newsletter

Pular para o conteúdo principal

New York Times fala da presença brasileira na África

Do Estadão

New York Times:  Brasil expande negócios e influência ao ajudar África

Sílvio Guedes Crespo

Os projetos brasileiros de ajuda à África têm aumentado a influência do País no continente e ajudado empresas a fechar negócios, segundo uma reportagem do “New York Times“.

“O Brasil, país com maior número de afrodescendentes, está aumentando sua presença na África, na indústria, na infraestrutura e no comércio”, afirma o jornal na primeira página, sob a chamada “Brasil se afirma na África”.

O País destinou US$ 23 milhões para construir uma fábrica de medicamentos contra Aids em Moçambique, onde 2,5 milhões de pessoas têm a doença mas apenas 300 mil têm acesso à droga que a fábrica produzirá.

No Kenia, o Brasil ofereceu um empréstimo de US$ 150 milhões por meio do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para construção de estradas e mais US$ 80 milhões para ajudar a mecanização da agricultura local.

Projetos como esses abrem espaço para a entrada de empresas brasileiras no países. O New York Times afirma que a Odebrecht, por exemplo, já é um dos maiores empregadores da Angola, a Vale está investindo US$ 6 bilhões no setor de carvão em Moçambique e o banco BTG Pactual lançou um fundo de US$ 1 bilhão para investir na África. A corrente comercial entre o Brasil e os países africanos cresceu de US$ 4,3 bilhões em 2002 para US$ 27,6 bilhões em 2011.


Atualmente, 55% do US$ 1 bilhão desembolsado pela Agência Brasileira de Cooperação, do Ministério das Relações Exteriores, são destinados à África.

Além do aspecto comercial, existe a cooperação que aumenta a influência diplomática. O País tem hoje 36 embaixadas no Continente Africano – mais do que, por exemplo, o Reino Unido – e agendou para este ano a abertura da 37ª, no Malawi.

Na Angola, um acordo de segurança assinado recentemente tem o objetivo de expandir o treinamento de militares do país africano no Brasil.

O Times acredita que, diferentemente de outros países latino-americanos, como Venezuela e Cuba, que se baseiam em uma espécie de solidariedade entre países em desenvolvimento, “a crescente presença do Brasil na África é mais complexa, envolvendo a ambição de transformar o País em uma potência econômica e diplomática.

A reportagem aponta, ainda, críticas às incursões do Brasil na África. Por exemplo, por causa da aproximação do País com líderes associados a violações de direitos humanos, como é o caso do presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Mbasogo.

Outra crítica vem de jovens africanos que participam de um projeto para estudar no Brasil. Alguns reclamam de discriminação no País. O moçambicano Eleutério Nhantumbo, que ganhou uma bolsa para estudar no Rio, disse que estava saindo de uma loja e foi abordado por policiais, que lhe pediram para levantar a camisa. Quando perguntou por que estavam fazendo, conta o estudante, ouviu como resposta um insulto racista. Os policiais perguntaram, ainda, de onde ele era. Depois que respondeu, os policiais teriam dito: “Onde é Moçambique?”. “Eles não sabiam que existe um país chamado Moçambique”, afirmou Nhantumbo ao jornal.

http://blogs.estadao.com.br/radar-economico/2012/08/08/new-york-times-br...

Abaixo, o artigo do N.Y. Times, na íntegra :

Brazil Gains Business and Influence as It Offers Aid and Loans in Africa

 



                                    Issouf Sanogo/Agence France-Presse — Getty Images 

In Luanda, Angola, construction workers for the Brazilian company Odebrecht, which is among Angola’s largest employers.

By 

RIO DE JANEIRO — In Mozambique, Brazil’s government is opening a plant making antiretroviral drugs to fight the AIDS epidemic. Brazil is lending $150 million to Kenya to build roads and ease congestion in the capital, Nairobi. And in Angola, West Africa’s rising oil power, a new security agreement seeks to expand the training of Angolan military personnel in Brazil.

Brazil, which has more people of African descent than any other country outside of Africa itself, is assertively raising its profile again on the continent, building on historical ties from the time of the Portuguese empire.

The array of aid projects and loans recently extended to African countries points both to Brazil’s ambitions of projecting greater influence in the developing world and to the expanding business allure of Africa, where some economies are rapidly growing even as parts of the continent still grapple with wars and famine. The charm offensive is paying off in surging trade flows between Brazil and Africa, growing to $27.6 billion in 2011 from $4.3 billion in 2002.

“There’s the growing sense that Africa is Brazil’s frontier,” said Jerry Dávila, a historian at the University of Illinois who has written extensively about Brazil’s inroads across the South Atlantic Ocean. “Brazil is in the privileged position of finally reaching the institutional capacity to do this.”

Brazil’s forays into Africa are similar to the ambitions of other rising powers, like Turkey, which has established its sway in the Arab world, and India’s promotion of its culture across Asia.

The prominence given to Africa also reflects Brazil’s shift from aid recipient to provider. Big development challenges persist in Brazil, including woeful public schools and a sharp economic slowdown this year. But Brazil is a major agricultural exporter that recently surpassed Britain as the world’s sixth-largest economy, and it now boasts more embassies in Africa than Britain does — a notable change from when Brazil relied on foreign aid in the 1960s, largely from the United States, to alleviate hunger in the country’s impoverished northeast.

Africa now accounts for about 55 percent of the disbursements by the Brazilian Cooperation Agency, which oversees aid projects abroad, according to Marco Farani, the agency’s director. Altogether, including educational exchanges and an expanding loan portfolio, Brazil’s foreign aid exceeds $1 billion, he said. Big portions of Brazilian aid also go to countries in Latin America, and there is a smaller focus on East Timor, the former Portuguese colony in Southeast Asia.

“We still have a smaller foreign aid profile than other some countries, but we’re learning how to do cooperation,” Mr. Farani said.

Brazil still trails other nations, notably China and the United States, which have far more expansive aid programs and trade in Africa. Elsewhere in Latin America, Venezuela and Cuba have offered different ways of enhancing African ties. Venezuela organized a 2009 summit meeting of African and South American leaders, in which President Hugo Chávez tightened an alliance with Libya’s leader at the time, Col. Muammar el-Qaddafi.

During the cold war, Cuban troops supported Communist governments in Africa. In Angola, this mission included the seemingly paradoxical task of protecting a Chevron oil complex at the same time the United States was supporting an insurgency against Angola’s leaders. More recently, Cuba has sent thousands of doctors to Africa.

But while the Cuban and Venezuelan efforts have largely prioritized developing-world solidarity with some African nations, Brazil’s growing foothold in Africa is more complex, involving ambitions to forge Brazil into a diplomatic and economic powerhouse.

After a surge of openings of diplomatic missions over the past decade, Brazil now has 36 embassies across Africa, and hopes to open its 37th in Malawi this year. Brazil is already using this presence to bolster its actions on the world stage, sending jets to fly delegations from Sierra Leone, Liberia and Cape Verde to the United Nations Conference on Sustainable Development, which was held here in June.

Other projects are intended to lure Africans to study in Brazil. A new university began offering classes last year for students from Portuguese-speaking countries, including Angola, Guinea-Bissau, Mozambique, and São Tomé and Principe.

Since Brazil does not need to import large amounts of oil or food, its plans in Africa differ somewhat from other countries seeking greater influence there. Outreach projects tie largely into efforts to increase opportunities for Brazilian companies, which sometimes work with Brazil’s government in offering aid.

Some of Brazil’s biggest inroads, predictably, are in Portuguese-speaking countries like Angola, where the Brazilian construction company Odebrecht ranks among the largest employers, and Mozambique, where the mining giant Vale has begun a $6 billion coal expansion project.

But Brazilian companies are also scouring other parts of Africa for opportunities, putting down stakes in Guinea and Nigeria. A leading Brazilian investment bank, BTG Pactual, started a $1 billion fund in May focused on investing in Africa. New links are also emerging, including Brazilian farming ventures in Sudan; a flight from Addis Ababa, Ethiopia’s capital, to São Paulo; and a fiber optic cable connecting northeast Brazil to West Africa.

Some of Brazil’s forays in Africa have come with complications, including criticism of warming ties with leaders connected to human rights abuses, like Equatorial Guinea’s president, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo. A freedom-of-information measure has enabled journalists to delve into African arms deals by Brazilian companies, including the sale of cluster bombs to Zimbabwe.

African students studying in Brazil have filed numerous complaints describing slurs and aggression, complicating the myth of “racial democracy” that once prevailed here, in which scholars contended that Brazil had largely escaped the discrimination common in other societies.

In one episode here in Rio, Eleutério Nhantumbo, a Mozambican police officer with a scholarship to study public security at a Brazilian university, said he was stopped by police officers on one occasion. They ordered him to raise his shirt upon exiting a store on the suspicion that he had stolen something.

When he questioned why they had singled him out, he said the officers responded with a racial slur and warned him of addressing them without respect; hearing his accent in Portuguese, they queried him about his origins. “The police asked, ‘Where’s Mozambique?’ ” said Mr. Nhantumbo, 33. “They didn’t know that there existed a country with this name.”

Brazil, closely linked for centuries to Africa through shipping routes and the slave trade, is thought to have imported 10 times as many slaves as the United States did before slavery was abolished here in 1888. For a stretch in the 19th century, Brazil was the seat of the Portuguese empire, making the capital then, Rio de Janeiro, a nerve center for trade with Africa.

Those ties withered until civilian leaders sought to establish relations with newly independent governments in Africa in the early 1960s. That process cooled after Brazil’s military rulers seized power in a 1964 coup supported by the United States.

Then economic necessity and a quest to build autonomy from the United States laid the foundations in the 1970s for today’s diplomatic buildup in Africa. Seeking to offset spending on oil imports, including cargoes from Nigeria, military rulers set about opening new markets in Africa for Brazilian companies. They found some success, notably in newly independent Angola.

Brazil’s former president, Luiz Inácio Lula da Silva, built on those inroads in trips to Africa from 2003 to 2010, referring to the “historic debt” Brazil had to Africa in its formation as nation.

Taylor Barnes contributed reporting.

http://www.nytimes.com/2012/08/08/world/americas/brazil-gains-in-reaching-out-to-africa.html?_r=1

Sem votos
14 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+14 comentários

Da BBC Brasil :

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, animou a pista de dança durante um jantar promovido pela chanceler da África do Sul, Maite Nkoana-Mashabane.

Vídeo :

http://www.bbc.co.uk/portuguese/videos_e_fotos/2012/08/120808_hillary_danca_pai.shtml

A chefe da diplomacia dos Estados Unidos está em uma viagem por sete países da África, e um dos objetivos do tour é reforçar a presença do país no continente, diante da crescente influência política e econômica da China.

Hillary também assinou um acordo para tratamento de pacientes com Aids na África do Sul, país com a maior população de portadores de HIV no mundo.

 

 

Demarchi

Caro Nassif

“They didn’t know that there existed a country with this name.”!?

O leitor do NYT, 'profundo conhecedor de geografia', certamente se espantou com o policial brasileiro que desconhecia o Moçambique.

O imperialismo ianque começa na mídia corporativa. E o capachismo brasileiro também.

 

O futuro do Brasil depende muito do desenvolvimento da Africa.

 

Nosso governo aje como governo de país grande: todos eles estão com os olhos atirados na Africa. Basta ver quanto EUA-UE e China se digladiam pelo controle dos maiores países. A queda da Líbia, por exemplo, pode muito bem ser explicada nesse contesto.

Pequena que nossa direita seja tão imbecil que não ve quanto isso significa de oportunidades para o nosso empresariado, e critique diuturnamente nossa política exterior.

 

Eles não conseguem falar do Brasil sem fazer uma criticazinha. Mas seria melhor escolher outro assunto, pois criticar o relacionamento com ditadores que não respeitam os direitos humanos pode até ser correto, mas é o cúmulo da hupocrisia. Vamos falar das relações dos Estados Unidos com a Arábia Saudita?

 

A Arabia Saudita não é uma ditadura, é um Reino que ja nasceu com a Casa de Saud, uma monarquia teocratica, assim como o Kuwait, os Emirados, Catar. Não há um regime democratico  porque o modelo de Estado deles já nasceu assim, com raizes tribais e clânicas, baseadas na Lei islamica. Esses regimes não são democraticos e nem ditatoriais, são islamicos, fora da lei islamica há liberdade de ir e vir, não há repressão politica .

Não digo que é bom ou ruim, apenas constato, conheço todos esses paises e não há ambiente de ditadura, se vc não descumpir os ditames religiosos, ninguem lhe incomoda.

 

Bem...eu já digo que é ruim para grande maioria da população e ótimo só para os membros da realeza, seus asseclas  e para os EUA.  ora..... pois......pois........ senão, vejamos o que a própria ONU diz sobre os  direitos humanos.  O que assistimos  na Arábia saudita são punições pra lá de mediavais ( http://www.onu.org.br/execucoes-por-pena-de-morte-na-arabia-saudita-triplicam-em-um-ano-diz-acnudh/). E, aonde falta direitos humanos, onde o cidadão que "pensar fora da caixa" será violentamente reprimido, fica difícil ver a LIBERDADE que tanto pregoa.  Democracia??? Só para os caladinhos.  Esquisito né??  Mas, estando bem para os EUA....no final, como bem sabemos, é isso que importa.  Com a família real gastando U$10 bilhões da receita do país, só com gastos pessoais, podendo contar com o apoio integral do exército americano para bancar o status quo e reagir prontamente contra qualquer protesto que queira acabar com a graça do "do trono"...... matando e prendendo todos aqueles que se lançam contra o Rei.....realmente dá para garantir um bom período de paz.  Engraçado como são dois pesos e duas medidas, como sempre!!  Quando isto acontece em Cuba.......lá vem embargo, grito generalizado, o país não é democratico e todo o blábláblá que estamos fartos de ler e ouvir. mas, na AS, arrumam zilhões de justificativas para explicar que tipo de "democracia" existe no país.....trata-se de tudo, menos da óbvia ..... ditadura!!! 

 

Esse ano vai dar Dilma na cabeça!!

É.

Diferente da França, EUA ou Inglaterra que já nasceram democracias.

 

Existe uma espécie de embrião de mercado comum para o sul da África, um tal de SADC, composto por diversos países (http://pt.wikipedia.org/wiki/SADC), e que em termos populacionais é um pouco maior que o Brasil (190 x 210 milhões de habitantes), mas mais pobre.

E por aquelas bandas se ouviu uma citação como "olhando primeiro para os problemas africanos atuais e depois para o Brasil, veremos que o Brasil resolveu estes mesmos problemas há mais de 30 anos".

Traduzindo: sabemos resolver os problemas deles! E é um passeio para nós.   Só falta arrumar quem paga a conta.

E por lá existem países falantes do português !!

 

Seria tolice se uma nacao que quer se fazer grande, e fazer o jogo das grandes nacoes,  nao olhar para a Africa. Agricultores gauchos, sou catarina, ja estao na Africa, Angola, Mocambique, Chade,...plantando e colhendo soja e algodao ja ha' uma decada. Numa entrevista num destes "canais rurais" vi um migrante brasileiro na Africa afirmar que as terras de Angola sao iguais ou superiores as terras pretas da Ucrania. 

PS. outro dia vi documentario num destes Discoverys sobre pesquisas de sitios de terras pretas deixadas pelos nossos indios, sitios formados do meio do nada mas de alta produtividade, feitos pela acao humana, motivo de pesquisas de universidades brasileiras e americanas. Alguem tem informacao melhor?

 

Os Brics demonstrando ao mundo o que é crescer com cooperação, como crescer na troca justa, sem  expoliação. Uma forma diferente de globalização, como pedia o mestre Milton Santos. Espero que façam isso internamente.

 

Caro Assis, há um certo equívoco no seu comentário. ao afirmar que os Brics demonstra ser possível uma troca justa, sem expoliação é desconhecer os métodos escravagista adotado pela China e em menor escala pela própria Vale que não esta cumprindo o que foi combinado.Com reservas pontuais, não deixa de ser um imperialismo um pouco mais justo, mas assim é o capitalismo e sempre será, muda-se as fórmulas, permanece os objetivos.

 

Roberto M Almeida

Roberto.

Mandou muito bem, estava me referindo a um capitalismo "um pouco mais justo".

 

Assis, os chineses não respeitam seus  trabalhadores dentro de seu terriitório, o que podemos espererar que eles façam emum continente subdesenvolvido? O que a China faz é assegurar o quanto puder recursos naturais na África e America do Sul, e já passou da hora do governo brasileiro criar barreiras para conter esta expanção desenfreiada. 

 

Roberto M Almeida