Revista GGN

Assine

Irã diz que bomba nuclear é "grande pecado"

Por Paulo F.

Da Swissinfo

Fabricar bomba nuclear é "grande pecado", diz Irã

Por Caroline Copley

GENEBRA, 28 Fev (Reuters) - Enfrentando uma crescente pressão internacional por causa de seu programa nuclear, o Irã pediu novas negociações com a agência nuclear da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira e condenou a produção de armas atômicas, dizendo que isso é um "grande pecado".

O Irã afirma que seu programa nuclear é pacífico, mas as negociações com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) estão interrompidas e as potências ocidentais se preocupam cada vez mais com a possível dimensão militar da atividade atômica de Teerã.

Em discurso na Conferência sobre o Desarmamento, em Genebra, patrocinada pela ONU, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Ali Akbar Salehi, disse esperar que as conversas prossigam e que está confiante de que elas seguirão na direção correta.

"Gostaria de enfatizar novamente que não vemos nenhuma glória, orgulho nem força nas armas nucleares, mas o oposto, com base no decreto religioso emitido por nosso líder supremo, de que a produção, a posse, o uso ou a ameaça de uso de armas nucleares são ilegítimos, fúteis, perigosos, prejudiciais e proibidos como um grande pecado", afirmou ele.

Muitos no campo ocidental, entretanto, permanecem céticos. A AIEA afirmou que não estão planejadas novas conversações, dado que os diplomatas ocidentais relataram uma indisponibilidade do Irã para lidar com as alegações de pesquisa nuclear militar.

Um relatório preparado pela AIEA na semana passada revelou que o Irã aumentou de forma significativa o enriquecimento de urânio, o que fez aumentar os preços do petróleo por causa dos temores de que as tensões entre Teerã e o Ocidente possam culminar num conflito militar.

Israel ameaçou desferir ataques para evitar que o Irã obtenha a bomba, dizendo que o progresso tecnológico contínuo de Teerã indica que em breve ele pode passar a uma "zona de imunidade".

Em reuniões de alto escalão entre a AIEA e o Irã, ocorridas em Teerã em janeiro e fevereiro, as autoridades iranianas se recusaram a responder a relatórios da inteligência sobre pesquisas sigilosas relevantes ao desenvolvimento de armas nucleares, disseram diplomatas ocidentais.

Falando a jornalistas em Genebra, Salehi disse que o Irã espera que o "diálogo iniciado" com a AIEA continue.

Reuters

Sem votos
21 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+21 comentários

Como sói ocorrer em quase toda discussão envolvendo a geopolítica e a economia mundial essa acerca da suposta bomba do Irã desemboca para uma dicotomia que embute uma carência após a que envolvia o capitalismo versus o comunismo ou o chamado mundo "livre" ocidental e o resto. 

O que torna-se importante não é a análise das reais injunções e das consequências acerca de um Irã portador de armamento nuclear e, sim, a hipocrisia dos EUA, e de resto de todo o "clube" atômico. Seria essa a melhor abordagem, apesar de ser também aceitável essa imputação de hipócrita a essa "turma do bolinha" detentora de poder atômico?

Por que o Irã? Por que não houve a mesma movimentação quando Índia e Paquistão, principalmente este último, detonaram seus artefatos nucleares? Qual a diferença entre os casos?

Acho que reside numa palavra: petróleo. Sem um vetor que a possa carregar, essa(s) bomba(s) de nada valeriam. Ou seja, como instrumento dissuasório frente, por exemplo, a Israel seria nulo. Sem contar que seus eventuais inimigos decerto teriam como interceptá-la. Resta o que, então? O uso tático para interromper ou mesmo destruir o fluxo de petróleo na região; em especial da Arábia Saudita.

 

 

A hipocrisia é terrível nesses dias em que vivemos. A imprensa cooptada e alienígena solta matéria inverídica ou truncada e, ainda distorcem os dircursos do presidente do Irã pois sabem que, a maioria não saberia a tradução; mas tem gente para aplaudir a farsa.

http://www.democraciapolitica.blogspot.com/2012/02/governo-e-midia-nos-e...

http://www.fazendomedia.com/wikileaks-revela-rede-de-espionagem-a-servic...

 

ah sim, ter armas de defesa é pecado... e apredejar mulheres e enforcar homossexuais é o que será?

 

Lá, milenarmente e socialmente aceito, apedrejar pecadores é normal. Famosas cláusulas pétreas que regem aquela sociedade. Assim como o consumo de álcool e de outras drogas e todos os habitantes de lá sabem disso desde que nascem. Quem comete erros já sabe o que o espera. Vamos deixar de ser hipócritas?

 

E cá é socialmente aceito que culturas avançadas engulam ou destruam culturas atrasadas. Vamos deixar de ser hipocritas?

 

..."culturalmente aceito que culturas avançadas..."


Avançadas quem, cara pálida.


Os grandes idiotas pensam que têm


cultura avançada.


Aliás, o que vem a ser cultura avançada?

 

povos que conseguem subjugar outros povos são mais avançados. tem tecnologia melhor, armamento melhor, inteligencia melhor. não fosse isso, não teriam como dominar ninguém. nunca leu um livro de historia não, cara palida?

(e haja cinismo da esquerdopatia do blog... quanto os eua torturam seus presos em guantanamo é aquela chiadeira, que eles não respeitam os direitos humanos e blá blá blá. já o irã pode tratar como quiser seus presos, que ai é questão cultural, né? cinicos!!!)

 

Não um mais vários.

Contam a história da avançada civilização romana que foi derrubada pelos bárbaros.

Mas pior é sua justificativa para a barbarie.

 

culturas avançadas engulam ou destruam culturas atrasadas.


Que pérola! Quem define o que é avanço?  Será que a próxima pérola é :

"O Forte é Mais Forte Sozinho"

 

Cada vez que leio este blog fico espantado com as declarações estapafúrdias que vejo. Não é possível que alguém em sã consciência queira comparar os Estados Unidos (até mesmo a Rússia, com toda a ditadura Putim), com sua democracia, com uma tirania de cléricos loucos, que não aceitam nada que contradiza sua visão teológica de mundo.

Um Irã nuclear não é uma ameaça apenas aos países da região, mas todos os países do mundo democrático.

Vamos deixar de pensar como se tivessemos em mundo polarizado entre esquerda e direita, vamos, pelo amor de Deus, ser racionais!

Para quem ainda não sabe, a esquerda perdeu, o socialismo pró-soviético deixou de existir na década de 90, do século passado. É finito. Nem a China é mais socialista ou comunista como queiram.

 

Nesta coisa toda podemos dizer que:



  1. Se o Irã atirar sua suposta bomba atômica em QUALQUER direção (Menos na vertical) existem baterias de mísseis ANTI-AÉREOS capazes de destruir estes foguetes com suas ogivas, talvez antes qua saia do território Iraniano e antes que alcance qualquer pais CIVILIZADO (União Europeia, Israel e EUA).

  2. Depois deste ataque frustado, dezenas de mísseis seriam disparados pelos navios americanos e de Israel contra o Irã que seria ANIQUILADO, exceto suas refinarias é claro.

  3. O que o Irã deseja é usar a bomba como forma de pressão, como poder dissuasivo, assim o ocidente ficaria LONGE!

  4. Se não ocorrer um ataque agora, daqui alguns anos, o Irã receber a visita de um presidente americano para discutir as questões do oriente médio. E levar "ajuda americana", como os EUA fez com o Paquistão.

  5. O Irã não é LOUCO de lançar a bomba e depois desaparecer do mapa!
 

"O que fazemos na vida, ecoa na ETERNIDADE!" (Máximus - Gladiador)

"Os dois mais importantes dias em sua vida são o dia em que você nasceu e o dia em que você descobrir o porquê... - M

Então é assim, pensemos que os EUA e Israel são bonzinhos e prenhes de boas intenções, a Arábia Saudita, Barhein e outras ditaduras muçulmanas por lá também são "boazinhas", apoiemos a invasão do Irã e a morte de milhares em nome da "realidade que nos ameaça", e seremos racionais. Se pensamos o contrário seremos teólogos, irracionais, e comunistas/socialistas (tudo a mesma coisa), pois a "esquerda" foi derrotada no mundo, e só a "esquerda" fica a favor dos iranianos... Quanta inteligência, raciocínio lógico, e discernimento... Conhecimento de história então... Bestial como diria Oto Glória!

Você já experimentou frequentar o "Mídia sem Máscara" do astrólogo, ou o blog da Veja dirigido pelo porraloca Libelu, agora com sinal trocado? Lá você aprende muito dessa "história" feita fora das universidades e imaginada por teólogos da ideologia reacionária.

Um abraço.

 

"[...]Devia era, logo de manhã, passar um sonho pelo rosto. É isso que impede o tempo e atrasa a ruga.[...]" - Mia Couto

"... com uma tirania de cléricos loucos, que não aceitam nada que contradiza sua visão teológica de mundo.


Um Irã nuclear não é uma ameaça apenas aos países da região, mas todos os países do mundo democrático."


Comprove com referências convincentes as suas afirmações. Depois, seria possível uma discussão. 

 

Não posso provar que o Irã é uma ameaça aos demais países. Se bem que, as palavras do Ahmadinejad não bastam? 

Por outro lado, volta e meia falam aqui da tolerância religiosa no Irã.  Mesmo??? No país em que professar o cristianismo da pena de morte. Se tivesse sido esperto, o Nadarkhani teria pedido asilo em Israel antes de ser preso; lá poderia professar o cristianismo, o islamismo ou o ateísmo sem que fosse perseguido *por isso*.


Governo deve se manifestar sobre pena de morte a pastor do Irã


 

BRASÍLIA - A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, afirmou nesta quarta-feira que o governo se manifestará em breve sobre a condenação à morte de um pastor iraniano, que se converteu do islamismo ao cristianismo naquele país. Gleisi, que recebe hoje uma comissão de parlamentares da bancada evangélica para falar sobre o assunto, disse que o Itamaraty está buscando informações sobre o caso e deve preparar um relatório até amanhã.

- Já temos feito contato com o nosso embaixador no Irã. O Itamaraty também tem feito contato para saber efetivamente qual é a causa da prisão e levar nossos posicionamentos sobre a defesa dos direitos humanos. Ainda não temos uma definição sobre isso. O ministro Patriota ficou, entre hoje e amanhã, de ter um relatório mais detalhado e, tendo isso, vamos ter uma manifestação formal, possivelmente do Itamaraty - disse Gleisi.

A ministra negou que o governo Dilma esteja querendo intermediar uma solução para o caso:

- Não há pretensão de ser intermediador, apenas fomos procurados por um grupo de parlamentares da comunidade evangélica para que pudéssemos saber o que está acontecendo e pudéssemos ajudar e manifestar solidariedade, manifestar a posição do Brasil em relação a ele.

Youcef Nadarkhani teria se recusado a cumprir uma ordem judicial de se converter novamente ao islamismo. Ele está preso e a sentença de morte foi proferida por uma corte na província de Gilan, na cidade de Rasht.

 

No Irã está a mais antiga Sinagoga do  mundo, patrimônio da Humanidade, em Teerã. Os judeus do Irã são parte importante da população e, evidentemente, abominam o sionismo alucinado do Estado de Israel. No Irã há uma das maiores diversidades religiosas do planeta, com o Zoroastrismo assumindo seu grande papel na cultura humana. Acontece que a demonização midiática obedece a parâmetros de guerra, e cegam quem se dirige pela mídia tradicional.

 

Ô Toussaint, se liga!

Os EUA e sua democracia JÁ USARAM a bomba atômica e mataram milhares de inocentes.

Os "malucos" iranianos não começam uma guerra há mais de 300 anos, é um povo pacífico.

 

Existem algo mais que quatrocentas centrais nucleares no mundo; 460 para ser mais exato, mas algumas já estão em processo de desativação por "vencimento de prazo" dos seus projetos de engenharia.

Consideradas as minas de uranio em produção atualmente, e o atual nível de consumo, mesmo com o desmonte e aproveitamento de algumas ojivas nucleares para a fabricação de MOX, espera-se que o "teto de produção" de urânio enriquecido aconteça de modo irreversível láááááá pelo ano de...

... 2015 (isso mesmo: dois mil e quinze!).

É claro que não interessa que aumente a "concorrência", nem o consumo, nesse seleto e privilegiado "círculo"... essas questões aí não são só "econômicas" (se há demanda, "cria-se" a produção). Não é bem assim, existem os limites geológicos e as (im)possibilidades físicas.

Para quem quiser dar uma "lidinha" sobre o assunto:

Esgotamento do urânio e da Energia Nuclear; Estamos no "Uranium Peak"? 

Saudações

 

"Que bom seria se, de fato, ela fosse um poste... ao menos poderia suportar alguma luz!" (Jose Mayo)

Re: Irã diz que bomba nuclear é "grande pecado"
 

A grande farsa midiática criada em torno do Irã

Aumenta o tom pró-intervenção no Irã. A notícia em pauta no momento é que "o Irã intensificou a produção de urânio enriquecido de alto grau nos últimos quatro meses". Ao menos, é o que afirma um suposto relatório "confidencial" da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), ligada às Nações Unidas.

O documento seria a origem das mais novas preocupações das potências ocidentais ante a possibilidade de a república islâmica, em breve, venha a construir uma bomba atômica. O relatório da AIEA destaca que o Irã não forneceu “uma explicação convincente” sobre uma quantidade de urânio desviada dos estoques. Os diplomatas garantem que uma quantidade do metal desaparecida pode ser utilizada "para experimentos que tenham como objetivo a criação de uma ogiva nuclear".

Dizem estas mesmas fontes que o Irã teria aumentado o seu estoque de urânio enriquecido a 20% para 109 kg, de 73,7 kg em novembro. A república islâmica também teria produzido 5.451 kg de urânio enriquecido a menos de 5%, comparado com a quantidade de 4.922 kg registrados no relatório anterior da AIEA. Os inspetores disseram que o Irã elevou o número de máquinas usadas para instalar urânio no seu complexo em Natanz em 14% e que teria começado a enriquecer material no complexo Fordo, “construído dentro de uma montanha".

Meias verdades e estardalhaço

Ante tanto estardalhaço e tantas meias verdades, gostaria de recomendar o artigo "Desinformação e Guerra", de Claudia Antunes hoje, na Folha de São Paulo. Ela ressalta que o Irã não se destaca nos rankings de gastos bélicos. Seu PIB vale dois terços do orçamento militar americano.

Claudia lembra que Estados Unidos e Rússia, em contrapartida, pediram a extensão do prazo, que venceria em abril, para destruir as suas próprias armas químicas, banidas em convenção que o Irã ratificou (mas Síria e Israel, entre outros, não). E pontua que a tão propalada comissão da AIEA, conforme o combinado entre as partes, não visitaria instalações nucleares do Irã. “Este não era seu objetivo, uma vez que esses locais já são monitorados pela (própria) AIEA (coisa que nunca é dita)”.

Hegemonia dos EUA na região

A novela do Irã, na verdade, está desenhada para impedir que países que não se submetem à hegemonia norte-americana não possam deter a tecnologia nuclear – seja para fins pacíficos ou militares. Basta ver que Israel tem bombas atômicas e países com a Índia e Paquistão desenvolveram programas nucleares militares com cobertura e apoio norte-americano quando interessava armar esses países, não importando as consequências para a paz e a segurança mundial. Seus exemplos são levantados como gritos de guerra.

É bom lembrar, ainda, que esses mesmos países não firmaram o Tratado de Não Proliferação Nuclear. Assim, toda essa farsa não passa de pretexto para atacar o Irã e por fim à única potencia regional, além da Turquia, que não se submete aos interesses da Europa e dos Estados Unidos.

Todo o resto é pretexto. Os governos chamados ocidentais convivem com ditaduras religiosas no Golfo e as sustentaram várias durante décadas, até que os povos as derrubaram. Não apenas atuam na região como sustentam os regimes ditatoriais no Golfo, inclusive apoiando intervenções militares pontuais para manter esses regimes, ou para produzir falsas transições democráticas, casos de Bahrein e Iêmen.

Do Naval Brasil

 

O cinismo foi definitivamente instalado na relação entre as nações.

A "comunidade internacional" mata milhares de civis em bombardeios na Libia, para "salvar civis".

Agora prepara-se para atacar o Irã sob o argumento de que os persas pretendem jogar uma bomba sobre Israel.

No entanto, ninguem levanta a questão de que os iranianos não poderiam fazer tal ataque porque, evidentemente, ele atingiria tambem os palestinos.

 

É a mesma pressão internacional, e a mesma desculpa de que, quem não "reza" pela cartilha da AIEA, e dos norte-americanos, são uma ameaça à segurança mundial.

Quem já se esqueceu, de que foi com esta mesma desculpa esfarrapada, que a "polícia do mundo" invadiu o Iraque, que conforme aquelas citadas fontes fidedígnas, estariam desenvolvendo e/ou já teriam armas químicas e biológicas( e talves nucleares) em seu território, assim como querem convencer aos incáutos, que está acontecendo no Irã. 

 

O preço da liberdade, é a eterna vigilancia.