Revista GGN

Assine

Decreto prevê que serviços usados no PAC devem ser do Brasil

Do Correio Brasiliense


Agência Brasil

Segundo a presidente, as obras do Programa de Aceleração do Crescimento deverão ter 100% dos serviços e 80% dos produtos manufaturados de origem nacional

A presidente Dilma Rousseff decretou que todos os serviços de mobilidade urbana nas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) devem ser nacionais. Além disso, pelo menos 80% do valor gasto com produtos manufaturados devem ser empregados em materiais nacionais. O decreto nº 7.888, que trata do assunto, foi publicado nesta quarta-feira (16/1) no Diário Oficial da União e está em vigor.

A obrigatoriedade deve estar explicitada nos editais de licitação e contratos de execução das obras do PAC 2. Os produtos manufaturados que integram o decreto são materiais rodantes e sistemas embarcados, sistemas funcionais e de infraestrutura de vias e sistemas auxiliares de plataformas, estações e oficinas. Esses itens serão detalhados em portaria interministerial dos Ministérios do Planejamento, Orçamento e Gestão e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

O decreto prevê, no entanto, que a União e as entidades da administração federal indireta poderão, por ato específico do Ministério do Planejamento, ser poupadas da obrigatoriedade. O descumprimento da legislação pelos estados e municípios poderão levar ao não recebimento das parcelas previstas e suspensão do saque até a regularização.
Sem votos
14 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+14 comentários

Os Tucano pira!

 

Primeiramente: FORA TEMER! E pra encerrar: FORA TEMER!

 Empresários estrangeiros devem estar berrando: PSDB,PSDB, onde estás que não responde.

 

Imagina se tivessemos um empresariado ousado, e até quem sabe nacionalista! Seria a fome com a vontade de comer... Pena que um governo desenvolvimentista como o atual seja acompanhado por um empresariado tão tacanho.

 

Acho justo. 

 

isto é brasil,este decreto deveria ter 513 anos,assim não teriamos favela,analfabetos,violencia,mais nunca é tarde pra se fazer,brasil um pais de todos

 

Ademar


Estou contigo. Sempre pensei desta forma!


Mas temos que "peitar" alguns empresários brasileiros que sempre se aproveitam deste tipo de ações (que são  muito benvindas) para colocar seus preços nas alturas.


Sabe como é, né: custos baixíssimos e lucros imediatos e máximos, nas nuvens...


Dilma já peitou banqueiros, empresas de energia etc. Agora falta peitar empreiteiros, ou empresários acostumados a mamar nas tetas da Viúva, o que é muito complicado pois suas ligações no Congresso os tornam inatingíveis, sempre acabando em pizza: estou até com dó do Cachoeira que está de férias num resort da Bahia "por questões de saúde, recomendação médica".

 

Agora vai...

 

O neoliberalismo se estrebucha.

 

Não "entindi" Assis.

 

A "crise mundial" levou governantes a entenderem que neoliberalismo só é bom quando é feito nos outros! "No dos outros é refresco!"

No Brasil tem partido que gosta do neoliberalismo! Fazer o quê...

 

"O que fazemos na vida, ecoa na ETERNIDADE!" (Máximus - Gladiador)

"Os dois mais importantes dias em sua vida são o dia em que você nasceu e o dia em que você descobrir o porquê... - M

Já sei é só escrever a palavra "neoliberalismo" que as teorias de Paxlov entrão em ação.

 

Nâo "intendeu" e não foi só isso, já tá sem entender há uns dez anos...

 

Primeiramente: FORA TEMER! E pra encerrar: FORA TEMER!

Desenhe Assis.....rsrsrs

 

Precisa desenhar?