Revista GGN

Assine

Como o Globo deu o caso Andressa-Veja

Do O Globo

Juiz diz que mulher de Cachoeira tentou chantageá-lo com dossiê

Andressa Mendonça teria dito que documento foi elaborado por jornalista da Veja

GOIÂNIA - O juiz Rocha Santos, da 11ª Vara Federal de Goiânia, afirmou na tarde desta segunda-feira que Andressa Mendonça, mulher do contraventor Carlinhos Cachoeira, tentou chantageá-lo com ameaça de divulgar um dossiê que teria informações e fotos dele com dois políticos e dois empresários. Andressa teria dito, segundo o magistrado, que o levantamento foi feito pelo diretor da sucursal da “Veja” em Brasília, Policarpo Júnior, a pedido de Cachoeira. O conteúdo seria divulgado caso o juiz não adotasse medidas favoráveis ao bicheiro. Ela exigia absolvição do processo em que Cachoeira é acusado de corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha.

- Ela insistiu para que eu aceitasse a proposta de liberar o Carlos (Cachoeira) em troca da não divulgação do dossiê. Foi quando eu perdi a paciência, abria porta e pedi para ela sair – disse o juiz ao GLOBO.

Procurada, a direção da revista afirmou que a acusação é absurda e mentirosa:

"A direção da VEJA afirmou que seu Departamento Jurídico está tomando providências para processar o autor da calúnia que tenta envolver de maneira criminosa a revista e seu jornalista com uma acusação absurda, falsa e agressivamente contrária aos nossos padrões éticos."

O objetivo de Andressa era obter uma decisão favorável para seu marido. O juiz reagiu e fez um relato do caso ao Ministério Público Federal. Depois de analisar o caso, o MP pediu a prisão dela, que pode acontecer a partir de quarta-feira, caso ela não pague R$ 100 mil de fiança.

- Ela teve a desfaçatez de ir à Justiça Federal tentar chantagear o juiz. Ele deve ter ficado perplexo. Foi muita ousadia da parte dela - disse uma autoridade que está acompanhando caso de perto.

Santos é o juiz que está conduzindo o processo contra o bicheiro e mais sete réus, por corrupção e formação de quadrilha armada, aberto após investigações da Operação Monte Carlo.

De acordo com informações da Polícia Federal concedidas nesta segunda-feira, Andressa já foi liberada e terá um prazo maior para pagar a fiança. Além disso, a PF definiu que ela não poderá ter qualquer contato com envolvidos na operação Monte Carlo, que levou à prisão de Cachoeira, inclusive com o marido. Mais cedo, Andressa foi levada para prestar esclarecimentos à Polícia Federal. Os agentes da PF cumpriram mandado de busca e apreensão em sua casa, antes de encaminhá-la ao depoimento.

Na última quarta-feira, o Ministério Público Federal pediu à Polícia Federal que abra inquérito para apurar o suposto uso de Andressa como laranja de Cachoeira. Documentos apreendidos na Operação Monte Carlo indicam que Cachoeira negociou a compra de uma fazenda de R$ 20 milhões entre Luziânia e Santa Maria, a cem quilômetros de Brasília, e passou para o nome da namorada.

CPI do Cachoeira também já marcou a data para o depoimento da atual mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira e da ex-esposa do contraventor, Andréa Aprígio, na comissão que investiga as relações de Carlos Augusto Ramos com políticos e empresários. Ambas vão se apresentar à CPI, Andressa no dia 7 de agosto e Andréa no dia seguinte.

A assessoria do presidente da CPI do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PSDB-PB), já se manifestou em relação à tentativa de chantagem e garantiu que a mulher do bicheiro será interrogada sobre o delito.

Ajufe apoia atitude de juiz

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou nesta segunda-feira nota elogiando a conduta de Rocha Santos. A entidade manifestou "irrestrito apoio" ao magistrado:

"O juiz, corretamente, comunicou o fato ao Ministério Público Federal, que, por sua vez, tomou as medidas cabíveis ao caso. A atitude do juiz federal demonstra transparência e que a Magistratura Federal não se intimida por esse tipo de conduta. A impensada atitude da Sra. Andressa Mendonça não interferirá no andamento do processo criminal conduzido pelo juiz federal Alderico Rocha Santos. A sociedade brasileira tem total confiança na Justiça Federal", afirmou a entidade, em nota.

Andressa seria “mensageira” do grupo criminoso, diz MP

O Ministério Público Federal em Goiás (MPF - GO) classifica o comportamento de Andressa como o de “mensageira do grupo criminoso” de Cachoeira. Para os procuradores da República Léa Batista, Marcelo Ribeiro e Daniel de Resende Salgado, que participaram da operação Monte Carlo, que resultou na prisão de Cachoeira, Andressa agiu com “ousadia” ao ter supostamente tentado corromper o juiz.

“A gravidade do fato é latente, uma vez que a chantagem a um magistrado, no exercício de suas atribuições, com o escopo de pressioná-lo a decidir conforme os interesses do preso, é uma afronta ao próprio Estado Democrático de Direito. É fato inadmissível e que deve ser neutralizado, de forma rigorosa, pelas agências formais de controle”, avaliam os procuradores da República, segundo nota divulgada nesta segunda pelo MP.

Para o MPF, a investigação feita pelo grupo criminoso sobre a vida do juiz só vem a demonstrar que o grupo continua ativo, continuando a desenvolver ações de enfrentamento ao próprio Estado. “É mais um método utilizado por organizações criminosas para tentar garantir a impunidade de seus membros”, esclarecem.

Sem votos
42 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+42 comentários

Duas notícias diferentes sobre o mesmo caso. A primeira, no JN da Rede Globo e a segunda, no portal G1 da Globo, num trecho escondido no meio do texto.

1 -Foi em seguida que o juiz afirmou que Andressa fez a chantagem, dizendo que tinha um suposto dossiê contra o magistrado, que seria divulgado se Cachoeira não deixasse a prisão. (http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/07/juiz-federal-diz-que...)

2 - Conforme o juiz, Andressa teria dito: "Doutor, tenho algo muito bom para o senhor. O senhor conhece o Policarpo Júnior? O Carlos contratou o Policarpo para fazer um dossiê contra o senhor. Se o senhor soltar o Carlos, não vamos soltar o dossiê". (http://g1.globo.com/goias/noticia/2012/07/juiz-afirma-que-mulher-de-cach...).

 

 

Caramba, essa preocupação em saber se o pig iria omitir o nome do Poli nessa lambança. acaabou nos distraindo de uma omissão que de fato ocorreu, alias sem surpresas.

Eles ignoraram por completo a denuncia da Carta. Nem para destacar a defesa do Gilmar, o fizeram.

O pig simplesmente decidiu que a revista do Mino não existe, e ponto final. Mas sinto informá-los que aqui nas bancas da Gloria a Carta fica em destaque, tanto quanto a Veja e a Época

 

Juliano Santos

Não sei porque, mas este caso me lembra uma chantagem recente de uma pessoa a um juiz federal (supremo) ...

 

Mas esse juiz denunciou no mesmo dia, levantou provas e chamou o MP. No caso que vc se refere, o denunciante esperou 30 dias, não chamou o MP e foi desmentido pela testemunha presente. Pensando bem, acho que é diferente, ou a sua inteligência não percebe?

 

Publicado no site da justiça federal de Goiás a decisão do MM que recepcionou a denuncia da tentativa de chantagem. Ali vemos que a denuncia feita é datada de 26/07 - data do ocorrido.

http://www.jfgo.jus.br/comum/noticias/visualiza_anexo.php?naid=300

 

Briga  de  (baixíssimo )  nível  no   chiqueiro  piguento  ??

 

Interessante, veja vai processar quem a incrimina: o juiz ou a Andressa? Espertamente não apontam. Claro.

Aqui está o chave da mina. O beco não tem saida. Acompanhemos a ação do jurídico da veja para defender seus "padrões éticos". "Padrões éticos". Aposto que não vão fazer nada, não são bobos. Já nem se lembram.

Daria tudo para ver a revistinha processar a mulher do sócio... Ia ser interessantissíssimo.

Quando se dará a ação da veja??????? Contra quem? Acompanhemos.

 

Quem não desconfia de si próprio não merece a confiança dos outros (ditado árabe)

Do mesmo veículo (O Globo).

__________________

 

Juiz de Goiás acusa mulher de Cachoeira de chantagem

 

Andressa Mendonça foi obrigada a prestar depoimento ontem à Polícia Federal; para não ser presa, comprometeu-se a pagar fiança de R$ 100 mil

 

JAILTON DE CARVALHO

[email protected]

 

BRASÍLIA. A Polícia Federal abriu inquérito para apurar acusação de chantagem que teria sido realizada por Andressa Mendonça, mulher do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Andressa teria ameaçado o juiz Alderico Rocha Santos, da 5ª Vara Federal de Goiás. Ontem de manhã, Andressa teve de ir à PF prestar esclarecimentos. Só foi liberada porque se comprometeu a pagar uma fiança de R$ 100 mil até amanhã. Segundo o juiz, Andressa o chantageou com a divulgação de um dossiê para forçálo a inocentar e relaxar a prisão de Cachoeira.

 

O bicheiro responde a processo por corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha armada. O processo é conduzido por Rocha Santos. Ao Ministério Público Federal, o juiz descreve a tentativa de chantagem durante uma reunião com Andressa na quinta-feira passada, no gabinete do magistrado.

 

Segundo o relato do juiz, Andressa pediu para ficar a sós com o juiz porque precisava falar sobre as visitas íntimas que faz a Cachoeira na prisão, e não gostaria de expor a intimidade na frente de outras pessoas. Depois de muita insistência de Andressa, o juiz pediu para uma assistente deixar o gabinete. Mal a assessora fechou a porta atrás de si, Andressa partiu para o ataque. Disse que a revista “Veja” iria divulgar um dossiê contra ele, mas a publicação poderia ser barrada se Cachoeira fosse inocentado e solto.

 

Andressa decidiu, então, escrever os nomes Marcelo Miranda, Maranhense e Luiz num bilhete como se a simples menção a estas pessoas pudesse fazer o juiz amolecer. Marcelo Miranda é ex-governador de Tocantins, onde Rocha Santos trabalhava antes de se transferir para Goiânia. Luiz Lira é um fazendeiro amigo de infância de Rocha Santos. Maranhense seria um fazendeiro conhecido do juiz. Como Rocha Santos permanecia impassível, Andressa fez referência a um processo por trabalho escravo e ordem de prisão contra Lira.

 

— Se você não tem receio de se expor, você vai expor seus amigos. Você não se preocupa com seus amigos? — insistiu a mulher.

 

Andressa disse ainda que tinha uma foto em que Rocha Santos aparece ao lado da senadora Kátia Abreu (PSD-TO). A senadora seria “desmascarada” por ela na CPI do Cachoeira. Andressa disse que Kátia Abreu “não saía da casa de Cachoeira” para pedir dinheiro que seria usado em campanhas eleitorais.

 

— Ela insistiu para que eu aceitasse a proposta de liberar o Carlos (Cachoeira) em troca da não divulgação do dossiê. Foi quando eu perdi a paciência, abri a porta e pedi para ela sair — disse Rocha Santos ao GLOBO.

 

A ordem de condução coercitiva foi expedida pelo juiz Mark Ishida. A fiança de R$ 100 mil é uma medida alternativa à prisão. Se não pagar, Andressa será presa. A fiança antecipada está prevista em lei sancionada ano passado.

 

A direção da “Veja” negou vínculo com o dossiê. A revista informou que está tomando “providências para processar o autor da calúnia que tenta envolver de maneira criminosa a revista e seu jornalista com uma acusação absurda”. Kátia Abreu disse que nunca esteve com Cachoeira.

 

— Não tenho um pingo de medo dele. Não ando mal acompanhada. Todo mundo em Goiás sabe que ele é um contraventor. E, se ele for à CPI novamente, vou tratá-lo com a mesma dureza — disse Kátia Abreu.

 

1) O juiz sabia  o risco que corria ao admitir a conversa sem testemunha alguma e sem gravar nada.
2) Só depois de ouvir a chantagem é que resolveu mandar Andressa embora, sem prendê-la no ato, já que podia e devia ter feito isto. 
3) Esperou alguns dias para avisar a Polícia Federal, que prendeu a mulher de Cachoeira, ouviu-a sobre o caso e avisou que promoverá acareação dela com o juiz, o que por si só também é estranhíssimo, porque é colocada em dúvida a palavra do juiz.
4) Andressa pode mesmo ter se referido a Policarpo Júnior, o jornalista brasileiro mais odiado pelo PT e pelo governo Dilma Roussef, usando indevidamente o nome do profissional e da revista Veja, fazendo bravata própria, sobre a qual terá que responder judicialmente, caso se confirme a versão do juiz.
5) O juiz do caso pode ter inventado tudo, colocando-se a serviço dos interesses de possíveis "novos patrões" de Carlinhos Cachoeira, interessados em atacar Policarpo Júnior e Veja, mas sobretudo encorpar a série de manobras diversionsistas para sombrear o julgamento do Mensalão.

http://polibiobraga.blogspot.com.br/

 

ETs vistaram Brasília e disseram para soltar cachoeira para manter o equilíbrio ecológico dos tucanos.... Suposições e nada mais para que não tem condições de acarear perante a justiça por estar envolvida na arte da mentira e ter como referência uma revistucanalha que ensina seus pupilos artes infinitas da chantagem...

 

Robber

Qualquer pessoa com o mínimo de discernimento e de conhecimento jurídico sabe que caso o juiz desse voz de prisão a namorada do Cachoeira no ato da ameaça seria puramente a sua versão contra a dela e certamente a tropa de choque do PIG, a seu exemplo, seriam o primeiros a espernear e acusar o juiz de ser pau mandado do PT. Ao fazer a opção de primeiramente informar o MPF  e judiciário, o juiz deu a oportunidade de se buscarem eventuais provas na residência da mesma e caso ela tivesse sido presa no ato da chantagem, provavelmente daria tempo de seus comparsas as destruirem.

O problema é que aqueles que insistem em defender o indefensável estão sempre fazendo suas análises sem utilizar o cérebro.

 

Givaldo-SP

Eu acho que poucos estão entendendo o que está se passando:

Cachoeira está insatisfeito com a maneira que a Veja o abandonou, e enviou sua namorada ao gabinete do Juiz com o intuito de mandar um recado para a revista: Você me ferra, eu te ferro....

 

Olá Frank... discordo da sua análise....a Veja têm as suas digitais (os dez dedos) nesse caso... um post no site da referida foi publicado no dia 25/07....dá todas as pistas... um título suspeito e um texto sem nenhuma conexão... foi o recado que preparou o terreno... talvez o tiro tenha saido pela culatra... sabendo do recado do dia anterior, o Juiz se preparou.... Policarpo e Cachoeira sabem perfeitamente que : "Não se abandona um companheiro  ferido à beira da estrada"  ...

 

Resta saber se a Globo vai abandonar Veja na estrada; tá ficando muito pesado esse enredo. O que mais espanta é postura de TODAS as nossas instituições. Estamos tratando de associação dos meios de comunicação ao crime organizado, inclusive, com ameaças a magistrados e parlamentares, com uma naturalidade, desconcertante. Não podemos imaginar que essa associação fosse um grande segredo para o Estado Brasileiro e que só agora foi "descoberta". Não se monta uma estrutura dessas do dia para a noite. A Veja "fechou"com Cachoeira e os outros veículos fecharam com a Veja e isso já está mais que claro para todo mundo, bastando observar a omissão, desde o início do caso Cahoeira, do nome da Veja pelos outros veículos. Veja tinha como papel, dar o pontapé inicial, para que as concessões públicas replicassem para a Nação os planos da quadrilha. Cada um com o seu papel; e o papel das concessões públicas, no esquema é o de amplificar os planos da quadrilha e cooptar a população para trabalhar ( votar, marchar ) em favor dos interesses da bandidagem. A turma do Cahoeira é o pessoal "terceirizado"  que faz o  serviço sujo. Não vou me surpreender se quem tiver mandado o recado ao juiz pela Andressa for a própria Veja. O grupo do Cachoeira pega no pesado mas a chantagem, de fato, é feita pelos meios de comunicação.

É de estarrecer a quantidade de notas que as instituições soltam como se o que estivéssemos vivenciando fosse algo do tipo fofocas de revistas de celebridades. O Estado está sendo chantageado e as Instituições soltam notas e dão declarações... Estranho, é.

 

As coisas já foram melhores pro Cachoeira! Thomás Bastos pede o chapéu! Será que o Dantas não tem um dos seus mil e uns advogados pra emprestar pro Carlinhos?

 

31/07/2012 - 10h02Márcio Thomaz Bastos oficializa saída do caso Cachoeira


CATIA SEABRA

DE BRASÍLIA

O escritorio do ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos deixa nesta terça-feira oficialmente a defesa do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. A saída será protocolada no processo sem pronunciamento formal.

A detenção de Andressa Mendonça, mulher de Cachoeira, foi o estopim. Mas a crise já se alongava durante semanas.

Thomaz Bastos já estava fora do caso há duas semanas. Uma advogada da equipe, Dora Cavalcanti, afirmou que durante a defesa de Cachoeira surgiram "atritos naturais" e que a relação entre empresário e advogados foi desgastada.

 

 Zanone Fraissat - 23.mar.12/Folhapress Após detenção de Andressa, ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos deixa o caso de Carlinhos CachoeiraApós detenção de Andressa, ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos deixa o caso de Carlinhos Cachoeira

"A saída do caso foi amigável. Nosso acordo era defender o empresário Carlinhos Cachoeira apenas até a audiência da semana passada. Fui uma saída natural", disse a advogada à Folha.

Segundo advogados da equipe, não há previsão de pagamento por ressarcimento ao réu.

Cachoeira é acusado de envolvimento em um esquema de jogos ilegais e está preso desde fevereiro deste ano.

Ontem (30), a noiva do empresário, Andressa Mendonça, foi detida sob suspeita de tentar corromper o juiz responsável pela Operação Montecarlo, que resultou na prisão do empresário. Ela prestou depoimento e pagou fiança de R$ 100 mil para ser liberada.

Segundo o juiz federal Alderico Richa Santos, Andressa o ameaçou com a divulgação de um dossiê contra ele caso a prisão de Cachoeira não fosse revogada. O documento seria publicado pela revista Veja.

Procurada pela reportagem, a Veja, por meio de sua assessoria, afirmou que vai pedir processar o autor da calúnia. "A direção da Veja afirma que seu departamento jurídico está tomando providências para processar o autor da calúnia, que tenta envolver de maneira criminosa a revista e seu jornalista com uma acusação absurda, falsa e agressivamente contrária aos nossos padrões éticos", diz nota da assessoria.

 

Como o Globo retrata o assunto: Notinha na 1ª página à esquerda "mulher de bicheiro ameaça juiz" com chamada para a pg 6, somente.


Enquanto isto as pgs 3, 4 e 5, inteiras, tratam do mensalão com editorial de MERVAL, do Ancelmo Goes e até artigo do FHC pedindo que o STF considerar a opinião pública (a dele e do PIG naturalmente).


Parece ter sido preparado e entregue a todos os telejornais de ontem um vídeo, contando em detalhes como ocorreu e o que foi feito em 2005. Se vc mudasse de canal (Globo para a Record por exemplo) o vídeo era exatamente o mesmo, sem tirar ou acrescentar qualquer vírgula.


Esta é a verdadeira "pressão sobre o Supremo" elaborada e exibida sem qualquer disfarce pelos psdbistas, distribuída a todos os jornalões que a repercutiram como se fosse notícia do dia. 

 

As organizações Globo são um câncer que precisa ser extirpado da sociedade brasileira.

 

ABAIXO A DITADURA

 

As organizações Globo são um câncer que precisa ser extirpado da sociedade brasileira.

 

ABAIXO A DITADURA

 

As organizações Globo são um câncer que precisa ser extirpado da sociedade brasileira.

 

ABAIXO A DITADURA

 

notícia quente: marcio thomaz bastos abandona defesa de cachoeira

http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI160701,31047-Marcio+Thomaz+Bastos+abandona+defesa+de+Cachoeira

 

Márcio Thomaz Bastos não é mais o advogado de Carlinhos Cachoeira. O ex-ministro teria abandonado a defesa do contraventor após incidente envolvendo Andressa Mendonça, mulher de Carlinhos, segundo a Folha de S. Paulo. A saída não será anunciada oficialmente, apenas protocolada no processo.

 

Andressa está sendo investigada por tentar corromper o julgador responsável pelo caso. Dizem os informes que o juiz Federal Alderico Rocha Santos teria dito que foi chantageado. Ela teria afirmado possuir um dossiê contra o magistrado e que não o divulgaria se houvesse a soltura de Cachoeira. Conforme relatou o juiz ao G1, o dossiê (na versão da mulher) teria sido produzido a pedido de Cachoeira pelo jornalista Policarpo Júnior, da revista "Veja", em Brasília.

 

Segundo o matutino, a crise se alongava há semanas - Thomaz Bastos já estava fora do caso e recentemente uma advogada de seu escritório teria sido agredida verbalmente por Cachoeira.

 

Ah, o Thomas Bastos defende qualquer crime, menos o de atentado à inteligência ( ou burrice, vá lá ). Aí já é pedir muito.

 

Nira,

Com certeza.

 

Maria Olimpia

Vergonha, ontem o JN, omitiu o nome da Veja e do Policarpo!! Se não fosse os blogs e outros jornais o povo não saberia quem produziu o documento. Mas no caso do mensalão, uma produção de cinema!!

 

"a revista e seu jornalista com uma acusação absurda, falsa e agressivamente contrária aos nossos padrões éticos."

Nunca dei uma risada tão gostosa na minha vida ao ler tamanho disparate.

Ética e compromisso com a verdade  nunca fizeram parte da pauta do PIG.

 

Esse Juiz não agiu tal qual o Gilmau que disse que foi chantageado mas não procurou o Ministério Público com a denúncia. Por aí se vê que não é um prevaricador...

 

Neste caso o juiz falaria imediatamente com o Falcão, presidente do PT, e depois esperaria 30 dias, chamaria a imprensa (quem?), e faria, ESCANDALIZADO, a denúncia.

 

Quem não desconfia de si próprio não merece a confiança dos outros (ditado árabe)

O mais absurdo sãos os donos dos jornais terem essa "solidariedade de classe" mesmo que haja um ato criminoso por trás. É espantosa a falta de dicernimento dos donos de jornais diante da máfia que está atuando ainda, já que a parte incrustada na mídia não foi afetada.

Com que credibilidade eles falam de mensalão? Se o que está ocorrendo neste momento é 10 vezes maior. Para recordar, o mensalão foi um instrumento de aliciamento que o PT herdou da máquina de corrupção  que foi montada do PSDB. Máquina oriunda do aparelhamento feito pelo PSDB para conseguir a aprovação da reeleição do FHC (isso o "Merval" não diz em seu artigo simplorio de hoje). O tal "Mensalão" é baseado na compra de maioria no congresso em troca de favores, cargo políticos e até dinheiro vivo. Dependendo da questão, o dinheiro era transferido da verba da propaganda do governo para um atravessador (Marcos Valério) que repassava (segundo orientação) para políticos no congresso. Para essa máquina de corrupção tanto importa a cor da galinha desde que ela ponha o ovo.

Máquina desmontada, ficaram expostas as engrenagens, eixos e buchas (Roberto Jefferson, por exemplo). Os motores e as correias de transmissão ainda estão intactos a espera de um novo "device" a ser montado ou arquitetado, já que funciona assim. Desde o início da Nova República, o Congresso Nacional em atividade com uma legislação aberta como a nossa, disposta em um cipoal jurídico que dá cobertura a corrupção, os "cases" se multiplicam ora são os "anões do orçamento" ora são os mensaleiros.

Fazendo uma analogia ao exposto acima, as correias de transmissão ainda estão funcionando na máquina de corrupção montada por Carlinhos Cachoeira com a conexão Andressa-Veja.

 

Via http://www.facebook.com/nelson.polak.5

 

Taí uma boa: produzir uma grande quantidade de símbolos ''globo verdade'', são os logotipos da globo, que representam a globo nas diversas situações. Um para ''Globo não noticia'', outro para ''Globo mente'', ... Tudo de muito bom gosto, né!

 

A cobertura dos três maiores jornais do país é semelhante. Não omitem o nome do Policarpo e da publicação para onde trabalha. Um risco calculado , certamente acordado , já que qualquer omissão jornalística às vésperas do show do mensalão pode trazer graves consequências à sua combalida credibilidade e comprometer o papel que espera desempenhar no julgamento do STF. 

 

No jornal da BAND disse que o dossiê seria publicado num jornal de grande circulação, mas omitiu a Veja e o Policarpo. Além de não ter dado espaço para o Boechat dar seus pitacos.

 

È, eu vi esse telejornal e achei muito estranho. Foi mais omisso que o JN, e o Boechat não é disso. Ou não era, sei lá. Tendo em vista as posturas ostensivamente ruralistas que a emissora andou propagando no telejornal, tudo é possível.

 

A nota da Veja diz que ela processará o caluniador:

"A direção da VEJA afirmou que seu Departamento Jurídico está tomando providências para processar o autor da calúnia que tenta envolver de maneira criminosa a revista e seu jornalista com uma acusação absurda, falsa e agressivamente contrária aos nossos padrões éticos."

Mas o juiz não disse que Policarpo preparou o dossiê, ele disse que a Andressa afirmou isso tentando chantageá-lo. Isto é calúnia?

 

Duas uma, ou a Andressa processa o juiz por calúnia. Ou a Veja processa a sra. Cachoeira por calúnia.

Se Andressa negar que tenha feito a chantagem, terá que processar o juiz. Nesse caso, a Veja teria que processar o juíz em companhia da "chave-de-cadeia". Que interessante, os dois juntos.

Se ela não negar, a Veja terá que processar a moça.

Palpite, a Veja não vai processar ninguém. Vai usar de toda sua influência no restante do pig, para abafar o caso.

 

Juliano Santos

Não, se houver calúnia, será da Andressa, correto? Ao que consta, ela teria afirmado a existência do dossiê.

 

O fato corrobora os principios éticos da revistinha. Dando uma declaração desta ali citada ela faz uma confissão sobre a real preparação do dossiê.

Esquisito, sera que veja entregou os pontos?

 

Quem não desconfia de si próprio não merece a confiança dos outros (ditado árabe)

Este Blog faz o contraponto da TV Globo. A grobo, ontem no seu jn, voltou no tempo, parecia 2005. A maior corrupção da história foi, sem dúvida, a Privataria Tucana.

 

E  como  eu previ ontem, Marcio Tomaz Bastos  não é  mais  advogado de Cachoeira. Deu na Folha.


DE BRASÍLIA

O escritório do ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos deixou nesta terça-feira (31) oficialmente a defesa do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. A saída será protocolada no processo sem pronunciamento formal.

A detenção de Andressa Mendonça, noiva de Cachoeira, foi o estopim. Mas a crise já se alongava durante semanas.

Thomaz Bastos já estava fora do caso há duas semanas. Uma advogada da equipe, Dora Cavalcanti, afirmou que durante a defesa de Cachoeira surgiram "atritos naturais" e que a relação entre empresário e advogados foi desgastada.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/1128975-marcio-thomaz-bastos-oficiali...

 

Pior que foi mesmo, Marcia!

 

É o total descompromisso com os fatos com o objetivo de blindar a VEJA. 

Só houve duas citações a VEJA ( uma na defesa) e uma de Policarpo.

Dentre os entrevistados, ninguém repercutiu o fato de um jornalista e sua revista estarem envolvidos com uma quadrilha a ponto de produzir dossiês para chantagear um juiz federal.

Imprensa sem independência e com a "cauda" presa. Já existem muito mais do que indícios que o Po0licarpo agiu e AGE a favor de delinquentes presos, atrapalhando o curso da investigação, se esse país tivesse coragem para enfrentar a choradeira Policarpo estaria na cadeia e a VEJA sendo processada pelo MPF.

 

Visitem o Blog Ponto & Contraponto. Twitter: @len_brasil Robozinho do blog: @pontoXponto

 


LEN (terça-feira, 31/07/2012 às 10:45),


Não sei, mas parece que estão fazendo um cavalo de batalha em torno do nada. A moça só queria se ver livre de depor na CPI como testemunha sem o direito de ficar calada. Agora ela é ré e tem o direito de ficar calada.


Lá à frente ela vai dizer que foi um equívoco, ou então alegar que ela fez o mesmo que Lula fez com Gilmar Mendes.


O que é horrível é ler a Mirian Leitão falar sobre o julgamento de forma mais tendenciosa possível. Foi constrangedor ver a que ponto uma rede que foi financiada pela ditadura militar trazer o noticiário sobre o julgamento tal qual a rede Globo o trouxe ontem. E assistir outros programas com viés semelhante é que é vergonhoso. Nesse sentido é alvissareiro o artigo de Jânio de Freitas “O julgamento na imprensa” e que saiu na Folha de S. Paulo e foi transformado aqui no blog de Luis Nassif no post “A imprensa e o julgamento do mensalão” de terça-feira, 31/07/2012 às 09:25, podendo ser visto no seguinte endereço:


http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-imprensa-e-o-julgamento-do-mensalao


É a demonstração de alguém que não se curva. Situações assim é que mereciam mais destaques.


A questão da Andressa e do Policarpo é café pequeno. E é fruto dessa nossa mentalidade de dar importância a coisa nenhuma e que aflige a todos. O próprio Luis Nassif, no post “A mãe de toda corrupção” de terça-feira, 31/07/2012 às 08:00, na Coluna Econômica dele, não bastasse um título inadequado propõe a falar de "tema central, no combate à corrupção no país: o financiamento privado de campanha”. Ora, a corrupção vai perdurar se o financiamento privado de campanha desaparecer, então dizer que este é o tema central no combate a corrupção é exagero. O link para o post “A mãe de toda corrupção” é:


http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/a-mae-de-toda-corrupcao


Então, para mim é isso, estão escolhendo temas sem sentidos para dar importância que evidentemente não é devida.


Clever Mendes de Oliveira


BH, 31/07/2012

 

VIXE.

Mas que estoriazinha mal contada essa do dossie contra o juiz.

Isso porque até o dia 19 o juiz que tocava o caso era Paulo Augusto Moreira Lima que abandonou o caso. O seu substituto na ordem, seria outro Juiz, Leão Aparecido Alves, que se declara impedido.

Aí a justiça Federal nomeia o Juiz Alberico como substituto e este assume o processo.

Assim, para algum trouxa acreditar nessa história o cachoeira (preso), teria mandado, pedido, pagado, ameaçado o Policarpo a fazer um dossie contra esse novo Juiz em tempo recorde de 30 dias pra usar agora?

Quem acredita nisso?

Ai a esposa/namorada de Cachoeira é escalada pra falar com o juiz e ameaçá-lo, como se subornar, ameaçar um juiz federal, cujo caso está diariamente no noticiário das TVs fosse coisa pra amadores.

Quem acredita nisso?

E mais, a esposa/namorada de cachoeira se encontra com ele na sede da justiça federal, pra ser filmada e ainda deixa um bilhete, uma prova física da sua tentativa de ameaça!

Quem acredita nisso?

E pra completar, o mais impressionante é que ela não foi presa, e inventaram uma fiança para ser paga ANTES DE SER PRESA, que, confesso, é a primeira vez que eu vejo.

E de troco a esposa/namorada de Cachoeira ainda diz pra esse juiz que tem fotos do Juiz com a Senadora Kátia Abreu (o juiz é íntegro, probo) e a senadora também. Que tipo de ameaça seria essa? Só se for pra tentar destruir o casamento do Juiz.

Quem acredita nisso?

Mas tem mais, ela ainda fala que a Senadora vivia na casa Cachoeira, como se isso fizesse qualquer diferença para a ameaça.

Essa estória tem tanto furo que afundaria o Titanic em menos de 1 minuto.

Que ela foi lá, que ameaçou/ofereceu dinheiro pro juiz e deixou um bilhetinho isso não há dúvidas.

Agora, o que ela foi fazer lá, realmente é o que devemos descobrir. Quem saiu prejudicado dessa história?

O Juiz? Não, ele denunciou e ficou melhor na fita do que começou.

A esposa de Cachoeira? Não, ela está livre e só vai pagar uma multazinha de 100 mil pra continuar soltinha da silva.

Os citados pela mulher de cachoeira, Policarpo e a Senadora Katia Abreu? Sim. E olha que eles nem estavam lá.

Quem quer atingir Policarpo e a Senadora? A investigação começa aqui.