Revista GGN

Assine

O documentário WikiRebels, legendado

Observação: o vídeo em questão NÃO ESTÁ legendado. Parece que há um link para baixar as legendas.

Por Ozório

O documentário WikiRebels já tem legendas em português.

http://docverdade.blogspot.com/2010/12/wikirebels-2010.html?spref=fb

 


(Suécia, 2010, 58 min. - Direção: Johan Bränstad)

Em Solidariedade a Julian Assange passamos o Documentário sobre o Wikileaks.

Descubra como o Wikileaks tornou-se um dos principais institutos de defesa pela verdade e pela justiça através dos vazamentos de informações secretas. Instalado nos servidores do Pirate Bay, o site está protegido pelas estritas leis suecas que protegem o direito de expressão.
Julian Assage, jovem ativista, que luta pela paz mundial, tornou-se uma das principais dores de cabeça dos EUA. Muitos políticos querem que ele seja preso ou executado, mas o que ele realmente fez de errado foi mostrar os meios imperialistas e desumanos que o país aplica.
O Wikileaks faz o papel que a mídia tradicional não faz justamente por esta estar ligada aos interesses políticos dos setores oligárquicos que ditam as regras mundias. 
(docverdade)

Este vídeo, apresentado pela TV estatal sueca (SVT), relata a criação e revela o modo de agir do Wikileaks, esclarecendo em especial como opera sua rede de colaboradores. É permeado por excelentes entrevistas em que o fundador do site, Julian Assange, expõe o que o animou ao projeto.
www.outraspalavras.net

Média: 5 (6 votos)
20 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+20 comentários

assistam o documentário no link a seguir onde tem instruções básicas para internautas novatos assistirem ONLINE com legenda apenas aqui.

http://twixar.com/2IBRAwQ

 

assistam o documentário no link a seguir onde tem instruções básicas para internautas novatos assistirem ONLINE com legenda apenas aqui.http://twixar.com/2IBRAwQ

 

Luis Nassif,

Vou transcrever aqui um texto que eu coloquei ontem (hoje de manhã, 19/12/2010 às 01:48) no blog no Estadão de Pedro Doria junto ao post "Você sabe o que o WikiLeaks tem a ver com o Napster?" de 13/12/2010 às 13h13 no endereço:

http://blogs.estadao.com.br/pedro-doria/2010/12/13/voce-sabe-o-que-o-wikileaks-tem-a-ver-com-o-napster/

Meu comentário ainda não foi liberado, mas normalmente eles são liberados depois de algum tempo. Não desenvolvi muito a idéia que Pedro Doria queria repercutir no post, qual seja, que o Wilileaks deve perdurar, seja como o Wikileaks, um site aparentemente controlável, pois os vazamentos não são tão ruins assim para os Estados Unidos, seja como milhões de Wilileaks, esses sim sem controle e sem filtragem. Não desenvoli até porque eu acho que ele tem um tanto de razão. Queria mais manifestar a minha discordância com o tratamento um tanto duro que eu achava que ele dava ao Wikileaks.

Bem, no meu comentário eu disse:

"Pedro Doria,

Segundo você:

“Em alguns lugares, receber informação vazada é crime. Em outros, caso do Brasil, não é. Mesmo do ponto de vista ético, há bons argumentos para justificar os dois lados”.

O Alon Fewuerwerker externou opinião semelhante no post “Assange e Yoani” de 10/12/2010 encontrado no endereço

http://www.blogdoalon.com.br/2010/12/assange-e-yoani-1012.html

Disse ele lá:

“Na prática, e mesmo nos países mais democráticos, jornalistas que divulgam material sigiloso vazado ilegalmente costumam enfrentar dissabores”.

 

Achei os dois comentários desnecessários, principalmente porque são bastantes genéricos. Você retirou um pouco da generalidade ao excluir o Brasil. Uma exclusão, entretanto, que ficou um tanto corporativa, pois era como dizer, nós os jornalistas podemos fazer isso no Brasil porque aqui não é crime e ao mesmo tempo protegendo países tidos como democráticos se por acaso eles incriminassem alguém, uma vez que a incriminação dependeria da legislação de cada país, sem retirar o caráter democrático do país. Como se a incriminação não fosse uma forma de tolher a liberdade, isto é, de reduzir um campo importante da democracia, o campo da liberdade.

Bem, creio que o assunto do vazamento do wikileaks e das repercussões penais que vazamentos poderiam acarretar precisariam de uma discussão mais ampla, mas não foi esta a intenção sua nem a do Alon Feuerwerker. Do jeito que vocês abordaram o assunto, criou-se uma absolvição antecipada de qualquer ação mais drástica de qualquer governo contrário ao vazamento.

Só que os vazamentos do Wikileaks têm um paralelo com os “Documentos do Pentágono” (The Pentagnon Papers), revelados pelo jornal The New York Times. Paralelo que deve ser mais bem compreendido para evitar que comparações desajeitadas sejam apresentadas como fatos corriqueiros. Os Documentos do Pentágono trouxeram dissabores ao jornal The New York Times, mas nada que não tivesse resultado favorável ao New York Times. E que fique claro, Daniel Ellsberg é comparável com Bradley Manning, enquanto Julian Assange e a Wikileaks dele devem ser comparados ao jornal The New York Times. Insisto nisso, como um alerta anti proliferação de expressões como a sua quando você se refere a Wikileaks na frase:

“Do Departamento de Estado americano a empresas privadas, como a operadora de cartões de crédito Mastercard e o braço de serviços da Amazon.com, quem pode bater e se afastar do monstro criado por Assange o faz”

Não há monstro na Wikileaks. E é fundamental atentar para a grande vantagem que os vazamentos produziram: permitir que a população veja os governantes com mais transparência. Aliás é essa a opinião de Daniel Ellsberg como se pode ver da frase transcrita a seguir do verbete Daniel Ellsberg na Wikipedia e com base em comentários recentes de Daniel Ellsberg:

“On December 9, 2010, Ellsberg appeared on the Colbert Report where he condoned [perdoou] Bradley Manning’s leaks and the source of the Wikileaks Cable, asserting that it will ultimately build a better government for the future”.

O endereço do tópico é:

http://en.wikipedia.org/wiki/Daniel_Ellsberg

Aliás, há quase quarenta anos, Daniel Ellsberg dissera algo semelhante como se pode ver no mesmo tópico no Wikipédia na seguinte frase dele:

“I felt that as an American citizen, as a responsible citizen, I could no longer cooperate in concealing this information from the American public. I did this clearly at my own jeopardy and I am prepared to answer to all the consequences of this decision”.

 

E no mais é até possível pensar que por ser mais democrático do que a maioria dos americanos, Barack Obama não tenha posto muitos obstáculos a esses vazamentos, desde é claro que eles fossem filtrados. Só assim se explica que os vazamentos, pelo que foi mostrado até agora, embora exponham as entranhas das embaixadas americanas não trazem divulgações que realmente prejudiquem os americanos."

Clever Mendes de Oliveira

BH, 19/12/2010

 

Seguem o título e o link para o documentário da TV sueca postado no Youtube (na íntegra, cerca de 58 minutos), legendado em espanhol:

WikiRebels: A Documentary On WikiLeaks [Multilingual]:

 http://www.youtube.com/watch?v=-cUTuCIFYwc

(Na barra inferior do vídeo, clicar em CC e assinalar Espanhol -  subtítulos en Español).

 

Olá.

Peço desculpas a todos pela minha falta de clareza, era madrugada e eu estava recém chegando em casa, dá para entender, né?.... rs.

Neste blog do qual copiei o link, é possível encontrar links para baixar o vídeo e as legendas separadamente. A cópia do vídeo que está ali não está legendada em português.

Baixei o vídeo e depois as legendas, e salvei o arquivo das legendas dentro da pasta do vídeo. Quando abri o vídeo utilizando o KMPlayer, as legendas em português funcionaram automaticamente.

 

http://docverdade.blogspot.com/2010/12/wikirebels-2010.html

 

Ou estou ficando louco ou as legendas em português sumiram.

 

O download para as legendas está disponível no site , gratuitamente (-/+ 20min de espera) ou  através de pgto via pay ou cartão de crédito (alguns segundos). hehehe...esta foi boa Osório.

Agora necessita agregá-la ao vídeo. Alguém sabe como faze-lo?

 

No GomPlayer é muito fácil: descubra qual o diretorio que está a própria legenda, normalmente há pasta que o usuario deixa para os respectivos downloads. Clique no botão direito e vá em subtitles - subtitle explorer e abra o console, abra a opção abrir e localize a legenda, que tem o nome parecido ou igual ao arquivo, normalmente com a extensão .srt. Faça isso com o arquivo aberto.

 

ok, já vi que no site tem a legenda para download.

 

Como acesso a legenda?

 

  by gusthpa  A revelação pelo WikiLeaks de que José Serra entregou Pré-sal às petroleiras dos EUA, mostra o canalha que derrotamos ! 17 Dec Favorite Retweet Reply »  

 

Outra fonte de download, fora os torrents:

http://www.megaupload.com/?d=YJYGM1QI

 

Prezado Ozório

Nào estou vizualidando a legenda em pt. Como se pode ativá-la?

 

Nassif

Esta sem legenda 

 

Mário Mendonça

Nassif, pelo que vi o link informado (site muito bom, por sinal) postou o vídeo e as legendas, mas separado. Para quem não sabe, não quer ou não pode baixar e mesclar as legendas, aí vai um link com o trabalho feito...

 

"Ou o Brasil acaba com a mídia canalha, ou a mídia canalha acaba com o Brasil"

Valeu Marota.

Realmente o site é muito bom.

Fiz o download da legenda, no entanto nào sabia como agregar para repassar aos que nào dominam o inglês.

De qualquer forma, eu aconselho a todos que puderem faze-lo, fazer o download das legendas tanto em ingles como em portugues. Isto é em muitos dos momentos, História.

 

Mario

Vai no site , logo abaixo do texto esta o download para a legenda,  baixe o video e a legenda na mesma

pasta, quando vc clicar para ver o video  automaticamente a legenda "encaixa".

 

Legendados?

 

A legenda ficou aonde?

 

Boa a matéria do El País, assim como os comentários sobre os jovens apoiadores do Wikileaks, pela liberdade de expressão.

Nota-se um outro tipo de ativismo, auto-organizado (será que tem hifen?), guiado por princípios e que age quando necessário, de forma pontual e precisa, sem danos, apenas para chamar a atenção, reflexão, mudança de paradigmas.

http://www.elpais.com/articulo/internacional/Anonymous/lleva/revuelta/Re...

 

  • 2

    Andrés Santana - 19-12-2010 - 10:59:43h

    Si Wikileaks y Anonimous es malo para los gobiernos y las corporaciones financieras, es bueno para nosotros los ciudadanos.

  • 1

    sarah - 19-12-2010 - 08:40:43h

    la tercera guerra ha comenzado y es vía internet. Y lo más llamativo,es que se haga,para reclamar el derecho a la verdad. El derecho que tenemos todos, a la verdad,pura y simple. A que dejen de tratarnos como si fuéramos una masa ifantil,incapaz de asumir los "altos secretos",que como hemos visto,ni son tan altos y ahora,ni tan secretos. Bien por Assge

 

A tarefa da imaginação é fazer o trabalho da crise sem a crise. Mangabeira Unger