newsletter

Assinar

O caso do dossiê Amaury

Para entender melhor o inquérito da Polícia Federal sobre a quebra do sigilo fiscal dos tucanos.

As investigações foram encerradas na semana passada, inclusive com a tomada de depoimento do repórter Amaury Jr por mais de dez horas.

A conclusão final do inquérito foi a de que Amaury trabalhou o dossiê a serviço do Estado de Minas e do governador Aécio Neves - como uma forma de se defender de esperados ataques de José Serra.

Em negociação com o Palácio, a cúpula da Polícia Federal decidiu segurar as conclusões para após as eleições, para não dar margem a nenhuma interpretação de que o inquérito pudesse ter influência política.

No entanto, a advogada de Eduardo Jorge - que tem acesso às peças do inquérito por conta de uma liminar na Justiça - conseguiu as informações. Conferindo seu conteúdo explosivo, aparentemente pretendeu montar um antídoto. Vazou as informações para a Folha, dando ênfase ao acessório - a aproximação posterior de Amaury com a pré-campanha de Dilma - para diluir o essencial - o fato de que o dossiê foi fogo amigo no PSDB.

Neste momento - segundo informações de repórteres de Brasília com acesso a investigadores - discute-se na PF a oportunidade ou não de uma coletiva para colocar as peças no devido lugar.

Aparentemente, a operação de Eduardo Jorge acabou sendo um tiro no pé. A partir de agora, não haverá como a velha mídia ignorar o inquérito e suas conclusões.

Média: 4.8 (61 votos)
295 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+295 comentários

Não constitui uma máxima do jornalismo que a liberdade de imprensa não é prerrogativa do jornal/jornalista e sim da opinião pública que tem o direito de ser informada em plenitude? Pois é... Caso ficasse comprovado que o PT/Dilma/Lula estavam envolvidos no caso, o Serra, Globo, Folha, Veja e todos estes meios de comunicação parciais e retrógrados não teriam feito a festa? Os fatos precisam ser publicizados e elucidados. Os eleitores têm o direito de saber!

 

Gostaria de aproveitar esse espaço para comentar de outra coisa tucana também: usando apenas informações públicas descobre-se uma farra do nepotismo no governo do serra - filhas de soninha e de secretario de habitação na secretaria do meio ambiente. Informações em   http://butecodoedu.blogspot.com/

 

02/09/2010

A CRONOLOGIA DA BALA DE PRATA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Preliminarmente, cabe aqui uma consideração. Para se entender a lógica desse episódio da violação do sigilo fiscal de Verônica Serra, a gênese de tudo e as entranhas da que seja, talvez, a mais bem-urdida trama de espionagem político-eleitoral jamais tentada, há que se raciocinar como um deles; há que pensar como um, digamos, operador das profundezas do subterrâneo malcheiroso em que se transformaram o entorno e o núcleo da entourage próxima a José Serra. Feita a ressalva, vamos à cronologia do bestialógico:

 2005 - Passado o ápice do mensalão, Serra avaliava que Lula seria reeleito em 2006. A partir daí, seguiu-se o roteiro de empurrar Alckmin para a derrota anunciada. Decidira-se desde aí, que a chance de Serra seria em 2010, quando Lula já não poderia ser candidato. Mas o núcleo da inteligência serrista, coordenado por Marcelo Itajiba, sugeriu um laboratório do que seria aplicado em 2010: o escândalo dos aloprados, em 2006, por pouco não derrota Lula. Mas o objetivo era esse mesmo: um teste, para ver se o método aplicado com sucesso em 2002 com o caso Lunus, implodindo a candidatura Roseana, poderia ser reeditado. A armação com o delegado Edmilson Bruno, levando a eleição presidencial para o segundo turno, mostrara a viabilidade do método.

 2008 - Com a articulação de Aécio Neves para o ser o candidato do partido em 2010, o staff de Itajiba começa a fazer um trabalhinho miúdo sobre o mineiro; coisa de pequena monta, que não inviabilizasse o apoio deste a Serra, no futuro, mas o suficiente para afastá-lo da disputa. Quando os esbirros de Serra na mídia lançaram a senha: Pó pará, governador! Aécio entendera que a turma era da pesada e não estava para brincadeiras. Nasceu aí o contra-ataque Aecista: Amauri Ribeiro Júnior, então em um periódico mineiro, encabeçaria o projeto do contra-ataque e municiaria a artilharia mineira. Essa batalha subterrânea duraria até o final de 2009, quando Aécio recuaria.

 2009 – Durante a batalha entre os dois grupos tucanos, Serra fica sabendo da farta e explosiva munição recolhida por Ribeiro Jr. O núcleo de sua equipe de inteligência, coordenado por Itajiba e que o acompanha desde os tempos do Ministério da Saúde, o adverte então: o material era nitroglicerina pura. Urgia providenciar um fogo de barragem, que pudesse ao menos minimizar o estrago quando o material viesse a público. Nasceu então, aí, nesse espaço-tempo, o hoje famoso dossiê “quebra de sigilo de Verônica Serra”! Notem que os personagens envolvidos na 'quebra de sigilo' são os mesmos do livro do Amauri: José Serra, Ricardo Sérgio de Oliveira, Gregório Marin Preciado, Mendonça de Barros e Verônica Serra (aí leia-se também Verônica Dantas e seu irmão, o querubim Daniel). Eduardo Jorge foi inserido aí como seguro. Próximo a FHC, mas não de Serra, EJ era o seguro contra qualquer atitude intempestiva de FHC, sabidamente não confiável, para que se mantivesse quieto quando a artilharia pesada viesse à tona.

2009 – Tomada a decisão, parte-se para o fogo de barragem. A parte mais fácil foi a montagem da 'quebra' de sigilo fiscal das vítimas. A incógnita, até agora, é que tipo de envolvimento tem o laranja Antônio Carlos Atella com a operação. Se é apenas mais um cavalo, o clássico operador barato, facilmente descartável, com acesso a algumas informações úteis e suficientes e lançador da isca fundamental: “Não me lembro quem foi... com certeza é alguém que quer prejudicar o Serra”. Ou se é alguém orgânico, um insider dos intestinos Itajibistas!

 2010 – Com a desistência de Aécio, o grupo fica com a arma na mão, à espera da publicação do livro. É aí que se opera a clivagem para o quadro definitivo que vemos hoje: não é suficiente esperar o ataque do Aécio, que pode não vir, já que o mineiro recolheu suas baterias para o front de Minas Gerais. É preciso partir para o ataque. Além de neutralizar o grupo de Aécio, jogar pensando na frente, em fubecar a campanha de Dilma Roussef. Reeditar o mesmo estratagema de 2006. Ganhar a eleição na mão grande. O delegado Onésimo (outro que acompanha o grupo desde os tempos do bureau de inteligência do Ministério da Saúde) seria despachado para contactar o inimigo. Pausa. Agora recortem os informes dos integrantes do ex-comitê de inteligência de Dilma: tanto Lanzetta quanto Amauri reportam que Onésimo sugeriu insistentemente ao comitê, a realização de ações de contra-inteligência contra Serra. O azar deles é que Amauri, jornalista macaco velho e com conhecimento da comunidade de informações, sentiu logo o cheiro de queimado e cortou, de pronto, as ofertas de Onésimo. Não houvesse a negativa de Amauri, o passo seguinte de Onésimo seria a oferta do dossiê (já pronto) com a quebra de sigilo fiscal dos 05 tucanos. Estaria pronta e armada a reedição do escândalo dos aloprados em sua segunda versão. A campanha de Dilma não resistiria. A versão dos aloprados de 2006, perto desta, seria pinto. Era o modo mais seguro de Serra se eleger presidente. Esse é o modus operandi de Serra.

Com a recusa do ex-comitê de Dilma em morder a isca, tiveram que refazer o plano. O PT aprendera com os aloprados de 2006. Dilma, nesse ponto, muito mais impositiva que Lula, decepa no nascedouro o comitê de inteligência. O projeto original se complicara. Com o dossiê pronto desde 2009, a solução era vazá-lo, aos poucos, para a mídia parceira. Primeiro, vaza-se o EJ. Cria-se uma comoção (se bem que EJ, como vítima, não ajuda muito). Depois, a conta gotas, vem o restante: Ricardo Sérgio, Marin Preciado e Mendonça de Barros. E por fim, a cereja do bolo: Verônica Serra. Observem que o momentum foi escolhido a dedo por Serra: a entrevista em um grande telejornal! De novo, a semelhança: em 2006, os pacotes de dinheiro do delegado Bruno saíram no Jornal Nacional, da Globo; agora, o momento 'pai ultrajado' de Serra, foi encenado no Jornal da Globo! A intelligentsia serrista já foi mais original.

Diante desse quadro, o leitor inquieto deve estar se perguntando: o que deve fazer o PT e a campanha de Dilma? Assistir, inertes, a mais uma escalada golpista, como foi a de 2006? Tentar fazer o contraponto em uma mídia claramente parcial, golpista e oposicionista, conforme confessou dona Judith Brito, diretora da ANJ? O que fazer? O governo sabe onde está o antídoto ao veneno golpista da oposição! Não sei até que ponto o jornalista Amauri Ribeiro Júnior está integrado à campanha de Dilma Roussef. Também não sei até que ponto vai o empenho dele em livrar o país do ajuntamento político mais nefasto que o infesta, desde a redemocratização. O fato é que o seu livro, Os Porões da Privataria, é esse antídoto! Esse livro, verdadeira bateria anti-aérea que pode abater o núcleo duro do tucanato ligado à Serra, e o próprio Serra, de uma só vez, pode ajudar o Brasil a virar uma das páginas mais negras de seu curto período democrático!

 

Alberto Bilac de Freitas

 Escrito por Alberto Bilac de Freitas Nobre às 19h34

 

Esse serra é muito cara de pau. O beijo dado no ecinho é o cumulo da desfaça-tez.

 

Recebi agora ha pouco um telefonema de minha sobrinha: ai tia (somos das antigas) a história do sigilo é mesmo fogo mui amigo do menino do rio x serra, exatamente como a senhora (bem antiga) havia me dito, ai tirei onda: sou bem informada leio uns blogs sujos e não preciso ver jn, mesmo porque não passa este tipo de noticia. Vai faltar pé de cebolinha, suicídio coletivo no ninho.

 

20/10/2010   DIRETO DO   C O N V E R S A   A F I A D AEsclarecimentos da Eletrobras à Folha de S. Paulo
Quanto aos questionamentos feitos pela Folha de S. Paulo, nesta quarta-feira (20/10), à Eletrobras, sobre o Programa Luz para Todos, esclarecemos que:

Quaisquer contratos e/ou aditivos, celebrados no âmbito do Luz para Todos, passa pela seguinte cadeia de análises e aprovação:

1.O agente executor faz e encaminha para a Eletrobras o programa de obras para avaliação e análise técnico-orçamentária;

2.O Programa é examinado na Eletrobras pelo Departamento de Engenharia de Distribuição;

3.A Eletrobras, após avaliação positiva, encaminha ao MME para análise, avaliação e aprovação;

4.O programa, após aprovado pelo MME, retorna à Eletrobras com carta autorizando a elaboração do contrato;

5.Na Eletrobras o programa vai ao Departamento de Administração e Investimentos para análise financeira;

6.Após, na Eletrobras, o programa vai ao Departamento Jurídico para análise, avaliação e elaboração do contrato, emitindo se aprovado;

7.Ainda, na Eletrobras, o programa, já com a minuta do contrato e Nota Técnica do Departamento Jurídico, vai ao Departamento de Negócios, na Diretoria Financeira, para elaboração da minuta da Resolução de Diretoria;

8.A Diretoria Executiva, de posse da minuta recebida, delibera sobre a matéria, remetendo o contrato, se aprovado, ao Conselho de Administração da Eletrobras;

9.O Conselho de Administração, após avaliação, análise e aprovação final, restitui toda a documentação à Diretoria Executiva da Eletrobras, que encaminha o contrato para assinatura.

Observe-se que, na cadeia de decisões, as mesmas não são tomadas isoladamente e ocorrem sempre ao abrigo de avaliações das áreas técnicas e decisões colegiadas.

O relatório da CGU, ao qual refere-se a reportagem, foi objeto de oitiva na Eletrobras, ocasião na qual a empresa ofereceu informações devidamente fundamentadas, baseadas em auditoria interna, vinculada ao seu Conselho de Administração, a respeito das questões apontadas pelo órgão de controle. Além disso, foram encaminhadas à CGU novas informações para efeito de reexame por parte daquele órgão.


Essas informações foram analisadas pela CGU, que, conforme Nota Técnica 1327/08, de sua Secretaria Federal de Controle Interno, manifestou-se conclusivamente no sentido de que as evidências obtidas nos trabalhos da CGU “não possibilitam caracterizar a ocorrência de dolo ou perfídia por parte dos agentes envolvidos”.


Assessoria de Comunicação Social

 

Os esclarecimentos da PF não foram muito esclarecedores.

A população é burra e não entende noticiário truncado, malicioso, viezado.

O Serra vai ganhar mais esta, porque trabalha na burrice da população.

O PIG vai jogar duro esta semana, somente um milagre elege a Dilma.

 

À quem interessa o sigilo fiscal??? Só mesmo à alguém que tem algo à esconder, isso não tem dúvida, quem eh direito nao tem nenhum tipo de segredo que nao possa ser conhecido, entao eh uma obrigação agora revelarem o que tinha no sigilo do Eduardo Jorge, o BRASIL precisa dessa informação, eh estranho fazerem tanta polêmica entorno desse assunto, só pode ter algo muito pesado aí, NITROGLICERINA PURA!!!!!!!!!!!!!!!!!

Parabéns para o jornalista Amaury Jr, antes pensava que o mesmo só se preocupava com o mundo do glamour na TV, mas ví que não eh isso, o mesmo eh um baita dum jornalista, e espero que o mesmo lançe em breve o livro que vai sepultar de vez os tucanos!!!

VIVA O BRASIL E OS BRASILEIROS DE VERDADE!!!!!!!!

 

A história está se revelando quase exatamente o que o Nassif havia explicado meses atrás. A diferença, é que quase todo mundo dos blogs sujos argumentou que a compra dos dados da receita era uma cortina de fumaça para se vacinar contra o livro do Amaury. Então a novidade é que foi o próprio Amaury que comprou os dados da receita. Fora isso, a interpretação que o Nassif tinha cantado está corretíssima. Agora vem a pergunta engraçada: se era notória a relação do Amaury com as neves de minas, a quem interesssaria puxar um peixe pequeno - a ligação do Amaury com o comitê da Dilma - sabendo que grudado nele haveria um tubarão tucano ? Afinal, isso separa aqueles que precisariam estar juntos para vencer a Dilma/Lula e produz, no caso de um vitória da Dilma - cada vez mais possível a confiar nas pesquisas - um derrotado e um brutus. Se o meu raciocínio conspiratório estiver certo, a vingança é um prato que se come frio mesmo e só me resta dizer que o chuchu da opus dei é um gênio. 

 

Da vontade de rir chamar PSDB de  direita(ou extrema direita).

 

Que coisa vergonhosa essa edição do Jornal Nacional.

Um insulto à inteligência do espectador.

Alguém precisa fazer alguma coisa, não é possível mais tolerar isso. Um manifesto, uma nota de repúdio, qualquer coisa.

A Dilma tem que denunciar a parcialidade da Globo, não dá mais pra ser "bonzinho".

 

Hoje 20/10/2010, a edicao mais manipulada da história do jn. Uma vergonha nacional. 

 

 

O PT tem q chutar o pau da barraca e cobrar isencao, antes q seja tarde. Tem q leva esta manipulacao toda ao programa da Dilma. 

 

Caro Nassif, não seria muito mais fácil para o PT, Grande Mídia, PSDB e etc. se o Jornalista viesse à público numa estrevista coletiva e exclarecia tudo.

Será que o Jornalista está sendo ameaçado e tem medo de contar a verdade em público. A Revista Veja não tem um mínimo interesse de desvendar esse caso, deve estar sabendo de algo que vai ser uma bomba contra o Serra.

Resta então as Revistas Carta Capital e a IstoÉ correr atrás desse caso, já que os demais órgãos de imprensa desse como não vão encontrar nada contra a Dilma estão se lixando para esse caso.

 

Nota de Itagiba:

"A assessoria de imprensa do deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) informa que o parlamentar protocolou notícia-crime no Departamento de Polícia Federal, no dia 10 de junho deste ano, dando conhecimento de sua iniciativa à Procuradoria-Geral da República, com o objetivo de que fosse instaurado, como veio a ocorrer, inquérito policial para apuração de crimes atribuídos a pessoas ligadas à pré-campanha do PT à Presidência da República.

Marcelo Itagiba solicitou a abertura do inquérito para “investigar os crimes de interceptação telefônica não autorizada, quadrilha ou bando, bem como de fortes indícios de fraudes a licitações com fins eleitorais” que teriam sido cometidos contra ele e o candidato do PSDB à presidência José Serra por integrantes da pré-campanha da ex-ministra Dilma Rousseff .

“Não sou araponga. Quando fui delegado fazia investigação em inquérito aberto, não espionagem, para pôr na cadeia criminosos do calibre desses sujeitos que formam essa camarilha inscrustrada no PT”, afirmou Itagiba, rebatendo as ilações de que estaria produzindo dossiês."

Camarilha incrustada! Cadê o Houaiss?

Amaury Ribeiro Jr. disse, em depoimento à Polícia Federal, que decidiu investigar Eduardo Jorge e outros membros do PSDB depois de descobrir que o deputado federal carioca estaria comandando um grupo de espionagem a serviço de Serra para devassar a vida do ex-governador de Minas e senador eleito, Aécio Neves (PSDB). Na época, Amaury era repórter do jornal Estado de Minas. Mais tarde, ao sair do jornal, teria se encontrado com um grupo de inteligência da campanha de Dilma Rousseff (PT), segundo o depoimento dado à PF.

Deu no USIG: http://ultimosegundo.ig.com.br/eleicoes/em+nota+itagiba+nega+ser+arapong...

Impressionante, a enorme variedade de manchetes sobre o mesmo fato. Mas a cronologia parece essa mesmo: resolveu investigar, pagou, recebeu, guardou para um livro eventual, fe por fim alou com o PT, se bem que não chegou a ser contratado.

E Serra com gelo na cabeça, apanhando de "petistas" arruaceiras. Uau. Recebi hoje minha cédula de eleitor de Nova York para votar in absentia. Ao lado do noticário brasileiro, aquele agitada cidade parece um vilarejo de Tibet! Antes do maoismo, quero dizer.

 

O jornalista Amaury Ribeiro Junior pode ter perdido a chance de desmacarar o Serra e ter evitado esta campanha intolerante, fascista, demagoga e mentirosa que é a campanha de Serra neste segundo turno. Com a publicação do livro, no momento previsto, a campanha do Serra iria para o bebeléu.

 

Agora os fascistas acordaram e estão preparando ataques e mais ataques à democracia.

Depois da eleição, talvez o Serra consiga uma liminar perpétua para impedir a publicação do livro. Que já deve estar sob júdice, pois os farsantes vão conseguir provar, através das notícias plantadas e falsificadas do PIG, que o autor do livro obteve informações por meios de fraudes e quebras de sigilo.

 

Clareza meridiana! Os blogs "sujos" contaram essa novela de fio a pavio. A PF só confirma aquilo que todo mundo já sabia. Só o PIG, altamente mal intencionado, e os "inocentes" que acreditam em Papai Noel, não sabiam que o jornalista, por causa de um processo movido contra ele, teve acesso a fontes privilegiadas e, a serviço de Aécio Neves compilou os dados para usar no momento oportuno. Só não sei que raio ele foi fazer na campanha da Dilma. Ao que tudo indica foi oferecer o material (armadilha?) que foi prontamente recusado.    

 

Se eu sofresse do coração estaria tendo um enfarte por conta desse jornal safado, mentiroso, que omite informações, que subestima a capacidade de pensar do povo brasileiro, que se chama serra, ops, jornal nacional.

 

Faltam dez edições apenas. Sabem que toda "repercussão" depende deste telejornal, mas hoje fizeram jornalismo.

É estranho, mas é verdade. O JORNAL NACIONAL foi o mais equilibrado possível na cobertura do caso.

Bem. Faltam nove.

 

Nào tem jeito.

O PT vai ter que colocar a íntegra dos fatos narrados pela PF com notas taquigráficas.

A band e o JN (por enquanto) creio que não "ouviram" a coletiva e passaram matérias eivadas de

erros para seus telespectadores.

 

FORA DE PAUTA

Pesquisa do Ibope publicada no Estado de São Paulo online:

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, está 11 pontos porcentuais à frente de José Serra (PSDB), segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada nesta quarta-feira, 20. A petista tem 51% das intenções de voto contra 40% de José Serra (PSDB). Votos brancos e nulos somam 5% e 4% não sabem ou não responderam.

 

Considerando-se apenas os votos válidos (excluídos nulos, brancos e eleitores indecisos), Dilma teria 56% contra 44% do tucano.

A petista quase dobrou a diferença em relação ao tucano registrada na pesquisa anterior, realizada entre os dias 11 e 13 de outubro. Naquele levantamento, Dilma tinha 49% das intenções de voto (53% dos votos válidos) contra 43% de Serra (47% dos votos válidos). No primeiro turno, a candidata do PT teve 46,9% dos votos válidos, contra 32,6% do adversário.

A pesquisa foi realizada entre os dias 18 e 20 de outubro e está registrada no TSE sob o protocolo 36476/2010. Foram realizadas 3010 entrevistas em 201 municípios de todo o País. A margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos.

 

A postura da advogada vai de encontro as normas éticas da OAB. A OAB tem que se manifestar e punir a advogada, suspendendo ou cancelando o seu registro. O uso indevido de informações contidas em processo para atacar terceiro é absurdo e amoral. A OAB tem que se manifestar! Cadê a OAB?

 

PHA ( conversa afiada)

Desbloqueia meu IP aí vai !!!

Prometo que vou me comportar dessa vez

Abs

 

Pare para pensar (e precisa?). É isso que você quer para presidente do Brasil? Um candidato que faz campanha suja, somente calúnias, difamações, acusações sem provas, traição de todo tipo, exploração da fé. Primeiro acusa Dilma de ser terrorista, depois vem corrupta, exterminadora de criancinhas, homossexual… Você quer essa coisa, traste dos trastes, vendilhão, presidente do Brasil? Se não quer ver o Brasil retroceder aos tempos de FHC tá na hora de ir a luta. Mostre a todos quem é esse crápula.

 

Saiu na CBN. IBOPE: Dilma com 11% de vantagem, considerando todos os votos.

 

http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/10/dilma-tem-56-dos-votos-validos-e-serra-44-aponta-o-ibope.htmlDilma tem 56% dos votos válidos, e Serra, 44%, aponta o Ibope Nos votos totais, Dilma registra 51% das intenções, e Serra, 40%.
Margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Do G1, em Brasília

imprimir

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (20) aponta a candidata do PT, Dilma Rousseff, com 56% dos votos válidos para presidente da República. O adversário da petista no segundo turno, José Serra (PSDB), aparece com 44%, segundo o instituto.

Como a margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, Dilma pode ter entre 54% e 58% e Serra, entre 42% e 46%. O critério de votos válidos exclui as intenções de voto em branco e nulo e os indecisos.

Na pesquisa anterior do Ibope, divulgada no último dia 13, Dilma aparecia com 53% dos votos válidos, e Serra com 47%.

A pesquisa ouviu 3.010 eleitores, de 18 a 20 de outubro. Encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo", está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número de protocolo 36476/2010.

Votos totais
Pelo critério de votos totais (que incluem no cálculo brancos, nulos e indecisos), Dilma Rousseff soma 51% das intenções de voto, e José Serra, 40%.

De acordo com o Ibope, as intenções de voto em branco e nulos acumulam 5%. Os eleitores que disseram não saber em quem vão votar são 4%.

Nos votos totais da pesquisa anterior do Ibope, do último dia 13, Dilma tinha 49%, e Serra, 43%. Brancos e nulos eram 5%, e indecisos, 3%.

 

Destas Eleições, nada como gargalhar da 'isenção' do semanário Veja (a revista que Lula não ler).

Que capa. Super-Aécio, o herói que vai salvar Serra.

Pena que ele não conseguiu desviar o rolo de papel que atingiu uma das carecas mais famosa do país (a outra é do Arruda). Acho que nosso herói das alterosas estava numa outra missão: a edição da bomba de Amaury Jr (vai voar pena de tucano para todo lado). Era uma vez um partido, partido pelos próprios: hecatombe nuclear.

Ainda bem que temos o segundo turno, pois o esgoto emergido da paulicéia desvairada começa a feder, para o bem do Brasil.

 

 

 

Re: O caso do dossiê Amaury
 

Alexandre Ramos

Sinceramente, não lia a Veja a muitos anos..mais de 10, mas tive a curiosidade de ver as notícias dos últimos desdobramentos...pensei que iriam tentar disfarçar, mas fiquei realmente crente de quê não tem limites!

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/pf-aponta-ligacao-entre-pre-camp...

Escândalo dos dossiês PF aponta ligação entre pré-campanha de Dilma e a quebra de sigilo de tucanos

Informações descobertas pela Polícia Federal reforçam a ligação do PT com a quebra de sigilo fiscal de pessoas ligadas ao PSDB. A investigação da PF sobre o caso detectou a conexão entre as violações de dados na Receita Federal e a pré-campanha de Dilma Rousseff à Presidência: o jornalista Amaury Ribeiro Júnior. Em maio, VEJA havia revelado que o pré-comitê de Dilma tentou montar um grupo para investigar a vida dos adversários, incluindo o presidenciável tucano José Serra, seus familiares e amigos.  

Como mostrou a reportagem de VEJA, o grupo de arapongas estava de posse de um documento que continha informações fiscais de Verônica Serra, Eduardo Jorge, Luiz Carlos Mendonça de Barros, Ricardo Sérgio e Gregório Preciado - os mesmos personagens que tiveram seu sigilo invadido em Mauá e Santo André, na Grande São Paulo.

Segundo reportagem desta quarta-feira do jornal Folha de S. Paulo, a PF concluiu que as informações a respeito dos dados fiscais dos tucanos foram encomendadas pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr. Ele foi um dos que participaram de uma reunião com o ex-delegado Onézimo de Sousa, que revelou ter recebido, durante um almoço com integrantes da pré-campanha petista, um convite para espionar Serra. Em depoimento no Congresso, Onézimo afirmou que Amaury garantiu ter "dois tiros fatais" contra Serra, mas não entrou em detalhes sobre o que isso seria.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, a encomenda foi confessada pelo próprio jornalista em depoimento prestado à PF na semana passada. Amaury disse ainda que pagou 12.000 reais ao despachante Dirceu Rodrigues Garcia para que lhe trouxesse os dados. Os agentes federais já haviam detectado o elo entre o jornalista e o despachante com base em ligações telefônicas interceptadas com autorização judicial. Garcia foi, portanto, o intermediador da compra dos dados obtidos com a violação dos sigilos fiscais. Após receber as ordens de Amaury, o despachante repassou o pedido ao office boy Ademir Cabral, que pediu ajuda ao contador Antônio Carlos Atella Ferreira para obter as informações.

Atella é o autor da procuração falsa utilizada para retirar os dados fiscais de Verônica Serra, filha de José Serra, e do marido dela, Alexandre Bourgeois, em uma agência da Receita em Santo André. O contador também é ligado ao PT. Ele foi indiciado pela Justiça e vai responder por falsificação de documentos. Já o jornalista Amaury pode ser indiciado por corrupção ativa e co-autoria da violação do sigilo fiscal.

 

A capa da folha on-line tá genial. Tem duas machetes e reportagnes contraditórias,.

Uma diz que a PF concluiu que quebra de sigilo era ligada a pre-campanha de Dilma

http://www1.folha.uol.com.br/poder/817213-policia-federal-liga-quebra-de...

 

e a outra que era pra proteger o Aécio

http://www1.folha.uol.com.br/poder/817429-jornalista-confirma-a-pf-que-e...

 

Penso que a briga no Rio,  que envolveu militantes do PT e PSDB vai ser muito mais explorado pelo PIG do que a questão do dossie (que é muito confusa). Tinha militante do PT lá. O que faziam? Aceitaram a provocação do pessoal do Serra. Esse é um assunto muito mais bombastico para a população em geral do que o assunto dossie.

 

Nossa imprensa é uma só, mas...dividida, ponto.

Muitos reclamam que falta reação do governo, mas, se pensarem melhor, descobrirão que a melhor forma de se proteger é deixar rolar solta a  criação coletiva.

Para antecipar, basta se ligar no seguinte:

- quem não rolar é o que traz o objetivo escondido, mas, vejam bem, ainda por realizar e anunciar ( dúvidas?)

- e quem mais rolar é o mais otário de todos, folha, pois precisa realizar, dar sentido para anunciar, prenhe de sinais precoces de comprometimento com o objetivo.

Aí todo mundo fica chamando de “tiro no pé”, quando na verdade não é...

é burrice mesmo !!! dúvidas?

Qualquer dúvida voltem seus olhos e aticem seus ouvidos na direção da Record...

repleta de exclusividades daqui pra frente

amaury que se cuide...se já piou, qualquer piada em outro tom tá em cana

 

Esse blog, sim, é do bem e não é do esgoto. Veja que bela matéria:

 

http://www.conversaafiada.com.br/politica/2010/10/20/voce-e-vitima-de-telemarketing-do-serra-denuncie-aqui/

 

Não foi bandeirada coisa nenhuma , foi ¨TITICA ¨de passarinho , é que o nosso Serra é muito sensível .

 

A Eleição tem um chefe. Onde está ele?

Panfletos difamadores impressos e distribuídos aos milhões.

Centrais de telemarketing gerando sabe-se lá quantos milhares ou até mesmo milhões de ligações espalhando calúnias.

Pessoas contratadas aos montes para disseminar o ódio e o preconceito pelas redes sociais da internet.

Faixas penduradas em viadutos, fichas falsas coladas em postes, e os primeiros muros pichados com mensagens que remetem ao pior período da história recente do país

A Eleição para escolher o Presidente da República está sendo solapada por um movimento feroz e subterrâneo.

Está na hora do presidente do TSE desempenhar o papel que lhe cabe, de conduzir o processo eleitoral dentro da normalidade democrática.

Onde está Ricardo Lewandowski?

É urgente a convocação de uma rede nacional de rádio e televisão, para um pronunciamento que ponha ordem na que já se tornou a mais deturpada e infame campanha eleitoral realizada no país após a democratização. Isto é o mínimo diante do que se apresenta.

Não se furte de suas obrigações Ministro Ricardo Lewandowski.

Os brasileiros lhe serão eternamente gratos.

 

 

Bom, lamentavelmente, acho que o  Amaury pisou na bola. Isso pode até barrar o livro dele ou ao menos a credibilidade.

Mas só se a Polícia Federal tiver dado continuidade às investigações (disseram que acabou a uma semana), tendo pego o depoimento do Écim. Pegou? Não pegou? Então não acabou, sô...

 

 

/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:"Tabela normal";
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:"";
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:"Times New Roman";
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

A Eleição tem um chefe. Onde está ele?

Panfletos difamadores impressos e distribuídos aos milhões.

Centrais de telemarketing gerando sabe-se lá quantos milhares ou até mesmo milhões de ligações espalhando calúnias.

Pessoas contratadas aos montes para disseminar o ódio e o preconceito pelas redes sociais da internet.

Faixas penduradas em viadutos, fichas falsas coladas em postes, e os primeiros muros pichados com mensagens que remetem ao pior período da história recente do país

A Eleição para escolher o Presidente da República está sendo solapada por um movimento feroz e subterrâneo.

Está na hora do presidente do TSE desempenhar o papel que lhe cabe, de conduzir o processo eleitoral dentro da normalidade democrática.

Onde está Ricardo Lewandowski?

É urgente a convocação de uma rede nacional de rádio e televisão, para um pronunciamento que ponha ordem na que já se tornou a mais deturpada e infame campanha eleitoral realizada no país após a democratização. Isto é o mínimo diante do que se apresenta.

Não se furte de suas obrigações Ministro Ricardo Lewandowski.

Os brasileiros lhe serão eternamente gratos.

 

 

Caro  Luís Nassif

Penso que o relatado pela Polícia Federal, já estava presente aqui no  Blog, há muito tempo.

Porém um fato me intriga, afinal os dados do Amaury não foram conseguidos com a manobra juridica da exceção da verdade?

Então, qual é o "borogodó"?

 

Bem, é preciso reconhecer uma coisa: se o Aécio for petista de coração, então a história toda da Folha realmente faz sentido...

 

 

Esse livro do Amauri vai ser um "best seller", sem ter sido publicado já é o mais procurado na internet.

Só acredito que já deveria ter sido lançado, até lá vai ser que nem na escola base, vão inventar de tudo contra ele, só porque o que ele deve ter de conhecimento sobre os tucanos deve caber  numa jamanta. 

Se colocou em risco desnecessário, a transparência no meio jornalistico é o melhor antidoto contra o vís.

Só espero que ele consiga publicar seu trabalho.

 

Alguem tem dúvida que  a Folha está serviço do PSDB e prestando um grande deserviço ao Brasil e, além de tudo, DESREIPEITANDO quem ainda lê aquele negócio.

Se tiver grave a manchete de hoje sobre o caso da quebra de sigilo da filha do Serra pelo Aécio. Só isto.

já pensaram se o Serra for eleito. Que presidente teremos, mentira, mentira, mentira pura. Acho que depois de tudo isto destrói o país. Eu falei em destruição geral, não só na moral.

 

Discute-se tanto quem mandou quem. Mas uma pergunta fica sempre no ar: qual o conteúdo desse dossiê? O que ele relata é verdade? Ou sou vamos saber depois das eleições?

 

Infelizmente meu post passará despercebido mas lá vai.

A relação entre Aécio e o PT mineiro vai muito (mas muito mais mesmo) além do que o apoio ao atual prefeito de BH, Márcio Lacerda (PSB) e Vice-prefeito Roberto de Carvalho (PT).

Esse relacionamento foi estabelecido em 8 anos de governo Lula e Aécio.

Nos assuntos de competência federal (com reflexos diretos em Minas Gerais) não há qualquer intromissão significativa de Aécio, pelo contrário, há sempre um respaldo.

Nos assuntos de competência estadual não há qualquer intromissão significativa de Lula, pelo contrário também, há sempre um respaldo.

Essa convivência, até certo ponto promíscua, favorece ambos. Aécio realmente controla o PT em Minas, principalmente em BH (qualquer contato com a Assembléia Legislativa de Minas confirma o que eu digo). E Lula conseguiu reduzir drasticamente o peso nacional do PSDB mineiro (e indiretamente, por mais paradoxal que possa parecer, Lula impõe sua presença nos desdobramentos do PSDB em Minas). Nenhum tucano de Minas voa sem o empurrão de Aécio, e qualquer ato do agora Senador é indiretamente coordenado com o Palácio do Planalto. A candidatura de Hélio Costa foi escancaradamente para cumprir tabela. Quem acompanha a política com olhos mais atentos logo de início percebeu isso.

Por isso, quando surgiu o assunto do dossiê sobre o Serra, filha e Eduardo Jorge;

quando Serra acusou o Pimentel (talvez o nome mais forte hoje do PT mineiro, maior do que o Patrus);

quando descobrimos que Amaury trabalhou na campanha da Dilma;

Depois disso tudo a pedra já estava cantada: o Aécio mandou sim colher informações, e duvido muito que a cúpula petista em Minas não soubesse disso também.

Em tempo, meu voto continua sendo Dilma. Mesmo que pensem o contrário depois de todo exposto.

 

Pera lá!

Até outro dia o ínclito (opss. este adjetivo é do ex-PF) e premiado jornalista era a verdadeira mulher de César, defendido e tido como um verdadeiro cumpridor da lei, da ética, da ordem e dos bons costumes. De repente, não tendo mais como negar que participou ativamente da tramóia da Receita em Mauá, o abacaxi é assim transferido: "fiz, sim, mas fi-lo a mando do Aécio que era (e é) influente no jornal Estado de Minas. Já o PT obteve os arquivos invadindo meu notebook no hotel onde me hospedei, sem meu consentimento".

É isso mesmo?

 

 perguntas que o Noblat fez e que eu naõ respondi no blog dele porque eu naõ tenho saco de cadastrar pra ser censurado:

  "a) De onde saíram os R$ 12 mil pagos ao despachante que se valeu de procuração falsa para quebrar o sigilo da filha de Serra - do próprio bolso de Amaury ou dos cofres de o Estado de Minas que financiou a investigação?

b) Aécio soube que o Estado de Minas autorizara Amaury a devassar a vida de pessoas ligadas a Serra? Ele naturalmente responderá que não.

c) Por que a Polícia Federal deixou vazar o depoimento de Amaury a menos de 15 dias do segundo turno da eleição presidencial?

Para alimentar a desconfiança entre Serra e Aécio? Logo no momento em que Serra mais precisa de Aécio para se eleger?

Para criar embaraços à campanha de Dilma que sempre negou ter encomendado a montagem de dossiês contra Serra?

Amaury estava pronto para publicar um livro que prometia demolir a imagem de Serra, segundo disse mais de uma vez. Parte do conteúdo do livro ampara-se em um crime - o da quebra ilegal de sigilo."

 

  Agora eu respondo

  a- Do PT é que não foi

b-não tenho idéia

 c- O Eduardo jorge tem acesso a investigação sigilosa e absolutamente tudo o que vazou para a imprensa ,vazou dele. vazamento seletivo sempre beneficiando o PSDB. Esse último foi mais temerário porque a pesquisa VOX deu desespero na tucanada.

 das duas hipóteses noblatianas,a primeira é ridícula. evidente que tanto oSerra quanto o Aécio sabem muito bem o que ocorreu.

  A segunda é razoável. mas só há o registro de um encontro em um almoço e nada mais. pra afirmar que foi montado um dossiê tem que ser cara de pau pois o dossiê já estava montado há muito tempo.

 

  por fim, A PF tem que publicar urgentemente, o relatório senão estará ajudando a tucanada espertalhona a tomar o Brasil na mão grande.

  A idéia era esperar as eleições mas o Eduardo Jorge e sua turma resolveram jogar a M. no ventilador.

 O Noblat se faz de sonso ao afirmar categoricamente que foi a PF que vazou. Pode até ser mas é improvável.

 

Amigos e Amigas, certamente estamos felizes, a tal BALA de PRATA é para o serra. Imaginem agora, o Del Protogenes lá na Camara Federal, sabedor das coisas, com certeza vai tocar uma "barata voa" no ninho dos tucanos. Oxalá, permaneça ele integro diante de tanta patifaria. E agora José?

 

Aécio, segundo jornal._________________________________________________________EDUARDO KATTAH - Agência Estado

O ex-governador e senador eleito por Minas Gerais Aécio Neves (PSDB) rechaçou hoje, por meio de sua assessoria, qualquer ligação com o episódio da quebra do sigilo fiscal de pessoas vinculadas ao candidato à Presidência José Serra (PSDB). A assessoria alegou que o ex-governador não tem qualquer relação com o episódio e a prática de quebra de sigilo nunca fez parte de sua trajetória política, "em mais de 20 anos de vida pública".

Em depoimento à Polícia Federal (PF), o jornalista Amaury Ribeiro Jr. admitiu que encomendou a quebra dos sigilos fiscais do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, da filha de Serra, Verônica, do genro dele, Alexandre Bourgeois, e de outros tucanos entre setembro e outubro de 2009.

Os dados seriam usados por Amaury, que na época trabalhava para o jornal Estado de Minas, em uma apuração deflagrada quando Aécio e o ex-governador de São Paulo ainda disputavam no partido a indicação como presidenciável tucano.

Acompanhado do governador eleito Antonio Anastasia (PSDB) e do senador eleito Itamar Franco (PPS), Aécio participou de um encontro com prefeitos e lideranças políticas em Juiz de Fora (MG), onde pediu votos para Serra.

No início de junho, durante viagem a Montes Claros (MG) - ao lado de Serra -, Aécio reagiu com irritação às primeiras especulações de que o material contra o correligionário teria origem na disputa interna do PSDB. "Eu exijo respeito. A minha trajetória política é conhecida. E nós sabemos onde estão os aloprados, até endereço têm", disse ele, se referindo ao QG da campanha de Dilma Rousseff (PT) em Brasília.

"É um movimento subterrâneo tão estranho à nossa prática política, um exercício que não tem nenhum conteúdo de verdade", afirmou o presidente do PSDB-MG, deputado federal Narcio Rodrigues. Segundo ele, a postulação de Aécio no partido não "era contra Serra". "É muito assustador que essas coisas sejam levantadas como se tivessem alguma procedência."

Narcio, contudo, não descartou a possibilidade de uma "origem mineira" do episódio, mas reiterou que o diretório estadual do PSDB e o ex-governador não têm nenhuma relação com os fatos.(..)

íntegra:

http://www.estadao.com.br/

 

Dedução: não estou nem um pouco preocupada em dar respostas a esse caso de fofoca explícita da falha&afins; a PF cuidará de tudo. Votarei em D. DILMA, de qqer. jeito, contra o Chirico do atraso, da baixaria, da privatização, da traição. Mas, alguém diz muito bem o que sinto:

Por que não votarei em Serra

http://paginacultural.com.br/artigos/por-que-nao-votarei-em-serra/

 

Nasif,

Vejo que nenhum portal colocou a nota de esclarecimento da PF à imprensa. Precisamos começar a divulgá-la:

20/10/2010

NOTA À IMPRENSA

Brasília/DF - Sobre as investigações para apurar suposta quebra de sigilo de dados da Receita Federal, a Polícia Federal esclarece que:

1-    O fato motivador da instauração de inquérito nesta instituição, quebra de sigilo fiscal, já está esclarecido e os responsáveis identificados. O inquérito policial encontra-se em sua fase final e, depois de concluídas as diligências, será encaminhado à 12ª Vara Federal do Distrito Federal;

2-    Em 120 dias de investigação, foram realizadas diversas diligências e ouvidas 37 pessoas em mais de 50 depoimentos, que resultaram, até o momento, em 7 indiciamentos;

3-    A investigação identificou que a quebra de sigilo ocorreu entre setembro e outubro de 2009 e envolveu servidores da Receita Federal, despachantes e clientes que encomendavam os dados, entre eles um jornalista;

4-    As provas colhidas apontam que o jornalista utilizou os serviços de levantamento de informações de empresas e pessoas físicas desde o final de 2008 no interesse de investigações próprias;

5-    Os dados violados foram utilizados para a confecção de relatórios, mas não foi comprovada sua utilização em campanha política;

6-    A Polícia Federal refuta qualquer tentativa de utilização de seu trabalho para fins eleitoreiros com distorção de fatos ou atribuindo a esta instituição conclusões que não correspondam aos dados da investigação.

Por: Divisão de Comunicação Social

Tel.: (61) 2024-8142

http://www7.pf.gov.br/DCS/

 

 

 

 

 A polícia Federal soltou uma nota esclarecedora.

Mas a manchete dos jornais só poderiam ser:

CONFIRMADO: AÉCIO FOI QUEM QUEBROU O SIGILO DA FILHA DO SERRA EM BRIGA INTERNA NO PSDB

 

E la se foi o livro do Amaury....

 

Se o Sr. Luis Nassif acredita no que diz o Sr. Amaury Ribeiro Jr. --aquele que inicialmente disse que não tinha nada a ver com quebra de sigilos--, então me vejo impossibilitado de acreditar em Sr. Luis Nassif.