newsletter

Jogador rejeita brincadeira da Globo

Do blog Escrevinhador

Herrera para a Globo: “música pra que?”

por Rodrigo Vianna

O Herrera já jogou no meu time, o Corinthians. Centroavante esforçado, o argentino está longe de ser craque. No Botafogo, tem ficado no banco. Nesse domingo, o Fogão perdia de 1 a zero quando Herrera veio a campo, no início do segundo tempo. Ele fez a diferença. Placar final: Botafogo 4 x2 São Paulo F.C., com 3 gols do Herrera.

O jovem repórter que acompanhava o Botafogo, na transmissão da Globo, correu até o Herrera no fim do jogo. Fez o correto: o argentino era o personagem do jogo. Mas o repórter caiu numa cilada. Resolveu ser “engraçadinho”, talvez contaminado pelo clima geral nos programas esportivos da emissora (atenção, nas transmissões há muita gente boa na Globo, que cobre futebol com classe e competência; mas, nos programas, a regra geral da nova geração é ser “soltinha” e “engraçadinha”): em vez de perguntar sobre o jogo, resolveu perguntar que música Herrera pediria no “Fantástico”.

Aparentemente, Herrera (da mesma forma que esse escrevinhador)  desconhecia o fato de que goleadores tem o “direito” de pedir musiquinha no programa da Globo. O argentino foi seco: “Música pra que?” O repórter insistiu, e Herrera: “não, eu não peço música não; fico na música minha…” Mas “nem em castelhano”, quis saber o jornalista: “Não, nenhuma”.

Tudo isso ao vivo, como se pode ver aqui – http://www.youtube.com/watch?v=XfFfXu4UVm8.

Herrera virou tema no twitter, é claro. Centenas, milhares de mensagens… A maioria, de apoio ao atacante.

Mais tarde, no “Fantástico”, a surpresa (eu disse “surpresa”?). A Globo resolveu tripudiar. Tratou o comportamento do goleador botafoguense como “mistério”. Como se houvesse algum.  O cara simplesmente  disse “não”. É simples.

Para o Herrera, e milhares de torcedores, essa história da Globo querer pautar horários, comemoração e até a trilha sonora dos gols é de uma babaquice sem tamanho.

Pra completar a noite, um repórter (de Esportes) da Globo resolveu atacar o Herrera. E escreveu o seguinte no twitter: “Golaço do Fantástico. Tratou com normalidade e humor, o babaca do Herrera.”

A pancadaria entrou noite adentro. Foi mais um episódio didático, a mostrar como trabalham aqueles que se dizem preocupados com a defesa da “liberdade de imprensa” no Brasil. Um leitor, no twitter, fez o comentário certeiro: 

@adamastaquio “Essa é a Globo e seu modo truculento de agir! Imagina o q a Globo n faz com coisa séria então… Tipo eleição!”

A gente sabe bem… Viu em 82 com o Brizola, em 89 com o Lula. E, quando se achou que isso estava superado, voltaram a atacar em 2006 e 2010…

O caso Herrera talvez ajude um público menos politizado a entender como eles operam. Por isso, tanto político em Brasilia tem medo de dizer não pra Globo. Precisa ser casca grossa, feito o Herrera…

Não se sabe o que vai rolar. De repente, pedem pra ele se retratar nos próximos dias, pra amaciar com a Globo. Pode até ser. Mas espero que o Herrera siga firme e honre as tradições de Paulo Cesar Caju, Afonsinho e João Saldanha – botafoguenses ilustres que não baixavam a cabeça pra milico em plena ditadura, muito menos pra jornalista (ou jornalismo) babaca.

Viva o Herrera!

Sem votos
77 comentários

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+77 comentários

Aos poucos os alicerces da vênus platinada estão sendo balançados.  Interessante é ler como tem gente "ingênua" que diz, é apenas uma musiquinha que estão pedindo.  É notório o fato da rede (g)LOBO querer mandar em tudo no país, e no futebol não seria diferente.  É notório também o baixo nível intelectual de alguns repórteres que fazem cobertura de futebol.  É a rede podre de televisão impondo até nome de jogadores.  É proibido jogador com nome e sobrenome, somente em caso de ter homônimo no time, impõe-se os INHOS da vida.  Fico a me perguntar como um homem feito se presta a ser chamado de INHO, sendo diminutivo é e sempre será um INHO, ou seja, nunca será grande, adulto e impor-se como tal.  Que apareçam outros Herreras argentinos ou não.

 

PARABÉNS  HERRERA,


MOSTROU SER UM CARA DE PERSONALIDADE. DISSE NÃO PRA REDE GLOBO E NÃO VOLTOU ATRÁZ! ACHO QUE ESSE SIM , FOI O GOL MAIS BONITO DELE NO DOMINGO. VALEU HERRERA! CONTINUE ASSIM!!!

 

O brasileiro já nasce com a vassalagem a Globo em seu DNA. Os gringos não estão nem aí pra isso. Um dia o brasileiro descobre que o rei está nú.

 

"Herrera não quer tchú, Herrera não quer tchá."

Valeu, Herrera!

Você mostrou uma atitude que falta na maioria dos jogadores

brasileiros! 

Nessa a Globo de danou!

Ah, imagino como seria se alguém pedisse para vc a

dança do João Sorrizão. Você diria: - ¿Qué?

Obrigado, Herrera!

 

Caramba, pular do Herrera pras eleições de 2006 e 2010 (tão reclamando do resultado?) foi como diz a gerenta impacienta, um salto mortal, só que "dialético"....

 

Texto muito bom!

 

Mas se eu fosse o Herrera, depois da insistência do repórter, diria: "Então tá. Quero o tema de abertura do Chaves".

 

BOBO ESPORTE!!!!!

Alex Escobar, Tadeu Schimidt e Tiago Leifert têm o cérebro de um João Sorrisão!

(o Escobar ainda passa...)

 

Há exageros, sim, na cobertura de algumas emissoras e por parte de alguns profissionais. Aliás, o próprio futebol brasileiro tornou-se uma piada sem graça. 

Esse forçar de barra para torná-la mais leve e, vá lá, engraçada, já encheu até as tampas. Tal como o endeusamento de jogadores de futebol. Já de há muito ultrapassamos a fronteira do ridículo e da patomimia.

Não suporto mais assistir jogos em que esse Neymar cabelo de pica-pau joga. Tudo, absolutamente o que ele faz, os locutores e repórteres alçam à condição de genialidade. Quando um companheiro  faz um gol fruto de um passe dele os babacas esquecem-no e passam a divagar sobre o excepcional e primoroso passe do Neymar.

Já já estarão exaltando-o pelo "genial" lateral cobrado e a nunca antes vista cuspida em campo.

 

Há muito não se vê uma campanha de marketing/Assess.Impr./RP como a de Neymar! (só a do Curíntios, que já tem décadas)

As vezes Neymar aparece 4 ou 5 vezes numa primeira página de alguns sites e outras mídias. Chega ao grotesco!

Ex: o Santos perde e a notícia (com foto) é: "Neymar e seus amigos assistem juntos o jogo do Santos"...

Hehe

 

 

Beleza! Jogador argentino tratando de forma não submissa, a bestial imprensa esportiva(aquela usa a palhaçada, para qualquer reportagem de futebol. como recurso imprescindível). Tomou na cara. Vou começar a apoiar todo jogador hermano que vier jogar no Brasil. Os nossos, são muito "boyzinhos", não a toa, temos as famosas marias chuteiras. Um espetáculo de horrores. Filhos gerados pelos deslumbrados boys tupiniquins, que, depois, se arrependem e, por vezes, com graves consequências.

 

Existiria algum motivo para deixar de aproveitar QUALQUER oportunidade para bater na Globo? Como alguém já disse antes, é dever moral do cidadão de bem criticar esse subproduto da ditadura. Está no DNA da Globo a cultura do autoritarismo, manifestado nos comportamentos arrogante, boçais ou impertinentes de seus dirigentes, artistas, jornalistas, repórteres, apresentadores e do Bozó!

 

"Ah, os que quisemos preparar terreno para a bondade não pudemos ser bons. Vós, porém, quando chegar o momento em que o homem seja bom para o homem, lembrai-vos de nós com indulgência." Bertold Brecht

Essa imbecilidade de pedir música pra quem faz mais de três gols numa só partida de futebol faz parte do pacote “joão sorrisão” da globo. 

 

A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória.

Se eu fizesse os 3 gols eu pediria uma música.


Agora, se o jogador não quer, bastaria acatar o não.

 

"El dia em que Herrera silenciou a Rede Globo", Xico Sá

 

 



A semana já começa com um #mito nacional definido. E herói bom é herói argentino.El dia em que Herrera compôs um tango desobediente com Amy Winehouse, acompanhe o meu raciocínio em preto & branco para uma segunda de ressaca. Herrera aqui não é celebrado por ter feito três gols no tricolor paulista. Longe disso, embora meu corvo secador, botafoguense doente, tenha crocitado no seu luxuoso poleiro. Não por isso, agourento Edgar, minha estimada ave, me dê outros motivos. Por uma outra razão mais edificante, e pedagógica, já abrimos a segunda-sem-lei com a escolha de Herrera, boleiro do time da Estrela Solitária, como o mito da semana. Acho sensacional essa ideia do mito de 15 minutos. Obra do artista norte-americano Andy Wahrol que encontrou nas redes sociais a plantação perfeita. O maná virtual que adubando tudo dá. Convidado por um repórter da “Tv Globo”, no dever do seu nobre ofício, a escolher uma música no programa “Fantástico”, o argentino se recusou a indicar a “canción”, ao contrário de todos os colegas de profissão, que babam para pedir um pagode mela-cueca ou um gospel nesse momento de glória.Quem marca três gols tem o “privilégio”. Bem que Herrera poderia pedir um tango de Gardel –La noche que mi quieras-, uma milonga dos tempos do Rosário Central, um rock argentino do Attaque 77 etc etc. Herrera bancou a Amy, que era botafoguense sem saber-se alvinegra, e disse simplesmente: “I no, no, no”. Rehab Futebol e Regatas. Herrera pediu silêncio à Rede Globo, como uma espécie de Leonel Brizola ludopédico. Bacana que no país da manada obediente, principalmente no futiba, um boleiro não caia na graça dos Joões Sorrisões. Herreza fez a Amy. Foi o bastante para que a conspiração do boteco fervesse: o atacante alvinegro vai pagar caro por isso. Como se o Botafogo precisasse de castigo da Globo, dona das transmissões do futebol no Brasil, ou de qualquer outra entidade mitológica. Botafogo é o que nem Dostoievsky imaginaria no seu “Crime e Castigo”. Ora, ora, o time da Estrela Solitária é castigado com ou sem desobediência, desde nascença. É sina. Mas largou com cara de campeão deste ano. Senti firmeza. Mesmo que não jogue bola daqui até dezembro, tem dois grandes méritos: Herrera e o uruguaio Loco Abreu, os mais esclarecidos boleiros em atividades no país. P.S. Falar no assunto desobediência, vos comunico: o prezado amigo Afonsinho, por coincidência craque também do Botafogo, escreve agora na “Carta Capital”, em diálogo permanente com Sócrates, seu colega de Medicina e de consciência, ex-articulista da mesma publicação.
Boa semana a todos e que a ressaca da segundona, moral ou física, nos seja leve.

 

 

 

 


Atitude digna do jogador!

 

Armando do Prado

Esse repórter, chamar o jogador de babaca? Mais tarde, ele apagou o texto no twitter.

 

Repórter da Globo chama Herrera de "babaca" 

 

 

 

E futebol é uma coisa séria ? 

Futebol é diversão mas "globofobismo" não deixa ver condenam por que a cobertura de um espetáculo não é sério.

 

"Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta." Nelson Rodrigues.

Pior é ser globófilo, já que a "empresa jornalística piguenta" está se lixando para vc também...

(mas já está e estará cada vez mais preocupada com os globófobos)

 

"globofobismo"

 

Gostei do termo ... confesso eu tenho Globofobia!!!  afinal ela mente, distorce manipula, inventa .... é anti-nacionalista, anti-democratica ...

é um cancer que tem que ser extirpado, junto com suas irmãs de crime, folha, estadão e veja...

 

alexandre toledo

Eu também tenho "grobofobia"

, Alexandre, pelos mesmos motivos que vc descreveu.

Só não concordo com esse seu escudinho...

 

kkkkk respeito com o gigante da colina!!!!!

 

alexandre toledo

Essas brincadeirinhas da Globo já havia irritado outro jogador, o Hernan Barros que chamou o reporter da Globo da babaca por que não gostou de ser comparado ao Zé Ramalho.

 

"Just when I thought I was out... they pull me back in"

É por essas e outras que a anos não assisto a Globo. Não gosto de ser tratado como um débil mental.

 

Foi mal, galera, achei desnecessário. O lance da musica é uma brincadeira, nao tem nada demais.

O jogador foi grosseiro - ou entao nao sabia do que se tratava.

 

quando eu lí essa materia ontem já dava para imaginar esses comentarios, realmente é de uma pobreza de espirito, o odio para com a globo os torna infantis, o argentino simplesmente não entendeu do que se tratava e por isso recusou, afinal de contas, a musica seria uma homenagem ao seu feito!  

esse escrivinhador e mesmo um ressentido!!!!!!

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

O Mário é o Bablaya, digo, Cacaya da tv Globo.

 

Kid Prado

O "ódio" pela Globo não é maior do que o desprezo, o desrespeito e o "ódio" que ela tem pelo povo (brasileiro, pois há outro ao norte que ela respeita, admira e exalta)...

 

É Blaya, pedir músiquinha, quem sabe uma da Xuxa, para aproveitar e fazer propaganda da entrevista da dita cuja no mesmo programa, seria muito adulto, não?

 

Juliano Santos

O pior é que esse jornalismo engraçadinho da Globo faz escola e pelo que observo na programação esportiva da Record, a transmissão das olímpiadas tende a seguir o modelo "oba-oba".

 

Parabéns,  Herrera  !  Ao  contrário  do  que  a  globo  e  seus  "comunicadores " (!!??)  pensam,  nem  todos os  jogadores  e  nem  todos  os  torcedores  de  futebol são  adeptos  de  babaquices....Que  aprendam  a  lição !

 

"Pra completar a noite, um repórter (de Esportes) da Globo resolveu atacar o Herrera. E escreveu o seguinte no twitter: “Golaço do Fantástico. Tratou com normalidade e humor, o babaca do Herrera.”

O nome do lambe-botas, baba-ovo ou, simplesmente, puxa-saco chama-se Marco Aurélio Souza. É do canal Sporttv/Globo.

Primeiro foi Loco Abreu, agora Herrera. Os hermanos platinos botafoguenses dando lição de não submissão aos interesses da Globo. Seria bastante interessante que políticos, artistas, juizes e outros seguissem o exemplo, sem medo do jornalismo retaliativo/manipulativo global. Falando em PC. Cajú, estava no Maracanã na sua estréia, Taça Guanabara de 1967, Botafogo 3 x 2 América.

 No lado do time de coração de Lamartine Babo, uma dupla de atacantes de respeito, os Coimbra. Edu e Antunes irmãos mais velhos do grande Zico. Na lateral esquerda Zé Carlos que faria história no Santos. Na ponta esquerda Eduardo que após o campeonato teve seu passe disputado por Boatafogo e Coríntians. Wadih Helú, presidente do Timão, trouxe a grana e levou o jogador. Mais ou menos nessa época o Coríntians levou também Paulo Borges do Bangú. Tudo para quebrar um jejum de títulos paulistas o que só viria acontecer em 1977.

No lado do meu time, na defesa Manga, Moreira, Zé Carlos, Leônidas e Valtencir.  No meio Carlos Roberto e o canhotinha de ouro Gerson. No ataque Rogério, Roberto, o furacão da Copa Jairzinho e de ponta esquerda fazendo o 4-3-3, o grande Paulo César Lima, Cajú. PC marcou os três gols da vitória com atuação espetacular. A estréia somente na final deveu-se a uma das muitas lutas de PC contra os cartolas.

Esse jogo Botafogo X América é um dos meus jogos inesquecíveis. Foi a estréia de PC, o primeiro título de Zagalo como técnico e minha primeira vez em final de campeonato. Neste mesmo ano o Botafogo foi campeão carioca derrotando o Bangú de Paulo Borges por 2 x 1.

PS1. Desse time do Botafogo, Leônidas, Gerson, Rogério, Roberto Jairzinho e PC Cajú foram convocados por Zagalo para a Copa de 70. Leônidas foi cortado por contusão ainda no Brasil. Rogério que era titular foi cortado no México. Gerson em 1970 já era jogador do São Paulo.

PS2. Com o corte de Rogério, Zagalo deslocou Jairzinho para a ponta e convocou o falastrão Leão, goleirodo Palmeiras.

PS3. Se o campeonato acabasse hoje, o Fogão seria campeão invicto e com o artilheiro da competição. Da-lhe Fogo!!!

 

Nassif

Tai uma sacanagem argentina que devemos aplaudir.... tenho certeza que até o coitado do reporte que segue a maldita pauta gostou....

Valeu....

 

Mário Mendonça

A Globo faz cobertura de futebol profissional. Jogadores de futebol e profissionais da área ganham a vida com aquilo ali, e o drama subjacente é óbvio. Trata-se de coisa séria, como é qualquer atividade profissional.

A este propósito, seria de interesse conhecer a reação de Escobar (ou daquele irmão do Oscar que aparece no Fantástico), quando, por exemplo, após demitido da Globo, fosse entrevistado por repórter falsamente engraçado, debochando publicamente de seu revés. Ou se aproveitando de seu sucesso, banalizando a conquista e, mesmo, menosprezando-a.

O engraçado de São Paulo, o tal de Tiago Leifert, não gostou quando, após ter dado uma mancada, foram engraçadinhos com ele.

Há, por parte do jornalismo esportivo da Globo, falta de respeito com a categoria profissional, e o sindicato deveria sair em defesa da classe (e, também, desta importante manifestação cultural do povo brasileiro que é o futebol).

O jornalismo esportivo da Globo age com desprezo pelo futebol e pelos profissionais da área. Parodiando Vinícius, fazer futebol não é contar piada.

 

 Por que só jogadores estrangeiros têm coragem de enfrentar a Globo: Petkovic, Loco Abreu, Barcos e ontem o Herrera?

 

E se um jogador pedir “Apesar de você” do Chico? Eles mostram?

Ah não! Desculpe-me. Seria pedir de mais a um jogador de futi.

 

Digamos que este post é um desperdício de tela...

Que importância tem o Herrera não pedir música?

Que importância tem o Herrera?...

 

Como diria o Obama:

Não é o Herrera, Imbecil é o modo de fazer jornalismo fazendo dos jogadores marionetes.

 

Concordo plenamente com você.

 

Pelos outros comentários, vc deverá perceber que tem bem mais importância do que o seu...

 

A questão não é o Herrera, e sim o jornalismo circense dos últimos anos. Esqueceram-se completamente de que são jornalistas, antes de tudo. Esporte é apenas mais um ramo do jornalismo e deve ser coberto da forma mais profissional possível. Ninguém pensa em pedir música pra economista, soldado em um campo de batalha, manifestante ou político. Então por que pede-se para jogador?

 

O fantasioso não é uma alternativa ao racional, pois baseia-se no delírio de uns e na ingenuidade de muitos.

E que importância tem vc? Se não gostou do post, então suma! Não farás falta.

 

Clap, clap e clap. Um  perguntou se queria a música e outro não quis pedir Nada demais. Não tem nada a ver com o episódio do Barcos, que foi absolutametne desnecessário e repórter mereceu a estilingada. Cada bobeira para atingir a Globo...

 

É triste constatar que só jogadores argentinos e uruguaios têm coragem de peitar a Globo.

O melhor foi o comentário do blog kibeloco, sugerindo que o Herrera pedisse o tema de abertura do Xaves (SBT). rs -- Aí sim, seria legal!

Dá pra sacanear muito a Globo com alguma critividade e deixá-los numa tremenda saia-justa.

 

Está insuportável a cobertura esportiva da globo! Depois ficam aturdidos quando enfrentam movimentos do tipo "cala a boca galvão". Querem pautar tudo, como pagam aos cartolas pelas transmissões, acahm que compraram o pacote inteiro, inclusive a dignidade dos que ainda a possuem.

 

Discordo! Discrepo ! Divirjo!

A narração do futebol, pela TV Globo, na minha opinião, é péssima. Os locutores gritam o tempo todo ( gritar é a marca de toda a programação da Globo) repetem chavões,são pródigos em obviedades. Quando não há transmissão por outro canal, assisto o jogo sem volume. Aliás, não preciso de alguém que explique aquilo que estou vendo. 

 

eu deixo a tv sem volume e escuto a radio guaíba pela internet, mesmo com 20 segundos dedefasagem entre a imagem e o som. é bem melhor que escutar essas idiotices e as opiniões parciais tanto da band como da rede lodo.

 

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

 Frede69

É isso mesmo! Na final emnte Chelsea e Bayern Münche era ridícula a torcida do galvão ruineno pelo Chelsea! O agouro foi tanto que até penalidade máxima o time alemão perdeu! Vai ser agourento assim lá em Mônaco!

 

Sá e Benevides, Frederico


Dou razão a vocês dois. A narrativa destes babacas é como se estivessem transmitindo pelo rádio. A maioria não conseguiu até hoje criar uma narrativa adequada para a televisão e teimam em narrar no estilo de Valdir Amaral, Antônio Cordeiro e Jorge Curi. Ficar descrevendo cor de camisa (alguém ainda assiste futebol em tv p&b?), que a bola saiu pela lateral ou pela linha de fundo e outras informações inúteis como se ainda não soubessem que "a imagem vale mais que mil palavras". Quanto a isto, ele ficam tentando empatar...

 

Kid Prado

Pequenos detalhes, insignificantes ao grande público mas evidencia o autoritarismo da grande mídia, liderada pela Globo. Disso, inferimos também, uma interpretação para sua aversão, espécie de pavor, à regulação das mídias. Pena que o episódio, emblemático e didático, não atinge as massas a quem oportunamente poderia ensinar como ricos ficam mais ricos e a pobreza, ainda que remediada, prospera nessa terra de contrastes.

Como seu "reclame", globo e você, tudo haver... E viva o Brasil!

Re: Jogador rejeita brincadeira da Globo
 

Assim como os políticos, outros profissionais que dependem da visibilidade midiática para "se dá bem " sentem-se coagiodos e chantageados. Submetem-se a vexames, tipo se vira nos trinta: imitam animais, dão cambalhotas, cantam, dançam, oferecem músicas, fazem caretas. Pagam toda sorte de "mico".

Alguns (raríssimos) além de profissionais são dignos, verdadeiramente, homens e mulheres. Afirmam-se.

Barcos e Herreras tem minha admiração.