Revista GGN

Assine

Câmbio e tarifas de importação

A discussão no âmbito da OMC (Organização Mundial do Comércio) sobre redução tarifária dos produtos industriais dos países emergentes é extemporânea - pelo menos em relação ao Brasil. Só a apreciação cambial dos últimos anos praticamente tornou negativas todas as tarifas de importação praticadas antes da valorização.

Com o dólar a R$ 2,90 e uma tarifa de importação de 35%, um produto que custasse US$ 1.000,00 sairia, aqui, por R$ 3.915,00. Se a tarifa caísse para 25%, o preço cairia para R$ 3.625,00 - redução de 7%.

Com o dólar a R$ 2,10, o mesmo produto sairá a R$ 2.625,00, uma redução de 33%. Se não se mexesse no dólar, mas apenas na tarifa de importação, significaria substituir a alíquota de 35% por uma de -2%.

Se a tarifa de importação fosse cair de 25% para 10%, só a mudança do câmbio significaria uma tarifa negativa de 9% no período.

Reduzir tarifas sem corrigir o câmbio é suicídio

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.