newsletter

Pular para o conteúdo principal

Dilma recebe centrais sindicais

Por Walber F. dos Santos

Da Agência Brasil

Centrais sindicais cobram medidas para conter valorização do real

As centrais sindicais reclamaram nesta quarta-feira (14/3) da falta de avanço na negociação de reivindicações trabalhistas com o governo e cobraram ações mais incisivas contra a desindustrialização, que pode gerar desemprego na indústria.

Representantes das principais centrais sindicais do país reuniram-se nesta quarta-feira, durante cerca de três horas, com a presidenta Dilma Rousseff para discutir os impactos da guerra cambial na indústria nacional, que acaba enfraquecida pela falta de competitividade em relação aos produtos vindos do exterior, por causa da valorização do real. Os sindicalistas também pediram mudanças no fator previdenciário e isenção de Imposto de Renda sobre a Participação nos Lucros ou Resultados (PLR).

“Continuamos com uma pauta que já foi apresentada à presidenta e não temos nenhuma resposta, nenhum ponto concreto. Continuamos reivindicando e exigindo respostas que, até agora, não vieram: por exemplo, a isenção de imposto de renda na PLR”, resumiu o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique.

O deputado federal e presidente da Força Sindical, Paulinho da Força (PDT-SP), informou que a negociação para isentar os trabalhadores do desconto de Imposto de Renda sobre a PLR está avançada no Congresso, com duas propostas de emenda à Medida Provisória 556, mas depende de sinalização do Palácio do Planalto. “O ministro da Fazenda, Guido Mantega, diz que está estudando o assunto há um ano – parece aluno ruim”, brincou.

Segundo Paulinho, a presidenta reconheceu o risco de desindustrialização, “deu uma aula de economia” aos sindicalistas, mas não anunciou medidas imediatas para conter o enfraquecimento da indústria nacional diante do aumento das importações, impulsionado pela valorização do real.

“Eu fiquei satisfeito com o discurso dela, só que a prática do governo é outra. É um governo lento, demorado. Enquanto as empresas estão quebrando, e está começando a ter desemprego na área industrial, a avaliação da presidenta é altíssima. O problema é a indústria. A indústria brasileira está quebrando, e as medidas do governo são lentas”, disse ele.

De acordo com o presidente da Força, o único resultado concreto da reunião de hoje foi uma declaração da presidenta sobre a guerra cambial. “Ela disse: 'Quem apostar no câmbio, vai perder. Se for preciso, meu governo vai editar uma medida provisória toda semana para garantir que o câmbio não se valorize'”, relatou Paulinho.

As reivindicações dos sindicalistas e a desindustrialização voltarão a ser discutidas entre governo e centrais na próxima semana, em reuniões com os ministros da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, e da Fazenda, Guido Mantega.

Até chegar a um acordo, as centrais pretendem realizar mobilizações nacionais para cobrar avanços nas negociações. Entre elas, está prevista uma paralisação de metalúrgicos de São Paulo, na próxima semana.

Sem votos
3 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+3 comentários

A nossa presidenta Dilma tem que ter coragem de abaixar o juros selice em mais  0.75% na próxima reunião do Copom e tabelar logo esse dólar em algo em torno de 2,30 a 2,50, o resto, É ENXUGAR GÊLO !!!!!

 

Se baixar a Selic para perto de 8% vão ter de mexer no rendimento da poupança. O pessoal no planalto precisa começar a correr atras disso já! Quanto ao dolar acho que já virou consenço no governo esse patamar acima dos R$2,00, o duro é conseguir isso, parece que estão tentando e não estão conseguindo "malemá" manter a R$ 1,80.

 

Nem uma vírgula sobre 40 horas semanais?

Mas esse movimento ta muito manso, hehehe.

É mais fácil alterar pra 40 horas com salário mínimo baixo ou alto?

...