newsletter

Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+61 comentários

Lá como cá, só mentiras na mídia mainstream.

Reconstruir a confiança vai ser uma tarefa difícil e vai depender muito do nível de educação médio da população.

Disinformation On Every Front 

by Paul Craig Roberts 
PaulCraigRoberts.org 

Recently by Paul Craig Roberts: Brewing a Conflict with China 




Some readers have come to the erroneous conclusion that the Matrix consists of Republican Party disinformation as if there is no disinformation from the left. Others think that propaganda is the business of Obama and the Democrats. In fact, propaganda from the right, the left and the middle are all part of the disinformation fed to americans. 

If I may give some examples: The other day Chuck Colson, one of the Nixon officials imprisoned for Watergate crimes, died. This gave NPR the opportunity to relive the Nixon horror. 

What precisely was the Nixon horror? Essentially, there was no such thing. Watergate was about President Nixon lying about when he learned about the Watergate burglary. 
When Nixon learned about the burglary, he did not act on it prior to his reelection, because he reasoned, rightly, that the Washington Post would blame him for the burglary, although he had nothing to do with it, in the hopes of preventing his reelection. 

By going along with a cover-up, Nixon enabled the Washington Post to make an issue of the precise date on which Nixon learned of the burglary. White House tapes indicated that Nixon had learned of the burglary before he said he learned of it. So Nixon had permitted a cover-up and had to go, but what was the real reason? 

What was the Watergate burglary? We don’t really know. A group of men including former CIA operatives were hired by the Committee to Re-elect the President to break into a Democratic campaign office in the Watergate complex. We don’t know the purpose of the burglary. Some claim it was to wire-tap the telephones in the belief that the Democratic Party was getting re-election money from communists in Cuba or elsewhere. Others claim that the burglars were looking for a list of call girls, that compromised a White House official, as his fiancee was allegedly one of the call girls. 

Looking back from our time during which Bush and Obama have deep-sixed the US Constitution, violated numerous US and international laws, and behaved as if they were caesars unconstrained by any law or any morality, Nixon’s “crimes” appear so trivial as to be unremarkable. Yet, Nixon was driven from office and is regarded as a criminal. 

What was Watergate really about? 

I doubt we will ever know. But I can offer one possible explanation. Nixon, like John F. Kennedy before him, alarmed the military/security complex with his plans to withdraw US troops from Vietnam (Vietnamization) and his determination to open communication with communist China and improve relations. 

As President Eisenhower warned in his last address to the American people, conflict brings power and profit to interest groups that benefit from conflict. Nixon, like Kennedy before him, was perceived as a threat by these powerful interests, because he was working to reduce conflict. 

James W. Douglass in his documented book, JFK and the Unspeakable, attributes the assassination of President John F. Kennedy to the CIA, Joint Chiefs of Staff, and Secret Service. Douglas reports that these powerful government institutions were concerned by Kennedy’s refusal to approve Operation Northwoods, to back the CIA’s invasion of Cuba, and to confront the Soviets militarily over the Cuban missile crisis and by Kennedy’s plans to end US military intervention in Vietnam. JFK also told his brother Robert that after his re-election he was going to break the CIA into a thousand pieces. 

The right-wing view that Kennedy was too soft to stand up to communism was intensified when it was learned that Kennedy was working with Nikita Khrushchev through back channels to defuse the Cold War. In his “A Strategy of Peace” speech (June 1963), Kennedy announced the Nuclear Test Ban Treaty and the suspension of atmospheric nuclear testing. 

“What kind of a peace do we seek?,” Kennedy asked. “Not a Pax Americana enforced on the world by American weapons of war.” With his words and deeds, President Kennedy made himself into a threat against the interests of the military/security complex. 

There was enough suspicion of JFK’s assassination that yet another president assassinated by another “unhinged lone gunman” might raise more eyebrows. Nixon was disliked by the media, which made him a good candidate for political assassination. The Watergate burglary provided the opportunity. The Washington Post did the job with reports of “Deep Throat” meeting with reporters in spooky underground parking lots after midnight. Little, if any, information of consequence was contained in these reports. Instead, the newspaper’s reporting transferred the spooky danger of the deserted parking garages to Nixon and an aura of evil was attached to Nixon that eroded his support. 

It is interesting that it is only presidents who work to reduce conflict who become targets for assassination. Reagan’s anti-Soviet rhetoric was strong enough to fool the left-wing, but the military-security complex knew of Reagan’s intention to end the Cold War. The CIA, formerly headed by Reagan’s vice president, opposed Reagan’s plan to put the pressure of an arms race on the creaking Soviet economy. The CIA argued that the centrally planned Soviet economy allowed the Kremlin to control investment and that the Communist Party could allocate whatever percentage of Soviet GDP to the military as was needed to win the arms race. In other words, the CIA argued that the US would lose the arms race if Reagan raised the stakes as a means of bringing the Soviets to negotiate the end of the Cold War. Did the CIA really believe this, or was the military/security complex trying to keep the profitable Cold War stalemate going? 

Washington cannot exist without conflict. Now that the “Muslim threat” is wearing thin, Washington is stirring up a conflict with China. Washington is sticking its nose into every dispute China has with its neighbors and building up its military presence in the Asian-Pacific. As I wrote in my previous column, a China threat is being created as a long-term threat to take the place of the former Soviet threat. 

Moving on to another topic, americans are told that education is the answer to unemployment. Get that university degree and live happily every after. 

As RT recently reported, the truth is that more than half of recent US university graduates are unemployed or very underemployed. So much for the mantra that “education is the answer.” 

“Education is the answer” serves the colleges and universities who want the tuition payments. It serves the companies who make student loans. It helps the offshoring corporations disguise that they are the main cause of unemployment. 

Education is not the answer when high value-added, high wage manufacturing and professional service jobs, such as software engineering, are moved offshore in order to enhance short-term profits for shareholders and multi-million dollar bonuses for CEOs, while domestic employment and purchasing power are destroyed. Unless American university graduates can emigrate to China and India, there is no one to employ them. Yet, we still hear the call to run up student loan debts beyond the ability of salaries to repay the loans. 

Professional tradable service employment in the US is so scarce that the University of Florida has abolished its computer science department. As few of the graduates can find employment, the university has reallocated the department’s budget to football, a paying sport. 

Americans plugged into the Matrix are programmed to believe that they have correct information provided by a varied and “independent media.” In fact the media is owned by 5 or 6 mega-media companies run by corporate advertising executives and Washington. 

Recently, Bloomberg gave us the report that “Japan, Denmark and Switzerland are among the countries to rally this week to [IMF chief] Lagarde’s call for a bigger lending capacity beyond the current $380 billion to shield the world economy against any deepening of Europe’s debt turmoil.” 

This Bloomberg report is nonsensical. The loans are not shielding the world economy. The loans are shielding the private banks from their own mistakes at the expense of the world economy. The Bloomberg report shows how completely the Western media is involved in forcing ordinary peoples to subsidize private bankers. It could not be more clear; yet, there is no embarrassment at Bloomberg for serving as the bankers’ propagandist. 

Indeed, there is only honor. Serving the Matrix is where lie the rewards. Those who oppose the Matrix are the outcasts whose efforts might, as in the film, save the race of humans from the domination of evil, or else, if they lose, confine the outcasts to prosecution and death. 

Across every front Americans are fed lies. The official media line is that the Japanese Fukushima nuclear threat from the earthquake and aftermath is well contained and over. However, the fact of the matter appears to be that an amazing radioactive inventory of both spent and unused fuel rods is in damaged cooling pools that could suffer collapse at any time (especially if there is another earthquake), thus releasing enormous radioactivity (reference link). This possibility presents a greater threat than the initial molten cores of the reactors themselves. Michael Chossudovsky points out that the media is yet to acknowledge the widespread contamination resulting from the Fukushima disaster, and there may be worse to come. 

But who cares? Back to the Matrix and the “reality show.” 

 

Follow the money, follow the power.

PSDB mineiro rechaça PT como vice de Marcio Lacerda

Por Marcelo Portela

O PSDB mineiro rechaçou a possibilidade de o PT indicar o vice na chapa do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), candidato à reeleição, e participar de coligação com socialistas e tucanos para a eleição proporcional na capital. A indicação do vice faz parte do acordo para que petistas apoiem a candidatura do prefeito, mas, em visita à cidade, o presidente do PT, deputado estadual Rui Falcão (SP), afirmou que o partido quer também a aliança proporcional, hipótese que divide o PSB e é considerada "arrogância" pela direção tucana. Mais, em http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/83558_PSDB+MINEIRO+RECHACA+PT+COMO+VICE+DE+MARCIO+LACERDA

 

do Maria Fro

Sakamoto: PEC do Trabalho escravo: Uma segunda chance para Dilma mostrar que tem “base aliada”

 

Com onze anos de espera, vamos ver se hoje o Congresso se nega a continuar a legitimar o trabalho escravo:  “Está marcada para a tarde desta terça (8), a votação em segundo turno da proposta de emenda constitucional 438/2001, que prevê o confisco de propriedades em que trabalho escravo for encontrado, destinando-as à reforma agrária ou ao uso social urbano. Aprovada em dois turnos no Senado e em primeiro turno na Câmara, em agosto de 2004, ela esta aguardando votação, posta para dormir pela ação da bancada ruralista e pela falta de empenho da articulação política da Presidência da República.”

Uma segunda chance para Dilma mostrar que tem “base aliada”

 

Por Leonardo Sakamoto, em seu blog

O novo texto do Código Florestal tornou-se polêmico por propor um enfraquecimento na proteção ambiental do país. Anistia para quem cometeu infrações ambientais, isenção de pequenas propriedades de refazerem as reservas desmatadas, liberação de crédito rural a quem já desmatou além da conta, estão entre as medidas. Agora, Dilma Rousseff está sendo pressionada para, de um lado, vetar o texto e, do outro, sancioná-lo.

Essa, contudo, não é a única prova de fogo que seu governo terá na relação com a base aliada em temas socioambientais por esses dias.

Está marcada para a tarde desta terça (8), a votação em segundo turno da proposta de emenda constitucional 438/2001, que prevê o confisco de propriedades em que trabalho escravo for encontrado, destinando-as à reforma agrária ou ao uso social urbano. Aprovada em dois turnos no Senado e em primeiro turno na Câmara, em agosto de 2004, ela esta aguardando votação, posta para dormir pela ação da bancada ruralista e pela falta de empenho da articulação política da Presidência da República.

Este ano, Dilma elencou a matéria como prioridade legislativa, colocou a Secretaria Geral da Presidência para articular a votação e o presidente da Câmara, Marco Maia, prometeu levá-la a plenário nesta terça – a cinco dias do 124o aniversário da Lei Áurea.

Considerando que esse tipo de crime é usado para garantir competitividade ao produtor, a sua adoção representa, na prática, dumping social e concorrência desleal com relação àqueles que operam dentro de formas contratuais de trabalho. Contudo, há parlamentares – inclusive da base governista – que têm defendido empregadores envolvidos com esse crime. Muitos ignoram uma ação comercial lógica já tomada por parte do próprio mercado, que é se afastar dele enquanto apresenta pendências, para evitar uma contaminação da imagem do setor e, conseqüentemente, perdas econômicas para o país. Esses parlamentares reclamam que o conceito não é claro. Ou seja, a realidade não importa porque nós dizemos o que é real e o que não é.

Voltemos ao novo Código Florestal. Através de sua aprovação pelo Congresso, grande parte da base governista mandou um recado: o Executivo tem o total apoio dos aliados para aprovar as matérias – desde que sejam aquelas que esses deputados querem ver aprovadas. Ou as de interesse dos lobistas que agem sobre o Congresso. Ou de seus financiadores de campanha – enfim, são vários os favores e longa a relação de dívidas. A base é aliada, em verdade, de uma visão de desenvolvimento concentradora, excludente e predatória vigente em Pindorama desde sempre. Enfim, a distribuição de cargos de primeiro, segundo e terceiro escalões tem servido muito pouco para o governo federal já que as vitórias são obtidas, principalmente, em assuntos de interesse desse pessoal.

Nesta terça, centrais sindicais, artistas e intelectuais do Movimento Humanos Direitos, trabalhadores rurais do MST e da Contag, representantes de empresários, organizações da sociedade civil e de órgãos governamentais devem participar de um ato na Câmara dos Deputados a partir das 11h para entregar uma petição com mais de 50 mil assinaturas coletadas pelo site Avaaz em favor da PEC a Marco Maia e outras lideranças políticas. À tarde, às 14h30, uma reunião da CPI do Trabalho Escravo deve reunir a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, e os ex-ministros da pasta durante o governo Lula, Paulo Vannuchi, Mário Mamede e Nilmário Miranda. Essa é a maior chance, em oito anos, da PEC do Trabalho Escravo ser votada.

Nenhum deputado ou deputada quer ter o nome vinculado a uma prática tão bisonha quanto o trabalho escravo, ainda mais em ano eleitoral. Temem serem questionados por eleitores por terem votado contra a proposta. Então, o grande desafio para o governo é atuar para colocar a matéria em votação e garantir quórum.

A pergunta: Dilma contará com a presença da sua base aliada ou vai levar um outro passa-moleque, como no Código Florestal?

 

Aqui a permuta em forma de editorial do jornal O Globo defendendo a Veja. A revista divulga o mesmo na sua página de internet.

 

 

Roberto Civita não é Rupert MurdochReportagens desagradam a alas petistas, e ‘Veja’ enfrenta campanha

EDITORIAL

Publicado:8/05/12 - 5h00Atualizado:8/05/12 - 5h00

Blogs e veículos de imprensa chapa branca que atuam como linha auxiliar de setores radicais do PT desfecharam uma campanha organizada contra a revista "Veja", na esteira do escândalo Cachoeira/Demóstenes/Delta.

A operação tem todas as características de retaliação pelas várias reportagens da revista das quais biografias de figuras estreladas do partido saíram manchadas, e de denúncias de esquemas de corrupção urdidos em Brasília por partidos da base aliada do governo. É indisfarçável, ainda, a tentativa de atemorização da imprensa profissional como um todo, algo que esses mesmos setores radicais do PT têm tentado transformar em rotina nos últimos nove anos, sem sucesso, graças ao compromisso, antes do presidente Lula e agora da presidente Dilma Roussef, com a liberdade de expressão.

A manobra se baseia em fragmentos de grampos legais feitos pela Polícia Federal na investigação das atividades do bicheiro Carlinhos Cachoeira, pela qual se descobriu a verdadeira face do senador Demóstenes Torres, outrora bastião da moralidade, e, entre outros achados, ligações espúrias de Cachoeira com a construtora Delta. As gravações registraram vários contatos entre o diretor da Sucursal de "Veja" em Brasília, Policarpo Jr, e Cachoeira. O bicheiro municiou a reportagem da revista com informações e material de vídeo/gravações sobre o baixo mundo da política, de que alguns políticos petistas e aliados fazem parte.

A constatação animou alas radicais do partido a dar o troco. O presidente petista, Rui Falcão, chegou a declarar formalmente que a CPI do Cachoeira iria "desmascarar o mensalão". Aos poucos, os tais blogs começaram a soltar notas sobre uma suposta conspiração de "Veja" com o bicheiro. E, no fim de semana, reportagens de TV e na mídia impressa chapas brancas, devidamente replicados na internet, compararam Roberto Civita, da Abril, editora da revista, a Rupert Murdoch, o australiano-americano sob cerrada pressão na Inglaterra, devido aos crimes cometidos pelo seu jornal "News of the World", fechado pelo próprio Murdoch.

Comparar Civita a Murdoch é tosco exercício de má-fé, pois o jornal inglês invadiu, ele próprio, a privacidade alheia. Quer-se produzir um escândalo de imprensa sobre um contato repórter-fonte. Cada organização jornalística tem códigos, em que as regras sobre este relacionamento — sem o qual não existe notícia — têm destaque, pela sua importância. Como inexiste notícia passada de forma desinteressada, é preciso extremo cuidado principalmente no tratamento de informações vazadas por fontes no anonimato. Até aqui, nenhuma das gravações divulgadas indica que o diretor de “Veja” estivesse a serviço do bicheiro, como afirmam os blogs, ou com ele trocasse favores espúrios. Ao contrário, numa das gravações, o bicheiro se irrita com o fato de municiar o jornalista com informações e dele nada receber em troca.

Estabelecem as Organizações Globo em um dos itens de seus Princípios Editoriais: "(...) é altamente recomendável que a relação com a fonte, por mais próxima que seja, não se transforme em relação de amizade. A lealdade do jornalista é com a notícia". E em busca da notícia o repórter não pode escolher fontes. Mas as informações que vêm delas devem ser analisadas e confirmadas, antes da publicação. E nada pode ser oferecido em troca, com a óbvia exceção do anonimato, quando necessário.

O próprio braço sindical do PT, durante a CPI de PC/Collor, abasteceu a imprensa com informações vazadas ilegalmente, a partir da quebra do sigilo bancário e fiscal de PC e outros. O "Washington Post" só pôde elucidar a invasão de um escritório democrata no conjunto Watergate porque um alto funcionário do FBI, o "Garganta Profunda", repassou a seus jornalistas, ilegalmente, informações sigilosas. Só alguém de dentro do esquema do mensalão poderia denunciá-lo. Coube a Roberto Jefferson esta tarefa.

A questão é como processar as informações obtidas da fonte, a partir do interesse público que elas tenham. E não houve desmentidos das reportagens de "Veja" que irritaram alas do PT. Ao contrário, a maior parte delas resultou em atitudes firmes da presidente Dilma Roussef, que demitiu ministros e funcionários, no que ficou conhecido no início do governo como uma faxina ética.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/opiniao/roberto-civita-nao-rupert-murdoch-4835789#ixzz1uK5bOVUh 


 

 

do apublica.org

 

JUSTIÇA CONDENA EXPLORAÇÃO DE CRIANÇAS NO CAMPEONATO PAULISTAPortuguesa Santista é condenada por uso de jogadores de 14 a 16 anos em situação de trabalho precário; 12 meninos dividiam três colchonetes de casal em kitchenette em más condições de higiene e geladeira vazia[+][-][*] 458  174 share4   

“Para você jogar bem, você tem que se alimentar direito.”  Essa foi a reação de Francisca do Nascimento ao telefone em Marabá ao ouvir o filho M., então com 15 anos,  dizer que faltava comida no “alojamento” montado pelo “olheiro” Ronildo Borges de Souza para os meninos que vieram do Pará para Santos com a promessa de disputar campeonatos paulistas sub-15 e sub-17 vestindo a camisa da “Briosa”, a  Portuguesa Santista, time centenário de segunda divisão do litoral de São Paulo.

Os doze meninos de famílias pobres do Pará foram recrutados pelo conterrâneo Ronildo, que obteve procurações dos pais o habilitando a negociar qualquer tipo de contrato para os garotos, sem, no entanto, transferir-lhe a guarda legal nem fixar condições para que viessem para Santos com o “técnico” com diploma de treinador (em curso de 36 horas de aulas teóricas) concedido pelo Sindicato dos Treinadores Profissionais de Futebol do Estado de São Paulo.

O sonho de se tornar um “Ganso” ou um “Pará”, ambos jovens de famílias humildes de origem paraense, fez bater o coração de pais e filhos e confiar no vizinho que visitava as escolinhas de futebol em busca dos meninos com maior potencial. Hamilton de Abreu, pai de D., conta que Ronildo era conhecido por levar garotos para jogar no Sudeste: “Ele conversou muito bem, mostrou outros jogadores que tinham ido para o Cruzeiro, o Atlético, então a gente confiou”, explica. “Nosso menino queria muito ir, também influenciado pelos colegas, pela promessa de chegar lá e começar a jogar. Como aqui não tem oportunidade, resolvemos deixar”, afirma ele, que via a situação como uma chance do filho realizar seu sonho.

Os meninos foram inscritos para participar do campeonato infantil da Federação Paulista de Futebol pela Portuguesa Santista, como prometera Ronildo, mas aos poucos os telefonemas se tornaram preocupantes para os pais. “Chegou um momento que ele começou a ligar para cá: ‘Pai, a gente não está passando muito bem aqui, está faltando comida’”, diz Hamilton. Assim como outros pais, ele afirma que enviava mensalmente uma quantia de R$ 350 a Ronildo para a manutenção de seu filho em Santos.

No dia 2 maio de 2011,  depois de uma denúncia anônima, o Conselho Tutelar da Zona Leste de Santos visitou o número 90 da Rua Bassin Nagib Trabulsi, onde viviam os doze meninos no apartamento da zeladoria, uma “espécie de mini-kitchenette” de 40 metros quadrados no alto do prédio. De acordo com a declaração prestada ao Promotor da Infância e Juventude de 2011, a situação era “bastante precária, mobiliário em péssimo estado e falta de limpeza e higiene em todos os cômodos. Observa-se que não havia alimentos e quando questionado o sr. Ronildo nos respondeu que iria providenciar”.

No dia seguinte o Ministério Público ajuizou uma Ação Civil Pública contra a Associação Atlética Portuguesa e Ronildo Borges de Souza exigindo do clube que parasse de utilizar os adolescentes em partidas oficiais ou treinamentos até que estivessem sob guarda de pessoa responsável,  com a documentação em Santos regularizada, e matriculados na escola – direitos assegurados pela Lei Pelé. Também pedia a tranferência imediata dos garotos para hotéis e o pagamento dos custos para os que quisessem voltar para casa, sendo “impossível condescender que os jovens permaneçam em condições tão precárias, onde sequer recebem alimentação”.

A ação civil foi acolhida pelo Juiz da Infância e Juventude, Evandro Renato Pereira, que emitiu mandados de citação e intimação para Ronildo e o clube santista. Dois meninos preferiram voltar para as casas dos pais e os outros dez foram transferidos para a Pensão Capelinha, 30 reais a diária incluindo as refeições, ainda assim melhor do que o apartamento sem ventilação e a ração de “frango e milharina (flocos de milho pré-cozidos)” que, segundo um dos pais, era a única coisa que os meninos comiam.

No dia 13 de fevereiro deste ano, o juiz considerou em parte procedente a ação do Ministério Público, fixando multa de R$ 50.000,00 por atleta em formação alojado precariamente, e condenou “os réus a não inscreverem ou intermediarem de qualquer forma a inscrição de atletas em formação não residentes na Baixada Santista na Federação Paulista de Futebol sem que estejam matriculados, alojados adequadamente e recebam assistência médica, odontológica e psicológica; bem como garantia de retorno aos pais”. Não considerou procedente, porém, a denúncia de Tráfico de Pessoa de acordo com o Protocolo de Palermo – que fixa as regras internacionais para esse crime – por considerar que não se configurava esse tipo de crime.

A condenação da Portuguesa Santista

O juiz também rejeitou a defesa da Portuguesa, que contestou a ação civil do Ministério Público alegando ser “parte ilegítima” pois “terceirizou a exploração da atividade de futebol amador ao sr. Fernando Cezar de Matos, o qual passou a ter integral responsabilidade pelo desenvolvimento deste departamento”. “Se transferiu a terceiro (Ronildo) tal tarefa, continua sua (de Fernando) a responsabilidade de supervisionar as atividades por ele desenvolvidas”, diz a contestação, concluindo que o clube não teria “qualquer relação entre os fatos apurados”.

“Se vieram para Santos e estão inscritos na Portuguesa Santista, é o clube em última instância que deve assegurar a eles todos os direitos da Lei Pelé e do ECA, sem prejuízo da ação regressiva contra pessoas”, interpretou o juiz.  E determinou: “Todos aqueles que de uma forma ou outra aproveitaram desse deslocamento ilegal de adolescentes para Santos, com vistas a aferir alguma vantagem futura esportiva ou comercial são responsáveis solidariamente por indenizar os adolescentes de todos os prejuízos (…). O clube por conta própria ou por terceiros não deve estimular que adolescentes cruzem o país se aqui não tiverem ótimas condições de desenvolvimento”.

E, referindo-se a Ronildo, que apresentou as procurações dos pais, os certificados de matrícula dos adolescentes na escola (sem notas ou avaliação de presença) e contas de supermercado em sua defesa, disse o juiz: “Não se pode aceitar que pessoas ligadas ao clube ou empresários com interesses comerciais sejam guardiões dos adolescentes (…). A figura do guardião é afetiva e desinteressada, não empresarial”.

Por telefone, o advogado Cláudio Luiz Ursini, representante legal de Ronildo disse à Pública que “não havia mesmo [alimentos] porque se deixasse a molecada comeria tudo errado”. E afirmou que os meninos viviam melhor do que na casa dos pais. “O que eventualmente foi considerada uma condição ruim [pelo Ministério Público], para os meninos era muito melhor do que a condição que eles viviam na própria cidade”, afirmou, utilizando a pobreza das famílias a favor de sua tese.

A Portuguesa Santista não quis se pronunciar por telefone.

Passando na peneira

O desejo de fazer parte dos “escolhidos”, que conquistam uma nova condição social no futebol, é o principal fator para que pais e filhos caiam em armadilhas como essa que vitimou os meninos da Briosa, explica o ex-craque Raí Souza Vieira de Oliveira, um dos criadores da Fundação Gol de Letra, que desenvolve atividades culturais e educativas com crianças e jovens de baixa renda.

“A maioria dos atletas que jogam em clubes de destaque vem de outros estados. Muitos são convencidos por oportunistas a entrar nessa aventura, sem nenhuma estrutura”, diz Raí.

Mesmo os que conseguem realizar seus sonhos muitas vezes têm sua formação prejudicada pela profissionalização precoce, estimulada por famílias e clubes. “Eles esperam que dali saia um atleta, e só. Com isso fica faltando o outro lado, que é a formação, a orientação e a educação”.

Ainda adolescentes, os jogadores disputam uma vaga nas categorias de base de clubes profissionais, tentando se destacar nos campeonatos estaduais. O Santos FC, por exemplo, realiza quase toda semana uma peneira (teste técnico) em alguma cidade do Brasil, onde são avaliados até 500 meninos de 10 a 17 anos. Em 2011, 30 mil garotos passaram por testes do clube.

Além disso, muitos chegam através de agentes ou empresários que têm contato com integrantes da equipe de grandes clubes e oferecem os meninos para fazer testes ou jogar em campeonatos juvenis. Em alguns casos, essa função é “quarteirizada”, como ocorreu com Ronildo, contatado por Fernando Cezar Matos que prestava um serviço terceirizado para a Portuguesa Santista, como responsável pelo Departamento Amador do clube.

“É comum os jovens chegarem aos clubes com 12 anos e ficarem até os 20 para se tornarem jogadores profissionais. Mas acabam não sendo utilizados no profissional, e vão fazer o que da vida? Não estudaram, não têm diploma, não têm absolutamente nada”, diz outro ex-jogador, o Neto (José Ferreira Neto), comentarista da Rede Bandeirantes de Televisão.

Mesmo os exemplos de sucesso às vezes exigem grande sacrifícios dos adolescentes e famílias, como no caso do jogador Pará. Antes de se tornar o conhecido lateral do Santos FC, teve que “vender o almoço para pagar o jantar”, como conta o jogador, atualmente no Grêmio.

“Meus pais tiveram que vender quase tudo para me sustentar”, diz Pará. “Um dia o treinador me disse que queria levar três ou quatro meninos para São Paulo, para jogar profissionalmente, e perguntou se eu queria ir”. Apesar da resistência dos pais, ele aceitou o patrocínio do treinador e encarou três dias de ônibus para a capital paulista, onde passou todo tipo de privação antes de se revelar como lateral.

Copa do Mundo: a nova miragem

O sonho de se tornar jogador de futebol torna-se palpitante com a proximidade de grandes eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, que acontecerão no Brasil nos próximos quatro anos. “Os grandes eventos esportivos geram a ilusão de que ser jogador de futebol é uma possibilidade de realização profissional acessível”, diz Renato Mendes, coordenador do Programa Internacional para Eliminação do Trabalho Infantil da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Para Mendes, essa ilusão pode expor os adolescentes a riscos mais graves do que os maus tratos sofridos pelos adolescentes paraenses em Santos, principalmente por estarem afastados do convívio com a família. A ausência dessa rede de proteção no trato com outros adultos favorece abusos, incluindo a exploração sexual. “Isso costuma acontecer com frequência nesse tipo de relação de poder”, diz ele. “O adolescente se perde na relação de autoridade e afetividade porque ele sabe que depende dessa pessoa para realizar seu sonho”.

A OIT defende uma revisão no sistema de seleção e de organização das categorias de base de todos os clubes de futebol do Brasil. “Queremos evitar que a criança seja feita de objeto, vinculando os centros de treinamento de talentos às escolas, mais precisamente ao Ministério da Educação”, diz Mendes.

A decisão da entidade de intervir no trabalho infantil do futebol ganhou força com a morte de um adolescente durante uma peneira no Vasco, em fevereiro deste ano. Wendel Junior Venâncio da Silva, 14 anos, passou mal e caiu no gramado do Centro de Treinamento de Itaguaí. Chegou a ser levado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) próxima, mas não resistiu. O jovem era de São João Nepomuceno (MG), e estava no Rio de Janeiro para um período de testes no Vasco. De acordo com pessoas ligadas à base do clube, ele apresentou atestado médico que o dava como apto para a prática de atividades físicas.

O que não exclui uma eventual responsabilidade do clube. Logo após o caso, o Ministério Público do Rio de Janeiro entrou com uma ação civil denunciando as péssimas condições a que são submetidos os adolescentes no Vasco. Em abril, o CT (Centro de Treinamento) das divisões de base do clube teve suas atividades suspensas por decisão da juíza Ivone Ferreira Caetano, da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso da Capital, e está obrigado a adequar as instalações de sua sede, no bairro de São Cristóvão, em um prazo de 30 dias. A juíza estipulou multa de 30 mil reais por dia em caso de descumprimento da ordem.

Tráfico de pessoas? 

Em março, o Ministério Público do Estado de São Paulo entrou com mais um recurso de apelação no caso da Portuguesa Santista. Segundo os promotores, além de violar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a Lei Pelé, o caso deve ser enquadrado como tráfico de pessoas para fins de exploração do trabalho, o que não foi contemplado na sentença do juiz.

Segundo o MP o tráfico se configura a partir da forma como os meninos foram recrutados no Pará, através de um “discurso sedutor para que as vítimas, sob múltiplos aspectos vulneráveis, abandonassem seus lares e fossem tentar a sorte em distante local”. O tráfico interno de pessoa tem pena prevista de três a oito anos de prisão, além de multa ao agente aliciador – no caso, Ronildo.

Na contestação, o Ministério Público também chama a atenção para a necessidade de “desvendar a cortina de invisibilidade que permeia a prática de tráfico de seres humanos”. “Muitos jogadores que vêm de outros estados tentam a sorte na Portuguesa Santista porque imaginam que um dia terão chances em times maiores como o Santos”, diz o promotor Carlos Alberto Carmelo Junior.

A manipulação de sonhos das crianças torna difícil  para os pais impedir que os filhos se lancem à aventura. Francisca, por exemplo, tentou trazer o filho de volta assim que soube que ele não se alimentava direito, mas enfrentou a resistência do rapaz, deslumbrado com a oportunidade de jogar em São Paulo. “Ele sonha em ser um grande profissional, ganhar muito dinheiro, ter uma boa vida, mas o que eu sonho para ele é estudar e se formar”, diz a mãe, em ritmo acelerado ao telefone.

O gostinho de jogar em São Paulo, porém, faz com que alguns desses meninos esqueçam as dificuldades que passaram em Santos. “Fiquei dois meses na capital disputando amistosos e depois fui morar em Santos, onde joguei o sub-15 pela Portuguesa. Valeu a pena”, diz F., que retornou ao Pará em julho de 2011. “Quando eu voltei para casa, ficamos felizes e tristes ao mesmo tempo. Estou tentando voltar para Santos o mais rápido possível”, confessa o menino.

 

  O editorial do O Globo defendendo a Revista Veja e seus métodos e acusando a imprensa "chapa branca" (Carta Capital e Record) e os blogs "chapa branca" (Luis Nassif, Viomundo, ConversaAfiada e outros) de desfecharem campanha organizada contra a revista da Abril por mera retaliação e não compromisso com a verdade. Ademais o editorial classifica O Globo, Veja e outros de imprensa profissional, contra o que seria uma imprensa não profissional, composta por radicais do PT...A Globo não tem jeito Nassif e colegas do blog!

   

Política

Roberto Civita não é Rupert Murdoch (Editorial)

O Globo

Blogs e veículos de imprensa chapa branca que atuam como linha auxiliar de setores radicais do PT desfecharam uma campanha organizada contra a revista "Veja", na esteira do escândalo Cachoeira/Demóstenes/Delta.

 A operação tem todas as características de retaliação pelas várias reportagens da revista das quais biografias de figuras estreladas do partido saíram manchadas, e de denúncias de esquemas de corrupção urdidos em Brasília por partidos da base aliada do governo.

É indisfarçável, ainda, a tentativa de atemorização da imprensa profissional como um todo, algo que esses mesmos setores radicais do PT têm tentado transformar em rotina nos últimos nove anos, sem sucesso, graças ao compromisso, antes do presidente Lula e agora da presidente Dilma Roussef, com a liberdade de expressão.

A manobra se baseia em fragmentos de grampos legais feitos pela Polícia Federal na investigação das atividades do bicheiro Carlinhos Cachoeira, pela qual se descobriu a verdadeira face do senador Demóstenes Torres, outrora bastião da moralidade, e, entre outros achados, ligações espúrias de Cachoeira com a construtora Delta.

As gravações registraram vários contatos entre o diretor da Sucursal de "Veja" em Brasília, Policarpo Jr, e Cachoeira. O bicheiro municiou a reportagem da revista com informações e material de vídeo/gravações sobre o baixo mundo da política, de que alguns políticos petistas e aliados fazem parte.

A constatação animou alas radicais do partido a dar o troco. O presidente petista, Rui Falcão, chegou a declarar formalmente que a CPI do Cachoeira iria "desmascarar o mensalão".

Aos poucos, os tais blogs começaram a soltar notas sobre uma suposta conspiração de "Veja" com o bicheiro. E, no fim de semana, reportagens de TV e na mídia impressa chapas brancas, devidamente replicados na internet, compararam Roberto Civita, da Abril, editora da revista, a Rupert Murdoch, o australiano-americano sob cerrada pressão na Inglaterra, devido aos crimes cometidos pelo seu jornal "News of the World", fechado pelo próprio Murdoch.

Comparar Civita a Murdoch é tosco exercício de má-fé, pois o jornal inglês invadiu, ele próprio, a privacidade alheia.

Quer-se produzir um escândalo de imprensa sobre um contato repórter-fonte. Cada organização jornalística tem códigos, em que as regras sobre este relacionamento — sem o qual não existe notícia — têm destaque, pela sua importância.

Como inexiste notícia passada de forma desinteressada, é preciso extremo cuidado principalmente no tratamento de informações vazadas por fontes no anonimato.

Até aqui, nenhuma das gravações divulgadas indica que o diretor de “Veja” estivesse a serviço do bicheiro, como afirmam os blogs, ou com ele trocasse favores espúrios. Ao contrário, numa das gravações, o bicheiro se irrita com o fato de municiar o jornalista com informações e dele nada receber em troca.

Estabelecem as Organizações Globo em um dos itens de seus Princípios Editoriais: "(...) é altamente recomendável que a relação com a fonte, por mais próxima que seja, não se transforme em relação de amizade. A lealdade do jornalista é com a notícia".

E em busca da notícia o repórter não pode escolher fontes. Mas as informações que vêm delas devem ser analisadas e confirmadas, antes da publicação. E nada pode ser oferecido em troca, com a óbvia exceção do anonimato, quando necessário.

O próprio braço sindical do PT, durante a CPI de PC/Collor, abasteceu a imprensa com informações vazadas ilegalmente, a partir da quebra do sigilo bancário e fiscal de PC e outros.

O "Washington Post" só pôde elucidar a invasão de um escritório democrata no conjunto Watergate porque um alto funcionário do FBI, o "Garganta Profunda", repassou a seus jornalistas, ilegalmente, informações sigilosas.

Só alguém de dentro do esquema do mensalão poderia denunciá-lo. Coube a Roberto Jefferson esta tarefa.

A questão é como processar as informações obtidas da fonte, a partir do interesse público que elas tenham. E não houve desmentidos das reportagens de "Veja" que irritaram alas do PT.

Ao contrário, a maior parte delas resultou em atitudes firmes da presidente Dilma Roussef, que demitiu ministros e funcionários, no que ficou conhecido no início do governo como uma faxina ética.

 

 

Osvaldo Ferreira

Será que nenhuma brasileiro tem capacidade para gerir cartões de crédito e estes têm de ser de estrangeiros?

Onde está o STF para coibir os juros compostos que já foram julgados ilegais inúmeras vêzes?

Dilma, acorda!

 

Central sindical protesta contra juros de cartão de crédito


A UGT (União Geral dos Trabalhadores), a terceira maior central sindical do país, lança amanhã, quarta-feira (9), uma campanha contra os juros cobrados pelas administradoras de cartões de crédito.

A campanha começará com uma manifestação na frente da sede da Visa do Brasil, uma das maiores operadoras do país, na avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo. A UGT espera reunir 2.000 pessoas.

O objetivo da campanha é convencer o governo a pressionar as operadoras a baixarem os juros como tem feito com os bancos.

Segundo a central, as taxas médias mensais cobradas no cartão de crédito são de 10,69%, o que equivale a 238,3% ao ano. O presidente da UGT, Ricardo Patah, chamou os juros de "verdadeiro assalto ao salário da classé média" e disse que os trabalhadores são "massacrados pelas cobranças abusivas".

 

Follow the money, follow the power.

Do Viomundo:

Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia

publicado em 8 de maio de 2012 às 11:13

Audiência com Gilmar Mendes,  no STF, intermediada por Marconi Perillo e  Demóstenes Torres. Da esquerda para a direita:  Perillo, Mendes, o deputado Carlos Leréia, o diretor-geral da SAMA Rubens Rela e Élio Martins, presidente do Grupo Eternit. Foto: Gervásio/SCO/STF

por Conceição Lemes

2012: O império do amianto está ruindo, a olhos vistos.

Em 13 de fevereiro, a Justiça italiana anunciou a condenação dos ex-proprietários da Eternit, o barão belga Jean-Louis de Cartier de Marchienne e o magnata suíço Stephan Schmidheiny, a 16 anos de prisão e ao pagamento de quase 100 milhões de euros.

Nem mesmo o informe publicitário publicado na ocasião pela Eternit do Brasil  nos principais veículos de comunicação (CartaCapital foi a única a recusar o anúncio), negando qualquer relação com a empresa incriminada, diminuiu o amargor da derrota.

Agora, o lobby do amianto sofre novos reveses. Indiretamente, a Operação Monte Carlo, da Polícia Federal (PF), atingiu em cheio o império do amianto. Seus mais ilustres e ferrenhos defensores no meio político brasileiro são acusados de envolvimento com os esquemas do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

São eles o senador Demóstenes Torres (DEM-GO, até 4 de abril), o deputado federal Carlos Alberto Leréia (PDSB-GO) e o governador Marconi Perillo (PSDB-GO).  Os três integram a “bancada da crisotila”. São parlamentares que, em troca de defender a fibra cancerígena no parlamento, recebem apoio financeiro da indústria amiantífera em suas campanhas. Crisotila, ou amianto branco, é o tipo existente e ainda permitido no País.

A primeira baixa, aliás, já ocorreu. Demóstenes Torres deixou a relatoria do projeto de lei 371/2011, do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que “dispõe sobre a proibição da extração, da importação, do transporte, do armazenamento e da industrialização do amianto”.

Outro revés: o Instituto Crisotila do Canadá anunciou oficialmente, em 28 de abril deste ano, o encerramento de suas atividades.  Durante quase três décadas, ele coordenou globalmente os esforços da indústria do amianto para promover o chamado “uso controlado da crisotila”. Uma tese enganosa de que a exploração do mineral, assim como a fabricação e a utilização de produtos, contendo suas fibras, seriam inofensivos à saúde humana. O instituto canadense foi copiado em todo o mundo. Aqui, deu origem ao Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC), sediado em Goiânia.

“São dois golpes mortais, que prenunciam o fim da produção da fibra assassina aqui”, observa a engenheira Fernanda Giannasi, auditora fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e coordenadora da Rede Virtual-Cidadã para o Banimento do Amianto para a América Latina. “É como diz o ditado popular ‘a Justiça tarda, mas não falha’.”

LOBBY PARLAMENTAR INTERMEDIA VISITA DE PRESIDENTE DA ETERNIT A GILMAR MENDES NO STF

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, anualmente, 107 mil pessoas morrem em todo o mundo devido a doenças causadas pelo amianto ou asbesto – um reconhecido cancerígeno para os seres humanos.

“Todo tipo de amianto — inclusive a crisotila — é comprovadamente cancerígeno, e o seu uso controlado, uma ilusão total”, alerta o pneumologista Hermano Albuquerque de Castro, professor da Escola Nacional de Saúde Pública e pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana, da Fiocruz, no Rio de Janeiro. “No máximo, as indústrias conseguem reduzir a exposição dentro das fábricas. Não conseguem controlar depois que o produto sai e vai para o público. Isso é impossível.”

Apesar de essa advertência ser feita há mais de duas décadas, o governo brasileiro ignorou o problema. E mais. Nos últimos anos, perdeu diversas oportunidades de proibir o uso do amianto no território nacional.

Em boa parte devido ao poderoso lobby no Congresso Nacional, que sempre agiu com presteza para atender os interesses da indústria amiantífera.

Demonstração emblemática dessa força aconteceu em setembro de 2008. Havia indícios de que o Supremo Tribunal Federal (STF) iria julgar celeremente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4066, que pede a decretação da inconstitucionalidade do artigo 2º da Lei 9055/95; ela trata do “uso seguro e responsável do amianto”.

“A Lei 9055 é inconstitucional em função da lesividade de todo tipo de amianto à saúde humana”, diz o advogado Mauro Menezes, que, na ação, representa a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e a Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (Abrea) “Ela não se compatibiliza com uma questão maior que está garantida na nossa Constituição, que é o direito à saúde e à vida.”

Pois bem, à época, o então senador Marconi Perillo e o colega Demóstenes Torres intermediaram encontro de representantes da Eternit com o ministro Gilmar Mendes (naquele momento, presidente do STF) para tratar do assunto.

Assim, no dia 30 de setembro de 2008, o presidente do Grupo Eternit, Élio Martins, o diretor-geral da SAMA, Rubens Rela Filho, Perillo e o deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB, GO) foram recebidos no STF por Gilmar Mendes.

O Grupo Eternit é o maior produtor de amianto e de artefatos de cimento-amianto do Brasil. A mineradora SAMA pertence a ele. É a responsável pela mina de Cana Brava, a única ainda em exploração no País; fica em Minaçu, norte de Goiás, a 500 quilômetros da capital Goiânia.

Leréia, proveniente de Minaçu, foi um dos maiores beneficiados pelas verbas da SAMA em sua campanha como deputado federal. Segundo matéria publicada na revista CartaCapital, de junho de 2005, recebeu sozinho 300 mil reais da mineradora.

Na agenda de Gilmar Mendes para o dia 30 constava apenas: 17h30 – Recebe em audiência os senadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Demóstenes Torres (DEM-GO)

Sobre o encontro, o site do STF noticiou: “O senador goiano Marconi Perillo (PSDB) esteve no início da noite desta terça-feira (30) com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, para entregar documentos contra o banimento do amianto crisotila no país. ‘Temos estudos científicos que foram preparados pelas principais universidades brasileiras que nos tranquilizam em relação à utilização do amianto sem qualquer mal à saúde’, afirmou.” Parêntese: o Viomundo denunciou em várias reportagens a falta de isenção dos pesquisadores de “tais estudos científicos”, financiados pelo próprio interessado em tais resultados.

O site do STF prosseguiu: “Segundo o senador, o objetivo dos documentos é ‘dar esclarecimentos e embasamento aos ministros do Supremo Tribunal Federal em relação à matéria’”.

Curiosamente, o nome do presidente do grupo Eternit, presente ao encontro, não constou da matéria publicada no site do STF.

Tampouco o nome de Élio Martins apareceu nas legendas das fotos divulgadas sobre a reunião. Nem mesmo na que apareceu cumprimentando Gilmar Mendes. Mencionaram-se apenas os nomes dos parlamentares.

Da esquerda para a direita: Élio Martins, presidente do Grupo Eternit; Rubens Rela Filho, diretor-geral da SAMA; deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO); e ministro Gilmar Mendes, do STF, encobrindo o então senador Marconi Perillo (PSDB-GO). Foto: Gervásio/SCO/STF

“Na prática, a Operação Monte Carlo acertou o core do lobby do amianto no Brasil” reforça Fernanda Giannasi. “Da mesma forma, com certeza, o fechamento do Instituto Crisotila do Canadá terá repercussões no Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC) e nos demais institutos clones, que perdem seu mentor e grande financiador e apoiador.”

INSTITUTO DO CRISOTILA DO CANADÁ PROPAGANDEOU INFORMAÇÕES ENGANOSAS

O IBC (também chamado de Crisotila Brasil) foi criado à imagem e semelhança do Instituto Canadense do Crisotila (antes chamado Asbestos Institute).

Até no estilo de tentar silenciar os que denunciam os malefícios do amianto e as ações do lobby pró-fibra cancerígena são muito parecidos.

O IBC recorreu à Justiça contra Fernanda Giannasi, o procurador Antônio Carlos Cavalcante Rodrigues, do Ministério Público do Trabalho de Goiás (MPT-GO), que queria, entre outras ações, o fim das atividades do IBC, e o pneumologista, professor e pesquisador Hermano Albuquerque de Castro.

O Instituto Crisotila do Canadá teve o desplante de atuar fora de sua jurisdição. Em abril de 2001, o seu diretor, Denis Hamel, mandou uma carta ao então Ministro do Trabalho e Emprego do Brasil, Francisco Dornelles, pedindo para repreender e enquadrar a engenheira Fernanda Giannasi. Não conseguiu o seu intento.

No documentário A morte lenta pelo amianto, Hamel justifica a retaliação: “Ela [Fernanda Giannasi] dá declarações mentirosas, exageradas, que prejudicam enormemente os esforços da indústria”.

Consequentemente, o fechamento das portas do Instituto Crisotila do Canadá representa uma derrota importantíssima de um dos lobbies mais eficientes na promoção de produtos tóxicos no mundo, só comparável ao do tabaco.  Não é à toa que é festejado globalmente.

“Essa é mais uma auspiciosa notícia, que nos anima a multiplicar esforços para a concretização do banimento do amianto em nosso país, o quanto antes”, afirma o advogado Mauro Menezes. “Afinal, a entidade que tanto promoveu a falaciosa tese de que a crisotila seria inofensiva à saúde humana, contava com apoio do governo canadense e coordenava um poderoso lobby, modelo que inspirou a criação do Instituto Brasileiro do Crisotila.”

“Sinaliza um passo importante para o fim da exploração e exportação do amianto pelo Canadá”, saúda Linda Reinstein, presidente da Asbestos Disease Awareness Organization (ADAO), ONG estadunidense que se dedica à conscientização das doenças do amianto. “Simboliza um futuro promissor para o esforço global de proteger a saúde pública.”

Para Pat Martin, membro do Parlamento canadense, ex-mineiro e crítico de longa do data da indústria do amianto, o fechamento do Instituto do Crisotila do Canadá é a sentença de morte da mineração do amianto naquele país.

Kathleen Ruff, ativista canadense dos direitos humanos e pelo banimento do amianto, fez questão de ir até o escritório do Instituto do Crisotila para se certificar de que a informação era verdadeira. As portas da sala 1.640 estavam fechadas; nem mensagem para deixar  recado na secretária eletrônica havia mais.

“O Instituto Crisotila pressionou o governo canadense para que ele continuasse financiando-o como fez durante 27 anos, do contrário, fecharia as portas”, conta Kathleen Ruff. “Devido à fortes críticas, o governo não cedeu. E, agora, uma alegria toma conta de todos aqueles que lutam para proteger as pessoas dos perigos do amianto.”

Laurie Kazan-Allen, editora do site e coordenadora do Ibas — International Ban Asbetos Secretariat(Secretariado Internacional do Banimento do Amianto) –, sediado em Londres, Inglaterra, ao comemorar a queda do Instituto Crisotila, põe o dedo na ferida:

“Mesmo depois de o amianto ter sido proibido em países industrializados, o seu consumo aumentou muito em todo o mundo em desenvolvimento. Isso aconteceu graças principalmente aos esforços e à contribuição financeira do Instituto do Crisotila do Canadá, que permitiu a criação de 12 entidades ao redor do mundo, para transmitir de forma mais eficaz a mensagem pró-amianto. Não por coincidência o uso do amianto continua na Índia, Tailândia, Brasil, Colômbia e México, países onde existem estas organizações”.

“Indubitavelmente, o império do amianto está desabando”, arremata Fernanda Giannasi. “Esperamos, agora, que se faça Justiça às vítimas do amianto e seus familiares.”

 

Matéria da TV Record, de 20/09/2011, sobre a Veja:

 

Outra BOMBA que cai no colo do PSDB e que a mídia abafa!!! Apareceu em uma matéria do Estadão OnLine, bem esconda e sem destaque. Na Folha eu nem vi nada, muito menos na Globo.

"Sob suspeita, ex-presidente da Câmara de Curitiba se desfilia do PSDB"

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,sob-suspeita-ex-presidente-da-camara-de-curitiba-se-desfilia-do-psdb,870292,0.htm

 

 

 

Prezado Nassif, importante noticiar que, logo mais, a Câmara dos Deputados poderá votar, em 2º turno, a PEC 438/2001, conhecida como a PEC do Trabalho Escravo. A proposta prevê, dentre outras medidas, a perda, sem indenização, das propriedades urbanas ou rurais em que se constatar a presença de trabalhadores em condições análogas às de escravo.


Entre 1995 e 2010, mais de 39 mil trabalhadores encontrados nessas condições foram resgatados em ações de fiscalização do Ministério do Trabalho. Lembremos, ainda, que, em 2004, foram assassinados três auditores-fiscais do trabalho e um motorista da equipe que se dirigia para fiscalizações em fazendas da região de Unaí/MG.


Tais circunstâncias indicam o quanto o país ainda precisa avançar no tema.


Hoje pela manhã, no auditório Nereu Ramos da Câmara dos Deputados, ocorreu um movimentado ato em defesa da aprovação da PEC. Participaram os Ministros Maria do Rosário (Direitos Humanos), Brizola Neto (Trabalho e Emprego) e Luiza Bairros (Igualdade Racial), o Presidente da Câmara, Marco Maia, diversos parlamentares, representantes das principais centrais sindicais (CUT, Força Sindical, UGT e CONLUTAS), movimentos de trabalhadores ruarais (MST, CONTAG, CPT, Via Campesina), artistas (Osmar Prado, Letícia Sabatella, entre outros) e várias outras organizações da sociedade civil.  Foi uma expressiva manifestação em defesa do fortalecimento dos instrumentos de combate a esse mal ainda presente em nossa sociedade.


 


Antonio Cruz Jr. -- Instituto Alvorada


 

Plenário pode votar hoje a PEC do Trabalho Escravo

Antes da votação, às 15h30, os líderes se reúnem no gabinete da Presidência para definir a pauta da semana.

O Plenário pode votar hoje, em sessões extraordinárias, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Trabalho Escravo (438/01). Sete medidas provisórias trancam a pauta das sessões ordinárias.


O texto da PEC foi aprovado em primeiro turno em agosto de 2004 e, desde então, aguarda votação em segundo turno. A proposta prevê a expropriação de propriedades rurais ou urbanas onde for constatado trabalho escravo.

Proposta ainda não tem consenso entre deputados

 
Câmara - Participação Popular - Selo internet - teclado
Participe do debate sobre trabalho escravo no e-Democracia.

Segundo o texto, o proprietário não terá direito a indenização, e os bens apreendidos serão confiscados e revertidos em recursos de um fundo cuja finalidade será definida em lei. A regra já existe para os locais onde for constatada a produção de plantas psicotrópicas.


Desde março deste ano, funciona na Câmara a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Trabalho Escravo, criada para investigar denúncias sobre essa prática com base na chamada “lista suja” elaborada pelo Ministério do Trabalho. Constam da lista 291 empregadores acusados de explorar mão de obra sem respeito aos direitos trabalhistas ou humanitários.


A CPI é presidida pelo deputado Cláudio Puty (PT-PA). O relator é o deputado Walter Feldman (PSDB-SP).

Apoio de artistas
Às 11 horas, no auditório Nereu Ramos, será entregue ao presidente da Câmara, Marco Maia, um documento assinado por mais de  60 artistas e intelectuais em apoio à PEC do Trabalho Escravo. Entre os artistas que devem participar da entrega estão a atriz Letícia Sabatella e os atores Marcos Winter e Osmar Prado.

 

Prezado Nassif, olha essa matéria incrível postado no VI O MUNDO:

DenúnciasOperação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia

publicado em 8 de maio de 2012 às 11:13

Audiência com Gilmar Mendes,  no STF, intermediada por Marconi Perillo e  Demóstenes Torres. Da esquerda para a direita:  Perillo, Mendes, o deputado Carlos Leréia, o diretor-geral da SAMA Rubens Rela e Élio Martins, presidente do Grupo Eternit. Foto: Gervásio/SCO/STF

por Conceição Lemes

2012: O império do amianto está ruindo, a olhos vistos.

Em 13 de fevereiro, a Justiça italiana anunciou a condenação dos ex-proprietários da Eternit, o barão belga Jean-Louis de Cartier de Marchienne e o magnata suíço Stephan Schmidheiny, a 16 anos de prisão e ao pagamento de quase 100 milhões de euros.

Nem mesmo o informe publicitário publicado na ocasião pela Eternit do Brasil  nos principais veículos de comunicação (CartaCapital foi a única a recusar o anúncio), negando qualquer relação com a empresa incriminada, diminuiu o amargor da derrota.

Agora, o lobby do amianto sofre novos reveses. Indiretamente, a Operação Monte Carlo, da Polícia Federal (PF), atingiu em cheio o império do amianto. Seus mais ilustres e ferrenhos defensores no meio político brasileiro estão envolvidos com os esquemas do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

São eles o senador Demóstenes Torres (DEM-GO, até 4 de abril), o deputado federal Carlos Alberto Leréia (PDSB-GO) e o governador Marconi Perillo (PSDB-GO).  Os três integram a “bancada da crisotila”. São parlamentares que, em troca de defender a fibra cancerígena no parlamento, recebem apoio financeiro da indústria amiantífera em suas campanhas. Crisotila, ou amianto branco, é o tipo existente e ainda permitido no País.

A primeira baixa, aliás, já ocorreu. Demóstenes Torres deixou a relatoria do projeto de lei 371/2011, do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que “dispõe sobre a proibição da extração, da importação, do transporte, do armazenamento e da industrialização do amianto”.

Outro revés: o Instituto Crisotila do Canadá anunciou oficialmente, em 28 de abril deste ano, o encerramento de suas atividades.  Durante quase três décadas, ele coordenou globalmente os esforços da indústria do amianto para promover o chamado “uso controlado da crisotila”. Uma tese enganosa de que a exploração do mineral, assim como a fabricação e a utilização de produtos, contendo suas fibras, seriam inofensivos à saúde humana. O instituto canadense foi copiado em todo o mundo. Aqui, deu origem ao Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC), sediado em Goiânia.

“São dois golpes mortais, que prenunciam o fim da produção da fibra assassina aqui”, observa a engenheira Fernanda Giannasi, auditora fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e coordenadora da Rede Virtual-Cidadã para o Banimento do Amianto para a América Latina. “É como diz o ditado popular ‘a Justiça tarda, mas não falha’.”

LOBBY PARLAMENTAR INTERMEDIA VISITA DE PRESIDENTE DA ETERNIT A GILMAR MENDES NO STF

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, anualmente, 107 mil pessoas morrem em todo o mundo devido a doenças causadas pelo amianto ou asbesto – um reconhecido cancerígeno para os seres humanos.

“Todo tipo de amianto — inclusive a crisotila — é comprovadamente cancerígeno, e o seu uso controlado, uma ilusão total”, alerta o pneumologista Hermano Albuquerque de Castro, professor da Escola Nacional de Saúde Pública e pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana, da Fiocruz, no Rio de Janeiro. “No máximo, as indústrias conseguem reduzir a exposição dentro das fábricas. Não conseguem controlar depois que o produto sai e vai para o público. Isso é impossível.”

Apesar de essa advertência ser feita há mais de duas décadas, o governo brasileiro ignorou o problema. E mais. Nos últimos anos, perdeu diversas oportunidades de proibir o uso do amianto no território nacional.

Em boa parte devido ao poderoso lobby no Congresso Nacional, que sempre agiu com presteza para atender os interesses da indústria amiantífera.

Demonstração emblemática dessa força aconteceu em setembro de 2008. Havia indícios de que o Supremo Tribunal Federal (STF) iria julgar celeremente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4066, que pede a decretação da inconstitucionalidade do artigo 2º da Lei 9055/95; ela trata do “uso seguro e responsável do amianto”.

“A Lei 9055 é inconstitucional em função da lesividade de todo tipo de amianto à saúde humana”, diz o advogado Mauro Menezes, que, na ação, representa a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e a Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (Abrea) “Ela não se compatibiliza com uma questão maior que está garantida na nossa Constituição, que é o direito à saúde e à vida.”

Pois bem, à época, o então senador Marconi Perillo e o colega Demóstenes Torres intermediaram encontro de representantes da Eternit com o ministro Gilmar Mendes (naquele momento, presidente do STF) para tratar do assunto.

Assim, no dia 30 de setembro de 2008, o presidente do Grupo Eternit, Élio Martins, o diretor-geral da SAMA, Rubens Rela Filho, Perillo e o deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB, GO) foram recebidos no STF por Gilmar Mendes.

O Grupo Eternit é o maior produtor de amianto e de artefatos de cimento-amianto do Brasil. A mineradora SAMA pertence a ele. É a responsável pela mina de Cana Brava, a única ainda em exploração no País; fica em Minaçu, norte de Goiás, a 500 quilômetros da capital Goiânia.

Leréia, proveniente de Minaçu, foi um dos maiores beneficiados pelas verbas da SAMA em sua campanha como deputado federal. Segundo matéria publicada na revista CartaCapital, de junho de 2005, recebeu sozinho 300 mil reais da mineradora.

Na agenda de Gilmar Mendes para o dia 30 constava apenas: 17h30 – Recebe em audiência os senadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Demóstenes Torres (DEM-GO)

Sobre o encontro, o site do STF noticiou: “O senador goiano Marconi Perillo (PSDB) esteve no início da noite desta terça-feira (30) com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, para entregar documentos contra o banimento do amianto crisotila no país. ‘Temos estudos científicos que foram preparados pelas principais universidades brasileiras que nos tranquilizam em relação à utilização do amianto sem qualquer mal à saúde’, afirmou.” Parêntese: o Viomundo denunciou em várias reportagens a falta de isenção dos pesquisadores de “tais estudos científicos”, financiados pelo próprio interessado em tais resultados.

O site do STF prosseguiu: “Segundo o senador, o objetivo dos documentos é ‘dar esclarecimentos e embasamento aos ministros do Supremo Tribunal Federal em relação à matéria’”.

Curiosamente, o nome do presidente do grupo Eternit, presente ao encontro, não constou da matéria publicada no site do STF.

Tampouco o nome de Élio Martins apareceu nas legendas das fotos divulgadas sobre a reunião. Nem mesmo na que apareceu cumprimentando Gilmar Mendes. Mencionaram-se apenas os nomes dos parlamentares.

Da esquerda para a direita: Élio Martins, presidente do Grupo Eternit; Rubens Rela Filho, diretor-geral da SAMA; deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO); e ministro Gilmar Mendes, do STF, encobrindo o então senador Marconi Perillo (PSDB-GO). Foto: Gervásio/SCO/STF

“Na prática, a Operação Monte Carlo acertou o core do lobby do amianto no Brasil” reforça Fernanda Giannasi. “Da mesma forma, com certeza, o fechamento do Instituto Crisotila do Canadá terá repercussões no Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC) e nos demais institutos clones, que perdem seu mentor e grande financiador e apoiador.”

INSTITUTO DO CRISOTILA DO CANADÁ PROPAGANDEOU INFORMAÇÕES ENGANOSAS

O IBC (também chamado de Crisotila Brasil) foi criado à imagem e semelhança do Instituto Canadense do Crisotila (antes chamado Asbestos Institute).

Até no estilo de tentar silenciar os que denunciam os malefícios do amianto e as ações do lobby pró-fibra cancerígena são muito parecidos.

O IBC recorreu à Justiça contra Fernanda Giannasi, o procurador Antônio Carlos Cavalcante Rodrigues, do Ministério Público do Trabalho de Goiás (MPT-GO), que queria, entre outras ações, o fim das atividades do IBC, e o pneumologista, professor e pesquisador Hermano Albuquerque de Castro.

O Instituto Crisotila do Canadá teve o desplante de atuar fora de sua jurisdição. Em abril de 2001, o seu diretor, Denis Hamel, mandou uma carta ao então Ministro do Trabalho e Emprego do Brasil, Francisco Dornelles, pedindo para repreender e enquadrar a engenheira Fernanda Giannasi. Não conseguiu o seu intento.

No documentário A morte lenta pelo amianto, Hamel justifica a retaliação: “Ela [Fernanda Giannasi] dá declarações mentirosas, exageradas, que prejudicam enormemente os esforços da indústria”.

Consequentemente, o fechamento das portas do Instituto Crisotila do Canadá representa uma derrota importantíssima de um dos lobbies mais eficientes na promoção de produtos tóxicos no mundo, só comparável ao do tabaco.  Não é à toa que é festejado globalmente.

“Essa é mais uma auspiciosa notícia, que nos anima a multiplicar esforços para a concretização do banimento do amianto em nosso país, o quanto antes”, afirma o advogado Mauro Menezes. “Afinal, a entidade que tanto promoveu a falaciosa tese de que a crisotila seria inofensiva à saúde humana, contava com apoio do governo canadense e coordenava um poderoso lobby, modelo que inspirou a criação do Instituto Brasileiro do Crisotila.”

“Sinaliza um passo importante para o fim da exploração e exportação do amianto pelo Canadá”, saúda Linda Reinstein, presidente da Asbestos Disease Awareness Organization (ADAO), ONG estadunidense que se dedica à conscientização das doenças do amianto. “Simboliza um futuro promissor para o esforço global de proteger a saúde pública.”

Para Pat Martin, membro do Parlamento canadense, ex-mineiro e crítico de longa do data da indústria do amianto, o fechamento do Instituto do Crisotila do Canadá é a sentença de morte da mineração do amianto naquele país.

Kathleen Ruff, ativista canadense dos direitos humanos e pelo banimento do amianto, fez questão de ir até o escritório do Instituto do Crisotila para se certificar de que a informação era verdadeira. As portas da sala 1.640 estavam fechadas; nem mensagem para deixar  recado na secretária eletrônica havia mais.

“O Instituto Crisotila pressionou o governo canadense para que ele continuasse financiando-o como fez durante 27 anos, do contrário, fecharia as portas”, conta Kathleen Ruff. “Devido à fortes críticas, o governo não cedeu. E, agora, uma alegria toma conta de todos aqueles que lutam para proteger as pessoas dos perigos do amianto.”

Laurie Kazan-Allen, editora do site e coordenadora do IbasInternational Ban Asbetos Secretariat (Secretariado Internacional do Banimento do Amianto) –, sediado em Londres, Inglaterra, ao comemorar a queda do Instituto Crisotila, põe o dedo na ferida:

“Mesmo depois de o amianto ter sido proibido em países industrializados, o seu consumo aumentou muito em todo o mundo em desenvolvimento. Isso aconteceu graças principalmente aos esforços e à contribuição financeira do Instituto do Crisotila do Canadá, que permitiu a criação de 12 entidades ao redor do mundo, para transmitir de forma mais eficaz a mensagem pró-amianto. Não por coincidência o uso do amianto continua na Índia, Tailândia, Brasil, Colômbia e México, países onde existem estas organizações”.

“Indubitavelmente, o império do amianto está desabando”, arremata Fernanda Giannasi. “Esperamos, agora, que se faça Justiça às vítimas do amianto e seus familiares.”

 

 

 

Dilma corre o risco de ter entrado numa armadilha, diz Maílson da Nóbrega“Todos são movidos pelo ambiente populista, inclusive o Ministro da Fazenda”, diz o ex-ministro



 

Mailson da Nóbrega

Para o ex-ministro, se os bancos lucram muito, caberia ao governo usar as instituições de defesa de concorrência para investigar se existe um cartel

São Paulo – Para Maílson da Nóbrega, ex-ministro da Fazenda, as recentes ações do governo para diminuir os juros dos bancos são populistas e a Dilma pode ter entrado em uma armadilha. “Nenhum governo do PT assumiu publicamente essa estratégia de atacar os bancos”, afirmou Maílson.


A armadilha está na hipótese de abaixar os juros dar errado “ou por causa da subida da taxa de inflação com um aumento insustentável do crédito ou por perda de rentabilidade por parte dos bancos públicos”, disse Maílson. Nesse cenário hipotético, seria necessário subir a inflação ou os juros, mas o interesse eleitoral “poderia falar mais alto”, segundo Maílson.  “Sabemos que hoje o Banco Central não tem a autonomia do passado. E (nesse cenário hipotético) poderiamos ingressar em um estado em que o governo começaria a tabelar preços”, disse. 

Maílson defendeu a rentabilidade atual dos bancos. Para ele, os bancos no Brasil tem um nível de rentabilidade muito semelhante ao das empresas brasileiras. “Não dá pra comparar com os bancos europeus, que agora tem como grande objetivo não quebrar, não é ganhar dinheiro”, disse. 

Para o ex-ministro, o lucro excessivo ocorre em mercados sem concorrência. Logo, se os bancos lucram muito, caberia ao governo usar as instituições de defesa de concorrência (como o Cade e o Banco Central, no caso dos bancos) para investigar se existe um cartel e tomar as medidas necessárias caso essa situação se comprove. 

“Com base em que um ministro de estado fala que os bancos podem diminuir sua rentabilidade? Todos são movidos pelo ambiente populista, inclusive o Ministro da Fazenda”, disse o ex-ministro. 

Maílson listou alguns fatores que justificam os juros altos no país, como a poupança baixa e a tradição de instabilidade econômica. “O Brasil é um dos únicos países que tributa transações financeiras”, disse. 

“Vários economistas no Brasil dizem que a taxa de juros do país tem que chegar a padrões internacionais. Concordo, se as condições no Brasil forem como as do mercado internacional”, disse Maílson da Nóbrega. O ex-ministro defende que o Brasil continue a fornecer meios para que os bancos emprestem a juros mais baixos. “Essas coisas tem que ser discutidas e não na base do grito”, defendeu
.

Para Maílson, a orientação do governo para que suas instituições financeiras cobrem taxas de juros mais baixas, forçando os particulares a cobrarem menos “é uma violência”. “Se um acionista majoritário determina que esse banco cobre abaixo do que deveria cobrar para produzir uma mudança no mercado, esse acionista faz uma transgressão perante a lei, e caberia uma ação do acionista minoritário na CVM”, afirmou, sobre o Banco do Brasil. Com juros mais baixos, os bancos privados poderiam exigir mais garantias para realizar empréstimos, enquanto a inadimplência nos bancos públicos poderia aumentar, segundo o ex-ministro. 

Com as recentes ações, Maílson acredita que a popularidade da Dilma vai subir. “Como subiu a da Cristina Kirchner na Argentina com a nacionalização da YPF. Ambas são ações populistas”, disse. 

Selic

Sobre as especulações de queda na taxa Selic – que atualmente está em 9% -  Maílson afirmou que até uma taxa de 3% seria viável, dependendo da relação entre o potencial de crescimento do país e a taxa de crescimento da economia. “Estamos crescendo muito próximo do potencial, se isso for verdade, uma taxa de juros de 7% não é sustentável no longo prazo”, disse. 

Maílson chefiou o ministério da Fazenda entre 1988 a 1990, após longa carreira no Banco do Brasil e no setor público. Atualmente é sócio da Tendências Consultoria. Maílson participou hoje do Congresso Consumidor Moderno de Crédito, Cobrança e Meios de Pgamento, em São Paulo.

  

 

Oswaldo Alves

O interessante é que a banca cálcula os Juros reais subtraindo a inflação da Selic, se a Inflação aumentar e a Selic baixar, vamos acabar com a farra dos juros antes do que imagina.

Dúvido oooooohhhh! que a inflação aumente!!!!

 

Follow the money, follow the power.

Bravo Nassif,


E o lobby do amianto vai de cachoeira abaixo...


Do Viomundo


http://www.viomundo.com.br/denuncias/operacao-monte-carlo-atinge-em-cheio-lobby-parlamentar-do-amianto-perillo-demostenes-e-lereia.html


Operação Monte Carlo atinge lobby parlamentar do amianto: Perillo, Demóstenes e Leréia

publicado em 8 de maio de 2012 às 11:13


Audiência com Gilmar Mendes,  no STF, intermediada por Marconi Perillo e  Demóstenes Torres. Da esquerda para a direita:  Perillo, Mendes, o deputado Carlos Leréia, o diretor-geral da SAMA Rubens Rela e Élio Martins, presidente do Grupo Eternit. Foto: Gervásio/SCO/STF


por Conceição Lemes


2012: O império do amianto está ruindo, a olhos vistos.


Em 13 de fevereiro, a Justiça italiana anunciou a condenação dos ex-proprietários da Eternit, o barão belga Jean-Louis de Cartier de Marchienne e o magnata suíço Stephan Schmidheiny, a 16 anos de prisão e ao pagamento de quase 100 milhões de euros.


Nem mesmo o informe publicitário publicado na ocasião pela Eternit do Brasil  nos principais veículos de comunicação (CartaCapital foi a única a recusar o anúncio), negando qualquer relação com a empresa incriminada, diminuiu o amargor da derrota.


Agora, o lobby do amianto sofre novos reveses. Indiretamente, a Operação Monte Carlo, da Polícia Federal (PF), atingiu em cheio o império do amianto. Seus mais ilustres e ferrenhos defensores no meio político brasileiro estão envolvidos com os esquemas do bicheiro Carlinhos Cachoeira.


São eles o senador Demóstenes Torres (DEM-GO, até 4 de abril), o deputado federal Carlos Alberto Leréia (PDSB-GO) e o governador Marconi Perillo (PSDB-GO).  Os três integram a “bancada da crisotila”. São parlamentares que, em troca de defender a fibra cancerígena no parlamento, recebem apoio financeiro da indústria amiantífera em suas campanhas. Crisotila, ou amianto branco, é o tipo existente e ainda permitido no País.


A primeira baixa, aliás, já ocorreu. Demóstenes Torres deixou a relatoria do projeto de lei 371/2011, do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que “dispõe sobre a proibição da extração, da importação, do transporte, do armazenamento e da industrialização do amianto”.


Outro revés: o Instituto Crisotila do Canadá anunciou oficialmente, em 28 de abril deste ano, o encerramento de suas atividades.  Durante quase três décadas, ele coordenou globalmente os esforços da indústria do amianto para promover o chamado “uso controlado da crisotila”. Uma tese enganosa de que a exploração do mineral, assim como a fabricação e a utilização de produtos, contendo suas fibras, seriam inofensivos à saúde humana. O instituto canadense foi copiado em todo o mundo. Aqui, deu origem ao Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC), sediado em Goiânia.


“São dois golpes mortais, que prenunciam o fim da produção da fibra assassina aqui”, observa a engenheira Fernanda Giannasi, auditora fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e coordenadora da Rede Virtual-Cidadã para o Banimento do Amianto para a América Latina. “É como diz o ditado popular ‘a Justiça tarda, mas não falha’.”


LOBBY PARLAMENTAR INTERMEDIA VISITA DE PRESIDENTE DA ETERNIT A GILMAR MENDES NO STF


A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, anualmente, 107 mil pessoas morrem em todo o mundo devido a doenças causadas pelo amianto ou asbesto – um reconhecido cancerígeno para os seres humanos.


“Todo tipo de amianto — inclusive a crisotila — é comprovadamente cancerígeno, e o seu uso controlado, uma ilusão total”, alerta o pneumologista Hermano Albuquerque de Castro, professor da Escola Nacional de Saúde Pública e pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana, da Fiocruz, no Rio de Janeiro. “No máximo, as indústrias conseguem reduzir a exposição dentro das fábricas. Não conseguem controlar depois que o produto sai e vai para o público. Isso é impossível.”


Apesar de essa advertência ser feita há mais de duas décadas, o governo brasileiro ignorou o problema. E mais. Nos últimos anos, perdeu diversas oportunidades de proibir o uso do amianto no território nacional.


Em boa parte devido ao poderoso lobby no Congresso Nacional, que sempre agiu com presteza para atender os interesses da indústria amiantífera.


Demonstração emblemática dessa força aconteceu em setembro de 2008. Havia indícios de que o Supremo Tribunal Federal (STF) iria julgar celeremente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4066, que pede a decretação da inconstitucionalidade do artigo 2º da Lei 9055/95; ela trata do “uso seguro e responsável do amianto”.


“A Lei 9055 é inconstitucional em função da lesividade de todo tipo de amianto à saúde humana”, diz o advogado Mauro Menezes, que, na ação, representa a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) e a Associação Brasileira dos Expostos ao Amianto (Abrea) “Ela não se compatibiliza com uma questão maior que está garantida na nossa Constituição, que é o direito à saúde e à vida.”


Pois bem, à época, o então senador Marconi Perillo e o colega Demóstenes Torres intermediaram encontro de representantes da Eternit com o ministro Gilmar Mendes (naquele momento, presidente do STF) para tratar do assunto.


Assim, no dia 30 de setembro de 2008, o presidente do Grupo Eternit, Élio Martins, o diretor-geral da SAMA, Rubens Rela Filho, Perillo e o deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB, GO) foram recebidos no STF por Gilmar Mendes.


O Grupo Eternit é o maior produtor de amianto e de artefatos de cimento-amianto do Brasil. A mineradora SAMA pertence a ele. É a responsável pela mina de Cana Brava, a única ainda em exploração no País; fica em Minaçu, norte de Goiás, a 500 quilômetros da capital Goiânia.


Leréia, proveniente de Minaçu, foi um dos maiores beneficiados pelas verbas da SAMA em sua campanha como deputado federal. Segundo matéria publicada na revista CartaCapital, de junho de 2005, recebeu sozinho 300 mil reais da mineradora.


Na agenda de Gilmar Mendes para o dia 30 constava apenas: 17h30 – Recebe em audiência os senadores Marconi Perillo (PSDB-GO) e Demóstenes Torres (DEM-GO)



Sobre o encontro, o site do STF noticiou: “O senador goiano Marconi Perillo (PSDB) esteve no início da noite desta terça-feira (30) com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, para entregar documentos contra o banimento do amianto crisotila no país. ‘Temos estudos científicos que foram preparados pelas principais universidades brasileiras que nos tranquilizam em relação à utilização do amianto sem qualquer mal à saúde’, afirmou.” Parêntese: o Viomundo denunciou em várias reportagens a falta de isenção dos pesquisadores de “tais estudos científicos”, financiados pelo próprio interessado em tais resultados.


O site do STF prosseguiu: “Segundo o senador, o objetivo dos documentos é ‘dar esclarecimentos e embasamento aos ministros do Supremo Tribunal Federal em relação à matéria’”.


Curiosamente, o nome do presidente do grupo Eternit, presente ao encontro, não constou da matéria publicada no site do STF.



Tampouco o nome de Élio Martins apareceu nas legendas das fotos divulgadas sobre a reunião. Nem mesmo na que apareceu cumprimentando Gilmar Mendes. Mencionaram-se apenas os nomes dos parlamentares.



Da esquerda para a direita: Élio Martins, presidente do Grupo Eternit; Rubens Rela Filho, diretor-geral da SAMA; deputado federal Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO); e ministro Gilmar Mendes, do STF, encobrindo o então senador Marconi Perillo (PSDB-GO). Foto: Gervásio/SCO/STF


“Na prática, a Operação Monte Carlo acertou o core do lobby do amianto no Brasil” reforça Fernanda Giannasi. “Da mesma forma, com certeza, o fechamento do Instituto Crisotila do Canadá terá repercussões no Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC) e nos demais institutos clones, que perdem seu mentor e grande financiador e apoiador.”


INSTITUTO DO CRISOTILA DO CANADÁ PROPAGANDEOU INFORMAÇÕES ENGANOSAS


O IBC (também chamado de Crisotila Brasil) foi criado à imagem e semelhança do Instituto Canadense do Crisotila (antes chamado Asbestos Institute).



Até no estilo de tentar silenciar os que denunciam os malefícios do amianto e as ações do lobby pró-fibra cancerígena são muito parecidos.


O IBC recorreu à Justiça contra Fernanda Giannasi, o procurador Antônio Carlos Cavalcante Rodrigues, do Ministério Público do Trabalho de Goiás (MPT-GO), que queria, entre outras ações, o fim das atividades do IBC, e o pneumologista, professor e pesquisador Hermano Albuquerque de Castro.


O Instituto Crisotila do Canadá teve o desplante de atuar fora de sua jurisdição. Em abril de 2001, o seu diretor, Denis Hamel, mandou uma carta ao então Ministro do Trabalho e Emprego do Brasil, Francisco Dornelles, pedindo para repreender e enquadrar a engenheira Fernanda Giannasi. Não conseguiu o seu intento.



No documentário A morte lenta pelo amianto, Hamel justifica a retaliação: “Ela [Fernanda Giannasi] dá declarações mentirosas, exageradas, que prejudicam enormemente os esforços da indústria”.


Consequentemente, o fechamento das portas do Instituto Crisotila do Canadá representa uma derrota importantíssima de um dos lobbies mais eficientes na promoção de produtos tóxicos no mundo, só comparável ao do tabaco.  Não é à toa que é festejado globalmente.


“Essa é mais uma auspiciosa notícia, que nos anima a multiplicar esforços para a concretização do banimento do amianto em nosso país, o quanto antes”, afirma o advogado Mauro Menezes. “Afinal, a entidade que tanto promoveu a falaciosa tese de que a crisotila seria inofensiva à saúde humana, contava com apoio do governo canadense e coordenava um poderoso lobby, modelo que inspirou a criação do Instituto Brasileiro do Crisotila.”


“Sinaliza um passo importante para o fim da exploração e exportação do amianto pelo Canadá”, saúda Linda Reinstein, presidente da Asbestos Disease Awareness Organization (ADAO), ONG estadunidense que se dedica à conscientização das doenças do amianto. “Simboliza um futuro promissor para o esforço global de proteger a saúde pública.”


Para Pat Martin, membro do Parlamento canadense, ex-mineiro e crítico de longa do data da indústria do amianto, o fechamento do Instituto do Crisotila do Canadá é a sentença de morte da mineração do amianto naquele país.


Kathleen Ruff, ativista canadense dos direitos humanos e pelo banimento do amianto, fez questão de ir até o escritório do Instituto do Crisotila para se certificar de que a informação era verdadeira. As portas da sala 1.640 estavam fechadas; nem mensagem para deixar  recado na secretária eletrônica havia mais.


“O Instituto Crisotila pressionou o governo canadense para que ele continuasse financiando-o como fez durante 27 anos, do contrário, fecharia as portas”, conta Kathleen Ruff. “Devido à fortes críticas, o governo não cedeu. E, agora, uma alegria toma conta de todos aqueles que lutam para proteger as pessoas dos perigos do amianto.”


Laurie Kazan-Allen, editora do site e coordenadora do IbasInternational Ban Asbetos Secretariat (Secretariado Internacional do Banimento do Amianto) –, sediado em Londres, Inglaterra, ao comemorar a queda do Instituto Crisotila, põe o dedo na ferida:


“Mesmo depois de o amianto ter sido proibido em países industrializados, o seu consumo aumentou muito em todo o mundo em desenvolvimento. Isso aconteceu graças principalmente aos esforços e à contribuição financeira do Instituto do Crisotila do Canadá, que permitiu a criação de 12 entidades ao redor do mundo, para transmitir de forma mais eficaz a mensagem pró-amianto. Não por coincidência o uso do amianto continua na Índia, Tailândia, Brasil, Colômbia e México, países onde existem estas organizações”.


“Indubitavelmente, o império do amianto está desabando”, arremata Fernanda Giannasi. “Esperamos, agora, que se faça Justiça às vítimas do amianto e seus familiares.”

 

Imprensa e mobilidade urbana em Recife

Caderno da Cidadania
Observatório da Imprensa
http://observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed693_imprensa_e_mobilidade_urbana_em_recife

em 08/05/2012 na edição 693

>>Exemplo 1 – “Ônibus vazios e carros parados” [manchete do Diário de Pernambuco, domingo (29/4/2012)

Vejo a foto e leio isto “ônibus vazios e carros parados” e quase choro de vergonha: a manchete correta não seria dizer (e deixar bem claro) que os carros da foto estão sempre vazios (ou ocupados por 1, no máximo por 2 pessoas)? Tanto nos horários de pico, quanto nos demais horários?

Esses, os carros, os automóveis são os donos da rua e os que atrapalham mais o trânsito (pois é bom lembrar que trânsito não se resume a transporte particular): os carros ocupam 72% do espaço da Av. Agamenon Magalhães! (Dados de acordo com uma auto-ridade-especialista num programa na TV-U recentemente).

Mas esta deformação da opinião pública não é de agora.


A guerra das Kombis lotações

Antecedente que para mim me foi marcante (em contraste com o que vivi, vi e vejo em Porto Alegre, de onde cheguei há poucas semanas, pra matar a saudade, e onde morei muito tempo, inclusive durante a intervenção pelo então prefeito Olívio Dutra e a conseqüente e quase milagrosa melhoria do serviço de ônibus na capital gaúcha, interven-ção sobre a qual a imprensa silencia, podemos imaginar por quê) foi A Santa Aliança.

A Santa Aliança:no passado governo Joao Paulo PT/Jarbas Vasconcelos/PMDB, toda a imprensa local: aquela verdadeira operação de guerra teve a inestimável ajuda, estí-mulo e destaque do Quarto Poder(como se chama a imprensa e seu entrelaçamento com os demais poderes, todos juntos na dominação e manipulação do povo, descontadas suas querelas intestinas): vergonhoso momento de parcialidade contra a válvula de escape que servia ao povo, as lotações, transportes alternativos, ação espetacular que serviu pra abrir mais espaços pros automóveis, o que era tão claro, tão previsível, e de que se-ria uma jogada de cena

[À época, e não comodamente a distância, deixou-se escapar uma colaboração escrita e enviada por um leitor enxerido a um dos três jornais locais (“Vida de gado nos ônibus do Recife: Até quando?”, em 7/9/2003, Folha de Pernambuco, talvez últimos instantes de surpreendente pluralidade e abertura da finada seção Cidadania, que ocupava às vezes duas páginas daquele jornal, que teve que sobreviver, é claro... e a que preço!)]

Motos e acidentes

Depois vieram outros bodes expiatórios: motos e motociclistas. (Digo bode expiatório porque assim me parecem diante do poder da indústria dos automóveis e das construtoras de estradas, ruas, avenidas, viadutos. E diante do coração mole dos poderes estabelecidos e de seus novatos que se revelaram à altura).

Mas fiquemos na imprensa livre, independente e ética, com sua liberdade de expressão garantida: em nenhuma dessas notas, reportagens e “debates” vejo maior espaço... para o contraditório, não vejo, não leio, nem ouço, nem assisto a estatísticas sobre quem é, em qual proporção é e são os responsáveis nos acidentes nos acidentes envolvendo motos e automóveis. Motos e ônibus. Motos e caminhões. Motos e pedestres. Satanizam-se as motos. Satanizam-se os mau educados e os imprudentes motoristas de... de... motos. E ponto.

A navegabilidade do Rio Capibaribe

E, agora, vêm essas medidas paliativas, é trem rápido, são viadutos, e, entre elas, o ace-no da navegabilidade do Rio Capibaribe (novamente, uma medida espetacular, a mania de grandeza e do autoengano provinciano – “Pernambuco falando para o mundo” – que não passa de projeto anunciado em véspera de eleição e cujo fracasso é muito previsível, mas enche o noticiário, as audiências públicas, e dá assunto à imprensa e aos demais poderes, vendendo ilusões e consciências leves, bem leves ( há um filme japonês, O Homem Mau Dorme Bem, de A. Kurosawa).

Na remota hipótese de sucesso, será não um sistema de barcos de transporte público, de deslocamento, mas sim de barcos turísticos, como já houve décadas atrás e atualmente há um catamarã turístico.

Mas sendo o rio ainda mais sujo, e sendo sujo a cada segundo, população ribeirinha miserável (cuja atenção deveria ser prioritária), mesmo se houver sucesso como verdadeiro transporte de deslocamento de massa, tais barcos seriam pra... deslocarem o povo, sim, o povão pra bem longe de nossas vias privadas, ou privatizadas, mais do que já o são.

E ainda criarem um fenômeno também mais do que previsível de assaltos dentro dos barcos, ou sendo abordados por barcos-piratas.

Aí, o fracasso anunciado teria seu fim, para a “surpresa” da propagandeada navegabilidade do Rio Capibaribe.

***
>>Exemplo 2: “Perigo no trânsito” [coluna “JC nas ruas“, Jornal do Commércio, 28/4/2012]

Na fotografia, a coluna enxerga maior perigo na carroça sem sinalização, num viaduto de alta velocidade, e não na péssima sinalização pintada no chão, nem na falta de muretas ou paredes para que , seja em avenidas, seja em viadutos, o perigo de acidentes seja minimizado ao máximo.

Na nota da coluna, não se pensa na miséria, na deficiente alimentação que provavelmen-te afetou a capacidade de atenção de carroceiros em nossa pobre Recife e Grande Recife, que catam, apanham, e carregam nosso lixo. Nem se pensa na extrema necessidade que faz perder a noção do perigo.

Na nota daquela coluna vemos uma inversão das coisas ou uma visão como se fosse um tipo de photoshop quanto à ideologia da colunista (ideologia que ela mesma nem percebe, se pegarmos emprestada a hipótese do inconsciente freudiano, ou, por outro caminho, a ideologia de uma sociedade sendo a ideologia da classe dominante).

Por sinal, o JC é useiro e vezeiro de propostas ou de denúncias em que a vítima é... o automóvel, e o perigo é o povo sem carro, o pedestre, o pedinte, o flanelinha, os artistas de rua nas encruzilhadas dos sinais de trânsito, já vi até nota de outra jornalista do JC apontando para a desiguldade de pessoas a morarem sob viadutos... sem pagarem aluguel. Um doce a quem adivinhar de onde partem pérolas como esta, uma pista: diz-se especialista em mobilidade urbana, eventualmente interina da coluna aqui citada, no jornal impresso).

Urbana

Para completar esse brevíssimo espanto, as reportagens nos diversos veículos de comunicação que abordem a mobilidade urbana e os problemas no trânsito são agraciadas pelo concorrido prêmio Urbana, criado nada mais, nada menos do que (pasmem) um acordo, ou, como preferem denominar, um convênio, uma parceria entre o Sindicato dos Jornalistas de Pernambuco e o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco...

Manchete domininical 1º página do Diário de Pernambuco
Uma das muitas pérolas do Jornal do Commércio de Recife seja em coluna, seja em seu Portal, seja em reportagem especial
 

"Lo que los hombres realmente quieren no es el conocimiento sino la certidumbre ". - Bertrand Russell (1872-1970); filósofo y matemático inglés. (citação num boletim do av. Panda )

Alguem consegue abrir o Fora de Pauta?  Quando abre pra mim eh so na primeira pagina e mesmo assim ta levando uns 10 minutos!

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Para não dizer que não temos oposição.

 

Entrar no FacebookRoberto Freire acredita em notícia falsa e vira motivo de piada

Uma gafe cometida por Roberto Freire fez com que #LulaSejaLouvado aparecesse nesta segunda-feira (07) nos trending topics do Twitter - assuntos mais comentados na rede social. O presidente nacional do PPS e deputado federal acreditou em uma piada publicada no site de humor G17, de que a presidenta Dilma teria ordenado a substituição da frase “Deus seja louvado” por “Lula seja louvado” nas cédulas de Real.
http://www.g17.com.br)" src="http://l.yimg.com/bt/api/res/1.2/m9nnFja9JPO7XcnHIWjs.g--/YXBwaWQ9eW5ld3M7cT04NTt3PTYzMA--/http://l.yimg.com/os/157/2012/05/07/cedula-real-630-jpg_200409.jpg" alt="" width="630">Reprodução/ G17 (http://www.g17.com.br)

Leia mais:
Facebook lança dois filtros retrô para um de seus aplicativos


Tudo começou com o seguinte tweet do deputado: “Isso é uma ignomínia! Dilma pede e B.C coloca em circulação notas com a frase "Lula seja louvado". Isso fez com que usuários de todo o Brasil reproduzissem o comentário tirando sarro do parlamentar.


"G17 devia fazer uma homenagem especial, ao novo patrono do site, esse gênio da oposição, Roberto Freire #LulaSejaLouvado”, escreveu Julian Rodrigues. Já Pagu_Vitoria tuitou: “Roberto Freire se expõe ao ridículo ao endossar trote”.

Freire reconheceu que tinha cometido um erro e pediu desculpas, mas o termo “Roberto Freire” já era o segundo mais comentado por brasileiros no Twitter.

 

O Editorial, mais cara de pau dos últimos anos!!

Enviado por Ricardo Noblat - 8.5.2012| 8h02m

PolíticaRoberto Civita não é Rupert Murdoch (Editorial)

 

O Globo

Blogs e veículos de imprensa chapa branca que atuam como linha auxiliar de setores radicais do PT desfecharam uma campanha organizada contra a revista "Veja", na esteira do escândalo Cachoeira/Demóstenes/Delta.

 

 

 

 A operação tem todas as características de retaliação pelas várias reportagens da revista das quais biografias de figuras estreladas do partido saíram manchadas, e de denúncias de esquemas de corrupção urdidos em Brasília por partidos da base aliada do governo.

É indisfarçável, ainda, a tentativa de atemorização da imprensa profissional como um todo, algo que esses mesmos setores radicais do PT têm tentado transformar em rotina nos últimos nove anos, sem sucesso, graças ao compromisso, antes do presidente Lula e agora da presidente Dilma Roussef, com a liberdade de expressão.

A manobra se baseia em fragmentos de grampos legais feitos pela Polícia Federal na investigação das atividades do bicheiro Carlinhos Cachoeira, pela qual se descobriu a verdadeira face do senador Demóstenes Torres, outrora bastião da moralidade, e, entre outros achados, ligações espúrias de Cachoeira com a construtora Delta.

As gravações registraram vários contatos entre o diretor da Sucursal de "Veja" em Brasília, Policarpo Jr, e Cachoeira. O bicheiro municiou a reportagem da revista com informações e material de vídeo/gravações sobre o baixo mundo da política, de que alguns políticos petistas e aliados fazem parte.

A constatação animou alas radicais do partido a dar o troco. O presidente petista, Rui Falcão, chegou a declarar formalmente que a CPI do Cachoeira iria "desmascarar o mensalão".

Aos poucos, os tais blogs começaram a soltar notas sobre uma suposta conspiração de "Veja" com o bicheiro. E, no fim de semana, reportagens de TV e na mídia impressa chapas brancas, devidamente replicados na internet, compararam Roberto Civita, da Abril, editora da revista, a Rupert Murdoch, o australiano-americano sob cerrada pressão na Inglaterra, devido aos crimes cometidos pelo seu jornal "News of the World", fechado pelo próprio Murdoch.

Comparar Civita a Murdoch é tosco exercício de má-fé, pois o jornal inglês invadiu, ele próprio, a privacidade alheia.

Quer-se produzir um escândalo de imprensa sobre um contato repórter-fonte. Cada organização jornalística tem códigos, em que as regras sobre este relacionamento — sem o qual não existe notícia — têm destaque, pela sua importância.

Como inexiste notícia passada de forma desinteressada, é preciso extremo cuidado principalmente no tratamento de informações vazadas por fontes no anonimato.

Até aqui, nenhuma das gravações divulgadas indica que o diretor de “Veja” estivesse a serviço do bicheiro, como afirmam os blogs, ou com ele trocasse favores espúrios. Ao contrário, numa das gravações, o bicheiro se irrita com o fato de municiar o jornalista com informações e dele nada receber em troca.

Estabelecem as Organizações Globo em um dos itens de seus Princípios Editoriais: "(...) é altamente recomendável que a relação com a fonte, por mais próxima que seja, não se transforme em relação de amizade. A lealdade do jornalista é com a notícia".

E em busca da notícia o repórter não pode escolher fontes. Mas as informações que vêm delas devem ser analisadas e confirmadas, antes da publicação. E nada pode ser oferecido em troca, com a óbvia exceção do anonimato, quando necessário.

O próprio braço sindical do PT, durante a CPI de PC/Collor, abasteceu a imprensa com informações vazadas ilegalmente, a partir da quebra do sigilo bancário e fiscal de PC e outros.

O "Washington Post" só pôde elucidar a invasão de um escritório democrata no conjunto Watergate porque um alto funcionário do FBI, o "Garganta Profunda", repassou a seus jornalistas, ilegalmente, informações sigilosas.

Só alguém de dentro do esquema do mensalão poderia denunciá-lo. Coube a Roberto Jefferson esta tarefa.

A questão é como processar as informações obtidas da fonte, a partir do interesse público que elas tenham. E não houve desmentidos das reportagens de "Veja" que irritaram alas do PT.

Ao contrário, a maior parte delas resultou em atitudes firmes da presidente Dilma Roussef, que demitiu ministros e funcionários, no que ficou conhecido no início do governo como uma faxina ética.

 

 

É especialmente interessante que O Globo tenha publicado esse editorial em defesa da Veja no tocante à ligação do jornalista Policarpo Jr. com sua “fonte”, Carlos Cachoeira. O texto deixa claro o comportamento corporativista, hipócrita e parcial do veículo de comunicação. O melhor de tudo é que dá oportunidade para que sejam mostradas as incoerências de um tipo de comportamento jornalístico que utiliza dois pesos e duas medidas a depender dos seus interesses econômicos e político-ideológicos.

Não posso negar que se trata de jogada ousada do jornal. Ainda mais sabendo que: 1) existem diversas gravações entre o jornalista Policarpo Jr. e membros da quadrilha que não vieram ainda à tona, 2) a alguns membros da quadrilha, poderá ser concedido o benefício da delação premiada (principalmente Jairo Martins e Dadá que forneceram informações para a Veja) e 3) os arapongas que prestaram informações para a Veja serão arguídos na CPI, que terá imenso interesse em esclarecer as relações da quadrilha com a revista.

Em um momento em que a velha mídia a cada dia perde mais credibilidade, essa defesa do modus operandi da Veja pode se transformar em um tiro no peito do jornalismo já tão criticado das Organizações Globo. Comecemos então a análise do editorial:

 

 

Blogs e veículos de imprensa chapa branca que atuam como linha auxiliar de setores radicais do PT desfecharam uma campanha organizada contra a revista "Veja", na esteira do escândalo Cachoeira/Demóstenes/Delta.

A operação tem todas as características de retaliação pelas várias reportagens da revista das quais biografias de figuras estreladas do partido saíram manchadas, e de denúncias de esquemas de corrupção urdidos em Brasília por partidos da base aliada do governo.

É indisfarçável, ainda, a tentativa de atemorização da imprensa profissional como um todo, algo que esses mesmos setores radicais do PT têm tentado transformar em rotina nos últimos nove anos, sem sucesso, graças ao compromisso, antes do presidente Lula e agora da presidente Dilma Roussef, com a liberdade de expressão.

Esses parágrafos tentam mostrar que tudo o que foi publicado pela blogosfera e imprensa “chapa branca” contra a Veja não passa de uma invenção e que é uma estratégia do PT difamar a publicação semanal. O que causa espanto é a falta de interesse jornalístico na investigação sobre a participação de uma parcela da imprensa nas atividades criminosas de Carlos Cachoeira. A mesma falta de interesse ocorreu na cobertura do envolvimento do governo Marconi Perillo e do próprio governador no esquema da quadrilha. Em contraposição houve muito interesse nos quatro dias de cobertura que o JN deu a um possível envolvimento do governador Agnelo no esquema Cachoeira. Após o vazamento do inquérito da operação Monte Carlo na internet, ficou claro que: a) o número 1 citado na gravação poderia ser Marconi Perillo e não Agnelo e 2) o governo do DF estava sendo achacado pelo bando do Cachoeira e a revista Veja estava publicando matérias de interesse da quadrilha. Nada disso, foi divulgado no JN ou em outro jornal da organização. Apenas o jornalista Ricardo Noblat, apresentou um artigo em seu blog dizendo que as coisas tinham se complicado mais para Marconi e melhorado para Agnelo.

O Globo assume uma posição de defesa intransigente da Veja ao invés da cautela que a situação requer. O editorial pode dizer que tudo não passa de uma invenção da blogosfera e de veículos de imprensa “chapa branca”, porém não podem contestar o conteúdo do inquérito da policial federal vazado na internet. No inquérito, para quem tiver um mínimo de curiosidade, poderá verificar as seguintes passagens que trazem as considerações da policial federal sobre a participação de jornalistas e de meios de comunicação no esquema:

“Por sua vez, CACHOEIRA utiliza de seu contato com POLICARPO para passar informações que obtém, que levam a reportagens na Revista Veja, que venham a favor de seus interesses políticos. Exemplo disso é a reportagem veiculada na página da Veja (vejaonline.com.br)”, em 02/07/2011, denunciando irregularidades envolvendo o DNIT, que teria sido o “estopim” da queda da cúpula do MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES”.

“... Além de toda essa rede de contatos, (Carlinhos Cachoeira) demonstra possuir influência direta ou indireta na imprensa, não só em seu Estado, mas também em mídias de âmbito nacional, com a REVISTA VEJA e o JORNAL CORREIO BRASILIENSE”

Outro ponto interessante é a parte do inquérito que relata a elaboração de uma matéria jornalística pelo jornalista Policarpo Jr. O texto diz que Policarpo estaria produzindo uma reportagem e que a filmagem no circuito interno do Hotel Naoum seria utilizada para reforçar a matéria. Nesse caso, fica claro que a filmagem teria sido realizada, após a demonstração de interesse em publicação de matéria jornalística. Ou seja, há indícios de que a arapongagem foi realizada por encomenda. Segue o texto:

“Em outro episódio, Jairo teria obtido filmagem do circuito interno de segurança do Hotel Naoum e repassado a Policarpo, que utilizaria para reforçar uma reportagem envolvendo o Ex-Ministro José Dirceu”. A liberação da filmagem para ser utilizada na reportagem foi dada por Cachoeira ... ”.

Outro ponto que reforça essa tese é uma gravação de conversa entre Jairo e Cachoeira. Nessa conversa Jairo diz: “... É, (Policarpo) diz que tem uma puta de uma matéria, né? Pra daqui a duas semanas, que naquele período que ele me pediu, o cara recebeu 25 pessoas lá, sendo que 5 pessoas assim importantíssimas, mas para sustentar a matéria dele, ele tem que usar as imagens, entendeu? ....”

 

 

A manobra se baseia em fragmentos de grampos legais feitos pela Polícia Federal na investigação das atividades do bicheiro Carlinhos Cachoeira, pela qual se descobriu a verdadeira face do senador Demóstenes Torres, outrora bastião da moralidade, e, entre outros achados, ligações espúrias de Cachoeira com a construtora Delta.

Novamente a tentativa manjada de dirigir o foco para Cachoeira e a construtora Delta. Engraçado que os próprios membros da velha mídia dizem que o PT e os partidos aliados querem reduzir e dirigir o foco das investigações. Mesmo tendo o relator e o presidente da CPMI dito que a investigação será geral e que todos os envolvidos serão investigados. A velha mídia não quer que as relações do esquema com jornalistas sejam investigadas e como sempre utilizarão o pretexto de que estão querendo cercear a liberdade de imprensa.

 

 

As gravações registraram vários contatos entre o diretor da Sucursal de "Veja" em Brasília, Policarpo Jr, e Cachoeira. O bicheiro municiou a reportagem da revista com informações e material de vídeo/gravações sobre o baixo mundo da política, de que alguns políticos petistas e aliados fazem parte.

A constatação animou alas radicais do partido a dar o troco. O presidente petista, Rui Falcão, chegou a declarar formalmente que a CPI do Cachoeira iria "desmascarar o mensalão".

Aos poucos, os tais blogs começaram a soltar notas sobre uma suposta conspiração de "Veja" com o bicheiro. E, no fim de semana, reportagens de TV e na mídia impressa chapas brancas, devidamente replicados na internet, compararam Roberto Civita, da Abril, editora da revista, a Rupert Murdoch, o australiano-americano sob cerrada pressão na Inglaterra, devido aos crimes cometidos pelo seu jornal "News of the World", fechado pelo próprio Murdoch.

Os blogs prestaram um grande serviço à sociedade. Poucas horas depois do vazamento do inquérito da operação Monte Carlo, um conjunto imenso de informações já tinham sido tratadas e disponibilizadas. Muitas dessas informações até hoje não foram veiculadas pelos grandes jornais, pois neles existe uma filtragem de assuntos a serem publicados. Aquilo que é de interesse público depende sempre da visão e dos interesses dos barões da mídia.

 

 

Comparar Civita a Murdoch é tosco exercício de má-fé, pois o jornal inglês invadiu, ele próprio, a privacidade alheia.

E a privacidade do Sr. José Dirceu? Tudo indica que Policarpo encomendou os serviços do araponga Jairo Martins para produção do vídeo do hotel Naoum. E o que dizer das duas tentativas de invasão do quarto do ex-ministro pelo repórter da Veja Gustavo Ribeiro. Outra questão que gera curiosidade: qual é a diferença de um jornal que realiza grampos ilegais para uma revista que se utiliza de criminosos para produção de grampos ilegais? Para O Globo existe uma imensa diferença. No primeiro caso é um crime. No segunda caso é jornalismo investigativo de primeira.

 

 

Quer-se produzir um escândalo de imprensa sobre um contato repórter-fonte. Cada organização jornalística tem códigos, em que as regras sobre este relacionamento — sem o qual não existe notícia — têm destaque, pela sua importância.

Como inexiste notícia passada de forma desinteressada, é preciso extremo cuidado principalmente no tratamento de informações vazadas por fontes no anonimato.

Será que não passa pela cabeça de O Globo que alguma regra sobre o relacionamento repórter-fonte foi quebrada. Por que assumem que tudo foi realizado na mais perfeita lisura, ética e profissionalismo? Por que assumem que não houve prática de crime? Não seria caso aprofundar uma investigação jornalística sobre esse caso?

 

 

Até aqui, nenhuma das gravações divulgadas indica que o diretor de “Veja” estivesse a serviço do bicheiro, como afirmam os blogs, ou com ele trocasse favores espúrios. Ao contrário, numa das gravações, o bicheiro se irrita com o fato de municiar o jornalista com informações e dele nada receber em troca.

Aqui é o caso claro de hipocrisia e incoerência. Na parte anterior do texto critica a utilização de fragmentos de conversas no sentido apontar a participação de repórter da Veja e da própria revista no esquema Cachoeira. E nesse ponto utiliza o mesmo critério que critica. Pinça uma frase contida em uma conversa entre Jairo e Cachoeira (“... o Policarpo nunca será nosso”). O pior é que na mesma gravação há indícios que apontam uma possível troca futura de favores entre Policarpo e Cachoeira. Seria a publicação de uma matéria envolvendo a área de educação. Em artigo publicado pelo Nassif, foi apresentada uma matéria da Veja sobre o modelo chinês de educação. Essa matéria mostrava o tipo de construção utilizada em escolas chinesas. Além disso, foi divulgado que a secretaria de educação de Goiás teria passado a Cachoeira informações sobre uma licitação para aluguel de prédios para escolas, seguindo o modelo chinês;

 

 

Estabelecem as Organizações Globo em um dos itens de seus Princípios Editoriais: "(...) é altamente recomendável que a relação com a fonte, por mais próxima que seja, não se transforme em relação de amizade. A lealdade do jornalista é com a notícia".

E em busca da notícia o repórter não pode escolher fontes. Mas as informações que vêm delas devem ser analisadas e confirmadas, antes da publicação. E nada pode ser oferecido em troca, com a óbvia exceção do anonimato, quando necessário.

O próprio braço sindical do PT, durante a CPI de PC/Collor, abasteceu a imprensa com informações vazadas ilegalmente, a partir da quebra do sigilo bancário e fiscal de PC e outros.

O "Washington Post" só pôde elucidar a invasão de um escritório democrata no conjunto Watergate porque um alto funcionário do FBI, o "Garganta Profunda", repassou a seus jornalistas, ilegalmente, informações sigilosas.

Só alguém de dentro do esquema do mensalão poderia denunciá-lo. Coube a Roberto Jefferson esta tarefa.

A questão é como processar as informações obtidas da fonte, a partir do interesse público que elas tenham. E não houve desmentidos das reportagens de "Veja" que irritaram alas do PT.

Ao contrário, a maior parte delas resultou em atitudes firmes da presidente Dilma Roussef, que demitiu ministros e funcionários, no que ficou conhecido no início do governo como uma faxina ética.

O que o jornal deveria fazer e não fez é comparar caso a caso o comportamento dos jornalistas e as situações que cita como sendo relações “saudáveis” entre fonte e jornalista. Parece defender a máxima: os fins justicam os meios. A relação de Policarpo com Cachoeira não é uma coisa nova, parece ter pelo menos 7 anos. Não caberia ao O Globo se perguntar:

1) Se as reportagens da Veja cumpriram todas as regras dos princípios editoriais da revista ou da ética jornalística?

2) Se houve, por parte da revista, conivência na prática de algum crime ou incentivo ao aumento de poder da organização criminosa? Ainda mais quando há muitas suspeitas relacionadas à participação de membros da quadrilha na elaboração de pautas e conteúdos de várias matérias estampadas na revista.

 

Sob risco de dar uma de Roberto Freire, transcrevo a coluna de Hélio Schwartsman hoje, na FSP. Se isso não for uma ironia acho que é caso para internação do articulista.

 

Mercado de órgãos

 

SÃO PAULO - O "Equilíbrio" de hoje mostra a dificuldade que é conseguir uma doação de óvulo no Brasil. O problema tem uma solução simples, óbvia e quase certamente eficaz -modificar a lei para permitir que a doadora seja paga-, mas que, por uma mistura de hipocrisia com intuições morais difíceis de justificar racionalmente, preferimos ignorar.

 

Ora, se o médico e a sua equipe podem ser remunerados quando fazem um procedimento de fertilização "in vitro", se a clínica, os laboratórios e as farmácias também ganham, por que só o doador deve ser excluído dos lucros? Se é o altruísmo que deve animar o processo, por que não aplicá-lo a todas as partes envolvidas?

 

E, já que sujeira pouca é bobagem, não vejo motivo para pararmos nos óvulos. Deveríamos autorizar também a comercialização de rins e partes do fígado, além de pagar às famílias de acidentados em morte cerebral que autorizem a retirada de seus órgãos, assim como o SUS já remunera o hospital que faz o procedimento.

 

É claro que o mercado precisaria ser regulado com cuidado, para evitar o risco de apenas pessoas ricas conseguirem o transplante. Mas isso é perfeitamente factível. Um exemplo: não precisamos "privatizar" todo o sistema. Admitir doações intervivos mediante pagamento não implica pôr fim à atual rotina pela qual os órgãos de cadáveres são distribuí-dos por meio de uma lista pública.

 

Outra objeção frequente é a de que uma pessoa com dificuldades econômicas se veria compelida a vender uma parte de si mesma, no que configuraria uma espécie de extorsão orgânica. Falácia. Muita gente passa por constrangimentos financeiros, mas não sai por aí roubando, se prostituindo

 

Gasto com juros pode cair para 4,6% do PIB
Autor(es): Por Chico Santos, Edna Simão e Ribamar Oliveira | Do Rio e de Brasília...Valor Econômico - 08/05/2012...(clipping Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão )
 
A queda da taxa Selic para 8,5% este ano, como já projeta o mercado financeiro de acordo com o boletim Focus, resultará em uma economia no pagamento de juros de cerca de R$ 28 bilhões em comparação com a despesa registrada em 2011, de acordo com estimativa feita por fontes do governo. A redução das despesas com juros seria equivalente a 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) projetado para 2012. A estimativa do governo é de que cada ponto percentual de queda da Selic, mantida por doze meses, representa uma redução da despesa com o pagamento de juros de R$ 10,4 bilhões.

Os cálculos feitos por analistas do mercado são parecidos. A Tendência Consultoria, por exemplo, projeta uma economia com juros este ano de cerca de R$ 30 bilhões. Segundo a consultoria, o Brasil vai gastar R$ 206,8 bilhões com o serviço da dívida pública, valor abaixo do R$ 236,7 bilhões em 2011. Em termos reais, descontando a inflação, a economia será ainda maior, de R$ 43 bilhões, pois a valores de 2012, o gasto do ano passado teria sido de R$ 249,7 bilhões. "O efeito (da queda da Selic) é benéfico, ao menos no curto prazo", ressalta Felipe Salto, economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e analista da Tendências. Ele considerou na conta uma taxa média Selic de 8,9%. Se a estimativa estiver correta, o valor cairá para 4,6% do PIB, o menor dos últimos onze anos, pelo menos.

As fontes do governo alertaram, no entanto, que o pagamento de juros pelo setor público é uma despesa financeira, que não é considerada no cálculo do superávit primário. Assim, a queda da Selic, por si só, não abre espaço fiscal para maiores gastos de custeio ou de investimento, que são despesas primárias. Para que isso ocorra, o governo precisaria reduzir o superávit primário previsto para 2012.

Embora não abra espaço fiscal imediato para novos gastos, a queda da Selic ajuda a reduzir mais rapidamente a dívida líquida como proporção do PIB, que está atualmente em 36.6% do PIB. A presidente Dilma Rousseff disse, durante a campanha, que pretende concluir o seu mandato com taxa de juro real de 2% ao ano e dívida líquida em 30% do PIB. Fontes do governo acham que depois que a dívida líquida chegar a esse patamar será possível definir um superávit primário menor, que seja suficiente apenas para manter a dívida líquida constante em relação ao PIB.
A diminuição da despesa com juros permite também ao setor público zerar o seu déficit nominal com maior rapidez. O resultado nominal considera todas as despesas do setor público, incluindo o pagamento dos juros. Em 2011, o déficit nominal do setor público ficou em 2,61% do PIB.

Felipe Salto destaca que o ganho obtido no pagamento de juros da dívida pública é elevado apesar de a parcela dessa dívida atrelada à Selic, composta pelas Letras Financeiras do Tesouro (LFTs), ser hoje muito menor do que era em passado recente. Segundo seus dados, em 1999 esses títulos pós-fixados respondiam por de 62% a 63% do total da dívida pública federal brasileira. Hoje, eles representam apenas de 26% a 27% do total. O economista conta também que, graças aos efeitos benéficos dos juros baixos, o déficit nominal das contas públicas brasileiras medido em 12 meses está em trajetória cadente, tendo fechado março em 2,42% do PIB e devendo chegar a dezembro em 1,5% ou 1,6% do PIB.

O analista da Tendências explica que, embora a redução da dívida em LFT seja positiva do ponto de vista fiscal, tanto que o governo chegou a proibir os fundos do setor público de comprarem títulos indexados à Selic, a trajetória dessa redução não foi ainda mais aguda por pelo menos duas razões: uma é que em determinado momento o governo optou por acumular reservas cambiais, segurando a apreciação do real. Nesse processo, ele precisa colocar títulos no mercado para retirar de circulação os reais usados na compra de dólares (esterilização). Além disso, avalia que se a redução das LFTs não for fruto de melhorias estruturais da economia do país, o mercado pode exigir juros mais altos para aceitar outros papéis do governo.

O ex-diretor do Banco Central (BC) e hoje chefe da Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio (CNC) Carlos Thadeu de Freitas vê três ganhos imediatos decorrentes da queda da Selic: a redução da dívida pública pós-fixada (LFTs), da dívida pré-fixada, uma vez que o governo está pagamento menos para rolar essa fatia, e também da dívida em dólares, considerando que o Brasil é credor da moeda americana e que sai ganhando quando essa moeda passa a valer mais. A apreciação do dólar, na leitura de Freitas, tem na queda da Selic uma das suas razões.

Em uma segunda etapa, o ex-diretor do BC entende que o teste será saber se o governo vai conseguir manter a Selic sem oscilações bruscas que venham a desfazer as conquistas do presente. Para ele, no longo prazo, o aprofundamento dos investimentos e das reformas estruturais serão imprescindíveis.

 

2014---distribuição de renda

Com a Selic negativa a dívida impagável vira pagável, mas será postergada, para ficar mais barata.

Dinheiro é dinheiro, não importa a rúbrica contábil que o conte.

 

Follow the money, follow the power.

O ministro Marco Aurélio Mello mandou pôr nas ruas 22 dos principais bicheiros do Rio de Janeiro. Uma goiabada cascão para quem adivinhar qual o próximo bicheiuro a ser solto pelo STF e, de quebra, um queijo minas padrão para quem adivinhar quando.

Segunda-feira, 07 de maio de 2012

Liminar afasta prisão decretada em desacordo com decisão da 1ª Turma

 

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, deferiu medida cautelar na Reclamação (Rcl) 13424, ajuizada pela defesa de Aílton Guimarães Jorge e Júlio César Guimarães Sobreira, e determinou a expedição de alvarás de soltura em benefício dos dois. O fundamento da decisão foi o fato de que a ordem de prisão preventiva não observou decisão da Primeira Turma do STF no julgamento, em 2007, do Habeas Corpus (HC) 91723, de relatoria do próprio ministro Marco Aurélio.

Aílton Guimarães Jorge, conhecido como “Capitão Guimarães”, foi condenado em março deste ano a 48 anos de reclusão, e Júlio César a 18 anos. Segundo a sentença da 6ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, que decretou a prisão preventiva de ambos e de outros corréus, Capitão Guimarães, juntamente com Aniz Abrahão David e Antônio Petrus Kalil, conhecido como “Turcão”, seria o chefe de uma organização criminosa de exploração de jogos ilegais. Júlio Guimarães, por sua vez, além de explorar pontos de bicho, foi condenado como responsável pela administração de escritórios da quadrilha.

Na decisão monocrática, o ministro Marco Aurélio remeteu-se ao julgamento pela Primeira Turma do HC 91723, que confirmou liminar concedida a 20 pessoas presas em decorrência de investigações realizadas pela Polícia Federal – e que resultou na sentença da 6ª Vara Federal Criminal do RJ. Na ocasião, ele assinalou que o decreto de prisão não estava devidamente fundamentado, e o histórico sobre práticas criminosas e a gravidade dos crimes não eram suficientes para respaldar a ordem. O HC 91723 foi impetrado pela defesa de Turcão e estendido, com base no artigo 580 do Código de Processo Penal, aos então acusados – que, ressalta o relator, “nesta condição ainda permanecem ante a ausência de culpa selada”.

A determinação de expedição de alvará de soltura deve ser cumprida “com as cautelas próprias”, caso os presos não estejam recolhidos por outro motivo, e se estende, em virtude da previsão do artigo 580 do CPP, aos demais favorecidos, que deverão ser advertidos da necessidade de permanecerem no distrito da culpa.

http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=206769

 

Sob risco de dar uma de Roberto Freire, reproduzo a coluna de hoje do Hélio Schwartsman, na FSP. Se o rapaz estiver falando sério, acho que é caso para internação.

Mercado de órgãos

SÃO PAULO - O "Equilíbrio" de hoje mostra a dificuldade que é conseguir uma doação de óvulo no Brasil. O problema tem uma solução simples, óbvia e quase certamente eficaz -modificar a lei para permitir que a doadora seja paga-, mas que, por uma mistura de hipocrisia com intuições morais difíceis de justificar racionalmente, preferimos ignorar.

Ora, se o médico e a sua equipe podem ser remunerados quando fazem um procedimento de fertilização "in vitro", se a clínica, os laboratórios e as farmácias também ganham, por que só o doador deve ser excluído dos lucros? Se é o altruísmo que deve animar o processo, por que não aplicá-lo a todas as partes envolvidas?

E, já que sujeira pouca é bobagem, não vejo motivo para pararmos nos óvulos. Deveríamos autorizar também a comercialização de rins e partes do fígado, além de pagar às famílias de acidentados em morte cerebral que autorizem a retirada de seus órgãos, assim como o SUS já remunera o hospital que faz o procedimento.

É claro que o mercado precisaria ser regulado com cuidado, para evitar o risco de apenas pessoas ricas conseguirem o transplante. Mas isso é perfeitamente factível. Um exemplo: não precisamos "privatizar" todo o sistema. Admitir doações intervivos mediante pagamento não implica pôr fim à atual rotina pela qual os órgãos de cadáveres são distribuí-dos por meio de uma lista pública.

Outra objeção frequente é a de que uma pessoa com dificuldades econômicas se veria compelida a vender uma parte de si mesma, no que configuraria uma espécie de extorsão orgânica. Falácia. Muita gente passa por constrangimentos financeiros, mas não sai por aí roubando, se prostituindo ou vendendo pedaços do corpo no mercado negro.

Ainda que muitos ficassem tentados a vender rins, não vejo por que tirar-lhes o direito de decidir por si mesmos, o que, de resto, teria como subproduto a melhora da qualidade de vida de milhares de pacientes.

 

Quem manda em Lula? Segundo a coluna Painél da Folha, Emilio Odebrececht manda.

PAINEL

VERA MAGALHÃES 

Concreto armado

A CPI do Cachoeira levou desconforto às empreiteiras, que se ressentem de voltar à berlinda depois de ficar estigmatizadas como fonte de corrupção em escândalos anteriores, como o dos anões do Orçamento, nos anos 90, e a Operação Castelo de Areia da Polícia Federal, de 2009, que depois foi sustada pela Justiça.
Um dos expoentes do setor, Emílio Odebrecht, deixou clara a contrariedade em conversa reservada com o ex-presidente Lula, recentemente. O empresário disse que temia que, ao apoiar a CPI, Lula tivesse cometido seu primeiro erro político. Lula a princípio contra-argumentou, mas, depois de escutar bastante, silenciou.

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/41593-painel.shtml

 

Palavras podem ser como minúsculas doses de arsênico.

08/05/2012 - 5:05 - No UOLSTF manda soltar nata do jogo do bicho carioca 

 

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, determinou que sejam postos em liberdade o bicheiro carioca Aílton Guimarães Jorge, conhecido como Capitão Guimarães, e o sobrinho dele, Júlio César Guimarães Sobreira. A decisão foi noticiada no site do tribunal, na noite passada.

A dupla fora condenada em março pela juíza Ana Paula Vieira de Carvalho, titular da 6ª Vara Federal Criminal do Rio –48 anos de prisão para o Capitão Guimarães e 18 anos de reclusão para o sobrinho.

Na mesma sentença, a magistrada condenara outras 21 pessoas envolvidas na exploração da jogatina ilegal. Entre elas os bicheiros Aniz Abrahão David e Antônio Petrus Kalil, o “Turcão”.

Em seu despacho, Marco Aurélio anotou que a ordem de expedição de alvará de soltura em favor de Capitão Guimarães e do sobrinho Júlio se estende aos demais acusados. A decisão do ministro é liminar (provisória). Até que o plenário do STF se pronuncie, a cúpula do jogo carioca responderá ao processo em liberdade.

A sentença da juíza Ana Paulo representou o desfecho, na primeira instância do Judiciário, de um processo nascido da Operação Furação, deflagrada pela Polícia Federal em abril de 2007.

No curso das investigações, sob supervisão do Ministério Público Federal, a PF desbaratou um esquema que envolvia a venda de sentenças judiciais a uma quadrilha de bicheiros ligados à chmada máfia dos caça-níqueis –a mesma atividade a que se dedica, no Centro-Oeste, o contraventor Carlinhos Cachoeira.

A decisão de Marco Aurélio foi provocada por um recurso do advogado Nélio Machado, defensor do Capitão Guimarães e seu sobrinho. Alegou-se na petição, protocolada logo depois da sentença condenatória de março, que as ordens de prisão da juíza Ana Paula afrontaram uma decisão tomada pelo STF em 2007.

Em 4 de julho daquele ano, o mesmo Marco Aurélio deferira um pedido de habeas corpus em favor Antônio Petrus Kalil, o “Turcão”. A exemplo do que fez agora, o ministro estendera a liberação às duas dezenas de presos da Operação Furacão. Alegara que a gravidade dos delitos, não bastava para justificar as detenções.

“Graves ou não os crimes, o enquadramento realizado antes da prova, antes da culpa formada, não é conducente à prisão preventiva”, escrevera Marco Aurélio em 2007. Três anos depois, em junho de 2010, a liminar foi confirmada, por maioria de votos (3 a 2), pela 1ª Turma do STF.

Seguiram o voto de Marco Aurélio os ministros Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. Ficaram vencidos Carlos Ayres Britto e Cármen Lúcia, que entendiam que apenas “Tucão”, às voltas com graves problemas de saúde, deveria ter sido solto.

Agora, a despeito da condenação imposta pela magistrada Ana Paula, o advogado Nélio Machado argumentou junto ao Supremo que a liminar de 2007 foi violada. Por quê? A sentença é de primeiro grau. Ainda cabe recurso.

Na letra fria da lei, os réus ainda dispõem do benefício da dúvida. Enquanto não forem condenados em última instância, são presumivelmente inocentes. Marco Aurélio deu razão ao advogado.

Para o ministro, como o processo ainda não transitou em julgado, prevalece o mesmo quadro de 2007, quando os réus eram considerados como meros acusados. “Nesta condição ainda permanecem, ante a ausência de culpa selada”, escreveu Marco Aurélio no novo despacho.

O ministro determinou que a liberação dos presos seja feita “com as cautelas próprias.” Deverão, por exemplo, ser avisados de que terão de permanecer “no distrito de culpa”. No português das ruas: não poderão se ausentar do Rio de Janeiro sem autorização da Justiça.

A fina flor da contravenção carioca ganha o meio-fio num instante em que se discute, no STJ, um pedido de habeas corpus ajuizado por Márcio Thomaz Bastos em favor de Carlinhos Cachoeira. Ali, o relator é o ministro Gilson Dipp. Já indeferiu uma liminar. Prepara-se para julgar o mérito.

Nesta segunda (7), em parecer enviado a Dipp, a Procuradoria-Geral da República recomendou que a cana de Cachoeira, que já dura 68 dias, seja mantida. Cabe a pergunta: se a condenação em primeira instância não foi suficiente para segurar os bicheiros do Rio no xilindró,  como argumentar que o colega goiano, por ora um mero indiciado, deve continuar hospedado na penitenciária brasiliense da Papuda? Já se pode sentir o cheiro de habeas corpus.

 

 

 

 

Indignados da Espanha pedem apoio político do Brasil


Integrantes do movimento apostam na interlocução com agentes públicos do país para fortalecer a organização, vista por governos e por parte da população como um grupo de protesto sem objetivos concretos. "Nas suas reuniões pelo mundo, quando ouvirem que o 15M não tem propostas, indiquem a leitura da nossa Demanda de Mínimos que está na internet", sugeriram ativistas ao governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, em Madri. A reportagem é de Naira Hofmeister, direto de Madri.

Madri - Eles não se sentem representados por partidos políticos e questionam até a atuação de sindicatos, mas viram em experiências de participação popular desenvolvidas pelo governo do Rio Grande do Sul elementos comuns a suas demandas. São Os Indignados, que questionam a agenda política que atende aos interesses de 1% da população ligada ao capital financeiro em detrimento dos outros 99%.

A crítica ao sistema foi exposta publicamente nas ruas da Espanha a partir de maio de 2011 e ganhou repercussão com os acampamentos em praça pública que inspiraram atos semelhantes em todas as partes do mundo.

Em Madri, onde manteve uma agenda política e econômica no primeiro final de semana de maio, o governador Tarso Genro se encontrou com integrantes do movimento - eles não admitem ser chamados de líderes, porque defendem uma organização horizontal.

O que era para ser uma troca de ideias, na qual Tarso se dispunha a ouvir críticas à estrutura tradicional dos partidos e outras bandeiras do grupo, se transformou em um convênio informal entre o governo do Estado e o 15M (o movimento também é chamado assim em alusão à sua data de fundação, 15 de maio). E em um ato de desagravo aos Indignados.

“Acampar se tornou ilegal na Espanha, a imprensa nos criminaliza, a polícia nos persegue. Precisamos de pronunciamentos em nível internacional para suportar isso. Queremos apenas falar dos problemas da sociedade e de como ela poderia ser”, explicou Javier Toret, um jovem catalão que participou da montagem da rede digital de descontentes que disparou a campanha “Toma as ruas” e que originou o 15M.

Ocorre que em razão da heterogeneidade de manifestantes e bandeiras, a força política do grupo - que calcula ter mobilizado 8 milhões de pessoas em toda a Espanha nos três primeiros meses de atuação - se diluiu um pouco. “Temos capacidade de construir uma alternativa, mas para isso precisamos de interlocutores em governos e na sociedade civil”, avaliou Raúl Sanchez, que ciceroneou o governador Tarso Genro pelo centro cultural comunitário La Tabacalera, onde ocorreu o encontro.

Os Indignados salientaram a importância de ter apoio internacional e formar uma rede de cidadania global diante das pressões que vêm sofrendo na Europa: eles temem, inclusive, uma repressão violenta no próximo 12 de maio, quando ocorrerá um grande ato em diversas cidades espanholas para marcar um ano do movimento. “Se tivermos esse tipo de problema, é muito importante divulgar em outros países”, exemplificou Toret.

“Também queríamos pedir que nas suas reuniões, quando ouvirem que o 15M não tem propostas, indiquem a leitura de Demanda de Mínimos que está na internet. São meia dúzia de documentos e estão direcionados tantos a socialistas como à classe média”, complementou a ativista Simona Levi.

Tarso se mostrou simpático à provocação democrática que o movimento propõe, mas não deixou de fazer observações críticas. “Quando vocês tomaram a praça para dizer '¡No nos representan!', foram notícia em todo o mundo, mas depois desapareceram porque propõem a radicalização do Estado de Direito. Como os argentinos, quando em 2001 saíram às ruas para pedir '¡Que se vayan todos!' – o problema é que se sai a política, ela é substituída pela burocracia e pelo capital, avaliou o governador.

Movimento quer aproveitar modelo de participação popular
O governador gaúcho Tarso Genro se comprometeu a enviar para Os Indignados documentos que embasaram a construção do chamado Sistema de Participação Popular no Rio Grande do Sul. Trata-se de um conjunto de ferramentas que une desde a experiência do Orçamento Participativo, que dá às comunidades o poder de decidir prioridades nos gastos públicos em assembleias presenciais, até a Consulta Popular, no qual a população elege um projeto através de uma votação nas urnas e na internet.

Outro processo que integra o sistema chamou a atenção dos Indignados: o Gabinete Digital, com projetos como O Governador Pergunta e O Governador Responde, no qual dialoga virtualmente com a população, ou a Agenda Colaborativa, que recebe sugestões de pauta dos cidadãos via web.

“É preciso organizar um controle público sobre o Estado, implementar mecanismos de transparência e democratização da gestão para reduzir a força normativa do capital financeiro sobre os governos”, avaliou o chefe do executivo do Rio Grande do Sul.

Tarso ainda se comprometeu a encaminhar ao grupo relatórios sobre o Marco Civil da internet brasileira, texto que estabelece os princípios de uso da rede no país e que foi redigido quando ele era ministro da Justiça. Atualmente tramita no Congresso Nacional.

“Aqui na Europa se tende a restringir ao máximo o uso da internet. Estamos patrocinando apresentações para explicar aos eurodeputados que a rede é uma ferramenta para a democracia”, lamentou Simona.

O grupo se interessou ainda em receber informações sobre os projetos de economia solidária desenvolvidos no Brasil e no Rio Grande do Sul.

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20101&boletim_id=1184&componente_id=18993

 

Greve de fome de 1,6 mil presos palestinos continua

A greve de fome de pelo menos 1,6 mil presos palestinos em prisões israelenses continua e dez deles estão hospitalizados por conta de sua frágil situação. Segundo a Anistia Internacional, dois dos dez detentos hospitalizados correm risco de morte já que estão há 67 dias sem comer.

De acordo com a associação de defesa de prisioneiros palestinos Adamir, no entanto, o número de presos que aderiram à greve de fome chega a dois mil.

Já a ONG palestina de direitos humanos Al-Haq corrige esse número para 2,6 mil. De acordo com a porta-voz do serviço penitenciário israelense, Sivan Weizman, mais de 4,6 mil palestinos se encontram detidos nas prisões israelenses.

Entre os presos hospitalizados, está o líder da Frente Popular para a Libertação da Palestina, Ahmed Saadat, que tem cerca de 60 anos de idade.

Segundo a Anistia Internacional, Bilal Diab e Zaer Halahle estão sendo submetidos a um tratamento “cruel, desumano e degradante”. De acordo com a organização, os dois correm perigo já que estão há 67 dias em greve de fome.

Diante do tratamento dispensado aos presos palestinos, o líder do movimento islamita Hamas, Khalil Haja, afirmou que a greve de fome “não é um jogo” e que pode provocar mortes. “Se isto acontecer, podem esperar de nós tanto o esperado como o inesperado”, ameaçou.

Pelo menos dez dos 1,6 mil presos palestinos em greve de fome nas prisões israelenses estão hospitalizados, enquanto a Anistia Internacional adverte para o risco de morte de dois deles que estão há 67 dias sem comer e o Hamas ameaça com “o esperado e o inesperado” se algum deles morrer.

Na quinta-feira passada, a Corte Suprema de Israel realizou uma audiência para revisar o caso, mas não tomou decisão alguma e Diab desmaiou em pleno tribunal.

Os prisioneiros pedem o fim do isolamento penintenciário e da detenção administrativa, que permite a prisão de palestinos nos territórios ocupados sem que sejam apresentadas acusações ou provas. Pedem também o direito às visitas familiares e a possibilidade de realizar cursos superiores na prisão.

http://www.rodrigovianna.com.br/outras-palavras/greve-de-fome-de-16-mil-...

 

Comissão da Verdade também em Pernambuco.

Do JC Online (Jornal do Comércio).

Assembleia aprova a Comissão da Verdade estadualInspirado na Comissão Nacional da Verdade, projeto de lei do Executivo, que cria o colegiado no Estado, é aprovado e deve ser sancionado nos próximos 15 diasPublicado em 08/05/2012, às 00h14Ayrton Maciel  

O governador Eduardo Campos (PSB) deve sancionar, dentro de 15 dias, a lei que cria a Comissão Estadual da Memória e Verdade – que entrará imediatamente em atividade –, destinada a apurar e esclarecer crimes de sequestro, morte, desaparecimento e tortura no período da ditadura de 1964, ocorridos no território de Pernambuco ou contra pernambucanos, ainda que fora do Estado.

O plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco aprovou, nessa segunda-feira, o projeto de lei do Executivo (nº 840/2012), encaminhado no final de março. Na ocasião, o governador prometeu – em ato no Palácio do Campo das Princesas, diante de ex-presos políticos, parentes de vítimas e entidades de direitos humanos – sancionar a lei em menos de 15 após a sua aprovação pelo Legislativo. A Comissão vai investigar, também, eventuais denúncias de crimes contra os direitos humanos a partir de 1946, o primeiro pós-ditadura do Estado Novo (1937/1945).

Inspirada na Comissão Nacional da Verdade, que a presidente Dilma Rousseff sancionou (Lei nº 12.528) em novembro de 2011 – com iguais objetivos e garantia de acesso às informações públicas, mas que ainda não tem a sua composição definida –, a Comissão Estadual da Memória e Verdade terá mandato de dois anos, renovável por mais dois, e deverá ser composta por nove membros, sendo seis representantes da sociedade civil e três do governo. Pela lei estadual, o governador deve designar pessoas de reconhecida idoneidade e vinculadas à defesa dos direitos humanos e à democracia. Estão excluídos nomes que ocupem cargos executivos de partidos ou que estejam em cargos comissionados ou gratificados do poder público.

 

zanuja

Da Deutsche Welle

 

MundoCom Vladimir Putin, nova Rússia ganha um velho presidente

Troca-troca entre presidente e premiê Medvedev era jogo de cartas marcadas. Porém o país mudou: Putin não é o inatacável "pai da nação" que quer ser. Classe média protesta e continua ganhando força.

Gerhard Schröder, Silvio Berlusconi, Alexander Lukachenko, Nursultan Nazarbaiev, Viktor Yanukovitch: a lista de nomes do alto escalão que Vladimir Putin convidou para sua posse como presidente russo nesta segunda-feira (07/05) tem peso simbólico. Ao que parece, trata-se se de gente especialmente próxima do novo homem no Kremlin: os antigos chefes de governo da Alemanha e da Itália, controvertidos em seus países, e três presidentes de regimes autoritários de antigas repúblicas da União Soviética – Belarus, Cazaquistão e Ucrânia.

Putin tampouco é um "pai da nação" inatacável, embora hoje se apresente dessa forma. Ele venceu a eleição presidencial de 4 de março último com 64% dos votos. Porém sua vitória foi precedida por protestos em massa como não se viam na Rússia há 20 anos. Somente na capital, dezenas de milhares foram às ruas para se manifestar contra irregularidades durante as recentes eleições parlamentares. Mais tarde, os protestos se voltaram cada vez mais contra Putin, pessoalmente.

Troca-troca no Kremlin

A maioria dos participantes do movimento de protesto civil "Por Eleições Justas" pertence à classe média, a qual se formou durante o governo de Putin, explica Hanns-Henning Schröder, do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (SWP), sediado em Berlim. Agora, parte dessa classe se distancia dele. "O problema é que um presidente antigo, que já ocupou o cargo durante oito anos, se confronta com uma nova sociedade", diagnostica Schröder.

 

Medvedev (esq.) e Putin: sai um, entra o outro

Exatamente 12 anos atrás, Vladimir Putin passou pela primeira vez pelo tapete vermelho do imponente palácio do Kremlin, que data da época dos czares. Depois de ser presidente duas vezes, em 2008 teve que entregar o cargo, já que a Constituição russa prevê um máximo de dois mandatos para o chefe de Estado. Após quatro anos como primeiro-ministro, Putin retorna e troca de posto com seu antecessor, Dimitri Medvedev.

Quando esse acerto se tornou público, em 2011, a dupla Putin-Medvedev procurou mostrar ostensivamente que a continuidade dita a política russa. Porém os russos se sentiram provocados. "Os tempos mudaram", comentou à Deutsche Welle Ludmila Alexeieva, presidente do Grupo de Helsinque em Moscou. Muitos ficaram indignados pelo fato de Putin e Medvedev combinarem entre si quem deveria governar o país.

Analistas ocidentais como o biógrafo de Putin Alexander Rahr aconselham o presidente russo a integrar a sociedade civil mais fortemente na política. "A classe média se tornou uma instância política, que não se deixa aplacar tão facilmente com promessas sociais, como a classe proletária", diz Rahr, que dirige o Centro Berthold Beitz da Sociedade Alemã de Política Externa (DGAP). Segundo ele, os manifestantes não desistirão "enquanto a Rússia não houver reinstaurado certas liberdades políticas de caráter liberal".

Cinco desafios

Ainda há poucos meses, Dimitri Medvedev, que agora entrega o cargo de presidente, anunciara reformas liberais. O parlamento nacional implementou parte delas. Assim, por exemplo, ficou mais fácil fundar partidos políticos. Além disso, voltaram a ser adotadas as eleições diretas para governador, eliminadas por Putin.

"Não se trata do início de uma nova era, mas de um pequeno passo na direção certa", analisa o especialista em assuntos russos Hanns-Henning Schröder. No entanto, ele parte do princípio que as reformas serão aplicadas de modo a deixar intocado o poder de Putin.

Mais ou menos um mês antes da posse, Putin esboçou diante do parlamento sua futura política como presidente, mencionando cinco desafios que pretende atacar, em primeira linha. Em primeiro lugar, está a dinâmica demográfica. Há anos a população do país de maior superfície do planeta vem minguando. O novo chefe de Estado pretende sustar esse processo.

Os demais tópicos de que Putin prometeu se ocupar são: segurança, criação de novos postos de trabalho e de uma economia competitiva, assim como a fundação de uma União Eurasiana, juntamente com antigas repúblicas soviéticas.

 

Passeata em fevereiro de 2012, em Moscou: 'Abaixo Putin'

Esperança de mais democracia

O fato de reformas liberais não contarem entre as prioridades de Putin tem um motivo simples. "Um bom presidente é aquele que faz o que o povo espera dele", declarou à emissora alemã ARD, antes de sua reeleição. Para compreender sua política, basta uma olhada nas pesquisas de opinião: dois terços dos russos esperam que o chefe do Kremlin mantenha a política adotada até agora.

Como tarefa mais importante do novo presidente, os entrevistados citaram o impulso econômico e o combate à corrupção e à pobreza. Assim, a reivindicação de mais democracia permanece o desejo de uma minoria culta. Contudo, é incerto quanto tempo Putin conseguirá governar a Rússia, contra essa minoria cada vez mais forte.

Pelo menos no Ocidente há esperança de uma democratização da Rússia durante o terceiro mandato presidencial de Putin. "Espero que após tantos anos no cargo ele tenha experiência e sabedoria para levar o seu país à verdadeira democracia, de forma mais decisiva", comenta o presidente da Comissão de Assuntos Estrangeiros do Parlamento Europeu, Elmar Brok. "Porém se ele continuar fazendo de tudo para consolidar seu poder, então em algum momento não terá mais o apoio do povo russo."

Putin completa 60 anos de idade ainda em 2012, e parece também pensar no tempo que lhe resta. "Na vida de toda pessoa chega o momento em que ela não precisa mais se agarrar a certas coisas. Aí ela pode e deve pensar no destino de seu país", disse, antes do início de seu terceiro mandato como presidente, acrescentando: em sua vida esse momento teria chegado.

Autor: Roman Goncharenko (av)
Revisão: Roselaine Wandscheer

 

Do G1.

PGR diz que vai pedir inquérito sobre elo de Cachoeira com Perillo

Governadores de GO e do DF são citados em escutas da Polícia Federal.
Procurador pediu dados ao TCU e à CGU sobre contratos da Delta no Rio.

Marcelo Parreira Do G1, com informações do Jornal Nacional

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, informou nesta segunda-feira (7) que irá pedir a abertura de inquérito para apurar as relações do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, acusado de comandar uma quadrilha que explorava jogos ilegais e preso desde o fim de fevereiro. O procurador disse também que avalia pedir abertura de novo inquérito sobre o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT).

Escutas telefônicas obtidas pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo apontam que pessoas ligadas a Perillo atuavam em favor de Cachoeira. Áudios apontam que ele pode ter recebido dinheiro do contraventor, o que foi negado pelo governador de Goiás.

Perillo tem foro privilegiado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e só pode ser investigado em inquéritos autorizados pelo tribunal.

O procurador afirmou que o pedido de abertura de inquérito deve ser feito por conta de uma solicitação do próprio governador. "Como o próprio governador se diz interessado que sejam devidamente apuradas estas notícias, nós devemos, diante desta manifestação, pedir ao STJ [Superior Tribunal de Justiça] a instauração de inquérito", afirmou.

Sobre o governador Agnelo Queiroz, do Distrito Federal, Gurgel lembrou que já existe um inquérito que investiga o governador no STJ em relação a convênios com ONGs, mas não relacionado a Cachoeira. Dados da Operação Monte Carlo, segundo ele, podem motivar a abertura de novo inquérito.

"Há outros fatos que estão sendo agora examinados pela Procuradoria Geral e que poderão vir a motivar novos inquéritos", afirmou Gurgel ao ser perguntado sobre Agnelo. No dia 24 de abril, a Procuradoria havia informado que Gurgel pediria o inquérito ao STJ, sem informar data.

Agnelo afirma não ter relações com Carlinhos Cachoeira e nega que seu governo tenha atendido a pedidos do bicheiro ou de pessoas ligadas a ele.

 

Cabral
De acordo com Roberto Gurgel, não há "qualquer iniciativa" de abertura de inquérito a respeito do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB). No entanto, ele afirma ter pedido a órgãos de controle informações sobre contratos da empreiteira Delta no Rio. Segundo o PGR, os ofícios foram encaminhados ao Tribunal de Contas da União, à Controladoria Geral da União e também à Procuradoria da República no Rio de Janeiro.

"É um momento absolutamente preliminar para essas informações iniciais. Não há ainda qualquer iniciativa no sentido de instauração de inquérito", disse o procurador. Segundo Gurgel, a existência de contratos da empreiteira relativos à Copa do Mundo de 2014 justifica a federalização dos dados.

Nas últimas semanas, foram divulgadas fotos do governador Sérgio Cabral em festas com o ex-dono da construtora, Fernando Cavendish. A Delta está no foco das investigações da CPMI que investiga as relações do contraventor Carlinhos Cachoeira com políticos e empresas.

Escutas sobre Agnelo
Em um dos diálogos, Marcello Lopes, ex-assessor de Agnelo, fala com Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, suspeito de ser um dos principais auxiliares do contraventor Carlos Cachoeira. No áudio, Idalberto Matias, é tratado pelo codinome Chicão.

Marcello: Teve uma reunião, Chicão, entre o Agnelo; Agnelo, o Rafael e João Monteiro, agora esses dias. E o Agnelo falou para o João diretamente, isso foi o Cláudio me contando, pra cuidar da Delta, pra deixar tudo, pra não dar problema nenhum no lixo.

No diálogo são citados João Monteiro que é o ex-diretor do Serviço de Limpeza Urbana de Brasília (SLU), exonerado na última semana; Rafael seria Rafael Barbosa, secretário de Saúde do governo do Distrito Federal; e Cláudio seria Cláudio Abreu, ex-diretor da Delta no Centro-Oeste.

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, foi citado nominalmente em conversas gravadas em abril do ano passado pela Polícia Federal. A gravação faz parte da Operação Monte Carlo.

Áudios sobre Perillo
Segundo o blog do jornalista Mino Pedrosa, ex-assessor de Cachoeira, o governador Marconi Perillo recebeu R$ 500 mil, numa caixa de computador, como parte do pagamento de negócios com o bicheiro. A entrega teria sido feita pelo ex-vereador do PSDB de Goiás, Wladimir Garcez, dentro do Palácio das Esmeraldas.

De acordo com gravações, feitas com autorização da justiça, no dia 10 de junho, Carlinhos Cachoeira conversa com Geovane Pereira da Silva, um dos principais responsáveis financeiros da quadrilha. O relatório da Polícia Federal diz que os diálogos se referem à entrega de dinheiro no Palácio do Governo de Goiás.

Geovane: E aí, posso mandar?
Carlinhos: Pode. Manda ele esconder ai.
Geovane: Tá numa caixa de computador, né?
Carlinhos: Tá.
Dois minutos depois os dois voltam a conversar. E o bicheiro fala onde será a entrega.
Carlinhos: Cê contou?
Geovani: Acabei de conferir.
Carlinhos: Então lacra aí, entrega pro Gleybão entregar pro Wladimir lá na praça lá, ele está lá na praça lá perto do palácio. Fala pra ele passar lá e deixar.
Geovani: Ok.

Em nota, o governador Marconi Perillo disse que é irresponsável, leviana, inverídica e despropositada a denúncia. Fala ainda que nunca tratou no palácio de qualquer assunto que não fosse de interesse do governo de Goiás.

 

 

zanuja

Ainda sobre a PEC do Trabalho Escravo que vai a votação hoje dia 08 de maio.

Do Portal Vermelho.

CPI repassa informações sobre Trabalho Escravo para jornalistas

 

A ganância, a miséria e a impunidade são as raízes do trabalho escravo. E, para erradicá-lo, é preciso o trabalho integrado de todos os setores da sociedade, que são a mídia, a legislação, a fiscalização e a Justiça, além de políticas públicas como a reforma agrária, cada um cumprindo o seu papel. A síntese do problema e da solução foi apresentada pelo frei dominicano Xavier Jean Plassat, coordenador da Campanha de Combate ao Trabalho Escravo da Comissão Pastoral da Terra (CPT).

 

Agência CâmaraCPI repassa informações sobre Trabalho Escravo para jornalistas

"Ninguém será submetido a tratamento desumano ou degradante", diz a Constituição.

Às vésperas da votação da PEC do Trabalho Escravo, a CPI do Trabalho Escravo realizou, nesta segunda-feira (7), um workshop sobre “A Responsabilidade Social da Mídia e a Opinião Pública”, na Câmara dos Deputados, em Brasília. O evento, exclusivo para jornalistas, debateu o papel social da imprensa e a realidade do trabalho escravo urbano e rural no País.

O presidente da CPI, deputado Cláudio Puty, abriu o evento, destacando o esforço da comissão para aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permite a expropriação de terras onde for constada a exploração de trabalho escravo. A votação da PEC está prevista para esta terça-feira (8).

Os outros dois convidados do debate – do Ministério Público e do Ministério do Trabalho – engrossaram o coro do frei dominicano e dos parlamentares que criticam as tentativas de se negar a existência do trabalho escravo no Brasil e consequentemente aprovar leis mais rígidas para combater a situação. Há parlamentares que alegam não haver definição para trabalho escravo. 

Para sensibilizar esses parlamentares, os palestrantes mostraram fotos e imagens do resultado das fiscalizações realizadas pelo Ministério do Trabalho. Essas e mais outras imagens farão parte da exposição que será montada na Câmara a partir desta segunda-feira para denunciar o trabalho escravo e garantir a aprovação da matéria no Plenário.

Conceito e combate

Jonas Ratier Moreno, coordenador nacional de Combate ao Trabalho Escravo do Ministério Público do Trabalho, apresentou as normas internacionais e as leis brasileiras que conceituam o trabalho escravo. Ele destacou que em 2003 o Congresso Nacional aprovou alteração no Código Penal com conceituação objetiva sobre trabalho análogo às condições de escravidão, que sejam falta de liberdade, situação degradante e jornada exaustiva . 

O secretário de Inspeção do Trabalho e especialista em trabalho escravo urbano do Ministério do Trabalho, Renato Bignami, destacou, em sua fala, que o trabalho do fiscal é vinculado ao que determina a lei, em resposta às críticas dos empregadores de que a fiscalização é rígida.

Bignami disse que a Constituição Federal garante, logo em seus primeiros artigos que o tripé dignidade, trabalho e livre associação são os princípios do estado democrático de direito. Adiante a Carta Magna diz que “ninguém será submetido a tratamento desumano ou degradante”. 

Para ele, “são esses os princípios do trabalho do fiscal”, enfatizando que “o comando do fiscal do trabalho está no ordenamento jurídico brasileiro”. Bignami lembrou ainda que existem os tratados internacionais de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário que colocam o país em dívida com a comunidade internacional.

De Norte a Sul; de Leste a Oeste

Em sua fala, o frei dominicano Xavier Jean Plassat, lembrou que na década de 1970, quando surgiram as primeiras denúncias de trabalho escravo houve a mesma incredulidade que ainda hoje existe em alguns parlamentares e magistrados. “O estado brasileiro negava o trabalho escravo; hoje não é mais possível negar, é preciso se convencer da realidade e se dar um nome a essa situação”, afirmou, mostrando uma série de imagens de trabalhadores escravizados no Maranhão, em Santa Catarina e no Tocantins.

“Do norte a sul, de leste a oeste. Nas plantações de cana de açúcar, nas carvoarias, na pecuária. E mesmo na cidade”, diz o religioso, citando o caso emblemático da Loja Zara. “A rotina desses trabalhadores, que não tem nome, são denominados pelos estados de origem – Ceará, Paraíba etc – é do sentimento de normalidade”, afirma.

E encerrou sua fala respondendo mais uma vez a um empregador que criticava os trabalhadores dizendo que eles queriam hotel cinco estrelas. “Dignidade e liberdade é o que quer o trabalhador, não é hotel cinco estrelas como disse um empregador”, afirmou o padre. E, citando a Bíblia, pergunta aos empregadores: “Com que direitos escravizeis essas pessoas? Não são homens?”

De Brasília
Márcia Xavier

 

 

zanuja

Do Blog do Miro.

Outra capa da revista Veja.

 

zanuja

Do Operamundi via Escrevinhador.

Por Thassio Borges, no Opera Mundi

A greve de fome de pelo menos 1,6 mil presos palestinos em prisões israelenses continua e dez deles estão hospitalizados por conta de sua frágil situação. Segundo a Anistia Internacional, dois dos dez detentos hospitalizados correm risco de morte já que estão há 67 dias sem comer.

De acordo com a associação de defesa de prisioneiros palestinos Adamir, no entanto, o número de presos que aderiram à greve de fome chega a dois mil.

Já a ONG palestina de direitos humanos Al-Haq corrige esse número para 2,6 mil. De acordo com a porta-voz do serviço penitenciário israelense, Sivan Weizman, mais de 4,6 mil palestinos se encontram detidos nas prisões israelenses.

Entre os presos hospitalizados, está o líder da Frente Popular para a Libertação da Palestina, Ahmed Saadat, que tem cerca de 60 anos de idade.

Segundo a Anistia Internacional, Bilal Diab e Zaer Halahle estão sendo submetidos a um tratamento “cruel, desumano e degradante”. De acordo com a organização, os dois correm perigo já que estão há 67 dias em greve de fome.

Diante do tratamento dispensado aos presos palestinos, o líder do movimento islamita Hamas, Khalil Haja, afirmou que a greve de fome “não é um jogo” e que pode provocar mortes. “Se isto acontecer, podem esperar de nós tanto o esperado como o inesperado”, ameaçou.

Pelo menos dez dos 1,6 mil presos palestinos em greve de fome nas prisões israelenses estão hospitalizados, enquanto a Anistia Internacional adverte para o risco de morte de dois deles que estão há 67 dias sem comer e o Hamas ameaça com “o esperado e o inesperado” se algum deles morrer.

Na quinta-feira passada, a Corte Suprema de Israel realizou uma audiência para revisar o caso, mas não tomou decisão alguma e Diab desmaiou em pleno tribunal.

Os prisioneiros pedem o fim do isolamento penintenciário e da detenção administrativa, que permite a prisão de palestinos nos territórios ocupados sem que sejam apresentadas acusações ou provas. Pedem também o direito às visitas familiares e a possibilidade de realizar cursos superiores na prisão.

 

zanuja

Do Escrevinhador do Rodrigo Vianna.

Record expõe relações Veja-Cachoeira: segredo de Poli-chinelo em horário nobre 

publicada segunda-feira, 07/05/2012 às 00:24 e atualizada segunda-feira, 07/05/2012 às 01:46

 

 


Quem vai rir por último?

por Rodrigo Vianna

Bob Civita ficou mais parecido com Rupert Murdoch – o barão da mídia investigado por ações criminosas na Inglaterra.

Bob e Abril foram pra tela da TV, em horário nobre: 15 minutos devastadores de reportagem – bem editada, didática, com texto sóbrio e ótimos entrevistados. E isso tudo não se passou num canal de notícias, a cabo. Não. Foi na TV aberta, num domingo à noite. As relações entre ”Veja”  e a quadrilha de Carlinhos Cachoeira foram expostas de maneira inédita para milhões de brasileiros.

Quem navega pelos blogs e as redes sociais talvez já conhecesse boa parte das informações apresentadas na boa reportagem de Afonso Mônaco, no Domingo Espetacular da Record.Mas o público da TV aberta é outro. Esse foi o grande mérito da matéria. Falou para gente que ainda não sabia detalhes dos fatos.

Além disso, serviu para “furar o cerco”. Há, claramente, um pacto entre a chamada “grande imprensa”. Ninguém avança nas investigações sobre “Veja”/Cachoeira. Nesse domingo mesmo, de forma tímida, a ombudsman da “Folha” cobrou do jornal mais informações. Pelo que se sabe,os chamados “barões da imprensa” fizeram um pacto e teriam mandado recados ao governo: não aceitarão a convocação de nenhum deles à CPI.

É um pacto contra a verdade. Contra o jornalismo. Essa gente me faz lembrar aquela velha figura do sujeito que,  diante da enchente que ameaça romper uma represa, acha que pode conter o desastre colocando um dedo na rachadura da barragem. Não adianta, minha gente! As águas vão rolar. Já rolaram, aliás…

 ”Veja”, “Globo”, “Folha” são sócios na campanha iniciada lá atrás, em 2005, quando decidiram partir pra cima do governo Lula. Quem não se lembra? Semanas seguidas, a “Veja” dava uma capa bombástica contra o governo e, no sábado à noite, lá vinha o “Jornal Nacional” pra “repercutir” a reportagem. Em geral, o JN promovia uma “leitura” televisiva de “Veja”. Na época, na Globo, até brincávamos: Ali Kamel tinha descoberto uma nova linguagem de telejornalismo – recheava a tela com páginas da revista, e colocava um repórter para ler o conteúdo. Era televisão por escrito.

Mais que isso. Em 2006, perto do primeiro turno das eleições, lembro-me perfeitamente da semana em que a “Istoé” trouxe uma entrevista do empresário Vedoim, com sérias denúncias que respingavam nos tucanos. Foi na mesma semana em que os “aloprados” acabaram presos com dinheiro quando se preparavam pra comprar um dossiê contra tucanos (supostamente, o conteúdo do tal dossiê era semelhante ao da reportagem da “Istoé”). A Globo, naquela semana, criou uma força-tarefa para detonar os aloprados. Jornalisticamente, estava certo. Era assunto relevante. Mas e o outro lado? Foi o que eu e alguns colegas perguntamos ao chefe da Globo em São Paulo. “Não vamos repercurtir a capa da Istoé, do mesmo jeito que fazemos toda semana com a Veja?”, indaguei do chefe. Ele deu um sorriso maroto, e concluiu: “a Istoé é uma revista sob suspeita”.

Lembro de ter perguntado a ele: “quem decide que a Veja é séria, e a Istoé  é suspeita?”. Ele respondeu com outro sorriso.  Hoje, a “Veja” é uma revista sob suspeita. E isso, de certa, forma respinga pro lado da Globo. A grande fonte do JN de Kamel, durante anos, bebia nas águas de Cachoeira. 

A Suzana Singer – ombudsman, jornalista correta que eu conheço há muitos anos – pode continuar cobrando que a “Folha” exponha os podres da “Veja”. A direção do jornal já tomou sua decisão de blindar a “Veja”. Decisão inútil, aliás. Porque a relação entre a revista de Bob Civita e a quadrilha de Cachoeira tornou-se um segredo de Poli-chinelo.

 Nas redes sociais, a “Veja” segue apanhando. No twitter, pela terceira semana seguida, a revista foi parar nos TTs (espécie de ranking que aponta assuntos mais comentados): #VejaBandida, #Vejapodrenoar, #VejavaipraCPI.

 A revista tenta se defender nas redes sociais, de forma patética. É batalha perdida.

O que pode fazer a Abril? Conversava sobre isso com outro blogueiro sujo nesse domingo à noite. A conclusão: o melhor que a editora pode tentar, a essa altura, é agir em silêncio, pressionando nos bastidores, para evitar a convocação de Bob Civita.

Pode até conseguir – dada a tibieza de algumas lideranças no campo governista. Mas será impossível evitar que a “Veja” vire tema da CPI. 

“Poli” e “PJ” (nos grampos, era assim que a turma do Cachoeira tratava Policarpo Junior, o diretor da “Veja” em Brasília). “Pensei que ele fosse me dar um beijo na boca”, disse um dos cachoeirentos num momento de maior descontração, citando o amigo Poli…

Cachoeira virou um editor, a escolher as seções da revista onde gostaria de ver publicadas as notinhas e matérias que lhe interessavam.

Tá tudo nos grampos, escancarado. 

Isso não é relação de jornalismo com fonte – como bem explicou o professor Laurindo Leal Filho, na reportagem da Record.

A “Veja” que arrume outra desculpa. Ou que entregue a cabeça de Poli pra salvar a de Bob Civita.

 

Leia outros textos de Radar da Mídia

 

zanuja

Para quem não gostou da pesquisa sobre a bebida ativar a criatividade e achou que duas cervejas por semana transforma uma pessoa em alcóolatra, talvez goste dessa nova pesquisa. É para abstêmio.

Do BBC Brasil.

Beber água durante provas pode aumentar chances de notas melhores, diz estudo.

Katherine Sellgren

BBC News

 Garrafa de água/BBC


Para pesquisadores, hidratação pode melhorar raciocínio e diminuir ansiedade

Estudantes que bebem água durante exames aumentam suas chances de conquistar notas mais altas, segundo um estudo feito na Grã-Bretanha.

A pesquisa, realizada pelas universidades londrinas de East London e Westminster com 447 estudantes, constatou um desempenho em média 5% melhor nos estudantes que beberam água em comparação com os que não ingeriram líquido.

Um dos autores do estudo, Chris Pawson, da Universidade de East London, disse que consumir água pode ter um benefício psicológico sobre o raciocínio, além de aliviar a ansiedade.

"São necessários outros estudos para determinar com mais precisão as causas disso, mas é evidente que os estudantes devem se esforçar para estarem hidratados durante as provas" disse ele.

Os resultados da pesquisa podem ter implicações em políticas adotadas sobre a acessibilidade da água durante os exames, dizem os pesquisadores.

 

 

 

zanuja

Presidente lança pacote social em pronunciamento do Dia das Mães

fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/1086738-presidente-lanca-pacote-socia...

 

A presidente Dilma Rousseff irá aproveitar o Dia das Mães, no próximo domingo, para fazer um pronunciamento em que irá anunciar um pacote social para a primeira infância --zero a 6 anos-- e famílias atendidas pelo Bolsa Família e chefiadas por mulheres, informaram à Reuters fontes do Palácio do Planalto.

Os detalhes do plano, que será lançado oficialmente na segunda, dia 14, ainda estão em discussão no Planalto. A presidente voltou a conversar sobre o tema nesta segunda com a ministra Tereza Campello, do Desenvolvimento Social, e com o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Entre as ações estão um bônus financeiro para as famílias com criança nesta faixa etária e que sejam parte do Bolsa Família. Há a possibilidade de, em uma primeira fase, apenas beneficiários do Brasil Sem Miséria -que atende famílias com renda per capita inferior a 70 reais- receberem o valor extra por criança. Segundo uma das fontes, estuda-se um bônus entre 10 reais e 30 reais por criança.

Faz parte ainda do pacote a ampliação da rede de creches e centros de atendimento municipais para crianças de até 6 anos de famílias carentes. Este item contempla uma promessa de campanha de Dilma, que se comprometeu a construir 6 mil creches até 2014.

Estão em estudo medidas na área da saúde materna e infantil e uma linha de crédito imobiliário especial para famílias carentes chefiadas por mulheres.

O Bolsa família atende atualmente 13,3 milhões de famílias no país, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Social. No final do ano passado, os benefícios do Bolsa Família foram ampliados para atender até cinco filhos por família.

 

Do BBC Brasil

Empresa nos EUA infiltrou funcionários em hospitais para cobrar pacientes

Corredor de hospital (Wikimedia Commons)

Cobradores visitavam até pacientes em salas de emergência

Uma empresa nos Estados Unidos infiltrou funcionários em hospitais e até em salas de emergência para cobrar dívidas de pacientes.

A revelação foi feita nesta semana por meio de centenas de documentos revelados pela procuradora-geral do Estado americano de Minnesota. O incidente ganhou repercussão em todo o país após ter sido tema de uma reportagem do jornal The New York Times.

A empresa Accretive Health é uma das maiores companhias de coleta de dívidas dos Estados Unidos e segundo a procuradora-geral Lori Swanson teria infringido leis federais ao usar seus funcionários em hospitais sem que estes se identificassem como coletores de dívidas.

Funcionários da empresa teriam tido acesso a informações confidenciais relativas à saúde de seus pacientes, a fim de persuadi-los a pagar contas vencidas. A prática também seria uma violação de leis federais, relativas à privacidade dos pacientes, segundo os documentos recém-revelados.

A lei federal americana exige hospitais a fornecer tratamento de emergência independentemente de o paciente estar ou não legalmente nos Estados Unidos, estar em situação legal ou ter condições de pagar por seu tratamento.

Pacientes de cama

As táticas agressivas da companhia incluíam visitas de coletores de dívidas a pacientes de cama, em recuperação de cirurgias ou ainda a exigência do pagamento de dívidas por parte de pacientes como condição para que eles recebessem tratamento.

Há temores de que a prática talvez esteja sendo realizada em outras partes dos Estados Unidos, uma vez que a Accretive Health tem contratos não apenas com hospitais do Minnesota, mas também com alguns dos maiores hospitais americanos, como o Henry Ford Health System, de Michigan, e o Intermountain Healthcare, de Utah.

A prática revelaria também um procedimento extremo que estaria sendo utilizado por hospitais americanos afundados em dívidas e que recorrem a companhias especializadas em coletar dívidas.

Em um e-mail que consta entre os documentos recém-revelados, um gerente da Accreditve chegou a pedir a funcionários que eles centrassem esforços em operações de parto, porque ''tem muita coisa para ser coletada nisso''.

Em um comunicado divulgado por uma porta-voz, a Accretive afirmou que ''nós temos um histórico de ajudar hospitais a aprimorar a qualidade dos cuidados que fornecem''. Em seu relatório anual, a empresa disse estar cooperando com a procuradoria-geral do Minnesota, para tentar resolver as problemas no Estado.

A Accretive é uma das poucas empresas especializadas em dívidas hospitalares com ações na bolsa. No ano passado, ela registou lucros de US$ 29,2 milhões (cerca de R$ 55 milhões), um aumento de 130% em relação a 2010.

 

 

 

zanuja

do Envolverde

 

Artigo
07/5/2012 - 10h10Vende-se a natureza


por Frei Betto*

 Vende se a naturezaÀs vésperas da Rio+20, é imprescindível denunciar a nova ofensiva do capitalismo neoliberal: a mercantilização da natureza. Já existe o mercado de carbono, estabelecido pelo Protocolo de Kyoto (1997). Ele determina que países desenvolvidos, principais poluidores, reduzam as emissões de gases de efeito estufa em 5,2%.

Reduzir o volume de veneno vomitado por aqueles países na atmosfera implica subtrair lucros. Assim, inventou-se o crédito de carbono. Uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) equivale a um crédito de carbono. O país rico, ou suas empresas, ao ultrapassar o limite de poluição permitida, compra o crédito do país pobre, ou de suas empresas, que ainda não atingiram seus respectivos limites de emissão de CO2 e, assim, fica autorizado a emitir gases de efeito estufa. O valor dessa permissão deve ser inferior à multa que o país rico pagaria, caso ultrapassasse seu limite de emissão de CO2.

Surge agora nova proposta: a venda de serviços ambientais. Leia-se: apropriação e mercantilização das florestas tropicais, florestas plantadas (semeadas pelo ser humano) e ecossistemas. Devido à crise financeira que afeta os países desenvolvidos, o capital busca novas fontes de lucro. Ao capital industrial (produção) e ao capital financeiro (especulação), soma-se agora o capital natural (apropriação da natureza), também conhecido por economia verde.

A diferença dos serviços ambientais é que não são prestados por uma pessoa ou empresa; são ofertados, gratuitamente, pela natureza: água, alimentos, plantas medicinais, carbono (sua absorção e armazenamento), minérios, madeira, etc. A proposta é dar um basta a essa gratuidade. Na lógica capitalista, o valor de troca de um bem está acima de seu valor de uso. Portanto, tais bens naturais devem ter preços.

Os consumidores dos bens da natureza passariam a pagar, não apenas pela administração da “manufatura” do produto (como pagamos pela água que sai da torneira em casa), mas pelo próprio bem. Ocorre que a natureza não tem conta bancária para receber o dinheiro pago pelos serviços que presta. Os defensores dessa proposta afirmam que, portanto, alguém ou alguma instituição deve receber o pagamento – o dono da floresta ou do ecossistema.

A proposta não leva em conta as comunidades que vivem nas florestas. Uma moradora da comunidade de Katobo, floresta da República Democrática do Congo, relata: “Na floresta, coletamos lenha, cultivamos alimentos e comemos. A floresta fornece tudo, legumes, todo tipo de animal, e isto nos permite viver bem. Por isto que somos muito felizes com nossa floresta, porque nos permite conseguir tudo que precisamos. Quando ouvimos que a floresta poderia estar em perigo, isto nos preocupa, porque nunca poderíamos viver fora da floresta. E se alguém nos dissesse para abandonar a floresta, ficaríamos com muita raiva, porque não podemos imaginar uma vida que não seja dentro ou perto da floresta. Quando plantamos alimentos, temos comida, temos agricultura e também caça, e as mulheres pegam siri e peixe nos rios. Temos diferentes tipos de legumes, e também plantas comestíveis da floresta, e frutas, e todo de tipo de coisa que comemos, que nos dá força e energia, proteínas, e tudo mais que precisamos”.

O comércio de serviços ambientais ignora essa visão dos povos da floresta. Trata-se de um novo mecanismo de mercado, pelo qual a natureza é quantificada em unidades comercializáveis.

Essa ideia, que soa como absurda, surgiu nos países industrializados do Hemisfério Norte na década de 1970, quando houve a crise ambiental. Europa e Estados Unidos tomaram consciência de que os recursos naturais são limitados. A Terra não tem como ser ampliada. E está doente, contaminada e degradada.

Frente a isso, os ideólogos do capitalismo propuseram valorizar os recursos naturais para salvá-los. Calcularam o valor dos serviços ambientais entre US$ 16 trilhões e 54 trilhões (o PIB mundial, a soma de bens e serviços, totaliza atualmente US$ 62 trilhões). “Está na hora de reconhecer que a natureza é a maior empresa do mundo, trabalhando para beneficiar 100% da humanidade – e faz isso de graça”, afirmou Jean-Cristophe Vié, diretor do Programa de Espécies da IUCN, principal rede global pela conservação da natureza, financiada por governos, agências multilaterais e empresas multinacionais.

Em 1969, Garret Hardin publicou o artigo A tragédia dos comuns para justificar a necessidade de cercar a natureza, privatizá-la, e assim garantir sua preservação. Segundo o autor, o uso local e gratuito da natureza, como o faz uma tribo indígena, resulta em destruição (o que não corresponde à verdade). A única forma de preservá-la para o bem comum é torná-la administrável por quem possui competência – as grandes corporações empresariais. Eis a tese da economia verde.

Ora, sabemos como elas encaram a natureza: como mera produtora de commodities. Por isto, empresas estrangeiras compram, no Brasil, cada vez mais terras, o que significa uma desapropriação mercantil de nosso território.

* Frei Betto é escritor, autor, em parceria com Marcelo Barros, de O amor fecunda o Universo – ecologia e espiritualidade (Agir), entre outros livros.

** Publicado originalmente no site Adital.

 

Do Vi o mundo do Azenha.

Bob Fernandes: E quando vão pedir desculpas a Paulo Lacerda?

publicado em 8 de maio de 2012 às 1:04

Delegado Paulo Lacerda espera pedido de desculpas de Gilmar Mendes e Demóstenes

por Bob Fernandes, no Terra Magazine

O delegado Paulo Lacerda, que por seis anos e meio dirigiu a Polícia Federal e a Abin durante os governos Lula, aguarda um pedido de desculpas. Ele espera (talvez sentado) que Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e o senador Demóstenes Torres reconheçam as respectivas responsabilidades nos seus dois anos e meio de exílio.

Início da tarde de 9 de setembro de 2008. A sessão vai começar em instantes. O delegado Paulo Lacerda, diretor da Abin, está na ante-sala da Comissão Mista das Atividades de Inteligência do Congresso Nacional. Uma dezena de parlamentares na sala. Sorrateiro, quase sem ser notado, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), ex-secretário de Segurança Pública de Goiás, aproxima-se de Paulo Lacerda e diz:

– Eu o conheço. Sei que o senhor é um homem sério e, com certeza, não está envolvido com estes fatos, com grampos. Estou aqui pessoalmente para lhe prestar minha solidariedade e demonstrar o meu apreço…

Exatos dois meses antes, a Polícia Federal havia prendido o banqueiro Daniel Dantas na Operação Satiagraha, comandada pelo delegado Protógenes Queiroz, hoje deputado federal do PCdoB (SP).

No rastro da operação, e tornados personagens de reportagem da Revista Veja de 3 de setembro, o senador Demóstenes Torres e Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), denunciaram: tinham sido grampeados pela Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, dirigida por Paulo Lacerda.

O juiz Mendes, em companhia de outros ministros do STF, fora ao Palácio do Planalto “chamar o presidente Lula às falas”. Paulo Lacerda seria temporariamente suspenso de suas funções; depois, sob intensa pressão política, seguiu para o exílio. Por quase dois anos e meio, com a família junto, Paulo Lacerda foi Adido Policial na embaixada do Brasil em Portugal.

Nessa tarde de 9 de setembro de 2008, Lacerda ouve, perplexo, a manifestação de solidariedade sussurrada por Demóstenes, justamente um dos homens que o acusam de ter comandado grampos durante a Satiagraha. Acusam-no de ter ordenado, ou permitido, escuta ilegal contra um senador da República e um ministro do Supremo Tribunal Federal.

Recuperado da surpresa, percebendo a pressa de Demóstenes, prestes a deixar a sala, Paulo Lacerda responde ao senador:

– Que bom que o senhor pensa assim, que vê as coisas desse modo.  A sessão já vai começar e aí o senhor terá a oportunidade de dizer isso, de dizer a verdade, e esclarecer as coisas…

– Tenho um compromisso, vou dar uma saidinha, mas voltarei a tempo – promete o senador Demóstenes Torres.

A sessão arrastou-se por horas. O senador Demóstenes, o acusador, não voltou.

Naquela tarde, o delegado Lacerda foi duramente questionado. E acusado de ter montado um esquema de grampos ilegais na Abin. Em vão, ele repetia:

– Não comandei, não participei, não compactuei, nem tomei conhecimento de qualquer ilegalidade no procedimento da Abin…

Naquele dia, a estrela da comissão foi o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM). Às 16h53, Virgílio perguntou a Paulo Lacerda se o ministro da Defesa, Nelson Jobim, tinha mentido ao dizer que a Abin possuía “equipamento de escutas”. Lacerda pediu ao senador para “fazer a pergunta a Jobim”.

Levemente exaltado, com um tom avermelhado na pele, o político amazonense bradou: disse não ser um “preso”, nem estar “pendurado” num pau-de-arara. E que Paulo Lacerda não estava “numa delegacia” e, sim, numa sessão do Congresso. Como acusado.

Fim da sessão. O senador Arthur Virgílio se aproxima de Paulo Lacerda e discorre sobre o que é a política:

– O senhor entende… eu sou da oposição, temos que ser duros…

Paulo Lacerda é o delegado que comandou a prisão de PC Farias e a investigação do chamado “Caso Collor”, quando mais de 400 empresas e 100 grandes empresários foram indiciados num inquérito de 100 mil páginas. Tudo, claro, dormitou nas gavetas do Judiciário, ninguém acompanhou nada e tudo prescreveu.

Anos depois, no governo Lula e com o Ministério da Justiça sob direção de Márcio Thomaz Bastos, por quase cinco anos Paulo Lacerda dirigiu – e refundou – a Polícia Federal. A PF teve, então, orçamento que jamais teve ou voltaria a ter.

Mais de 5 mil operações foram realizadas, centenas de criminosos de “colarinho branco” foram presos, o PCC foi atacado em seu coração financeiro. Na Satiagraha, a PF, já sob direção de Luis Fernando Correa, dividiu-se. Uma banda trabalhou para prender Daniel Dantas e os seus. Outra banda trabalhou contra a Operação; com a estreita colaboração, digamos assim, de jornalistas e colunistas que seguem por aí.

Paulo Lacerda, no comando da Abin, foi acusado por um grampo que nunca ninguém ouviu, que, pelo até hoje se sabe, nunca existiu. Demóstenes e Gilmar Mendes, por exemplo, nunca ouviram o suposto grampo; souberam por uma transcrição.

De resto, aquele teria sido um grampo inédito na história da espionagem. Não flagrou nenhum conversa imprópria. Um grampo a favor.

A Polícia Federal, ao investigar o caso, não encontrou vestígio algum de grampo feito pela Abin. Mas, claro, a notícia de inexistência do grampo saiu em poucas linhas, escondida, aqui e ali.

Quase quatro anos depois, caiu a máscara de Demóstenes Torres, o homem de muitas faces. Uma delas abrigava em seu gabinete uma enteada do amigo, o ministro Gilmar Mendes.

Paulo Lacerda voltou do exílio. Toca sua vida. E aguarda que Demóstenes Torres e Gilmar Mendes, entre tantos outros, lhe peçam desculpas.

PS do Viomundo: O caso do grampo sem áudio e o exílio de Paulo Lacerda são dois dos episódios mais grotescos da história recente do Brasil. Sabemos hoje que Jairo Martins, o que grampeava, serviu ao mesmo tempo a Cachoeira (ou seja, a Demóstenes) e foi “personal araponga” de Gilmar, segundo o Estadão, citado no relatório da Procuradoria-Geral da República sobre a operação Monte Carlo. Jairo poderia, em tese, ter gravado o diálogo espírita entre Demóstenes e Gilmar, reproduzido por Veja para comprometer a Satiagraha — livrando o banqueiro Daniel Dantas — e Paulo Lacerda. Felizmente, Jairo poderá esclarecer o episódio quando for chamado a depor. Quanto aos jornalistas e colunistas que, segundo Bob Fernandes, “seguem por aí”, são aqueles que propagaram as versões condenatórias de Paulo Lacerda de forma acrítica e sem ouvir o outro lado, que tanto dizem respeitar. Basta consultar os arquivos.

 

zanuja

do Brasil de FAto

 

Documentos alertam sobre risco de câncer pelo uso de agrotóxicos  

Abrasco e Instituto Nacional do Câncer associam a incidência da doença à exposição aos agrotóxicos

 

07/05/2012

 

da Redação

 

Dois documentos divulgados no final de abril alertam para o risco de surgimento de câncer pelo excessivo uso dos agrotóxicos no Brasil. No dia 29, a Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (ABRASCO) lançou a primeira parte do dossiê “Um alerta sobre os impactos dos Agrotóxicos na Saúde”, que busca, através de evidências científicas, chamar a atenção às doenças causadas pela exposição a esses produtos químicos. Conforme o dossiê da Abrasco, além dos efeitos imediatos, como intoxicação e morte, os efeitos crônicos podem ocorrer meses, anos ou décadas após a exposição aos agrotóxicos, manifestando-se em várias doenças como cânceres, má formação congênita, distúrbios endócrinos, neurológicos e mentais.

Já o Instituto Nacional do Câncer (Inca) divulgou, no dia 30, um documento em que também relaciona a ocorrência de câncer ao uso dos agrotóxicos. De acordo com o estudo do Inca, o Brasil registra em torno de 500 mil novos casos de câncer por ano, muitos deles relacionados diretamente ao aumento do uso de agrotóxicos, seja na sua aplicação e exposição, mas sobretudo a acúmulo dentro dos alimentos.

O estudo do Inca destaca o surgimento de câncer nos trabalhadores que aplicam e usam agrotóxico nas lavouras. “Associações positivas entre cânceres hematológicos e exposições ocupacionais a substâncias químicas foram observadas em estudos de caso - controle no sul do Estado de Minas Gerais para trabalhadores expostos a agrotóxicos ou a preservantes de madeira e para trabalhadores expostos a solventes orgânicos, lubrificantes, combustíveis e tintas”, afirma o documento.

Segundo Luiz Augusto Facchini, presidente da ABRASCO, a população exposta aos agrotóxicos vai desde os trabalhadores do campo e de fábricas que produzem os venenos até a população do entorno das áreas agrícolas e consumidores de alimentos contaminados.

O Brasil foi classificado, nos últimos três anos, como o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. De acordo com dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Observatório da Industria dos Agrotóxicos da Universidade Federal do Paraná (UFPR), divulgados durante o 2º Seminário sobre Mercado de Agrotóxicos e Regulação, realizado em Brasília (DF) em abril, enquanto, nos últimos dez anos, o mercado mundial de agrotóxicos cresceu 93%, o mercado brasileiro cresceu 190%.

Conforme destaca o dossiê da Abrasco, o resultado da crescente dependência dos agrotóxicos e fertilizantes químicos é que um terço dos alimentos consumidos diariamente pelos brasileiros está contaminado, segundo análise de amostras coletadas em todas as 26 Unidades Federadas do Brasil, realizadas pelo Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) em 2011.

A segunda parte do dossiê da Abrasco, que terá como tema "Agrotóxicos, Saúde e Sustentabilidade", será lançada durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio +20) - Cúpula dos Povos, durante a Rio +20 por Justiça Social e Ambiental, de 20 a 22 de junho, no Rio de Janeiro (RJ). Já a terceira parte do documento será lançada apenas em novembro no X Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, em Porto Alegre (RS), e terá como tema “Agrotóxicos, Conhecimento e Cidadania”.

Veja relação do Inca que mostra cânceres que têm como causa os agrotóxicos:

 

Câncer na cavidade oral, faringe e laringe

Causas: agrotóxicos, amianto, fuligem de carvão, poeria de madeira, couro e cimento.

 

Câncer de mama

Causas: agrotóxicos, benzeno, campos e eletromagnéticos, hormônios e dioxinas.

 

Câncer no estomago e esófago

Causas: Poeiras da construção civil, de carvão e minerais. Vapores de combustíveis.Herbicidas e ácido sulfúrico.

 

Leucemias e mielodisplasias

Causas: acrinotrila, aminas aromáticas, agrotóxicos, benzeno, radiação, solventes, etc.

 

Do Vi o mundo do Azenha.

Jair de Souza: O legal e o justo na defesa de Cachoeira

publicado em 6 de maio de 2012

Como pode Márcio Thomaz Bastos atuar como defensor de Carlinhos Cachoeira?

por Jair de Souza

Muita gente não consegue entender certos casos na área jurídica. Por exemplo, todos conhecíamos a trajetória de Luiz Eduardo Greenhalgh como um militante progressista, totalmente envolvido com a luta de nosso povo por conquistar uma sociedade mais justa. Greenhalgh se destacava na defesa dos perseguidos políticos vítimas da ditadura militar, dos camponeses sem terra, e de muitos outros lutadores do campo popular. De repente, nos deparamos com Luiz Eduardo Greenhalgh como advogado de defesa de ninguém menos que Daniel Dantas. É possível isso?

Trajetória algo parecida (não tão comprometida com o campo popular como a de Greenhalgh, é verdade) encontramos em Márcio Thomaz Bastos. O ex-Ministro da Justiça do governo de Lula costuma ser mencionado como um paradigma da correção judicial em nosso país. E agora, eis que nos deparamos com o mesmo Márcio Thomaz Bastos empenhado na defesa do bandido e editor da Veja, Carlinhos Cachoeira. Outra vez, vem-nos a pergunta: é possível tal coisa?

Para começar a responder a tal indagação, devemos deixar muito claro que, em qualquer país que queira considerar-se minimamente democrático, o direito de defesa para todo e qualquer cidadão que esteja sendo acusado de algum delito deve ser respeitado e garantido por todas as instituições do Estado. Isto não deveria jamais ser questionado por ninguém que queira considerar-se democrata.

Sendo assim, não há nenhum impedimento legal para que Luiz Eduardo Greenhalgh atue como defensor do poderoso banqueiro Daniel Dantas, e nem para que Márcio Thomaz Bastos apareça como o arquiteto da defesa jurídica do bandido e editor da revista Veja, Carlinhos Cachoeira.

Então, se não há nada a questionar em termos legais, esses advogados não deveriam manter junto a nós o prestígio e o respeito que tinham até pouco tempo atrás? Bem, esta é outra história completamente diferente. Quando esses profissionais do direito aceitam tais incumbências voluntariamente (eles não são defensores públicos que estão obrigados legalmente a prestar assistência jurídica a qualquer acusado que não disponha de defensor particular), via de regra, eles não as estão assumindo por uma questão de convicção na inocência do acusado ou por solidariedade ao mesmo em razão da justeza da causa em que estão envolvidos.

Durante o período da ditadura militar, vários advogados corajosos atuavam sem descanso para tentar pôr em liberdade ou suavizar as penas dos perseguidos políticos. Muitas vezes, eles tinham de se esforçar para provar que os acusados não tinham feito o que de fato tinham feito. Por exemplo, a lei da ditadura proibia que as pessoas se reunissem para fins de organização de partidos políticos, e várias pessoas foram detidas e acusadas desse delito. Todos sabíamos (especialmente os advogados defensores) que a acusação era verdadeira, mas nós defendíamos a atuação dos advogados e ficávamos felizes quando alguma vitória era conseguida, ou seja, quando conseguiam provar que o acontecido não tinha acontecido. E por que nos comportávamos assim? Simplesmente, porque considerávamos que a causa era justa e o condenável era a lei e não o que haviam feito os acusados. Ou seja, fazíamos a diferença entre o legal e o justo. Agora, eu me pergunto, os feitos de Daniel Dantas ou os do bandido editor da Veja, Carlinhos Cachoeira, podem ser considerados como moralmente justos, sendo a lei com a qual eles estão sendo acusados a verdadeira condenável?

Eu estou seguro (e creio que todo mundo está) de que tanto Luiz Eduardo Greenhalgh como Márcio Thomaz Bastos sabiam/sabem que seus defendidos realmente praticaram as ofensas legais pelas quais estavam/estão sendo acusados. Sendo assim, a única justificativa para que eles assumam a tarefa que decidiram assumir é o pagamento que receberiam como recompensa, ou seja, o dinheiro. Em outras palavras, eles estão agindo plenamente dentro da lei, mas motivados tão somente pelo dinheiro. Dedicaram/dedicam seus esforços para impedir que poderosos exploradores do povo brasileiro sejam punidos.  Não há como negar que eles têm este direito. A condenação aqui é moral, não legal. Pessoas que se dispõem a fazer uso de sua habilidade e de seu conhecimento voluntariamente para defender verdadeiros inimigos do povo não podem merecer nenhum apreço e boa consideração por parte daqueles que almejam alcançar uma sociedade onde impere a justiça e a igualdade. Agem dentro da lei, mas contra os interesses do povo. Devemos deixar que os elogios e alabações a esses profissionais do direito venham daqueles a quem eles estão servindo.

 

zanuja

da Agência Brasil

 

Brasil terá as primeiras estatísticas oficiais sobre tráfico de pessoas em um ano07/05/2012 - 18h05

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O Ministério da Justiça espera ter os primeiros dados sobre o tráfico de pessoas no país em um ano. O que existe atualmente são dados baseados em denúncias e em estudos contratados no ano passado. A informação é do Secretário Nacional de Justiça do Ministério da Justiça, Paulo Abrão.

Um dos estudos foi feito em conjunto com a Comunidade Europeia que mapeou o tráfico de mulheres entre o Brasil, Portugal e Itália e verificou que a maior procedência de mulheres para o tráfico para estes países está no estado de Goiás.

O secretário participou da criação do Comitê Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Rio de Janeiro. O estado é o oitavo a ter o comitê. Já foram instaladas unidades em São Paulo, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, na Bahia e no Ceará, Goiás. A intenção é a de criar esses comitês em todo o território nacional até 2014.

O desafio inicial dos comitês estaduais será a criação das primeiras estatísticas em torno da ocorrência desse crime transnacional, que se refere ao tráfico de pessoas para fins de exploração sexual, exploração de trabalho escravo, adoção internacional e tráfico internacional de órgãos. A partir da criação dos comitês estaduais, a meta é estruturar o Comitê Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas “O tráfico de pessoas é um crime que tem característica de profunda invisibilidade social”, disse Abrão.

Segundo o secretário, muitas vezes, as próprias vítimas não percebem a situação. Por isso, as ações repressivas não têm ainda promovido registros específicos para se criar um banco de estatísticas dessa atividade criminosa. “A formulação de políticas depende de diagnósticos sobre a ocorrência das modalidades criminosas. Essa é a tarefa primeira em cada uma das modalidades de tráfico de pessoas”.

A promoção de grandes eventos no país e a crescente mobilidade da população brasileira tornam mais urgente a questão do tráfico de pessoas, destacou Abrão.

Os comitês integram o Segundo Plano de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, que prevê diretrizes e ações para o país nos próximos anos. O plano foi já foi encaminhado à Casa Civil da Presidência da República, para aprovação. A expectativa é a de lançar o plano ainda no primeiro semestre deste ano.

“Também vai permitir uma transversalidade do tema com os demais ministérios e órgãos que se relacionam com o combate dessa atividade criminosa”, disse Abrão. O secretário se refere à Secretaria de Políticas para as Mulheres, Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Segurança Pública, Defensoria Pública da União, Ministério Público e as polícias estaduais.
 

Edição: Rivadavia Severo

 

De Rede Brasil atual.

PEC do Trabalho Escravo: nova chance para limpar a história brasileira

Proposta que destina à reforma agrária terras flagradas com mão de obra escrava vai a votação terça-feira na Câmara, mas há obstáculos na estrada

Por: Redação da Rede Brasil Atual

Publicado em 07/05/2012

  

São Paulo – Menos de um mês após a aprovação do Código Florestal, a Câmara dos Deputados, em Brasília, volta a ser o centro de uma votação importante para o país. À diferença da ocasião anterior, em que prevaleceram interesses particulares sobre as necessidades coletivas, desta vez os parlamentares têm a chance de aprovar uma legislação positiva para o país.

A Proposta de Emenda à Constituição 438, de 2001, mais conhecida como PEC do Trabalho Escravo, será apreciada na terça-feira (8) em plenário e pode, após oito anos na fila, se transformar em realidade. É esta, ao menos, a expectativa do governo Dilma Rousseff, que se vê na obrigação de negociar com uma bancada que ostenta um domínio sem paralelos no Legislativo. Donos de um em cada quatro assentos na Câmara, os representantes do agronegócio são 0,02% da população – mais que o número de “escravos modernos” resgatados em 16 anos.

Sem entrar no debate sobre a necessidade de um modelo político em que estejam contemplados todos os setores da sociedade, tema para outro momento, buscamos entender por que a dificuldade em aprovar uma lei que, afinal, combate um resquício de uma nação que se moderniza sem que desapareçam as marcas do passado. Em cinco reportagens, traçamos o cenário da escravidão contemporânea, aquilo que vai bem e aquilo que falta para que o Brasil possa, enfim, deixar de tratar com naturalidade suas contradições. Quem pode se opor a que se destine para reforma agrária uma terra na qual foi flagrada a escravidão, ou seja, a privatização do corpo de um semelhante como modo de aumentar lucros já polpudos? 

Apresentada em 2001 pelo senador Ademir Andrade (PSB-PA), a PEC do Trabalho Escravo foi votada no Senado naquele mesmo ano. Em 2004, após a chacina de fiscais do trabalho em Unaí, Minas Gerais, a Câmara apreciou a matéria em primeiro turno. Falta, agora, a votação final para selar a sorte da escravidão contemporânea no Brasil. “Trata-se do mais poderoso instrumento legal para o combate à escravidão da história do Brasil”, afirmou na última semana a Relatora Especial da ONU sobre Escravidão, a advogada armênia Gulnara Shahinian. “Sua adoção permitirá que pessoas de todos os cantos do país reconquistem sua dignidade, recebam proteção e liberdade deste vergonhoso ato que é a escravidão.”

Para a Comissão Pastoral da Terra (CPT), pioneira no combate ao trabalho escravo contemporâneo, uma proposta nutrida de valor simbólico: pune o equívoco e converte o objeto do crime em um instrumento para que o trabalhador, com terra nas mãos para produzir, não torne a ser alvo fácil dos aliciadores. Esta, aliás, uma das grandes pendências no combate ao problema. 

Como mostram as reportagens, o país avançou nas duas últimas décadas na fiscalização do crime. Mais de 40 mil trabalhadores resgatados depois, como se explica que não se esgote nunca o contingente de população vulnerável a um crime cometido de semelhante para semelhante? O 2º Plano Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo, editado em 2008 pelo governo Lula, oferece as respostas: sobra impunidade e falta reforma agrária. 

Em 2011, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) assentou 22 mil famílias sem-terra, número mais baixo desde o início da série história, em 1995. O Atlas do Trabalho Escravo, publicado em abril pela organização Amigos da Terra, mostrou pela primeira vez o mapa da vulnerabilidade: um enorme cinturão que inclui estados das regiões Norte e Nordeste concentra a maior parte das vítimas. São homens, analfabetos, quase sempre levados para a chamada “fronteira móvel” da Amazônia, ou seja, os lugares nos quais os desmatadores chegam antes do Estado.

Aprovada a PEC, restarão desafios. O primeiro é a própria implementação da proposta. A legislação brasileira tem até hoje dois instrumentos para a expropriação por conta do descumprimento da chamada “função social da terra”. O primeiro, o índice de produtividade, é foco de frequentes contestações judiciais. O segundo, a destinação para reforma agrária da terra na qual seja flagrado o uso de psicotrópicos, como maconha, raramente é utilizado. 

Esbarra-se em um Judiciário receptivo ao conceito de uma terra “sagrada”, acima dos direitos humanos básicos e universais, quase sempre disposto a entender a escravidão como uma infração trabalhista qualquer, desprovida de gravidade. O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), um proprietário de fazendas, deu recentemente uma aula de relativização do crime. Ao julgar a transformação em réu do senador João Ribeiro (PR-TO), Mendes ponderou que a ausência de refeitórios, de rede de saneamento e mesmo de água para consumo de mil trabalhadores era fruto das próprias condições de vida do povo brasileiro, não se podendo, portanto, criminalizar a pobreza. 

Nada que surpreenda. Tampouco há de surpreender o argumento que será utilizado pela bancada ruralista durante a votação de terça-feira. Entre outras coisas, será apresentada a leitura de que o conceito de escravidão moderna não está claro, o que abre espaço para o abuso de poder dos fiscais do trabalho. Mais vale observar o Código Penal, alterado em 2003. O Estado brasileiro reconhece como crime “reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto.” 

Como se vê, espaço para dúvida, não há. Na terça-feira o Brasil pode começar a limpar mais um capítulo sujo de sua história. Ou empurrar com a barriga.

 

 

zanuja

da Agência USP de Notícias

 

Sistema público de saúde não incentiva o parto normalPor Paloma Rodrigues - paloma.rodrigues@usp.br
 Publicado em 4/maio/2012 |  Editoria : Saúde | Imprimir Imprimir | 

A maioria dos hospitais da rede pública de saúde do Estado de São Paulo ainda não segue o modelo recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para a realização de partos. A instituição recomenda que seja incentivado o parto normal, em detrimento das cesarianas, bem como que os procedimentos sejam humanizados e ofereçam uma assistência segura com o uso apropriado das tecnologias para as gestantes e bebês. Segundo a obstetriz da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP, Claudia de Azevedo Aguiar,  “o profissional da saúde geralmente não tem o preparado para lidar com as emoções da mulher. Sua vontade e seu bem-estar não são priorizados na hora do parto”.

Hospitais ainda não seguem recomendação da OMS de incentivar partos normais

Claudia é autora da dissertação de mestrado Práticas obstétricas e a questão das cesarianas intraparto na rede pública de saúde de São Paulo, que analisou prontuários de 158 parturientes de dois hospitais da rede pública de São Paulo, localizados na Zona Leste da capital. Um deles utilizava o modelo humanizado (Centro de Parto Normal) e o outro o modelo tradicional, com centro obstétrico. O estudo foi apresentado na Faculdade de Saúde Pública (FSP), orientado pela professora Ana Cristina D’Andretta Tanaka, também da FSP.

O parto humanizado prevê assistência total à mulher durante o trabalho de parto, visando seu conforto. “O que tem que ficar claro é que esse não é um momento de glorificação do profissional, mas um momento da mulher e o que tem que ser valorizado é a relação mãe-bebê”.

As mulheres analisadas eram consideradas saudáveis, o que as colocava na condição ideal para a realização do parto normal. Entretanto, por motivos diversos — esclarecidos de forma bastante contraditória nesses prontuários — elas foram submetidas à cesariana. “Algumas intercorrências podem levar a uma mudança de planos na realização do parto. O que ficou claro no estudo é que muitas mulheres poderiam ter seus bebês pelo parto normal, mas em função de intervenções excessivas ou por uma decisão arbitrária médica, elas foram impedidas”.

Dentre as ações envolvendo o parto humanizado, registradas desde 1996 nas Recomendações da OMS, estão: elaboração de um plano pessoal que determine onde e por quem será assistido o nascimento, direito ao leito hospitalar no ato do parto, oferecer líquidos orais durante o trabalho de parto (no modelo tradicional, ainda se adota o jejum, o que já foi esclarecido pela Medicina Baseada em Evidências como prejudicial para a saúde da mulher e do bebê) e não utilizar métodos invasivos e farmacológicos para alívio de dor durante o trabalho de parto, mas alternativas como massagens e técnicas de relaxamento.

No Brasil, a questão do acompanhante virou lei. Em 2005 entrou em vigor a lei nº 11.108, que diz “Os serviços de saúde do Sistema Público de Saúde, da rede própria ou conveniada, ficam obrigados a permitir a presença, junto à parturiente, de 1 (um) acompanhante durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato”. Contudo, uma das justificativas que Claudia teve da dirigente do hospital tradicional foi de que, por serem salas coletivas, os acompanhantes inibem as outras gestantes e lhes causam desconforto. Para Claudia, a justificativa não se vale, “elas apelam para a justificativa da falta de estrutura para dizer que não é possível garantir privacidade e acompanhamento para todas as mulheres, o que de fato não é uma justificativa válida já que essa obrigação é do estado”.

Falhas
Mesmo no hospital que utilizava técnicas do parto humanizado, pode se constatar falhas. Segundo Claudia, apesar de alguns direitos serem respeitados, como acompanhante, outros pontos são deixados de lado. “As gestantes ainda são submetidas a substâncias químicas e farmacológicas para acelerar as contrações e isso pode ser extremamente danoso para mulher e para o bebê”.

Uma substância muito utilizada é a ocitocina. Ela aumenta as contrações intrauterinas, o que acelera a dilatação da mulher, mas em contrapartida causa muitas dores na gestante. Ela é altamente danosa para o corpo humano, quando utilizada incorretamente e só é recomendada em casos extremos, quando as contrações estão abaixo do normal ou quando há parada na progressão do trabalho de parto.

O que ainda precisa ser melhorado é o atendimento, com um treinamento dos profissionais focado na humanização da saúde. “O curso de obstetrícia da USP foca muito nessa questão, mas vi que outras formações deixam isso de lado e o profissional passa a ser apenas alguém que tem de realizar seu serviço, o mais rápido possível”.

Cláudia destaca que o parto normal garante uma recuperação muito mais rápida à mulher, a mãe pode ficar com o bebê o tempo todo — o que não acontece na cesariana — há menos perda de sangue e menos uso de medicamentos e taxa de mortalidade menor. “Infelizmente, a cultura popular cultiva uma visão errada do parto normal, como algo muito doloroso. Claro que existe dor, mas todas as mulheres são capazes de passar pelo parto normal”, afirma.

Foto: Wikimedia Commons

 

da Agência Senado

 

07/05/2012 - 14h55 Plenário - Homenagem - Atualizado em 07/05/2012 - 14h56

Polo de Manaus evitou devastação da floresta, afirmam senadores

Enviar notícia por e-mail Imprimir

  

Djalba Lima

O Polo Industrial de Manaus tornou-se um instrumento contra a devastação da floresta amazônica, afirmaram nesta segunda-feira (7) os senadores Eduardo Braga (PMDB-AM) e Vanessa Graziottin (PCdoB-AM) durante a sessão especial sobre os 45 anos da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). O deputado Pauderney Avelino (DEM-AM), também presente à sessão, disse que, graças ao modelo implantado no polo, o estado do Amazonas conseguiu preservar 98% de sua floresta.

– Isso é muito importante para o Brasil e para o mundo – acrescentou o deputado.

Vanessa Graziottin notou que a geração de emprego no Polo Industrial de Manaus reduziu a pressão sobre a floresta, mas cobrou uma reflexão sobre o futuro desse modelo iniciado em 1967. Segundo ela, é preciso avançar não somente em sua consolidação, mas também na transformação da biodiversidade amazônica em produto.

Biodiversidade

A parlamentar afirmou que o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) precisa dar um passo significativo e qualitativo no desenvolvimento de pesquisas inovadoras, com foco na geração de produtos da biodiversidade.

Além disso, a Suframa, em sua avaliação, deve se transformar em agência de desenvolvimento regional, contribuindo com os demais estados da Amazônia.

Para Eduardo Braga, é preciso “incluir a floresta” no Polo Industrial de Manaus. Uma das sugestões do senador é estimular, no polo, a fabricação de pneus com a borracha da região.

– É necessária, com a riqueza que Deus nos deu, a transformação rumo a um modelo de desenvolvimento econômico-social com responsabilidade ambiental, um desenvolvimento sustentável – afirmou.

Eduardo Braga disse esperar que a interligação de Manaus com as usinas hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio viabilize a primeira grande indústria no polo – a de transformação da silvinita em potássio, matéria-prima de fertilizantes.

Agência Senado

 

do Vermelho.org

 

7 DE MAIO DE 2012 - 11H03 

José Dirceu: A mídia, a direita e o jornalismo de esgoto

 

Ao ler a Carta Capital que está nas bancas neste sábado sinto-me com a alma lavada. Não só pela capa, brilhante, que coloca a foto de Roberto Civita com o título “Nosso Murdoch (vocês vão ver logo o porquê)”, mas pela profundidade e pertinência, pela forma inteligente como coloca o debate sobre a questão da mídia e do jornalismo no Brasil.

Por José Dirceu*


Começo por uma citação de Lorde Puttnam, membro do Partido Trabalhista inglês e que foi presidente da comissão do Parlamento que analisou a Lei de Comunicação de 2003. Não vou transcrever todo o artigo, publicado originalmente no The Observer, sob o título “Pelo bom jornalismo”, que merece ser lido por todos os que têm interesse no fortalecimento da democracia brasileira.

Lorde Puttnam escreve exatamente sobre como os políticos transformaram-se em reféns de uma mídia que, praticando um tipo de jornalismo de esgoto, graças à fragilidade da regulação e à tibieza dos próprios políticos, acabaram facilitando o trabalho de Murdoch e fortalecendo a direita.

Dois trechos do artigo de Lord Puttnam

O primeiro, que situa o problema: “Nos últimos 30 anos o império Murdoch tentou minar e desestabilizar governos eleitos e reguladores independentes, em nome de uma agenda política que, enquanto se ocultava por trás da cortina de fumaça da ortodoxia do livre-mercado, não é nada menos que uma tentativa sofisticada de maximizar o poder e a influência da News Corporation e sua agenda populista de direita”.

O segundo, onde buscar a solução: “Eu afirmaria que a lei da concorrência, em um setor ágil como a mídia, deve ser capaz de levar em conta e fazer julgamentos com base em um domínio do mercado ‘altamente provável’, assim como ‘real’. Isso exige uma clara estrutura regulatória que incentive e na verdade permita o florescimento da pluralidade da mídia. Não podemos, por exemplo, legislar pelo bom jornalismo, mas podemos legislar pelas condições sob as quais o melhor jornalismo é nutrido e sustentado. Podemos criar estruturas em que cada nova tecnologia se torne um incentivo à diversidade, e não um instrumento de sua erosão”.

Os esgotos, lá e aqui

O texto de Lord Puttnam é o coroamento da edição que Carta Capital faz envolvendo os escândalos da mídia lá e aqui. Lá, o assunto está em andamento. Não adiantou Murdoch fechar seu jornal de fofocas, o News of the World. Ele foi obrigado a prestar um depoimento de 10 horas devido ao chamado inquérito Levenson (utilização ilegal de escutas telefônicas). No depoimento saíram comprometidas figuras como os ex-secretário de Estado para a Cultura, Jeremy Hunt, o ex-primeiro-ministro Tony Blair, assim como os atuais primeiros-ministros da Inglaterra, David Cameron, e da Escócia, Alex Salmond. Não é pouca coisa!

Aqui, em reportagem de Cynara Menezes, com o título “Os desinformantes”, explica-se, afinal, por que a capa com Roberto Civita como o “nosso Murdoch”. A reportagem traz à luz as engrenagens de um sistema em que a revista de maior circulação do país se prestou a promover os interesses do bicheiro Carlos Cachoeira. Traz, de forma mais esmiuçada, o que já mostramos aqui: a troca de telefonemas entre o chefe da sucursal da revista em Brasília e a turma de Cachoeira; como se montaram reportagens de capa como aquela de 31 de agosto de 2011 em que se pretendeu juntar minha imagem à de um mafioso, com minha foto e o título “O poderoso chefão”; a entrevista nas páginas amarelas com o senador Demóstenes Torres, ação dentro da estratégia de transformá-lo, quem sabe, em ministro do STF (sic); e como Cachoeira era transformado pela revista em um verdadeiro pauteiro e editor: além de indicar os conteúdos de notas e reportagens, era consultado também sobre onde deveriam ser publicadas, se na coluna “Radar”, ou então na Veja.online ou, quem sabe em outro espaço mais “nobre”…

Um “olho” revelador

Ao lado da reprodução da capa com minha foto e da abertura da entrevista de Demóstenes Torres, a edição de Carta Capital traz o seguinte “olho”: “Denúncias sem sustentação serviram para acuar os adversários do esquema criminoso”.

A frase em destaque explica minha alma lavada. Até agora nenhuma publicação jornalística havia feito a relação. Para mim, que tenho uma história de militância política de esquerda, que tenho uma vida pública e um patrimônio moral a defender – minha própria vida –, é importante que a verdade apareça no ambiente do jornalismo, que tem suas técnicas e sua ética própria, que só pode prestar serviço à sociedade quando exercita a busca pela verdade.

Veja, um caso sério. Mas não único


Complementa o foco da edição de Carta Capital nos problemas da mídia e do jornalismo brasileiros os textos do editor especial da revista publicado sob o título “Veja, um caso sério”, e o editorial de Mino Carta, que pergunta: “Por que a mídia nativa fecha-se em copas diante das relações entre Carlinhos Cachoeira e a revista Veja?” 

O próprio Mino responde: porque o jornalismo brasileiro sempre serviu à casa-grande, mesmo porque seus donos moravam e moram nela. Quanto a isso, ninguém precisa se perder em explicações mais detalhadas.

Mas até quando continuará assim? Os parlamentares que integram a CPMI podem ajudar a jogar luz nos mecanismos de como a mídia e a direita (que, não por acaso, se confunde com os moradores da casa grande) se servem do mau jornalismo para esconder a verdade. E podem começar convocando a direção daVeja para explicar como foi armado o conluio com a turma de Carlos Cachoeira. Será um bom começo para se pensar sobre o que e como fazer para, a exemplo do que diz Lorde Puttnam na Grã-Bretanha, criar por aqui também “uma clara estrutura regulatória que incentive e na verdade permita o florescimento da pluralidade da mídia”.

*José Dirceu é blogueiro.

Fonte: Correio do Brasil

 

 

Do R7

 

Oposição quer fim de sigilo sobre
inquéritos contra Cachoeira

 

Requerimento deverá ser apresentado amanhã no Plenário da CPMI

Da Agência Brasil

Deputados e senadores da oposição pedirão nesta terça-feira (8), na CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) do Cachoeira, o fim do sigilo sobre os inquéritos das operações Monte Carlo e Vegas, realizadas pela Polícia Federal.

Essas operações investigaram as atividades e as relações do empresário goiano Carlos Augusto Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira, preso desde fevereiro sob suspeita de envolvimento com jogos ilegais e de comandar uma organização criminosa envolvendo políticos e administradores públicos.

O requerimento deverá ser apresentado amanhã no Plenário da comissão e, de acordo com o líder da bancada tucana no Senado, Álvaro Dias (PR), caso não seja aprovado, o partido cogita entrar com um mandado de segurança no STF (Supremo Tribunal Federal) pedido a abertura.

 

 

zanuja

da Agência Brasil

 

Levantamento revela permanência da violência contra mulher mesmo após a Lei Maria da Penha07/05/2012 - 20h08

Gilberto Costa
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A nova edição do Mapa da Violência mostra um problema antigo: em trinta anos a taxa de homicídios de mulheres no Brasil oscilou em torno de 4,4 vítimas a cada 100 mil mulheres. Foram assassinadas, entre 1980 e 2010, 91.932 mulheres. Quase a metade dos casos, 43.486 mortes, ocorreu na última década.

Segundo o documento, até os 14 anos de idade os pais são os principais responsáveis pela violência. O papel de agressor, porém, vai sendo substituído progressivamente pelo parceiro ou ex-parceiro, a partir dos 20 anos de idade, situação que se mantém até a idade de 60 anos. Depois dos 60 anos os filhos preponderam na geração de violência contra a mulher.  

Em vigor, desde 2006, a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340) criou mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra as mulheres. Segundo o sociólogo Júlio Jacobo, autor do Mapa da Violência, os indicadores de violência estagnaram desde a mudança da legislação. “Não está aumentando, mas ainda estamos ainda na UTI, mesmo sem o agravamento do quadro”, explicou o pesquisador à Agência Brasil.

“A Lei Maria da Penha atua na contramão de um processo histórico de violência, mas nenhuma lei altera a realidade”, avalia Jacobo. Segundo ele, a mobilização da sociedade civil e o funcionamento do Poder Público contribuem também para a eficácia da lei. No segundo semestre, a Secretaria de Política para as Mulheres, ligada à Presidência da República, deverá propor um “pacto nacional” para enfrentamento da violência contra a mulher.

A violência contra as mulheres faz do Brasil o sétimo em “feminicídio” num ranking de 84 países, atrás de El Salvador, da Guatemala, Rússia e Colômbia. Internamente, os estados com as taxas mais elevadas de violência contra as mulheres são o Espírito Santo, Alagoas e o Paraná, respectivamente com taxas de 9,4, 8,3 e 6,3 homicídios para cada 100 mil mulheres. Dentre as capitais, as maiores taxas estão na Região Norte: Porto Velho, Rio Branco e Manaus.

O levantamento foi feito com base em dados secundários, obtidos do  Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) - ambos do Ministério da Saúde. Para os dados internacionais, Jacobo utilizou o Sistema de Informações Estatísticas da Organização Mundial da Saúde (Whosis, sigla em inglês).

Edição: José Romildo