Revista GGN

Assine

Novas regras na F-1 2011

Gostaria de levantar algumas coisas discutíveis sobre o novo regulamento da FIA para a temporada 2011 da fórmula 1. Ao longo dos últimos anos, a FIA vem tentando - ainda que de modo artificial - aumentar as condições de ultra-passagem da fórmula e evitar o "carrossel" que acontece do início ao fim dos grandes prêmios.

Vamos as mudanças (Todas são traduções livres do site da Fómula 1):

 - O artigo 39.1 que regia sobre ordens de equipe foi deletado. Porém, as equipes serão lembradas que qualquer ação passível de levar o esporte à má reputação será tratado sob o artigo 151c do código internacional de esporte (Internacional Sporting Code).

Esse artigo parece que nunca foi levado a sério. Até porque não rendeu nada para a Ferrari o escândalo no GP da Alemanha.

 - Alterações na lista de penalidades que os fiscais de prova (Stewards) poderão aplicar.

 - Revisões na direção e na condução do pilotos. 

Isso ficou muito vago. Mas fala-se muito da questão de espremer adversários contra o muro (Alô Rubinho), jogar adversários para fora da pista.

 - Um limite na largura da faixa da saída do pit-lane.

O Fast lane é aquela faixa na saída do pit-lane onde acaba a restrição dos 80 km/h dos boxes. Nas temporadas 2009 e 2010 vimos muitas disputas nessa faixa.

 - Introdução de regra que permita o diretor de prova fechar o pit-lane durante um GP por razões de segurança.

 - Reintrodução dos pneus intermediários para 2011.

Isso é só uma questão de nome. O pneu "intermediário" já existe e é usado.

 - Penalidades a serem aplicadas aos pilotos que não usarem ambas especificações de pneus para pista seca na prova.

 - As caixas de câmbio deverão suportar 5 corridas consecutivas, ao invés de 4 atualmente

Cara, qualquer regulamento que faça os projetistas coçarem a cabeça tem meu apoio. Não basta fazer algo bom, tem que aguentar.

 - Regra mais clara sobre o momento em que o monoposto pode ultrapassar o carro de segurança (safety car).

 - Refinamento no princípio do regulamento já aprovado sobre a asa traseira móvel.

Isso vai dar o que falar. Bem, esse ano de 2010, a Mclaren trouxe o conceito de asa-duto. Um duto colhia o ar na dianteira do carro e esse ar desviava parte do fluxo de ar que entrava pela abertura superior do carro para a asa traseira. Na asa traseira, há uma pequena abertura. Esse ar desviado meio que corta o vácuo da asa traseira e permite que o carro desenvolva mais velocidade final de reta.

A asa-duto (alguns chamam de F-duct) foi banido. Em compensação a organização trouxe a idéia da asa traseira ser ajustável durante a corrida. O como será ajustável, o quanto e o quando é a grande questão.

 - Melhor definição do plano de referência, reforço no teste de flexão das partes do carro, especialmente na parte dianteira do plano de referência.

Aqui eu peço ajuda para tentar descobri o que querem dizer com "plano de referência".

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vídeos

Veja o vídeo
F-duct explicado por Martin Brundle
Sem votos
4 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+4 comentários

Creio q a FIA desistiu de punir o jogo de equipe simplemente pq nao consegue segurar os interesses dos patrocinadores. O Santander, que alem de patrocinar a Ferrari tb patrocina varios GPs, pressionou muito pelo fim da regra.

Quanto as ultrapassagens, em 2009 os carros ganharam spoiler mais largos e o aerofolio ficou mais estreito, tudo com o intuito de manter a pressao aerodinamica quando o carro de tras esta colado na traseira do carro da frente. com a nova regra de 2009, o ar q passava pelo carro sairia sem turbulenca, bem como nao seria jogado para cima, permitindo o trabalho do spoiler do carro q vem atras. Todavia, os difusores duplos ou triplos acabaram por provocar muita turbulencia e desviaram o fluxo de ar para cima, o q impede o correto funcionamento do bico do carro de tras e consequentemente diminui a pressao aerodinamica.

 O acidente do Vettel com Button evidencia os maleficios dos novos difusores. A camera do carro do Vettel mostrou direitinho o momento em que Button da uma chegadinha p esquerda e o spoiler da Red Bull entorta quando recebe o ar limpo. Destaco q a Red Bull usava um spoiler novo, muito flexivel e dizem, fora do regulamento.

Me parece q os difusores duplos e triplos estao proibidos para 2011.

Quanto as pistas, dizem q as novas sao muito "Tilkadas", em referencia ao projetista Hermann Tilke. todas as pistas q Tilke projetou sao belissimas, mas praticamente impedem as ultrapassagens. Observo que em Monza (uma pista cheia de retonas), esse ano quase ninguem conseguiu ultrapassar, talves a culpa seja dos difusores, pq nao foi o Tilke q a projetou.

 

Em 2012 havera uma grande mudanca na F1, os carros terao motores menores e mais baratos, bem como havera o retorno do KERS. Os engenheiros ja estao quebrando a cabeca para contruir carros e motores que ja sejam confiaveis a partir do inicio da temporada de 2012, o trabalho é dificil pq as mudancas serao enormes!

Quanto a etica, isso jamais foi de grande relevancia no meio automobilistico e esportivo de um modo geral, os caras topam quase tudo por uma vitoria ou por um pouquinho de "cascaio".

para 2011 as espectativas sao por um bom contrato do Bruno Senna com qualquer equipe, menos a Hispania, uma boa potencia para o Cosworth do Barrica, uma chama para aquecer os pneus do Massa, a manutencao do "Disgraça" e um lugarzinho pro Razia, nem q seja como piloto de testes. Sem falar que entra ano e sai ano, estamos sempre no aguardo do nosso nono titulo mundial!

A F1 esta tentando mudar, mas tem muitas pessoas que querem manter como esta, é como o BR, devagar vamos melhorando! 

 

http://www.f1technical.net/forum/viewtopic.php?f=6&t=7348

...  "ambas sentencas descrevem a mesma dimensao mas a segunda eh mais facil de entender do que a primeira...

...  eh o fundo do chassi do carro..."

E vai por ai, en  conversa muito confusa e intragavel, mas o link mas tem desenho mostrando o que eh o reference plane, alem de definicao tecnica, no terceiro post.  Eh alguns centimetros acima do skid block (em caso de pneu furar, eh a barra que protege o carro na derrapagem).

 

Boa Ivan.

O reference plane é o fundo plano que começou a vigorar em 1983 para enfraquecer ou tentar acabar com o efeito solo.

A proposta sobre o reference plane surgiu das denúncias da Mclaren de que a asa dianteira dos carros da Red Bull envergavam. Os testes na asa foi reforçado e também foi realizado testes no assoalho.

O Skid Block pelo que entendo é a parte mais baixa do onde é alocado a madeira. Essa madeira não pode estar totalmente desgastada ao final da prova.

 

 

Formula 1 going hybrid - 1.6 liter turbos, KERS ... and compound turbocharging too

By Mike Hanlon

22:50 December 8, 2010

The 1988 McLaren MP4 was the most successful F1 car in history, winning 15 of 16 races.

The 1988 McLaren MP4 was the most successful F1 car in history, winning 15 of 16 races.

The world's most watched sporting series, Formula One, is set to announce a new greener formula later this week, which will take effect in 2013. The rule changes are expected to see the introduction of 1.6 liter turbo engines with more powerful energy recovery systems, reduced maximum rpm (from 18,000 rpm to 10,000 rpm) and fuel (flow and capacity) restrictions, and can be expected to further the sport's objective of encouraging R&D relevant to road cars. While the targeted 30% initial improvement in gas mileage will only improve the current obscenely wasteful 3 mpg to 4 mpg (approx 70 liters/100 km) in 2013, it will enroll the brightest automotive technicians on the planet in a quest for greater efficiency from our automobiles and that's a wonderful outcome.

No official announcements have yet been made, but indications leaking from the teams indicate that the new formula allows for a reduction of engine capacity from the existing naturally-aspirated 2400cc to twin turbocharged 1600cc four-cylinder engines with 3 bar boost and 10,000 rpm limit (currently 18,000), targeting a power output of between 500 and 550 bhp. The output from the Kinetic Energy Recovery System (KERS) is expected to be increased to 112kw (150 HP) for a total of 650 to 700 bhp.

The energy storage (battery, super capacitor or flywheel) capacity for the KERS is expected to be set at 2200 kJ, which will mean roughly 150 bhp extra for 24 seconds a lap.

Formula One is the pinnacle of human competitiveness in a sporting event. At the pointy end of the field, each team employs hundreds of employees to hover over computer screens monitoring every single suspension movement, and turn of a wheel whenever a car takes to a circuit. The amount of money spent in the quest for competitiveness is almost obscene. Toyota spent more than a billion dollars one year and didn't even win a race before it pulled out of the competition due to the financial drain, just as Honda and Ford had done before it.

Testing is so expensive to do in a Formula One car that on-track testing has been curtailed to reduce team costs. The bigger teams have circumvented this by building massively expensive simulators to enable drivers and engineers to refine their driving and engineering in a virtual environment. Valentino Rossi's almost instantaneous competitiveness once he sat in a real Ferrari F1 car has been attributed to the many hours he spent in Ferrari's simulator (sublime talents being a given at that level), while Lewis Hamilton commented this week on how happy he was with the MacLaren he will drive in 2011. He had not actually driven the car, but the simulator which gives him a realistic impression of the car had given him cause to make a positive statement to the press.

So while the number of people involved in Formula One might not number more than 10,000 in total, it includes many of the brightest minds and most ingenious problem-solvers, and hence the future of hybrid technologies and more efficient engines looks decidedly brighter than it did a week ago.

Another interesting tidbit which we have heard is that in the years subsequent to 2013, compound turbocharging will be allowed, further increasing the efficiency of the F1 engines. More on Friday when the FIA voting on the technical specification changes will be finalized, and stay tuned for some other interesting articles on the greening of other motorsport series over the next few days.

 

 

Follow the money, follow the power.