newsletter

O cenário positivo das feiras e festas literárias no Brasil

Por Marco Antonio L.

Do Valor Econômico

Feiras literárias têm expansão pelo Brasil

Em 2011, a Festa Literária Internacional de Paraty viu 25 mil visitantes movimentarem R$ 13 milhões na economia local; evento, cuja décima edição será em julho, é modelo para iniciativas similares

Nem só pelas vendas, nem só pelo prestígio intelectual. O cenário das feiras e festas literárias no Brasil vem tomando corpo e gerando impactos de longo prazo na cultura e na economia do livro. Nesta semana, o Ministério da Cultura anunciou apoio de quase R$ 8 milhões a 67 dos 200 eventos que formarão o Circuito Nacional de Feiras do Livro em 2012. No ano passado, havia apenas 75 cadastrados. A política será gerida pela Fundação Biblioteca Nacional (FBN) e integra o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), que investirá mais de R$ 373 milhões em 40 projetos até o fim do ano.

Dados da Fundação Pró-Livro apontam que 7 milhões de brasileiros compraram livros em feiras em 2011, movimentando R$ 100 milhões. Galeno Amorim, presidente da FBN, estima que os números possam crescer até 20% nos próximos 12 meses. "A oferta de editais para pequenas e médias cidades aumentou muito na última década, propiciando o avanço do setor", diz.

As regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, com baixos índices de leitura e maior dificuldade logística, concentrarão os R$ 2 milhões do projeto Caravana de Escritores, que subsidiará a visita de grandes nomes das letras. Segundo Karine Pansa, presidente do Instituto Pró-Livro e da Câmara Brasileira do Livro, "a presença do autor fomenta a leitura, o crescimento intelectual do leitor e traz magia aos eventos". A Lei Rouanet distribuirá até R$ 30 milhões em renúncia fiscal entre 40 festivais do tipo.

Chegando à décima edição, a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), que acontece entre 4 e 8 de julho, é o evento-chave das mudanças. Não há estandes com descontos, apenas uma livraria com publicações de autores convidados. Seu conceito, amplamente replicado, se volta para a fala do autor em debate. Com um histórico que vai de Chico Buarque a Fernando Henrique Cardoso, passando por Christopher Hitchens e o Prêmio Nobel J.M. Coetzee, a festa não tem precedentes midiáticos. Investe em shows de abertura, blog oficial e redes sociais, além da transmissão dos debates e mesas via internet. Em 2011, 25 mil visitantes movimentaram a economia local com R$ 13 milhões, segundo pesquisa do Datafolha para a realizadora Associação Casa Azul. Do orçamento, R$ 3 milhões foram captados pela Rouanet.

As editoras também entram no rateio, mas a organização nega maiores influências. "A curadoria é independente e o convite é feito aos autores. Num segundo momento as editoras são convidadas a participar viabilizando a vinda do autor e o projeto cultural. Prova disso é a presença de autores como Carol Ann Duffy, que nem editora no Brasil tem. Nos festivais europeus, o autor é custeado na íntegra pelas editoras", explica o diretor presidente da Flip, Mauro Munhoz.

Ele endossa o caso do roteirista Tom Stoppard (ganhador do Oscar por "Shakespeare Apaixonado", 1999), que só fechou contrato com a Companhia das Letras após sua participação. Segundo ele, autores de pelo menos 52 editoras já foram convidados. Entre as mais aguardadas do ano está a vencedora do Pulitzer 2011, Jennifer Egan, com seu "A Visita Cruel do Tempo" (Ed. Intrínseca).

Outras cidades históricas entraram no clima com festas midiáticas e peso turístico. Criada em 2004, a Fliporto (Festa Literária Internacional de Porto de Galinhas, que acontece no segundo semestre) migrou para Olinda e atingiu, em 2011, 80 mil visitantes - cinco vezes mais do que o teto da sede anterior -, gerando R$ 10 milhões para a cidade. Mas ao contrário da prima fluminense, agrega uma feira paralela. "O leitor conhece os escritores pessoalmente e faz questão de adquirir as obras. Não temos estatísticas por autor, mas vendemos 10 mil exemplares em 2011", diz o diretor geral Antonio Campos. Somando produção e cachês, o custo foi de R$ 2,7 milhões.

Já os organizadores da Feira do Livro de Brasília (5 a 9 de setembro), uma das maiores do país, apostaram na colonial de Pirenópolis, Goiás, para montar a Flipiri, em sua quarta edição, entre 2 e 6 de maio. "A festa estimula a cadeia produtiva do livro onde a distribuição ainda é um problema", diz a curadora Iris Borges. Na outra ponta estão encontros de perfil acadêmico, como a Jornada de Literatura de Passo Fundo, rumo à 15ª edição (no segundo semestre), e o Flop (Fórum das Letras de Ouro Preto, em novembro). "Valorizamos as obras brasileiras. O evento não está sujeito às determinações da sociedade do espetáculo nem a interesses econômicos", afirma a idealizadora Guiomar de Grammont. Com cachês "simbólicos", o fórum tem orçamento de R$ 500 mil. Desde a primeira edição, em 2005, a cidade já ganhou três livrarias - não havia nenhuma.

Cachês variam com a capacidade do evento, mas nomes como Ariano Suassuna cobram em média R$ 15 mil. Ignácio de Loyola Brandão e Luis Fernando Verissimo são outros habitués. Estrangeiros, como Mia Couto (Moçambique), Beatriz Sarlo (Argentina) e Tariq Ali (Paquistão) elegeram o circuito brasileiro como rota recorrente. Faltam números oficiais, mas estima-se que autores com boa exposição e performance gerem impacto de vendas pré e pós-evento. Na Flip 2011, quem roubou a cena foi Valter Hugo Mãe, angolano radicado em Lisboa, que cativou o público com um discurso pessoal e emotivo. Um showman.

A proliferação das festas também acomoda a demanda que escapa da Flip. Com 100 mil exemplares vendidos na Europa, a holandesa Franca Treur desembarca no Brasil pela primeira vez para lançar seu "Confetes na Eira" na Flipoços (Festival Literário de Poços de Caldas, entre 28/4 e 6/5). Ela será a primeira atração internacional da festa e fará companhia a autores como Ferreira Gullar. "Não sei se a conta vai fechar. Temos uma logística enxuta e aposto em impactos a longo prazo", diz Marcelo Candido, editor da Livros de Safra, que financia a vinda de Franca junto à Fundação Holandesa de Literatura. Crescendo em curadoria, a direção trabalha no limite da estrutura. "As empresas investem pouco no interior, focam só na Flip, que dá mídia nacional", diz a criadora Gisele Corrêa. O evento está orçado em R$ 250 mil, via leis de incentivo.

Menos midiática, mas consolidada como a maior do país, a 58ª Feira de Livros de Porto Alegre (no segundo semestre) espera aumentar em 16% seu público de 1,7 milhões, mesclando palestras de autores ao antigo modelo de negócios: 154 estandes de vendas.

A 12ª Feira do Livro de Ribeirão Preto (24/5 a 3/6) atrai 600 mil visitantes e lidera na região sudeste com shows (Seu Jorge, Gal Costa, Skank) e apelo infanto-juvenil. Mais de 20 mil alunos da rede pública anseiam pelo contato com autores com vale-compras de R$ 18 nas mãos - os livros têm até 60% de desconto. Thalita Rebouças, best-seller da Rocco e "escritora mais animada do Brasil", vê as vantagens do corpo presente: "Antes de vender livro eu já abordava os leitores nos eventos. Gosto do contato com mães e filhos, matéria-prima do meu trabalho. E as pessoas gostam de ver de perto quem conta as histórias que lhes fazem companhia. Não dói nada fazer isso".

Sem votos
1 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+1 comentário

Em Belém temos uma boa feira literária. Este ano ela acontece entre os dias 21/09 à 30/09. Além de homenegear a cultura de outros países, já tivemos o ano da França, o ano da Itália, é comum a participação de grandes autores, como o já consagrado em feiras literárias Ariano Suassuna. As trocas de governo, entretanto, desestabilizam a marca do evento, antes tínhamos agregado a feira grandes shows musicais com artistas já consagrados, cito Zeca Baleiro, Lenine e Gilberto Gil, como também de ótimas bandas do circuito alternativo melhor exemplo é a excelente Vigna Vulgaris,  a qual não conhecia mas apaixonei-me ao ver seu show. Enfim, mesmo descaracterizado é um grande evento e uma ótima oportunidade ao fomento a leitura, já que além das estatísticas econômicas levantadas, temos acima de tudo a valorização da MAGIA do livro. Iluminemos a imaginação de nossas população!

 

Porque havia três anos que ele a evitava, cuidadosamente, pela natural covardia que caracteriza o sexo forte.