newsletter

Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+68 comentários

Todos os caminhos levam a Roma.


Campaign Tips From Cicero The Art of Politics, From the Tiber to the Potomac By Quintus Tullius Cicero and James CarvilleMay/June 2012




In 64 BC, the great Roman lawyer and orator Marcus Tullius Cicero ran for consul, the highest office in the republic. Marcus was 42 years old, brilliant, and successful. But he was not a member of the nobility, and that would ordinarily have eliminated him from consideration. The other candidates that year were so unappetizing, however, that he had a chance of winning -- at least, thought his younger brother, Quintus, if Marcus could run a good campaign. At this time in Rome, any adult male citizen could cast a ballot, but voting was done in a complicated system of groups. The richest citizens had disproportionate power, social and political patronage was crucial, and campaigns were accompanied by some bribery and occasional violence, but the electoral process was orderly and usually reasonably fair. The Commentariolum Petitionis, or "Little Handbook on Electioneering," purports to be a memo written by Quintus to Marcus telling him how to proceed. Some scholars believe it is just that; others think it was written by another ancient writer. Either way, the author clearly knew a lot about Roman politics in the first century BC, which turn out to have a distinctly familiar feel. What follows are excerpts from a new translation of the Commentariolum by Philip Freeman, with some observations on its contemporary relevance by James Carville.

THE EDITORS

 

To my brother Marcus,

Although you already have all the skills a man can possess through natural ability, experience, and hard work, because of the affection we have for one another I would like to share with you what I have been thinking about night and day concerning your upcoming campaign. . . .

It is crucial that you take stock of the many advantages you possess. . . . Few outsiders have the number and variety of supporters that you do. All those holding public contracts are on your side, as well as most of the business community. The Italian towns also support you. Don't forget about all the people you have successfully defended in court, clients from a wide variety of social backgrounds. And, of course, remember the special interest groups that back you. Finally, make good use of the young people who admire you and want to learn from you, in addition to all the faithful friends who are daily at your side.

Work to maintain the goodwill of these groups by giving them helpful advice and asking them for their counsel in return. Now is the time to call in all favors. Don't miss an opportunity to remind everyone in your debt that they should repay you with their support. For those who owe you nothing, let them know that their timely help will put you in their debt. And, of course, one thing that can greatly help an outsider is the backing of the nobility, particularly those who have served as consuls previously. It is essential that these men whose company you wish to join should think you worthy of them.

You must diligently cultivate relationships with these men of privilege. Both you and your friends should work to convince them that you have always been a traditionalist. Never let them think you are a populist. Tell them if you seem to be siding with the common people on any issue it is because you need to win the favor of Pompey [a popular general], so that he can use his great influence on your behalf or at least not against you. . . .

Another factor that can help you as an outsider is the poor quality of those men of the nobility who are competing against you. . . . Who would believe that men as pathetic as Publius Galba and Lucius Cassius would run for the highest office in the land, even though they come from the best families? . . . But, you might say, what about the other candidates, Antonius and Catiline? Surely they are dangerous opponents? Yes, they certainly are, but not to someone like you. . . .

You should be grateful to run against men like those two. They have both been brutes since they were boys, while even now they are notorious philanderers and spendthrifts. . . . Remember how [Antonius] was expelled from the Senate after a careful examination by the censors? . . . When he ran for praetor he could only muster Sabidius and Panthera to stand beside him. . . . After he was elected . . . , he disgraced himself by going down to the market and openly buying a girl to keep at home as a sex slave. . . .

As for Catiline, . . . [he] was born into a poor family, brought up in debauchery with his own sister, and shed his first blood killing Roman citizens and businessmen as a henchman of [the dictator] Sulla. . . . He even murdered his own brother-in-law, Quintus Caecilius, a kindly old fellow and good Roman businessman who cared nothing for politics. Catiline . . . took a club and beat poor Marcus Marius, a man very popular with the Roman people. . . . Catiline afterward was a friend of actors -- can you imagine? -- and gladiators. He lived a life of debauchery with the former group and used the latter as hired thugs in all his crimes. . . . He was so impudent, so wicked, so skilled in his licentiousness that he molested young boys almost in the laps of their parents. Do I even need to remind you what he did in Africa? It's all recorded in the indictments, which you should take the time to review carefully, by the way. . . .

KEEP HOPE ALIVE

I want to talk about the details of how you should run your campaign. . . . To speak bluntly, since you are seeking the most important position in Rome and since you have so many potential enemies, you can't afford to make any mistakes. . . .

Running for office can be divided into two kinds of activity: securing the support of your friends and winning over the general public. You gain the goodwill of friends through kindness, favors, old connections, availability, and natural charm. But in an election you need to think of friendship in broader terms than in everyday life. For a candidate, a friend is anyone who shows you goodwill or seeks out your company.

Do not overlook your family and those closely connected with you. Make sure they all are behind you and want you to succeed. This includes your tribe, your neighbors, your clients, your former slaves, and even your servants. For almost every destructive rumor that makes its way to the public begins among family and friends. . . .

There are three things that will guarantee votes in an election: favors, hope, and personal attachment. You must work to give these incentives to the right people. You can win uncommitted voters to your side by doing them even small favors. So much more so all those you have greatly helped, who must be made to understand that if they don't support you now they will lose all public respect. But do go to them in person and let them know that if they back you in this election you will be in their debt.

As for those who you have inspired with hope -- a zealous and devoted group -- you must make them to believe that you will always be there to help them. Let them know that you are grateful for their loyalty and that you are keenly aware of and appreciate what each of them is doing for you.

The third class of supporters are those who show goodwill because of a personal attachment they believe they have made with you. Encourage this by adapting your message to fit the particular circumstances of each and showing abundant goodwill to them in return. Show them that the more they work for your election the closer your bond to them will be. For each of these three groups of supporters, decide how they can help you in your campaign and give attention to each accordingly, reckoning as well how much you can demand from them.

There are certain key men in every neighborhood and town who exercise power. . . . Be sure to distinguish these men from those who seem important but have no real power and in fact are often unpopular in their group. Recognizing the difference between the useful and useless men in any organization will save you from investing your time and resources with people who will be of little help to you. . . .

Seek out men everywhere who will represent you as if they themselves were running for office. Visit them, talk to them, get to know them. Strengthen their loyalty to you in whatever way works best, using the language they understand. They will want to be your friends if they see that you want to be theirs. Small-town men and country folk will want to be your friends if you take the trouble to learn their names -- but they are not fools. They will only support you if they believe they have something to gain. If so, they will miss no chance to help you. . . .

You should pay special attention to . . . businessmen and moderately wealthy citizens. Get to know the leading members of these groups, which shouldn't be difficult as they are not great in number. . . . It will [also] help your campaign tremendously to have the enthusiasm and energy of young people on your side to canvass voters, gain supporters, spread news, and make you look good. . . .

KEEP YOUR FRIENDS CLOSE, BUT YOUR ENEMIES CLOSER

You must have a wide variety of people around you on a daily basis. Voters will judge you on what sort of crowd you draw both in quality and numbers. The three types of followers are those who greet you at home, those who escort you down to the Forum, and those who accompany you wherever you go.

As for the first type, they are the least reliable since many will make domestic calls on more than one candidate. Nonetheless, make it clear to them that you are pleased to have them drop by. Mention your gratitude for their visit whenever you see them and tell their friends that you noticed their presence as well, for the friends will repeat your words to them. Even if they visit several candidates, you can win them to your side as solid supporters by taking special notice of them. If you hear or suspect that one of your callers is not as firm in his support for you as he might appear, pretend this isn't the case. If he tries to explain that the charges are untrue, assure him that you have never doubted his loyalty and certainly won't in the future. By making him believe you trust him as a friend, you increase the chances that he really will be. Still, don't be foolish and accept every profession of goodwill you hear.

For those who accompany you to the Forum, let them know that you appreciate this even more than their coming to your house each morning. Try to go there at the same time each day so that you can have a large crowd following you. This will impress everyone greatly.

For the rest who accompany you throughout the day, make sure those who come of their own free will know how grateful you are for their company. For those who follow you because of obligation, insist that they come every day unless they are too old or are engaged in important business. If they can't make it, have them send a relative to take their place. It is vital that you have a crowd of devoted followers with you at all times. . . .

Since I have been writing so much on the subject of friendship, I think now is the time to sound a note of caution. Politics is full of deceit, treachery, and betrayal. . . . Your good nature has in the past led some men to feign friendship while they were in fact jealous of you, so remember the wise words of [the playwright] Epicharmus: "Don't trust people too easily."

Once you have figured out who your true friends are, give some thought to your enemies as well. There are three kinds of people who will stand against you: those you have harmed, those who dislike you for no good reason, and those who are close friends of your opponents. For those you have harmed by standing up for a friend against them, be gracious and apologetic, reminding them you were only defending someone you had strong ties to and that you would do the same for them if they were your friend. For those who don't like you without good cause, try to win them over by being kind to them or doing them a favor or by showing concern for them. As for the last group who are friends of your rivals, you can use the same techniques, proving your benevolence even to those who are your enemies. . . .

PROMISE THEM ANYTHING

Impressing the voters at large . . . is done by knowing who people are, being personable and generous, promoting yourself, being available, and never giving up. . . . Nothing impresses an average voter more than having a candidate remember him, so work every day to recall names and faces. Now, my brother, you have many wonderful qualities, but those you lack you must acquire and it must appear as if you were born with them. You have excellent manners and are always courteous, but you can be rather stiff at times. You desperately need to learn the art of flattery -- a disgraceful thing in normal life but essential when you are running for office. If you use flattery to corrupt a man there is no excuse for it, but if you apply ingratiation as a way to make political friends, it is acceptable. For a candidate must be a chameleon, adapting to each person he meets, changing his expression and speech as necessary.

Don't leave Rome! . . . There is no time for vacations during a campaign. Be present in the city and in the Forum, speaking constantly with voters, then talking with them again the next day and the next. Never let anyone be able to say that he lacked your earnest and repeated attention during the campaign.

Generosity is also a requirement of a candidate, even if it doesn't affect most voters directly. People like to hear that you are good to your friends at events such as banquets, so make sure that you and your allies celebrate these frequently for the leaders of each tribe. Another way to show you are generous is to be available day and night to those who need you. Keep the doors of your house open, of course, but also open your face and expression, for these are the window to the soul. If you look closed and distracted when people talk with you, it won't matter that your front gates are never locked. People not only want commitments from a candidate but they want them delivered in an engaged and generous manner. . . .

When someone asks you to do something impossible, such as taking sides against a friend, you must, of course, refuse as a matter of honor, explaining your commitment to your friend, expressing your regret at turning down the request, and promising that you will make it up to him in other ways. . . . If you refuse a man by making up some tale about a personal commitment to a friend, he can walk away without being angry at you. But if you say you're just too busy or have more important things to do, he will hate you. People would prefer you give them a gracious lie than an outright refusal.

Remember [the politician] Cotta, that master of campaigning, who said that he would promise everything to anyone, unless some clear obligation prevented him, but only lived up to those promises that benefited him. He seldom refused anyone, for he said that often a person he made a promise to would end up not needing him or that he himself would have more time available than he thought he would to help. . . . If you break a promise, the outcome is uncertain and the number of people affected is small. But if you refuse to make a promise, the result is certain and produces immediate anger in a larger number of voters. Most of those who ask for your help will never actually need it. Thus it is better to have a few people in the Forum disappointed when you let them down than have a mob outside your home when you refuse to promise them what they want. . . .

Finally, as regards the Roman masses, be sure to put on a good show. Dignified, yes, but full of the color and spectacle that appeals so much to crowds. It also wouldn't hurt to remind them of what scoundrels your opponents are and to smear these men at every opportunity with the crimes, sexual scandals, and corruption they have brought on themselves.

The most important part of your campaign is to bring hope to people and a feeling of goodwill toward you. On the other hand, you should not make specific pledges either to the Senate or the people. Stick to vague generalities. Tell the Senate you will maintain its traditional power and privileges. Let the business community and wealthy citizens know that you are for stability and peace. Assure the common people that you have always been on their side, both in your speeches and in your defense of their interests in court. . . .

Our city is a cesspool of humanity, a place of deceit, plots, and vice of every imaginable kind. Anywhere you turn you will see arrogance, stubbornness, malevolence, pride, and hatred. . . . In such a chaotic world, you must stick to the path you have chosen. It is your unmatched skill as a speaker that draws the Roman people to you and keeps them on your side. It may well be that your opponents will try to use bribery to win your supporters from you, for this can often work. But let them know you will be watching their actions most carefully and you will haul them into court. They will be afraid of your attention and oratory, as well as the influence you have with the business community. You don't have to actually bring your opponents to trial on corruption charges, just let them know you are willing to do so. Fear works even better than actual litigation. And don't be discouraged by all this talk of bribery. I am certain that even in the most corrupt elections that there are plenty of voters who support the candidates they believe in without money changing hands. . . .

That is all I have to say, my brother. It is not that I know more about politics and elections than you, but I realize how busy you are and I thought I could more easily set out these simple rules in writing.

What ultimately happened? After running a campaign along these lines, Marcus won the race for consul, gaining the most votes of any candidate. Antonius narrowly beat Catiline for the second consular spot. Catiline ran again the next year and lost again, prompting him to try to raise an army and overthrow the republic. In his role as consul, Marcus uncovered the conspiracy and persuaded the senate to declare war on Catiline, who was subsequently killed in battle. Both Marcus and his brother, Quintus, were killed two decades later, during the civil wars that accompanied the demise of the republic and the birth of the empire.

***
PLUS ÇA CHANGE
James Carville

In 1972, when I was a law student and just starting out in the business of politics, I worked on a campaign for the district attorney in East Baton Rouge Parish, advising a man named Ossie Bluege Brown. My job was to distribute negative literature on our opponent in strip malls and crowded grocery stores throughout the Baton Rouge area. Over the next 20 years, I did almost anything and everything for candidates at all levels of the political system, working my way up from passing out "hate sheets" in shopping plazas to contributing to Bill Clinton's presidential victory in 1992. Each campaign had its moments, but nothing in the modern political world comes remotely close to the feeling of winning the big one, which I got to share that magical night in Little Rock.

I thought that the advice I was giving my clients was special. Little did I realize that pretty much everything I've said was old news 2,000 years ago, covered expertly in Quintus Tullius Cicero's strategy memo for the campaign of his brother, Marcus, for consul in Rome in 64 bc. The Commentariolum Petitionis, or "Little Handbook on Electioneering," is remarkable; it displays as unabashed an appreciation of the harsh realities of politics as the works of that later Italian writer Niccolò Machiavelli.

Quintus starts with what we campaign advisers call "confidence building," assuring the candidate that he has what it takes to win. He moves on to an assessment of the nature and strength of the candidate's base and the need to target specific groups, cautioning against what might be perceived as class warfare. He urges his brother to go negative early, even bringing up the character issue (it must be easier to do when your opponent is a murderer, child molester, and "friend of actors"). He then moves brilliantly back to base development, urges his brother to pander, and anticipates Napoleon's advice that a leader should be "a dealer in hope."

Even without the benefit of modern technology, he suggests microtargeting, crafting specific appeals to the narrowest of segments of the voting public. Then, he recommends what is so often done in modern politics: sucking up and spitting down, that is, paying far more attention to those with great power than to the great unwashed. He stresses the importance of retail politics and offers a fascinating discussion of how and when to say no if you have to.

He recommends George H. W. Bush's courtesy, Bill Clinton's total recall of names and faces, and Barack Obama's focus on getting out the youth vote. He argues for campaigning constantly and incessantly, and cautions against taking vacations during the campaign, since your absence will suggest that you are taking voters for granted. (If Newt Gingrich had gotten such a memo last spring, he might not have lost the bulk of his campaign staff a couple months later.)

Mitt Romney should take heart from the fact that Quintus advocates pandering and overpromising in almost every situation: "If you break a promise, the outcome is uncertain and the number of people affected is small. But if you refuse to make a promise, the result is certain and produces immediate anger in a larger number of voters." Toward that end, he points out the necessity of great advance work to know what people want.

There are always those who say that politics is more negative than ever and that contemporary political consultants are more cynical and unrestrained than their predecessors. Anybody who thinks that just hasn't been paying attention, and should go read Quintus' advice to his brother. He suggests sticking to generalities during the campaign, telling the wealthy you are for stability and peace while assuring the common man that you are always on his side. Oh, and accusing your opponents of "crimes, sex scandals, and corruption." His cynicism, moreover, makes him a trial lawyer's dream: he suggests threatening to take opponents to court at any provocation, no matter how frivolous. He is not particularly interested in the fruits of litigation, but only wants to use it as a tool to produce fear and restraint on the opposing side.

At some point, all high school students ask why they should study history. They are generally told something like, "You need to study it to avoid repeating it." Right. It has been said that history is "one damn thing after another." Reading Quintus' memo, I think the expression should be "the same damn thing after another." I just hope my opponent in the next campaign doesn't get a copy.

 

Follow the money, follow the power.

Nassif,

 

segue link http://migre.me/8RshW do portal 247, que sugere que foi a CPI do Cachoeria quem forneceu o inquerito sigiloso para ser publicado neste link  http://brasil247.com/videos-ipad/Vol%201.PDF  .

Contudo, podemos encontras entres as páginas 90 a 95  o pedido dos advogados do Senador para terem acesso ao inquerito.

Portanto Nassif, sua hipotese colocada num post foi confirmada.

 

Saudações

 

Wagner Moraes

 

Saudações

Wagner Moraes

CPI do Cachoeira
HomeFotosVídeosNotícias27/04/201216h19 > Atualizada 27/04/201216h34

Supremo libera inquérito de Demóstenes à CPI do Cachoeira e a Conselho de Ética

Comente
Maurício Savarese

Do UOL, em Brasília

Com base em precedentes do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Ricardo Lewandowski liberou nesta sexta-feira (27) o inquérito que relata atividades suspeitas do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) à CPI instalada nesta semana para investigar a relação do empresário Carlos Cachoeira, preso desde fevereiro por exploração de jogos ilegais e outros crimes, com parlamentares.

Lewandowski também autorizou o Conselho de Ética do Senado a ter as informações sobre o parlamentar, contidas nos trabalhos da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal. O deferimento foi feito a pedido do presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB).

A Comissão de Ética da Câmara também terá acesso ao inquérito para tratar dos casos dos deputados Carlos Aberto Leréia (PSDB-GO) e Sandes Júnior (PP-GO), envolvidos com Cachoeira.

Ver em tamanho maiorDez frases de Demóstenes Torres, antes e depois da criseFoto 10 de 10 - "Diante do pré-julgamento público que o partido fez, comunico a minha desfiliação do Democratas", disse o senador ao anunciar sua desfiliação do DEM Mais 20.mar.2012 - Lula Marques/FolhapressO senador Humberto Costa (PT-PE), responsável pelo relatório sobre o colega Demóstenes Torres (sem partido-GO) no Conselho de Ética do Senado, prometeu entregar o texto na próxima quinta-feira (3). Ele poderá solicitar abertura do processo contra o senador ou o arquivamento do pedido.

A defesa de Demóstenes foi entregue por seu advogado na noite de quarta-feira (25) e alega que a representação no Conselho de Ética leva em conta apenas reportagens publicadas na mídia e, por isso, deveria ser encerrada. O parecer do petista pode ser votado no dia 8 de maio.

O cronograma foi divulgado na quinta-feira (26) após uma reunião administrativa do conselho para definir os rumos da investigação.

Entenda as suspeitas envolvendo Demóstenes Torres
CPI do Cachoeira
O Congresso instalou uma CPI para investigar ainda o envolvimento de outros parlamentares com o contraventor.

Na sua opinião, qual será o resultado da CPI do Cachoeira?

Vai prejudicar o governo
Vai prejudicar a oposição
Vai acabar em pizza VotarResultado parcialEm sua primeira reunião depois de instalada, a CPI do Cachoeira aprovou nesta quarta-feira (25) a solicitação dos inquéritos no STF a respeito das operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal.

O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) foi confirmado na presidência e indicou o deputado Odair Cunha (PT-MG) como relator. O peemedebista prometeu um trabalho "transparente e em equilíbrio" para coordenar a comissão "e sua tarefa complexa". Ele foi eleito quase por unanimidade --votou contra apenas o deputado Fernando Francischini (PSDB-PR). Já o petista agradeceu a colegas de partido que também almejavam o cargo, os deputados Cândido Vaccarezza (SP) e Paulo Teixeira (SP).

A reunião começou sob a presidência da deputada Iris de Araújo (PMDB-GO), a mais velha entre os membros da comissão. O primeiro a chegar, já com uma pilha de requerimentos, foi o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP). Os lugares na sala da comissão não são marcados. Além da prioridade na entrega dos pedidos ao relator, os parlamentares que se posicionam mais cedo ganham mais holofotes durante as discussões.

Além de Sampaio, se enfileiraram na linha de frente o líder do PTB na Câmara, deputado Silvio Costa (PE), o ex-líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP) e os senadores Sérgio Petecão (PSD-AC), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Ciro Nogueira (PP-PI) e Lídice da Mata (PSB-BA).

Mais de 70 requerimentos de convocação de oitivas e de requisição de documentos já foram apresentados, mas foi aprovado somente o primeiro requerimento, referente às operações da PF. "Esses documentos são nosso ponto de partida" explicou o relator.

Ver em tamanho maiorQuem foi citado na investigação sobre Carlinhos CachoeiraFoto 2 de 10 - Escutas da PF reproduzidas em reportagens de diversos veículos da imprensa mostram que o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), à esquerda, é suspeito de receber presentes e favores do contraventor Carlinhos Cachoeira, além de intervir no Congresso em favor do empresário. Desfiliado do DEM e com um processo aberto contra si no Conselho de Ética, Demóstenes disse que vai se defender e provar sua inocência Mais 12.abr.2012 - Lula Marques/FolhapressO senador Fernando Collor (PTB-AL) sugeriu a convocação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e dos delegados que conduziram as operações Vegas e Monte Carlo para deporem à CPI, mas essa sugestão, assim como outras dezenas, ficou para as próximas semanas. Apenas os partidos de oposição entregaram cerca de 80 requerimentos de convocação, abertura de sigilo, entre outros.

"Sou a favor da requisição dos requerimentos, mas acho que esses documentos devem nos chegar pelas mãos do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e com a audiência dos delegados que conduziram o caso", afirmou Collor.

Entre os prováveis convocados, já com requerimentos para isso nas mãos do relator, estão o próprio Carlinhos Cachoeira, os governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), e o ex-dono da empreiteira Delta, Fernando Cavendish. A reunião de instalação demorou quase duas horas e foi marcada pelo clima tranquilo entre os parlamentares. "Esta é uma CPI que não é governo nem da oposição. É do governo e da oposição", disse Costa, líder do PTB.

O deputado Stepan Nercessian (PPS-RJ), amigo de Cachoeira, pediu à comissão que o chame a dar esclarecimentos sobre o empréstimo que solicitou.

Os nomes dos membros da CPI mista foram informados na noite de terça-feira (24): 16 senadores e 16 deputados, além dos suplentes. Mais de dois terços deles são aliados do governo Dilma Rousseff. A comissão tem o prazo de 180 dias para concluir as investigações. As reuniões, de acordo com o senador Vital do Rêgo, ocorrerão nas terças, quartas e quintas-feiras. "Da minha parte, prometo todo empenho e diálogo com todas as forças que atuam na CPMI.”

A eleição do vice-presidente será feita na próxima sessão da CPI, na quarta-feira (3), às 14h30. O PMDB tem a prerrogativa de indicar o posto, mas a oposição também pleiteia o cargo, por "equilíbrio administrativo", de acordo com o deputado Ônyx Lorenzoni (DEM-RS). O debate sobre a necessidade de subrelatorias também deve ser feito na semana que vem. (Com Agência Brasil)

Entenda a CPI do Cachoeira
InvestigaçãoEnvolvidosComo funcionava o esquemaFinanciamentoTrâmite
Carlinhos Cachoeira foi preso em fevereiro
A CPI vai investigar as informações obtidas pela Polícia Federal, por meio das operações Vegas e Monte Carlo, sobre um suposto esquema montado pelo empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados. Cachoeira está preso desde 29 de fevereiro de 2012 acusado de vários crimes, entre os quais exploração de jogo de azar, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e contrabando. Além de atuar no ramo de jogos, Cachoeira têm atividades também em outras áreas.

Leia mais

O senador Demóstenes Torres é um dos citados
Segundo as investigações, Cachoeira construiu uma rede de colaboradores na esfera pública, principalmente atuando em Goiás e no Distrito Federal. Grampos e relatórios da PF amplamente divulgados pela imprensa apontam a relação do bicheiro com: deputados federais, o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), os governadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Agnelo Queiroz (PT-DF), além de funcionários da Anvisa, Incra, Receita e Infraero.
Álbum mostra quem foi citado

Escutas apontam interferência no governo de Marconi Perillo (PSDB), em Goiás
Escutas telefônicas da PF indicam a atuação do grupo de Cachoeira em atividades do Congresso, na tomada de decisões nos governos do Distrito Federal e de Goiás, em pagamento de favores e propinas a agentes públicos e na interceptação ilegal de e-mails, entre outros.
Leia mais

Fernando Cavendish, ex-dono da Delta, nega ligação com o esquema e diz desconhecer envolvidos
Relatórios mostram a ligação do grupo de Cachoeira com a empresa Delta Construções, que cresceu fazendo negócios com o setor público e é a empreiteira que mais recebe recursos do governo federal desde 2007. Segundo a PF, há indícios de que a maior parte dos valores que entraram nas contas de empresas fantasmas ligadas a Cachoeira é oriunda da Delta. Políticos receberam doações eleitorais por meio dessas empresas.
Leia mais

A CPI mista é formada por 16 senadores e 16 deputados, respeitando a proporcionalidade partidária no Congresso. A comissão tem o prazo de 6 meses para concluir seus trabalhos, com possibilidade de prorrogação. Uma CPI tem poderes de investigação e pode ouvir testemunhas, investigados, requisitar informações e documentos sigilosos, além de quebrar os sigilos bancário e fiscal. Ao término das investigações, as conclusões devem ser encaminhadas ao MP.
Leia mais
Ver em tamanho maiorVeja quem são os titulares da CPI do CachoeiraFoto 7 de 32 - Ex-presidente da República, afastado do cargo por suspeita de corrupção, mas inocentado no Supremo Tribunal Federal, o senador Fernando Collor (PTB-AL) evita os microfones desde que assumiu o cargo no Senado, em 2007. Governista com Luiz Inácio Lula da Silva, segue na base com a presidente Dilma Mais Sérgio Lima/Folhapress

 

MASCULINO E FEMININO

É meio antigo mas não deixa de ser um Clipping

E aí Nassif e restantes dos comentaristas, vvão requerer?

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 

 

Art. 1o  As instituições de ensino públicas e privadas expedirão diplomas e certificados com a flexão de gênero correspondente ao sexo da pessoa diplomada, ao designar a profissão e o grau obtido. 

 

Art. 2o  As pessoas já diplomadas poderão requerer das instituições referidas no art. 1o a reemissão gratuita dos diplomas, com a devida correção, segundo regulamento do respectivo sistema de ensino. 

 

Art. 3o  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 

 

Brasília,  3  de  abril  de 2012; 191o da Independência e 124o da República. 

 

DILMA ROUSSEFF
Aloizio Mercadante
Eleonora Menicucci de Oliveira

 

O Guardiola deixou o Barça. Ah se ele viesse treinar o Brasil!!

Já tem gente organizando campanhas. Seria uma ótima oportunidade de colocar alguém com peso suficiente pra implantar na seleção uma meritocracia independente de patrocinadores e da mídia. Seria a possibilidade real de ganhar copa 14, jogando bem e encantando. Principalmente, seria o freio dos egos individuais em nome do coletivo, que poderia, inclusive, ter repercussões na vida em sociedade.

 

Já pensou o Brasil jogando com 11 jogadores dedicados, empenhados em um objetivo só? Sem centro-avantes marrentos que não ajudam a defesa? Sem laterais anciões bancados pela Nike?

 

You may say I'm a dreamer, but I'm not the only one!

 

 

http://blogdojuca.uol.com.br/2012/04/e-a-maquina-verde-amarela/

 

Arthur Virgílio insiste em desqualificar Protógenes Queiroz:

 

Ilegitimidade

 

O Deputado Protógenes Queiroz não reúne as mais mínimas condições morais de integrar uma CPMI que, sem dúvida, terá de investigá-lo. Sua presença entre os inquiridores torna ilegítimo todo o processo.

 

26 de Abril de 2012 às 16:13

 

Arthur Virgílio

O Deputado Protógenes Queiroz não reúne as mais mínimas condições morais de integrar uma CPMI que, sem dúvida, terá de investigá-lo. Sua presença entre os inquiridores torna ilegítimo todo o processo. Significa a proteção ostensiva a um dos implicados no escândalo. Representa o descompromisso com a isenção e a sobriedade.

 

Vamos aos fatos. Protógenes é figura bastante frequente nas gravações que, aos poucos, têm sido dadas à luz. Ele que, antes de se eleger para a Câmara, puxado pelos votos de Tiririca, respondia a inquérito na Polícia Federal, acusado de cometer irregularidades na Operação Satiagraha.

 

Reportagem recentíssima de Alfredo Junqueira e Fabio Fabrini, do Estadão, revelou que, em oito de maio de 2009, o contraventor Carlos Cachoeira comunicou ao diretor da Delta Construções para a região centro-oeste, Claudio Abreu, preso pela polícia civil de Goiás a partir de denúncia do Ministério Público, que Protógenes entraria, naquele dia, em contato com a quadrilha. A seguir, mandou seu braço direito, Adalberto Matias Araújo, o “Dadá”, a casa do Parlamentar. As conversas, sempre chulas, foram à base de “fica com os rádio ligado (sic) que os meninos tá (sic) te ligando agora, do Protógenes. O Protógenes vai falar com você agora”.

 

Em 18 desse mesmo mês de maio, “Dadá” e Protógenes combinaram ir juntos a Goiânia. Protógenes lhe comunica que iria palestrar sobre corrupção e que gostaria de chegar cedo para “almoçar com aqueles amigos”. O carro, prontamente providenciado por “Dadá”, óbvio que foi custeado por Carlos Cachoeira. Ironia dessa vida irônica que, a cada dia nos submete a surpresas eloquentes: o “bravo” e “ético” Protógenes Queiroz, foi a Goiânia deitar falação sobre corrupção (suponho que contra a dita cuja), em carro providenciado pelo inefável “Dadá” e pago pelo “generoso” Carlos Cachoeira, pensando em chegar cedo, a tempo de “almoçar com aqueles amigos”.

 

Não se pode esperar dele que se retire, por deliberação própria, da CPMI. É dever do conjunto do corpo investigativo excluí-lo, deixando claro que ele será bastante útil aos trabalhos, tão somente prestando depoimento como cidadão convocado a explicar seus laços com o contraventor e seus prepostos.

 

Eis um bom teste para avaliar se falam sério – ou não – quando dizem, sobretudo o relator, que estão dispostos a ir fundo nas necessárias buscas, “doa a quem doer”. Protógenes precisa sair, ontem, da falsa e artificial condição de investigador para a imperativa condição de investigado. Ou estará começando o festival das ilegitimidades.

 

Ministério do Trabalho

 

O governo do partido dito dos trabalhadores está, há um tempão, sem Ministro do Trabalho. Desde que o folclórico Carlos Lupi (“Dilma, eu te amo!) caiu sob pesadas acusações de corrupção, estabeleceu-se o impasse: a Presidente não consegue impor-se ao PDT e este não logra unir-se em torno de um nome capaz de representá-lo com honra no Conselho de Ministros.

 

Eis aí a constatação de fragilidade do esquema de sustentação política que nasceu apodrecido, porque assentado em bases falsas, longe de acordos programáticos e de princípios. Ás vésperas do Dia do Trabalhador, a pasta do Trabalho permanece entregue a um interino que apenas toca o medíocre cotidiano da mesmice.

 

Dilma, aprovadíssima (ainda) por uma sociedade que a vê contra tudo que ela, na verdade, concorda, é mera refém do esquema fisiológico montado por Lula para elegê-la e supostamente, garantir governabilidade ao país. Nem consegue nomear quem deseja. Sua única “afirmação” foi manter o moribundo Fernando Pimentel, “consultor” das Arábias, fazendo figuração no Ministério do Desenvolvimento.

 

Como nem tem Ministro do Trabalho no governo do Partido dos Trabalhadores, suponho que prostituam as regras de manuseio do FAT (Fundo de Amparo aos Trabalhadores). Tem sindicalista “combativo” que treme só de sonhar com investigação sobre tal desvio. Sindicalistas e centrais “combativos” sabem o abuso covarde que praticaram e impunemente praticam com dinheiro que deveria ser a poupança dos braços e das famílias que sustentam o presente e alicerçam o futuro do Brasil.

 

A propósito, a recomendação é simples: vão trabalhar... governantes!

 

Arthur Virgílio é diplomata e foi líder do PSDB no Senado

 

http://brasil247.com/pt/247/poder/56432/Ilegitimidade.htm

 

Enfim uma matéria que desmonta as bobagens que são plantadas em relação aos games.


 


http://arena.ig.com.br/2012-04-26/artigo-a-web-contra-o-sensacionalismo-na-midia-tradicional.html

Artigo: A web contra o sensacionalismo na mídia tradicional
Como a comunidade de games usa a internet a seu favor para desbancar reportagens tendenciosas de jornais e TV

Henrique Sampaio | 26/04/2012 17:07:27 - Atualizada às 26/04/2012 21:19:27







  •  

Texto:

Videogame sempre foi alvo de matérias tendenciosas na mídia tradicional, até pelo fato de muita gente, até hoje, não ter sequer contato com ele. A matéria do “Labirinto do Terror”, exibida recentemente no Jornal do SBT, contudo, parece ter ido além, misturando sensacionalismo com uma tremenda ingenuidade por parte da equipe de jornalismo.


A pauta em si já é risível: o tal Labirinto do Terror é uma pegadinha velha da internet, da época em que ainda era legal enviar sites “de susto” para os amigos (se é que isso já foi legal um dia), e não é sequer considerado um “game” de verdade, como um leigo poderia interpretar ao ver a matéria. A reportagem é tão desatualizada que exibe vídeos manjados do YouTube e termos antiquados, como “rede mundial de computadores”.



A tentativa de associação do “jogo” com o depoimento das crianças que, de acordo com a matéria, precisaram fazer tratamento psicológico para “superar o trauma” também não é das mais convincentes. Para piorar, o vídeo foi publicado na internet pelo próprio SBT, incapaz de prever a reação do público e o dano à imagem do jornal. Rapidamente a reportagem se espalhou pelo YouTube, acumulando “dislikes”, e virou motivo de deboche na internet.


A matéria desastrosa do SBT e a consequente reação do público é um exemplo de como o sensacionalismo da mídia tradicional perdeu espaço na web, onde ao contrário da TV, o público tem voz. O efeito, inclusive, pode ser um tanto negativo aos autores: incredibilidade, retaliações e boicotes, nem que seja pelo Twitter.

Foto: AP
Anders Breivik, o extremista norueguês

Um caso mais sério foi uma recente declaração de Anders Breivik , autor confesso do ataque que deixou 77 mortos na Noruega no ano passado. Durante seu julgamento, ele disse ter jogado World of Warcraft e Call of Duty intensamente meses antes do ataque. A mídia tradicional, principalmente a internacional, não demorou para associar deliberadamente os ataques aos videogames , afirmando que ambos os jogos serviram como uma espécie de preparação ou até motivação para o massacre, em alguns casos, sem sequer consultar um especialista.


Embora eu não duvide nada que o assunto ocupe as manchetes dos jornais noruegueses até hoje, no Brasil, ou mesmo em jornais americanos, pouco foi dito sobre isso. Por mais que diversos sites tenham insistido na relação entre os jogos e o massacre, a impressão é que a repercussão foi infinitamente menor que casos como o de Columbine ou de Virginia Tech. Tomar jogos violentos como bode expiatório para massacres cometidos por pessoas perturbadas parece não ter mais o mesmo efeito – além de soar tão estúpido quanto acusar um livro (O Apanhador no Campo de Centeio) pela morte de John Lennon.


A situação é bem conhecida por aqui. No ano passado, o programa Domingo Espetacular , da Record, transmitiu uma reportagem de 11 minutos, na qual falava sobre o "perigo dos videogames que abusam da violência". Afirmações como "não é preciso ser doente para sofrer a convulsão que os jogos violentos provocam", e depoimentos anônimos, típicos de matérias sobre tráfico de drogas, escancararam o conteúdo apelativo, tendencioso e exagerado da reportagem. E a Record virou a inimiga número um da comunidade gamer.


Leia também:
- Autor do PL contra "jogos ofensivos" retira projeto de pauta


Com os videogames cada vez mais compreendidos e inseridos na cultura popular e na rotina de pessoas de todas as idades, eles já não são mais o alvo fácil que eram antigamente - ainda mais com a possibilidade de manifestação do público. Em vez do sensacionalismo barato e superficial, por que não investigações embasadas sobre a violência em si, seja sua representação nos games e nas artes ou a vioência real na sociedade?


Retaliações são comuns, a exemplo do que aconteceu com o caso Fox News e Mass Effect em 2008. Na ocasião, a psicóloga Cooper Lawrence fez falsas afirmações sobre o conteúdo sexual do jogo, com base nos comentários infundados que havia ouvido. E quando o jornalista e apresentador Geoff Keighley, que participava do “debate”, contestou a acusação de pornografia, perguntando se ela havia jogado, um “não” debochado, acompanhado de risos, foi a resposta. No dia seguinte, o livro então recém-lançado da psicóloga, foi rechaçado na Amazon.com, com centenas de críticas negativas e “reviews” de pessoas que não haviam lido, mas que, ironicamente, o julgavam ruim apenas pelos comentários. A retratação da psicóloga não tardou – já a Fox News, nem se deu ao trabalho.


É assim que uma parte da sociedade ainda vê os jogos: na base do “ouvi falar”. Mas com a amplificação do meio, a acessibilidade cada vez maior e a presença cada vez mais forte de empresas, pesquisadores e profissionais da área, ainda mais quando falamos especificamente do Brasil, o “ouvi falar” não é mais desculpa para reportagens infundadas e sensacionalistas

 

O fim de uma era? De qualquer modo, faz bem o Guardiola, já fez o que podia ser feito no Barcelona. Vai procurar outros ares, outra cultura, outros desafios. É muito novo e realizou mais que muitos técnicos renomados conquistaram numa carreira inteira, pode voltar um dia. Imaginem ele na seleção, daria conta de organizar a bagunça?

 

Guardiola, 13 títulos em quatro anos, anuncia saída do Barcelona

por ESPN.com.br

http://espn.estadao.com.br/barcelona/noticia/253831_GUARDIOLA+13+TITULOS...

O homem que comandou o time que para muitos se tornou a principal referência de bom futebol praticado nos tempos atuais preferiu encerrar a relação com a equipe que montou. Nesta sexta-feira, Pep Guardiola confirmou que deixa o Barcelona ao término da temporada, onde ainda tenta ganhar a Copa do Rei para fechar os quatro anos de clube de forma vitoriosa.

Amparado por Busquets, Piqué, Pedro, Fábregas, Xavi, Valdés, Iniesta e Puyol, que estavam na primeira fila da sala de imprensa, Guardiola deixou o presidente Sandro Rosell fazer o comunicado oficial: “Anuncio que Josep Guardiola não seguirá como técnico do Barça na próxima temporada.”

Leia Mais


Ao lado de Rosell - que anunciou também que o auxiliar Tito Vilanova será o novo técnico a partir da próxima temporada - e do diretor-esportivo Andoni Zubizarreta, Guardiola, que ficará até o dia 30 de junho deste ano no Barça, afirmou que a energia não era mais a mesma.

"Sinceramente, acredito que a pessoa que assumirá terá a capacidade para ir bem. Não que eu não tenha, mas as exigências foram altas, tem que ter energia para contagiar os jogadores. Tenho que recuperar isso. Saio para me recuperar. Tenho que recuperar a paixão do primeiro ano. O culpado? O tempo", afirmou o treinador durante a entrevista coletiva.

Guardiola chegou para a temporada 2008-09, e logo começou a mudar a cara do time deixado por Frank Rijkaard. Preferiu não contar com nomes como Ronaldinho, Deco e Eto'o, trouxe Daniel Alves e Piqué e promoveu os garotos Busquets e Pedro. De cara, levou a Copa do Rei, o Campeonato Espanhol e a Copa dos Campeões da Europa.

Guardiola diz que perdeu energia nos últimos tempos e por isso deixou o Barça

Guardiola diz que perdeu energia nos últimos tempos e por isso deixou o Barça
Crédito da imagem: ReutersO ano de 2009, aliás, marcou o recorde de seis troféus conquistados: Liga Espanhola, Copa do Rei, Champions, Supercopa da Espanha, Supercopa Européia e Mundial de Clubes, o que levou Guardiola a se tornar o primeiro técnico da história a conquistar tal feito.

Depois, o título da Espanha na Copa do Mundo consolidou o Barcelona como o principal time do mundo. Puyol, Piqué, Busquets, Iniesta, Xavi e Pedro se mostraram fundamentais para colocar o estilo do Barça na seleção. Villa e Fábregas seriam contratados depois, e o futebol da Fúria, que finalmente levou uma Copa, se confundia com o da equipe comandada por Pep.

Depois do esquema de Rijkaard consolidar um 4-3-3 com um brilhante Ronaldinho, Guardiola conseguiu colocar em prática o 'tiki-taka', modelo que foca a posse de bola e a marcação sob pressão, muitas vezes atuando sem zagueiros ou com laterais que mais parecem pontas, para não falar de volantes sem o perfil de cabeça-de-área. O sucesso tático, somado à grande fase da geração espanhola e do três vezes melhor do mundo Lionel Messi, fizeram o clube ser o mais temido pelos adversários.

Piqué, Valdés, Busquets e Pedro estavam na entrevista da saída de Guardiola

Piqué, Fábregas, Busquets e Pedro estavam na entrevista da saída de Guardiola
Crédito da imagem: Reprodução - Barça TVNa atual temporada, porém, os dois principais títulos ficaram distantes. A Champions League já foi, com a derrota para o Chelsea nas semifinais, e o Campeonato Espanhol está praticamente perdido para o Real que abriu sete pontos de vantagem a quatro rodadas do fim. Não que a temporada tenha passado em branco - o Barça garantiu as duas Supercopas, o Mundial de Clubes e ainda tem a final da tradicional Copa do Rei. Mas, para os padrões da era Guardiola, o próprio treinador deve ter acusado o desgaste ao decidir pela saída.

Guardiola no Barcelona - Quatro temporadas: 2008-09, 09-10, 10-11, 11-12:

- 3 vezes campeão espanhol: 2008-09, 09-10, 10-11
- 3 vezes campeão da Supercopa da Espanha: 2009, 10, 11
- 2 vezes campeão da Champions League: 2008-09, 10-11
- 2 vezes campeão da Supercopa Européia: 2009, 11
- 2 vezes campeão do Mundial de Clubes da Fifa: 2009, 11
- 1 vez campeão da Copa do Rei: 2008-09

*Pode ainda levar mais uma Copa do Rei, já que a final está marcada para 25 de maio, contra o Athletic Bilbao, em Madri.

 

Guilherme TC

Por essa eu não esperava! Começou o processo de canonização do Carlinhos Cachoeira na mídia.

Capa da Folha de hoje: "o Carlinhos que eu conheço faz caridade", diz a mulher do "empresário".

 

 

É o pernilongo indo embora(fim da picada).


Quando a gente imagina que eles já chegaram no fundo do poço, eles conseguem se superar e publicam uma mérdia dessas. Só fechando essa pocilga mesmmo....

 

É aquela velha história: Quando a gente acha que eles já chegaram ao fundo do poço, e que não tem mais nada de pior prá fazer, eles se superam e mostram uma capa dessas. É o pernilongo indo embora(é o fim da picada). Essa falha de SÃO PAULO só fechando mesmo.....tá doido....

 

Mais Uma Bizarrice do Cahoeira Do TerraJornal: Cachoeira está revoltado e se considera preso político, diz mulher
27 de abril de 2012 06h30   

Andressa Mendonça, companheira de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de comandar a exploração do jogo ilegal em Goiás, disse em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo que o marido está revoltado e considera-se um "preso político", se referindo a onda de denúncias que envolvem seu nome nas últimas semanas. Depois de visitar Cachoeira na prisão, Andressa afirmou que o contraventor não descarta prestar um depoimento bombástico à CPI que foi instaurada no Congresso.

Andressa, 30 anos, declarou que Cachoeira não é essa pessoa que falam. Segundo ela, o homem que ela conhece faz caridade e doa alimentos e brinquedos. A mulher disse também que o companheiro batalha pela regulamentação dos jogos, e que seria considerado um grande empresário fora do Brasil. Para Cachoeira, a operação Monte Carlo tomou um rumo muito mais político, e que ele se sente um "bode expiatório". A prisão de Carlinhos Cachoeira atrapalhou os planos do casal, que iria celebrar o noivado em março.

 

Carlinhos Cachoeira
Acusado de comandar a exploração do jogo ilegal em Goiás, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, foi preso na Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, em 29 de fevereiro de 2012, oito anos após a divulgação de um vídeo em que Waldomiro Diniz, assessor do então ministro da Casa Civil, José Dirceu, lhe pedia propina. O escândalo culminou na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos e na revelação do suposto esquema de pagamento de parlamentares que ficou conhecido como mensalão.

Escutas telefônicas realizadas durante a investigação da PF apontaram contatos entre Cachoeira e o senador democrata Demóstenes Torres (GO). Ele reagiu dizendo que a violação do seu sigilo telefônico não havia obedecido a critérios legais.

Nos dias seguintes, reportagens dos jornais Folha de S.Paulo e O Globo afirmaram, respectivamente, que o grupo de Cachoeira forneceu telefones antigrampos para políticos, entre eles Demóstenes, e que o senador pediu ao empresário que lhe emprestasse R$ 3 mil em despesas com táxi-aéreo. Na conversa, o democrata ainda vazou informações sobre reuniões reservadas que manteve com representantes dos três Poderes.

Pressionado, Demóstenes pediu afastamento da liderança do DEM no Senado em 27 de março. No dia seguinte, o Psol representou contra o parlamentar no Conselho de Ética e, um dia depois, em 29 de março, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski autorizou a quebra de seu sigilo bancário.

O presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN), anunciou em 2 de abril que o partido havia decidido abrir um processo que poderia resultar na expulsão de Demóstenes, que, no dia seguinte, pediu a desfiliação da legenda, encerrando a investigação interna. Mas as denúncias só aumentaram e começaram a atingir ouros políticos, agentes públicos e empresas.

Após a publicação de suspeitas de que a construtora Delta, maior recebedora de recursos do governo federal nos últimos três anos, faça parte do esquema de Cachoeira, a empresa anunciou a demissão de um funcionário e uma auditoria. O vazamento das conversas apontam encontros de Cachoeira também com os governadores Agnelo Queiroz (PT), do Distrito Federal, e Marconi Perillo (PSDB), de Goiás. Em 19 de abril, o Congresso criou a CPI mista do Cachoeira.

 

Agora todos vocês são suspeitos.
O que está a fazer acerca disso?

Todos vocês são terroristas potenciais. Não importa que vivam na Grã-Bretanha, nos Estados Unidos, na Austrália ou no Médio Oriente. A cidadania é efectivamente abolida. Ligue o seu computador e o Centro Nacional de Operações do Departamento de Segurança Interna dos EUA pode monitorar se está a teclar não simplesmente "al-Qaeda", mas "exercício", "treino", "onda", "iniciativa" e "organização": todas palavras proscritas. O anúncio do governo britânico de que pretende espionar todo email e chamada telefónica é notícia velha. O satélite aspirador conhecido como Echelon tem estado a fazer isso desde há anos. O que mudou é que o estado de guerra permanente foi lançado pelos Estados Unidos e um estado policial está a consumir a democracia ocidental.

O que está a fazer acerca disto?

Na Grã-Bretanha, por instruções da CIA, tribunais secretos estão a tratar de "suspeitos de terrorismo". O Habeas Corpus está a morrer. O Tribunal Europeu de Direitos Humanos estabeleceu que cinco homens, incluindo três cidadãos britânicos, podem ser extraditados para os EUA muito embora apenas um tenha sido acusado de um crime. Todos estiveram aprisionados durante anos sob o Tratado de Extradição EUA/Reino Unido de 2003, o qual foi assinado um mês após a criminosa invasão do Iraque. O Tribunal Europeu condenou o tratado por provavelmente levar a "punição cruel e inabitual". A um dos homens, Babar Ahmad, foram concedidas 63 mil libras [71,5 mil euros] de compensação devido a 73 ferimentos registos que ele recebeu sob a custódia da Metropolitan Police. O abuso sexual, a assinatura do fascismo, estava em lugar alto na lista. Um outro homem é um esquizofrénico que sofreu um colapso mental completo e está no hospital de segurança de Boadmoor; um outro apresenta risco de suicídio. Eles vão para a Terra da Liberdade – juntamente com o jovem Richard O'Dwyer , que enfrenta 10 anos de grades e um fato laranja porque alegadamente infringiu na internet o copyright dos EUA.

Como a lei é politizada e americanizada, estas mascaradas não são atípicas. Confirmando a condenação de um estudante universitário londrino, Mohammed Gul, por disseminar "terrorismo" na internet, juízes do Tribunal de Apelo em Londres estabeleceram que "actos... contra as forças armadas de um estado qualquer do mundo que procurem influenciar um governo e sejam efectuadas para objectivos políticos" agora eram crimes. Também podiam processar Thomas Paine , Aung San Suu Kyi , Nelson Mandela .

O que está a fazer acerca disto?

O prognóstico agora é claro: o tumor a que Norman Mailer chamou de "pré fascista" metastizou-se. O procurador-geral dos EUA, Eric Holder, defende o "direito" de o seu governo assassinar cidadãos americanos. A Israel, o protegido, permite-se apontar suas ogivas nucleares ao Irão que não as tem. Neste mundo espelhado, a mentira é panorâmica. O massacre de 17 civis afegãos em 11 de Março, incluindo pelo menos nove crianças e quatro mulheres, é atribuído a um "perigoso" ("rogue") soldado americano. A "autenticidade" disto é atestada pelo próprio presidente Obama, o qual "viu um vídeo" e considera-o como "prova conclusiva". Uma investigação parlamentar afegã produz testemunhas oculares que dão prova pormenorizada de como até 20 soldados, ajudados por um helicóptero, devastou suas aldeias, matando e violando: um padrão, ainda que marginalmente mais assassino nos "raides nocturnos" das forças especiais dos EUA.

Tome a tecnologia videogame de matar – a contribuição da América para a modernidade – e o comportamento é tradicional. Mergulhada em bandas desenhadas com pretensão justiceira, fracamente ou brutalmente treinados, frequentemente racistas, obesos e dirigidos por uma classe de oficiais corrupta, as forças americanas transferem o homicídio de casa para lugares remotos cujas lutas empobrecidas não podem compreender. Uma nação fundamentada no genocídio da população nativa nunca abandona o hábito completamente. O Vietname era um "país índio" e os seus "olhos oblíquos" ("slits") e "sub-humanos" ("gooks") deviam ser "exterminados" ("blown away").

O extermínio de centenas de pessoas, principalmente mulheres e crianças, na aldeia vietnamita de My Lai em 1968 foi também um incidente "vil" e, desonestamente, tratado como uma "tragédia americana" (título de capa da Newsweek ). Só um dos 26 homens processados foi condenado e ele foi relaxado pelo presidente Richard Nixon. My Lai é na província Quang Ngai onde, como repórter, soube que cerca de 50 mil pessoas foram mortas pelas tropas americanas, principalmente no que eles chamavam de "zonas de fogo livre". Isto foi o modelo da guerra moderna, assassínio em escala industrial.

Tal como o Iraque e a Líbia, o Afeganistão é um parque de diversões para os beneficiários da nova guerra permanente da América: a NATO, as companhias de armamentos e alta tecnologia, os media e uma indústria de "segurança" cuja contaminação lucrativa é uma infecção na vida diária. A conquista ou "pacificação" de território não é importante. O que importa é a pacificação de você próprio, o cultivo da sua indiferença.

O que está a fazer acerca disto?

A descida ao totalitarismo tem pontos de referência. Qualquer dia destes, o Tribunal Supremo em Londres decidirá se o editor da WikiLeaks , Julian Assange , deve ser extraditado para a Suécia. Se este recurso final fracassar, o facilitador da revelação da verdade numa escala geral, o qual não é acusado de qualquer crime, enfrentará prisão solitária e interrogatório sobre ridículas alegações sexuais. Graças a um acordo secreto entre os EUA e a Suécia, ele pode ser "entregue" ("rendered") a qualquer momento ao gulag americano . No seu próprio país, a Austrália, a primeira-ministra Julia Gillard conspirou com aqueles em Washington a que chama seus "amigos de verdade" para assegurar que os seus inocentes companheiros cidadãos estejam prontos para os seus fatos laranja caso voltem para casa. Em Fevereiro, o seu governo redigiu uma "Emenda WikiLeaks" para o tratado de extradição entre a Austrália e os EUA que torna mais fácil para os seus "amigos" porem as mãos sobre ele. Ela deu-lhes mesmo o poder de aprovar investigações da Liberdade de Informação – de modo a poder mentir ao mundo externo, como é habitual.

O que está a fazer acerca disto?

http://resistir.info/pilger/pilger_26abr12.html

 

STF derrota a tese da guerra civil

por Luiz Carlos Azenha

Eu defendo as cotas raciais. Acredito que devam ser resultado de ações afirmativas adotadas no âmbito de cada instituição como, aliás, tem sido o caso no Brasil.

Respeito todos aqueles que argumentam contra as cotas, mas algumas das “teses”  defendidas por eles são claramente risíveis.

Uma delas é de que a implantação de cotas raciais no Brasil causaria uma guerra civil. Considerando o número de universidades que já adotaram as cotas, a essa altura a guerra civil já deveria ter estourado.

A ideia da explosão de uma guerra civil entre brancos e negros, por causa das cotas raciais, resulta da visão distorcida que alguns poucos  intelectuais têm da convivência entre os “de baixo”. Desconhecem os laços de solidariedade social e presumem, de forma um tanto elitista, que os brancos pobres não são capazes de reconhecer as injustiças históricas cometidas contra os negros.

É uma tese que desconhece, por conveniência, alguns fatos históricos, como o engajamento de centenas de milhares de brancos na luta pelos direitos civis nos Estados Unidos. Lá, sim, houve uma guerra — e não foi de negros contra brancos, mas de uma coalizão de negros e brancos contra o racismo oficial, institucional.

No Brasil, o argumento falacioso da guerra civil foi brandido, por exemplo, pelo todo-poderoso da TV Globo, Ali Kamel, numa discussão interna com o repórter Rodrigo Vianna. Talvez, aproveitando a decisão histórica do STF que considera as cotas constitucionais, seja o caso do Rodrigo contar de novo o caso. Rodrigo, àquela altura,  questionava a postura unilateral da Globo na cobertura do assunto.

A emissora fez campanha aberta e declarada contra as cotas, usando para isso o Jornal Nacional. Podemos dizer, sem medo de errar, que a emissora acabou mobilizando e aglutinando em torno de si os que se opunham às cotas, garantindo a eles visibilidade com o objetivo de convencer a opinião pública das teses gestadas no Jardim Botânico. Neste esforço se engajou o DEM, autor da ADIN que está em julgamento no STF.  Sim, sim, é mais uma demonstração da sintonia entre a emissora e  o partido de Demóstenes Torres. No que mais atuaram juntos? Nos bastidores do mensalão, por exemplo — como aliás, notou Marco Aurélio Mello?

A questão, portanto, vai muito além da implantação ou não das cotas raciais no Brasil, mas do uso de um bem público — o espectro eletromagnético — por uma empresa privada para promover suas teses junto à sociedade brasileira, de forma distorcida e unilateral.

 

Eh, so que foi com 40 anos de atrazo que o judiciario se moveu.

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Quatro “grampos” de separação

A cada novo “grampo” vazado da Operação Monte Carlo se aprende um pouco mais sobre o funcionamento da República. Sabe-se, por exemplo, que o senador Demóstenes Torres (ex-DEM) era um ágil despachante dos interesses do empresário preso Carlinhos Cachoeira: pedia favores, cobrava contrapartidas, intercedia junto a agentes públicos. Tudo em nome do amigo com quem manteve mais de 300 conversas telefônicas em curto período de tempo.

Aprende-se também que para ser nomeado para um cargo público de chefia no governo de Minas Gerais (e em Goiás, em Brasília etc) não é preciso nem currículo. Basta uma sequência de telefonemas entre poderosos e seus cupinxas e o emprego se materializa com rapidez de corar burocrata.

Mônica Vieira liga para o primo Carlinhos Cachoeira, que liga para o amigo Demóstenes Torres, que liga para o colega de Senado Aécio Neves, que obtém o aval do governador Antonio Anastasia para o secretário de Governo de Minas Gerais ligar para Mônica comunicando sua nomeação. O ciclo se fecha com 4 graus de separação, ou melhor, de conhecimento. Na contabilidade do repórter Fausto Macedo, bastaram 12 dias e 7 telefonemas.

Se todo brasileiro desfrutasse de tanta presteza e gentileza do poder público o Brasil não seria o Brasil.

Mônica disse à reportagem do Estado que foi nomeada para ser chefe regional da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social de Minas por sua “competência”, por seus 25 anos de carreira. Pode ser, mas quem apadrinhou sua nomeação não sabia disso. 

Aécio perdera o currículo de Mônica. Foi o que Demóstenes relatou a Cachoeira, em telefonema na noite de 20 de maio do ano passado. Aos repórteres, o senador tucano disse desconhecer a origem do pedido de nomeação. Mesmo sabendo muito pouco ou quase nada, passou-o à frente. Talvez retribuísse algo, ou quisesse ficar com crédito junto a Demóstenes, contra quem até então “não recaía questionamento”, nas escolhidas palavras de Aécio.

Patrocinador da nomeação de Mônica, Cachoeira não enfatiza as qualidades profissionais da prima ao despachar com o amigo Demóstenes. O apelo é pessoal: “É importantíssimo pra mim. Você consegue por ela lá com o Aécio (…). Pô, a mãe dela morreu. É irmã da minha mãe”. Só se preocupam com o salário, que não pode ser menos do que R$ 10 mil -“se não estou perdida”, na expressão de Mônica. E quem não estaria? Uns 190 milhões de brasileiros.

Em outro “grampo”, descobre-se que Demóstenes -mais uma vez no papel de despachante de Cachoeira- deixou “intranquilo” Maguito Vilela (PMDB), um ex-governador de Goiás que agora é prefeito de Aparecida de Goiânia. A intranquilidade seria fruto de conversa do senador com o político goiano. Demóstenes relata ter dito que Cachoeira estava “uma onça” com Maguito, por causa da falta de celeridade no cumprimento de um acordo entre ambos.

Não fica claro o porquê de Demóstenes ser o intermediário da cobrança, de ser ele a dizer que seu representado estava uma fera, em lugar de o próprio Cachoeira arreganhar os dentes para Maguito. Pelo jeito, cada um com seu papel.

Entre um despacho e outro com Cachoeira, Demóstenes encontrava tempo para cobrar honestidade de seus pares, em entrevistas a meios de comunicação e em discursos na tribuna do Senado. Antes dos “grampos”, só essa parte de sua vida pública era de conhecimento público.

Com a CPI que se instala nesta quarta-feira, mais “grampos” devem ser desengavetados. Mais lições sobre o funcionamento da República serão oferecidas aos interessados. Mais bastidores da vida pública aparecerão.

O maior bem que a CPI pode fazer à sociedade é liberar todos os “grampos”. Os vazamentos pontuais implicam uns mas  podem omitir outros. O controle do fluxo de informações em escândalo dessa magnitude é o que todos os partidos buscam, para defenderem-se e atingirem os adversários. Só a liberação geral e irrestrita das gravações minimiza o uso político e eleitoral da CPI. A alternativa deixa o público a quatro ou mais “grampos” de separação da verdade.

http://blogs.estadao.com.br/vox-publica/2012/04/24/quatro-grampos-de-sep...

 

"Os vazamentos pontuais implicam uns mas  podem omitir outros":

Essa eh a razao que o judiciario senta em cima das gravacoes dos "jornalistas", entre eles Policarpo de Veja.  Eh pelo caos que vazamentos seletivos causam enquanto os corruptos de verdade continuam protegidos pelo judiciario.  Nao eh que seis chamadas de um petista levaram o pilantra engavetador a se mover enquanto 200 chamadas de Policarpo nao suscitaram sequer uma palavra?  O judiciario sabe perfeitamente o que esta causando, eles sao pagos pra falhar o Brasil.

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

http://imasters.com.br/noticia/24274/software-livre/ubuntu-1204-lts-e-la...

 

Ubuntu 12.04 LTS é lançado

 

 

Depois das versões de teste de sempre, o Ubuntu 12.04 LTS foi lançado, e é hora de conhecer as novidades dessa nova versão da distribuição Linux mais popular do planeta. A principal novidade é o novo sistema de menus HUD, que permite executar comandos do menu digitando o que você quer fazer, sem o uso do mouse. O menu padrão ainda está lá, mas se você quiser testar o HUD é só apertar a tecla ALT e digitar o que quiser executar.

 

Antes de continuar, é necessário entender que a versão 12.04 do Ubuntu é LTS (Long Term Support). Versões LTS possuem o tempo de suporte ampliado para cinco anos. Isso significa que a Canonical continuará lançando atualizações e correções de segurança para essa versão do Ubuntu até 2017, pelo menos. E, em segundo lugar, que a Canonical focou todos seus esforços em uma versão estável e de qualidade, evitando mudanças grandes no sistema e novidades que pudessem apresentar problemas futuros.

 

O próprio codinome da versão já diz isso: o Pangolim Preciso mostra o interesse da Canonical em criar uma versão do Ubuntu que seja Precisa e tenha Performance. Vamos ver as novidades:

 

Além disso, no geral, tanto a tela de login quanto o Unity ficaram muito mais bonitos e rápidos, trazendo uma série de ajustes finos. Por exemplo: agora, ao mudar o papel de parede, todo o esquema de cores do lançador é alterado automaticamente para combinar com a cor predominante do papel de parede. O Video Lens também foi atualizado e tornou-se parte do Unity, permitindo procurar por vídeos na internet em diversos serviços.

 

Para tornar a vida dos iniciantes mais fácil, o instalador de programas agora adiciona os programas recém-instalados automaticamente no lançador, e uma barra de progresso permite ver rapidamente em que pé está a instalação. Por falar em instalação, o instalador do Ubuntu exibe um stream da hashtag #ubuntu durante a instalação (você obviamente precisa estar conectado à internet para ver).

 

O download do Ubuntu 12.04 LTS pode ser feito direto no site da Canonical ou através dos torrents também disponíveis lá. Se você já está usando o Ubuntu e quiser fazer a atualização, é só digitar os comandos abaixo no terminal:

 

sudo apt-get update
sudo apt-get upgrade
update-manager -d

 

De qualquer forma, é bem provável que o aviso de atualização apareça em breve para todos os usuários.

Por Paulo Graveheart

 

Do Escrevinhador

 

Barões da Mídia fecham acordo contra a CPI 

publicada sexta-feira, 27/04/2012 às 01:13 e atualizada sexta-feira, 27/04/2012 às 01:13

 

Do 247

Há exatamente uma semana, o 247 revelou com exclusividade que o executivo Fábio Barbosa, presidente do grupo Abril e ex-presidente da Febraban, foi a Brasília com uma missão: impedir a convocação do chefe Roberto Civita pela CPI sobre as atividades de Carlos Cachoeira. Jeitoso e muito querido em Brasília, Barbosa foi bem-sucedido, até agora. Dos mais de 170 requerimentos já apresentados, não constam o nome de Civita nem do jornalista Policarpo Júnior, ponto de ligação entre a revista Veja e o contraventor Carlos Cachoeira. O silêncio do PT em relação ao tema também impressiona.

Surgem, aos poucos, novas informações sobre o engavetamento da chamada “CPI da Veja” ou “CPI da mídia”. João Roberto Marinho, da Globo, fez chegar ao Palácio do Planalto a mensagem de que o governo seria retaliado se fossem convocados jornalistas ou empresários de comunicação. Otávio Frias Filho, da Folha de S. Paulo, também aderiu ao pacto de não agressão. E este grupo já tem até um representante na CPI. Trata-se do deputado Miro Teixeira (PDT-RJ).

Na edição de hoje da Folha, há até uma nota emblemática na coluna Painel, da jornalista Vera Magalhães. Chama-se “Vacina” e diz o que segue abaixo:

“O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) vai argumentar na CPI, com base no artigo 207 do Código de Processo Penal, que é vedado o depoimento de testemunha que por ofício tenha de manter sigilo, como jornalistas. O PT tenta levar parte da mídia para o foco da investigação”.

O argumento de Miro Teixeira é o de que jornalistas não poderão ser forçados a quebrar o sigilo da fonte, uma garantia constitucional. Ocorre que este sigilo já foi quebrado pelas investigações da Polícia Federal, que revelaram mais de 200 ligações entre Policarpo Júnior e Carlos Cachoeira. Além disso, vários países discutem se o sigilo da fonte pode ser usado como biombo para a proteção de crimes, como a realização de grampos ilegais.

Inglaterra, um país livre

Pessoas que acompanham o caso de perto estão convencidas de que Civita e Policarpo só serão convocados se algum veículo da mídia tradicional decidir publicar detalhes do relacionamento entre Veja e Cachoeira. Avalia-se, nos grandes veículos, que a chamada blogosfera ainda não tem força suficiente para mover a opinião pública e pressionar os parlamentares. Talvez seja verdade, mas, dias atrás, a hashtag #vejabandida se tornou o assunto mais comentado do Twitter no mundo.

Um indício do pacto de não agressão diz respeito à forma como veículos tradicionais de comunicação noticiaram nesta manhã o depoimento de Rupert Murdoch, no parlamento inglês. Sim, Murdoch foi forçado a depor numa CPI na Inglaterra – não na Venezuela – para se explicar sobre a prática de grampos ilegais publicados pelo jornal News of the World. Nenhum jornalista, nem mesmo funcionário de Murdoch, levantou argumentos de um possível cerceamento à liberdade de expressão. Afinal, como todos sabem, a Inglaterra é um país livre.

O Brasil se vê hoje diante de uma encruzilhada: ou opta pela liberdade ou se submete ao coronelismo midiático.

http://www.rodrigovianna.com.br/radar-da-midia/baroes-da-midia-fecham-acordo-contra-a-cpi.html

 

webster franklin

"João Roberto Marinho, da Globo, fez chegar ao Palácio do Planalto a mensagem de que o governo seria retaliado se fossem convocados jornalistas ou empresários de comunicação":

A mensagem di ki nao eh essa nao, pois isso supoe que se os jornalistas NAO forem convocados o governo nao vai "sofrer relatiacao".  Eh mentira deles.

E por sinal, nenhum jornalista foi convocado porque o puteiro esta escondendo as gravacoes e vai continuar escondendo indefinidamente.  Foi assim que TRILHOES de dolares vazaram do Brasil nas ultimas decadas.

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Cartilha da Desinformação: Vinte e cinco maneiras de suprimir a verdade

H. Michael Sweeney.

Construído em cima das “Treze Técnicas para Suprimir a Verdade” de David Martin, a lista que se segue pode ser útil para o iniciado no mundo de verdades veladas e meias verdades, mentiras e supressão da verdade, que acontecem quando crimes graves são discutidos publicamente. Isto, infelizmente, inclui todos os meios de comunicação de hoje em dia, que são as maiores fontes de desinformação.

Sempre que o crime envolver uma conspiração, ou uma conspiração para encobrir um crime, haverá invariavelmente uma campanha de desinformação lançada contra aqueles que procuram descobrir e expor a verdade e/ou conspiração. Existem táticas específicas que artistas da desinformação tendem a aplicar, as quais apresentarei em seguida.

Os artistas da desinformação e aqueles que os controlam (aqueles que irão sofrer se o crime for resolvido) devem procurar evitar um exame completo e racional de qualquer cadeia de provas que fosse incriminá-los. Uma vez que fatos e verdades raramente caem por conta própria, eles devem ser superados com mentiras e enganos. Aqueles que são profissionais na arte da mentira e do engano, como a comunidade de inteligência, as autoridades governamentais e obviamente a mídia corporativa, tendem a aplicar neste processo ferramentas razoavelmente bem definidas e observadas. No entanto, o público em geral não é bem armado contra essas armas, e é muitas vezes facilmente enganado por essas táticas.

Surpreendentemente, nem os meios de comunicação nem as autoridades legais foram treinados para lidar com estas questões. Na maior parte do tempo, apenas os desinformantes compreendem as regras do jogo.

Espero que seja de grande valia para aqueles que estão começando a ver como as coisas realmente funcionam, bem como para aqueles que instintivamente já perceberam como estas táticas são utilizadas, conhecer exatamente cada uma das táticas e subterfúgios daqueles que pretendem esconder a verdade:

1. Não ouça o mal, não veja o mal, não fale do mal. Independentemente do que você sabe, não discuta, especialmente se você é uma figura pública, âncora de TV, etc. Se você não for informado é porque não aconteceu, e você nunca terá que lidar com os problemas.

2. Torne-se incrédulo e indignado. Evite discutir os principais problemas e ao invés foque em questões laterais que podem ser utilizadas para mostrar o tema como sendo crítico de algum grupo ou tema intocável. Este método é também é conhecido como o “Como você se atreve!“. Um bom exemplo é quando alguém questiona a versão oficial do 11 de setembro e a mídia diz isto é uma afronta às famílias das vítimas.

3. Crie boateiros. Evite discutir os problemas, descrevendo todas as acusações, independentemente das provas, como meros rumores e acusações selvagens. Outros termos depreciativos mutuamente exclusivos da verdade podem funcionar muito bem. Este método funciona especialmente bem com a silenciosa imprensa, porque a única maneira que o público poderá conhecer os fatos são através destes “boatos incertos”. Se você puder associar o material com a Internet, use isto para certificar a acusação como uma “fofoca” que não pode ter base na realidade. Isto foi muito usado pela rede globo durante a falsa pandemia da gripe suína.

4. Use um “espantalho”. Ache ou crie um elemento do argumento de seu oponente que você possa facilmente derrubar para você se sair bem e o seu adversário ficar em uma posição desfavorável. Ou então crie um problema que você possa implicar com segurança que exista com base na sua interpretação do adversário, nos argumentos do adversário ou da situação, ou então selecione o aspecto mais fraco das acusações mais fracas. Amplifique o seu significado e as destrua de uma forma que pareça desmentir todas as acusações, reais e as fabricada, enquanto na verdade evita a discussão das questões reais.

5. Desvie os adversários através de xingamentos e ridicularização. Isso também é conhecido como o estratagema do “ataque ao mensageiro”, embora outros métodos qualifiquem como variantes dessa abordagem. Associe adversários com títulos impopulares, como “malucos”, “de direita”, “liberal”, “esquerda”, “terroristas”, “teóricos da conspiração”, “radicais”, “milícias”, “racistas”, “religiosos fanáticos”, “drogados”, “desviados sexuais”, e assim por diante. Isso faz com que outros removam o seu apoio com medo de receber o mesmo rótulo, e assim você evita lidar com os problemas. Esta tática foi muito utilizada quando Charlie Sheen veio a público questionando a versão oficial do 11 de setembro.

6. Bata e Corra. Em qualquer fórum público, faça um breve ataque ao seu oponente ou a posição de adversário e em seguida pule fora antes que uma resposta possa ser dada, ou simplesmente ignore qualquer resposta. Isso funciona muito bem em ambientes de internet e em cartas ao editor, onde um fluxo constante de novas identidades podem ser utilizadas sem ter que explicar o raciocínio crítico – simplesmente faça uma acusação ou outro ataque, nunca discutindo as questões, e nunca respondendo a qualquer resposta posterior, por que isto dignificaria o ponto de vista do oponente.

7. Questione os motivos. Distorça ou amplifique qualquer fato que possa insinuar que o adversário opera a partir de uma agenda oculta pessoal ou esteja sendo tendencioso de qualquer outra forma. Isso evita discutir as questões e força o acusador a ficar na defensiva.

8. Invoque autoridade. Reivindique para si mesmo autoridade ou se associe com autoridade e apresente seu argumento com o “jargão” ou “minúcias” o suficiente para ilustrar que você é “quem sabe”, e simplesmente diga que não é assim, sem discutir as questões ou demonstrar concretamente o porquê ou citar fontes.

9. Banque o idiota. Não importa o argumento de que a evidência ou lógica é oferecido, evite discutir questões negando que elas têm qualquer credibilidade, fazem qualquer sentido, fornecem qualquer prova, contém ou esclarecem uma questão, tem lógica, ou dão apoio a uma conclusão. Misture bem para ter o máximo efeito.

10. Associe as acusações do adversário com notícias antigas. Normalmente um derivado da estratégia do “espantalho”, em qualquer assunto de grande escala e alta visibilidade, alguém irá fazer acusações no início que podem ser ou já foram resolvidos facilmente. Se futuras acusações forem previsíveis, faça o seu lado levantar uma questão “espantalho” e a trate no início, como parte dos planos de contingência. As acusações subseqüentes, independentemente da validade ou mesmo que cubram novas descobertas, elas geralmente podem ser associadas com a acusação inicial e refutadas como sendo uma simples repetição que pode ser refutada sem a necessidade de abordar as questões atuais – ainda melhor quando o adversário está ou esteve envolvido com a fonte original.

11. Estabeleça posições onde você possa retroceder. Usando uma questão ou elemento menos importante dos fatos, aja com classe “confesse” com franqueza que algum erro inocente, em retrospecto, foi feito, mas que os adversários aproveitaram a oportunidade para colocar tudo fora de proporção e implicam criminalidades maiores que, simplesmente “não é assim.” Outros podem reforçar isto em seu nome mais tarde. Feito corretamente, isso pode angariar a simpatia e o respeito de “jogar limpo” e “reconhecer” os seus erros, sem abordar as questões mais graves. Esta tática foi muito utilizada pelo IPCC quando veio a público que grande parte de suas estimativas de derretimento de geleiras, perda da floresta amazônica, entre outros, eram exageradas e não eram baseadas em estudos científicos.

12. Enigmas não têm solução. Inspirando-se na cadeia de eventos em torno do crime e da multiplicidade de participantes e eventos, pinte todo o assunto como muito complexo para ser resolvido. Isso faz com que aqueles que acompanhem o assunto comecem a perder o interesse mais rapidamente sem ter que resolver os problemas reais.

13. Lógica da “Alice no País das Maravilhas”. Evite o debate das questões raciocinando de trás para a frente com uma aparente lógica dedutiva de uma forma que deixe de fora qualquer fato material real.

14. Exija soluções completas. Evite as questões exigindo de seus opositores a resolução do crime atual completamente, um truque que funciona melhor para itens que qualifiquem-se para a regra 10 (Associe as acusações do adversário com notícias antigas).

15. Encaixe os fatos em conclusões alternativas. Isto requer um pensamento criativo, a menos que o crime tenha sido planejado com conclusões de contingência.

16. Desapareça com provas e testemunhas. Se elas não existirem, não existe fato, e você não terá de resolver o problema.

17. Mude de assunto. Normalmente utilizado em conexão com um dos outros estratagemas listados aqui, encontre uma maneira de desviar a discussão com os comentários abrasivos ou controversos, na esperança de chamar a atenção para um tema novo, mais fácil de lidar. Isto funciona especialmente bem quando os oponentes podem “discutir” com você sobre o tópico novo e polarize a arena de discussões, a fim de evitar discutir questões mais fundamentais.

18. Emotive, antagonize, e incite os oponentes. Se você não poder fazer mais nada, repreenda e insulte os seus adversários e os leve a respostas emocionais que possam fazê-los parecer tolos e emotivos, o que geralmente tornam o seu material um pouco menos coerente. Não só você vai evitar discutir os problemas em primeiro lugar, mas mesmo que a sua resposta emocional foque na questão em discussão, você pode ainda evitar as questões ao se concentrar em como eles “são sensíveis a críticas”.

19. Ignorar a prova apresentada, e exija provas impossíveis. Esta é talvez uma variante da regra do “banque o tolo”. Independentemente do material que possa ser apresentado por um adversário em fóruns públicos, alegue que a prova material seja irrelevante e exija uma que seja impossível para o adversário mostrar (ela pode existir, mas não pode estar à sua disposição, ou pode ser algo que seja sabido que possa ser facilmente destruída ou retida, tal como a arma de um crime). Para evitar completamente discutir questões desminta categoricamente e seja crítico da mídia ou livros como fontes válidas, negue que as testemunhas sejam aceitáveis, ou mesmo negue que as declarações feitas por autoridades governamentais ou outras têm qualquer significado ou relevância.

20. Falsas provas. Sempre que possível, introduza novos fatos ou pistas projetados e fabricados para entrar em conflito com as apresentações do adversário para neutralizar questões sensíveis ou dificultar a resolução. Isso funciona melhor quando o crime foi planejado com contingências para este propósito, e os fatos não podem ser facilmente separados das invenções.

21. Chame um Grande Júri, Promotoria Especial, ou outro organismo habilitado para investigações. Subverta o processo para seu próprio benefício e efetivamente neutralize todas as questões sensíveis, sem uma discussão aberta. Uma vez convocado, as evidências e testemunhos devem ser secretos. Por exemplo, se o advogado de acusação estiver do seu lado, ele pode garantir que o Grande Júri não ouça nenhuma evidência útil e que as provas sejam vedadas e indisponíveis para investigações posteriores. Depois de um veredicto favorável (geralmente, esta técnica é aplicada para inocentar o culpado, mas também pode ser utilizada para obter acusações quando se procura enquadrar uma vítima) for alcançado, o assunto pode ser considerado oficialmente encerrado.

22. Fabrique uma nova verdade. Crie o seu próprio perito(s), grupo(s), autor(es), líder(es) ou influencie os existentes para forjar novos caminhos através de pesquisa científica, investigativa ou social, ou testemunho que conclua favoravelmente. Desta forma, se você realmente precisar lidar com as questões relevantes, você pode fazê-lo com autoridade.

23. Crie distrações maiores. Se as estratégias acima não funcionarem para desviar questões sensíveis, ou para impedir a indesejável cobertura da mídia de eventos que não se possa impedir, tais como julgamentos, crie notícias mais importante (ou as trate como tal) para distrair as multidões.

24. Silencie os críticos. Se os métodos acima não funcionarem, considere remover os oponentes de circulação através de uma solução definitiva, para que a necessidade de abordar as questões seja totalmente removida. Isso pode ser através de sua morte, prisão e detenção, chantagem ou destruição do seu caráter pela liberação de informações de chantagem, ou simplesmente pela intimidação adequada usando chantagem ou outras ameaças.

25. Desapareça. Se você é um portador de segredos importantes relacionados a algum crime ou conspiração e você acha que o calor está ficando muito quente, para evitar os problemas, desapareça.

 

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2011/05/cartilha-da-desinformacao-vinte-e-cinco.html

 

 

 

Por Paulo Moreira Leite (Vamos Combinar)

STF mostra abismo entre elite e o país

A decisão do Supremo sobre cotas marca um momento histórico. A mais alta corte de Justiça do país admitiu não só que existem brasileiros tratados como cidadãos de segunda classe, mas que eles têm direito a um tratamento especial para vencer a desigualdade.

A votação unânime mostrou, do ponto de vista jurídico, que as cotas são um projeto compatível com a Constituição.

Do ponto de vista histórico, é a decisão mais relevante sobre o assunto desde a Lei Áurea. Pela primeira vez o Estado brasileiro não se limita a punir o racismo, como se faz desde  os anos 50, mas pretende tomar medidas efetivas para beneficiar a população negra e ajudá-la a vencer uma perversidade histórica. Sai de uma perspectiva formal para assumir as funções concretas de combater a desigualdade na vida cotidiana.

A decisão mostrou, do ponto de vista político, um abismo entre nossa elite econômica e política  e o conjunto do país.

O STF uniu-se para defender as cotas. Ministros chamados conservadores e progressivas responderam, cada um à sua maneira, às alegações dos adversários das cotas.

Embora tenha usufruído de um espaço imenso nos meios de comunicação, no placar do Supremo o combate às cotas ficou ainda menor do que o partido que a patrocinou, o DEM, cada vez mais insignificante na definição dos rumos do país. Mas um partido político pode ser desfeito, incorporado a outro, reformado e assim por diante.

Mas o que faz uma elite que não consegue compreender para onde vai o país onde ocupa o topo da sociedade, dirige a economia e tem uma influencia importância na ação do Estado, mesmo que o governo não esteja nas mãos de seus representantes prediletos?

Essa é a pergunta.

Ficou claro que, do ponto de vista dos ministros, nos últimos anos o Brasil foi inundado por argumentos retóricos, falsas questões, ginásticas verbais e até teses desqualificadas demais para serem levadas a sério.

Vários ministros ensinaram aos interessados que a principal tese contra as cotas – de que elas ameaçam a igualdade entre os cidadãos – é puro improviso jurídico.

Para começar, vários grupos sociais diferenciados  – mulheres, crianças, deficientes físicos – têm direito a preferências negadas aos demais. Ninguém, nunca, achou ruim.

Vários ministros lembraram Ruy Barbosa, que ensinou que é preciso tratar os iguais com igualdade e os desiguais com desigualdade.

Cezar Peluso explicou que só é possível falar em disputa pelo “mérito individual” para ingresso nas universidades públicas entre pessoas que  competem em situação de igualdade ou pelo menos “assemelhada.”

Marco Aurélio Mello disse que o combate às cotas se alimenta de uma visão preconceituosa da própria Constituição. Lembrou que dez anos de experiência com o sistema em nada contribuíram para transformar o Rio de Janeiro num estado “racialista”, um dos fantasmas originalíssimos dos adversários, que querem nos fazer acreditar que o racismo brasileiro iria início com as políticas de ação afirmativa – e não seria fruto de um passado perverso, onde a escravidão foi abolida sem que se tomassem medidas coerentes para integrar os negros ao conjunto da sociedade.

Celso Mello lembrou que o país se libertava, naquela votação, do pensamento  que havia criado a “ideia, ou mito, da democracia racial” de Gilberto Freyre, para aderir a visão do professor Florestan Fernandes, autor do clássico A Integração do Negro na Sociedade de Classes, e seu aluno, Fernando Henrique Cardoso.

Celso Mello ainda homenageou uma militante aguerrida do movimento negro, Edna Roland, uma das principais ativistas no combate ao racismo.

Mencionando ironicamente um fato ocorrido durante a ditadura militar, Celso Mello lembrou que, ao ser questionado em organismos internacionais sobre medidas que havia tomado para enfrentar a discriminação racial, o governo dos generais escreveu a seguinte resposta: “não há medidas a relatar porque não há discriminação racial no Brasil.”

Essa feia realidade começou a se transformar em entulho após a decisão do Supremo.

O Brasil está mudando e tem gente que não percebe. Vários ministros falaram sobre a necessidade de modificar e ajustar a política de cotas, em particular na forma que ela assumiu na Universidade de Brasília, que foi o foco do julgamento.  Este é o debate para o futuro.

A lição de ontem foi vencer o passado, mostrando que não é possível manter eternamente um sistema de opressão e preconceito que prejudica e humilha 51% dos brasileiros.

Quem queria, de verdade,  que a desigualdade fosse vencida por idéias clássicas que nunca foram implementadas – como escolas melhores nos bairros pobres — deve reconhecer que o tempo histórico para iniciativas convencionais já passou. Foram décadas e décadas de promessas jamais cumpridas.

Também cabe perguntar: se as escolas públicas ficaram piores até mesmo em bairros de classe média, por que se deveria levar a sério a promessa de ocasião de que irão melhorar na periferia?

Vamos combinar: seria até falta de respeito pedir aos cidadãos negros que aguardassem o tempo histórico de várias gerações em nome da promessa de que, um dia, seus bisnetos e tataretos quem sabe poderiam disputar um lugar ao sol como os demais brasileiros.

Seria lhes pedir — olha o tamanho da indignidade — que aceitassem a posição subalterna por muitos e muitos anos ainda, concordassem com a cidadania de segunda classe em nome do conforto alheio. Em resumo: o que se queria é seguissem concordando com a própria discriminação.

Isso é até possível sob uma ditadura. Mas é difícil sob uma democracia, onde os homens e mulheres não são iguais mas, a cada quatro anos, cada um vale um voto.  Essa é, no fundo, a grande mensagem da votação.  Quem não entendeu, não entendeu o país.

 

Do Escrevinhador

 

A terceira derrota de Ali Kamel: 10 x 0! Brasil vira a página do “racismo cordial” 

publicada sexta-feira, 27/04/2012 às 00:39 e atualizada sexta-feira, 27/04/2012 às 00:39

por Rodrigo Vianna

O Ali Kamel, diretor da Globo, levou uma sova no STF. Por 10 x 0 (dez votos a zero), o tribunal decidiu que são constitucionais - sim!!! – as quotas para negros nas universidades brasileiras.

Kamel, como se sabe, nega que haja racismo no Brasil. “Não somos racistas” é o título de um livro dele. Kamel é contra as quotas. E não está sozinho. Outros ideólogos contra as quotas são Demetrio Magnoli, ex-trotskista hoje especializado em dizer o que a Globo gosta de ouvir, e Demostenes Torres, amigo de sala e cozinha de Carlinhos Cachoeira.

Foi a terceira derrota acachapante sofrida por Ali Kamel em 6 anos. Em 2006, ele apostou tudo contra a reeleição de Lula. Eu trabalhava na Globo, e vi de perto todo o processo. A indignação seletiva nos telejornais, a forma como os aloprados eram sempre caracterizados como “do PT”, enquanto os tucanos eram tratados como “funcionários do governo anterior”, a forma como se escondeu o que havia no famoso dossiê contra Serra que os “aloprados” supostamente iriam comprar, a maneira como o “dinheiro dos aloprados” foi parar no JN na antevéspera do primeiro turno, a trama do delegado Bruno exposta pelo Azenha e depois pela CartaCapital… Tudo isso é história – que um dia precisa ser contada com mais detalhes.

O bombardeio da Globo contra Lula começara antes, em 2005, na cobertura do chamado Mensalão. O jornalista Marco Aurélio Mello escreveu um belo texto sobre isso. A Globo queria “sangrar Lula”, para derrotá-lo nas urnas em 2006. Aliou-se até ao pequeno ACM Neto. Não deu. Ali Kamel perdeu feio.

Em 2010, Ali Kamel pôs a Globo contra Dilma. Quem não se lembra do episódio da bolinha de papel? O perito Molina - que já atuara a favor de Kamel em causas pessoais do diretor da Globo no Judiciário – foi usado no JN para criar a teoria de que Serra fora atingido por um misterioso objeto. Só faltou acharem um Lee Osvald! A Globo passou ridículo. Serra virou Rojas. E Ali Kamel perdeu pela segunda vez.

A terceira derrota veio agora, no STF. “Ninguém assistiu ao formidável enterro de tua última quimera”. Ninguém encampou a tese kameliana de que quotas seriam uma forma de “acirrar” as disputas raciais no Brasil. Demóstenes (recolhido à cozinha de Cachoeira) fez falta, porque era valoroso defensor dessa tese. Chegou a dizer, numa audiência pública, que o racismo não fora tão violento assim, e que a mistura entre negros e brancos se deu através de estupros cometidos pelos senhores, sim, mas que eram ”consentidos” pelas escravas. Segundodo ele, “uma história tão bonita de miscigenação”. Essa é a turma contra as quotas.

Ali Kamel é um pouco mais sutil. Mas também encampa teses estranhas: por exemplo, relativiza a cor da pele como elemento definidor da Escravidão no Brasil. Por que digo isso? Porque ele me falou sobre o tema numa troca de e-mails pessoal, em 2005. Eu cobrira, pela Globo, a visita a São Paulo de um enviado especial da ONU sobre racismo. A matéria não foi ao ar no JN. Kamel derrubou. Escrevi a ele no Rio, para saber o que acontecera. Trocamos e-mails de forma muito civilizada. E fiquei sabendo como ele pensava.

Já falei sobre isso numa entrevista a Marcelo Salles, mas sempre evitei dar detalhes dos e-mails, afinal a troca de mensagens se dera de forma reservada. Só que Ali Kamel não se importou com isso: usou os e-mails num processo judicial que move contra mim! Que deselegância! Usou para tentar provar que eu o tratava muito bem, e que depois passei a criticá-lo.

Sim, na troca de e-mails eu o tratei de forma cordial, como faço com todo mundo. Não tenho nada, absolutamente nada, contra ele pessoalmente. Nossas diferenças são políticas e jornalísticas, são formas diferentes de ver o mundo e de intervir no debate.

Desde o início do governo Lula, Ali Kamel se posicionou contra o Bolsa-Família (“assistencialista”, o certo era investir em educação), contra o Prouni, contra as quotas (afinal, se “não somos racistas”, pra que quotas?).

Por isso, essa terceira derrota de Ali Kamel, no STF,deve ter sido a mais dolorosa. “Ninguém assistiu ao formidável enterro de tua última quimera”. Não apareceu ninguém para defender a “sociologia kameliana” no STF. Ele levou uma surra.

Nos e-mails de 2005, com alguma arrogância, tentou ensinar-me quem era Gilberto Freyre. Ali Kamel provavelmente acredite que é o novo Freyre, o novo formulador da “democracia racial” brasileira. Um Freyre incompetente. Porque mesmo entricheirado na emissora mais poderosa da América Latina, ele perde todas. Perde o debate no STF, perde as eleições, perde a capacidade de influir nas decisões do Estado brasileiro. Um bom sinal.

http://www.rodrigovianna.com.br/palavra-minha/a-terceira-derrota-de-ali-kamel-10-x-0-brasil-vira-a-pagina-do-racismo-cordial.html#more-13126

 

webster franklin

Do JC online.

OPERAÇÃO NARKEMédicos e comerciantes são indiciados por venda clandestina de botoxPF indiciou 55 pessoas por comercialização clandestina de toxina botulínica. Do total, 28 médicos são pernambucanos.Da Agência Brasil  

BRASÍLIA – A Polícia Federal em Pernambuco indiciou 55 pessoas por venda clandestina de toxina botulínica, mais conhecida como botox. Do total, 43 são médicos ou donos de clínicas, oito comerciantes e quatro distribuidores.

No início do mês, a polícia deflagrou a Operação Narke em oito estados. As investigações apontaram que os médicos compravam produtos de estabelecimentos sem licença da Vigilância Sanitária. A toxina entrava clandestinamente no Brasil trazida por empresários de outros países ou misturada a produtos importados lícitos. No mercado ilegal, a unidade do produto custava de R$ 350 a R$ 400, enquanto a toxina botulínica com registro chega a custar R$ 1 mil o frasco.

Entre os médicos indiciados, estão 28 de Pernambuco, dez da Paraíba, três do Piauí, um do Rio Grande do Norte e um de São Paulo, além de quatro empresários paulistas.

Os quatro empresários suspeitos de distribuírem a toxina são de São Paulo. Um foi preso preventivamente, dois tiveram passaportes apreendidos e estão proibidos de deixar o país e o quarto foi indiciado indiretamente por estar fora do Brasil. Dos oito comerciantes, quatro foram presos.

Os acusados podem responder por crime contra a saúde pública (considerado hediondo), de contrabando e formação de quadrilha, com penas que podem chegar a 15 anos de reclusão.

A toxina botulínica é indicada no tratamento de problemas musculares, mas também é amplamente usada para fins estéticos, como suavizar linhas faciais de expressão.

 

zanuja

 

Por Paulo Moreira Leite

http://colunas.revistaepoca.globo.com/paulomoreiraleite/2012/04/26/e-hor...

É hora de julgar o racismo

O  julgamento sobre cotas é uma boa oportunidade para se discutir um aspecto essencial da vida brasileira – o racismo.

A noção de que vivemos numa democracia racial chega a ser patética num país onde mais de 90% dos brasileiros disseram ao DataFolha, em 2008, na passagem dos 120 anos da abolição, que vivemos num país racista.

A visão é comprovada pelos fatos. Os negros estão nos piores empregos, nas piores escolas, nos piores bairros. Têm 30% da renda embora representem 50% da população.

Nessa situação, chega a ser risível ouvir a crítica de que as políticas de ação afirmativa irão criar um ambiente de “tensão racial”, ameaçar a “democracia racial” e forjar uma situação cultural chamada  de “racialismo.” Essa noção existe desde a abolição quando, ao menos formalmente, os negros deixaram a condição de “coisa” para se transformar em “pessoas.”

As pessoas convencidas de que somos um país tão tolerante em relação a estas diferenças que elas se tornaram invisíveis poderiam, por exemplo, prestar atenção nos boletins de ocorrência de uma delegacia. Ali, todo brasileiro é identificado pela “cútis” como branco, pardo ou preto. Será que isso diz alguma coisa? Ou é apenas uma necessidade “técnica”?

É apenas indecoroso sustentar que vivemos num país onde o racismo não faz parte do cotidiano. Nem nossas leis anti-racistas, supostamente tão severas, conseguem ser cumpridas como se deve.

Isso se comprova até nos casos em que celebridades negras são vítimas, como aconteceu com o craque Grafite, do São Paulo, chamado de negro de merda e macaco durante um jogo de futebol, mas que desistiu de levar em frente uma ação na  Justiça porque as chances de ser vitorioso eram quase nulas, como demonstrou reportagem de Solange Azevedo. Embora tivesse sido agredido por um jogador argentino, o que poderia ter sua utilidade neste caso, nem assim Grafite animou-se. Concluiu que estava perdendo tempo.

O racismo está na economia e na vida social, onde os negros foram discriminados na saída da escravidão, quando eram proibidos de ter acesso aos títulos de terra. E tiveram dificuldades muito maiores para conseguir empregos na indústria.

Levantamento do brasilianista George Reid Andrews em empresas de São Paulo dos anos 30 mostra que os negros eram os mais disciplinados no trabalho e os mais pontuais, quem sabe por ter consciência dos riscos maiores que corriam. Mas eram os que tinham mais dificuldade para serem promovidos e eram demitidos com maior facilidade.

E é claro que há muito o racismo foi incorporado ao Estado, como demonstram as estatísticas da violência policial, das prisões sem julgamento, das execuções. Nem vale a pena lembrar quem são os alvos permanentes abusos, não é mesmo?

O racismo também se encontra em nossa cultura, mesmo em autores fundamentais como José Alencar – que defendia escravidão como forma de civilização – e também Monteiro Lobato, que chegou a admitir em cartas pessoais que tinha inveja dos brancos norte americanos que criaram a organização de terror racista Ku Klux Klan. Quer mais?

Euclides da Cunha era adepto do racismo científico. Gilberto Freyre, o pai de nossa democracia racial, estava convencido de que as raças tem existência biologica, ou seja, há raças inferiores e superiores, e também dizia que o negro fora geneticamente dotado para o “trabalho pesado” nos trópicos, até porque conseguia suar por todas as partes do corpo e não apenas pelas axilas. Achou esquisito? Vai lá na Biblia do Demóstenes Torres, Casa Grande & Senzala. É um livro com méritos, como reconhecer o lugar do negro em nossa cultural, mas é absurdo imaginar que seja um retrato do Brasil.

A noção de democracia racial de Gilberto Freyre teve uma manifestação definitiva no fim de sua vida, quando ele defendia a surpremacia do colonialismo português sobre as sociedades negras da África.

Impregnado em nossa cultura, em nosso modo de vida, o racismo é  uma realidade que nem todos brasileiros admitem com facilidade. Como explica o psicanalista italiano  Contardo Calligaris “o mito da democracia racial é um mito que serve unicamente aos interesses dos brancos. Os brancos estão perfeitamente tranquilos para dizer que o racismo não existe.”

Para quem se encontra do lado agradável do guichê, a  democracia racial é uma necessidade ideológica. Ajuda a encobrir com proclamações sentimentais a dura realidade da discriminação e da desigualdade imposta de cima para baixo.

Nem Demétrio Magnoli, o mais ativo advogado da democracia racial de nossos dias, consegue negar a difícil e particular condição do brasileiro negro. “Ninguém contesta o fato de que, como fruto da escravidão, a pobreza afeta desproporcionalmente pessoas de pele mais escura,” admite o professor, em “Uma gota de sangue” (página 363).

A pergunta, então, é uma só: o que se faz com isso?

A resposta, até agora, tem sido a seguinte: não se faz nada e deixa o tempo passar que o mercado vai resolver o “fruto da escravidão.” Grande hipocrisia. É claro que não resolveu. Nem era para ter sido diferente.

Vamos combinar, meus amigos: a discriminação alimentada pelo racismo não é uma realidade espiritual nem um acidente de percurso. Faz parte de nossa estrutura, do modo de vida. Permite aos brasileiros de “pele mais clara” viver num país onde metade da população não compete pelos melhores empregos, pelas melhores escolas nem pela promoção ao longo da vida. A discriminação oferece uma imensa mão de obra barata e disponível, que irá fazer nosso serviço doméstico, aceitar empregos mal remunerados e pouco considerados. Vão ser os mais explorados, os mais indefesos, o chão de nossa sociedade, as funções que ninguém quer fazer, os que terão menor respeito.

A democracia racial permite assistir a tudo isso e reagir assim: nós gostamos deles, apesar de tudo. Brasileiro é tão bonzinho, dizia Kate Lyra. Lembra?

A discriminação cria uma realidade dura e intolerável, onde a  “democracia racial” funciona como uma espécie de melodrama ideológico  – todos fingem acreditar que existe, mas nunca conseguem dizer aonde a viram pela última vez. É sempre uma teoria, uma literatura sem números.

E se você quer acreditar na lenda de que somos diferentes porque somos miscigenados, é bom lembrar  que o racismo e o preconceito nunca impediram o acasalamento — nem o estupro — entre casais mistos.

Desde 1888 o país sabe o que seria preciso fazer para melhorar a sorte dos brasileiros negros, Nada se fez ao longo de doze décadas.  São quantas gerações? Cinco? Dez? Doze?

Seria preciso dar escolas, distribuir renda, investir nas novas gerações. Aquilo que sempre se diz, até hoje. Nada acontece, nada se resolve. O país se industrializou, construiu universidades, hoje é a 6a. potencia mundial. Nada se faz de útil para metade dessa população. Por que?

Porque não interessa a quem tem o poder e o poder do dinheiro, embora o pais inteiro pudesse ser beneficiado com isso.

A  vantagem material de manter uma parcela população subalterna, subjugada e superexplorada pode ser  inconfessável – como o próprio racismo não se confessa – mas é inegável para quem se encontra do lado certo. Proporciona confortos vergonhosos, com poucos paralelos no mundo inteiro.

O julgamento que começa hoje no Supremo é um dos saldos positivos da democratização do país. Ela permitiu aos negros defender seus direitos  e cobrar respostas diante de uma tragédia histórica. Se eles sofreram a mais prolongada e criminosa agressão histórica – a perda da liberdade, o confisco da cultura, o massacre social – e jamais foram reparados, é justo que tenham uma compensação.

O debate é político.

Reconheço, sim, o mérito do estudante de classe média que se esforça para entrar numa universidade pública. Ninguém consegue uma vaga na USP só porque é filhinho de papai.

Mas a discussão é outra. Num país onde todos os cidadãos devem ser iguais, é preciso reconhecer com honestidade que para milhões de brasileiros o peso da história está acima das forças de um individuo e de uma geração.

Num esforço para se manter tudo como está, é esperto falar em vitimização. Ajuda a fingir que não existem vítimas.

Apenas um sentimentalismo de senhor de engenho pode lamentar a “perda” da nossa “democracia racial”. Ela  deixou de ser levada a sério nos meios acadêmicos na década de 50, e só foi recuperada nos anos 60 e 70 quando a ditadura do Brasil Grande dizia que vivíamos num país sem conflitos de classe nem de raça.

Não por acaso, o grande Gilberto Freyre, que tinha seus méritos intelectuais, até representou um certo avanço em seu tempo, não era um santo. Fazia campanha pela Arena.  Seria um incompreendido?

É essa a ideia que estará em debate, hoje: somos um país de cidadãos iguais? Garantimos a competição, a justa recompensa pelo esforço de cada um, ou somos um país no qual metade da população já nasce em desvantagem histórica?

Não é um debate que só interessa aos negros, mas a todos os brasileiros preocupados com o futuro de seu país.

O país levou tempo mas aprendeu a encarar muitas dores de sua história. Ficamos menos hipócritas e, no fundo, menos covardes. Está na hora de fazer isso com o racismo e sua contrapartida, a discriminação.

 

da Rede Brasil Atual

 

Tribunal de Justiça garante direito de ir e vir a um morador de rua de São Paulo

 

Por: Suzana Vier, Rede Brasil Atual

Publicado em 26/04/2012, 18:30

Última atualização às 20:08

  Tribunal de Justiça garante direito de ir e vir a um morador de rua de São Paulo

A extensão da garantia a todos os moradores de rua da capital paulista foi recusada pelo relator do caso (Foto: Folhapress)

São Paulo – A 1ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu uma ordem de salvo-conduto para garantir o direito de livre locomoção do morador de rua Carlos Eduardo de Albuquerque Maranhão, na região conhecida como "cracolândia", área central da capital paulista. A decisão foi divulgada no dia 23 de abril e atendeu aohabeas corpus preventivo pedido pelos defensores públicos Daniela Skromov de Albuquerque e Bruno Shimizu. A extensão da garantia a todos os moradores de rua da capital paulista foi recusada pelo relator do caso, desembargador Marcio Bartoli, mas pode ocorrer em “hipóteses semelhantes”.

Leia também:

Em depoimento aos defensores públicos, Maranhão denunciou ter sofrido abordagens seguidas de policiais militares, com humilhações e ameaças, durante a “Operação Sufoco”, deflagrada pela Polícia Militar a pedido da prefeitura da capital paulista, em janeiro deste ano, na região da cracolândia. Em um período de sete dias, o morador de rua foi abordado três vezes. Os defensores defendem que Maranhão “não possui anotação de antecedentes criminais, nem mandado de prisão expedido em seu nome, não havendo suspeita de que ele estivesse praticando qualquer tipo de delito, especificamente tráfico ilícito de drogas”.

No pedido de habeas corpus, os defensores apresentaram provas de que Maranhão vive “patente ameaça de violação do direito de locomoção” e seria preciso garantir ao morador de rua “o direito de circular e permanecer em locais públicos de uso comum do povo a qualquer hora do dia, não podendo ser removido contra a sua vontade salvo se em flagrante delito ou por ordem judicial”.

A Defensoria Pública juntou outros 70 testemunhos de pessoas em situação de rua e de moradores da região que comprovam a denúncia. Um Guarda Civil Metropolitano que não foi identificado também depôs confirmando a ação dos policiais.

Entre os depoimentos juntados ao processo pela Defensoria Pública, o magistrado destacou em seu parecer trechos de relatos de violações cometidas por policiais: “Dizem: 'bando de noia tem que morrer e não ir para o hospital” e “Está gestante (2 meses). E obrigada a andar o dia inteiro, sequer consegue dormir porque os policiais abordam sem motivo. Já foi agredida com chutes, tapas e ameaçada com armas”.

Para o desembargador Bartoli, é “fato notório” que houve irregularidades na ação da PM no mês de janeiro, durante a operação na cracolândia. Bartoli julgou ainda que o comandante geral da Polícia Militar de São Paulo é autoridade coautora por “inércia em fazer cessar a ação irregular dos agentes que lhe são subordinados”. E pediu o envio dos relatos de abuso policial ao Ministério Público do Estado de São Paulo para investigação.

 

De Carta Capital.

Por unanimidade, STF legaliza as cotas raciais nas universidades. 

 

 José Cruz / ABr

Luiz Fux, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes durante o julgamento. Os três votaram a favor das cotas. Foto: José Cruz / ABr

O Supremo Tribunal Federal (STF) tomou nesta quinta-feira 26 mais uma decisão histórica, ao decidir, por unanimidade, que as cotas raciais estabelecidas por universidades públicas são constitucionais. O julgamento se dá após anos de debates sobre o tema e deve colocar fim à insegurança jurídica a respeito da reserva de vagas para determinados grupos.

 

O Supremo tomou a decisão ao julgar duas ações diferentes. A primeira era uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 186), de autoria do Democratas (DEM), contra a Universidade de Brasília (UnB), que reserva 20% das vagas do vestibular para estudantes negros. O argumento do partido, defendido principalmente pelo senador Demóstenes Torres, hoje mergulhado em um escândalo de corrupção, era de que as cotas raciais ferem o princípio da igualdade. A outra ação é um Recurso Extraordinário (RE 597285) de um estudante gaúcho que foi eliminado do vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) embora tivesse obtido notas superiores às dos cotistas. Isso ocorreu porque a universidade reserva 30% das vagas para quem estudou na rede pública, sendo que metade dessa cota é destinada aos candidatos que se declararem negros na inscrição.

O ministro Ricardo Lewandowski era o relator dos dois processos e, ainda na quarta-feira 25, proferiu seu voto favorável à constitucionalidade das cotas raciais. Lewandowski afirmou que os programas de ação afirmativa têm como finalidade acabar com o sentimento de discriminação por pertencer à determinada raça. “Não basta não discriminar. É preciso viabilizar. A postura deve ser, acima de tudo, afirmativa. É necessária que esta seja a posição adotada pelos nossos legisladores. A neutralidade estatal mostrou-se, nesses anos, um grande fracasso”, disse.

Nesta quinta-feira, os ministros Luiz Fux, Rosa Maria Weber, Cármen Lúcia, Joaquim Barbosa, Cezar Peluso, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e o presidente da corte, Carlos Ayres Britto, acompanharam o voto de Lewandowski. O ministro Dias Toffoli se declarou impedido de participar do julgamento porque, na condição de advogado-geral da União, teve de se pronunciar sobre o tema.

Para Fux, a raça pode e deve ser critério político de análise para ingresso na universidade, como ocorre em diversos países democráticos. “A construção de uma sociedade justa e solidária impõe a toda coletividade a reparação de danos pretéritos perpetrados por nossos antepassados”, disse.

A ministra Rosa Weber acredita que o sistema de cotas visa a garantir aos negros mais oportunidades de acesso à universidade e, assim, equilibrar as oportunidades sociais. “Se os negros não chegam à universidade, não compartilham a igualdade de condições com os brancos”. Para ela, quando o negro se tornar visível na sociedade, “política compensatória alguma será necessária”.

De acordo com a ministra Cármen Lúcia, as políticas compensatórias garantem a possibilidade de que todos se sintam iguais. “As ações afirmativas não são as melhores opções. A melhor opção é ter uma sociedade na qual todo mundo seja livre par ser o que quiser. Isso é uma etapa, um processo, uma necessidade em uma sociedade onde isso não aconteceu naturalmente”.

Joaquim Barbosa afirmou que ações afirmativas são políticas públicas voltadas à concretização da neutralização dos efeitos perversos da discriminação racial, de gênero, de idade e de origem. “É natural que as ações afirmativas sofram um influxo de forças contrapostas e atraiam resistência da parte daqueles que historicamente se beneficiam da discriminação de que são vítimas os grupos minoritários”, disse o ministro.

Cezar Peluso, cujo voto, o sexto, garantiu a legalidade do sistema de cotas nas universidades públicas, seguiu os colegas, mas fez um alerta a respeito de defeitos que o sistema tem. “Não posso deixar de concordar com o relator que a ideia [cota racial] é adequada, necessária, tem peso suficiente para justificar as restrições que traz a certos direitos de outras etnias. Mas é um experimento que o Estado brasileiro está fazendo e que pode ser controlado e aperfeiçoado”, disse Peluso.

Para o ministro Celso de Mello, as ações afirmativas estão em conformidade com a Constituição e com as declarações internacionais às quais o Brasil aderiu. O último ministro a se manifestar, Carlos Ayres Britto, disse que a política compensatória é justificada pela Constituição. Para ele, os erros de uma geração podem ser revistos pela geração seguinte. “O preconceito é histórico. Quem não sofre preconceito de cor já leva uma enorme vantagem, significa desfrutar de uma situação favorecida negada a outros”, explicou Britto.

Ressalvas

Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello também fizeram ressalvas. Ambos pediram critérios objetivos para definir quem deve ou não ser incluído nas vagas separadas pelas cotas. Para

Para Mendes, é necessário fazer uma revisão no modelo da Universidade de Brasília, pois o modelo pode tender à inconstitucionalidade posteriormente. “Todos podemos imaginar as distorções eventualmente involuntárias e eventuais de caráter voluntário a partir desse tribunal [racial da UnB], que opera com quase nenhuma transparência”, disse o ministro. De acordo com Mendes, a adoção de critérios objetivos de referência socioeconômica seriam mais razoáveis. “Se conferiu a um grupo de iluminados esse poder que ninguém quer ter de dizer quem é branco e quem é negro em uma sociedade altamente miscigenada”, disse. A referência de Mendes era a um episódio ocorrido em 2007, quando dois irmãos gêmeos tiveram resultados diferentes, um sendo aprovado para uma vaga pelas cotas e outro rejeitado.

Para o ministro Marco Aurélio Mello, as autoridades públicas devem se pautar por critérios objetivos para definir quem serão os beneficiários das cotas. “Uma sociedade que tolera práticas discriminatórias não pode ser tida como democrática. Se é evidente a situação [de desigualdade] do negro no mercado de trabalho, parece possível indicar aqueles que devem ser favorecidos pela política inclusiva”, disse Mello.

*Com informações da Agência Brasil

 

 

zanuja

Do Escrevinhador do Rodrigo Vianna

Izaías e o Partido Frankenstein 

Por Izaías Almada

Enquanto a reforma política brasileira inspira a fantasia de inúmeros cidadãos e fica arquivada e esquecida em gavetas de Brasília, torna-se necessário, vez por outra, avaliarmos o quadro geral da República nessa área e nos debruçarmos sobre uma ou outra questão de inegável relevância.

Uma delas, em ano eleitoral, é a formação desse novo partido que, indicam as circunstâncias, se constituirá – mesmo diminuindo o número de seus representantes no Congresso a cada eleição – no arauto do atraso, profeta do passado, no exemplo da intolerância, no arrimo da imoralidade pública e privada. Trata-se do jovem Frankenstein dos nossos partidos, cujos remendos vão sendo costurados à medida que o país toma conhecimento da verdade sobre a grande conspiração entre bandidos da imprensa, bandidos do congresso nacional e bandidos de outras origens e atividades, também conhecidos por empresários de jogos ilegais.

Quando se pensa que chegamos ao fundo do poço da ignomínia e do deboche de honrados cidadãos, capazes que são de esticar a mão para dentro dos cofres públicos e recolhê-las para dentro dos próprios bolsos, os deuses da ética nos brindam com novas e patéticas novidades sobre o bloco dos bandidos do colarinho branco e de caráter bem sujo. Sobre o assunto, recomenda-se a leitura de “Privataria Tucana” e os relatórios da PF sobre a operação Monte Carlo.

Saber que há grupos e corporações embaralhando e dando as cartas no jogo político e econômico do capitalismo, no jogo do público e do privado, não é propriamente uma novidade. Que se disputa o poder político seja através de eleições democráticas ou mesmo de revoluções populares ou golpes de estado, consoante o interesse a ser contemplado ou imposto, também isso é tão antigo quanto o próprio sistema e a história do homem. Logo, não seria nada espantoso para a atual sociedade brasileira mais essa investigação da Polícia Federal que veio à tona nas últimas semanas.

 

Contudo, ainda é possível a muitos de nós o sentimento de indignação ou, o que é pior, o amargor de nos sentirmos impotentes diante da pusilanimidade e do deboche com que certos políticos denigrem não só a sua própria imagem e a dos partidos que representam, mas – sobretudo – a natureza da atividade a que se dedicam como homens públicos e (na teoria, pelo menos) o de serem os guardiães dos princípios éticos e democráticos.

A ditadura de 64/68 criou dois partidos políticos artificiais, Arena e MDB, apenas para dar ao país e talvez ao mundo a fugaz impressão de que a troca de generais e a existência de um congresso com dois partidos ali representados espalhassem a sensação de sermos uma ‘ditabranda’, segundo o neologismo criado por algum sociólogo de botequim…

De lá para cá o país foi governado dentro da cartilha neoliberal e a tal Aliança Renovadora Nacional, antes de se tornar PFL e agora DEM, deitou e rolou sob a proteção da força militar, com a ajuda de uma imprensa subjugada ou defensora de seus próprios interesses e do interesse de seus grandes anunciantes, da cooptação sistemática de acadêmicos e intelectuais, da destruição das garantias dos trabalhadores, da escravização para o trabalho no campo, do sucateamento do ensino e da saúde, da privatização de empresas públicas, a tal ponto que a eleição de um operário metalúrgico e uma ex-guerrilheira, com milhões e milhões de votos nas urnas, mesmo que com grande empenho da parte deles, ainda não foi capaz de quebrar a espinha dorsal de tal domínio.

Entre 1964 e 2012, duas novas gerações de brasileiros passaram dos bancos escolares à direção de empresas, de alunos a professores, de eleitores de primeira viagem ao conjunto de novos governantes nos níveis municipais, estaduais e federais, de filhos a pais, de pais a avós, de indiferentes a participantes ou vice e versa, juntando-se todos aos mais velhos com a sua experiência adquirida no pós guerra para uma caminhada cheia de esperanças e frustrações. Todos, absolutamente todos, a se informarem e a formarem opiniões a partir de jornais, revistas semanais e canais de televisão, de cujos editais escorre o veneno da injúria, mata-se a reputação de adversários políticos e concorrentes nos negócios privados e, sobretudo, públicos.

Nessa caminhada sobrecarregada de decepções nos campos da política partidária, onde o que menos importa em muitos casos é o interesse do país; no exercício da justiça, cujo palco é manchado pela vaidade e até pela corrupção de juízes apequenados; na correção mais implacável das mazelas sociais, com um grau nada desprezível de sucateamento na educação formal; na luta pela soberania do país contra a eterna falácia dos entreguistas, e com as ideologias se baralhando, programas de governo se distanciando dos seus objetivos, políticos a mudarem de partidos, partidos a mudaram de nomes, o país a mudar de fisionomia, sendo que nos últimos nove anos – sob alguns bons aspectos – até para melhor, mas ainda assim sem a convicção de que se pode mudar mais e com mais verticalização e segurança.

Não obstante, pesados os prós e os contras, não podemos perder de vista a estratégia do adversário, quando ela existe e, sobretudo, a do inimigo. A cultura do dinheiro e do sucesso a qualquer custo, a competição selvagem como alavanca para o progresso e para o desenvolvimento, a eliminação paulatina dos conceitos éticos, a mentira e a falácia como armas de convencimento e difusão de ideias, continuam a ser o manancial onde se abastecem a esperteza de maus políticos, da imprensa venal e da justiça de classe, esse triunvirato de imenso poder corrosivo sobre uma sociedade que ainda não conseguiu se descolar inteiramente do seu passado de país escravagista, monocultor, aculturado e dependente.

A educação formal no Brasil ainda não foi capaz, apesar de inúmeras tentativas, de criar mecanismos que apetrechem o cidadão, desde os primeiros bancos escolares, a refletir e entender os direitos e deveres do convívio social, de maior respeito ao coletivo, aos direitos do outro, do combate cotidiano ao princípio de ‘tirar vantagem em tudo’ e até de aceitar a corrupção dos amigos e combater a dos adversários ou mesmo inimigos. A cultura do ‘farinha pouca meu pirão primeiro’… Ainda há um caminho a percorrer, difícil, cheio de armadilhas, que requer paciência e perseverança no dia a dia, nas semanas e meses que passam, inexoráveis. As eleições municipais de 2012 vão retomar esperanças e oferecer ao Brasil nova oportunidade de outro passo à frente, de outra batalha contra os que insistem em olhar para um país que quer abandonar o lado mais escuro do seu passado.

E se há um partido político que representa no Brasil de hoje não só uma visão de passado e de retrocesso político, a que devemos todos estar bem atentos para não retroagirmos nesse pouquinho de democracia conquistada, nos avanços na área econômica e na defesa de nossa soberania, esse partido que junta o reacionarismo conservador ao discurso da modernidade neoliberalizante, atende no momento pela obscena sigla de PSDEMB.

Izaías Almada é escritor, dramaturgo e roteirista cinematográfico, É autor, entre outros, dos livros TEATRO DE ARENA, UMA ESTÉTICA DE RESISTÊNCIA, da Boitempo Editorial e VENEZUELA POVO E FORÇAS ARMADAS, Editora Caros Amigos.

 

zanuja

Da Carta Maior

26/04/2012

 

A resistência do financismo

 

Os bancos privados plantam “estudos sérios” pelas editorias de economia dos meios de comunicação, onde pretendem mostrar que a maior parcela do “spread” cobrado pelos bancos é causada pela inadimplência e pelos tributos. Mas a verdade dos fatos aponta para outra direção.

No início da campanha para as eleições presidenciais na França, o candidato socialista François Hollande saiu-se com uma declaração que reflete bem o poder real exercido pelo mundo das finanças nos tempos atuais. Cercado por países da União Européia que tiveram seus governantes pressionados pelo Banco Central Europeu e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) a aprofundarem as receitas recessivas para a crise econômica, o candidato radicalizou, afirmando:

“Meu adversário, meu verdadeiro adversário, não tem nome, rosto ou partido. Nunca apresentará sua candidatura e, por conseguinte, não sairá eleito. No entanto, esse adversário governa. Esse adversário é o mundo das finanças.”

Parece óbvio que tal constatação pode ser aplicada também para países que estão mais afastados do epicentro da crise européia. Aliás, uma das principais características do capitalismo contemporâneo é justamente essa tendência à supremacia do setor financeiro sobre os demais ramos de atividade econômica – a chamada financeirização da sociedade. A ponto de nos causar esse receio, tão bem expresso pelo pretendente do PS francês. Por outro lado, um aspecto que chama a atenção é a profunda amarração de interesses entre esse setor e os espaços de tomada de decisão na esfera do Estado. E também a entranhada articulação com os centros de formação de opinião, a exemplo das corporações dos meios de comunicação.

As verdades são criadas, as versões transformam-se em dogmas inquestionáveis e as soluções apresentadas como “técnicas e neutras” são vendidas como fatos consensuais e elementares no meio dos supostos especialistas. É disso que se trata quando a absoluta maioria dos jornais, rádios, canais de televisão e revistas semanais apresentam quase sempre a mesma opinião sobre temas tão sensíveis para a política econômica. As fontes consultadas são as de sempre e a opinião dos economistas só reflete aquela dos profissionais vinculados ao “establishment” financeiro. E assim são gerados os famosos mitos e tabus:

i) o superávit primário é uma necessidade inescapável; ii) a política de metas de inflação deve sempre mirar o centro, esquecendo-se da margem flexível; iii) não há evidências de processo de desindustrialização em nosso País; iv) a desoneração da folha de pagamento é uma exigência para aumentar a eficiência de nossas empresas; v) o aumento do salário mínimo é o principal responsável pela perigosa elevação dos gastos públicos; vi) o “mercado” exige tal ou qual decisão por parte do COPOM; vii) os níveis do “spread” bancário praticado em nossas terras está no mesmo patamar do resto do mundo. E por aí vão as abobrinhas sempre repetidas “ad nauseam”, mas contribuindo para a (de)formação da opinião pública a respeito de tais assuntos.

A resistência em baixar os juros
A conjuntura atual pode ser interpretada à luz de tais instrumentos. Todos nos lembramos da recente decisão assumida pela Presidenta Dilma, no sentido de que os bancos públicos oficiais tomassem a iniciativa de reduzirem as taxas de juros em suas operações na ponta, com os clientes. Isso porque estava mais do que óbvio que as sucessivas reduções na taxa SELIC não estavam sendo sentidas pelos indivíduos e empresas em suas operações do dia-a-dia com o sistema financeiro. Finalmente, depois de quase uma década, parecia que a esperança havia superado o medo. Porém, passados alguns dias, o que se percebe é que até o momento houve muito estardalhaço, mas a ação efetiva ainda deixa muito a desejar.

A Caixa Econômica Federal (CEF) foi um pouco mais ativa em seguir a recomendação, mas o Banco do Brasil (BB) continuou a divulgar muito e fazer pouco. Os argumentos são os mais estapafúrdios, dentre eles o fato do BB ter suas ações cotadas nas Bolsas de Valores e, portanto, não poder reduzir o seu “spread” e seus lucros. É inconcebível que uma empresa estatal, subordinada ao Ministério da Fazenda (MF), se recuse a cumprir orientações superiores, em especial quando se trata de reforçar sua característica de instituição pública.

A reação do sistema financeiro privado também foi imediata. Temendo a concorrência a ser colocada em ação pela CEF e pelo BB, a banca privada saiu em campanha contra a decisão do governo. O atual presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal, declarou que os bancos privados estavam operando no limite de sua rentabilidade e não tinham condições de reduzir o “spread” praticado – coitadinhos.... Com isso, os banqueiros tentavam passar o recado, por meio de seu interlocutor institucional, de que haviam feito tudo que podiam e que, para avançar mais, precisavam de mais benesses, e que a partir de então “a bola estava com o governo”. A estratégia pegou mal e parece que só teria reforçado a disposição da Presidenta em seguir com a queda de braço. Veremos a seqüência dos acontecimentos.

Sobre a intrincada relação de interesses, vale recordar que Murilo Portugal ocupou cargos de primeira linha nos governos de FHC/Malan e Lula/Palocci. Foi Secretário do Tesouro Nacional (1992-96), foi indicado pelo governo brasileiro para ocupar cargo de diretor junto ao FMI e ao Banco Mundial (entre 1998 e 2005). E desde 2006 se apresenta como funcionário do próprio FMI. Em 2011, ele substituiu o também economista Fábio Barbosa no comando da federação dos banqueiros, que por sua vez passou a ocupar o posto de Presidente Executivo do Grupo Abril. É impressionante a dança das cadeiras entre postos-chaves no governo, no sistema financeiro e nas comunicações.

Margens dos bancos são muito elevadas
Os bancos privados plantam “estudos sérios” pelas editorias de economia dos meios de comunicação, onde pretendem mostrar que a maior parcela do “spread” cobrado pelos bancos é causada pela inadimplência e pelos tributos. Ora, a verdade dos fatos é que, ao longo dos últimos anos, as instituições financeiras sempre se mantiveram em primeiro lugar no quesito “lucros anuais” das empresas atuando por aqui. Apenas alguns exemplos recentes são bem ilustrativos. Em 2011, os 10 maiores bancos registraram um lucro líquido acumulado de R$ 58 bilhões. Em 2010, dos 10 maiores lucros apresentados por empresas no Brasil, 8 eram relativos a bancos, que ocupavam da terceira à décima posição. Em 2009, dos 10 maiores lucros, 7 eram proporcionados também pelas instituições bancárias. Além disso, estudo recente realizado pelo DIEESE demonstra que os níveis de “spread” aqui praticados são imensos.

Ora, com tal performance não há muito do que reclamar. A verdade é que a obtenção de tal rentabilidade está completamente associada a alguns fatores, todos derivados da enorme concentração de poder entre alguns agentes gigantes do setor. A falta de regulação e fiscalização do órgão responsável, o Banco Central (BC), sempre deixou os bancos completamente à vontade para praticarem suas políticas empresariais extorsivas sobre o conjunto da sociedade. Por outro lado, a política monetária de juros elevados levou, ao longo de décadas, ao crescimento desproporcional do segmento. Finalmente, a passividade frente aos abusos cometidos em termos de “spread” e tarifas sobre serviços propiciou esse injustificável volume de acumulação de ganhos no setor financeiro.

Se a Presidenta pretende mesmo marcar sua presença na história brasileira como sendo patrocinadora de um ponto de inflexão da financeirização, deve continuar enfrentando os interesses do financismo – a assim chamada “guerra dos juros”. Ao contrário da imagem acima usada por Hollande, as finanças têm cara, nome e endereço aqui nestas terras ao sul do Equador. Aliás, tudo é até muito perigosamente mesclado com a formulação e a implementação de políticas de Estado, nessa terrível tradição de misturar os espaços do público e do privado. Basta lembrarmos a recente passagem, por oito longos anos, do ex-presidente internacional do Bank of Boston, Henrique Meirelles, ocupando a cadeira da presidência do Banco Central, a convite do próprio Lula.

Amplo apoio social e político para Dilma sustentar tal empreitada não deverá ser um problema, a exemplo do que ficou demonstrado ao longo dos primeiros dias do anúncio de sua vontade de baixar os juros. O problema é a disposição em dar continuidade a essa política, forçando o BB a baixar efetivamente seus juros e obrigando o BC a baixar medidas que tornem viável a portabilidade no interior do sistema. E, principalmente, forçando a situação política para que os bancos incorporem essa mudança de rentabilidade em seus balanços e passem a praticar margens menos abusivas sobre seus clientes. A leitura dos resultados dos grupos do setor financeiro evidencia que há muito espaço para, como eles mesmo gostam de usar no jargão do mercado, levar a cabo a queima de suas gordurinhas.


 

Paulo Kliass é Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, carreira do governo federal e doutor em Economia pela Universidade de Paris 10.

http://cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=5569

 

webster franklin

Economist Intelligence Unit - Carta Capital

26.04.2012 10:37

América Latina suporta crise europeia, mas não ficou imune

Os mercados financeiros internacionais estão preocupados com um ressurgimento da crise da dívida da Zona do Euro, de olhos fixos na Espanha, que poderia se tornar o quarto país a precisar de resgate financeiro. Enquanto a América Latina até agora suportou relativamente bem os problemas da Europa, não ficou imune. O ritmo do crescimento na região diminuiu, apesar de esperarmos que ele continue mais forte que a média global. Mas em um cenário em que as condições da Europa piorem — ou ocorra mais um choque, como um aumento nos preços do petróleo — poderá haver mais efeitos secundários nas economias, nos preços dos ativos e fluxos financeiros na América Latina.

Depois de uma forte recuperação em 2010 para 6%, causada por um surto de estímulo global, o crescimento na região da América Latina como um todo desacelerou para 4,4% em 2011. A Economist Intelligence Unit prevê uma nova desaceleração para 3,7% em 2012, em um contexto de clara contração na Zona do Euro (esperamos um encolhimento de 0,7%) e um crescimento abaixo do previsto nos EUA (de 2,2%).

O crescimento na maior economia da região, o Brasil, teve um início arrastado este ano, depois de despencar para 2,7% em 2011, contra 7,5% um ano antes. No lado positivo, os exportadores de matérias-primas da América do Sul continuarão se beneficiando da forte demanda chinesa. Vários fatores — como políticas macroeconômicas sólidas, a demanda interna resistente e a recuperação no crescimento da OCDE — vão reforçar o crescimento latino-americano a partir de 2013 (com crescimento médio de 4,2% em 2013-16). No entanto, muitos países da região continuarão vulneráveis a oscilações no sentimento do mercado e às crescentes pressões inflacionárias.

O balanço externo da região se fortaleceu nos últimos anos, o que ajudará a fornecer um amortecedor contra choques externos. A dívida externa está menor em relação ao PIB e as exportações e reservas cambiais estão em níveis recordes. No entanto, o crescimento das contas de importação, alimentado pela demanda interna e por moedas locais fortes, vai superar o crescimento da receita das exportações, resultando em grandes déficits de conta corrente na região — mesmo para os exportadores de matérias-primas. Essa situação é especialmente problemática para a Argentina, para a qual os superávits de conta corrente têm sido um pilar de estabilidade na última década, dado o acesso limitado do governo aos mercados internacionais de capital, o uso de reservas cambiais para pagar suas dívidas externas e a vulnerabilidade à fuga de capitais.

Oscilações de sentimento

Diante da estreita integração das grandes economias latino-americanas nos mercados financeiros globais, as moedas locais e os preços dos ativos foram atingidos por oscilações no sentimento dos investidores. Mas graças a políticas flexíveis esses choques foram relativamente bem absorvidos. Em setembro de 2011 a região sofreu um aumento na aversão ao risco associada aos temores da Europa (com o real brasileiro e o peso mexicano em queda de 16,6% e 12,3%, respectivamente, em relação ao dólar naquele mês). Desde o início de 2012, os mercados de ativos de risco registraram grandes ganhos, enquanto a aversão ao risco diminuía, graças às operações de liquidez do Banco Central Europeu. Quando os efeitos destas se dissiparam, porém, a aversão ao risco retornou.

Além das flutuações no sentimento dos investidores, as autoridades latino-americanas enfrentam outros desafios. Na política monetária e de crédito elas lutam para atingir um equilíbrio entre sustentar a demanda interna (para compensar os mercados de exportação fracos na OCDE) enquanto mantêm a inflação sob controle em meio às pressões decorrentes dos altos preços dos alimentos e do petróleo. A agressiva série de cortes de taxas de juros no Brasil (com a última redução de 75 pontos básicos em 18 de abril situando a taxa básica em 9%, perto do piso recorde de 8,75%), atesta o objetivo do governo de sustentar o crescimento. Isto gerou preocupações sobre o compromisso do BC em alcançar a meta central de inflação (4,5%), e as expectativas inflacionárias para 2012 e 2013 continuaram subindo.

E se?

Um agravamento da crise da dívida europeia, que prejudicaria as economias soberanas e os bancos europeus (que estão fortemente investidos em dívida soberana e já demonstram índices mais altos de empréstimos inadimplentes em suas outras carteiras), complicaria as coisas. A Economist Intelligence Unit atualmente atribui uma probabilidade moderada (40%) de saída da Grécia da Zona do Euro nos próximos dois anos, e uma probabilidade mais baixa, embora não insignificante, de uma ruptura da zona monetária (que definimos como a saída de vários países, incluindo pelo menos uma das grandes economias).

Mas mesmo sem a dissolução da Zona do Euro uma crise financeira completa a envolver a Espanha ou a Itália, as mais fracas das grandes economias europeias, seria danosa. Os bancos espanhóis, por exemplo, foram grandes compradores de dívidas de governos desde que o Banco Central Europeu lhes deu acesso a empréstimos baratos de três anos, destinados a reforçar a liquidez em toda a Zona do Euro. O governo não pode deixar os bancos falirem, assim como os bancos não podem sobreviver a uma corrida aos títulos do governo. Mesmo que o país possa evitar um resgate, seus bancos poderão precisar dele em breve.

Se os bancos se enfraquecerem, as linhas de crédito para a América Latina (incluindo finanças comerciais, que já foram afetadas pelos temores da Zona do Euro até agora) de entidades europeias e suas subsidiárias na região poderão encolher, como um primeiro passo. O impacto sobre as linhas de crédito internacionais também seria sentido de modo mais amplo, já que um novo “evento” de crédito na Zona do Euro causaria tensões financeiras globais e um aumento da aversão ao risco pelos investidores.

Além das condições de crédito internacionais mais rígidas, outros canais de transmissão incluiriam uma demanda e preços mais baixos para as exportações da América Latina, e haveria um sério impacto sobre as empresas e o sentimento dos consumidores na região. Uma crise da dívida mais profunda também prejudicaria o fluxo de investimento direto estrangeiro (IDE) para a América Latina, pois a Europa é uma fonte importante de IDE para a região. No caso de o crescimento econômico da China desacelerar mais acentuadamente do que se espera (atualmente imaginamos um crescimento do PIB de 8,3% este ano), a demanda e os preços para os exportadores de matérias-primas sul-americanos sofreriam ainda mais.

Bancos europeus recuam

As pressões sobre os bancos europeus desde meados de 2011 já levaram alguns a vender parte de seus ativos na América Latina para reforçar seus balanços. Esses ativos locais foram adquiridos por instituições financeiras latino-americanas, por isso o impacto sobre o crédito regional até agora foi discreto. Uma nova desalavancagem dos bancos europeus levaria a novas vendas de ativos. Onde os compradores agirem, o impacto sobre o crédito na América Latina será limitado. Mas há um risco de perturbações no crédito se as compras não se materializarem em tempo.

Os bancos europeus dos países periféricos seriam atingidos de maneira mais adversa por um choque da dívida europeia. Os bancos espanhóis representam pouco mais de 40% dos interesses estrangeiros totais na América Latina. Os empréstimos para bancos regionais da Grécia, Irlanda, Itália e Portugal são menos importantes. Também pode haver canais indiretos, como bancos não europeus que estão expostos a um evento da dívida europeia e também emprestam para a América Latina. Essas linhas de crédito também poderão sofrer.

Sistemas bancários locais devem resistir

O impacto sobre os sistemas bancários locais seria variável em relação às ações em ativos totais dos bancos europeus afetados em cada mercado. O impacto seria atenuado porque muitos bancos europeus (e outros estrangeiros) que operam na América Latina obtêm a maior parte de seus fundos localmente.

Além disso, indicadores do setor bancário sugerem que a maioria das instituições financeiras latino-americanas seria relativamente resistente a um evento de crédito europeu. Os bancos locais são razoavelmente bem capitalizados e líquidos. O crescimento do crédito, incentivado por políticas expansionistas depois da crise financeira global de 2008-09, hoje está geralmente em desaceleração. Os políticos da maioria dos países poderiam afrouxar a política monetária (incluindo reduzir as exigências de reservas) para ajudar a abrandar as tensões financeiras.

Também haveria certo espaço para políticas fiscais contracíclicas com o fim de apoiar o crescimento econômico durante o período de crise, embora houvesse menos capacidade para políticas de estímulo desta vez, já que nem todo o estímulo anterior foi retirado e os déficits fiscais estruturais estão ligeiramente mais altos hoje. Alguns países (México e Colômbia) têm linhas de crédito de contingência do FMI, e outros (no Caribe e na América Central, por exemplo) provavelmente procurariam o Fundo com sucesso para obter crédito de contingência.

No entanto, a região ainda sofreria, mais ou menos do mesmo modo que após o colapso do Lehman Brothers no final de 2008. Uma recessão europeia mais severa provocada por um agravamento da crise financeira provavelmente seria mais duradoura do que foi a recessão nos Estados Unidos depois do colapso do Lehman, e isto teria efeitos adversos nos fluxos de investimentos e no comércio Europa-América Latina. Nesse caso, a América Latina poderia sofrer uma perda de até 3 pontos percentuais do PIB no primeiro ano, ou cair em uma recessão moderada. Ela se recuperaria gradualmente depois, mas mais lentamente que sua recuperação de 2010 após a crise financeira global de 2008-09.

Leia também:
A Europa com a faca no pescoço
O confisco do petróleo é resposta apropriada ao capitalismo desenfreado
Alta do dólar não deve aumentar exportações

 

da Agência Senado

 

Você está aqui: Página Inicial › materias › 2012 › 04 › 26 › Senadores defendem plantio de cana na Amazônia e no Pantanal  

26/04/2012 - 12h44 Comissões - Agricultura - Atualizado em 26/04/2012 - 12h45

Senadores defendem plantio de cana na Amazônia e no PantanalEnviar notícia por e-mail Imprimir  

Iara Guimarães Altafin

Os senadores Waldemir Moka (PMDB-MS), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Sérgio Souza (PMDB-PR) e Ivo Cassol (PP-RO) querem a liberação do cultivo de cana-de-açúcar na Amazônia e no Pantanal e devem solicitar ao governo o zoneamento agroecológico nesses biomas, para indicar áreas aptas ao plantio da cultura. Já o senador Delcídio Amaral (PT-MS) recomendou cautela e apontou o risco de a medida resultar em barreira ambiental ao etanol brasileiro.

Os senadores participaram de audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), que discutiu o PLS 626/2011, de Flexa Ribeiro, que libera áreas de cerrado e campos gerais na Amazônia Legal para o cultivo de cana. Hoje está em vigor o Decreto 6961/2009, que estabelece o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar, excluindo o plantio de cana na Amazônia, no Pantanal e na Bacia do Alto Paraguai.

Na audiência, os senadores ouviram Cid Jorge Caldas e Alberto Ederhard, representantes dos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Meio Ambiente, respectivamente. Ao apresentar uma síntese do zoneamento, Caldas informou que o estudo, realizado em 2008, indicou a existência de 64 milhões de hectares aptos para a cultura, além dos oito milhões de hectares já cultivados à época.

Frente a essa grande disponibilidade de áreas para expansão da cana-de-açúcar fora da Amazônia e do Pantanal, Ederhard considera correta a restrição a esses biomas, contida no decreto. Ele sugeriu aos senadores a busca de mecanismos para valorização da biodiversidade brasileira, como forma de estímulo à preservação da vegetação nativa.

Com posição semelhante, Delcídio Amaral elogiou a qualidade do estudo realizado em 2008 e defendeu a expansão da cultura nas áreas indicadas no zoneamento agroecológico. De acordo com o senador, o fim da restrição poderá reduzir os espaços de comercialização do açúcar e do etanol brasileiros, uma vez que as tradicionais barreiras por tributos estariam sendo substituídas por barreiras sanitária e ambiental.

Áreas desmatadas

Ao defender seu projeto, Flexa Ribeiro insistiu no fato de que o texto prevê plantio de cana apenas em terras já utilizadas, localizadas em áreas de cerrado e de campos gerais da Amazônia Legal.

– Não precisamos derrubar nenhuma árvore – frisou.

Já o senador Sérgio Souza (PMDB-PR) advertiu que hoje o Brasil precisa importar etanol e apoiou o cultivo de cana em áreas já abertas na Amazônia como estratégia para aumentar a produção nacional do combustível. E em favor do fim da restrição no Pantanal, Waldemir Moka disse que os agricultores da região praticam formas sustentáveis de exploração dos recursos, o que seria comprovado pelo fato de 78% do bioma ainda estarem preservados.

Agência Senado

 

Movimento negro considera positiva decisão sobre cotas e diz que pressionará instituições de ensino

 

Carolina Pimentel
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Com a decisão unânime do Supremo Tribunal Federal (STF) de validar as cotas raciais nas universidades, o movimento negro quer se preparar para cobrar das instituições de ensino superior a implantação das reservas de vagas.

De acordo o fundador e coordenador da Educafro, frei Davi, a organização vai procurar fundamentação jurídica para pressionar as universidades. A Educafro é uma instituição que tem o objetivo de realizar a inclusão de negros em instituições públicas e privadas de ensino superior.

“É impossível fazer política pública sem considerar a especificidade do povo negro”, disse o coordenador.

O professor Nelson Inocêncio, coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade de Brasília (UnB), também defende a cobrança.

“Não vai agradar a todos [decisão do STF]. Não se trata de uma questão afetiva. É primordialmente que a população negra seja respeitada”, explicou o professor.

Para o docente, as cotas não reduzem as diferenças sociais e econômicas entre negros e brancos, mas possibilita que tal parcela da população chegue a um banco de universidade – coisa que, há alguns anos, era sequer imaginado por muitos negros.

“É preciso [sistema de cotas] até que a gente faça ajustes na sociedade”, argumentou Inocêncio.

Com placar de 10 votos a favor e nenhum contrário, os ministros do STF consideraram constitucional o sistema de cotas raciais em universidades públicas e privadas. A decisão não obriga nenhuma instituição a adotar o sistema. Atualmente, não existe lei que torne as cotas obrigatórias.

O partido Democratas (DEM), autor da ação julgada pela Corte, questionava a legalidade das cotas raciais para ingresso na UnB. Para o DEM, esse tipo de política de ação afirmativa viola diversos preceitos garantidos na Constituição.

A UnB foi a primeira universidade federal a instituir o sistema de cotas, destinando 20% das vagas do vestibular a candidatos que se autodeclararem negros (pretos e pardos). Desde 2004, 5 mil alunos ingressaram pela reserva de vagas.

Edição: Carolina Sarres

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2012-04-26/movimento-negro-considera-positiva-decisao-sobre-cotas-e-diz-que-pressionara-instituicoes-de-ensino

 

Roberto Amaral

Investimentos
26.04.2012 10:21 - Carta Capital

O futuro pede ciência e tecnologia34Contrariando os presságios das Cassandras, nosso País vem enfrentando, com o sucesso possível, as consequências da crise do capitalismo globalizado, e aos poucos constrói as bases do que pode vir a ser uma potência econômica, que se deseja democrática e igualitária. Só será democrática se for igualitária, o que muito dependerá do que fizermos a partir de agora. Colhemos, presentemente, os frutos de amadurecida construção histórica, responsável por uma civilização tropical e mestiça com quem muito têm a aprender aqueles povos e aquelas nações que, até aqui, fracassando reiteradamente, se auto-incumbiram do comando dos destinos da humanidade e da Terra.

Nada obstante a brutal e variegada violência de nossa formação nacional, sob o mando de elites neocolonizadoras, explorando à exaustão o trabalho de índios e negros e dos ‘trabalhadores livres’ deles descendentes, exploração que se reflete na impermeabilidade de nossa sociedade de classes; nada obstante o império da casa grande sobre as massas da senzala, de que ainda não conseguimos nos libertar; e nada obstante ainda nossa contemporaneidade marcada pelos inumeráveis ‘eldorados de Carajás’ e pelos ‘desaparecidos’ sem sepultura, somos, os brasileiros, em nossa política externa, portadores de rara lição de pacifismo, que se expressa na convivência amistosa com todos os povos e principalmente com nossos vizinhos, no exercício de sincero multilateralismo internacional, prática permanente da crença do entendimento como instrumento de solução de conflitos.

Últimos artigos de Roberto Amaral:
O Estado-nação e o dragão financeiro
Os caminhos tortuosos da democracia na América do Sul
O Brasil e o cavalo selado

Em que pese ao autoritarismo seminal das elites, sempre pronto para emergir, nosso povo, resultado telúrico do amálgama dos povos que nos precederam, construiu um multiculturalismo que rejeita o radicalismo religioso, étnico ou racial que na Europa e nos EUA se alimenta do fracasso econômico, abrindo caminho para novas e sempre cruentas formas de xenofobia e discriminação religiosa em nome de um ocidentalismo do qual as classes dominantes se julgam proprietárias.

Jamais seremos um país militarista. Hoje, mais respeitados, aprendemos a dizer não aos poderosos, quando necessário, e nos recusamos a humilhar os mais fracos, e dos mais pobres procuramos nos aproximar, não para explorá-los (ex-colônia e vítimas do imperialismo cultivamos memória histórica, ao menos nesse particular), mas para com eles nos associarmos na batalha comum contra a pobreza e as profundas desigualdades decorrentes de sistema político-social iníquo, envilecido e envelhecido, arcaico, diante de cuja derrogação as forças do progresso não podem continuar de braços cruzados.

Esta aproximação de povos com destino comum foi um dos grandes feitos da administração Lula-Amorim (ainda mantida por Dilma-Patriota), retomando a política externa independente que nas últimas décadas somente fôra deixada de lado por Castelo e pelos dois Fernandos.

Nossa presença no cenário internacional (jamais ignorarei a importância do país como mercado consumidor) deve ter a marca desses valores e em função desses valores e de nossa perseverança neles, ser respeitada.

Esses valores devem dizer que país pretendemos construir, no momento em que contemplamos a agonia da Europa, a derrocada moral dos EUA, e a meticulosa destruição do mundo islâmico.

Tão importante quanto crescer, é saber para que queremos crescer, pois poderá transformar-se em pesadelo o sonho de potência se não soubermos para quê queremos ser uma grande economia.

Qualquer que seja nosso futuro, ele não decorrerá das forças ‘cegas’ de um ‘mercado’ iníquo e predador do homem e da natureza, mas de um projeto de nação presidido pelos valores disso que estamos chamando de ‘nossa civilização’, valores que se encerram na síntese produção-distribuição de riqueza como caminho da igualdade social.

Nossos governos de centro-esquerda estão demonstrando, na prática, a falácia da tese do neoliberalismo autoritário segundo a qual crescimento econômico e distribuição de renda (lembra-se o leitor do ‘milagre econômico’?) eram/são incompatíveis como projetos contemporâneos. O país está crescendo exatamente porque está distribuindo renda.

Este crescimento, todavia, não é autônomo, isto é, não tem condições de auto-alimentar-se nem se satisfará, no largo prazo, simplesmente com os resultados das exportações de grãos e minérios. Ele cobra altos, massivos, permanentes investimentos em ciência e tecnologia, pois não é possível pensar no médio prazo sem preparar as bases do desenvolvimento tecnológico, ferramenta do desenvolvimento econômico e social. Lamentavelmente, a universidade brasileira não se tem revelado à altura desse desafio e dele se aparta a iniciativa privada – que continua pensando de forma medíocre, pequena, limitada, sempre a depender das tetas do Estado. Estamos atrasados nas áreas nuclear (ensino e pesquisa) e espacial, e estamos perdendo as bases nas quais a Petrobras poderia assentar a exploração e desenvolvimento autônomos da indústria do pré-sal. Há mesmo áreas estratégicas quase esquecidas, como a da cadeia produtiva de óxidos e ligas de terras raras, necessários, sem substitutos, para a construção de satélites, caças supersônicos, sistemas de comunicação, tablets e torres eólicas, ao lado de uma infinidade de outras aplicações industriais.

Para o desenvolvimento em ciência e tecnologia de que carecemos, precisamos formar mais doutores, o que depende de uma política agressiva da Capes e do CNPq (no MCT, em 2003, dobramos o número e os valores das bolsas congelados nos oito anos de FHC). Infelizmente, porém, continuamos investindo pouco, muito pouco, em C&T, a saber, apenas 1,13% do PIB. Assim, não iremos longe. Menos ainda ao espaço sideral. Enquanto a Rússia forma 190 mil, a Índia 220 mil e a China 650 mil engenheiros por ano, nossas universidades (no conceito incluídas as privadas) formam de 30 a 35 mil engenheiros. Na área da inovação, sem o que não teremos competitividade tecnológica, dependemos de uma indústria que, quando multinacional, traz de sua matriz a tecnologia que deseja aplicar, e que, quando nacional, prefere pagar royalties a produzir aqui sua própria tecnologia. Ademais, quais os desafios para o investimento em pesquisa se nossa economia está voltada para a produção de commodities, a saber, produtos na sua maioria sem valor agregado e que não carecem de tecnologia e inovação? Por essa e outras razões (entra as quais nosso modelo de desenvolvimento industrial tardio e dependente) o Brasil está no 36º lugar no ranking do registro internacional de patentes.

Os problemas da conjuntura econômica podem ser enfrentados no curto prazo com dose maior ou menor de heterodoxia. O Brasil pode, através de barreiras como tempo de permanência no Brasil ou cobrança de taxas, conter o ‘tsunami de dólares’ em nosso mercado; pode controlar a queda do dólar, com uma política cambial defensiva. Pode mesmo desindexar a dívida. Mas ciência e tecnologia e inovação exigem maturação, pois não se formam tecnólogos, doutores, pesquisadores da noite para o dia. Se não há possibilidade de democracia sem produção de riqueza e distribuição simultânea de renda, não há possibilidade de desenvolvimento econômico sem investimentos massivos e constantes em educação, ciência e tecnologia. Com 1,13% do PIB…

 

Eneas de Souza 26/04/12 | 08:07 - No SUL21

A França na hora do lance de dados

DA EUROPA DOS CAPITAIS A EUROPA DOS CIDADÃOS

Não é cara ou coroa, mas é um momento decisivo para a França. E um momento importante para a Europa. E um momento importante para a mundialização. Não que François Hollande seja um esquerdista furioso. Não. François Hollande não é o candidato dos sonhos de alguém que é de esquerda. Mas, é um político que tem sensibilidade em relação ao destino da França no mundo, que tem sensibilidade em relação à situação do Estado de Bem-Estar, que tem sensibilidade quanto ao papel do próprio Estado no mundo presente. Ele é um cara que percebe que a França está cercada à direita, por todos os conservadores, da Alemanha a Itália, da Inglaterra a Espanha. E, sobretudo, sabe que a França foi envolvida pela Alemanha no jogo geopolítico mundial e europeu. Nenhum desses governos quis receber Hollande antes das eleições. Merkel fez campanha aberta para Sarkozy. A Europa dos capitais não quer nada com Hollande. Não é o demônio, mas será a resistência. A Europa dos cidadãos está se movendo.

SARKOZY, O ESPALHA ÁGUA

Sarkozy é o candidato dos ricos. Um tipo esperto, midiático, o logro – tanto no sentido de engano como de êxito – é o seu permanente objetivo. Está há muito acostumado ao poder. E o tem usado muito. Sua força é o denodo, a resposta imediata, o lance sempre oportuno. Um homem para os tempos das finanças. O problema apareceu, ele agiu. Não importa se bem, importa que responde. Tenta fazer do esquecimento a sua arma. Por exemplo: domingo houve uma ligeira rejeição de sua figura. É o primeiro presidente da quinta república francesa que na re-eleição perde o primeiro turno. É uma pequena rejeição. Só que Sarkozy, no dia seguinte, já saiu falando mal dos socialistas de Hollande e que ele estava disposto a abrigar os socialistas que eram favoráveis a Strauss-Kahn, aquele que foi defenestrado do FMI. E que foi indicado ao posto por ele, Sarkozy. Já perceberam? Não importa o problema, o negócio é sair do inferno a qualquer custo. É o espalha água.

MARINE NA COLA DE SARKOZY

1) Os estilos de política são diferentes, portanto. Hollande parecia inerte, agora a população acha que ele é calmo e ponderado. Sarkozy está sempre em atividade, nervoso, elétrico, tentando mostrar uma face americana que gosta tanto, o pistoleiro que sai atirando para todos os lados. Agora, está parecendo um pouco desgovernado. E não é por acaso: tem na sua cola, além da derrota no primeiro turno, a voluntariosa Marine Le Pen. E essa talvez seja a questão mais importante para ele. Marine Le Pen é o espinho da ultradireita, que acompanha a rosa socialista.

2) Na França, embora haja cada vez menos separação entre a direita e a ultradireita, ela ainda está presente. Sarkô é a direita internacionalista, representante das grandes empresas e das grandes fortunas, cujo objetivo é ocupar o espaço da mundialização. Por isso, Sarkozy quer fazer um Estado francês para essa fração social. Só que tem que desmontá-lo em todos os campos, sobretudo na previdência, na proteção social, na cultura. E sua política é uma política em direção aos capitais europeus. Faz, contudo, o discurso para um lado e age para outro. Exemplo: apoia a Alemanha na política da austeridade: controle do orçamento, controle dos gastos públicos, controle da dívida. Mas, joga no limite com o déficit e a dívida do país. E a França foi reprovada por uma agência de rating. Sarkozy é um trapezista audacioso, está sempre num equilíbrio instável. E para não perder a ultradireita, ataca os imigrantes ilegais, é duro com os operários, embora sempre tente aparecer como defensor dessa classe social e de todos os franceses.

MARINE CONTRA A TRAIÇÃO

Já Marine é o contrário. É a ultradireita nacionalista, xenófoba, moralista, vigorosa. Sua mensagem é a retirada da França da Comunidade Européia, a saída do euro, o controle da imigração, etc. Portanto, uma direita nacionalista. E daí que, aos olhos dos integrantes da Frente Nacional, Sarkozy é “a traição”, como disse, no domingo, um militante da Frente Nacional. É preciso notar que a FN tem avançado socialmente muito, sobretudo à medida que a França vem caindo. E Marine introduziu uma novidade na imagem pública da candidatura da ultradireita. Seu pai era um velho rançoso, mal humorado, com respostas contundentes e muito limitadas. Marine, não. Não chega a ser uma mulher bonita; se não é simpática, esbanja vitalidade e força. E suas mensagens são as mesmas, porém com melhor papel para embrulhá-las. Papel mais colorido, deixando de lado a poeira do seu pai. Os resultados de domingo evidenciaram que a FN conseguiu atrair os jovens, que vieram porque a França mudou. Marine tenta ultrapassar a antiga oposição direita-esquerda do acordo capital-trabalho do pós-guerra. Marine é o novo da direita. Melhor, da ultradireita. É a festa de um nacionalismo anti-mundialização.

TEM DIFERENÇA, SIM, ENTRE A DIREITA E A ULTRADIREITA

E o leitor já viu. Há dois caminhos para a direita largo senso: o internacionalismo e o nacionalismo. São caminhos divergentes e são ainda e claramente duas direitas. Mas, agora, Sarkozy vai ter um sério problema. Domingo, com o grande crescimento social da FN, a loira candidata de sorriso fácil percebeu que Sarkozy está num mau momento. E ela está se lançando como o futuro da oposição na França, porque junto com a queda do presidente, há também uma certa recuperação da esquerda. Hollande, ao contrário de Segolène Royal na eleição de 2007, conseguiu aglutinar não só os socialistas como também negociou bem com os demais partidos de “gauche”. As sondagens dão a vitória a Hollande. Pois Marine já começa a radicalizar a oposição direita-esquerda, forçando as suas mensagens, não apoiando – ao menos, até agora – a Sarkozy. E sua meta são as eleições parlamentares de junho. Na sua visão, o seu objetivo é se colocar como a verdadeira oposição ao possível triunfo socialista. Com isso, não só ela não vai fazer campanha por Sarkô, como também não vai apoiá-lo por baixo dos panos. Objetivamente, ela está ajudando François Hollande. A questão é: a ultradireita tem os votos que o presidente – ex-presidente? – precisa? Como que Sarkozy vai vencer essa barreira política? Conseguirá passar por cima de Marine?

HOLLANDE FECHOU COM TODA A ESQUERDA

O caminho de Hollande parece mais fácil. Mélenchon, que fez bela campanha e aglutinou muita gente em torno de si, já deu apoio total ao candidato do PS. Seus comícios empolgaram, embora não se traduzissem em votos porque a França também tem voto útil. E só por isso Mélenchon não chegou ao nível de Marine. E os verdes, que fizeram dois e alguma coisa, também anunciaram o seu apoio. Ou seja, Hollande já fechou com a esquerda da sua esquerda. E agora vai fortemente em direção ao centro, ao centro de Bayrou, que, como todo centro, tem votante que pende para a esquerda e tem votante que puxa para a direita. As análises dos que trabalham em sondagem afirmam que o partido de Bayrou se dividirá em 1/3 para Hollande e 1/3 para Sarkozy, e 1/3 não irá votar ou se absterá de escolher candidato. No quesito centro, o jogo está empate.

O QUE VEM COM A VITÓRIA DE HOLLANDE

Assim, as sondagens indicam uma leve superioridade de Hollande (54 a 46), mas, na verdade, a coisa está apertada, a disputa vai ser intensa. E as consequências serão muito fortes. Então, o que representa a vitória de Hollande? Em primeiro lugar, a interrupção do triunfo neoliberal conservador de Sarkozy. Em segundo lugar, uma transformação da política econômica na busca de um Estado novamente com preocupações sociais, na recuperação do controle fiscal, e na tentativa de retorno do crescimento econômico. Em terceiro lugar, a recuperação de um projeto francês de uma Europa dos cidadãos, com uma política externa europeia independente tentando ligar-se aos BRICS. O projeto é transformar a França, transformando a Europa, caminhando para os BRICS, e trabalhando para uma governança pós-crise. Em quarto, uma mudança estratégica para a França, para a Europa e para o mundo. Essa mudança vai passar pelas organizações paranacionais, como a OTAN (para bloquear a influência americana), como a ONU (mudança no Conselho de Segurança), como o FMI (alteração no estatuto do Fundo), etc. Cabe esclarecer que muitos desses aspectos não estão sendo discutidos na campanha, mas são parte do projeto global de François Hollande.

HOLLANDE/OBAMA VERSUS SARKOZY/MITT ROMNEY

Nesse sentido, visto dento do eixo americano como falamos acima, a vitória de Hollande – se for seguida de uma vitória de Obama nos Estados Unidos – pode preparar um itinerário para a recuperação econômica, social e política do referido eixo. Se ganharem, ao contrário, Sarkozy e Mitt Romney, a trajetória será mais contracionista, mais protecionista, aguçando poderosamente os problemas de distribuição da renda, trazendo mais problemas sociais, e uma mais lenta senão uma postergação indefinida da recuperação econômica e social desse eixo americano. Como se vê, a eleição da França está, no domingo, dia 6 de maio, como o título de um poema de Mallarmé: por “Um lance de dados”.

PS – Leitores desta coluna: entro em férias em maio, volto em junho.

 

EUA admite: desconhece existência de programa nuclear no Irã

Estados Unidos asegura que no está en condiciones de afirmar que existe un programa nuclear en Irán. Sin embargo, el Gobierno del presidente Barack Obama ha reforzado en los últimos meses las sanciones unilaterales contra ese país, en particular, bloqueando todo bien o participación en activos

 

 

 

El secretario de Defensa de Estados Unidos, León Panetta, aseguró este jueves que al Gobierno de su país no le consta que Irán haya tomado una decisión sobre el desarrollo de una arma nuclear.

 

"No tengo información concreta sobre si ellos han tomado una decisión en un sentido u otro respecto al desarrollo de un arma nuclear", afirmó Panetta.

 

Según Panetta, probablemente Israel conozca más detalles sobre un supuesto programa nuclear iraní. "Quizás (los militares israelíes) saben algo que yo no sé sobre las intenciones de Irán", comentó Panetta y subrayó que "es importante dejarle claro a Irán que si toman esa decisión, habrá consecuencias serias".

El secretario de Defensa hizo estas afirmaciones al ser preguntado por lo dicho el miércoles por el jefe del Estado Mayor de Israel, Benny Gantz, quien dijo que no cree que Irán vaya a desarrollar armas nucleares a causa de las presiones diplomáticas y económicas que ha sufrido por parte de la comunidad internacional.

 

Las declaraciones de Panetta se producen luego de una conferencia de prensa en Santiago de Chile, donde realiza la última escala de su primera gira latinoamericana.

 

El presidente de Estados Unidos, Barack Obama, ya ha firmado varios decretos para reforzar las sanciones unilaterales contra Irán por su programa nuclear con fines pacíficos y civiles, en particular, bloqueando "todo bien o participación en activos" en la nación norteamericana.

 

Panetta calificó de "rumor" escándalo sexual protagonizado por agentes estadounidenses

 

Panetta, quien compareció ante la prensa junto con su homólogo chileno, Andrés Allamand, también se refirió a la investigación sobre el escándalo sexual que protagonizaron agentes del servicio secreto que acompañaron al presidente Barack Obama la VI Cumbre de las Américas, celebrada recientemente en Cartagena de Indias, Colombia.

 

Tras calificar de "rumor" los comentarios, Panetta negó que haya otras investigaciones en marcha que no sea la que está llevando a cabo en Cartagena un oficial estadounidense por encargo del Departamento de Defensa.

 

Respecto al malestar de algunos miembros del Congreso por el hecho de que los agentes a cargo de la seguridad del presidente Obama, (quienes contrataron prostitutas colombianas), no hayan sido expulsados, explicó que es para proteger los derechos de los implicados y "garantizar que no haya revelación temprana" de información, en caso de procesamiento.

TeleSUR-EFE/ml-PRhttp://www.telesurtv.net/articulos/2012/04/26/pese-a-sanciones-contra-iran-estados-unidos-afirma-que-no-le-consta-la-existencia-de-un-programa-nuclear

 

"Seja realista: exija o impossível"

Viva o crime brasileiro

Por Lúcio Flávio Pinto |

Cartas da Amazônia – qua, 25 de abr de 2012 - No YAHOO

O Brasil nunca foi tão rico em toda a sua história quanto agora. A criminalidade nunca foi tão grave. É uma relação de causa e efeito? Pode ser. Não se tem ainda, no entanto, como demonstrar o nexo de causalidade. Mas pode-se chegar a uma conclusão surpreendente — e inédita: o crime se estratificou no Brasil.

O crime dito de colarinho branco se sofisticou na mesma medida em que passou a movimentar valores em dinheiro e símbolos de poder que colocam o Brasil no topo do ranking nesse segmento. Certamente numa posição mais avançada do que o 6º lugar em que o país está dentre os PIBs mundiais.

O recorde anterior era o 8º lugar, conquistado na década de 1970, com o "milagre econômico" do regime militar. Depois o Brasil regrediu quatro posições, até recomeçar a subir, superando seis países, depois do Plano Real.

Os criminosos de colarinho branco não têm mais por hábito matar. Eles liquidam moralmente, ou financeiramente, graças às armas que a mais alta tecnologia lhes fornece. Podem ter que usar o recurso extremo, mas, quase sempre, só no desespero.

Litigam a partir de suas mesas, diante de um computador, com assessorias visíveis e invisíveis (estas, as mais eficientes, principalmente as não assumidas ou não declaradas).

O exemplo mais recente e acabado desse modo de proceder é o do suposto bicheiro Carlinhos Cachoeira. Ele não se enquadra no modelo de um Anísio Abrahão ou Castor de Andrade. Conta com senadores, deputados federais, governadores, empresários, jornalistas.

Está conectado a empresas muito maiores, dentro e fora do país. Mesmo alvejado por disparos verbais e ameaças materiais, se mantém calmo. Sua munição é tão vasta quanto imprevisível. Seu arquivo eletrônico é seu seguro de vida. Embora sem garantia certa ou cobertura definida.

Mas há um crime de rua, violento e sangrento, como "nunca antes", para usar o bordão do ex-presidente Lula, que muito contribuiu para esse "aperfeiçoamento" maligno com seu populismo de resultados, mais eficiente e mais inescrupuloso do que o populismo amador e romântico dos políticos da República de 1946. O do líder sindical é, et pour cause, profissional. Sublimemente (ou subliminarmente) mafioso. O Brasil dos nossos dias é uma recriação monumental da Chicago do entre guerras mundiais do século XX.

Vem do Maranhão o mais recente exemplo dessa criminalidade. Na noite do dia 23 um homem desceu de uma moto na qual era o carona, com a cobertura de uma segunda moto. Caminhou calmamente até um dos restaurantes da frequentada e admirada orla litorânea de São Luiz do Maranhão, ponto turístico nacional.

Foi até uma das mesas, tirou uma pistola calibre 40, preferência policial por sua potência e eficiência. Mirou no ocupante de uma das mesas, que estraçalhava caranguejos, como costumam noticiar as colunas sociais.

Fez seis disparos com direção certa e objetivo definido: matar sem piedade, tripudiar sobre a morte. Duas balas atingiram a cabeça da vítima. Outras duas, o pescoço. E mais duas a região do coração.

Sangue espirrou, carregado de massa encefálica, pele e osso. Os tiros não foram apenas para matar: a morte devia servir de mensagem a quem interessar pudesse.

O assassino olhou em torno, disse palavras ameaçadoras para o garçom, que testemunhara estupefato o crime, guardou a arma e saiu com a mesma calma da chegada. Não escondeu o rosto nem teve pressa em fugir.

Subiu na moto e sumiu, sempre com a cobertura do segundo veículo (inspeções constantes a motocicletas devia ser uma estratégia sagrada no Brasil). Não tinha receio em ser identificado nem, talvez, preso. Se for preso, acredita, será por pouco tempo. Tem cobertura — e da grossa.

A vítima, Décio Sá, tinha 42 anos. Era jornalista havia muito tempo. Desde 2006 escrevia um dos muitos blogs criados por maranhenses que não têm onde se manifestar, querem se informar e informar os outros. É a alternativa à grande imprensa, dominada pelos grupos políticos e empresariais que mandam no Maranhão, o Estado mais pobre (alguma relação com o fato de ser, geograficamente, Meio Norte com o Piauí, metade Amazônia e metade Nordeste?).

Décio criou a imagem de jornalista investigativo, eficiente, audacioso e corajoso, graças ao blog. Mas trabalhava havia tempo suficiente no maior grupo de comunicação do Estado. Sob essas outras vestes, suscitava dúvidas quanto à sua independência e autonomia.

Ele era um repórter político especial do Sistema Mirante de Comunicação, afiliado à Rede Globo de Televisão. e, em particular, do jornal O Estado do Maranhão, líder dos impressos maranhenses.

Esses veículos são dirigidos de perto pelo maior político do Maranhão, o ex-presidente da república e presidente do Senado, José Sarney. Nada de importante sai nos órgãos de comunicação do também ex-governador sem sua aprovação. O noticiário político, então, é criação sua. Nem sempre para reproduzir a verdade. Às vezes, também, para mandar recados.

As oligarquias no Maranhão não costumam aparecer na literatura que Sarney, igualmente imortal da Academia Brasileira de Letras, costuma cometer. Nem é preciso: a ficção do beletrista senador é acanhada demais para dar conta de realidade de tal magnitude. Tão impressionante que dispensa pitadas de invenção. Basta olhar com olhos de ver e mãos de reproduzir a cena com a fidelidade temerária de um herói. Talvez logo depois morto.

Décio Sá falava ao celular, em frente aos caranguejos cozidos, seu prato de resistência. Quando recebeu os tiros, o jornalista falava com Aristides Milhomem, mais conhecido por Tatá, vice-prefeito do município de Barra do Corda e irmão de Carlos Alberto Milhomem, deputado estadual.

Sem conseguir restabelecer a ligação, Tatá acionou Fábio Câmara, suplente de senador e amigo de Décio, que estivera em contato com outro amigo, um personal trainer, executado pouco antes, no mesmo dia, num ponto mais distante da faixa valorizada da capital maranhense. E que também iria para o bar Estrela do Mar para a caranguejada.

A última postagem de Décio no seu blog foi sobre o assassinato de Miguel Pereira de Araújo, o Miguelzinho. Ele foi morto em 1997 e o julgamento seria realizado em Barra do Corda, que forma com Presidente Dutra e Grajaú, o principal reduto de pistoleiros no Maranhão.

O problema é que das 25 pessoas sorteadas para integrar o corpo de jurados, que teria sete membros, 25 eram ligadas a Manoel Mariano de Souza. Além de ser prefeito municipal, ele é pai do empresário Pedro Teles, acusado de ser o mandante do crime. Seria represália contra o alegado invasor de suas terras. Pedro é irmão do deputado estadual Rego Teles, do PV.

O advogado Leandro Sampaio Peixoto, defensor de Miguelzinho, pediu o desaforamento do júri para São Luiz no mesmo dia da morte de Décio, a quem forneceu cópía da petição. Nela, previu que o julgamento, se realizado em Barra do Corda, terá desfecho viciado.

Ele sabe o que diz: é filho do ex-prefeito Avelar Sampaio, do PTB. Foi Avelar, quando prefeito, quem cedeu os pistoleiros Moraes Alexandre e Raimundo Pereira para proteger Manoel Mariano. Na época os dois eram amigos. Rompidos, se tornaram inimigos. Manoel interrompeu a sucessão no poder da família do seu (ex) amigo.

Para as oligarquias que comandam o interior do Brasil, isso é crime. A ser quitado com outro crime, sem os refinamentos do pessoal do andar de cima, que circula de colarinho branco por esses ambientes. O encadeamento é óbvio. O problema é segui-lo.

Um leitor, que usou um nome falso (Madureira), fez o único comentário, postado momentos antes da consumação do assassinato do blogueiro. Concluiu: "tá na cara que é jogo de cartas marcadas. precisa mais detalhes que esses?? creio que não !!"

Apesar do acesso constante ao blog, ainda mais depois do crime, ninguém voltou a se manifestar. O silêncio é a regra de ouro desses acontecimentos, cada vez mais frequentes no Brasil oculto. Quem fala muito morre com a boca cheia de formiga, ameaça uma tirada de humor negro. Muito negro.

 

quinta-feira, 26 de abril de 2012 - No Democracia e Politica

NOVO ACORDO BRASIL-CANADÁ PARA ESTUDANTES

Brasil (em amarelo) e Canadá (no alto, em verde)

"VAMOS UNIR A EMBRAER E A BOMBARDIER"

GOVERNADOR-GERAL DO CANADÁ OFERECE À PRESIDENTE BRASILEIRA A ABERTURA DE 12 MIL VAGAS PARA BOLSISTAS DO “CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS”

Por Sílvio Ribas, do "Correio Braziliense"
“Um dos principais destinos de estudos no exterior dos brasileiros, o Canadá espera ganhar também posição de destaque no programa federal “Ciência sem Fronteiras”, que oferece bolsas de graduação e pós-graduação com ênfase em ciências exatas, engenharia, medicina e ciências da computação.

Para o governador-geral do Canadá, David Johnston, que dedicou 54 dos seus 70 anos à carreira acadêmica, sofisticar as relações bilaterais de ensino também favorecerá parcerias tecnológicas e comerciais. Entre os alvos está a exploração do pré-sal e até uma inusitada cooperação das rivais da indústria Aeronáutica Embraer e Bombardier. "Não há nada melhor do que o conhecimento para agregar valor à produção nacional", disse o representante da chefe de Estado do Canadá, a rainha britânica Elizabeth II, em viagem oficial a Brasília. Ele promete agilizar a expedição de vistos para estudantes e terça-feira (24) ofereceu à presidente Dilma Rousseff a abertura de 12 mil vagas para o programa que visa incentivar a inovação industrial.

A seguir, os principais trechos da entrevista exclusiva ao “Correio”.

David Johnston e Dilma Roussef

-Como o Canadá pode colaborar com o esforço do governo brasileiro para capacitar mão de obra e estimular a inovação?

De várias formas. Os dois países têm uma oportunidade histórica para melhorar as suas relações nos campos da educação e do desenvolvimento tecnológico. Concordamos com a avaliação do governo brasileiro de que não há nada melhor do que o conhecimento para agregar valor à produção nacional. Nesse sentido, acreditamos que as instituições de ensino e pesquisa do Canadá podem ser uma das principais aliadas do “Ciência sem Fronteiras”, dentro da meta de enviar, em quatro anos, 100 mil bolsistas ao exterior.

Além de receber bem os beneficiados pelo programa federal, oferecemos a vantagem de laboratórios especializados em áreas complementares como agricultura, energia, indústria aeroespacial, telefonia móvel e gestão de recursos hídricos. Nesse ambiente, as fabricantes de aviões Embraer e Bombardier podem firmar acordos de cooperação para desenvolver produtos e terceiros mercados. O embaixador do Canadá no Brasil e o presidente da Embraer, inclusive, têm tido reuniões periódicas, a cada seis meses, para evitar conflitos comerciais como houve no passado.

-Com um comércio global cada vez mais agressivo, quais são os espaços de cooperação?

Nossos países têm muitas características comuns — vastos territórios com paisagens naturais preservadas e excepcional multiculturalismo — que servem de pontes para a cooperação comercial e, sobretudo, para o intercâmbio de ideias. Temos orgulho de nossos recursos humanos e tecnológicos, que podem ser úteis ao projeto brasileiro de prover a indústria de inovação e competitividade. Também, conhecemos bem o desafio de explorar com responsabilidade uma expressiva e variada riqueza mineral. As áreas de interesse bilateral são óbvias e a conquista da tecnologia é o desafio para dar novos rumos à agenda de cooperação.

-O esforço do Brasil para retirar petróleo do pré-sal pode ser uma dessas "áreas óbvias" de parceria?

A extração de petróleo e gás nos campos do pré-sal brasileiro é um bom exemplo de muitas oportunidades de entendimento, tendo como alvo a capacitação tecnológica. Temos centros especializados em grandes operações no fundo do mar, que exigem soluções cada vez mais sofisticadas e seguras. Essa, aliás, é uma nova fronteira econômica e tecnológica para toda a civilização humana, aberta após 10 mil anos lidando com os oceanos. Acredito que, no futuro próximo, técnicos brasileiros e canadenses da área petrolífera poderão trabalhar juntos em missões dentro e fora de seus países. Acreditamos, também, no crescimento da qualidade e quantidade das relações comerciais bilaterais.

-Estudantes têm reclamado da demora de semanas para obter vistos para viajar ao Canadá.

Ouvi relatos nesse sentido e reconheço que a expedição de vistos para estudantes brasileiros pode ser aperfeiçoada para garantir agilidade. Estamos trabalhando nesse sentido, dentro dos limites do regime estabelecido pelo ministério canadense de cidadania e imigração. Em paralelo, fazemos uma aposta nas relações acadêmicas de mais longo prazo, o que facilitará cada vez mais o trânsito de brasileiros e canadenses. Mesmo já tendo o reconhecimento de que o Canadá oferece educação de qualidade com preços competitivos, queremos que o perfil médio de permanência dos estudantes brasileiros no país seja ampliado.

A maioria dos atuais 20 mil está matriculada em cursos de idiomas (inglês e francês) e fica só até seis meses. O diferencial que propomos para nova fase é o da igualdade de oportunidades, sim, mas com excelência ao mesmo tempo. Em décadas passadas, nosso país percebeu grande demanda por educadores para níveis superiores e renovou seu quadro docente enviando estudantes a grandes universidades britânicas e francesas. Acreditamos que dezenas de milhares de brasileiros podem participar de projeto semelhante, trazendo para seu país conhecimento e ideias do exterior.”

FONTE: Sílvio Ribas, do "Correio Braziliense". Transcrito no site "DefesaNet" (http://www.defesanet.com.br/geopolitica/noticia/5782/-Vamos-unir-a-Embra...) [Imagem do Google adicionada por este blog ‘democracia&política’]

 

Vaidade independe de religião.

 

Do Operamundi.

Revista de moda para mulheres que usam véu faz sucesso na TurquiaRecém-lançada, Âlâ já tem tiragem de 20 mil exemplares, apesar de "perseguição" do Estado secular 

 

 

 

 

 

A revista Âlâ (beleza, em turco) seria apenas mais uma publicação do segmento de moda e estilo feminino não fosse um pequeno grande detalhe: atendendo a orientações do islã, as modelos das capas escondem seus cabelos, braços e pernas. Com tiragem mensal de 20 mil exemplares em papel de alta qualidade, a revista recém-lançada na Turquia tem como publico-alvo as praticantes das doutrinas pregadas no Alcorão, que obedecem rigorosamente o uso do véu hijab para cobrir seus corpos e, até hoje, não possuíam um veículo que atendesse às suas demandas femininas da forma como exigem suas crenças religiosas.

Divulgação

Já no projeto de marketing para o lançamento de Âlâ, a bandeira do uso hijab foi levantada. A publicação traz mensagens de efeito como “o véu é belo” e  “meu caminho, minha escolha, minha verdade, meu direito”, e aos poucos ganha mais leitoras para seus ensaios com modelos, reportagens sobre turismo e entrevistas com personagens representativas do cotidiano nacional. O projeto editorial ainda reserva espaço para artigos de interpretação dos dogmas muçulmanos.

Desde a fundação da república por Mustafá Kemal Ataturk, a Turquia é um país laico onde o uso de véu chega a ser até mesmo proibido em determinados ambientes. Mas, em entrevista ao Diario ABC, a redatora chefe da Âlâ, Hulya Aslan, lembrou que o uso do véu em comunidades muçulmanas não apenas persiste, como também quer se moldar às novas possibilidades estéticas de uma sociedade “globalizada e de consumo”: “Existem muitas muçulmanas que não querem viver de preto ou marrom”.

A própria Hulya representa esse grupo de mulheres turcas que querem ter o direito de usar véus e, em outras palavras, seguir sua religião de forma livre e elegante. Com apenas 25 anos, abandou seu curso de graduação por se recusar a seguir a legislação turca e retirar seu véu dentro da universidade.

Ironicamente, a Turquia é governada pelo primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, islâmico cuja esposa nunca apareceu em público sem o véu hijab sobre os cabelos. Membro do moderado Partido da Justiça e do Desenvolvimento, ele agora tenta reformar a legislação nacional para que a laicidade do país seja mantida sem que formas de expressão religiosa sejam condenadas e “vigiadas” por militares e juízes.

 

zanuja

Gravação mostra fala de Cachoeira sobre R$ 1 milhão para senadorTranscrição já havia sido revelada, em março, pelo Jornal Nacional.
Jornal das Dez, da Globo News, mostra agora o áudio da gravação.

O Jornal das Dez, da Globo News, mostrou nesta quinta (26) o áudio de um diálogo entre o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e Geovani Pereira da Silva, suposto contador da organização do contraventor. A transcrição da conversa já tinha sido revelada com exclusividade em 28 de março pelo Jornal Nacional - agora, o Jornal das Dez mostrou a gravação, obtida pelo repórter Vladimir Netto.

No diálogo, Cachoeira fala em uma quantia de cerca de R$ 1 milhão reservada a "Demóstenes", numa referência ao senador Demóstenes Torres (sem partido-GO). O parlamentar responde a inquérito no Supremo Tribunal Federal em razão do envolvimento com o bicheiro e, pela mesma razão, é investigado no Conselho de Ética do Senado, que apura se houve quebra de decoro por parte do senador.

A conversa foi gravada, com autorização judicial, pela Polícia Federal. Em fevereiro, a PF prendeu Cachoeira, no âmbito da Operação Monte Carlo, que desarticulou um suposto esquema de jogo ilegal comandado pelo bicheiro em Goiás.

Geovani: Porque eu to devendo pra ele aqui, 1 milhão e oitenta e seis. E, na verdade eu só tenho os oitenta e seis.
- Carlinhos Cachoeira: Esse um é o do Demóstenes, uai!
- Geovani: Não, moço! Cê não lembra que naquela época lá em outubro tava dois e cem. Aí nós lançamos um dele, deu baixa aqui.
- Cachoeira: Peraí, eu só tinha um na pendência que eu joguei pro Demóstenes. Que um que é esse?
- Geovani: Uai, eu tenho que mostrar aqui no caderno pra você ver, ué.
- Cachoeira: Cadê o trem? Leva lá em casa agora, vamos ver.

O advogado de Demóstenes, Antônio Carlos de Almeida Castro, disse que não vai comentar gravações pontuais até que o Supremo Tribunal Federal (STF) se pronuncie sobre a legalidade das provas apresentadas contra o senador.

Tramita no Supremo ação de Demóstenes para declarar as gravações ilegais, sob o argumento de que deveriam ter sido autorizadas pelo próprio STF, já que o senador tem foro privilegiado.

No documento que contém a defesa prévia do senador, entregue no último dia 25 ao Conselho de Ética, o advogado argumenta que as gravações da PF podem ter sido adulteradas.

No próximo dia 3, o Conselho de Ética volta a se reunir para leitura e discussão do relatório preliminar sobre o caso Demóstenes, de autoria do senador Humberto Costa (PT-PE). Demóstenes ou o advogado podem comparecer, se quiserem fazer uma defesa oral.

http://g1.globo.com/politica/noticia/2012/04/gravacao-mostra-fala-de-cac...

 

26 de Abril de 2012 - 15h57 - No Vermelho

Fidel Castro tem muitas histórias a narrar, diz escritora

"O líder histórico da Revolução cubana, Fidel Castro, tem histórias que narrar, que podem ser de muita utilidade para os tempos futuros", afirmou em Buenos Aires a jornalista e escritora argentina Katiuska Blanco.

Essa foi uma das razões que a inspiraram a escrever Fidel Castro Ruz, Guerrilheiro do Tempo, uma obra lançada na última sexta-feira (20), na Feira Internacional do Livro de Buenos Aires, reconheceu a autora, em entrevista concedida ao jornal Página 12.

"O único que pode salvar a humanidade — acrescentou — é corrigir o rumo e que as sociedades privilegiem o conhecimento e uma vida de harmonia com a Pachamama, como diziam os aimaras".

Interrogada acerca de se na hora de começar sua pesquisa sobre a vida de Fidel Castro, sonhou que o entrevistava, reconheceu que "sonhei que estava num lugar muito boscoso, cheio de floresta, como numa mata, onde o entrevistava".

Lembrou que a primeira visita à casa dele, em 2009, foi quase familiar e falaram das coisas mais cotidianas.

"Falamos de comida, porque ele é um cozinheiro reconhecido. Também de sua preocupação pela preservação do planeta e da espécie humana: de história, política e tradições", relatou. Blanco, também autora de Todo o tempo dos mognos. Paisagem familiar de Fidel Castro Ruz, e de Ángel, a raiz galega de Fidel, sublinhou que ele foi um homem que tratou de preservar o espaço da intimidade familiar da vida pública.

"Isso não é apenas um ato de coragem senão de inteligência", asseverou.

Por outro lado, definiu o líder histórico como um homem delicado e respeitoso, que lhe lembra a maneira de trabalhar de (Honoré de) Balzac, de quem se dizia que trabalhava de noite e corrigia os originais uma e outra vez.

"Fidel é a busca da perfeição da linha em beleza e essência. Tenta ser justo ao falar de um companheiro, porque sabe que sua palavra pesa e o que diga vai ficar na história. Gosta muito do detalhe em temas históricos", acrescentou.

"Desde sempre, apontou Blanco, Fidel teve a decisão de lutar por um destino melhor para as maiorias. Foi um revolucionário que viu cumprir seus sonhos e viveu muitos anos para vê-lo".

"Sempre o comparo com a tule, uma árvore do México com um tronco descomedido; dizem que ao redor de cinquenta pessoas tentam abraçá-la e não conseguem", concluiu.

Fonte: Prensa Latina

 

quinta-feira, 26 de abril de 2012O Globo teme “águas turvas” da CPI

Por Altamiro Borges

Em editorial hoje (26), o jornal O Globo se mostra bastante preocupado com o rumo das investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), composta por senadores e deputados federais, que vai apurar as criminosas ligações do mafioso Carlinhos Cachoeira com o ex-demo Demóstenes Torres, o governador tucano Marconi Perillo e alguns veículos da mídia, entre outras figuras envolvidas.

O periódico da famiglia Marinho, sempre tão excitado com as várias CPIs montadas contra o governo Lula, explicita seu medo já no título: “As águas turvas de uma CPI imprevisível”. Para o jornal, “a CPI que agora começa em Brasília ameaça transformar-se em pororoca, engolindo nomes e reputações”. O Globo nunca se abateu com os assassinatos de reputações. Ele inclusive conta com vários jagunços travestidos de “calunistas”. O que houve? Por que tanta preocupação?

"Supostas intimidades" com a imprensa

No meio do texto, cheio de zigue-zagues, as razões do medo aparecem. Para o império midiático, Lula seria “o grande ator por trás desse processo”, que teria como objetivos atingir alguns dos seus oposicionistas mais raivosos, como Demóstenes Torres e Marconi Perillo, e “perturbar o julgamento do mensalão”. Pior ainda, apavora-se O Globo, o ex-presidente “também gostaria de identificar supostas intimidades entre a imprensa e os vilões da história”.

Supostas? E os mais de 200 telefonemas entre Carlinhos Cachoeira e o editor-chefe da revista Veja, Policarpo Jr. E as relações do mafioso com outros dois “importantes veículos de comunicação”, segundo recente artigo de Mônica Bergamo, da Folha? A mídia tem ou não culpa no cartório? Ela se associou ao crime organizado para interferir nos rumos políticos do país e para defender negócios privados e ilícitos?

A CPI do Cachoeira, se os parlamentares não se acovardarem diante do poder midiático, poderá apurar também estas “supostas intimidades”. É dessas “águas turvas” que a famiglia Marinho está com medo?
Postado por Miro

 

da Agência Brasil

 

Encontro em Brasília debate compras governamentais de produtos ambientalmente sustentáveis26/04/2012 - 17h47

Carolina Gonçalves
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Metas mínimas, definidas em lei, podem fazer da sustentabilidade um dos principais requisitos para as compras públicas. Para o coordenador do Fórum de Lideranças Executivas de Órgãos Federais no Rio de Janeiro (GesRio), Renato Cader, a obrigatoriedade de aquisição de produtos sustentáveis pode ser o caminho para vencer a resistência de alguns gestores públicos.

“Não é fácil tentar convencer os gestores públicos. Mas, quando você tem obrigação de comprar um mínimo, nem que sejam 3% [de itens sustentáveis], já é um avanço. Se deixar como está, muitos [gestores] ficam na zona de conforto, alegando que esses produtos são mais caros ou de menor durabilidade”, disse Cader.

O assunto é um dos temas que estão sendo tratados, em Brasília, no Encontro sobre Compras Públicas Sustentáveis, considerado parte dos eventos preparatórios da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

Cader liderou o GesRio nas duas compras de produtos sustentáveis compartilhadas por órgãos como Jardim Botânico, Polícia Federal, Fundação Casa Rui Barbosa, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro), Ministério da Fazenda, Fundação Osvaldo Cruz (FioCruz), Dataprev e Agência Nacional de Cinema (Ancine). “Tivemos como resultado uma economia de 49,89% na aquisição dos produtos. É muito mais fácil agora vender a ideia para os outros órgãos públicos. Alguns itens, como envelope reciclado, nós compramos mais barato que produtos convencionais”, garantiu.

Edição: Vinicius Doria

 

Globo aposta em desinformação e inventa briga entre Lula e Dilma

Posted by eduguim on 26/04/12 • Categorized as denúncia - No Blog da Cidadania

É muito grave o que fez o Jornal Nacional na noite da última quarta-feira. O telejornal exibiu matéria do repórter Ari Peixoto que relata uma suposta conversa entre o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff que não resiste a 30 segundos de reflexão. Abaixo, a locução do repórter.

—–

O ex-presidente [Lula], que está em Brasília, passou boa parte do dia reunido com a presidente Dilma. Eles conversaram reservadamente sobre a CPI. Fontes do Planalto disseram que Lula acredita que a CPI poderia tirar a atenção sobre o julgamento do mensalão, previsto para os próximos meses. Já a presidente Dilma teria sido bem clara: funcionário do governo que aparecer em gravações será demitido.

—–

Supondo, por um minuto, que fosse verdade, o que se depreende é que a conversa que o repórter diz “reservada” não foi tão reservada assim, pois as tais “fontes”, para quem acredita nesse conto, logo após presenciarem a conversa foram imediatamente até ele e lhe contaram tudo.

E não fica só nisso: essas “fontes” teriam contado ao diligente repórter global que Lula fez à sucessora uma proposta, no mínimo, indecorosa: usar uma investigação tão séria para acobertar corruptos do partido de ambos.

A suposta resposta da presidente é ainda mais inverossímil. Diante de uma proposta tão absurda, ela teria se negado a se envolver na maracutaia e ainda teria dito que bastaria que nome de algum seu auxiliar aparecesse nas gravações da Operação Monte Carlo para o flagrado ser sumariamente demitido.

É outro absurdo. Um auxiliar da presidente já teve seu nome citado nas gravações e não foi demitido. Trata-se do subchefe de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência, Olavo Noleto (PT). Ele não foi demitido porque a menção ao seu nome não o compromete.

É óbvio que, dependendo de como o nome de algum auxiliar de Dilma aparecesse naquelas gravações, teria que ser demitido mesmo. Mas não se a menção fosse inconclusiva. É óbvio que a presidente não demitiria alguém só por seu nome ter sido citado.

Qualquer pessoa com a mínima capacidade de raciocínio logo se dá conta de que funcionários do governo, ainda mais do Palácio do Planalto, jamais difamariam o padrinho político de Dilma para a imprensa. Se ocorresse, é evidente que ela buscaria descobrir quem foi e, aí sim, demitiria.

A conduta da Globo de inventar uma história como essa e colocá-la em seu principal noticiário permite inferir que a emissora está enviando um recado ao governo e ao PT de que está disposta a tudo caso a relação da imprensa com Cachoeira seja levantada pela CPI.

Quem perde mais com essa farsa certamente é Dilma, que a mesma reportagem sugerira, pouco antes, que quereria restringir a investigação. E que estaria claramente se indispondo com aquele que a elegeu, o que uma sociedade que nutre tanta admiração por Lula certamente entenderá como traição, caso acredite na história.

A Globo já cometeu muitas barbaridades, mas poucas iguais a essa da edição de quarta-feira do seu Jornal Nacional. E o pior é que parece pouco provável que a presidente da República providencie algum desmentido. Deve ficar por isso mesmo, o que incentivará novas e piores manobras.

Ministro da Saúde refuta acusações da Folha de São Paulo

A assessoria de imprensa do ministério da Saúde está divulgando nota e vídeo que rebatem matéria do jornal Folha de São Paulo que tenta ligar o titular da Pasta, Alexandre Padilha, ao esquema de Carlinhos Cachoeira.

A primeira matéria do jornal afirma que “O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, teve o nome citado em uma conversa telefônica como tendo autorizado o grupo do empresário Carlos Cachoeira a dar sequência a um negócio na área da saúde, após reunião em Brasília”.

Aqui, a íntegra da matéria.

Abaixo, nota do Ministério da Saúde.

Nota à imprensa

A respeito da matéria “Grupo diz ter discutido projeto com Padilha”, publicada na Folha de São Paulo desta sexta-feira (20), a assessoria de comunicação social do Ministério da Saúde esclarece que:

1) O ministro Alexandre Padilha não conhece e em nenhum momento se reuniu com os senhores Wladimir Garcez e Carlinhos Cachoeira e nem recebeu qualquer pessoa a pedido deles.

2) Segundo a reportagem da Folha de São Paulo, a gravação teria ocorrido em 29 de março de 2011. Nesta data, bem como no mês de março daquele ano, o ministro não teve nenhuma reunião ou audiência cujo assunto possa guardar relação com o teor da conversa gravada.

3) Os projetos apresentados em audiência ao ministro da Saúde ou ao seu gabinete são submetidos às respectivas áreas técnicas para análise e parecer. Nenhum andamento é dado sem o parecer técnico.

4) A gestão do ministro Alexandre Padilha tem como prioridade combater desperdícios, melhorar o controle de gastos, aprimorar a gestão e aumentar a fiscalização de recursos públicos. Isso tem sido evidenciado em várias ações envidadas desde a sua posse, que geraram economia de R$ 1,7 bilhão nos gastos com a compra de medicamentos e insumos em 2011 em comparação a 2010. Recursos que se reverteram na ampliação do acesso aos usuários do Sistema Público de Saúde – SUS.

5) É importante ressaltar que a orientação desta gestão sempre foi, e continuará sendo, a de rechaçar qualquer iniciativa ou pleito que representem interesses que não os da administração pública e dos usuários do SUS.

O ministro Padilha também cita coluna da ombudsman da Folha, Suzana Singer, publicada no jornal no último domingo. No texto, ela condena a ilação do jornal sobre ele. Abaixo, o trecho que cita o ministro:

“Na sexta-feira passada, a Folha apontava um possível envolvimento do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e do bicheiro com base em apenas uma conversa na qual um assessor de Cachoeira diz que o ministro autorizou o desenvolvimento de um projeto, depois de uma reunião em Brasília. Novas evidências podem surgir, mas, por enquanto, projeta-se uma sombra de dúvida sobre o ministro sem que haja nada de concreto”

Finalmente, reproduzo, abaixo, vídeo gravado por Padilha para rebater as acusações da Folha

.

 

26 de Abril de 2012 - 16h29 - No Vermelho

Os bancos e o conto da inadimplência dos clientes

Demonstrativos de resultados ainda são as ferramentas mais confiáveis para avaliar a saúde financeira de uma empresa. Mas qualquer alfabetizado nas artes contábeis sabe que os números são letras, balanços são histórias – e histórias estão sujeitas à vontade de quem as escreve e à interpretação de quem as lê.

Por André Siqueira, na CartaCapital

É a partir desta perspectiva que vale a pena observar os resultados apresentados pelos maiores bancos privados brasileiros – Itaú e Bradesco – no primeiro trimestre do ano.

O vilão da vez responde pelo nome de inadimplência. Coincidentemente (ou não, como veremos a seguir), a onda de preocupação com os calotes surgiu justamente quando o governo tenta atrair as atenções para o elevadíssimo spread bancário – diferença entre o custo do dinheiro para as instituições financeiras e a taxa cobrada por elas ao emprestá-lo aos seus clientes. Em nome dos calotes, as ações dos bancos brasileiros teriam sido duramente castigadas no pregão de quarta-feira 25 da Bovespa. A queda, no caso do Itaú, foi de quase 6% – perto de 7 bilhões de reais em perda de valor de mercado.

Ninguém nega que houve aumentos nos atrasos nos pagamentos nos últimos meses, mas o patamar atual está longe de ser historicamente preocupante. O Itaú, por exemplo, registrou alta de 0,2 ponto percentual entre o último trimestre do ano passado e o primeiro deste ano. O que provocou a queda de 2,96% no lucro do banco nos três primeiros trimestres do ano – o ganho líquido fechou em “meros” 3,43 bilhões de reais – foi a decisão tomada pela administração de elevar substancialmente as provisões para a cobertura de créditos de difícil recuperação.

A cada trimestre, as instituições financeiras abrem mão de parte de seu lucro para se garantir frente às possíveis perdas provocadas por clientes que não pagam suas dívidas. Trata-se de um sinal que o banco emite para os acionistas sobre a saúde de seu negócio. O Bradesco também ampliou essa reserva no primeiro trimestre, e por isso seu lucro cresceu “apenas” 3,4%, para 2,80 bilhões de reais. O percentual de dívidas vencidas há mais de 90 dias subiu de 3,6% para 3,9% de dezembro a março, ou seja, 0,3 pontos percentuais. Já a provisão foi elevada em 20%.

Ou seja, apontar a inadimplência como causa primária da volatilidade é, no mínimo, uma leitura precipitada. A queda nas ações foi puxada por uma indicação dos bancos de que esperam dias mais difíceis pela frente na relação com os devedores. Uma questão de percepção. O relatório de crédito do Banco Central, divulgado na manhã desta quinta-feira 26, já evidencia a desaceleração da inadimplência no mês de março. Na verdade, o volume de calotes caiu 0,1 ponto percentual no mês passado. Nos empréstimos a pessoas físicas, os que mais parecem preocupar os bancos, a queda foi de 0,2 ponto percentual, a primeira melhora no indicador desde dezembro.

Os próprios bancos, embora sigam firmes com o discurso da inadimplência em alta, mantêm as previsões de ampliação de suas carteiras de crédito na casa dos dois dígitos até o fim do ano. Esse comportamento soaria contraditório, não fosse pelo segundo fator determinante do mau humor do mercado: as pressões da área econômica do governo pela redução dos juros cobrados nas operações de crédito.

Não é nada bom, para os bancos, abrir mão de suas gordas margens de lucro no repasse do dinheiro, mesmo que isso represente a possibilidade de ampliar significativamente o volume de operações. Os bancos públicos, mais uma vez (a primeira foi na sequência da eclosão da crise financeira americana, no fim de 2008), foram chamados a puxar um processo de expansão do mercado de crédito, desta vez ao baixar o custo dos empréstimos. E, novamente, os bancos privados se veem obrigados a seguir a carruagem, mas não sem alertar o mercado (e a mídia) para a “temeridade” das intenções do governo.

Do ponto de vista da equipe econômica, que em geral não é o que se vê nos editoriais, a hora certa de incentivar a queda dos juros é justamente quando o crédito se retrai – um movimento chamado, no jargão do setor, de contracíclico. Em síntese, quando a economia se retrai, ou cresce menos, a política econômica a estimula. Forçar a queda dos juros quando a população está ávida por se endividar é assumir o risco de criar bolhas de consumo.

Os bancos, por sua vez, vão tentar mostrar que o momento não é bom para baixar os juros, já que a inadimplência representa um fator de custo a mais para os empréstimos. Nas reuniões recentes em Brasília, o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal, levou uma série de reivindicações para o governo. Assim como a indústria, os bancos se queixam da carga tributária e do custo Brasil, e querem ser desonerados antes de desonerar os clientes. Se conseguirem obter algumas benesses, ou ao menos conter o ímpeto dos bancos públicos, as recentes perdas no mercado não terão ocorrido em vão.

A verdade é que o ambiente financeiro no Brasil melhorou, e não foi pouco, nas últimas duas décadas. Resta muito a fazer, mas as instituições são sólidas, a economia é estável e os juros básicos estão em patamares historicamente baixos. Nunca foi tão fácil retomar um carro ou um imóvel de inadimplentes. Sem falar na Lei de Falências, que favorece a recuperação de créditos financeiros. Até mesmo o cadastro positivo – pleito antigo dos bancos para facilitar a identificação dos bons pagadores – está saindo do papel. Foi o avanço do mercado de crédito (também iniciada pelos bancos públicos) que permitiu aos bancos atingir o patamar atual de lucratividade.

Posta de lado, portanto, a cortina de fumaça da inadimplência, o fato é que a contrapartida mais esperada dos bancos nos últimos anos está muito aquém da possível: eles não largam o osso, ou melhor, a gordura do spread.

 

da Agência Câmara de Notícias

 

OAB e Polícia Federal darão suporte à CPI do Tráfico de Pessoas 

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai ajudar a CPI do Tráfico de Pessoas dando suporte jurídico aos integrantes da comissão, por meio das comissões de direitos humanos já instaladas nas 27 seccionais da OAB. A Polícia Federal cedeu um delegado para acompanhar as diligências da CPI, para dar proteção policial aos deputados.

O compromisso foi feito nesta quarta-feira pelo presidente da OAB, Ophir Cavalcante, e pelo diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Coimbra, após reuniões com os membros da CPI.

O tráfico de pessoas movimenta anualmente, em todo o mundo, 32 bilhões de dólares, e o Brasil é um dos cinco países com maior incidência desse crime.

Crime camuflado
O presidente da CPI, deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), afirmou que o grande desafio da CPI vai ser reconhecer o tráfico de pessoas, que hoje é camuflado sob outras denominações.

"No Brasil há mais de 200 rotas de tráfico humano, um crime que está disfarçado de outras modalidades: lista de desaparecidos, tráfico para exploração sexual de mulheres e adolescentes, mercado ilegal de órgãos, mercado ilegal de adoção, trabalho escravo. Então, tudo isso precisa ser caracterizado como tráfico de pessoas e que precisa ter o tratamento legal correspondente à essa realidade, o que não existe hoje", afirmou.

A relatora da CPI, deputada Flávia Morais (PDT-GO), destacou que a participação da OAB vai garantir a adequação da legislação à realidade do País.

A CPI vai ainda realizar visitas ao Ministério da Justiça e à Presidência da República. Segundo Arnaldo Jordy, a ideia é criar uma rede de apoio também no governo para os trabalhos da comissão.

Reportagem - Karla Alessandra /Rádio Câmara 
Edição – Wilson Silveira

 

26 de abril de 2012 às 12:46 - No VI O MUNDO

Tesoureiro de Cachoeira quer falar na CPI para ‘cooperar’

Ricardo Brito, de O Estado de S. Paulo, sugestão de Antonio Donizeti da Costa Costa

BRASÍLIA – Apontado pela Polícia Federal como o arquivo vivo do esquema de pagamento de propina a políticos e servidores públicos comandado pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, Geovani Pereira da Silva está “pronto para cooperar” com a CPI instalada para investigar, no Congresso, o caso. O porta-voz do recado é seu advogado, Calisto Abdala Neto, que tenta garantir a liberdade do cliente. Para a Justiça, o homem apontado como tesoureiro de Cachoeira é considerado foragido há quase dois meses.
“Ele (o Geovani) está pronto para cooperar com a Justiça e com a CPI”, afirmou Abdala Neto ao Estado. O advogado disse que, a princípio, o tesoureiro poderia se defender das acusações das quais é alvo no Congresso e “contribuir” com as investigações. “Ele tem de responder por aquilo que ele fez.”

Para mostrar a disposição do cliente em ajudar, o advogado disse que, se ele for convocado para depor na CPI, não deve entrar com habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) para depor como testemunha, e não como investigado. Na condição de testemunha, teria a obrigação de falar a verdade e não poderia permanecer em silêncio.

O tesoureiro tem muito a esclarecer. Um relatório do Instituto Nacional de Criminalística (INC) da PF revelou que Geovani fez saques de R$ 15,4 milhões nos últimos dois anos das contas de empresas apontadas pelos investigadores como sendo de fachada. O contador fez mais de uma centena de retiradas das contas de cinco empresas, das quais tinha procuração para realizar tais movimentações.

Milhões. Geovani fez 122 retiradas, no valor de R$ 11,8 milhões, da Alberto & Pantoja. E aparece como sacador de recursos de outras três empresas e até da conta de um irmão de Cachoeira. Foram R$ 2,4 milhões da JR Prestadora de Serviços; R$ 1 milhão da Mapa Construtora (que tem como sócio o irmão do contraventor, Paulo Roberto); R$ 95 mil da Brava Construções e R$ 119 mil da conta de Luiz Carlos Almeida Ramos (outro irmão de Cachoeira). A polícia acredita que o tesoureiro possa apontar quem são os servidores – políticos incluídos – beneficiados com propina. E revelar detalhes de como funcionava o “deltaduto” – o esquema de repasse de recursos da empreiteira Delta, operado por Cachoeira, segundo a PF. O relatório do INC descobriu que R$ 39 milhões abasteceram duas das cinco empresas apontadas como sendo de fachada pela PF.

Estratégia. A ideia da defesa de Geovani é mantê-lo “resguardado” até que a Justiça revogue a ordem de prisão contra ele. Para isso, o advogado impetrou habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 1.ª Região, em Brasília, para anular a ordem de prisão. O pedido ainda não foi apreciado. A defesa entrará também com outro pedido de liberdade ao juiz federal Paulo Augusto Moreira Lima, responsável por deflagrar a operação. Abdala Neto entregará o passaporte de Geovani e argumentará que não há fundamento para prendê-lo.

Na linha das defesas de Cachoeira e do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), o advogado dirá que a Operação Monte Carlo é ilegal porque houve investigação de autoridades com foro privilegiado. Ele, porém, descarta a hipótese de acordo de delação premiada. “As acusações são infundadas.”

 

Do Operamundi.

Norte-americano pede asilo à Suécia dizendo ter sido torturado a mando do FBI

Yonas Fikre acusa os EUA de estarem por trás de sua detenção por mais de 100 dias nos Emirados Árabes Unidos

 

Acostumado a lidar com casos envolvendo cidadãos afegãos, somalis e iraquianos, o Departamento de Imigração da Suécia (Migrationsverket) foi surpreendido recentemente por um pedido de asilo de um norte-americano. Yonas Fikre, muçulmano, acusa autoridades dos Estados Unidos de estarem por trás de sua prisão nos Emirados Árabes Unidos no ano passado. Ele diz ter passado mais de 100 dias detido, onde teria sido sido vítima de torturas.

Reprodução/SVT

Yonas Fikre:  "não consigo me imaginar torturando nem o meu pior inimigo da maneira como me torturaram” 

“Eles me batiam com um cacetete na sola dos pés, sem parar. Até o momento em que eu não aguentei e caí no chão. Então eles me forçavam a levantar. Fui torturado a mando do FBI” disse Fikre, em entrevista exibida nesta quinta-feira (26/04) pela SVT, a TV pública sueca.

Foi numa viagem ao Sudão, em 2009, que Fikre diz ter sido contatado pela primeira vez por autoridades norte-americanas. Segundo ele, a ideia seria que se tornasse um informante. Ao negar, Fikre teve o nome incluído na lista das pessoas impedidas de voar nos Estados Unidos. Ele então decidiu se mudar e recomeçar a vida nos Emirados Árabes, onde acabou preso por agentes do serviço secreto. Segundo ele, nos interrogatórios, os agentes perguntavam por atividades e membros da mesquita da cidade norte-americana de Portland, onde vivia.

“Por mais que você odeie alguém, por pior que seja o ato cometido por essa pessoa, eu não consigo me imaginar torturando nem o meu pior inimigo da maneira como me torturaram”, afirmou o norte-americano à SVT.

A TV sueca entrou em contato com o FBI, autoridades norte-americanas e a embaixada dos Emirados Árabes Unidos na Suécia, sem obter resposta. Fikre deu entrada no seu pedido de asilo em dezembro. Na semana passada, o Migrationsverket informou estar analisando o caso, mas sem estipular prazo para uma decisão. “Pode levar meses, até mesmo mais de um ano até que tenhamos acesso aos documentos”, explicou o advogado sueco de Fikre, Thomas Nelson.

Pólo de imigração

A Suécia é um dos países que mais receberam exilados e refugiados de países em conflito na última década. Desde a invasão do Iraque em 2003, o número de imigrantes iraquianos no país escandinavo praticamente dobrou, chegando a quase 120 mil atualmente.

Somente a cidade de Södertälje, na região metropolitana da capital Estocolmo, acolheu mais cidadãos do Iraque do que todo os EUA. Casos de norte-americanos, porém, são extremamente raros.

“Não temos notícia de nada parecido nos últimos anos. São casos que não costumavam acontecer no passado. Agora sabemos que os EUA agiram assim em muitas outras ocorrências, com empresas privadas ou agentes de outros países responsáveis pelo trabalho sujo”, denunciou à SVT Hans Bredberg, responsável por tratar do caso de Fikre junto ao Migrationsverket.

 

zanuja

Esse eh aquele tipo de historia tambem, basta bater o olho pra saber que alguma coisa ta errada.  Basta bater o olho pra acreditar no que ele diz.

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

26/04/12 | 13:42 - No SUL21

Gilberto Carvalho diz que Dilma terá “serenidade” ao analisar veto a novo Código

Na visão de Gilberto Carvalho, aprovação do texto não foi vitória dos ruralistas e sim demonstração da "correlação de forças" no Congresso | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Da Redação
Atualizado às 15h47

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, ressaltou nesta quinta-feira (26) que o texto do Código Florestal, aprovado na quarta-feira (25) na Câmara dos Deputados, não foi o esperado pelo governo e lembrou que a presidenta tem direito ao veto e irá analisar a possibilidade com “serenidade”.

Leia mais:
– Câmara aprova Código Florestal e matéria vai à sanção presidencial

“É público e notório que nós esperávamos um resultado que desse sequência àquilo que foi acordado no Senado”, disse. “Como nos é dado também pela Constituição o direito ao veto, a presidenta vai analisar com muita serenidade, sem animosidade, sem adiantar nenhuma solução. Vamos analisar com calma”, completou após participar da abertura do debate Diálogos Sociais: Rumo à Rio+20.

O ser perguntado se a aprovação do texto representou uma vitória da bancada ruralista, Gilberto Carvalho respondeu que se trata de uma “correlação de forças” no Congresso. “Agora nós vamos, com sangue-frio e tranquilidade, analisar”, destacou.

O ministro disse ainda que a decisão da presidenta Dilma levará em conta aspectos além da repercussão que o Código Florestal possa ter na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). “Muito mais importante que a Rio+20 é o nosso cuidado com a preservação e com o modelo de desenvolvimento sustentável que pregamos.”

Carlos Minc: Dilma afirmou que vetará trechos do Código Florestal

Por sua vez, o secretário do Ambiente do estado do Rio de Janeiro, Carlos Minc, afirmou ter conversado rapidamente com a presidenta Dilma Rousseff, em um evento no Rio de Janeiro. Segundo relatou, a presidenta sinalizou a intenção de vetar trechos do Código Florestal.

De acordo com Minc, Dilma disse que “não decepcionaria (o eleitor) e manteria todos os compromissos” assumidos em campanha. A expectativa do secretário é que a presidenta vete parcialmente o texto aprovado. “Quando sugeri uma medida provisória que recompusesse de outra forma aqueles dispositivos que viessem a ser vetados, ela deu um riso bem significativo e disse: ‘vocês podem contar, não vamos romper nossos compromissos e não vamos desguarnecer o meio ambiente’. Entendi que ela vai realmente vetar alguns dispositivos”, declarou o secretário.

Na avaliação de Minc, se a presidenta não tomar alguma medida em relação ao texto aprovado com apoio da bancada ruralista, seria como aceitar “a derrota no Congresso”. Ex-ministro do Meio Ambiente, Minc preparou um estudo sobre 30 artigos do texto-base do Código Florestal aprovado ontem “que podem ser melhorados por medida provisória”. Ele ofereceu o estudo à presidenta, como subsídio ao debate.

Um dos principais pontos que precisam de revisão no documento, segundo o secretário, é a liberação dos produtores de reflorestar margens dos rios cujo desmatamento já esteja consolidado. “Isso sinaliza uma desobrigação total do desmatador de recompor área desmatadas, dando ideia de que o crime compensa. Aquele que fez tudo direito fica com cara de que, no final das contas, não valia à pena cumprir a lei”.

O texto base do novo Código Florestal foi aprovado na Câmara dos Deputados com as mudanças propostas pelo relator da matéria, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que agradaram aos ruralistas.

O governo e os ambientalistas defendiam o texto aprovado pelos senadores e enviado à Câmara para nova votação, com o argumento que, no Senado, a proposta havia sido acordada com o setor produtivo e com os ambientalistas, e que também contou com a aprovação de deputados.

Com informações da Agência Brasil

 

26 de Abril de 2012 - 15h26 - No Vermelho

Murdoch expõe relações entre mídia e poder na Inglaterra

Testemunhos do magnata australiano Ruppert Murdoch e de seu filho James Murdoch perante a Comissão Leveson estão fazendo novos estragos no governo de David Cameron e ameaçam derrubar ministro da Cultura, Jeremy Hunt, por suspeita de tráfico de influência no negócio envolvendo a compra da BSkyB pela News Corporation, do grupo Murdoch.

Por Marcelo Justo, de Londres

Robert Jay, da Comissão, insina possibilidade de um pacto fáustico dos conservadores com o grupo em troca do apoio de Murdoch nas eleições de 2010.

Castelo de cartas

Os dias de comparecimento do magnata multimidiático australiano Ruppert Murdoch e de seu filho James diante da Comissão Leveson estão começando a deixar um rastro de vítimas. O testemunho de James na terça-feira e a publicação dos email’s que trocou com seu lobista Frederic Micel pela aquisição do pacote acionário da BSkyB, provocaram a saída, quarta-feira ao meio-dia, de Adam Smith, assessor especial do ministro da Cultura Jeremy Hunt, que por sua vez foi jogado contra as cordas.

No parlamento, o líder da oposição Ed Miliband exigiu a renúncia do ministro Hunt por sua proximidade com os Murdoch quando devia ser um “juiz imparcial do interesse público” sobre o tema da ameaça que podia representar para a liberdade de imprensa a compra de todo pacote acionário da BSkyB pela News Corp. Hunt negou que tenha feito algo “inapropriado” e assegurou que não manteve nenhum contato direto com os Murdoch: sua permanência no cargo está por um fio.

Em suas mensagens a James Murdoch, o lobista cita Hunt diretamente ao falar do informe da agência reguladora de comunicação, Ofcom, sobre o tema. “Hunt pediu-me novamente que encontrássemos todos os erros legais que pudéssemos detectar no informe da Ofcom e que propuséssemos algumas soluções fortes e de impacto. Está disposto a se reunir na próxima terça ou quarta para discutir nossa apresentação”, escreve Frederic ao filho de Murdoch.

De modo mais claro ainda, no dia prévio ao anúncio que Hunt faria informando a decisão do governo sobre o negócio, Frederic assegura que o ministro da Cultura havia passado a ele informação direta sobre seus planos. “Consegui informação sobre os planos para amanhã (o que é absolutamente ilegal!). Muitos problemas legais, Hunt está tratando de obter uma versão favorável a nós”, disse Frederic.

A lupa da comissão não se deteve no ministro. Em seu testemunho, James Murdoch reconheceu que o primeiro ministro David Cameron havia discutido o tema da aquisição da BSkyB com ele durante um almoço natalino em 2010, na casa de Rebekah Brooks, ex-diretora da News International, o braço britânico da corporação midiática de Murdoch. O primeiro ministro havia admitido seu almoço com Murdoch, mas, em mais de uma oportunidade, negou-se a informar o teor da conversa. Em suas perguntas, o responsável pela Comissão Leveson, Robert Jay, insinuou a possibilidade de um pacto fáustico dos conservadores com o grupo em troca do apoio de Murdoch nas eleições de 2010: a acusação é potencialmente devastadora.

O apoio do “The Sun” aos conservadores foi tornado público e anunciado na primeira página do tabloide, mas James Murdoch negou que tivesse adotado essa posição em troca de favores do governo em temas como o da BSkyB ou do corte orçamentário na BBC, a “besta negra” do grupo Murdoch. Ruppert Murdoch fez o mesmo em seu testemunho nesta quarta-feira. O magnata australiano reconheceu seus frequentes encontros com os governos de Margaret Thatcher (1979-90), Tony Blair (1997-2007), Gordon Brown (2007-2010) e a atual coalizão conservadora-liberal democrata. Mas negou que, em algum caso, tenha trocado informação por apoio político.

Neste sentido, o mais explícito que disse foi que o ex-primeiro ministro trabalhista Gordon Brown declarou guerra a News International logo depois que o tabloide “The Sun” retirou o apoio ao trabalhismo e começou a respaldar o então líder da oposição David Cameron. Em uma declaração posterior, Brown negou que este diálogo tenha ocorrido e exigiu uma retificação de Murdoch que, nesta quinta-feira, prossegue com seu testemunho.

Fonte: Carta Maior