newsletter

Dilma é 3ª na lista das mulheres mais influentes da Forbes

Do Uol

Edição da "Forbes" com as mais poderosas tem Dilma na capa

Acaba de sair do novo a lista com as mulheres mais poderosas do mundo, publicada anualmente pela revista “Forbes.” E adivinha quem é o destaque da edição deste ano do ranking? A presidente Dilma Rousseff, que, como Glamurama contou, foi entrevistada recentemente pela equipe de reportagem da publicação.

Além de aparecer na capa da “Forbes,” Dilma se manteve na posição de terceira mulher mais poderosa do mundo, a mesma que ela ocupou em 2011. A primeira e a segunda colocada, por sinal, também são as mesmas do ano passado: respectivamente a chanceler alemã Angela Merkel e a secretária de estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton.

As outras brasileiras no ranking são a executiva Maria das Graças Silva Foster, CEO da Petrobrás, na 20ª posição, e a top Gisele Bündchen, na 83ª posição.

A lista no site da Forbes: The World's 100 Most Powerful Women

Da Forbes

Power Woman Dilma Rousseff: Brazil's Entrepreneur-In-Chief

By Alexis Glick and Meghan Casserly

Brazilian President Dilma Rousseffrecently encountered a young couple in their 30s, with a brood of young children and a hopeful outlook on the future. Until recently the father had driven a bus in Brasília, but thanks to an expansion of electricity and irrigation infrastructure, he turned previously unusable land in the countryside into a thriving vegetable farm, along with a side business raising chickens.

“How much do you make?” Rousseff asked him.

“Four times what I used to earn as a bus driver,” the independent farmer responded. More money was coming in, and the costs of raising a family in the countryside are lower as well. His new goal for his children: degrees in agricultural science.

“We are wagering,” smiles Rousseff, sitting in her minimalist, art-filled office in the Presidential Palace in Brasília as she recalls that conversation, “that people will be able to stand up on their own feet and walk by themselves.”

Her wager–Brazil’s wager–is on entrepreneurship. The past two decades have been formidable for her country: curbing inflation (by creating the real and pegging it to the U.S. dollar), privatization (notably, the state-owned telecommunication and mining companies) and a commodities boom (soybean and iron ore). Twenty years ago Brazil’s GDP was at $358 billion and ranked 11th in the world; today, at $2.5 trillion, it’s between sixth and eighth, depending on who’s counting. No other BRIC balances democracy and widespread wealth nearly as well. Half of Brazil’s population now occupies the middle class–their output alone surpasses the entire economy of neighboring Argentina. “There has been a shift, a change in the way we are [perceived],” says Rousseff, 64, whose position atop this shift now makes her the third most powerful woman in the world, according to FORBES’ annual rankings.

Brazil has become one of the most entrepreneurial countries in the world, with one in four adults self-employed in some manner. Small businesses create two out of three jobs in Rousseff’s private sector–Brazil’s unemployment rate is an envious 5.8%–and 49% of entrepreneurs with companies less than 42 months old are women; the global average is 37%. In bustling São Paulo alone, 1.8 million small-business owners ply their trades, wares and ideas.

Technology has been a game changer. According to Nielsen, Brazil had 82.4 million Internet users in the first quarter of 2012 compared with 62.3 million three years earlier. On Facebook, Tumblr and Twitter Brazilians are the second most active social network users behind the U.S. “Technology is democratizing entrepreneurialism,” says Bedy Yang, the founder of Brazilian Innovators, an organization helping young tech entrepreneurs. “There are 200 million people in Brazil and 250 million mobile devices.” The Brazilian-born Yang lives in Silicon Valley and travels each month to her homeland to host monthly meetups. Three years ago you couldn’t find any venture capital, says Yang, as we lurch through the clogged streets of São Paulo. “Now I’m seeing Excel Venture, Redpoint Ventures and Sequoia. It’s the formation of a new asset class.”

Rousseff, who took office early last year, has a plan to keep the good times rolling: incentivizing the kind of entrepreneur that Yang cultivates and that her farmer friend embodies. Specifically, lower interest rates, to expand capital; investing in infrastructure; and targeted tax cuts. “In others words,” says Rousseff, “pro-growth bonuses.” This on top of an already robust layer of incentives for entrepreneurs, including retirement benefits and government microloans. “The corner hairdresser, the popcorn salesperson, we also like to help them,” says Rousseff, who es-pouses a program that advances up to $500 to these kinds of small operators.

The public supports her–a June poll put her approval rating at 77%, ahead of her predecessor and mentor, Luiz In?cio Lula da Silva, at a similar point in his term. Perhaps more critically, so does Brazil’s entrepreneurial community. “Our government has made substantive reforms in recent years,” Eike Batista, Brazil’s top entrepreneur (and the world’s seventh-richest man, with an estimated net worth of $30 billion), tells FORBES, “and Dilma is building a fertile environment for investors.”

“I don’t think I had a plan to be president,” says Rousseff. That’s an understatement: Rousseff’s route to Brazil’s entrepreneur-in-chief is as unconventional as they come.

Rousseff’s father, a Communist exile from Bulgaria, made a good living in real estate and construction. His two daughters attended boarding school, where Dilma studied piano and inhaled books, a habit to this day. (Next up: James Carville’s It’s the Middle Class, Stupid!) “I used to play volleyball,” recalls Rousseff. “My wrist is not that strong, but I could block my opponent.”

In 1964, when Rousseff turned 17, Brazil’s military overthrew the leftist government of Jo?o Goulart, the fifth political coup in 20 years. Overnight civil rights gave way to arrests, disappearances and torture. In 1967, unbeknownst to her family, Rousseff took the nom de guerre Estela and joined a radical faction of the Brazilian Socialist Party that preached revolt but settled for robberies and car-bombings.

Her first marriage lasted less than two years, but the second, to activist lawyer Carlos Araujo, a prominent member of the Brazilian Communist Party, would stick for nearly three dec-ades. Araujo and Rousseff joined an activist group responsible for stealing a safe containing $2.5 million to fund political actions. Araujo has said his wife “never took up arms.” (He also has said he didn’t know his wife’s given name until her arrest.) In early 1970 Rousseff was caught in a sting operation. Military officials tortured her for 22 days, sometimes using electric shocks, and she spent the next three years in prison.

By the time Rousseff was released in 1972, she was 20 pounds thinner and physically broken. Undaunted, she traded her radical politics for pragmatism. Rousseff pursued an economics degree, and with Araujo, now parents of a daughter, Paula, supported the Democratic Labor Party, a cooperative movement composed of leftist groups (a decade ago she jumped to the ruling Workers’ Party). As her reputation grew, Rousseff landed state-level positions as Secretary of the Treasury and Secretary of Energy before serving as chief of staff for President Lula da Silva, whom she succeeded.

Rousseff rarely discusses her days as a radical and torture victim, nor does she marvel much at her improbable journey from prisoner to president. For her time and country, she says, it’s typical, “the 1968 generation.”

To see the challenges that Rousseff now faces–and the opportunities within her grasp–it’s instructive to relive a recent trip to Fortaleza, a city with 2.5 million people in northeastern Brazil, taken by Gary Garrabrant, CEO and cofounder of Equity International. (Garrabrant is a big believer in Brazil. His $2 billion private equity firm has half its money in local growth businesses, including homebuilding, commercial real estate, logistics and storage companies.) Rain had washed out the roads, forcing him to rent a four-wheel Jeep, which he navigated over high sand dunes (“no road, no signage”) with the help of a surfer he picked up along the way. He eventually made it to the city, where, he says, “two to three attractive investment opportunities were discovered.” Bad infrastructure; great prospects.

To increase the latter, Rousseff has decided to invest in the former. A short-term dividend of infrastructure spending: It should goose growth, which has slowed to an expected 2% this year, from a white-hot 7.5% in 2010. A medium-term advantage: Brazil will be more ready for its two-pronged coming-out party–the soccer World Cup in 2014 and the Summer Olympics in 2016. To her credit, though, Rousseff’s strategy centers mostly on long-term projects–her equivalents of the Eisenhower Interstate System–that will encourage entrepreneurial activity for decades.

Physical infrastructure is the most obvious need: As Garrabrant discovered, only 14% of the roads in the world’s fifth-largest country are paved. Of 142 countries surveyed, the World Economic Forum ranks Brazil’s quality of physical infrastructure 104th–behind fellow BRICs China, India and Russia. In August Rousseff announced plans for competitive auctions in which private contractors can bid for projects, such as the right to operate 7,500km of roads and 10,000km of railways. Total expected investment: $66 billion, with nearly half spent in the next five years.

Broadband is next. In Brazil high-speed Internet costs around $27 per month–if you can get it–versus $10 in China. To make the Web more accessible, Rousseff has allocated $500 million per year. Brazil’s mobile telecommunication plumbing needs more help. -Connection fees are 48 cents per minute, versus an average 6.2 cents a minute in the average developed country, and the service quality is so horrendous that Brazil’s telecom regulator banned three big mobile phone operators from selling new plans in some areas until they improved. To fix the problem, Rousseff is pressuring the four foreign companies that dominate telecommunications to invest more and deliver faster. If they don’t have 4G running by the World Cup, they will face big penalties.

For Rousseff, “infrastructure” also means clearing the way for entrepreneurs to create. Starting a new business in Brazil isn’t easy. According to the World Bank, it takes up to 120 days to incorporate versus 6 in the U.S., with startup costs running ten times what they do in China. Rousseff is pushing to move business-tax payments online, which should curb the need to file with different authorities. This year Rousseff has also tried to boost smaller farmers, like the one she met outside Brasília, providing $8 billion in small, negative-interest loans.

But taxes remain her stickiest issue. “Brazil’s tax system is among the most complex in the world,” says Henry McVey, head of global and macro asset allocation at KKR, the private equity giant. These complications, which involve regional fiefdoms, make it highly difficult for Rousseff to cut Brazil’s onerous payroll tax, which is effectively 70%, across the board. Instead, she’s been content with targeted cuts to make domestic manufacturers more competitive. She’s also expanded a break for young companies with less than $1.8 million in revenues. Ultimately, she tells FORBES, she pines for a VAT-type system. “We have to change the tax structure from a payroll-based to a turnover-based taxation structure,” she says.

For all of her business-friendly policies, Rousseff also stays true to her background in social justice. She doesn’t feel these are mutually exclusive. “If you think the market alone was able to lift 70 million people out of poverty, I mean, you’re wrong,” she says.

In education, Rousseff aims to train more–and better–scientists and engineers. Until now few Brazilians have studied abroad. Last year only 9,000 Brazilians studied in the U.S. (excluding language students), compared with 260,000 from China and India. Under Rousseff’s Science Without Borders program, by 2015 that figure will jump to 100,000 (U.S. schools have already agreed to take 20,000).

Rousseff, now a grandmother, also advocates, via policy, on behalf of children. Every household with a child under age 6 gets $35–on the condition that the kids attend school and abide by a vaccination calendar. When Lula da Silva engineered the stipend in 2003, critics howled “as if we were giving hope to the beggars,” says Rousseff. The harsh truth: “The older you are the more protected you are. Stark poverty in Brazil is female and child.” Rousseff adding her own perks: 6,000 day care centers for lower- to middle-class families and free medicine for kids. Aid to children is funneled to mothers. (“Always the woman,” says Rousseff, “because the man tends to get the money and spend it in alcoholic beverage.”)

Rousseff faces major challenges. All this tax-trimming and social spending raise the prospects of a Brazilian fiscal cliff. Inflation remains a real concern. And corruption still festers nationwide and in the capital: Rousseff has already sacked six ministers and her chief of staff amid various scandals.

For what’s it’s worth, though–about $30 billion, in this case–the man with more personally at stake in Brazil than anyone, Eike Batista, is betting on Rousseff: “She is brave enough to carry Brazil ahead.”

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+92 comentários

Essa Forbes já foi melhor. Colocar a foto de um poste na capa! kkk

 

 

O recado da matrix para Veja: “Ou Forbes ou sai de cima...”
“A June poll put Rousseff's approval rating at 77%, and she is favored to win a second four-year term in 2014.”
 

By Caroline Howard, Forbes.com
 

Forbes.com on MSN Money
 

Dilma Rousseff, president of Brazil © News Free/Getty Images

No. 3: Dilma Rousseff
Power source: President of Brazil
Age: 64
Rousseff, already the president of the world's sixth-largest economy, remains ambitious at the midpoint of her first term. First, she has launched aggressive programs meant to reverse Brazil's still-strong but shrinking national gross domestic product. Brasil Sem Miséria (Brazil Without Misery) is a Great Society-style program aimed at eradicating dire poverty and increasing access to education, medical care and sanitation services in the nation by 2014.
Her second initiative focuses on business growth and innovation, including protectionist tariffs on imports, subsidies for exports and incentives for small and very small businesses.
"What I want my legacy to be is this country to be increasing middle class, to be highly competitive and highly educated," Rousseff told Forbes.
A June poll put Rousseff's approval rating at 77%, and she is favored to win a second four-year term in 2014.

 

Grande Presidenta, e com certeza uma boa mãe de família.  Cá para nós,  os acontecimentos da semana passada me balaçaram. 

 

Medalha de Ouro, Prata e Bronze para a direita...

 

Flics

Critiquem as concessões, as greves, etc, mas essa é uma baita propaganda para o Brasil. Uma pena para aqueles que torciam pelo fracasso brasileiro: deram com a cara na parede.

Dá-lhe Dilma!

 

A gerentona do capital.

 

 

Benza-te Deus!
 

Como a Regina Duarte alertou, agora tô ficando com medo: a Veja “dilmou”.
Imagino a urucubaca desgraçada que vai obscurecer o horizonte se a Folha, o Estadão e a Globo fizerem o mesmo.
Poucos sacaram como a estratégia furada das hostes inimigas tem funcionado:  quanto mais eles “descem o pau” mais cresce a popularidade da invocada senhora (aquela mesma da faxina à jato no seu ministério).
 
Só não gostei da confidência da Dona Dilma à Forbes, dizendo que a ajuda a crianças é canalizada para as mães:
- - "Sempre a mulher", diz Dilma, "porque o homem tende a obter o dinheiro e gastá-lo em bebida alcoólica.“
Como diria FHC:
- “Assim não pode! Assim não dá!”
 
Contrariado, mando o meu recado pra Dona Dilma: “a senhora só vê os goles que eu tomo mas não vê os tombos que eu levo, uaiPega leve aí nessa Lei Seca, Dona Dilma porque o mano Lulinha, apreciador ‘da branquinha’  também não vai gostar da sua discriminação presidencial.

 

Até isso ela aprendeu com o Lula, que por experiência familiar sabe bem a incapacidade de um alcoólatra em administrar o orçamento domestico. Os programas sociais criados a partir de 2003 elegeram as mulheres como gestora do beneficio, não foi a Dilma que criou essa regera.  Essa sua virulência contra quem usa bebida, é típicas de quem viveu ou vive esse drama que é ter um alcoólatra em casa.

 

Enquanto isso, por aqui o a enquete do Ig diz sobre o presidente que fez mais pelo País dá o seguine resultado:

1º) FHC

2º)Lula com quase a metade dos votos do 1º

3º)Itamar

4º)Collor

5º)Dilma

6º)Sarney

Só faltou dizer que é para a gente acreditar.

 

Poste ou não, o fato é que Dilma Rousseff continua em alta tanto interna como externamente. Lula tinha razão quando dizia que ela iria surpreender.

 

Surpreendeu tanto quanto um segredo de Polichinelo...

 

Olá Nassif,

A Dilma prá tá nesta lista, acho que ela se distanciou da classe trabalhadora, como já comentaram, para uma revista econômica americana elogia-la é porque a política que ela vem adotando é para beneficiar os interesses dos capitalistas do norte. Entendo que ela tá mais prá FHC do prá Lula.

 

Bingo!

 

Quisera que Dilma utilizasse , por exemplo, esse suposto poder para um projeto educacional brasileiro – fosse qual fosse.

Dilma, malgrado “tanto poder”, é mais uma imediatista sem rumo como tantos outros. Seu horizonte de eventos não vai além do eleitoral. E mesmo limitado, tal horizonte comporta uma incômoda incógnita: “Esquento a cadeira pro Lula ou me liberto”?

No mais...

Política educacional: “Mercaddad, solta aí uma cota.”

Política industrial: “Esfriou? Libera os carros e a linha branca.”

Política ecológica: “O meio-ambiente é, sem dúvida nenhuma , uma ameaça ao desenvolvimento sustentável. Isso significa que é uma ameaça para o nosso planeta e para os nossos países.” [http://www.youtube.com/watch?v=xgY6WOd06TY] ...

Alguém se lembra?

(Freud já explicava: Ato falho é uma peça que o (verdadeiro) desejo nos prega.)

Na política de alianças ela segue a eclética ortodoxia política brasileira: vai da RAÇA RUBRO-NEGRA à FORÇA JOVEM DO VASCO, da GAVIÕES DA FIEL à MANCHA VERDE, passando pelo iurdiano Bispo Crivella, pelo cardeal primaz, pela Mãe Menininha... Vai, sem atentar pras diferenças “paisagísticas”, da Barra a Santa Cruz, do Jardim Paulista a Paraisópolis...

Ao fim de tudo - na esteira de JK, Medici, FHC e Lula - ela tenta nos convencer que os interesses do Eike Batista são exatamente os mesmos de todos “brasileiros e brasileiras”.(Teoria do Bolo atualizada : “Que ninguém nos ouça: Não contem pro pessoal lá fora que o bolo tá pronto, o churrasco tá gauchescamente no ponto, o pãozinho de queijo tá divino, a pizza tá cheirosa e a festa já começou há muito tempo. Se alguém desconfiar, diz pro assessor de imprensa falar  que  o bolo solou e vamos precisar de tempo pra fazer outro. Enquanto isso, vão servindo pra eles uns guaracampes  e uns pãezinhos que sobraram da festa de ontem. Hi! até ia me esquecendo: Amanhã eu tenho que entregar um prêmio pra Griselda.”)

Somos carentes de saneamento básico, transportes etc ?

Resposta: Olimpíadas e Copa do Mundo.

...................

E depois tem gente que diz que ideologia é coisa de intelectual que não tem o que fazer.

 

Concordo com o Aliança Liberal. Essa capa foi mais uma tentiva espíuria de desviar as atenções do do povo brasileiro do julgamento do mensalão. Uma vergonha.

 

Foi uma ironia ou eu não entendi? Tu sinceramente acha que o PT da Dilma está pautando ou, pior, controlando a Forbes para ela produzir capas que favoreçam o partido no momento do julgamento do Mensalão? Aí já é neurose, cara! haha

 

Sério, imaginei neste momento a voz do Galvão Bueno gRitando a plenos pulmões: É DO BRASIL É DO BRASIL ÉÉÉÉÉ DO BRASIIIIILL kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

 

Parabéns as guerreiras mulheres brasileiras, representa pela nossa PresidentDilma Vana Rousseff.

 

Consagre os seus sonhos e projetos ao Senhor, e eles serão bem sucedidos, creia.

gAS

toda vezes que leio ou vejo alguém usar o termo guerreira ou guerreiro em frases idiotas assim, me da uma vontade de sacar um revolver!!!!  

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

Esta frase diz bem do espírito fascista da direita gardenal.

 

  A Direita irada e seu não tão recôndito espírito belicoso. Apascentai, OH! vosso coração nas trincheiras da Paz.

 

Seria a 1°, näo fosse essa conturbada economia mundial.

Com essa, os golpistas se rasgam ainda mais. Além de critica-la em sua sábia estratégia de concessöes, que eles teimam em confundir com privatizacöes, mesmo que fosse, o propósito é válido. Logo logo encontraräo outro jeito de desmerece-la.

Na atual conjuntura, com dinheiro escasso, melhor incrementar a política de PPP do que deixar  a infra-estrutura estagnada.  

Atualmente é um dos maiores gargalos do nosso desenvolvimento, no setor de exportacöes. 

Que sejam bem vindas as melhorias mesmo em sistema de PPP, de portos, ferrovias, e estradas, para o melhor escoamento das nossas producöes, o que reverterá no final, em benefícios para a populacäo com o crescimento do  PIB.

INTELIGÊNCIA VISÄO E ESTRATÉGIA, säo qualidades inerente a essa grande estadista:

Mais uma vez, PARABÉNS DILMA!!!

 

 

Cada um tem a capa que merece:


 quem quer o Serra?

 

Ótima...rs.

 

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK !!!!!!

 

É Jutahy  tucano que está  ao lado  ou estou vendo mal?

kkkkkkkkk, derrotado!!

 

Que legal!

Dilma lado a lado de Hillary Clinton e Angela Merkel.

Bacana mesmo.

Que trio, hein?

 

Modo ironia on?...

 

;-)

 

Presidência da República: Dilma RousseffAssunto: DESCASO COM O POVO Prezada presidenta Dilma Rousseff sou um brasileiro que gosta de ajudar os mais pobres e tento melhorar o meu país dando sugestões de projetos que visam  mudar a vida de quem mais precisa, mas infelizmente venho observado que as assessorias de muitos orgãos do governo federal não funcionam direito, o cidadão colabora com críticas e sugestões, e não tem o seu pleito seguer respondido por parte daqueles que deveriam atende-los dando uma resposta e uma palavra de agradecimento. Presidenta muitas boas ideias se perdem nessa burocracia e incompetência por parte dos governos, por isso muitos cidadãos recorrem aos jornais para criticar o governo pela sua inoperância e incapacidade de ação. Tenho alguns bons projetos para ajudar o Brasil, mas o que ganho com isso, se o governo não faz o seu dever de casa, devo espera o proximo governo para realmente assistir uma mudaça real dos anseios do povo brasileiro e colocar em prática as minhas ideias e projetos, e tambem ganhar dinheiro com eles?  Seu morrasse em outro país com certeza já teria tido o meu trabalho reconhecido, mas no Brasil tudo é mais difícil. Presidenta bota essa gente para trabalhar pelo Brasil.




Rio de Janeiro, 17 de agosto de 2012 Presidência da República: Dilma RousseffAssunto: PROJETO LOCALIZA BRASIL Prezada presidenta Dilma Rousseff o seu governo vem investindo no bem estar das crianças brasileiras, e isso é muito bom. Mas o Brasil não pode esquecer do enorme problema das crianças desaparecidas, por isso gostaria de sugerir para vossa excêlencia o projeto: LOCALIZA BRASIL, onde o governo com o apoio e parceria dos sites brasileiros colocaria a foto de crianças desaparecidas na primeira página. Um bom exemplo é o site do Google Brasil, que tem um enorme espaço em branco, onde poderia ser colocado várias fotos de crianças desparecidas, como é um site, que procura algo e localiza, seria muito interessante para ambos os lados fazer essa parceria, todo mundo ganharia com essa iniciativa. Essas parcerias seriam um ato de humanidade e um bem enorme para as nossas crianças. Presidenta com certeza a esperança de inúmeras mães se renovaria com essas parcerias, e esse projeto poderia servir de exemplo para vários outros países, que sofrem com esse enorme problema.   

 

E o "poste" se iluminou todo! Ave, Dilma!

 

Cuidado se forem caminhar em Higienópolis hoje: vai estar chovendo tucanos das janelas.

 

http://1.bp.blogspot.com/-Jc1bDOvqfkc/TyjuhwLJrTI/AAAAAAAAETc/64wMVs3o_K...

perdão SR,mas pela declaração de FHC ao voltar de férias ,ele não lê esa publicação
 

É o que eu falo desde o começo do mandato, quando até alguns setores da esquerda desconfiavam dela: deixem a mulher trabalhar!!


Parabéns Presidente!!!

 

Serra, nao esquenta, até 2014 ela podera mudar de posiçao, sair da posiçao de 3ª  para a posiçao de 1ª

 

Essa revista de endinheirados não dá ponto sem  nó, belo tributo pra um governo que trata o funcionalismo e aposentados com mão de ferro enquanto dá "kits bilionarios de felicidade" para o empresariado, boa escolha.

 

e até o paim tá anunciando que querem meter a mão na clt de novo!!

 

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

 Frede69

Pena que mesmo com todo esse poder ela ainda não pode enfrentar o pig

 

quem sabe se ela subir mais uma posição no ano que vem ;)

 

Se ela tentar controlar a imprensa ela DESAPARECE da lista, como Cristina Kirchner, a lista é produto de um pais lider da ordem democratica global, a FORBES é imprensa livre,  não entram candidatas a ditadoras como a Viuva de Botox mas porque será que isso é tão dificil de entender?

O pig é a imprensa livre COM TODOS OS SEUS DEFEITOS, pais com midia chaapa branca

é pais-marginal, como Cuba, Coreia do Norte, Equador, Venezuela e a Argentina caminha para o afundamento junto a essa pavorosa companhia.

 

Rapaz, a "era de ouro" de AA foi a da guerra fria...

Ficou órfão dela e continua vivendo de nostálgicas reminiscências.

O mundo gira, a Lusitana roda, mas nada muda...

 

DEDÉ,  mas falando-se de botox, o da D. DILMA é cem vzs melhor, não achas? Eu prefiro a coragem da D. CRISTINA ao enfrentar a mídia dos endemoninhados, as armações maquiavélicas do império e do reino e por aí ela vai, sem temer mal algum....Mulher corajosa, não podes negar. Talvez que D.DILMA esteja na lista por conta de mudança nas ideias ou por conta de que deixacorrersoltaainvasãodeIsraelDisto, os ianques gostam...

http://planobrasil.com/2012/08/o-cerco-a-industria-brasileira-de-defesa/

http://www.viomundo.com.br/politica/mauricio-caleiro-a-guinada-conservad...

 

" Se ela tentar controlar a imprensa ela DESAPARECE da lista, como Cristina Kirchner... "

Não fale bobagens...

Do IG

" ...Cristina Kirchner, que aparece em 16º lugar, um posto acima do ano passado, ganhou destaque pelo segundo mandato, classificado como um "boom econômico" no país, com a alta de 37% do PIB desde 2007 "

 

sem desmerecer a lista, até porque é uma revista respeitável, mas alguém poderia me dizer qual a importância mundial de gisele bundchen para a humanidade?

 

Porque uma imagem vale mais que mil palavras?

 

toda campanha estrelada por ela para por exemplo a C&A produz um aumento das vendas dos produtos anunciados, o poder de convencimento dela junto as pessoas faz dela uma pessoa que pode influenciar.  Veja bem não se trata de mulheres poderosas, mas que tem como influir em nossas vidas.  A Gisele ao contrario da Hillary, Angela e Dilma usa seus proprios dotes, principalmente carisma, as demais são influentes porque possuem estados poderosos sob suas ordens!

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

Uai, ela nos abriu novos horizontes anunciando a SKY HD ....

 

Melhor comentário do blog hoje. Parabéns.

 

AS DAMAS DE FERRO DO IMPERIALISMO

AS DAMAS DE FERRO DO IMPERIALISMO
AS DAMAS DE FERRO DO IMPERIALISMO
 

Parece aquelas comparações bestas feitas pela Veja um tempo atrás entre Lula e Fidel Castro. Coisa mais tediosa e infantil.

 

Dilma é a versão tupiniquim da Tatcher. Tecnocrata desalmada! Neoliberal! Dilma no governo é o PT dando as costas para as suas bases históricas. Quem não vê isso, é porque tem o rabo preso com o governo ou é militante vítima de lavagem cerebral.