newsletter

Pular para o conteúdo principal

Falta planejamento urbano em Salvador

Por Assis Ribeiro

Nassif,

Uma boa matéria sobre o caos da falta de planejamento de Salvador e que se aplica a maioria das cidades brasileiras.

Salvemos Salvador, enquanto é tempo

Por Paulo Ormindo de Azevedo

Em 60 anos de “laissez-faire”, a cidade acumulou índices assustadores de compactação demográfica e veicular, concentração de pobreza, insegurança e destruição do meio ambiente, que apontam para seu colapso em curto prazo.

A cidade possui hoje 4.172 habitantes por km², densidade superior à de Bombaim, segunda colocada. Para piorar, a urbe se transformou, por falta de política metropolitana, em dormitório e provedor das necessidades de 3,76 milhões de moradores da Grande Salvador.

Camaçari, Lauro de Freitas, Simões Filho e Candeias juntas faturam receita igual à de Salvador, transferindo para esta o passivo de serviços e infraestrutura.

Seu déficit habitacional é de 100 mil habitações, das quais 80% são de famílias fora do mercado imobiliário. Para satisfazer aos 10% dos candidatos com renda superior a cinco salários mínimos, o novo PDDU consentiu que o setor imobiliário devorasse as entranhas verdes da cidade, a orla e os bairros consolidados.

Cerca de 35 mil novos automóveis e o dobro de motos são licenciados a cada ano. Ometrô de Salvador, cuja construção dura 10 anos, é dos mais caros do mundo. Terá 6 km , 6 trens e custará R$ 1,16 bilhão, se inaugurado em 2012.

No Recife, o metrô foi construído em dois anos, tem 34,7 km , 25 trens, transporta 180 mil por dia e custou R$ 750 milhões, segundo H. Carballal (A TARDE, 23/3/09). Isto para não falar no impacto ambiental e déficit operacional.

As duas saídas rodoviárias da cidade, a Paralela e a BR-324, estão no limite e ainda se fala em construir uma ponte para Itaparica para trazer os caminhões da BR-101 para o nó do Iguatemi, em vez de construir um arco rodoviário. Isto quando Manhattan e cidades europeias cobram pedágios e proíbem a construção de novas garagens para evitar a entrada de mais carros.

Em Salvador, alguns apartamentos centrais têm até seis vagas.. Não há planejamento nem qualificação dos projetos públicos, que são oferecidos pelas empreiteiras interessadas, vide a ponte de Itaparica e o parque da Vila Brandão.

A Sedham funciona como uma Defesa Civil, mais que um órgão de planejamento. As licitações são feitas em função do menor preço, ou seja, do pior projeto e menor tempo.

O desperdício é grande, viadutos são construídos e não servem para nada, as ruas são refeitas a cada inverno. O Pelourinho é recuperado todo ano. Os conjuntos habitacionais, sem serviços, são novas favelas, estão se desfazendo.

Implodiram o parque olímpico da Fonte Nova, cujo laudo da Politécnica dizia ser recuperável, para construir uma nova arena menor e um shopping, para dois dias de festa.

O que acontecerá com a Copa, se chover, com a cidade alagada e parada como se viu há pouco? As questões ambientais têm o mérito de nivelar todos. Os condomínios fechados da Paralela foram invadidos por barbeiros, dengue, sapos, lagartos e cobras.

O senhor prefeito teve de mudar de casa e gabinete, mas prefere trocar postes cinzas por azuis do que rever um PDDU aprovado com 180 emendas de última hora.

A classe média já não suporta os engarrafamentos e se tranca em torres e condomínios mistos de vida monástica, com celas, refeitório, oficinas, botica e orações televisivas no mesmo lugar.

Considerada patrimônio da humanidade, Salvador mergulha hoje na mediocridade imobiliária. Fernando Peixoto lamentou a “paulistização” da cidade. Arilda Cardoso denuncia a perda de patrimônio histórico e verde.

Neilton Dórea constata: “Hoje, há uma arquitetura dependente... A maioria (dos arquitetos) é desenhador de uma vontade empresarial” (Muito, de 29/3).

Mas não devemos ser pessimistas. A sociedade civil se organiza em movimentos como “A Cidade Também é Nossa”  e “Vozes da Cidade”, os ministérios públicos, federal e estadual, assumem o papel que lhes cabe.

Não é desmatando, segregando e verticalizando que se vai resolver os problemas de Salvador, senão pensando grande e democraticamente, compreendendo que Salvador só tem saída na região metropolitana.

São estas questões que cidadãos, ricos e pobres, de Salvador querem discutir, antes que a cidade entre em colapso completo.

(*) Paulo Ormindo de Azevedo - doutor pela Universidade de Roma, professor titular da Universidade Federal da Bahia e presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil - Deptº Bahia

Sem votos
11 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+11 comentários

SAlvador, tem certeza? Se houvesse um catálogo com a totalidade das cidades brasileiras eu recomendaria, mas na falta, eu afirmo: Falta planejamento em todas.

 

E eu que achava que Belo Horizonte é que sofria muito com a falta de honestidade dos que assumem os principais cargos políticos sempre têm com as questões urbanas.

Aqui em BH, nosso metrô não sai direito do papel, o que temos não nos oferece um serviço de qualidade e nem diminui o caos no transporte coletivo urbano -ônibus, cujos donos são 6 ou 7 famílias que não deixam o metrô aumentar de tamanho ou que outras soluções públicas possam ser encontradas.

A questão da construção civil virou uma epidemia, em alguns bairros o desmanche de casas para construção de prédios de apartamentos virou um prova de fogo para quem deveria administrar a cidade, algo que vai gerar mais e mais problemas para um futuro bem próximo. A quantidade de gente e carros, muitos, muitos carros, aumentou assustadoramente em bairros até há pouco residenciais. Pra todo lado se expande o comércio que, com ele, traz os problemas rotineiros de trânsito, violência, etc e tal.

Construções urbanísticas, ruas, avenidas, viadutos, túneis, tudo é planejado e construído, ao que parece, somente para que as construtoras tenham muito lucro e como se a BH de hoje, com seus 2,35 milhões de habitantes (5,4 milhões na nossa Região Metropolitana) fosse a cidade dos anos 1960.

Se em Salvador a coisa está pior do que aqui, e o texto demonstra isto, eu só tenho a dizer: coitados dos soteropolitanos.

 

" Ometrô de Salvador, cuja construção dura 10 anos, é dos mais caros do mundo. Terá 6 km , 6 trens e custará R$ 1,16 bilhão, se inaugurado em 2012.

No Recife, o metrô foi construído em dois anos, tem 34,7 km , 25 trens, transporta 180 mil por dia e custou R$ 750 milhões"

não dá para comparar, são praticamente 6 vezes em extensão com o custo de 65% do baiano!!

haja paciencia dos caras para esperar tanto tempo nessa obra, já alimentou diversas candidaturas certamente!!

 

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

 Frede69

Infelizmente o soteropolitano paga caro pela incompetencia do atual prefeito que foi re-eleito por obra do "acaso"... não fez NADA no primeiro mandato, mas mesmo assim a população resolveu elegê-lo. 

O baiano tem de aprender a votar...

 

O problema é que a esquerda de Salvador não se une. O  eterno prefeiturável, que nada faz pelo Estado, Deputado Pelegrino  vem sempre dividindo e nós ficamos sem opção. Votar em viúva de ACM  nem morta!

A Bahia precisa de  novos políticos. Estamos convivendo com os  de sempre há muito tempo.  Precisamos de renovação.

 

Tenho um nome, o Gabrielli, mas será que  ele quer ser Prefeito de Salvador?

 

Mas só em Salvador? Aqui em Cu_ritiba, os alvaras para se construirem predios, uns colado com os outros esta causando um caos, de transito e na qualidade de vida, e ainda na tal propalada capital-ecologica.... capital-ecologica? my ass.....

 

Um prefeito tabareu deslumbrado.um cabeça branca bem coerente

acm reecarnou minha gente para alegria das viuvas desconsoladas.

morreu o velho portugues, reecarnou jovem e polaco

morreu diretista conservador, voltou vestido de esquerdista

morreu sonhando com presidencia, reersurgiu apostando as fichas

e pobre do balneario soteropolis, vendida aos cofres dos empreiteiros

o governador politiqueiro, faz que não não enxerga a cidade ser destruida.

com o genro o velho fez as pazes, com o socio alemão mata saudade

morreu catolico sincretista, voltou judeu ateu tolerante

morreu dono da banca e do laranjal, e voltou cordato negociante.

enquanto isso o tabareu vende soteropolis a grana alta

alta da verticalização inescrupulosa,as construtoras ganhando a rodo

e a cidade abandonada ,as vias e ruas esburacadas.

as praças mal cuidadas, o centro da cidade entregue ao lixo

parecendo cenário de guerra,  terra arrasada.

um prefeito tabareu deslumbrado, que ate os aliados picham de doido

um governador carioca,politiqueiro governa numa cidade chiqueiro

os os porcos cafungam lama, mar de lama de dinheiro.

entre dose da alma de vinho estrangeiro, é brasilia meu amor ,o tempo inteiro

o trono do cerrado é meu lugar, sonha assim o reencarnado

e soteropolis que se exploda por inteiro .

 

O maior problema do assim-chamado "planejamento urbano" brasileiro eh esse:  nao ha pontes e nao ha elevados.  Por nao ter tecnologia e por nao ter acesso ao aco de construcao, voce senta e espera 50 anos por uma ponte que seja.  Em qualquer lugar do mundo voce visita e ve aquele monte de elevados pra todo lado.  No Brasil?  Nada.

Nao se constroi nada la.  As cidades vao sempre desabar no sentido logistico --e ja estao desabando.  Eh o "ciclo das cidades" se acabando.

Tudo por ma vontade.

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Essa matéria de Assis Ribeiro retrata  a  triste realidade do soteropolitano.

Sair de casa de carro significa  encarar enormes  engarrafamentos e ficarmos a mercê dos marginais. Até  supermercados já não podemos mais ir com tranquilidade pois  é onde está ocorrendo mais  sequestros relampagos.

A cidade está entregue.

Acredito que temos o pior prefeito do Brasol ( e eu votei no cidadão). Além de pusilãmine não suporta nenhuma pressão. Se cobrado se enconde ou se interna em hospitais. Todo mundo sabe que  nosso Prefeito é um homem doente, sem condições de administrar a cidade.

Temos um projeto de metrô ( só no papel) que a cada dia diminui de tamanho, isso  a   12 (doze anos).

 

Enfim, são tantos problemas que  afetam Salvador que se torna  exaustivo.

É o fim!!!!!

 

 

Pra mim isso ainda é pouco para um cidade e estado dominado por ACM e corja durante tantos anos. 

 

 

ACM já morreu, pior é o  PSDB  em  São Paulo por mais de  quinze  anos, é o  roto  falando  do esfarrapado.