Revista GGN

Assine

FDA admite: carne de frango contém cancerígeno

Do Natural News

Finalmente o FDA admite que a carne de frango contem arsênio causador de câncer

Mike Adams

Depois de anos varrendo o problema para debaixo do tapete na esperança que ninguém notasse. O FDA finalmente admitiu que a carne de frango vendida nos EUA contém arsênio, uma substância química cancerígena que é fatal em doses elevadas. Mas a verdadeira história é de onde vem esse arsênio: Isso é adicionado à ração dos frangos de propósito! (☠é “fermento” para o crescimento dos galináceos, tu se lembras do boi Ben Johnson?).

Pior ainda, o FDA diz que a sua própria pesquisa mostra que o arsênio adicionado à ração acaba na carne do frango, onde é consumida pelos seres humanos. Assim, nos últimos sessenta anos, os consumidores americanos que comem frango convencional engoliram arsênio,

Até esse novo estudo, tanto a indústria de aves como o FDA negavam que o arsênio fornecido aos frangos permanecesse em sua carne. O conto de fadas contado para nós durante sessenta anos era a desculpa de que "o arsênio é excretado nas fezes das aves." Não há base científica para fazer uma afirmação dessas ... É só o que a indústria avícola queria que todos acreditassem.

Mas agora a evidência é tão inegável que o fabricante do produto conhecido como Roxarsone de alimentação avícola decidiu retira–lo das prateleiras (see here ). E qual é o nome deste fabricante que colocou arsênio na alimentação de frango durante todos esses anos? Pfizer, é claro (see here), - a mesma empresa que fabrica as vacinas contendo adjuvantes químicos que são injetados em crianças.

Tecnicamente, a empresa que faz o alimento, Roxarsone, para galinha é uma filial da Pfizer, chamada Alpharma LLC. Mesmo a Alpharma agora concordando em retirar essa substância química tóxica fora das prateleiras dos Estados Unidos, ela diz que não será necessário removê-lo de produtos para alimentação animal em outros países, a menos que seja forçado pelos reguladores locais. Conforme relatado por AP:

"Scott Brown, da divisão de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicina Veterinária da Saúde Animal da Pfizer disse que a empresa também vende o ingrediente em cerca de uma dúzia de outros países. Ele disse que a Pfizer está entrando em contato com às autoridades reguladoras nesses países e decidirá se irá vendê-lo numa base individual. (see here) – (☠ Minha observação: deverá distribuir através de um representante, que no Brasil poderá ser a Novartis, ou não?)

Arsênio? Coma mais! Yo!

Mas, mesmo com o produto contendo arsênio sendo retirado das prateleiras, o FDA continua a sua campanha de negação, afirmando que o arsênio em frangos está em um nível tão baixo que ainda é seguro comer. Isso é o mesmo que o FDA dizer que o arsênio é uma substância cancerígena, o que significa que aumenta o risco de câncer.

O Conselho Nacional do Frango concorda com o FDA. Em um comunicado emitido em resposta à notícia de que o Roxarsone seria retirado das prateleiras das casas de ração, ele declarou: "É seguro comer frango" muito embora admitisse que o arsênio seja utilizado em muitos lotes de aves em crescimento e vendido como carne de frango nos Estados Unidos.

O que há de surpreendente nisso tudo é que o FDA diz ao consumidor que é seguro comer arsênio cancerígeno, mas que é perigoso beber o suco de sabugueiro! O FDA, recentemente, conduziu uma invasão armada a um fabricante de suco de sabugueiro, acusando-o de "crime" de vender "drogas não aprovadas." Que droga é essa? O suco de sabugueiro, explica o FDA. Dá para entender? O suco de sabugueiro magicamente torna-se uma "droga" se você disser às pessoas que esse mato pode ajudar a saúde.

A FDA também foi atrás de dezenas de outras empresas que vendem produtos naturais à base de plantas ou produtos nutricionais que suportam a saúde. Além disso, está travando uma guerra ao leite puro, dizendo que é perigoso. Então, agora na América, temos uma agência reguladora de alimentos e medicamentos que diz que é bom comer arsênio, mas é perigoso beber suco de sabugueiro ou leite puro. 

Coma mais veneno, em outras palavras, mas não consuma qualquer alimento que cura. Esse é o FDA, matando os americanos um pouco a cada refeição e protegendo o lucro das próprias empresas que estão nos envenenando com seus ingredientes mortais.

Ah, por falar nisso, aqui vai outro fato pouco doce e perturbador, você provavelmente não sabia sobre hambúrgueres e a carne de vaca convencional: O estrume de frango,  rico em arsênio, é fornecido ao gado de corte em confinamento. Assim, o arsênio, que é defecado pelos frangos e depois consumido fica concentrado nos tecidos do bovino, que depois é transformado em hambúrguer para ser consumido pelas massas sem noção, que sequer sabem que estão,

indiretamente, comendo titica de galinha arsenificada.

Sem votos
28 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+28 comentários

Conselho Nacional do Frango?!

Hehehehehe. Essa tradução está ótima. Fiquei imaginando uma grande mesa oval com os franguinhos sentados ao redor discutindo o preço do milho, e contado a última do papagaio.

 

É, mas não é. O ingrediente ativo é arsênico orgânico que se transforma em inorgânico, que é carcinogênico.Questions and Answers Regarding 3-Nitro (Roxarsone)

Is one type of arsenic more harmful than the other?

Yes. The inorganic form is more harmful than the organic form, and has been found to be a human carcinogen. Organic arsenic is not known to be carcinogenic. Organic arsenic is the form of arsenic that is the active ingredient in approved arsenic-based animal drugs, including 3-Nitro® (Roxarsone).

Why did the FDA decide to conduct studies on what happens to 3-Nitro® (Roxarsone) fed to chickens?

FDA conducted the study in response to scientific reports that organic arsenic, a less toxic form of arsenic present in 3-Nitro® (Roxarsone), could transform into inorganic arsenic. Scientists from FDA’s Center for Veterinary Medicine (CVM) and Center for Food Safety and Applied Nutrition (CFSAN) followed up on those reports by developing a new analytical method capable of detecting very low levels of inorganic arsenic in edible tissue. Using that method, FDA scientists recently found that the levels of inorganic arsenic in the livers of chickens treated with 3-Nitro® (Roxarsone) were increased relative to levels in the livers of the untreated control chickens.

 


 

Schweinjäger

Vejamos mais esta informação retirada do proprio NaturalNews:

Roxarsone ajuda a prevenir que os frangos comerciais sejam infectados por parasitas, e também ajuda a promover o ganho de peso, mas as aves acabam eliminando este componente em seu excremento. Este esterco é então distribuído no campo de cultivo onde  envenena não só o solo, mas também os rios e córregos nas proximidades.  O esterco de frango natural é cheio de nutrientes e é benéfico para o solo de cultura, mas quando cheio de arsênio, torna-se venenoso e tóxico ao meio ambiente.

Os defensores do roxarsone insistem que o aditivo é seguro porque é derivado do arsênico orgânico mas os estudos mostraram que o arsênico orgânico converte-se para o tipo nocivo, inorgânico, quando reage com as bactérias do esterco de galinha.

Por dois anos, uma equipe de especialistas em solo,  profissionais em gestão  e cientistas em água analisaram os níveis de arsênico no abastecimento de água perto de produção de aves, instalações e fazendas onde a cama de frango é espalhada. Eles descobriram que os níveis variavam entre 0,004 a 0,071 kg  por hectare. A equipe detectou os níveis mais altos de arsênico em uma vala diretamente ao lado de um grande galpão para armazenamento de cama de frango.

Embora a equipe sugerisse melhores práticas de manejo do lixo para remediar o problema, outros sugerem  seguir o exemplo da Europa, proibindo aditivos alimentares baseados em arsênio completamente.

 

O arsênio

(do latim arsenium), também arsênico (ou arsénico), é um elemento químico de símbolo As com número atômico 33 (33 prótons e 33 elétrons) e com massa atómica 75 u. É um semimetal (metalóide) encontrado no grupo 15 (VA) da Classificação Periódica dos Elementos.

Não sei onde entra o orgânico ou de onde ele vem.

 

Sem alarmismo, mas nosso frango está longe de ser um produto de boa qualidade (pode até ser se comparado aos outros países)... Se tiverem condições (pois é bem mais caro), comprem um frango caipira de verdade para ver a diferença na cor da carne, na cor da gordura da pele, e principalmente na gordura que fica entre a pele e a carne... Essa última conserva todo o antibiotico aplicado nos galináceos... Eu sugiro que, ao comprar frango de granja, retire a pele e essa gordura... E se quiser nunca mais comer frango na vida e tiver um estômago fraco e dó dos animais, NUNCA vá a uma granja de grande porte...

 

ANTIFA!

Texto feito para atingir os produtores de Frango do Brasil.

Nos EUA o FDA proibiu o uso, mas pode ser usado em outros países, etc e tal...

Quem é leigo ou está de má fé, faz a conclusão que todo frango de granja está contaminado.

Como o Brasil é um dos maiores produtores e exportados de carne de frango, e somos facilmente atingíveis (pela propaganda enganosa), aí se fu...

 

Não vamos entrar no clima alarmista ou de esquizofrenia, como infere-se nesas ocasiões. A mesma tática para aprovação do CF. Peraí: aqui em SC, produzimos frango e muito, monitorados sistematicamente pelos importadores. Do ovo ao abate, sem chance de se adicionar quaisquer substâncias tóxicas, pelo entendimento dos importadores, sejam mulçumanos ou não. E também, por amostragem, mas com muito rigor, as análises bromatológicas, assim como fazem com a maçã catarinense.

Agora, o outro franguinho, o disponível nas nossas gôndolas, com 30 a 40 dias de vida, produzido nas "terceirizadas", agricultores que podem sim comprar insumos até falsificados, da China, na agropecuária da esquina, tem muito. Não é leviandade, é a realidade. Acredite ou coma, quem quiser.

 

Perfeito.

 

Uai!

Cadê os agroboys de plantão?

Quando discutimos aqui, mesmo que só furtivamente, que a alimentação de qualidade, com regularidade em quantidade suficiente como direito humano básico, vide a conceituação de SAN abaixo, alguns caem de pau.

O texto é de Francisco Menezes (Ibase e ex-presidente do CONSEA - Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional)

O Conceito de Segurança Alimentar

A Segurança Alimentar e Nutricional significa garantir, a todos, condições de acesso a alimentos básicos de qualidade, em quantidade suficiente, de modo permanente e sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, com base em práticas alimentares saudáveis, contribuindo, assim, para uma existência digna, em um contexto de desenvolvimento integral da pessoa humana.

Esta é a definição mais vigente de Segurança Alimentar, no Brasil. Ela foi construída por ocasião da elaboração do documento brasileiro para a Cúpula Mundial de Alimentação, por representantes do governo e da sociedade civil.

Representa um conceito bastante abrangente, comportando as noções do alimentar e do nutricional; enfatizando os aspectos do acesso e da disponibilidade em termos de suficiência, continuidade e preços estáveis e compatíveis com o poder aquisitivo da população; ressaltando a importância de qualidade; valorizando os hábitos alimentares adequados e colocando a segurança alimentar e nutricional como uma prerrogativa básica para a condição de cidadania.

Fica faltando incluir, nesta definição, o aspecto da sustentabilidade ecológica, social e econômica do sistema alimentar, noção que foi mais incorporada ao conceito, após a Cúpula Mundial.

O que é importante saber é que esta compreensão foi o resultado de um longo debate travado no Brasil e em diversas outras partes do mundo. Um debate que, à exemplo também do conceito de sustentabilidade, reflete uma disputa árdua de posições entre interesses às vezes bastante conflitantes, em torno dos sentidos que a "Segurança Alimentar" vai adquirindo.

O termo "Segurança Alimentar" surge, pela primeira vez, logo após o fim da Iª. Guerra Mundial. Percebia-se que um país poderia dominar outro, se tivesse o controle sobre seu fornecimento de alimentos. Esta era uma arma poderosa, principalmente se aplicada por uma potência sobre um país mais fraco no plano militar e, também, incapaz de produzir suficientemente seus alimentos. Portanto, o termo "Segurança Alimentar" é, de fato, em sua origem, um termo militar. Tratava-se de uma questão de segurança nacional para todos os países. Apontava para a exigência de formação de estoques "estratégicos" de alimentos e fortalecia a visão sobre a necessidade de busca de autosuficiência por cada país.

Trazia, assim, um entendimento que vinculava a questão alimentar à capacidade de produção. Esta vinculação manteve-se até a década de setenta. Na Ia. Conferência Mundial de Segurança Alimentar, promovida pela FAO, em 1974, em um momento em que os estoques mundiais de alimentos estavam bastante escassos, com quebras de safra em importantes países produtores, a idéia de que a Segurança Alimentar estava estritamente ligada à produção agrícola era corrente. Isto veio, inclusive, fortalecer o discurso da indústria química na defesa da Revolução Verde. Afirmavam que o flagelo da fome e da desnutrição no mundo desapareceria com o aumento significativo da produção agrícola, o que estaria assegurado com o emprego maciço de insumos químicos (fertilizantes e agrotóxicos). A produção mundial, ainda na década de setenta, se recuperou - embora não da mesma forma como prometia a Revolução Verde - e nem por isto desapareceram os males da desnutrição e fome, que continuavam atingindo tão gravemente parcela importante da população mundial.

É neste contexto que se começa a perceber que, mais do que a disponibilidade de alimentos, a capacidade de acesso aos alimentos por parte dos povos em todo o mundo mostra-se como questão crucial para a Segurança Alimentar. Claro está que outros fatores podem ser causadores de agudas crises de insegurança alimentar, como as situações de guerra e desestruturação da capacidade de produção, como tem ocorrido em países da África. Ou a situação de bloqueio econômico, sofrida geralmente por países que se recusam a se submeter às políticas das grandes potências econômicas e militares. Ou em situações de catástrofes naturais, em que a agricultura dos países atingidos é, parcial ou totalmente destruída.

A FAO estima que, hoje, um total de 800 milhões de pessoas passam fome, continuamente, em todo o mundo. A maior parte dessas pessoas está localizada nas partes mais pobres do planeta, em especial na África, alguns países da Ásia e da América Latina. Mas deve também ser percebido o crescimento de bolsões de miséria, mesmo em países desenvolvidos, fruto, em grande parte, das medidas de ajuste econômico do ideário neoliberal, que vêm provocando, nestes países, o crescimento do desemprego e o abandono das políticas sociais.

 

 

Ou passou batido ou não entendi nada: e aqui, na terra brasilis, onde todas as multinacionais vendem, ops, empurram inclusive  alguns insumos proibidos em seus países de origem, como estão as coisas? Obviamente "de ouvir falar" não é base para formar opinião, mas há muito ouço sobre substâncias anabolizantes, hormônios diversos para acelerar o crescimento, tanto na avicultura quanto na pecuária. O que temos de concreto, além das conhecidas proibições "pro forma" e as irresponsáveis atitudes de alguns empresários atrás do lucro?

 

"Se der dinheiro, vamos apoiar."

Palmas para o capitalismo sem freios, sem regulamentações.

 

É por essas e outras que sou vegetariana....

 

Azar seu. A super bactéria S.Colli vem dos vegetais...

 

Clovis Campos

Em resumo: Se comer o arsenio pega, se não comer o e_coli come... rsrsrs...

perdão não pude perder a piada.

 

 

Lembram quando a imprensa oligarca, imperialista e sionista mundial fez um escândalo quando o Evo Morales afirmou que frango industrial causa muitos problemas?

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI4393290-EI8140,00-Para+...

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,evo-morales-culpa-frango-de-gra...

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/04/frango-com-hormonio-afeta-viri...

 

E a gente que sempre acha que essas coisas só acontecem no 3º mundo , com nóis !

Pelo menos serve de consolo !

 

  Olá  Nassif? Estranho é. Um frango, "não X-man", fica pronto para ser consumido em torno de cinco meses de vida , já os mutantes ; de embrião até os quarenta e cinco dias de vida, atinge o peso de  dois quilos, essa multiplicação celular acelerada não deve ser saudável para nós, mas é melhor que passar fome.

  Mas essa de que; lá não pode mais vender arsênio adicionado à ração e aqui pode, nào vai assombrar nossos importadores ?

  Nos bovinos, há muito tempo vem sendo feito um melhoramento genético nos animais. No Brasil nosso rebanho é quase que exclusivamente criado á pasto, ao contrário dos norte-americanos que possuem o maior rebanho de gado confinado do mundo , alimentado com milho, cereal  que também se transforma em biocombustivel e inflados com hormônios de crescimento, enquanto os russos enbargam nossa carne de alta qualidade.

". em grande parte do gado dos Estados Unidos são aplicados hormônios de crescimento. Além disso, esses animais são criados em unidades de confinamento, fazendo com que fiquem prontos para o abate muito mais rapidamente que os animais criados a pasto  sem utilização de hormônios... "

 

Fonte :http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:BricbfOROwMJ:www.scribd.com/doc/34887515/JBS-balanco-anual+EUA+tem+o+maior+rebanho+confinado+do+mundo&cd=6&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-a&source=www.google.com.br

 

Amigo,

o frango para abate, fica pronto em 45 DIAS, não em 5 meses

( isto é para suinos)

É proibido o uso de hormonios estimulantes no Brasil.

Ainda, temos problemas com antibióticos.

Já não usamos cama de frango à muitos anos, desde o surgimento

da vaca louca na Inglaterra.

Acredite em mim, temos  carne de qualidade no Brasil, resultado de

mais fiscalização e em menor escala, concientização do produtor.

Da propriedade, até o consumidor, ainda temos longo caminho a

percorrer (transporte, conservação).

Muito importante este debate.

 

Discordo, pois eu conheço um produtor de frangos de Amparo/SP que disse que faz cama sim e que a venda da titica das galinhas dele é um dos principais componentes do lucro que ele tem, e me disse isso numa conversa no mês passado. Se as nossas galinhas comem ou não arsênio eu não sei mas o nosso gado (ou parte dele) come a titica da galinha. 

 

 

Amigo,

eu tbem compro cama de frango e uso, com grande vantagem na adubação,

tanto das pastagens quanto de qualquer cultura, não é proibida.

Concordo que podem existir, alguns propietários, que ainda usam como alimento

de bovinos e como disse anteriormente, só com inspeção o problema se resolverá,

pois ainda temos muito atraso nesta área.

 

 

Por isto que sempre acesso o Portal do Luis Nassif.
Aqui se aceita todo tipo de comentário. A democracia é total.
Só que Caro Beline, vc está totalmente fora de órbita.
Se vc fizer um comparativo da agropecuária feita no Brasil verá que aqui ela é uma das mais seguras do mundo, e sustentável também.

 

Se eu entendi corretamente, foi isso exatamente o que o Beline sugeriu.

 

 

 

"Toda unanimidade é burra, porém nem todo ceticismo é inteligente".

Parece que não leu o comentário.

 

Luis, esse produto está sendo / foi abandonado por grandes produtores de frango nos EUA -  http://www.worldpoultry.net/news/roxarsone-in-chicken-feed-causes-risks-to-human-in-runoff-id1164.html .

Além disso, uso de cama de frango (o local onde os frangos ficam em cima nos galpões, geralmente casca de arroz) é proibido para uso em rações de ruminantes (boi), por conta do risco de BSE.

Até hoje o Brasil não notificou nenhum caso de BSE.

Abraços

 

O Brasil não notificou BSE (vaca louca), o que, por sua vez, não significa que a cama de frango (como chamam o esterco de frango, misturado a restos de rações e outras cositas...) não continue sendo fornecida aos bovinos. posso lhe assegurar que mesmo com a Instrução Normativa 41/2009, do Ministério da Agricultura, a comercialização da "cama de frango" continua a todo vapor, "clandestinamente", pelo menos no estado de Minas Gerais. Bastaria  fiscalização atenta sobre as granjas ao redor da BR 262, sobremodo região de Pará-de-Minas a Nova Serrana, para constatar que o subproduto animal continua sendo uma fonte de renda das granjas. Com início do período da seca, o pasto minguando pelo resecamento (friagem), e a tratação nas cocheiras, a cama de frango adquire espaço, em razão do preço baixo, como opção para alimentação dos rebanhos. Vários produtores escondem no pasto, sob ramagens, com receio da fiscalização do IMA (Instituto mineiro de Agropecuária), mas não deixam de fornecer.

A propósito, o mal cheiro que estas granjas exalam na BR 262 já seria suficiente para bom entendedor não comer o que dali sai... quem quiser conferir, basta trafegar no trecho entre Pará-de-Minas e Nova Serrana.

 

Não trabalho no MAPA, mas como profissional da área:

 

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO

GABINETE DO MINISTRO

 

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 15, DE 17 DE JULHO DE 2001

 

 

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, tendo em vista o disposto no art. 71 do Regulamento do Serviço de Defesa Animal, aprovado pelo Decreto n° 24.548, de 3 de julho de 1934, nos arts. 1° e 2° da Lei n° 6.198, de 26 de dezembro de l974 e o que consta dos Processos n° 21000.005305/2001-77 e 21000.000514/2001-24 resolve:

 

Art. 1° Proibir a importação de ruminantes, embriões e produtos derivados destas espécies, quando procedentes e/ou originários de países que registraram casos autoctones da encefalopatia espongiforme bovina.

 

§ 1° Incluem-se nesta proibição os seguintes ingredientes: carnes e miúdos; hemoderivados; farinha de sangue; farinha de carne; farinha de carne e ossos; farinha de ossos autoclavados; farinha de resíduos de açougue; farinha de vísceras de aves; farinha de penas e vísceras de aves; farinha de resíduos de abatedouros de aves, bem como qualquer ingrediente ou matéria-prima que contenha vísceras de animais alimentados com proteína ou gordura de ruminantes.

 

§2º - Excluem-se desta proibição: sêmen; leite e produtos lácteos; colágeno obtido de peles e farinha de ossos calcinada.

 

Art.2° Proibir, em todo o território nacional, a produção, a comercialização de proteína e gordura de mamíferos destinadas à alimentação de ruminantes.

 

§ 1º - Incluem-se nesta proibição os seguintes ingredientes: sangue e hemoderivados; farinha de carne; farinha de carne e ossos; farinha de ossos autoclavados; farinha de sangue; farinha de resíduos de açougue; farinha de vísceras de aves; farinha de penas e vísceras de aves; farinha de resíduos de abatedouros de aves; cama de aviário, bem como qualquer ingrediente ou matéria-prima que contenha vísceras de animais alimentados com proteína ou gordura de ruminantes.

 

E quanto ao Brazilzilzil.....será q não entramos nessa também........sera q os produtores de ração (multinacionais) vão fazer algum pronunciamento?? e a ANVISA??

 

 

Arsênio? Não dá pra comer nada que vem dos EUA. O "Bromato de potássio" (fermento para pães, bolos e massas em geral) foi proibido em diversos países, inclusive o Brasil. Nos EUA, continua liberado. O "bromato de potássio" é conhecido por causar câncer e por isso foi proibido.