a essas informações, com a CPI não será mais possivel para a chamada "grande mídia" varrer a sujeira para debaixo do tapete, quando começarem a ser convocados jornalistas e grandes empresários de mídia forçosamente isso será noticia e mais do que isso o público talvez começe a descobrir que não pode confiar naquilo que lê, ouve e assiste, essa perda de credibilidade será o fim de esquemas de chantagem do tipo utilizado pelo binômio Veja/Cachoeira. Se isso e apenas isso for obtido pela CPI vai ser um vitória histórica para ela e para o país.

 

Srªs Senadoras e Srs. Senadores, a Transparência Internacional divulgou, nesta terça-feira, a classificação anual dos países mais corruptos do mundo, e a situação do Brasil, sob o império do “lulismo”, só piorou. Demóstenes Torres 08/10/2003

Ou pode ter o efeito contrario se não houver nada de inequivocamente escabroso nos tais 200 telefonemas entre Policarpo e Cachoeira. Que Cachoeira era informante da Veja isso era ja conhecido, não rende nada. Não sera o primeiro nem o ultimo escroque a passar informações para a imprensa. A questão é provar a tese de que havia uma conspiração Veja-Cachoeira para desestabilizar o governo Lula. Dada a gravidade de tal coisa, os resultados das investigações têm de ser tornados publicos. O que não pode é deixar a acusação de um crime dessa magnitude no ar, sem comprovação nem refutação. Por que vemos todo tipo de grampo sendo vazado mas não um dos tais 200 do Policarpo? Alguém tem a transcrição de algum deles?

 

Só o fato de tarem 200 telefonemas já é escabroso...

 

alexandre toledo

Essa CPI, vai escancarar a grande necessidade de uma nova  ley de médios, tão defendida por PHA. O povo não aguenta mais ver tanta manipulação por parte da rede globo, principalmente.

 

Vantuil, o pior  é  que o povo  se  deixa levar pela capa da Veja e  é  esse  mesmo povo que  cresceu, ganhou  dinheiro  e  comprando bens de  consumo por  conta de Lula/Dilma.

Fica  aquela  coisa  que eu ouço:" Dilmona é  um  espetáculo  e mesmo  com tanto  roubo  do pessoal  do PT ela  está fazendo um ótimo  governo."

É uma  coisa louca,  esquisofrenica o  que  a mídia  faz  com  o povo: Não  consegue derrubar  a Presidenta mas  fica o tempo  todo  tentando desmoralizar  seu  governo.

Eu  acho  que  essa CPI vai  ser  fundamental para revelar   ao povo  quem é  a VEJA, Grobo, "empresários"  e certos políticos.