Revista GGN

Assine

Como Serra armou o caso Lunus

Da Folha - 07/02/2002

Para senador, tucano recorreu a arapongas

MÔNICA BERGAMO
COLUNISTA DA FOLHA

O senador José Sarney (PMDB-AP) afirmou ontem à Folha que, há dois meses, procurou o presidente Fernando Henrique Cardoso com uma informação explosiva: o deputado tucano Márcio Fortes, do Rio, teria contratado pessoas ligadas à comunidade de informações para investigar a vida e a administração da governadora Roseana Sarney.

Fortes é secretário-geral do PSDB e pertence ao núcleo da pré-campanha de José Serra à Presidência. O deputado nega envolvimento com a confecção e distribuição de "dossiês" contra a pré-candidata do PFL.

"Eu disse ao presidente da República que tinha informações seguras de que o Márcio Fortes tinha contratado essas pessoas para investigar a Roseana", diz Sarney. Ele afirmou que acionou também o presidente do PFL, Jorge Bornhausen, para que ele alertasse FHC da gravidade do episódio.

"Eu avisei, o Bornhausen avisou. O presidente disse: "Vou ver'". Sarney diz que afirmou a FHC: "Você não pode deixar seu governo ser conspurcado".

O ex-presidente conta que ficou sabendo da suposta operação de investigação contra Roseana por amigos que tem na área de informação ligados à Abin (Agência Brasileira de Inteligência).

No começo desta semana, Sarney foi procurado pelo governador do Rio, Anthony Garotinho. Pré-candidato à Presidência pelo PSB,

Garotinho contou a Sarney que o deputado Márcio Fortes tentou entregar a ele, Garotinho, por meio de um parlamentar de sua base de apoio no Rio, um dossiê contra a governadora.

Anteontem, ao falar sobre o dossiê com a imprensa, Garotinho disse que fora procurado por um político ligado ao governo federal. Questionado se esse político era Márcio Fortes, Garotinho afirmou aos jornalistas: "Perguntem a ele". Fortes respondeu anteontem: "Não vou perder meu tempo com baboseiras".

"Se agora aparece essa história do dossiê que tentaram entregar ao Garotinho, as coisas começam a se juntar", diz Sarney. Ontem, Fortes voltou a negar envolvimento. "Fico perplexo com esse tipo de ilação. Não é o meu estilo. Eu sou amigo do presidente Sarney. Não consigo entender." O deputado pede que Sarney revele o nome de suas fontes. 

Média: 5 (4 votos)
22 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+22 comentários

Obrigada Luiz Nacif, hoje eu me perguntava o que esta por trás de tudo isso? Boa coisa não é. Trabalhar nos porões é escuro, sujo, e mal cheiroso. Outra reflexão minha, estas coisas não são criadas de uma hora para outra, há que cozinhar num caldeirão bem lentamente como fogo de monturo, o que se vê é apenas uma fumacinha, mas por baixo está um fogareu contido, mas permanente.

Acontece que quem se deu bem com um método quer usá-lo mais uma vez e mais uma, e perde a noção da saturação.

O povo brasileiro aprendeu com todas essas malandragens, aprendeu que as coisas não são  tão "puras". O caso da Lurian deixou o povo assombrado e estavamos na boca da eleição. O caso Lunos foi bem antes e deu tempo para levar a eleição para o segundo turno, mas o Aluizio Mercadante perdeu feio com o caso dos aloprados.

O PT amadureceu, na porrada, mas amadureceu.

Sempre comento com algumas pessoas: a oposição faz e fez uma avaliação simplista da Dilma. Ela é uma pessoa talentosa, preparada, sofrida e lúcida, nunca meteu a mão em cumbuca, nem sob tortura, tem estofo político, é uma guerreira. Vide o vídeo no Conversa Afiada quendo respondeu ao questionamento do Senador Agripino Maia.

Agora era a vez de derrubar todos de uma só tacada: Dilma, Aluizio, Marta, Netinho e quem quer que estivesse no caminho, mas eles se perderam no taime. Dilma subindo, início da campanha na mídia, Lula entrando pra valer na campanha, os índices subindo dia-a-dia e ai tudo estava dentro de uma ótica favorável ao PT. Entendo que eles não tiveram a paciência dos sábios, mas a afobação, desespero, medo, tudo junto no caldeirão que eles mesmos mexiam e remexiam. Que nojo!

 

 

Nassif, isso é notícia velha. A nova é a entrevista do Walter Chincheto, que disse que foi o PT que armou o caso. Está por fora?

 

Pô, Calvin, está tentando tirar os méritos do Serra, rapaz? Detonar a candidatura da Roseana em 2002 foi o único serviço que ele prestou ao país.

 

 

 

Eu não! O Chincheto (e o Santiago da Previ) que sim!

 

http://brasiliaeuvi.wordpress.com/2010/08/16/caso-lunus-a-versao-do-cach...

 

http://brasiliaeuvi.wordpress.com/2010/08/16/caso-lunus-a-versao-do-cach...

 

O DEPUTADO CIRO GOMES AFIRMOU CERTA VEZ QUE SERRA TEM A ALMA MAIS FEIA DO QUE SEU ROSTO. ELE (SERRA), MOSTRA COM TAIS ATITUDES, QUE É ELE QUE ESTÁ USANDO SUA FILHA PARA AUFERIR VANTAGENS E ESTÁ MAIS QUE NA CARA QUE A "QUEBRA" DO SIGILO FISCAL DE VERÔNICA SERRA TEVE A PARTICIPAÇÃO DELE, COM A CONCORDÂNCIA DE SUA FILHA!!! É, REALMENTE UM SER...!!!!

 

Tendo mais clareza hoje de como algumas empresas de pesquisa por amostragem manipulam os dados a favor de interesses contratantes, pergunto se os resultados das pesquisas da época mostrando a queda de Roseane em função das armações do Serra não foram também parte dessas armações.

Se houvesse o que temos hoje -- a presença de contrapontos maciços via Internet e o consequente conhecimento que os Ibopes e Datafolhas da vida manipulam dados -- é possível que o resultado da época fosse outro.

Hoje o Serra tenta um último e desesperado cartucho com as mesmas técnicas -- curiosamente, lançando mão (um risco danado para os tucanos!) de uma quebra de sigilo da filha que decorreu do enfrentamento entre facções tucanas no processo de definição do candidato da oposição, muito antes de Dilma sequer ser definida como candidata (setembro de 2009). A "guerra" Serra x Aécio resultou em arapongagens mútuas, incluindo a busca de informações sobre as relações "perigosas" da filha de Serra com Daniel Dantas, entre outras fragilidades.

Pelo conjunto desses fatos históricos, concluo que o Serra sobrevive politicamente arapongando os adversários (mesmo dentro da gaiola tucana) há muito tempo!

 

Interessante esta capa da Folha,  lembrei-me de uma professora de "Comunicação Visual" , a Ciça Fittipaldi,  da FAV/UFG

Lembro-me como se fosse hoje quando elas nos falou da forma como se manipula uma capa de jornal através da imagem de uma matéria.

Vocês perceberam que na capa há uma imagem de uma outra matéria, onde uma pessoa é amarrada de cabeça prá baixo e aparece como que sendo esquarteada?

Pois é, com certeza esta imagem não está aí à toa, foi colocada para casar com a manchete "Roseana cai a 15%, Serra sobe a 17%"

Case a imagem com a chamada de capa e tire suas próprias conclusões.

 

 

...spin

 

 

"Serra na campanha é certeza de baixaria"

 

Nao conheco quase ninguem da historia, mas agora, em retrospecto, esta parecendo que a acusacao contra "Fortes" foi plantada, e que a fonte de Sarney era agente duplo.

Entendi?

 

Cria cuervos y te sacarán ls ojos


 

"Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e plantas roseiras e faz doces. Recomeça. Faz da tua vida mesquinha um poema e viverás no coração dos jovens e na memória das gerações que hão de vir". Cora Coralina

Entranhas do golpe – dossiê nasceu em ninho tucano mineiro

http://s0.wp.com/wp-content/themes/pub/mistylook/img/shadow.gif); border-bottom-style: none; border-left: #eeeeee 1px solid; padding-bottom: 10px; border-right-style: none; margin: 0px auto; padding-left: 4px; padding-right: 10px; display: block; background-position: 100% 100%; border-top: #eeeeee 1px solid; padding-top: 4px; background-origin: initial; background-clip: initial;" title="A bala de prata" src="http://cachacaaraci.files.wordpress.com/2010/09/a-bala-de-prata.jpg?w=350&h=263" alt="A bala de prata" width="350" height="263" />

“Se non è vero, è ben trovato” (ditado italiano)



A CRONOLOGIA DA BALA DE PRATA

Por Alberto Bilac de Freitas *

Para se entender a lógica desse episódio da violação do sigilo fiscal de Verônica Serra, a gênese de tudo e as entranhas da que seja, talvez, a mais bem-urdida trama de espionagem político-eleitoral jamais tentada, há que se raciocinar como um deles; há que pensar como um, digamos, operador das profundezas do subterrâneo malcheiroso em que se transformaram o entorno e o núcleo daentourage próxima a José Serra.

A cronologia do bestialógico:

 2005 – Passado o ápice do mensalão, Serra avaliava que Lula seria reeleito em 2006. A partir daí, seguiu-se o roteiro de empurrar Alckmin para a derrota anunciada. Decidira-se desde aí, que a chance de Serra seria em 2010, quando Lula já não poderia ser candidato. Mas o núcleo da inteligência serrista, coordenado por Marcelo Itagiba, sugeriu um laboratório do que seria aplicado em 2010: o escândalo dos aloprados, em 2006, por pouco não derrota Lula. Mas o objetivo era esse mesmo: um teste, para ver se o método aplicado com sucesso em 2002 com o caso Lunus, implodindo a candidatura Roseana, poderia ser reeditado. A armação com o delegado Edmilson Bruno, levando a eleição presidencial para o segundo turno, mostrara a viabilidade do método.

2008 – Com a articulação de Aécio Neves para o ser o candidato do partido em 2010, o staff de Itagiba começa a fazer um trabalhinho miúdo sobre o mineiro; coisa de pequena monta, que não inviabilizasse o apoio deste a Serra, no futuro, mas o suficiente para afastá-lo da disputa. Quando os esbirros de Serra na mídia lançaram a senha: Pó pará, governador! Aécio entendera que a turma era da pesada e não estava para brincadeiras. Nasceu aí o contra-ataqueaecista: Amauri Ribeiro Júnior, então em um periódico mineiro, encabeçaria o projeto do contra-ataque e municiaria a artilharia mineira. Essa batalha subterrânea duraria até o final de 2009, quando Aécio recuaria.

2009 – Durante a batalha entre os dois grupos tucanos, Serra fica sabendo da farta e explosiva munição recolhida por Ribeiro Jr. O núcleo de sua equipe de inteligência, coordenado por Itagiba e que o acompanha desde os tempos do Ministério da Saúde, o adverte então: o material era nitroglicerina pura. Urgia providenciar um fogo de barragem, que pudesse ao menos minimizar o estrago quando o material viesse a público. Nasceu então, aí, nesse espaço-tempo, o hoje famoso dossiê “quebra de sigilo de Verônica Serra”! Note que os personagens envolvidos na ‘quebra de sigilo’ são os mesmos do livro do Amauri: José Serra, Ricardo Sérgio de Oliveira, Gregório Marin Preciado, Mendonça de Barros e Verônica Serra (aí leia-se também Verônica Dantas e seu irmão, o querubim Daniel). Eduardo Jorge foi inserido aí como seguro. Próximo a FHC, mas não de Serra, EJ era o seguro contra qualquer atitude intempestiva de FHC, sabidamente não confiável, para que se mantivesse quieto quando a artilharia pesada viesse à tona.

2009 – Tomada a decisão, parte-se para o fogo de barragem. A parte mais fácil foi a montagem da ‘quebra’ de sigilo fiscal das vítimas. A incógnita, até agora, é que tipo de envolvimento tem o laranja Antônio Carlos Atella com a operação. Se é apenas mais um cavalo, o clássico operador barato, facilmente descartável, com acesso a algumas informações úteis e suficientes e lançador da isca fundamental: “Não me lembro quem foi… com certeza é alguém que quer prejudicar o Serra”. Ou se é alguém orgânico, um insider dos intestinos itagibistas!

2010 – Com a desistência de Aécio, o grupo fica com a arma na mão, à espera da publicação do livro. É aí que se opera a clivagem para o quadro definitivo que vemos hoje: não é suficiente esperar o ataque do Aécio, que pode não vir, já que o mineiro recolheu suas baterias para o front de Minas Gerais. É preciso partir para o ataque. Além de neutralizar o grupo de Aécio, jogar pensando na frente, em fubecar a campanha de Dilma Roussef. Reeditar o mesmo estratagema de 2006. Ganhar a eleição na mão grande. O delegado Onésimo (outro que acompanha o grupo desde os tempos do bureau de inteligência do Ministério da Saúde) seria despachado para contactar o inimigo. Pausa. Agora recortem os informes dos integrantes do ex-comitê de inteligência de Dilma: tanto Lanzetta quanto Amauri reportam que Onésimo sugeriu insistentemente ao comitê, a realização de ações de contra-inteligência contra Serra. O azar deles é que Amauri, jornalista macaco velho e com conhecimento da comunidade de informações, sentiu logo o cheiro de queimado e cortou, de pronto, as ofertas de Onésimo. Não houvesse a negativa de Amauri, o passo seguinte de Onésimo seria a oferta do dossiê (já pronto) com a quebra de sigilo fiscal dos 5 tucanos. Estaria pronta e armada a reedição do escândalo dos aloprados em sua segunda versão. A campanha de Dilma não resistiria. A versão dos aloprados de 2006, perto desta, seria pinto. Era o modo mais seguro de Serra se eleger presidente. Esse é o modus operandi de Serra.

Com a recusa do ex-comitê de Dilma em morder a isca, tiveram que refazer o plano. O PT aprendera com os aloprados de 2006. Dilma, nesse ponto, muito mais impositiva que Lula, decepa no nascedouro o comitê de inteligência. O projeto original se complicara. Com o dossiê pronto desde 2009, a solução era vazá-lo, aos poucos, para a mídia parceira. Primeiro, vaza-se o EJ. Cria-se uma comoção (se bem que EJ, como vítima, não ajuda muito). Depois, a conta gotas, vem o restante: Ricardo Sérgio, Marin Preciado e Mendonça de Barros. E por fim, a cereja do bolo: Verônica Serra. Observem que o momentum foi escolhido a dedo por Serra: a entrevista em um grande telejornal! De novo, a semelhança: em 2006, os pacotes de dinheiro do delegado Bruno saíram no Jornal Nacional, da Globo; agora, o momento ‘pai ultrajado’ de Serra, foi encenado no Jornal da Globo! A intelligentsia serrista já foi mais original.

Diante desse quadro, o leitor inquieto deve estar se perguntando: o que deve fazer o PT e a campanha de Dilma? Assistir, inertes, a mais uma escalada golpista, como foi a de 2006? Tentar fazer o contraponto em uma mídia claramente parcial, golpista e oposicionista, conforme confessou dona Judith Brito, diretora da ANJ? O que fazer? O governo sabe onde está o antídoto ao veneno golpista da oposição! Não se sabe até que ponto o jornalista Amauri Ribeiro Júnior está integrado à campanha de Dilma Roussef. Também até que ponto vai o empenho dele em livrar o país do ajuntamento político mais nefasto que o infesta, desde a redemocratização. O fato é que o seu livro, Os Porões da Privataria, é esse antídoto! Esse livro, verdadeira bateria anti-aérea que pode abater o núcleo duro do tucanato ligado a Serra, e o próprio Serra, de uma só vez, pode ajudar o Brasil a virar uma das páginas mais negras de seu curto período democrático!

* Publicado originalmente no blog Terra Goyazes

http://cachacaaraci.wordpress.com/2010/09/03/entranhas-do-golpe-dossie-nasceu-em-ninho-tucano-mineiro/

 

 

 

sexta-feira, 3 de setembro de 2010Pessoa envolvida na procuração falsificada da filha de Serra é filiado ao PV

O Jornal Nacional entrevistou o contador Antônio Carlos Atella Ferreira, que retirou a 2ª via das declarações de renda da filha de José Serra (PSDB), com uma procuração falsificada.

Ele incluiu outra pessoa na história, que teria enviado a procuração falsa para ele retirar, de nome Ademir Estevam Cabral que, por sua vez, negou envolvimento por telefone, e não deu entrevistas, segundo o jornais e telejornais do PIG.

O jornal Estadão chegou a publicar lá no fim da matéria, que ele é filiado ao PV de Francisco Morato (SP), que tem um bar e faz estes serviços para vários advogados, e não para políticos.

O registro de filiação, desde 25/09/2007, consta no TSE:


A Polícia Federal está tomando depoimentos de quem está envolvido, e estes certamente estarão depondo nestes dias.

É prematuro fazer como o PIG faz, e culpar este senhor apenas por ser filiado ao PV, antes de uma investigação mais profunda.

Mas é muito curioso que o PIG não se interesse em aprofundar o assunto, nem faça especulação sobre a filiação ao PV, como faz com o PT (que nem tem nenhum nome envolvido até agora).http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

 

Nassif,

No programa de psdb de ontem para mostrar a quebra do sigilo,eles usaram um testo escrito

pela Dora Kramer....E de outros jornalistas comprometidos com o Serra e avelha midia.

Eles pensan que não os conhecemos de longa data

 

"usaram um testo escrito pela Dora Kramer...":

Analisei um texto dela ontem mesmo.  Dora Kramer eh totalmente analfabeta.  Com todos os conceitos derretidos numa grande caldeirao em sua asquerosa sopa, ela nao sabe separar o que eh assunto da Fazenda, do governo, da candidatura Dilma, da policia, do PT, de Sao Paulo.  E nao quer saber tampouco.

Dora eh tao analfabeta que ja qualifica pra agamadelta...  Texto perfeito para Serra.

 

Ivan,

 Se for o texto que li, ela erra até ao citar um ditado antigo, "o diabo é sábio porque é velho, não por ser diabo". Escreveu qq coisa como "o diabo é longevo pq é velho, não por ser diabo", o que, à parte ser uma tautologia, não tem sentido nenhum.  Tá mais pra analfaomega do que agamadelta... literalmente erra de a a z.

 

"Eu quase de nada não sei. Mas desconfio de muita coisa" Guimarães Rosa - Grande Sertão: Veredas

Entao eh isso, Mario!  Eu nao entendi o "ditado" de qualquer maneira, mas pelo menos agora faz mais sentido.

Druida, para grandes intelectuaiaiais como eu eh impossivel nao ser sofisticacado...

 

Entao eh isso, Mario!  Eu nao entendi o "ditado" de qualquer maneira, mas pelo menos agora faz mais sentido.

Druida, para grandes intelectuaiaiais como eu eh impossivel nao ser sofisticacado...

 

Êi, não sofistiquem demais suas respostas porque senão a Dorinha não vai entender nada... :)

 

A atual notícia mais importante sobre o "drama peessedebista pretendido torná-lo em escândalo alheio", os portais engajados no plano (UOL e G1) já começam a esconder da página inicial. O que vale agora é que o corregedor-geral eleitoral Aldir Passarinho negou o pedido da coligação do candidato José Serra (PSDB) ao argumentar que não há provas de que a petista está envolvida nas violações de sigilo.

Mas não conseguirão esconder (a menos que deletem) se o internauta as mantiverem como as mais lidas. Basta abri-las várias vezes e/ou enviá-la para outros.

No G1

TSE arquiva ação do PSDB que pedia cassação da candidatura de Dilma

está em http://g1.globo.com/economia-e-negocios/noticia/2010/09/tse-arquiva-acao-do-psdb-que-pedia-cassacao-da-candidatura-de-dilma.html

No UOL

TSE arquiva pedido de Serra para cassar registro de Dilma por quebra de sigilo

http://www1.folha.uol.com.br/poder/793182-tse-arquiva-pedido-de-serra-para-cassar-registro-de-dilma-por-quebra-de-sigilo.shtml

 

Os indícios de que Serra tem por hábito este tipo de conduta, existem em quantidade suficiente no mínimo para apontá-lo como responsável direto por estes fatos. No caso da filha, ele e sómente ele se beneficiaria (será?) com a repercussão. Dilma e sómente ela se prejudicaria. Com o arquivamento do caso, determinado pelo Ministro do TSE, não se encerra este episódio. O processo por calúnia e difamação deve seguir e seria bom para a democracia se Serra fosse condenado pelas falsas acusações. Neste episódio o tucano não passou de um caluniador barato. Por tudo que se conhece dele, ficamos a se perguntar : qual será seu próximo passo.

                  http://easonfn.wordpress.com