Revista GGN

Assine

Folha passeia entre batidas homéricas e omissões desastrosas

De um lado a Folha mete o pau e de outra omite tudo o que pode...

Do Desculpa e nossa Falha..

Do Desculpe a nossa Falha

Audiência com secretários reúne 30 entidades no Capão Redondo, repercute na imprensa, vira TT no twitter; Estado prende PMs suspeitos de chacina

Ontem à tarde cerca de 30 entidades e 200 pessoas estiveram na audiência pública com os secretários municipais dos Direitos Humanos (Rogério Sotilli) e da Promoção da Igualdade Racial (Netinho de Paula) para relatar os repetidos casos de mortes de jovens pobres (quase todos pardos ou negros) na periferia paulistana. O encontro foi no parque Santo Dias, ao lado do metrô Capão Redondo, e contou ainda com a presença do coordenador da Juventude da Prefeitura, Gabriel Medina, o vereador Paulo Reis e o deputado estadual Adriano Diogo, presidente da comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa.

Foram mais de duas horas de cobrança de providências das autoridades presentes, críticas ao governo estadual e à atuação da polícia. Pouco depois do final da audiência, a secretaria estadual de Segurança Pública convocou a imprensa para anunciar a prisão de 6 PMs que estariam envolvidos na primeira chacina do ano, quando sete jovens fora executados no Jardim Rosana, em uma rua a menos de um quilômetro de onde aconteceu o encontro entre a comunidade e os secretários. A articulação para que a audiência acontecesse foi dos movimentos sociais e culturais da Zona Sul, e foi permeada pela cultura –houve um sarau no mesmo local, assim que acabaram as falas. Vale lembrar que o ato começou a ser noticiado na quarta-feira nas redes sociais e que o governo do Estado (como tantos outros) tem uma equipe de comunicação que monitora as redes sociais.

Netinho: “A PM mata jovens negros e pobres”

8412030400_86c5418032_c

Secretários ouvem relatos de violência no parque Santo Dias, Capão Redondo (Foto/Fora do Eixo)

A fala mais contundente dentre as autoridades presentes foi a do secretário Netinho de Paula, que concordou com as acusações feitas contra a Polícia Militar: “Sempre foi a PM quem matou de forma desigual, aqui na zona Sul, os jovens negros, os pobres da periferia. Falo isso com muita tranquilidade porque um próprio comandante da PM [em caso recente em Campinas] diz que pardos e pretos devem ser abordados. Esse é o resultado do pensamento da PM, sempre foi, não muda nada. Foi assim que perdi meu irmão e muitos amigos”. Netinho ainda conclamou todos a irem “em caravana” falar com o governador Geraldo Alckmin.

Diversos veículos de imprensa forma à audiência pública. As coberturas mais significativas foram da Rádio Brasil AtualTV Brasil, e Estadão. Mas noticiaram ainda o audiência pública UOLFora do EixoPortal da revista ExameMSN Notícias e Portal Vermelho, entre outros. A Folha esteve presente com repórter e fotógrafo, mas nada noticiou. A audiência foi transmitida ao vivo pela #posTV, e aqui você pode rever na íntegra (abaixo, as boas coberturas da Rádio Brasil Atual e da TV Brasil).

Média: 4 (1 voto)
3 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+3 comentários

E pensar que a Folha chegou a nos iludir, dos anos 80 aos 90, principalmente. Mas os tempos eram outros: era o fim da ditadura, Otavinho era um jovem com veleidades artísticas, e principalmente o PT não estava no poder, assim tão bem sucedido...

 

Navegando entre batidas homéricas, omissões desatrosas e assassinato de reputações de pessoas sérias,a Folha vai aos poucos deixando de ser o jornal qe só "tinha o rabo prêso com o leitor" para ser o veículo de informação mais ordinário do país.

 

O preço da liberdade, é a eterna vigilancia.

Geraldinho Picolé,  coronéis da PM, PSDB, Folha e os demais do PIG, todos jogam no time dos almofadinhas unidos.