Revista GGN

Assine

Faltam sete edições do Jornal Nacional


Estratégia errada


Tudo que não poderia acontecer para Serra está acontecendo na sua mídia aliada neste final de semana.

Dispersão total. Escandalização só dá certo quando tem ênfase. Agendamento não combina com pulverização de temas. Isso confunde o espectador, o leitor, o usuário, o ouvinte. E ele tende a ignorar.

A menos que depois, se tente escolher uma - a de mais repercussão - para se trabalhar durante a semana.

Mas isso só se faria a partir de segunda, depois da edição do JN hoje.

Mesmo assim, muito pouco tempo para emplacar. Estas coisas devem ser marteladas durante dias e dias para dar algum resultado. Geralmente, só os já convencidos se convencem.

Também não foi boa a escolha dos temas: alguém mudaria o voto em DIlma porque o assessor do presidente está sendo processado? Alguém mudaria o voto porque alguém disse que Dilma pediu dossiê?

Pessoas mudam voto porque sentem insegurança, medo, etc.

Isso mostra já um certo grau de desespero. Parece com aquele time que leva um gol (a subida de DIlma nas pesquisas) aos 40, e parte para cima sem tática, sem estratégia. Cada um por si, chutando a gol de qualquer jeito.

Arrisca levar outro.

_______

Faltam 7 edições do Jornal Nacional.

Vejamos: perderam uma semana para falar de sigilo e bolinha. Tempo precioso demais para jogar fora com besteiras.

Vamos acompanhar.

Média: 4.8 (22 votos)
84 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+84 comentários

http://www.youtube.com/watch?v=moBC117cjBE

 

E VIVA o segundo turno.......

ter que votar novamente na DILMA é um pouco temerário.....tenho medo do serra....ele não é um candidato....é uma ameaça........

mas jogar a credibilidade de globo, da folha et caterva no lixo......não tem preço.......

chamar os eleitores do serra de otários....também não tem preço.......

 

 

 

 

 

Um exemplo didático das ideologias partidárias:

http://www.facebook.com/photo.php?fbid=163141093711022&set=a.103215726370226.7169.100000453983029

 

 

Globo é uma mentira. Jornalismo de verdade encontramos na Record com Ana Paula Padrão, Sérgio de Freitas, Rodrigo Vianna e Paulo Henrique Amorim, entre outras feras. Globo é contra o povo Brasileiro, por isso vive atacando o Lula. A Globo é lixo ruim, não reciclável. O povo não acredita mais. Hoje encontrei três amigos, analfabetos, que me fizeram ver que a Globo vem atacando demais a candidata Dilma. Imaginam? Pois foi. O povo é Lula. O Pig vai para o lixo.

 

 

 

 

Senhoras e senhores, com vocês Ali Kamel:

O que a BBC poderia ensinar para o telejornalismo brasileiro [mas ele não quer aprender]
23rd outubro 2010 written by Paulo Nogueira

Os jornais são comentados no programa dominical de Andrew Marr, à esquerda, editor de Política da BBC

Um novo trecho de Minha Tribo: O Jornalismo e os Jornalistas

TINHA OUVIDO FALAR POUCO DE ALI KAMEL, CHEFE DE TELEJORNALISMO DA GLOBO, ATÉ CONHECÊ-LO NO CONEDIT. É o conselho editorial das Organizações Globo. Sob o comando de João Roberto Marinho, o Conedit reúne os editores das diversas mídias da Globo para alinhar ações e debater assuntos. As reuniões são realizadas às terças, por volta das 11 horas. Frequentei-as ao longo dos dois anos e meio em que fui diretor editorial das revistas da Globo. Quando cheguei, Kamel já estava lá, e ali permaneceu depois que saí.

A referência mais longa que eu tivera dele veio de um jornalista da Abril que o procurara em busca de emprego. A operação deu certo. O jornalista me contou que lera que Kamel valorizava gente que tivesse passado por revistas, por ser mais apta a mexer com palavras. O próprio Kamel, segundo me informou meu interlocutor, passara pela Veja no Rio antes de se fixar nas Organizações Globo.

Kamel, mesmo sendo carioca, não é exatamente o senhor simpatia, ao contrário de outros editores com quem convivi naquelas manhãs de terça. Seu chefe, Carlos Schroder, aliás gaúcho, por exemplo, é afável e está sempre com um sorriso no rosto. De um modo geral, o ambiente no Conedit reflete o humor, a alegria, a capacidade de rir dos cariocas. (E também a falta de pontualidade.) Mesmo Merval Pereira, colunista de várias mídias da Globo e ex-diretor do jornal, ri com frequência – uma surpresa para quem lê seus textos em geral num tom de elevada preocupação, quase sempre ligada a um pseudopecado mortal de Lula.

Ali Kamel, pela importância da TV, é uma presença destacada no Conedit. Sua expressão de conteúdo, solene, sublinha esse papel. Não sei se Kamel costuma beber no bar com os amigos para falar bobagens como futebol, mas não me pareceu.

O que inicialmente mais me chamou a atenção em Kamel, e em muitos outros ali, foi a obsessão com São Paulo. “Os jornais de São Paulo” são constantemente citados, como se representassem o mal. Não sou exatamente um admirador nem do Estadão e muito menos da Folha, mas achava engraçada a presença dos  “jornais de São Paulo” nos debates. Nós, jornalistas de São Paulo, jamais nos referimos aos “jornais do Rio”.

Não é exatamente confortável ser um paulista naquele plenário, logo entendi. Eu me sentava num canto próximo da porta, por razões de conforto. “Este é o canto dos paulistas”, ouvi, em tom de brincadeira, uma vez, de Luiz Erlanger, uma espécie de RP do alto escalão das Organizações. Havia uma alta rotatividade naquele canto. O ambiente é carioca, para o bem e para o mal. E o ressentimento pelo tamanho que São Paulo tomou no Brasil acaba repercutindo, de uma forma ou de outra, em paulistas que participem do Conedit. Acresce que a sede da Editora Globo é em São Paulo, e não no Rio.

Ali Kamel não facilita a vida de ninguém, logo vi. Não é hospitaleiro.

João Roberto se senta no centro, na reunião. À sua esquerda, fica Merval. Na esquerda, Kamel. Há uma tensão muda entre os dois. São os que mais falam lá.

Não daria o prêmio de simpatia a Kamel. E nem o de originalidade. Logo percebi que ele expressava com ênfase, com a fé cega de um jihadista, amplificando-as, as conhecidas idéias das Organizações Globo, inspiradas no passado recente em Margaret Thatcher e Ronald Reagan. Numa metáfora religiosa, é como se o paraíso fosse o livre mercado e o inferno fosse o Estado.

Não havia desafio a essas idéias, não havia uma tentativa de reolhá-las e reavaliá-las, como aliás fizeram no Reino Unido os discípulos de Thatcher.  Bolsa Família? Assistencialismo. Ponto. Cotas em universidades? Absurdo, Ponto. Um dia comentei isso com Luiz Eduardo Vasconcellos, sobrinho de Roberto Marinho e acionista das Organizações. Luiz teve cargos executivos durante muitos anos, mas agora se recolheu às funções de acionista minoritário. É simpático, interessado nas coisas do mundo – e tem a admirável marca da simplicidade no traje e no trato que é comum a ele e aos primos. Você não diz que ele é um dos donos da Globo se se sentar numa reunião do Conedit sem conhecê-lo.

“Sinto falta de pensamentos alternativos na reunião”, comentei com ele. “A sensação que tenho é que as pessoas, principalmente o Kamel e o Merval, falam apenas as coisas que imaginam que o João vai gostar de ouvir.”

Essa clima de pensamento único se abrandava apenas nas ocasiões em que visitas de fora iam ao Conedit falar de algum assunto específico.

Não havia ventilação nas idéias. O quanto isso devia estar me incomodando estava claro em meu ataque de sinceridade no almoço. Era evidente o risco de que meu comentário fosse espalhado, ainda que Luiz Eduardo sempre tenha me parecido discreto e reservado.

Nas eleições de 2006,  meu diagnóstico do Conedit pareceu se confirmar para mim. João Roberto tinha um tom sereno ao debater a campanha. As posições das Organizações não eram as do governo de Lula, mas democracia é isso mesmo. Vi João criticar várias vezes ações de militantes petistas, mas jamais o vi sair do tom. Não sei se, privadamente, ele tinha outra conduta. Publicamente, no Conedit, era lhano no trato das questóes políticas.

Curiosamente, dada sua posição de dono, o ambiente muitas vezes não refletia a serenidade de João Roberto. Kamel e Merval davam um tom épico, em branco e preto, a muitas discussões políticas. Pareciam odiar Lula e qualquer coisa que partisse do governo petista.

Se o julgamento deles fosse acertado, Lula teria errado em todas as decisões que tomou em seus oito anos de administração.

O quanto essa inflamação toda era genuína ou não, é uma dúvida que carrego até hoje. Será que esses caras pensam mesmo isso, ou no bar, com os amigos, dão uma relaxada? Não sei. Minha intuição é que, como o poeta segundo Fernando Pessoa, o fingimento é tanto que uma hora você acredita no que fingia antes acreditar. A alternativa é um sentimento cruel de que você é uma pena de aluguel.

Há uma lenda urbana segundo a qual Kamel seria o guardião da ideologia das Organizações Globo. É exatamente isso, uma lenda. Kamel não é nenhum Hayek, ou Friedman. Não é formulador de pensamentos, não é um filósofo, não é nada daquilo que confere a alguém o poder de persuadir outras pessoas pelo vigor não dos gritos mas das idéias.

Num determinado momento da campanha de 2006, veio à cena a expressão “aloprados”, para designar os petistas fanatizados que pareciam dispostos a tudo para permanecer no poder.  Nos bastidores, Lula disse que seguraria os “seus aloprados”, tais e tantos que eu só voltaria a pensar no PT como um partido para mim numa próxima encarnação, mas que queria que os “aloprados do outro lado” também fossem segurados.

Passados quatro anos,  nas eleições de 2010,  fui tomado de dúvidas sobre se os aloprados petistas tinham sido segurados. Me pareceu que houve pelo menos um esforço para isso. Mas a cobertura da TV Globo me provaria – ainda que eu tivesse visto apenas fragmentos dela, em geral no YouTube —  que os aloprados do lado de lá estavam com as mãos inteiramente livres. A pergunta clássica em relação a Lula é: “Ele sabia disso?” A que me faço em relação a João Roberto é: “Ele aprova isso?”

O que o telespectador vê no Jornal Nacional parece – por tudo que eu vi nos tempos de Conedit – refletir muito mais o jihadismo de Kamel do que a serenidade de João Roberto. Raras vezes vi um caso que confirmasse a tese de que, entre os fâmulos, o realismo é maior que no rei. Caso João efetivamente ache boa a cobertura política do telejornalismo da Globo, o problema de perenidade das Organizações provavelmente é maior do que parece agora.  Caso tenha dúvidas, elas não transparecem, não, pelo menos, em períodos agudos como os de eleições presidenciais.

Uma vez, a BBC foi debatida numa reunião na Globo à qual estava presente até Roberto Irineu Marinho, o RIM, primogênito de Roberto Marinho e presidente do grupo. Eu estava presente. Lembro particularmente de uma cena: Roberto Irineu num determinado momento cochilava (cansei de fazer o mesmo em minha carreira em reuniões que julgava maçantes, confesso) sem que seu principal assessor, Jorge Nóbrega, soubesse o que fazer. Acordar o chefe ou deixá-lo repousar? Acho que eu próprio cochilei (era bem cedo, e eu viera de São Paulo) antes de ver a decisão. Bem, é tal o vigor da BBC que os britânicos pagam sem se queixar a license fee, uma taxa anual de cerca de 500 reais, para poder ligar um aparelho de televisão. É um dinheiro que financia a BBC. Toda emissora do mundo sonha com uma license fee.

Para aspirar aos benefícios de uma license fee no Brasil que não gerasse revolta na sociedade, qualquer emissora brasileira teria que ser vista não apenas como produtora de conteúdo de alto nível mas também como senhora de isenção jornalística. Se você pega trechos da cobertura da campanha eleitoral britânica da BBC de 2010 e os compara com trechos da cobertura da campanha presidencial brasileira de 2010 da Globo, notará uma diferença extraordinária. Não basta uma emissora ser isenta. Ela tem que parecer isenta para ser acreditada. A BBC parece. Por isso, os britânicos são tão orgulhosos dela a ponto de pagar por ela. Vi em vários debates de leitores na internet que os britânicos enxergam na BBC uma resistência inexpugável ao conteúdo viciado de barões como Rupert Murdoch.

Imagino como a BBC cobriria o já histórico episódio do atentado com bolinha de papel e quem sabe um rolo de durex ao candidato José Serra. Nem uma mísera gota de sangue, nem um mísero aranhão, nem um mísero golpe, nem um mísero sinal numa absurda tomografia.

Ignoraria o falso atentado? Presumo que nem tanto. Haveria, pelo que conheço da BBC, um esforço intenso para avaliar o real tamanho do fato e assim ajudar seu espectador. Só não consigo ver a BBC, como aconteceu com a Globo, gastar tanto tempo para tentar convencer o público de que Serra foi vítima de uma agressão e não autor de uma simulação que recebeu prontamente do público uma resposta divertida: um jogo na internet em que você tenta acertar um papel na cara de Serra.

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/?p=2774#idc-container

 

Roriz é garantia de baixaria. Principalmente, quando perde feio.

 

Tem várias perguntas relevantes a serem feitas:

1º Por que Rede Globo e revista Veja não fizeram nenhuma reportagem investigativa sobe o bendito do Paulo Preto até agora?

2º  Por que a imprensa (PIG) simplesmente ignorou a conclusão da investigação da Polícia Federal sobre a quebra do sígilo fiscal de pessoas ligadas ao Serra? 

3º Por que o candidato José Serra consegue o "direto de respostas" todas as vezes que solicita ao STJ? Enquanto a candidata Dilma teve pouquíssimas vezes deferido os seus pedidos, apesar de ter sido acusada e caluniada por Serra, PSDB e Mônica Serra diversas vezes. Qual é a relação de José Serra e do PSDB com STJ?

 

 

 

Esgarçou o comando.

A partir da implosão da manchete da Folha sobre o dossiê, pela PF, deixando a revista semanal  pendurada na brocha, ao não conseguir o planejado intento de ligar o ping da Folha ao pong da revista, somado a exploração hilária do novo personagem, SerraRojas, no atentado da bolinha, seguido de canhestra montagem Global no JN, prontamente demolida pela blogosfera, o que era estratégicamente concatenado, transformou-se derrepente em um "pout-pourri" de escândalos, que sucedem-se, sem pé nem cabeça.

Saem de cartaz, o Abôrto, a Erenice, o Bancoop e o Cardeal, o dois últimos sem tempo sequer de serem  apreciados, e já chegam com a enésima exumação de Celso Daniel, agora renovado com indiciamento de Gilberto Carvalho, e a parte II do dossiê da Veja, orfã da parte I, confiscada pela PF no lançamento.

E assim, de escândalo em escândalo, nossa escandalosa mídia das cinco famíglias, vai desfazendo-se da credibilidde que resta e vivendo os últimos suspiros do seu esplendor, de olho na última esperança que morre, "Dilma a Terrorista" by Folha. 

Aguardemos. 

E o candidato Serra, nessa estória?

Virou adereço de mão. 

 

 

 

 

 

Durma-se com um escândalo midiático desses.   

 

"Se essa pessoa levar em consideração o caráter de um governanante muito acima de seus interesses pessoais ou assistencialistas, deveria mudar sim."

Isso faria algum sentido se houvesse uma boa alternativa. Muita gente até mudou o voto para Marina, não foi?

Mas não há indícios de que Serra seja melhor oponente no campo ético (pelo contrário)

Também não há indícios de que tenha um programa econômico-administrativo-político-jurídico melhor. Até agora não conseguiu demonstrar isso.

Por conseguinte, se ele perder na comparação ética e programática, perderá também nas urnas.

E a eleição não é só para escolher uma dentre duas pessoas. Isso das biografias não dá sempre certo, tanto que Churchill não se reelegeu (sem contar o quanto Serra anda depreciando a própria biografia nos últimos meses.) Presidentes no Brasil não têm poderes imperiais. Então parte crescente da população escolhe com base em grupos de apoio, partidos ou o que mais estiver em torno.

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

Além disso, está se subestimando a força do manifesto do PV francês, porque ele se dirige, da forma correta, a um contingente de quase 6 milhões de votos que formam o núcleo duro do ambientalismo que estava com Marina desde o início do início.

Essa subestimação, claro, é necessária e conveniente a Serra (e eu creio que uma indicação disso é a Folha dar a manchete para um analista de ocasião dizer que o PV é adesista,  e a notícia do manifesto ficou perdida na página principal, como se subestimando o eleitorado, para não aumentar a fervura). O melhor pra campanha de Serra é, claro, que o impacto disso seja diluído.

Mas até aí o equívoco dessa campanha é trágico. Esse é um contingente do eleitorado que há muito se move por redes de informação completamente alternativas, muito antes que os blogs virassem sucesso. Todos estão informados do Manifesto, e pensando... provavelmente um contingente substancial sai do nulo para Dilma.  Pois o Manifesto é uma pancada. Não imaginaria uma forma mais adequada de falar, com argumentos ressonantes a esse eleitorado, um contingente de socioambientalistas radicais, cravados no nulo, que conceder a Dilma o benefício da dúvida é taticamente melhor do que se arriscar nas verdades consabidas de Serra.

 

Essa nossa conversa  de PIG e Casal 45 vai para o brejo quando a Dilma ganhar e fizer igual o Lulinha Paz e amor e der uma entrevista exclusiva à Rede BOBO. Só acredito na coerência desse duscurso se acabarem as exclusivas para a Globo, como bem fez o Dunga.

 

Acho que acima de qualquer coisa o episódio da "Bolinha de papel assassina" marcou um divisor na grande mídia, meios como Record e SBT resolveram que a canoa esta afundando de vez e ficar embarcado é fria e passaram a fazer uma cobertura mais critica principalmente o SBT, já a Globo creio que esta ligada demais ao esquema para mudar subitamente nessa altura do campeonato e resolveu radicalizar ainda mais o discurso para o lado do Serra, ainda é cedo para se avaliar o impacto do Bolinhagate na campanha do Serra e na reputação (ou o que sobrou dela) da Rede Globo mas ao que tudo indica ao tentar salvar o afogado a globo foi arrastada com ele para o abismo.

 

Srªs Senadoras e Srs. Senadores, a Transparência Internacional divulgou, nesta terça-feira, a classificação anual dos países mais corruptos do mundo, e a situação do Brasil, sob o império do “lulismo”, só piorou. Demóstenes Torres 08/10/2003

Sim Luiz, vamos acompanhar!

Olhe, eu fico triste pela quantidade de profissionais do jornalismo que vi jogarem fora suas carreiras. Inclusive gente nova com talento. Desse periodo, eu espero:

1. que Dilma vença afinal;

2. que a imprensa repense seu papel no Estado de Direito.

E como ponto positivo, apenas o fato que "reencontrei" gente como você e o Mino Carta. Que Deus os conservem bem!

 

Com o novo logotipo da Globo circulando pela internet, provavelmente qualquer coisa que eles inventem terá efeito contrário.

Novo logotipo da Globo
 

Prezado Nassif, veja se V. entende a manchete de hoje (sábado) na Folha de São Paulo:

  Assesor da campanha de Dilma hospedou repórter

Só isso. 

Pergunto-me, o que um leitor comum pode ententer dessa manchete? Ela deve ser incompreensível até para leitores mais ligados, que passam o dia lendo blogs da eleição.

Talvez ela signifique que o Onipotente Diretor de Manchetes da Folha  já perdeu completamente de vista os leitores e a mundo real, e hoje vive completamente e irremediavelmente imerso em uma bizarra realidade virtual --- onde hospedar repórteres é um crime hediondo, cuja simples menção vai convencer todos os eleitores da Dilma a trocar o voto pelo Alvo da Bolinha.

Ou talvez signifique que a redação da Folha passou a madrugada em claro tentando encontrar um ângulo editorial que não fizesse o leitor pensar imediatamente  em aborto, em líderes feridos, em dossiês  e anti-dossiês, ou em bolinha de papel.  E quando  finalmente escreveram essa manchete foi em desespero, no último minuto, já bêbados de sono...

Só assim consigo compreender a incompreensibilidade dessa manchete...

 

                           A VEJA SÓ É LIDA E LEVADA À SÉRIO PELOS TUCANOS

Para tranquilizar a todos, hoje só lê a Veja eleitor tucano com o voto consolidado no Serra. Não serve para sensibilizar ninguém porque é apenas mais uma arma usada na guerra suja que o PSDB transformou essa campanha, claro que como beneplácito da cúpula de campanha do PT liderada pelo autista Eduardo Dutra e o deslumbrado Palocci, além da artilharia pesada do PIG. Ocorre que quando o PT ( leia-se militância e simpatizantes) partiu para o denuncismo e o desmascaramento dos tucanos a Dilma voltou a crescer, A veja, a fsp, o estadão e a globo não tiveram  a importância que acham que tiveram  na não vitória da Dilma no primeiro turno, foi um trabalho subterrâneo, sujo e ligado aos temores que assolavam os brasileiros nas suas crenças e convicções de ordem moral que driblou até os institutos de pesquisa, mas o asunto têm uma meia vida muito curta e tal e qual os vampiros não resistem a um pouco de luz.

 Já no segundo turno a contra ofensiva da Dilma com os escândalos do Paulo Preto, a aluna indignada com a bailarina chilena que só achava crime matar criancinhas dos outros, o estouro da gráfica com o panfleto apócrifo, o Crivella atuando firmemente no mundo evangélico e o bravo e humilde padre franciscano que enfrentou o Serra e o Jereissati foram movimentos isolados. Nada foi coordenado pela inteligência(?) da campanha petista.

Também temos o trabalho dos blogs "sujos" entre os quais este do Nassif está incluído com destaque
e milhares de blogueiros, twiteiros e pitaqueiros como eu  todos vocês fizeram a diferença e devolveram para a Dilma uma derota que já se anunciava como certa, há dez dias atrás os tucanos já escolhiam ministérios e já faziam prépregões parsa doar o que deixaram pra trás no primeiro assalto a o estado brasileiro, hoje perderam o rumo e atiram para todos os lados.

Foram movimentos isolados e sem coordenação alguma movidos apenas pelo sentimento de melhora das condições de vida do nosso povo e unidos apenas na figura emblemática do LULA que viramos essa eleição, nada a ver com os emplumados e quase tucanos que de coordenadores quase viraram condenadores da campanha da Dilma. Arrogantes, prepotentes, altivos, inacessíveis e preocupados apenas com o PIG. Esse é o retrato acabado dos yuppies petistas liderados por quatro bestas quadradas, vão embolsar milhões e se vangloriar de uma vitória em que eles não tiveram participação alguma.

Me lembram a frase final do classico a revolução dos bichos DE George Orwell que de libelo anti comunista transformou-se em alerta para governos socialistas que chegam ao poder e se encaixa como uma luva para esses parasitas petistas, devem ser execrados tais e quais os seus amiguinhos do PIG:

“As criaturas olhavam de um porco para um homem, de um homem para um porco e de um porco para um homem outra vez; mas já era impossível distinguir quem era homem, quem era porco.”

É isso que sinto ao ver o Dutra, o M.branco. o Pimentel o Palocci e outras cabeças coroadas que hão de posar como pais da vitória petista, UMA OVA!!!! A VITÓRIA É NOSSA!!!!!!!!!!!!!

 

VIVA CADA DIA COMO SE FOSSE O ÚLTIMO, UM DIA VOCÊ ACERTA.......

Nassif, estou muito confiante na vitória. Mas ainda acho que a Dilma deveria fazer umas propostas para a classe média tradicional, como por exemplo aquela que eu postei aqui sobre um alívio no imposto de renda, com a ampliação da gama de deduções. Acho que a classe média tá chateada com Lula, por causa do aumento dos salários de prestadores de serviços, como domésticas, caseiros, pedreiros e outros, e devido à ascenção da nova classe média, que na visão deles pode representar perda de exclusividade e de status social, além de uma concorrência a mais para os seus filhos por empregos qualificados. A campanha deveria ter feito um afago nessa galera, pois teríamos que tê-los como aliados na luta pela melhora do nosso País. Ademais, precisamos do voto da classe média tradicional hoje. E eles estão, em sua maioria, como o nosso opositor. Ainda há tempo de trazer uma parte deles para nós.

 

Nassif, sou católico e não concordo com a posição da CNBB em apoiar a Regional Sul 1. Portanto, sugiro que escreva sobre o machismo que a Igreja tenta esconder quando acusa a Dilma de aborto. É fato que a Igreja é machista e que, por isso, a mulher nunca pode ocupar os cargos de hirarquia mais alta dentro da sua estrutura.

A Igreja não aceita que uma mulher esteja na presidência, pois dar poder às mulheres pode ser o fim da manipulação pela fé.

Pela Igreja sem a manipulação e sem o machismo, voto Dilma13 para presidente.

 

O laudo emitido pelo 'especialista' MOlina vem em papel timbrado de empresa dele, o IPESIT, nao da Unicamp (como ele costuma ser apresntado pelos jornais). Por que?
Talvez dê para entender se voce visitar este endereço e ler esta noticia:

http://www.parana-online.com.br/editoria/politica/news/25659/?noticia=UNICAMP+DESAUTORIZA+PERITO+A+FALAR+EM+NOME+DA+INSTITUICAO

26/09/2002 às 01:00:00 - Atualizado em 19/07/2008 às 15:17:55

Unicamp desautoriza perito a falar em nome da instituição

Redação O Estado do Paraná

A Unicamp (Universidade de Campinas) emitiu nota oficial, ontem, desautorizando qualquer professor ou pesquisador a falar em nome da instituição. O comunicado foi assinado pelo procurador geral da Instituição, Eustáquio Gomes, afirmando que a Unicamp não recebeu nenhuma solicitação para realização de perícia sobre identificação de voz procedente de qualquer partido ou agremiação política do Paraná.

O laudo fornecido ao PPB, pelo professor exonerado por justa causa Ricardo Molina, não tem o aval da Unicamp e é totalmente ilegal. De acordo com o laudo, porque ele não pode emitir laudo pois não é perito criminal, informou a procuradora a Unicamp, Tereza Dóro. O Departamento de Medicina Legal da Universidade Estadual de Campinas foi desativado, informa ainda a procuradora da Instituição e o circo montado pelo presidente do PPB, não tem valor nenhum perante a justiça, já que Molina não fala pela instituição.

A advogada da Unicamp, Tereza Dóro, declarou que Ricardo Molina foi demitido da instituição por apropriação indébita de bens pertencentes à Unicamp e que foram apreendidos em sua casa. A advogada informou ainda que o ex-professor responde a sete processos e já foi condenado na Comarca de Piracicaba por calúnia e fraude em laudos.

Certidões

Tereza Dóro afirma que o ex-professor utiliza indevidamente o nome da Universidade e trabalha na garagem de sua casa. A procuradora apresentou ainda certidões onde o foneticista Ricardo Molina foi condenado a um ano de prisão por falência fraudulenta, através da 10.º Vara Civil de São Paulo.

 

 Nassif. A mídia tá jogando todas as fichas nos escandalos, só que eles ainda não perceberam que  a população tá inoculada, ou seja tá vacinada, contra essa campanha difamatória encampada  pela grande mídia. Abaixo posto matéria publicada no excelente site do Eduardo Guimarães.Oito dias de fúria midiática – bombardeio de saturação

Em matéria veiculada na sexta-feira 22 de outubro em seu site, a Agência de Notícias Reuters afirmou, em manchete, que a revista Veja “pode ser o último obstáculo para a vitória de Dilma”. O trecho inicial da reportagem assinada pelo repórter Stuart Grudgings se constitui na melhor crônica sobre o que caracteriza a reta final da disputa pela Presidência da República.

Revista pode ser o último obstáculo para a vitória de Dilma

Sexta-feira, 22 de outubro de 2010 21:05 BRST

Por Stuart Grudgings

Agência Reuters

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Já se tornou um ritual nas manhãs de sábado durante a atual corrida presidencial –funcionários dos partidos e jornalistas correm às bancas para verem se, desta vez, a edição da revista Veja derruba a candidata Dilma Rousseff (PT).

Com sua capacidade para fazer ataques, a revista mais lida do Brasil –que já divulgou dois escândalos de corrupção que afetaram Dilma– parece ser o último grande trunfo da oposição, numa disputa em que a candidata governista chega à penúltima semana ampliando sua vantagem na dianteira das pesquisas.

Alguns analistas políticos descrevem a corrida em termos de quantas capas da Veja faltam para a eleição: duas.

A incansável campanha da publicação contra Dilma é um sinal daquilo que alguns dizem ser uma profunda tendência da mídia brasileira contra o PT e o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, primeiro presidente brasileiro egresso da classe operária.

Para ler a matéria completa, clique aqui

O que torna extremamente grave a matéria da agência de notícias Reuters não é nem o seu conteúdo, que se vê reproduzido em centenas de páginas na internet, em revistas, jornais, tevês e rádios, todos de menor porte, a dita “mídia alternativa” à mídia tradicional, encabeçada pelos grupos Folha e Estado, pela Editora Abril e pelas Organizações Globo. A força da matéria está no perfil da Reuters que figura em seu site, reproduzido abaixo:

A Thomson Reuters é a maior agência internacional de notícias e multimídia do mundo, fornecendo notícias do mundo, investimentos, negócios, tecnologia, manchetes, pequenos negócios, alertas, finanças pessoais, mercados acionários e informações de fundos mútuos disponíveis através do Reuters.com, pelo celular, de vídeos e de plataformas interativas de televisão. Os jornalistas da Thomson Reuters estão sujeitos ao Editorial Handbook, que exige apresentação justa e divulgação de interesses relevantes.

Fica difícil, diante de um perfil como esse, qualificar a agência de notícias de “petista” ou “comunista” ou “petralha” ou seja lá que epíteto pejorativo se queira usar para acusar o veículo de parcial em favor do PT.

A matéria, aliás, foi feliz porque previu o que se viu neste sábado nessa imprensa que a Reuters considera partidarizada e que trabalha para eleger o adversário de Dilma fornecendo supostos escândalos para a campanha dele usar, como demonstra a imagem em epígrafe neste post, reproduzindo as capas de Veja e Folha de São Paulo de 23 de outubro de 2010.

Mais revelador ainda do que acontece no Brasil às vésperas da eleição que talvez seja a mais importante de sua história – pois escolherá quem administrará a rota de sucesso, de enriquecimento e de ascensão social da sociedade brasileira ao longo de quase oito anos do governo de Luiz Inácio Lula da Silva – é a opinião do jornalista das Organizações Globo Ricardo Noblat, gravada em vídeocast, reproduzida em seu blog na sexta-feira.

 

Vale transcrever parte do que foi dito em vídeo:

– Os estudiosos de eleições, os marqueteiros responsáveis pela comunicação dos candidatos, os analistas de pesquisas, todos eles coincidem numa coisa: é nessa penúltima semana de campanha – não na última – onde (sic) o eleitor indeciso define seu voto.

– Ele ta confuso, ele ta (sic) em… Ele não sabe bem em quem ele vai votar, mas quando vai chegando o final desta semana, que antecede a última semana, ele se reúne com os seus parentes, com os seus familiares, ele ouve seus amigos e ele, na maioria das vezes, na esmagadora maioria das vezes, chega na próxima segunda-feira, a poucos dias da eleição, com seu voto definido.

– É por isso que todas as campanhas jogam todos os seus principais trunfos nesta semana, não na última. É agora que se dá o debate mais importante entre os candidatos, é agora que as revelações eventualmente guardadas, as denúncias acumuladas, costumam virar à luz.

(…)

Está, assim, largamente explicada e comprovada a visão da agência Reuters, da dita mídia “alternativa”, enfim, da maioria da sociedade brasileira, que confere ao governo Lula uma aprovação sem precedentes na história republicana deste país, por mais que a aprovação do conjunto da sociedade difira da do conjunto do eleitorado, que, por sua vez, aprova em maioria relativa a candidata desse governo à própria sucessão.

Restará aos historiadores do futuro decidirem até que ponto foi democrático, justo, honesto e até mesmo legal o que está acontecendo na política brasileira e que se reproduz por toda a América Latina, esse fenômeno de os setores mais abastados das sociedades da região usarem os meios de comunicação que controlam para tentarem eleger candidatos sabidamente identificados consigo.

Contudo, no presente, ao menos um fato pode ser considerado inegável por qualquer analista isento. Esses meios de comunicação que se transformaram em braços de campanha de um dos lados esgrimindo com o que chamam de “liberdade de imprensa” tentam enganar a população brasileira, pois em ampla maioria teimam em dizer que são “isentos”.

Entre si, os soldados (colunistas, repórteres, editorialistas, enfim, os funcionários desses conglomerados de mídia) da ala midiática do grupo político de oposição a Lula, à sua candidata e ao seu partido admitem abertamente o que fazem e que os seus patrões determinam que façam, mas argumentam que o fim nobre (em suas retóricas) justificaria os meios.

No momento em que termina este texto, ainda faltam nove dias, três horas e 19 minutos para terminar o processo eleitoral e as oportunidades para a fúria midiática ter sucesso em eleger José Serra presidente da República pelos próximos quatro anos

 

Après moi le déluge. Não vai parar em 9 dias, essa imprensa patrimonialista não vai deixar barato a derrota de seus interesses, e vai chutar o pau da barraca. Só os vermes não se defendem, e é bom nem pensar que a imprensa agirá como um verme indefeso depois da eleição, nem tampouco que o eleitorado de Dilma pense que o mundo é constituído de vermes indefesos: ou seja, que a batalha estará ganha nas urnas.

A batalha apenas começa nas urnas. Por isso Lula  estuda a abertura para a concorrência nas comunicações uma tarefa para o day after do resultado eleitoral.

Precisamos estar preparados. O Manifesto pela Democracia, que engabela a tantos incautos, já deu o tom.

E o tom é o golpe. Podem jogar a nação no abismo. Podem não conseguir, mas tentarão. Estamos todos lutando pela democracia aqui. A eleição de Dilma é apenas um detalhe catártico nesse processo.

Manter o ânimo, a atenção e, principalmente, a circunspecção depois da vitória de Dilma, será crucial.

 

Acabei de receber ligação de robõ falando mal de Dilma. Infelizmente, não tenho bina, não peguei o número. 

Mas outras pessoas conhecidas também confirmaram ligações hoje aqui em São Paulo.

A fábrica de calúnias e ilegalidades está a todo vapor neste momento, e vai acelerar até o dia 31.

cadê o PT? o que já fez contra esse telemarketing criminoso? ao menos alertou as pessoas no horário de propaganda política? 

Se tem alguém da campanha do PT lendo, gostaria de lembrá-los que o senador que venceu em primeiro em São Paulo fez campanha agressiva de telemarketing na véspera do pleito. Ele era o terceiro nas pesquisas.

 

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:"Tabela normal";
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:"";
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:"Times New Roman";}

VÍDEO DO YOUTUBE QUE MOSTRA QUE QUEM ATIROU A “BOLINHA DE PAPEL” EM SERRA VESTIA CAMISA AZUL DE MANGA COMPRIDA. MESMA ROUPA DO UNIFORME DO PESSOAL DA CAMPANHA DE SERRA, INCLUSIVE DOS SEGURANÇAS. SERIA “ARMAÇÃO TUCANA”?:

http://www.youtube.com/watch?v=LN2nlFkUdGU

 

Há 30 horas, #globomente é 1º lugar no TT Brasil

Logo da #globomente by Cintia

 

São 13h52min…

Pelo menos, há 30 horas, isso está ocorrendo. (clique aqui e veja o nosso post de ontem sobre esse assunto)

A TV Globo, com as suas mentiras estapafúrdias e nas quais nem criança de quatro anos acredita – é o caso da minha neta -, consegue um feito memorável, que é se manter em primeríssimo lugar no Trend Topics Brasil, por mais de 24 horas.

Espero que os “Tuiteiros do Bem” consigam impor à TV Globo – Ali Kamel, em particular – uma derrota acachapante, que a faça rever seus objetivos equivocados e seus métodos anti-éticos.

Afinal, a TV Globo é uma concessão pública e se o Presidente Lula não fosse o democrata que é já teria providenciado a punição ou cassação da concessão por uso privado de uma mídia que é pública, ou seja, de todos os brasileiros e brasileiras.

Vamos ver no que dá isso…

Mais em: http://festivaldebesteirasnaimprensa.wordpress.com

 

E pelo menos uma dessas Edicoes Globo vai trazer o prefeito assassinado de Santo Andre.

Ele morreu quando foi atingido por uma bolinha de papel na cabeca.

Foi Dilma.

 

Essas são palavras ao vento, nada mais. Só se afirma haver pulverização porque não se consegue enxergar nenhuma efetividade, o que não quer dizer que ela não exista. Lembre-se do primeiro turno, aonde dizia-se exatamente a mesma coisa sobre as escandalizações e calúnias, e afinal uma delas funcionou muito bem, e em uma questão de poucos dias. Considere que há pesquisas que dão apenas 6 pontos de vantagem (CNT/Sensus se não me engano), que podem ser 10 ou 2, e temos um cenário de total indefinição. Infelizmente o primeiro turno provou que  não se pode subestimar as mediocridades intrínsecas do brasileiro. Um ignorante pode não saber distinguir uma  bolinha de papel pintada de cinza pode de  uma bomba atômica. 7 dias serão portanto uma eternidade.

 

Weden, você parece muito preocupado com a campanha do Serra. Falando dos erros, aconselhando o que seria necessário para revê-los... Para quê? Para se mostrar bom analista? Nao acha que o que está em jogo é muito mais importante que isso?

 

O caso do "atentado da fita crepe" escancara o partidarismo da Globo, uma concessionária de serviço público

Globo usa video postado no Youtube, ou seja, um spam, como fonte
Outro problema: se o Serra não sofreu lesão corporal, nem mesmo um galo na cabeça, onde está o crime que a Globo tenta nos fazer convencer de que aconteceu, utilizando-se para isso de um vídeo manipulado e jogado na internet, com direito à fala do perito Molina para dar crédito ao factóide
Usar um spam como fonte foi uma forma de a Globo, depois que as coisas se esclarecerem, tirar o corpo fora afirmando que o erro foi de quem manipulou o vídeo e o jogou na internet
O problema é que em sua reporcagem no JN a emissora nem ao menos informou que sua fonte era um spam jogado na rede 
O PT tem que pedir abertura de inquerito policial pela PF e solicitar quebra de sigilo telefônico para que o Brasil saiba o que e com quem Serra conversou antes da simulação do ataque
O Brasil não é mais a republiqueta da Era FHC, só a Globo não vê, o nosso país, nosso povo merece mais respeito por parte de emissora que, por ser concessionária de serviço público, tem que prestar serviço de qualidade a todos, sem partidarismo

Cantinho da leitura

1- Especialista acusa manipulação em imagens exibidas pelo JN

 

 

...spin

 

 

Minha preocupação é que esta "dispersão" seja combinada...

Primeiro  passam a sensação ao povo que só a Globo-fitacrep está com Serra e no dia de jogarem a bala de prata na campanha, todas se unem novamente para dar maior veracidade à mentira em prol de Zé "bolinha-de-papel" Serra...

Está fácil de mais... eles com certeza estão armando algo...

 

PS. Eu não confiu nessa de 12% de vantagem nas pesquisas... ainda continuo trabalhando como se estivéssemos em empate técnico...

 

O PIG está aloprado.

 

a tal quinta onda. gastaram com a bolinha. de papel.

..

o episódio bolinha..

enterrou as jogadas seguintes.

virou chacota.foi. acabou.

o zé golpista virou zé ridículo.

golpista. ridículo. entreguista.

mais gente vai desembarcar do serrabaixo. de vergonha.

já foi a onda serra não.

agora a onda é.. serra eu?.. vão todos viajar.. desconversar.. anular.

vai ficar com serra o núcleo duro e cínico do preconceito. estigmatizado. marcado.

vão pra história no papel de golpistas ridículos. e reacionários perigosos. e burros.

papel?.. papelão.

..

os 'assessores' do usamerika tão fulos com o zédacia.

essa da bolinha.. 'esperrtíssima'..

deu a abertura que lula precisava pra denunciar o golpismo eleitoral.

a sacanagem a baixaria.

'mentira descarada'.

pronto.. vacinou.

ninguém vai acreditar mais em nada.

..

a quinta onda.. guardada pros últimos dias..

foi abortada pelo infantil/precário truque/traque serrarojas..

'genial' idéia.. aproveitar a.. bolinha de papel..

pra sair fora do rio de janeiro. correr.

e pro zézinho chorar.. pt mau..

..

recado pro tio do zédacia.. o sam..

não adianta zangar com o zézinho.

melhor fazer as malas. planejar a retirada.

essa de interferência na eleição.. foi maus.

eu sei.. era a última chance. não deu.

desistam. sem ressentimento.

o brasil é outro. história. irreversível.

conformem-se. ou não.. ou sei lá..

o usamerika não apita mais nada mesmo.

..

dilminha vem aí. 

..

 

Globo usa video postado no Youtube, ou seja, um spam, como fonte
Outro problema: se o Serra não sofreu lesão corporal, nem mesmo um galo na cabeça, onde está o crime que a Globo tenta nos fazer convencer
O PT tem que pedir abertura de inquerito policial pela PF e solicitar quebra de sigilo telefônica para que o Brasil saiba o que e com quem Serra conversou antes da simulação do ataque
O Brasil não é mais a republiqueta da Era FHC, só a Globo não vê, o nosso país, nosso povo merece mais respeito por parte de emissora que, por ser concessionária de serviço público, tem que prestar serviço de qualidade a todos, sem partidarismo

 

 

...spin

 

 

Tenho absoluta certeza que esse incidente do tumulto no Rio foi provocado intencionalmente pelo PSDB, com Indio da Costa na linha de frente. Isso abre precedente para uma coisa muito maior que o PSDB e PIG estão tramando. Sabe-se muito bem que o PT sempre levará a culpa, basta ver a versão que que a grande imprensa está dando no caso Amauy Jr.

A campanha da Dilma, os militantes, os aliados e todas as forças progressistas tem ficar atentos nessa reta finalde campanha.

Pelo amor de Deus, os militantes fiquem bem longe do Serra e dos seus aliados para evitar qualquer confusão.

 

O caso da Bolinha X Crepe é um fato histórico. O discurso do Lula foi estratégico para marcar esta data que vai simbolizar o fim do poder deste feudo. O mundo ouve o Lula. Ele tem muito mais crédito do que estes senhores feudais da contrainformação.

 

Pessoal,

não vamos baixar a guarda e nem nos dispersarmos com bobagens. Vamos sim, no dia 31, votar juntos com a certeza na frente e a história na mão (lembram?). Nada de brincadeira, não vamos desperdiçar nenhum voto sequer...é votar sério. O jogo só acaba quando termina e vampiro não morre fácil!!

abs,

 

e não vemos nada dos estados, nao passa o candidato do amapá matando animais na africa, passeando no turismo criminoso do ricos

 

Gente não acreditem em pesquisas, campanha a gente ganha trabalhando e depois dos votos contados.

Não menosprezem esse candidato da pesada. O eleitorado brasileiro é voluvel.

Quandos voces viram a última notícia positiva na capa na mídia nativa.

Eles não estão dormindo.

Termino de receber agora pelo telefone uma mensagem de um robot, falando mal de Dilma.

Muita coisa mesmo está em jogo. Interesses ,poderossisimos estão por trás do candidato da campanha suja.

No primeiro turno também estava no papo, e estamos aqui peleando para derrotar esse candidato do atraso.

A mídia tem acesso as consciências dos eleitores 24 horas por dia, inclusive no dia da eleição.

O sistema judiciário que realiza as eleições não tem nenhuma simpatia pela Dilma. Vejam as decissões referentes a direito de resposta.

 

Não é ilícito preparar um dossiê sobre o adversário, desde que seja com informações verdadeiras. Seria até útil que houvesse dossiês, para os eleitores poderem conhecer e comparar os candidatos.

 

Uma matéria jornalística não deixa de ser um dossiê. O que conta, além das informações serem verdadeiras, é se são obtidas licitamente.

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

JN trabalha com fatos! Como a turma do PT, que tem o Sr. como simpatizante, trabalha com mentiras, não há como noticiá-las, infelizmente.

 

Qual sua idade???

 

Na vidraça da janela de casa surgiu uma imagem da Virgem Maria. Será que você, o JN e o Molina poderiam vir ver e atestar este milagre?

 

Seria assim na imprensa dedicada a informar.

Se tiver partido, informe tb.

Afinal, jornal trabalha com fatos para informar.

Qdo passa a usar fatos para desinformar.

O errado é o jornal (consegue entender?).

E quem bovinamente o acompanha...

Vira papagaio de interesses alheios e escusos.

É bom estar alerta.

 

Mais um idiota de plantão.

 

E você é cego.

 

A bolinha de papel ricocheteou na careca do serrarojas, bateu na cabeça do bonner e da fatima bernardes e finalmente atingiu a cabeça do editor da revista veja. Todos fizeram tomografia. Resultado dos exames: nenhum deles possui cérebro.

 

Weden,

Ontem (hj) de madrugada eu disse a mesma coisa. Mas hj na academia, percebi que tem alguma coisa errada. A Veja foi broxante (eu estava armado até os dentes...rs). Talvez eles tenham alguma coisa a mais e esteja só preparando terreno.

Não convem subestimar essa velha mídia, é bicho ferido, encurralado pela revolução tecnologica. Esse é o ultimo espasmo.

Mas para terminar de enterra-la, temos que vencer dia 31. Senão...

 

Do Blog Do Rovai:

http://www.revistaforum.com.br/blog/

Índio da Costa registra pesquisa no TSE. Por quê?22 de outubro de 2010 às 19:27 Nenhum Comentário

O leitor Mauro acaba de me informar via comentário que o candidato a vice na chapa de Serra registrou pesquisa no TSE. Fui verificar e é isso mesmo.

Ele contratou o instituto GPP por 160 mil reais. O campo será realizado dos dias 23 a 25 próximos. E serão realizados 4047 entrevistas. Uma curiosidade é que há dois registros no site do Tribunal. O primeiro é este TSE e o segundo este TSE2.

Não sou especialista no assunto e até solicito contribuições daqueles que são e lêem este blogue. De qualquer forma, até onde sei pesquisas só são registradas quando há interesse de divulgação.

Se for para consumo interno, não são registradas.

Sendo assim, qual o interesse do vice de Serra em divulgar o resultado desse levantamento? Onde ele vai divulgar? Em milhões de panfletos a serem distribuídos nos últimos dias da eleição ou em algum veículo de comunicação?

Seria interessante que os especialistas olhassem os questionários e a metodologia.

 

Liberty of the press in Brazil

É essa a tal de Liberdade de impressa??????

Só quando conveniente????

Onde fica Imparcialidade?????

Onde fica a ética?????

Informação????

Para que não torne apenas uma vaga lembrança.

http://mais.uol.com.br/view/e8h4xmy8lnu8/aecio-e-a-imprensa--censura-no-brasil-0402193262E4B15386?types=A&amp

 

Casal 45 não comparece à bancada, ou melhor, ao picadeiro do Jornal Emocional na noite de sexta-feira, dia 22/10/2010. O que teria ocorrido com o casal 45?

1. Jogou a toalha?
2. Se distraiu em casa com o joguinho do Serrojas e perdeu a hora?
3. Ficou com medo de sair à rua e levar uma saraivada de bolinhas de papel?
4. Ficou com vergonha?