newsletter

Pular para o conteúdo principal

O arsênico no arroz norte-americano

Do Opera Mundi

Todos os tipos de arroz têm substâncias cancerígenas nos EUA, diz estudo

Agência norte-americana sugere que sejam estabelecidos limites de arsênico nos alimentos  

Todas as variedades de arroz e parte dos produtos derivados desse alimento contêm índices elevados de substância cancerígena nos Estados Unidos, conforme revelou nesta quarta-feira (19/09) o relatório da organização norte-americana Consumer Reports.

A investigação autônoma analisou mais de 200 amostras de produtos adquiridos em mercados nos EUA e descobriu que grande parte dos alimentos estava infectada por arsênico. De itens orgânicos a convencionais, sem glúten ou para crianças, nenhum tipo de arroz ou de derivados está livre da substância.

Cereais de arroz para crianças possuem pelo menos cinco vezes mais arsênico do que aqueles produzidos a partir de aveia. O arroz integral, por sua vez, apresenta maior presença do elemento químico do que o arroz branco. De forma geral, as pessoas que se alimentam constantemente com o cereal têm 55% a mais de arsênico em suas urinas do que aquelas que evitam o grão.

A substância foi encontrada em duas formas diferentes nos produtos analisados: orgânica, que consiste em seu estado menos perigoso, e inorgânica, quando está mais atrelada a ocorrência de câncer. Infelizmente, a pesquisa descobriu que o arsênico inorgânico, sua versão mais arriscada para a saúde humana, é o mais presente nos alimentos.

Tendo em vista os resultados de sua investigação, a Consumer Reports, que já mediu os níveis de arsênico em sucos industrializados, recomendou que a FDA (Administração de Alimentos e Drogas dos EUA) estabeleça limites da substância em produtos alimentícios. A organização, no entanto, deve lutar contra uma indústria bilionária no país.

 “Não existe nenhuma evidência documentada de efeitos reais adversos para a saúde da exposição de arsênico no arroz cultivado em solo norte-americano”, disse Anne Banville, vice-presidente da Federação de Arroz dos EUA, ignorando pesquisas médicas sobre o assunto. Banville afirmou que os benefícios do grão devem ser comparados ao risco do elemento cancerígeno.

“Nós já sabemos que alta concentração de arsênico em água potável resulta em um dos mais altos riscos de doenças a partir de substâncias tóxicas”, disse Allan Smith, que possui pós-graduação em epidemiologia na Universidade de Berkeley, na Califórnia. Em pesquisa, Smith demonstrou que o nível de arsênico na água do Chile e da Argentina causou câncer no pulmão, na bixiga e outras doenças. 

  

Sem votos
14 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+14 comentários

Bom eu vivo aqui nos Estados Unidos, mais esta agora, estao dizendo para comermos 2 dias de arroz por semana, e 3 porcoes por semanas de barras energeticas ou produtos que levam arroz, e as crianca e bebes que usam formulas 1 porcao ou 1/4 de xicara de arroz por sermana. A contaminacao foi feita com uma antecedente plantacao de Algodao , na qual foram aplicados arsenico nela, e como o arroz capta o arsenico mais rapidamente que outros produtos...FDA agencia Americana regulamentadora, disse que por enquanto nao ha problema... dizem que o arsenico inorganico e mais perigoso do que o organico, pra provocar um cancer, mas ja ha indicios de riscos no organico tambem . Uma coisa me deixou perplexo, como o FDA ou as Univeresidades Americanas e que eles ainda nao sabem se o arsenico vai sendo acumulado do nosso corpo ou se e eliminado e quanto...uma coisa eu sei e que as criancas sao as de maiores riscos...

 
 

Demarchi

Desculpem, esse vídeo era para o Post sobre os transgênicos.

 

Demarchi

http://www.youtube.com/watch?v=K-StHgk-QIw&feature=player_detailpage#t=122s

 

"Estudo inédito, por sua duração, e inquietante por seus resultados, prova o perigo de um milho trangênico da firma Monsanto. Três ministros franceses exprimiram sua preocupação". 

 

http://bit.ly/UsPkHh

 

https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-snc7/s480x480/303145_1...

 

Amoral Nato

Estudo encontra arsênico em fórmulas infantis e barras de cereais orgânicas vendidas nos EUA


Do UOL - 16/02/2012

Os pesquisadores detectaram níveis de arsênico em fórmulas infantis que têm como ingrediente o xarope de arroz integral orgânico

  • Os pesquisadores detectaram níveis de arsênico em fórmulas infantis que têm como ingrediente o xarope de arroz integral orgânico.

Americanos que imaginam seguir uma dieta mais saudável pelo fato de consumir produtos orgânicos devem se preocupar: estudo publicado no periódico Environmental Health Perspectives mostrou que barras de cereais e fórmulas infantis que levam o rótulo de orgânicos contêm arsênico, substância que pode aumentar o risco de câncer.

O estudo apontou a presença do composto no xarope de arroz integral orgânico, ingrediente que em geral é usado como alternativa mais saudável ao xarope de milho.

Foram analisadas 17 fórmulas infantis, 29 barras de cereais e três energéticos para atletas comprados em lojas de orgânicos de New Hampshire. As marcas não foram divulgadas no estudo, por isso não há como saber se alguns desses produtos são vendidos em lojas brasileiras.

Os resultados indicam que algumas barras de cereais têm concentrações 12 vezes maiores que o limite permitido pela Agência de Proteção ao Meio Ambiente do país para a água, de 10 partes por bilhão (ppb).

A exposição crônica ao arsênico é associada a risco de câncer de bexiga, pulmão e pele, além de diabetes e doenças cardiovasculares, segundo a agência.

O pesquisador Brian Jackson, do Darmouth College, em Hanover, afirmou que não está claro se a quantidade de arsênico presente nos derivados do arroz pode ser prejudicial à saúde, mas a presença do composto em alimentos infantis preocupa. Ele recomenda que pais evitem comprar produtos com o ingrediente.

Duas das fórmulas infantis que possuem o xarope de arroz integral como base apresentavam níveis de 20 a 30 vezes maiores que o de outras marcas.

Vinte e duas das barras de cereais continham pelo menos um derivado de arroz, e níveis de arsênico que variavam de 23 a 128 ppb. Os produtos que não possuem arroz na formulação apresentaram níveis bem menores, de 8 a 27 ppb.

Em relação aos energéticos para atletas, todos continham xarope de arroz integral na fórmula e apresentavam de 84 a 171 ppb de arsênico. Se uma pessoa consumir quatro desses produtos vai ingerir 10 microgramas de arsênico, quantidade equivalente a um litro de água com as concentrações máximas permitidas do composto.

Arroz

O arsênico ocorre naturalmente no meio ambiente e também pode ser resultado da atividade humana, já que alguns pesticidas contêm a substância. A planta do arroz absorve arsênico com muita facilidade, não só por sua fisiologia, mas também porque áreas cheias de água, onde ocorrem as plantações, são mais propensas a apresentar o composto.

Outra pesquisa recente, feita por Andrew Meharg, da Universidade de Aberdeen, na Escócia, mostrou que o arroz produzido nos EUA (especialmente no sul) tem um dos níveis mais altos de arsênico do mundo, e alertou que fórmulas infantis vendidas no país são feitas com esse alimento.

É considerado comum que o arroz contenha 100 ppb de arsênico, mas foram encontrados níveis acima de 2.000 ppb em amostras adquiridas nos EUA e no Japão.

A quantidade de arroz consumida capaz de afetar a saúde é desconhecida. Mas estima-se que ingerir 10 gramas de arsênico ao longo da vida aumente o risco de doenças como câncer. Para alcançar essa quantidade, seria preciso comer uma tonelada de arroz.

O FDA (Food and Drug Administration), órgão que regulamenta alimentos e drogas nos EUA, afirma que limita a quantidade de arsênico na água e considera o assunto uma questão de saúde pública. Ainda que os níveis encontrados no arroz sejam maiores que os achados na água, é muito difícil que alguém consuma o alimento na mesma proporção que bebe água.

http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2012/02/16/e...

 

Demarchi

Pergunta fundamental mesmo, Rebolla.

De onde vem esse arsênico? Pesticidas? Herbicidas? Ou os americanos deram o maior azar, e o solo lá é rico em arsênico?

E por aqui, como é que anda a coisa?

Particularmente, desconfio do uso exagerado de agrotóxicos. A agricultura lá é intensiva, baseada em grandes propriedades. Via de regra, isso significa uso intenso de diversos produtos químicos, de adubos a pesticidas/herbicidas. Seria interessante clarear esse ponto, se alguém dispuser da informação.

 

Calma aí. Há que se conhecer a pesquisa completa para saber a origem deste arsenio. O elemento é componente natural dos solos. Há que conhecer-se as diferentes variedades de arroz e a capacidade de transformar o elemento em organico ou inorganico. Todos estes dados estão disponiveis.

Não simplifiquem o tema, tão importante, com banalidades imediatas, por exemplo, como a postada acima.

 

A  história se repete ao longo da vida humana: cigarros, bebidas, drogas em geral, remédios que deformaram, anticoncepcionais que deixaram mulheres estéreis e, agora, os alimentos assenciais para vivermos contaminados. Somos cobaias, vítimas de gente gananciosa e sem qqer. tipo de escrúpulos.

 

Cigarros, bebidas alcóolicas e drogas em geral já eram consumidos muito tempo antes de conhecidos os seus riscos e a existência desta gente gananciosa...

Para os naturebas de todos os matizes lanço uma campanha para o personagem símbolo para a promoção da higiene em todos os aspectos da vida humana: Adolf Hitler.

Nada melhor do que ele. Antitabagista convicto, abstêmio, vegetariano, defensor das florestas e dos direitos dos animais e também não fornicava. Que pureza de espírito! Que criatura de princípios elevados. Agia assim na vida pessoal e na pública. Seus exemplo deveria ser adotado pelos defensores de Gaia, muitos deles em privado concordam, falta apenas a grandeza para assumirem publicamente.

 

Como se um assunto tivesse a ver com outro. Beba, fume, coma alimentos contaminados, fornique com qualquer um sem proteção e você não precisará do exemplo de Hitler para morrer bestamente.

 

Vera Lucia Venturini

Não é só nos EUA.

Assunto: ALERTA ARSÊNIO PARACATU-MGManifestação: Mineração de ouro a céu aberto em rocha arsenopirita, em Paracatu-MG produz grande quantidade de poeira que é levada pelo vento para áreas de cultivo e áreas habitadas rurais e urbanas. Contato com a população exposta mostra sintomas clássicos de envenenamento crônico por arsênio. Estamos mantendo informações no blog http://alertaparacatu.blogspot.com/ e tentando encaminhar um levantamento epidemiológico. Apreciaríamos atenção para o caso.

 

Um dia os consumidores, não produtores, que defendem o modismo, eficiência, produtividade, excedência, resumindo a industria do agronegócio, conseguiram entender

A fachada está desabando. As pessoas, a certa altura, terão de enfrentar algumas verdades doloridas e vão perceber que foram usadas enganadas.

 

"De itens orgânicos a convencionais..."

O post não disse como ocorre a contaminação do arroz pelo arsênico. Nos cultivos orgânicos não são utilizados fertilizantes e defensivos industriais. As principais questões são: qual a origem do arsênico presente no arroz americano? Já foi realizado algum estudo semelhante no Brasil?