newsletter

Pular para o conteúdo principal

Desafios para uma polícia incorruptível

Por Douglas Barreto da Mata

Comentando o post "Faltam estudos em prevenção nas políticas de segurança"

O comentário do Ivan Moraes resume, em boa parte, uma visão preconceituosa. Mas por ser preconceituosa não quer dizer que está errada. É verdade que as instituições policiais não inspirem "respeito", mas tão somente medo.

No entanto, o Ivan só esquece de focar seu preconceito contra a própria sociedade, que no fim das contas, está refletida na ação do ramo manu militari do Estado. Como pretender uma polícia confiável e cidadã, justa, planejada, segura, enfim, incorruptível, quando a sociedade que a deseja media conflitos pela violência, hipocrisia, pelo "farinha pouca meu pirão primeiro" ou pelo "jetinho".

Não é à toa que tenhamos índices endêmicos de mortes violentas, que nos alça a condição de região mais violenta do planeta(mais até que áreas em guerra). Essa noção de que a eliminação resolve é legitimada pela sociedade, pela associação comercial. Os grupos de extermínio policiais só captam essa demanda e a atendem. Lógico que causam repulsa quando descobertos, afinal, o diabo são sempre os outros.

No âmbito do "post" é preciso dizer o seguinte: Polícia é ação de Estado, não de governos. Quanto mais governos administrarem a polícia pelos humores da mídia e de certos setores da sociedade(classe média e elites), vinvulada a agenda eleitoral, de nada adianta criar parâmetros para auditar os números e processos. Eles continuarão viciados e com o corte de classe (ideologizados).

Daí, não é leviano supor que esse debate(que é saudável)entre conservadores(legalistas ou duros) e progressistas pode levar a polícia a uma posição esquizofrênica, pois não se universaliza direito humano sem tratar todos os humanos de forma desigual, na proporção de suaa desiguladades, ou seja: É preciso inverter a lógica que considera um furto mais grave que um crime fiscal. É possível encontrar furtadores presos, já sonegadores...

Não haverá polícia que garanta segurança pública como direito do cidadão (ao contrário da proteção ao Estado e das classes que o controlam) sem mudar a estrutura DESSE Estado, e da própria sociedade.

A polícia é tão violenta (ou corrupta) quanto a sociedade que tem que proteger. Não  é preciso dados elaborados e intrincados ou teses para saber o óbvio: Nossa política de segurança pública atende a interesses hierárquicos de classe.

Não existe UPP na Vieira Souto ou na Oscar Freire, ou nas lojas chiques que contrabandeiam e sonegam milhões de reais de impostos, ou nas galerias e ruas de bancos e imobiliárias que lavam dinheiro dos "narcos", ou existe?

Douglas da Mata. Inspetor de Polícia PCERJ.

Sem votos
31 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+31 comentários

O problema da policia é a justiça (com j minusculo), aquela que demora meses ou anos para julgar, quando chega a julgar. A impunidade faz com que o crime compense. E com mais crimes, precisariamos de mais policia. e Com mais policia, menos salarios, e com menos salarios, mais corrupção "para complementar a renda". Tai o circulo vicioso e como quebra-lo: fazendo a justiça ser CELERE.

 

Prezado Nassif

Esta eliminação física  de uma Juíza, à luz do dia  ,somente revela, muitas das vezes ,  o real  modus operandi Policial .Seja legal ou ilegal .Eis uma notícia , divulgada na Internet e que mostra o grande esquema de implantação de uma Ditadura Policial pela Banda Podre da Estrutura Policial Brasileira  .Dizem até  que quando um cidadão Brasileiro , verdadeiramente impoluto , tem potencialidade para o exercício de cargos políticos de alto nível para defender os interesses do Povo e Estado Brasileiro, imediatamente a CIA (USA)  "assign" (designa ou contrata) um Delegado para "monitorar" ( espionar , sabotar e perseguir secretamente)  o candidato em potencial 24 hs !! E POR TODO O BRASIL !.E pode levar até duas décadas contínuas de "Pesquisa" (até para neutralizar qualquer denúncia do "Pesquisado" em relação aos hediondos crimes certamente cometidos pelos integrantes da equipe do Delegado "Bandido" , durante a "Pesquisa Criminosa " de longa data) .

A propósito só me candidato ao cargo de 'Princeps Romanus Imperialis" (brincadeirinha!)

A notícia na Internet :

Diretor da PF defende escutas e desafia Ministério Público Federal www.oabcaxias.org.br/site/ultimas_detalhes.php?id=1443&secao...

27 jun. 2007 – Após participar da posse de Saadi — que substitui o delegado Geraldo Araújo, que será superintendente da PF em Belém (PA) —, Lacerda ..

 

Dastanhêda

Amigos, em muito concordo com Douglas da Mata. É evidente que os policiais só repetem aquilo que é socialmente aceito (é por isso que no Brasil tem as "leis que pegam" e as "leis que não pegam" - aquilo que é cobrado e é socialmente aceito acaba pegando - resto cai no esquecimento). Sobre policiais incorruptíveis, fiz uma matéria na unicamp uns dois semestres atras chamado "corrupção e boa governança". Basicamente consistia em descobrir as entrelinhas dos diarios oficiais o que elas escondem, como funciona o sistema licitátorio no Brasil e fora dele e o conceito de corrupção como é plástico.  Corrupção existe em todo lugar do mundo, inclusive nos EUA (lugar que existe na imaginação das pessoas como paraíso mítico onde tudo funciona perfeitamente). Só o que o calculo de quem pratica um delito se baseia numa tabela de custo benefício, exceto casos patológicos.  Qual a chance de ser pego se desviar uma pequena quantia? Será que o guarda me deu algum "sinal" que eu possa entender como sugestão de suborno? Qual a chance de dar errado se eu quiser suborná-lo? Qual a chance de ser pego por causa desse desvio na previdencia? e se isso ocorrer? terei dinheiro suficiente para me manter livre? Compensará? Antes de fazer algo que é condenável socialmente todo mundo pensa; vale a pena? Qual a chance que eu tenho de sofrer alguma sanção? Evidentemente existem casos onde os ideais e conceitos como honestidde ou retidão são inabaláveis. Mas são pontos fora da curva - do mesmo modo que tem casos onde na primeira oportunidade  o individuo vai  transgredir, pelo mero prazer de transgredir.

Então o erro é focar a corrupção como um mal moral, por que seres humanos erram  mesmo. O ideal é criar mecanismos que garantam a punição dos individuos que forem pegos cometendo delitos, e esses mecannismos tem de ser mais transparentes possíveis. Por exemplo, as estatísticas políciais , pelo menos no Estado do Rio de Jneiro são uma várzea. (pelo menos as reservadas ao público - espero que no ambito privado o negocio funcione, mas duvido muito)  Servem mais para complicar e maquiar resultados do que para demonstrar o trabalho policial e seus eventuais erros. Policiais corruptos ou que abusam de poder quando são pegos , mesmo com provas irrefutáveis, passam por processos lentos e demorados e terminam muitas vezes absolvidos. Políticos e administradores então , nem se fala, ache um deles na cadeia que eu lhe dou os numeros da mega sena acumulada dessa semana.  Tudo isso deixa uma impressão clara na sociedade; sim , o crime compensa. Mas como corrupção não  é um crime claro, como roubo a mão armada ou homicidio - afinal  "é algo que todo mundo faz", então fica uma impressão que não tem problema em existir pequenos delitos.

Mas tambem existe um erro aí. os pequenos delitos são graves , mas na maioria das vezes são usados como desculpa para encobrir grandes faltas. O guarda de trânsito que aceita suborno é falho, mas não dá pra comparar com os policiais que se organizam para extorquir um bairro com uma milicia. O cara que faz gato da nt está errado, mas nem de longe se compara aos crimes cometidos pela familia Sarney (que o Supremo varreu pro esquecimento recentemente). Daí quando se fala em corrupção, certos grupos dizem algo como ; tudo é assim mesmo, nao tem jeito... Bobagem, se o Estado focar e punir pelo menos os crimes maiores, os pequenos irão diminuir pela impressão que o Estado atua de verdade. O vazio de punição e controle, ( Do público e do Estado) auxilia a cultura da corrupção. Mas para punir alguem da alta esfera depende de um judiciario que funcione - e isso no Brasil é muito complicado; com a palavra os advogados e juristas...

 

Sempre a sociedade, nunca o Estado...

mas se o que noto é a ausência completa de policiamento em certas áreas, mudo

Sempre o Estado, nunca a sociedade...

mas se o que noto é o crescimento assustador do número de agentes responsáveis pela segurança pública, incluindo judiciário, envolvidos com o crime organizado, mudo

Sempre a sociedade, nunca o Estado...

mas se o que noto são oficiais e delegados na mira das corregedorias e do ministério público, mudo

Sempre o Estado, nunca a sociedade

Epa

Vejo que só agora o Estado passou a fazer alguma coisa pela segurança, e nego falando em padrão de sociedade.

Tá certo o Ivan. Seguem o padrão do Estado, não da sociedade 

 

 

O Barriga Verde > Atualidade

27 de Setembro de 2011 - 16:11

Ministra acusa: Justiça sofre com "bandidos de toga"

A corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, fez duros ataques a seus pares ao criticar a iniciativa de uma entidade de juízes de tentar reduzir o poder de investigação do CNJ (Conselho Nacional de Justiça). "Acho que é o primeiro caminho para a impunidade da magistratura, que hoje está com gravíssimos problemas de infiltração de bandidos que estão escondidos atrás da toga", declarou em entrevista à Associação Paulista de Jornais. A matéria é um dos destaques da edição de hoje (27) da Folha de S. Paulo.

Wanderlei Salvador

Ministra Eliana Calmon

Ministra Eliana Calmon / Foto: Arq. Jornal O Barriga Verde

Artigos relacionados

O STF deve julgar amanhã (28) ação proposta pela AMB (Associação dos Magistrados do Brasil) que quer restringir  o poder de fiscalização do CNJ. A associação pede que o CNJ só atue depois de esgotados os trabalhos das corregedorias regionais.Na entrevista, Eliana Calmon criticou a resistência dos tribunais a serem fiscalizados pelo CNJ, citando o TJ de São Paulo.

"Sabe que dia eu vou inspecionar São Paulo? No dia em que o sargento Garcia prender o Zorro. É um Tribunal de Justiça fechado, refratário a qualquer ação do CNJ", disse a corregedora.

Nos últimos dias, magistrados acusados de irregularidades tentaram evitar seus respectivos julgamentos antes de o STF se pronunciar sobre o CNJ. Este, por sua vez, incluiu em sua pauta de discussão onze processos que podem punir magistrados por conduta irregular. Se somados, o CNJ terá mais de 20 casos de juízes investigados na pauta de julgamento neste mês.

Este ano, houve uma guerra velada que colocou em lados opostos Eliana Calmon e o presidente do CNJ e do STF, ministro Cezar Peluso. O CNJ começou a funcionar em 2005 e já condenou 49 magistrados. Recentemente, porém, ministros do Supremo concederam liminares suspendendo decisões do CNJ que determinavam o afastamento de magistrados.

  • Zveiter

Ontem, o CNJ adiou o julgamento do presidente do TRE do Rio, Luiz Zveiter. Segundo Eliana Calmon, o adiamento aconteceu a pedido do advogado de Zveiter, o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos, que está fora do país.

As supostas irregularidades ocorreram no ano passado, quando Zveiter era presidente do Tribunal de Justiça. O caso foi a plenário em fevereiro, quando três conselheiros foram favoráveis ao afastamento e à abertura de processo disciplinar. Saiu da pauta para análise de suspeição de dois conselheiros.

Segundo a corregedoria, há indícios de que informações prestadas por Zveiter beneficiaram a construtora RJZ Cyrela, cliente do escritório de parentes seus. Zveiter, o escritório e a Cyrela afirmam que o terreno em disputa não tem relação com empreendimentos da construtora.

  • Frase

"É o primeiro caminho para impunidade da magistratura, com problemas de infiltração de bandidos atrás da toga". (Eliana Calmon, corregedora nacional de Justiça)

 

Então não há problemas.

A polícia é violenta porque a sociedade é violenta.

Os políticos são corruptos porque a sociedade é corrupta.

O poder judiciário é parcial e corporativista  porque a sociedade é parcial e corporativista

Será?

Em que pese haver violência e corrupção na sociedade, a polícia é violenta porque é comandada por politicos corruptos que por sua vez obecem a setores corruptos e violentos da sociedade.

E esta violência e corrupção não é majoritátria na sociedade e é de grande valia para os violentos e corruptos que todos acreditem no contrário. Melhor ainda que acreditem não só na majoritariedade corrupta e violenta da sociedade mas na sua totalidade.

Mas os setores corruptos e violentos são poderosos e fazem valer seu poder.

Principalmente no que tange a criar e fazer cumprir leis que os beneficia.

Enquanto isto a maior parte da sociedade que não é corrupta e violenta leva a culpa por aquilo que não fez. E pior, aguentando as consequências.

E se porventura se levantarem para tentar mudar a estrutura DESSE  estado, adivinhem quem serão os primeiros a reprimir,  bater, espancar e até matar estes que anseiam e exigem mudanças?

A polícia, é claro!

 

A única coisa que os senhores de bom grado dão aos escravos é a esperança. (Albert Camus)

a questão da violência não tem mágica. Uma parte o governo do PT está fazendo, que é melhorar as condições sócio-econômicas da população.

A outra na miha opinião, seria uma mudança mais cultural. Sintetizando, o Brasil deveria parar de ter os EUA como modelo de repressão à violência. Lá existe a cultura de combater violência com violência. Isto está em hollywood, na TV. È porrada, porrada, e mais porrada na "negraida, nos chicanos".

É preciso seguir o modelo europeu e principalmente japonês. Investir na formação e capacitação dos policiais, mas não na "capacitação" de encher de bolacha o "vagabundo"

Só assim teremos policiais como esse inspetor Douglas. Quem sabe chegar um dia a ter uma polícia desarmada como no Japão.

O Sarney está certo: Proibição a comercialização de armas de fogo já!

 

Juliano Santos

Eu prefereria tirar as canetas das mãos dos Sarneys.

Elas matam mais que armas de fogo.

 

A única coisa que os senhores de bom grado dão aos escravos é a esperança. (Albert Camus)

Arma de fogo é apenas um instrumento, uma ferramenta. Quem quer fazer mal a outrem e não tiver arma de fogo, vai usar arma branca, arma amarela ou até aqueles enormes crucifixos de madeira que vendem na Bahia. O homem sempre foi pródigo em formas de machucar seu semelhante.

Hoje, graças a leis como essas que Sarney advoga (ele ainda usa jagunços, ops, seguranças privados e públicos? Com jagunços eu também não preciso de arma...) são vendidas, no Brasil, 1.200 armas para civis por ano. E no que isso ajudou? Os homicídios continuam em alta.

Temos é que desarmar espíritos, não culpar as armas de fogo.

 

Como líder da bancada do PTB, com sete votos decisivos para o governo no Senado, Argello também se aproximou da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, a quem costuma chamar de “chefa”. A amizade com Dilma foi conquistada durante caminhadas matinais ao lado da ministra, que mora no mesmo bairro do senador. Argello orientou seu jardineiro a avisá-lo sempre que Dilma se preparava para caminhar. Quando ela despontava no horizonte, Argello começava sua sessão de alongamentos, que só terminava quando Dilma cruzava com ele.

O rápido enriquecimento de Argello também lhe rendeu pendências na Justiça. Ele responde a processo no STF por lavagem de dinheiro, crimes contra o patrimônio, apropriação indébita, ocultação de bens, peculato e corrupção passiva. O processo tramita em segredo de Justiça, e não se conhece em detalhes o teor da acusação sobre operações financeiras que Argello não conseguiu identificar. O senador do PTB também foi acusado de envolvimento num esquema de mudança de destinação de lotes na Câmara Distrital.

(Leia mais, no link)

http://www.istoe.com.br/reportagens/34602_O+HOMEM+DE+R+1+BILHAO?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

 

"Ivan só esquece de focar seu preconceito contra a própria sociedade":

A direita faz isso.  De entupir esgotos com lixo a ser burro que fez casa em area de inundacao a ser inaprendizavel que nao merece escola a trafico de drogas a assaltos aa eleicao da terrorista ou do analfabeto, eh tudo culpa dos pobres no Brasil.  Eu nao estou desse lado e nunca vou estar.

Se voce quizer fazer uma distincao entre Estado e populacao na palavra "sociedade", nao tenho objecao a nada do que voce disse, no entanto.  Toda vez que voce precisa do Estado no Brasil, ele falha.

So repetindo o que ja contei anteriormente:  a ultima vez que fui no Brasil um cara no meio da rua parou subitamente me olhando diretamente.  Nao entendi muito bem.  Bem mais tarde fui me lembrar que tenho um segurador de oculos de oirina plastica e relembrando o movimento dos olhos dele descobri que ele estava considerando roubar meu carissimo, chiquerrimo segurador de oculos de dois dolares.

TODO o crime contra propriedade que eh comumente chamado de "furto" no mundo inteirinho esta resumido nisso pra mim.  Nao ha dinheiro suficiente em circulacao.  E ha judiciario em excesso pra essas mirdinhas.

No entanto, TODO crime contra propriedade publica praticado pelos ricos do mundo inteirinho esta resumido nisso:  garantia judicial de impunidade.  Se a "sociedade" esta quebrada e o Estado falha toda santa vez que voce precisa dele, o que sobra?

Eu sinto muito, me retiro desse post agora, ja que vai me levar de nada a lugar nenhum.  (Nada a ver com voce, claro.  Agradeco muitissimo pelo contra-comentario, Douglas.)

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Se Jaqueline Roriz que foi flagrada passando a mão naquela grana não foi punida,

http://www.pernambuco.com/ultimas/nota.asp?materia=20110901102824

e se Argello continua atuando pró governo não obstante ser alvo de inquéritos

http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/9/26/gilmar-contra-a-pf

fica muito difícil imaginar um Brasil justo.

 

"É preciso inverter a lógica que considera um furto mais grave que um crime fiscal. É possível encontrar furtadores presos, já sonegadores..."

Com licença pelo trocadilho, nosso colega policial, mas seu texto é um "tiro certeiro"!

 

O ladrão que ataca nos caixas eletrônicos e nas padarias provoca mais impacto do que o que desvia milhões dos cofres públicos.

E há diferentes polícias, a que deve conter os ladrões das padarias, e a que deve impedir que os cofres públicos continuem sendo assaltados cotidianamente.

No Brasil, nem funciona a polícia de proteção às padarias, nem a polícia que deveria proteger os cofres públicos.

É a pura verdade.

 

é que na verdade há uma inversão total de valores...o ladrão de caixa eletrônico é o bandido que a sociedade abomina....é o fracassado........o bandido sonegador/corrutor é o bandido que a sociedade inveja....."todo mundo" quer ser o cara....ele é o retrato do cara que se deu bem....porém esquecem do principal....é bandido do mesmo jeito só que pior.......com um agravante...o bandido corruptor lesa milhões...milhões ficam sem saúde, matando muitos,  sem educação, alimentando o crime e por aí vai.....mas quem quer olhar para este lado, não é mesmo.....

 

Justo a mim coube ser eu!!! Mafalda

É isso aí, Dê. Tb creio que um crime dito de colarinho branco é muito mais danoso à sociedade, sem contar que o criminoso tem que ser muito mais articulado, em todos os sentidos: mais preparado intelectualmente e com uma rede de contatos de cúmplices.

A sociedade (e a polícia) continua acreditando hipócritamente que os tráfego de armas e drogas é todo articulado no meio dos barracos das favelas por indivíduos que sequer tem escolaridade média e acha bonito quando são feitas "ações" nestes locais, arrombando barracos e executando "traficantes".

Mas quando a polícia se atreve a entrar em um apartamento dos Jardins, do Morumbi, na Gávea, Leblon ou Jardim Botânico, essa mesma sociedade se preocupa com direitos civis, exigem mandato, impedem uso de algemas e etc.

Na senzala, tudo pode; na casa grande, não.

 

Pois é.

Tenho dito ao meu irmão que é delegado de polícia:

Abra os olhos que a sociedade está querendo botar a responsabilidade dos crimes nas mãos de vocês policiais.

 

Uma polícia incorruptível, primeiro, tem de ser aquela que se assegure de seu próprio trabalho, ou seja, ela tem a autoridade de investigar e deter pessoas que comentam crimes. Segundo, tem de estar segura dentro do Estado, quer dizer, os governos que se sucedem não podem ter qualquer ingerência na carreira de um policial, para isso existem os estatutos, a lei trabalhistas, diversos órgãos de fiscalização da sociedade, da justiça e da própria Polícia, etc.

As promoções, as transferências, o tratamento por parte das diversas instâncias de comando, as decisões que venham da esfera politica (a Secretaria de Segurança Pública, os órgãos federais, etc.), tudo isso deve se integrar com políticas públicas de segurança, de acordo com a vontade majoritária da população.

Terceiro, formação e treinamento contínuo, orientação contínua, apoio psicológico, econômico, social, tudo que permita ao policial de campo e ao policial de gabinete estar 100% dedicado ao seu trabalho, um apoiando o outro para que nada de errado ocorra.

E depois, finalmente, presídios decentes, que possam de fato recuperar ou pelo manter os detentos em condições dignas e produtivas. É errado esse negócio de soltar o preso, a não ser em casos muito especiais, durante sua internação, mas também é errado o presídio ser um local onde a sociedade não tem acesso, um local proibido e extremamente perigoso, de relações sub-humanas e desumanas. Isso nada tem a ver com ser leniente ou "bonzinho".

É do interesse da sociedade que ela possa entrar nos presídios, que possa haver atividades possíveis e positivas dentro dos presídios, o essencial manter as condições de internação (punição mesmo) e de reflexão ou de assistência psicológica e profissional para os que precisam. Uma prisão não precisa ser apenas custo e conflito e vício. Pode ser produtivo (um advogado, um engenheiro, um técnico em alguma coisa, todos eles podem trabalhar regularmente na prisão, com monitoramente e acompanhamento, claro, em condições especiais).

Se isso não for feito, em nossa sociedade, muito dificilmente se poderá prender pessoas de classe média e classe alta. Seria uma "desumanidade". E se não forem presos, mesmo políticos e empresários, começa o círculo vicioso todo de novo, realimentado e reforçado com mais impunidade.

Criou-se uma indústria da desonestidade, da corrupção e do crime no Brasil.

 

Opinião de quem conhece bem as instituições policiais. O policial não veio de Marte. Ele veio desta mesma sociedade que tem uma polícia que ela mesmo deseja. Vou ser muito criticado aqui mas a percepção que tenho é que a sociedade é tão ou mais corrupta que a polícia e até mesmo os políticos. Existe uma parcela, que não consigo precisar qual, de cidadãos honestos. Mas existe uma parte que quer mais uma polícia corrupta. Que quer políticos corruptos. Que que um judiciário corupto. Que quer uma mídia corrupta. Só assim eles vão poder seguir burlando os princípios éticos e as leis. NA MINHA OPINIÃO, uma parte polícia está num mesmo nível de uma parte da sociedade: violenta e corrupta. Uma outra parte não. Geralmente as duas partes convivem harmonicamente. Tanta a banda podre da polícia, quanto a banda podre da sociedade. De vez em quando acontece uma rusga entre as duas partes, que em seguida é superada. Uma parte da sociedade não corrupta e violenta quer uma polícia violenta.

 

Parabéns, Inspetor Douglas.

 

A corrupção surge da percepção que o crime compensa, coisa mais do certa em alguns lugares do planeta.

Na China a coisa é diferente.

 

Follow the money, follow the power.

É, é muito diferente, sim:

- China fecha sites que denunciavam corrupção no país: http://bit.ly/ljOTgn

- Corrupção na China é geral, mas não é endêmica: http://bbc.in/bEDb3u 

- Corrupção custou US$ 123 bilhões à China em 20 anos: http://bit.ly/jD0QXP

Criaram um mito de que a China é um paraíso pois lá fuzilam o criminoso e depois cobram a munição da família (o que já não acontece há vários anos). E isso ainda ilude muita gente. Se pena de morte resolvesse algo os EUA eram um paraíso, e o número de execuções na China não estaria crescendo...

 

 

- De poste em poste o Brasil vai se iluminando...

Mas na China Alexandre Weber, as pessoas agem de forma muito diferente dos brasileiros, não é?

Você é chines?

Somos chineses?

Brasil ou China é o pais da hipocrisia?

É no Brasil ou na China que seus habitanyes exigem a punição "só dos outros"???

 

É Douglas... Você esta corretissimo! Mas sempre haverá aqueles que dirão não pertencer a esta sociedade que você cita e que é real e única, não há outra. São os mesmo que deixam de pagar IPVA, por exemplo. E já anda com uma graninha para subornar ou tenta subornar "o guarda" quando é pego cometendo infração, e quando este não aceita e mete pro pau é tachado de otário, fadado a morrer pobre. Hilário, não??? São os mesmos que furtam/fazem "gato" de luz, de água e de TV a cabo, e do que mais for possível em seus sitios,  fazendas, casa de praia ou na serra... Financiam o tráfico de drogas, de armas... Financiam o crime organizado como a pirataria, por exemplo. São os mesmos que trocam o voto por qualquer coisa: areia, cimento, tijolo, e até dentadura. São os mesmos que falsificam tudo, tudo mesmo... Só não falsificam aquilo que ainda não foi inventado. São estes que com toda hipocrisia do mundo dizem: "Que polícia é esta que não atende os anseios da sociedade?" Mas a sociedade, é esta ai!

 

Então a polícia deve ir lá a espancar ou matar os que não pagam o IPVA?

Eliminar os que fazem gato da TV  a cabo? Matar e jogar em lotes vagos?

Ao vermos os dados dos Detrans percebemos claramente que a maioria esmagadora do proprietérios pagam IPVA.

Os dados de recebimento de multas em todo o Brasil nos leva a crer que a maioria paga as multas que recebe. Pagam até pelas que não fizeram.

Se a maioria dos sinais da TV a cabo fossem gatos não haveria tanto interesse no setor. O mesmo para o setor elétrico.

Mas, pelo seu post foi possível compreender a afirmação do inspetor de que os grupos de extermínio agem por demanda.

 

A única coisa que os senhores de bom grado dão aos escravos é a esperança. (Albert Camus)

Pois é Edmilson Fidelis...

Apesar de eu não ser policial, func. público ou algo próximo tenho de concordar que grupos de extermínio agem sim por demanda. QUEM DEMANDA??? QUEM BANCA ISSO???

Álias gostria que vossa excelência grafasse o ponto onde eu digo que é isto que a polícia deve fazer. Consegue ter esta honestidade?

E não acho que a policia deva ir lá a espancar ou matar os que não pagam o IPVA... Eliminar os que fazem gato da TV  a cabo, matar e jogar em lotes vagos. Mas é evidente que o senhor deve morar no Japão, já que rejeita o fato de que a policia faz contigo o que o senhor exige o que ela faça com os outros. É exatamente sobre pessoas assim EUROPEUS que o texto do Douglas da Mata e o meu fala. De uma olhada nas respostas das outras pessoas aqui, veras que nem todos são chineses ou japoneses como o senhor. Naturalmente porque devem achar que a primeira coisa a se fazer para começarmos contruir um mundo melhor é parar de colocar a culpa nos outros, e assumir que mesmo que de forma inconsciente colaboramos sim para o estado de podridão em que vegeta a sociedade. A melhor maneira de evitar cometer erros é assumir que se tem a capacidade de fazê-los, e que não é apenas o vizinho que tem filho feio senhor Edmilson.

Aqui, mesmo com as limitações humanas que temos todos somos honestos senhor Edmilson, mas o senhor parecer ser mais que todos, ou então é japones. Ou então um da "gente diferenciada" ou "da massa cheirosa".

 

<!-- /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:1; mso-generic-font-family:roman; mso-font-format:other; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:0 0 0 0 0 0;} @font-face {font-family:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-520092929 1073786111 9 0 415 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin-top:0cm; margin-right:0cm; margin-bottom:10.0pt; margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoPapDefault {mso-style-type:export-only; margin-bottom:10.0pt; line-height:115%;} @page WordSection1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;} -->
/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:"Tabela normal";
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:"";
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:"Calibri","sans-serif";
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:"Times New Roman";
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-bidi-font-family:"Times New Roman";
mso-bidi-theme-font:minor-bidi;}

Primeiramente não sou excelência. Muito menos vossa.

Honestamente, eu não afirmei que você quer que a polícia faça isto ou aquilo. Nas frases há pontos de interrogação.

O que afirmei é que a sociedade não é esta aí.  Assim como a polícia não é toda milícia, a sociedade não é toda corrupta.

Se eu disser ao Inspetor que todos os policiais são corruptos ele como policial não aceitará, da mesma forma que eu como cidadão não aceito que digam que toda a sociedade é corrupta.

Não Sr. L.André, não me sinto e nunca me senti melhor que os outros e sou sim brasileiro, mineiro,  belo-horizontino e não escondo e não me envergonho disto.

Não Sr. L.André, eu não estou colocando a culpa nos outros. Eu estou tirando a culpa dos outros. Percebe?

Estou tentando mostrar que não é culpando toda a sociedade que iremos resolver o problema. Estou tentando mostrar que a maioria procura agir dentro da lei. Paga seus impostos. Paga suas multas. Paga seus pedágios. Paga taxa de segurança.

Estou tentando mostrar que se deve colocar a culpa em quem realmente tem culpa.

Não me acho mais honesto que ninguém. Apenas tenho a certeza de que sou honesto.

E não acho honesto culpar alguém apenas por ser um “potencial” transgressor.

E pior, fazer de todos “criminosos inconscientes”.

Agora além de nascermos pecadores, nascemos criminosos?

Não, Sr. L.André, não sou “gente diferenciada” ou “massa cheirosa”, mas não aceito dividir esta culpa.

Porque agora querer socializar a culpa pela insegurança e violência?

Se quiserem socializar bônus, tô  dentro!

Se quiserem socializar bônus e ônus, tô dentro!

Se quiserem socializar só ônus, tô fora!

 

A única coisa que os senhores de bom grado dão aos escravos é a esperança. (Albert Camus)

PARABENS!!!

Mas não esqueça senhor Edmilson Fidelis...

Esta polícia que ai esta, só faz com contigo o que o senhor EXIGE que ela faça com OS OUTROS.

É lógico, tendo mais direitos que OS OUTROS, é inaceitável esta isonomia praticada pela polícia. Principalmente porque OS OUTROS são OS OUTROS, ué. E são eles que devem cumprir as normas de conduta vigente no pais, e são eles que devem sentir os rigores da lei.

Afinal de contas polícia não pode nos tratar da mesma maneira como que nos exigimos que OS OUTROS sejam tratados, pô. Nós não somos OS OUTROS

Não é senhor Edmilson Fidelis???

 

Boa tarde a todos,

de fato, apesar dos altos investimentos feitos em segurança, a violência só aumenta em praticamente todo o Brasil. Em Guarulhos, na Gde. São Paulo, acabou de ser divulgado que o número de homícidios subiu assustadoramente. Alguma coisa deve estar errada. 

 

Abaixo do Texto da matéria, a foto do Coronel (Obs. de Fuhgeddaboudit)

TENENTE-CORONEL APONTADO COMO MANDANTE DO ASSASSINATO DE JUÍZA EM NITERÓI SERÁ TRANSFERIDO PARA BANGU 8

Fonte: http://extra.globo.com/noticias/rio/tenente-coronel-apontado-como-mandante-do-assassinato-de-juiza-em-niteroi-sera-transferido-para-bangu-8-2664768.html  - 27/09/2011 às 13:16

RIO - O tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira, apontado como mandante do assassinato da juíza Patrícia Acioli, em agosto, será transferido para o presídio de Bangu 8, segundo informou o corregedor geral da PM, coronel, Ronaldo Menezes, em coletiva no fim da manhã desta terça-feira. Ele está detido no Batalhão de Choque (BPChoque) desde as primeiras horas da madrugada desta terça-feira e foi afastado do comando do 22º BPM (Maré), segundo informou a assessoria da Polícia Militar. Também serão transferidos para Bangu 8, por acusação de envolvimento no crime, os policias militares Alex Ribeiro Pereira, Sammy dos Santos Quintanilha, Carlos Adílio Maciel Santos, Jovanis Falcão Junior e Charles de Azevedo Tavares. Os PMs já estavam cumprindo prisão preventiva temporária de 15 dias na unidade prisional da PM de Benfica pela suspeita de participação de um auto de resistência, que levou à morte Diego Beliene, de 18 anos, no Morro do Salgueiro, em São Gonçalo.

A Corregedoria tenta agora cumprir o mandado de prisão contra um sexto policial, também citado no inquérito que apura a morte da juíza, Junior César de Medeiros, que seria do 12º BPM (Niterói). O corregedor disse que aguardará detalhes sobre o que levou a justiça a expedir mandado de prisão para poder instaurar o processo administrativo contra o coronel. Quem assume provisoriamente o comando do 22º BPM é o sub comandante da unidade é o tenente Coronel Izidro.

O tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira se apresentou na unidade após a Justiça ter decretado, no fim da noite de segunda-feira, a sua prisão preventiva por 15 dias. Na época da morte da magistrada, Cláudio Luiz de Oliveira era comandante do 7º BPM (São Gonçalo). Outros cinco policiais, que atuavam no mesmo batalhão sob a tutela do então comandante, também tiveram mandados expedidos pela 3ª Vara Criminal de Niterói. O juiz que decretou a prisão do oficial teve a segurança reforçada, de acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça.

Os policiais faziam parte do Grupamento de Ações Táticas e são acusados de forjar um auto de resistência para acobertar a morte de Diego Belieni, então com 18 anos. No último dia 14, reportagem do GLOBO já mostrava que escutas telefônicas autorizadas pela Justiça indicavam que o assassinato da juíza tinha um mandante.

O comandante geral da PM, coronel Mário Sérgio Brito Duarte, não se pronunciou sobre o pedido de prisão do comandante e dos outros cinco policiais. Ele foi submetido, na segunda-feira, à uma intervenção cirúrgica no hospital da corporação para retirada de um nódulo na próstata. A assessoria da PM informou que, por determinação médica, ele deverá ficar trinta dias afastado de suas atividades profissionais.

Segundo o comandante interino da Polícia Militar, coronel Álvaro Garcia, a corporação vai aguardar o andamento das investigações para resolver possíveis punições ao tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira. A princípio, Cláudio Oliveira está afastado do comando do batalhão da Maré. Quem vai assumir a liderança da unidade interinamente é o subcomandante do local.

Outros três PMs já estão presos por participação na morte de Diego e da juíza. São eles: o tenente Daniel dos Santos Benitez Lopes e os cabos Sérgio Costa Júnior e Jefferson de Araújo Miranda. A Justiça decretou a prisão após um dos cabos que executaram o crime ter relatado ao juiz Peterson Barroso Simões que o tenente-coronel era o mandante do crime. O cabo, que estaria ameaçado de morte, resolveu contar tudo e participar de uma antecipação de prova, obtendo o direito à delação premiada (que inclui provável redução de pena). O PM e sua família foram incluídos no programa de proteção à testemunha.

O cabo teria dito que usou duas pistolas no crime, o que explica terem sido encontradas cápsulas de três calibres no condomínio de Patrícia: 30, ponto 40 e 45.

Os últimos momentos de vida de Patrícia foram registradas por sete câmeras.Uma das imagens mostra a juíza deixando o fórum de carro às 23h13m. Um pouco mais tarde, imagens de uma câmera de segurança mostram o carro da juíza na Rodovia Niterói-Manilha e a moto com os dois homens logo atrás. Meia hora depois, novas imagens na Niterói-Manilha voltam a mostrar o carro e a moto logo atrás. Nela é possível ver que o piloto está de tênis branco e calça jeans e que os dois homens usam casacos. Faltando quatro quilômetros para o condomínio da juíza, os ocupantes da moto ultrapassam o carro da magistrada para preparar a emboscada. Marcas de pneus de uma moto foram encontradas perto da casa onde a juíza morava.

VÍDEO : Veja imagens do Fantástico sobre a perseguição à juíza

Após o assassinato de Patrícia Acioli, o comando da Polícia Militar trocou os comandantes de diversos batalhões. Foi quando Cláudio Luiz de Oliveira assumiu o comando do 22º BPM (Maré).

Nesta segunda, o juiz Fábio Uchôa, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, decretou as prisões preventivas de sete PMs do 7º BPM (São Gonçalo) acusados de envolvimento num auto de resistência forjado. Dois deles - Jovanis Falcão Júnior e Carlos Adílio Maciel dos Santos, o Carlão - já estão presos pelo envolvimento na morte da juíza e de Diego Belieni. O caso ocorreu em junho do ano passado, na Fazenda dos Mineiros. Segundo o inquérito da 72ª DP (São Gonçalo), os PMs teriam atirado a esmo após não receberem propina de traficantes. Uma mulher foi morta. 

Re: Desafios para uma polícia incorruptível
 

Ou eu encontro um caminho ou eu o faço! Philip Sidney.

'SOU INOCENTE', AFIRMA EX-COMANDANTE SUSPEITO DE MORTE DE JUÍZA NO RJ

Outros seis policiais suspeitos também estão presos, segundo a PM.

Tenente-coronel foi exonerado do comando do 22º BPM (Maré).

Do G1 RJ - Atualizado em 27/09/2011 16h32 -  Alba Valéria Mendonça

Fonte: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2011/09/sou-inocente-afirma-ex-comandante-suspeito-de-morte-de-juiza-no-rj.html

O tenente-coronel Claudio Luiz Oliveira da PM, preso sob suspeita de ser o mandante da morte da juíza Patrícia Acioli, com 21 tiros no dia 11 de agosto, em Niterói, chegou às 15h55 desta terça-feira (27) à Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, onde será ouvido.

"Sou inocente e tenho certeza de que isso vai ficar provado. Não tenho conhecimento do depoimento de ninguém (sobre o caso da morte da juíza)", falou o tenente-coronel que foi ao local sem advogado.

Perguntado se teria algum envolvimento na morte da juíza, ele afirmou "de jeito nenhum" e entrou.

A Divisão de Homicídios informou, nesta tarde, que policiais cumprem mandados de busca e apreensão na casa do ex-comandante.

Ele será levado para o presídio Bangu 8, segundo informou o corregedor da Polícia Militar, coronel Ronaldo Menezes, em coletiva nesta terça. Além dele, outros cinco policiais suspeitos de participação no crime também serão levados para o mesmo presídio. Eles cumprem prisão temporária de 15 dias. Um sexto policial, suspeito do mesmo crime, ainda é procurado.

"O militar, como uma questão de prerrogativa, tem direito à prisão especial, deveria estar lotado numa unidade da PM ou no Batalhão Prisional. Mas a autoridade que determina a prisão temporária decidiu que ela fosse cumprida em Bangu 8. Nós temos que cumprir a decisão judicial". disse Menezes.

O tenente-coronel Cláudio Oliveira foi exonerado do comando do 22º BPM (Maré) e estava preso na carceragem do Batalhão de Choque, no Estácio, na Zona Norte do Rio, desde a madrugada desta terça. Antes de ficar à frente do batalhão da Maré, ele comandou o 7º BPM (São Gonçalo).

"O tenente-coronel fez parte de um pacote de movimentações recentes, diversos comandos foram trocados. Naquela oportunidade não havia qualquer tipo de suspeição ou acusação sobre o tenente-coronel Cláudio", afirmou o corregedor Ronaldo Menezes, acrescentando que "não cabe à Corregedoria da PM comentar a troca de comando de batalhões.

 

Em depoimento ao juiz da 3ª Vara Criminal de Niterói, um dos cabos presos por envolvimento na morte da juíza acusa o ex-comandante do 7º BPM (São Gonçalo) de ser o mandante do crime.

De acordo com Menezes, atualmente não há nenhum processo na Corregedoria da PM contra o tenente-coronel Cláudio Luiz de Oliveira. "Evidentemente que após todos esses fatos será deflagrado um processo administrativo, mas para sua deflagração temos que ter uma documentação que nos dê sustentação para iniciar esse processo (administrativo)", afirmou.

"Nesse momento, o processo segue em segredo de Justiça e nós não temos em mão qualquer motivação dessa prisão para que possamos deflagrar esse processo (administrativo). Estamos aguardando o remessa dessa documentação para podermos então deflagrar o processo", completou o corregedor da PM, acrescentando que o prazo inicial do processo é de 40 dias.

Ainda segundo Menezes, é feito um processo administrativo, que é levado à apreciação do secretário de Segurança, que impõe também a deflagração de um processo de justificação. E esse processo poderá culminar com a demissão do ex-comandante dos quadros da corporação.

Outros seis policiais suspeitos estão presos

Além do tenente-coronel, mais seis policiais militares também tiveram a prisão decretada no fim da noite de segunda-feira (26), sendo que cinco já estavam presos por outro crime. Os cinco faziam parte do Grupo de Ações Táticas do Batalhão de São Gonçalo e são suspeitos de forjar um auto de resistência, morte em confronto, para esconder o assassinato de Diego Bellini de 18 anos, durante uma operação policial. Um sexto policial também está preso na Unidade Prisional da PM, em Benfica, no entanto, a assessoria da PM não soube informar se ele se entregou ou foi detido.

Três policiais militares suspeitos de matar a juíza Patrícia Acioli já estão presos e foram transferidos da Unidade Prisional da PM em Benfica, para unidades diferentes, a pedido do Ministério Público, no dia 19 de setembro. A transferência é para evitar que eles combinem, antes dos depoimentos, a mesma versão sobre o caso.

UPA da Maré

Na segunda-feira (26), a Secretaria estadual de Saúde informou que a UPA da Maré foi fechada a pedido do "comando da Polícia Militar do Rio de Janeiro, por conta das operações realizadas no complexo nas últimas semanas". Segundo a PM, as operações para combater traficantes armados nas imediações eram diárias desde que o tenente-coronel Cláudio Oliveira tinha assumido o comando do 22º BPM (Maré).

 

Ou eu encontro um caminho ou eu o faço! Philip Sidney.