newsletter

Pular para o conteúdo principal

O escândalo Palocci, por Inês Nassif

O escândalo Palocci e as miçangas 

Por Maria Inês Nassif
Para o Blog Luis Nassif Online 

Até o momento, mesmo com todos os revezes de sua vida pública, a imagem de Antonio Palocci, titular da Casa Civil, que emerge das denúncias de que teria aumentado o seu patrimônio pessoal em 20 vezes de 2006 a 2010, está longe de ser a de um ministro enfraquecido. É o retrato de corpo inteiro de um político muito forte. Palocci não tem poder apenas porque isso foi conferido a ele pela presidente da República, Dilma Rousseff, mas pela capacidade de se investir do papel de fiador de governos petistas, principalmente junto ao mercado. No governo de Luiz Inácio Lula da Silva, foi o fiador de um candidato eleito considerado pelo mercado como um incendiário; no governo Dilma, de uma presidente com um passado revolucionário que carregava a tiracolo um ministro da Fazenda, Guido Mantega, nada ortodoxo, e optou por tirar do Banco Central outro "fiador" do mercado, Henrique Meirelles.

NogoNo governo Lula, Palocci não caiu porque se viu envolvido em denúncias. Enquanto eram apenas elas, foi suficientemente poupado pelo mercado, pelos jornais e também pela oposição. Caiu devido a um excesso seu, depois de já ter retomado o controle sobre seu destino no Congresso. Depois de sair-se muito bem em uma ida ao Legislativo para prestar esclarecimentos, sua assessoria divulgou o sigilo bancário de um caseiro, a testemunha do caso. Se esse excesso não tivesse acontecido, é provável que tivesse continuado no governo, inclusive fortalecido, numa conjuntura em que o presidente estava frágil e o PT sob fogo cruzado. Seria, pelo menos naquele momento, um ministro forte sustentando um presidente fraco. Palocci não voltou para o governo antes de ter sido absolvido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) mas, já nessa condição e ainda na campanha eleitoral de Dilma, colocou-se – e foi colocado – novamente como o grande interlocutor do partido junto ao poder econômico. A manutenção de Guido Mantega na pasta da Fazenda foi um aceno, para o partido, de que a presidenta não abandonaria a opção desenvolvimentista representada pelo titular da pasta. A escolha de Palocci como "gerente", todavia, deu a ele o espaço de articulador e mediador junto a setores empresariais e financeiros.

Palocci ocupou todos os espaços de poder conferidos à Casa Civil: não há um assunto de governo, hoje, que não seja acompanhado pelo ministro. Não interessa para esses setores, que têm uma forte ascendência também sobre os partidos de oposição, que se mude a relação de poder dentro de um governo cujos espaços divide com a esquerda, ou que desapareça do cenário um político pragmático, que tem bom trânsito a empresários e a partidos mais conservadores da base aliada, além de uma certa simpatia da oposição. Se cair, será por seus excessos, não pelo zelo da oposição em defenestrá-lo.

O primeiro excesso já ocorreu. Em sua defesa, partiu para o ataque. Sua nota, em que nomeia ex-ministros que ficaram ricos depois que saíram do governo, é uma saída à La caseiro: uma aposta de que tem apoio de quem interessa do lado de fora do governo, e de quem consegue fazer isso prevalecer dentro do Congresso e do próprio núcleo de poder; a certeza de que a intimidação pode levar adversários ao corner. Como grande gerente da máquina de governo, conseguiu, por exemplo, traduzir isso em votos na Câmara para evitar sua convocação para prestar esclarecimentos. Confiante em sua própria capacidade de reverter uma situação contrária, apela com naturalidade ao discurso de que se todos fazem – ganham dinheiro depois que saem do governo --, ele também tem esse direito.

É uma situação que pouco contribui para a discussão de sistema político do país. Um debate de reforma política que abrir mão de entender por que é tão normal ex-dirigentes governamentais da área econômica acumularem fortunas depois que saem de cargos públicos será uma discussão sobre miçangas. O que é hoje, segundo o ministro, um padrão normal de relações, onde fatalmente um homem forte de governo se torna rico quando volta para a planície, é também um elemento importantíssimo de análise das causas da corrupção no Brasil. O discurso oficial, assumido pelos jornais e pela opinião pública, é o de que a classe política é intrinsicamente corrupta: faz parte da sua natureza ruim o político tirar proveito de seu mandato. O problema é bem mais amplo. Na verdade, num sistema onde transitam grandes vantagens privadas, a corrupção é um negócio que interessa tanto ao corruptor, como ao corrupto. Para os setores que têm interesses econômicos no governo, é uma situação muito mais cômoda arcar com os ônus de financiar campanhas políticas e contratar consultorias de quem tem informações de governo do que defender, por exemplo, o financiamento público de campanha. Num sistema político que é movido a dinheiro privado, esses recursos não apenas financiam partidos, mas escolhem nas agremiações quem vai representá-lo. O financiamento privado é uma terceirização da atividade partidária. O dinheiro mantém nos partidos homens fortes, cujos erros são relativizados, e todo o sistema político na defensiva, ao jogar para os representantes eleitos a responsabilidade exclusiva das mazelas morais da democracia. 

Sem votos
97 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+97 comentários

 

Ah, sei... Não foi Palocci o envolvido em escandalos na Prefeitura de Ribeirão Preto, não foi ele quem quebrou o sigilo bancário do caseiro, não foi ele que ganhou, desde que se tornou o principal articulador da candidatura Dilma e a posse da Presidente, ou seja, 2 meses, 10 milhões de Reais? Não. O Problema é o "mercado", o problema é o "capital"... É infinita a capacidade de "elaboração" a de certos articulistas.

 

A consultoria de Palocci tem valor não sòmente pela sua militância política, no atual governo do Brasil, mas pelo seu pensamento complexo, condição indispensável para desvender a ontologia da realidade política, econômica, social... local e global...  

 

"a ontologia da realidade política, econômica, social... local e global..."

Lá na minha terra o nome disso é corrupção, cara-de-pau e conflito de interesses... local e global...

 

O ministro Palocci deveria apresentar provas irrefutáveis sobre os seus ganhos, para não comprometer o governo Dilma.

O povo é muito desconfiado com políticos.  Ninguém pode negar isto!

 

Jorge Cortás Sader Filho

 

    O PIG é a voz das velhas oligarquias (pois pertence a grupos das mesmas) e, à medida que o governo popular avança, quer gritar cada vez mais alto. À esses grupos, acostumados com os privilégios centenários às custas das diferenças sociais extremas no Brasil, não interessa os avanços estruturais e sociais que o governo Lula / Dilma vêm promovendo. Se fosse um ministro de um governo da atual oposição, o PIG estaria quietinho, como sempre fez no passado.

 

O pior é que o Palocci, com esse curriculo ai, segue trilhando o caminho que pode leva-lo um dia à Presidência. Dos nomes do PT (fora o Lula, claro), parece ser o mais forte. Se não tivesse caido por causa do caseiro, talvez ja estivesse hoje sentado na cadeira que Dilma ocupa.

 

Eu acho que pode ser armação do Pig, pelo menos eles estão AMANDO muito tudo isso. 

Só que o enriquecimento nos 2 meses da campanha é bem suspeito.

Se ele NÃO DEVE, então mostra cara logo e explica como enriqueceu tanto em tão pouco tempo. Se ele realmente DEVE, então que assuma e saia logo do governo para não prejudicar quem não tem nada com isso.

Agora, sespero que Palocci não sirva de bode espiatório, pois ajuda em época de campanha acontece em qualquer partido. As espresas ajudam mesmo, quando elas tem interesse no candidato. Até outros países ajudam, muito embora seja proibido - não adianta, isso existe, não há como negar. Aliás, não entendo o porquê de não poder.

Agora, o que é fato:a Dilma não pode ser prejudicada por isso, coisa que já está acontecendo. A repercussão está sendo desastrosa nas redes sociais.

Talvez seja necessário tirar o Palocci e colocar o Lula, porque não? Pelo menos ele tem muita experiência e é honesto.

Se o Paloci não souber se explicar, não terá como defendê-lo, né?

Vamos esperar, SE ELE ESTIVER ERRADO MESMO, COLOCA O LULA!!!!!!

 

Texto como esse devem ser escritos por mais pessoas. Assim como o do Janio de Freitas também.

A partidarização na discussão sobre assunto por parte da esquerda ou dos que apóiam o governo, deixa claro que a nossa sociedade não é contra a corrupção, mas sim contra quem comete. Isso acontecesse com a direita também. O exemplo é porque é o Palocci que está no olho do furacão.

 

Quantos e quantos comentários de leitores, e até de intelectuais, apareceram dizendo que governos anteriores também fizeram o mesmo.

 

É o que Maria Inês Nassif disse, se defender acusando não dá.

O blogueiro Eduardo Guimarães chega a dizer que não há crime,  está tudo dentro da lei.

Nem sempre seguir a lei é estar certo. Ainda mais sabendo quem são nossos legisladores.

Que a discussão se concentre no ato, e não em partidos e pessoas.

Outra fato relevante é a não aceitação de críticas por parte de alguns blogueiros e leitores quando se   crítica o   governo. Isso é péssimo porque acaba afastando o leitor de participar.

Como indicar para alguém um blog ou um site de informação se o sujeito, assim que   começar a ler, verá que os blogs que você indicou são todos pró governo. 

Eu votei na Dilma e torço para que o governo dela de certo, mas fechar os olhos para algumas coisas isso não faço.

Agora que os recursos para informar milhares de pessoas chegam quase há um custo zero, resolvemos fazer um jornalismo como o da grande midia, eles de lá e nós daqui.

Que imprensa desejamos?

Essa imprensa que é partidarizada?

 

 

Interessante,se referir a quebra de sigilo do caseiro como mero excesso.Não foi só excesso não.

Foi crime mesmo.Na america uma camareira levou para cadeia o chefe do FMI.No brasil o caseiro

fracenildo que denunciou Palloci e a quadrilha de Ribeirão teve que se  explicar para a PF.Brasil de merda este nosso.

 

O Banco do Brasil e a Caixa Econômica estão emprestando a juros descentes ou praticam os pornográficos do mercado financeiro ?

A Vale do Rio Doce e a Petrobrás estão financiando o desenvolvimento do País ou locupletando seus acionistas?

Continua a mesma mal versação e gerenciamento do dinheiro do povo de sempre!

A Dilma não vai fazer nada para mudar isto!

O Povo nas Ruas é a última esperança contra os tentáculos deste polvo devorador dos sonhos e esperanças dos brasileiros batalhadores e honestos que acreditam em consturir um País Melhor!

A Hora é esta! Quem sabe faz agora!

 

Follow the money, follow the power.

 

 

A Maria Inês costuma fazer análises bastantes sensatas.

Nesta do Palocci acho que “levanta tese” ao dizer que o Palocci foi o fiador do Lula que o mercado achava um incendiário, sic !

O Lula perdeu três eleições por que o mercado e o povo achavam o PT do Lula e o Lula um incendiário, um grevista dos anos 70/80. Quando o Lula se reciclou e mostrou um pensamento mais harmonioso com o mercado e o povo, ganhou a eleição e mostrou ao mundo que ele é o “cara” e não precisou de Palocci algum !

Quanto a Dilma, quem deu aval a esta “revolucionária ” foi o tempo ( veio a mostrar que os revolucionários não eram o Satanás que o O Globo dizia- Ziraldo, C.Buarque, Herzog, R.Paiva, Gabeira e outros fanáticos brasileiros e patriotas, e Dilma) e o “Cara” LULA.

Portanto, O Palocci não é aval para nada. Como a discussão tomou uns ares de fla-flu, não tenho opinião definida e dou um crédito ao PHA – o Palocci não tinha que estar no Wiklikes( é assim …), não tinha que convidar o Daniel Dantas ( ném ter relações com ele) para ir ao Palácio, não pode multiplicar a sua grana sem explicar ( a mulher de César tem que parecer….). Não estava combinado que ele seria o Ministrão, então que se preparasse para tal. Quer dar uma de “padre ” e ir na casa onde o Francenildo trabalhava ?

Acho que o melhor será ele e quem o defende sair do jogo- perdeu !

 

MRE

Tá certo....

Só tem um detalhe...saiu do ministério e depois elegeu-se deputado federal. A questão não reside no fato de que um ex-ministro fique rico (é preciso considerar que como consultor, palestrante, etc o cacife do sujeito sobe e sobe muito. Ou alguem da turminha acha que o Lula dá palestra e consultoria de graça?). Ocorre que ex-ministros deixaram a vida pública por assim dizer e se alguem lhes paga milhões para dar palpite em um negócio ou apresentar um financiador ou montar um negócio; não existe problema algum nisso. Seria o caso de alguem propor lei que proiba ex-ministros de trabalharem, atenderem telefonemas e ganharem uma pensão do estado por 10 anos e ai iriam pro mercado. Faz sentido?

No caso do Palloci, é preciso averiguar se os negócios privados e não existe lei que proiba parlamentar ou ministro de ter empresa, foram alavancado por conta de seu papel politico e não a parte do mesmo. Se isso ocorreu e ele deveria mostrar quem foram seus clientes e qual seu faturamento real para tanto, então que seja processado por corrupção ativa.

Quanto a quem interessa denunciar essa questão, foi fogo amigo de gente do partido incomodado com o fato dele decidir quem fica nos bancos e assim por diante.

 

Por que o Serra e o Aécio andam defendendo o Palocci por aí? Qual a ligação do petista com os

PSDBistas? Algo que gostaria de saber. Porque certamente nao foi por um súbito acesso de ética política que o Serra e o Aécio baixaram a bola no caso Pallocci, certamente que não.

 

 

A Maria Inês foi no cerne da questão. Enquanto não se fizerem as reformas necessárias, enquanto a quarentena não for obrigatória, a "consultoria" de ex-alguma-coisa que detém informações privilegiadas será paga a preço de ouro e terá grande demanda no mercado.

 

Texto muito bem escrito e que pincela o problema mais amplo que permeia a politica nacional. É uma vergonha que o PT precise doaval de um agente do mercado com é o ministro Palocci que ao longo de sua carreira politica perdeu toda a sensibilidade social e não passa de mais um politico comprometido com o Status quo e com o mercado. Pra mim esse ministro não faz falta nenhuma.

 

"O primeiro excesso já ocorreu. Em sua defesa, partiu para o ataque. Sua nota, em que nomeia ex-ministros que ficaram ricos depois que saíram do governo, é uma saída à La caseiro: uma aposta de que tem apoio de quem interessa do lado de fora do governo, e de quem consegue fazer isso prevalecer dentro do Congresso e do próprio núcleo de poder; a certeza de que a intimidação pode levar adversários ao corner."

O primeiro excesso já foi percebido e, por isso, foi contratada outra consultoria, a FSB, de comunicação.

Com que dinheiro? O meu, o seu ou o nosso?

Da Folha:

EMPRESA É CHAMADA PARA CONTER CRISE
O ministro Antonio Palocci contratou a empresa de comunicação FSB para ajudá-lo a conter a crise desencadeada por sua evolução patrimonial. O objetivo é tentar isolar a crise da atuação de Palocci como ministro. A nota da Casa Civil sobre o "valor de mercado" de um ex-ministro foi considerada desastrosa.

 

Petistas, entendam isto, por favor:

"É uma situação que pouco contribui para a discussão de sistema político do país. Um debate de reforma política que abrir mão de entender por que é tão normal ex-dirigentes governamentais da área econômica acumularem fortunas depois que saem de cargos públicos será uma discussão sobre miçangas".

Mais uma vez Maria Inês põe o dedo na ferida. E arde!

Vocês querem mudar a política brasileira ou apenas se agarrar ao poder?

 

A Presidenta Dilma e o Ministro da Casa Civil devem mirar-se no exemplo anterior dado pelo ex-Presidente Itamar e por Henrique Heargreaves, seu dileto amigo e Ministro.       Quando ocorreu certo fato que, aparentemente, poderia comprometer  a idoneidade de Heargreaves, o Ministro, visando evitar  desgastes ao Governo,  solicitou afastamento do cargo, até que a Justiça se manifestasse.     Posteriormente,  foi declarado inocente pelo Judiciário.         A lição que permanece até hoje,   foi a de que Itamar preservou a dignidade do seu Governo, sem perder o amigo, e Heargreaves teve mais tempo à sua disposição para amealhar provas e defender-se daquilo que era indevidamente acusado.

 

Intrigante, todo esse negócio... Palocci é homem "deles" (aqueles, todo mundo sabe quem)... Estranho que o braço midiático o esteja bombardeando, tem outra coisa por trás disso...

 

Assim eu enlouqueço, cada um diz uma coisa.

Afinal, o Palocci locupletou-se ou náo?

É moral? é ético? 

 

Pelamordedeus, estou confusa.

 

E o Palocci, Inês? Linda análise, que passeou pela sala do museu e escondeu o elefante atrás de um Bonsai. Então, é porque é conveniente pra todo mundo, que não é só o Palocci quem faz e que tudo isso só se revela porque é um governo trabalhista é que o Palocci é a vítima do sistema? Ah, sinceramente. Já passamos 8 anos justificando esses "deslizes" do PT; tá na hora de botar alguém na forca pra ver se o PT e todos encaram com mais responsabilidade uma reforma política séria e comprometida. Até mesmo para que o povo se estimule a dela participar.

 

BRASIL UM PAÍS DE CORRUPTOS SEM CORRUPTORES?

 

 

O pig se corroe. A injeva mata!!!

 

 

a análise da maria inês é brilhante, como sempre, mas totalmente "objetiva".  não tocou no lado, digamos, subjetivo da história. isto é, quanto dói para milhões de pessoas que lutaram para criar o pt, eleger lula, eleger dilma e, agora, encontram como homem forte do governo uma pessoa que tira sua força da confiança que recebe do mercado, está envolta nessa sujeirada toda e, mesmo assim, recebe blindagem do palácio do planalto. independente de o caso merecer uma análise dentro de um contexto maior e não individual, a coisa toda é muito dolorosa.

 

 

Um ponto que eu acho muito interessante nessa história toda, é como até esse assunto divide a oposição. O Palocci é um cara do mercado. Tem simpatizantes, digamos, "à direita". Aí, quando eu leio esses blogs de esgoto, tipo o Azevedo ou o Augusto Nunes, é muito engraçado ver esse pessoal mais extrema direita esbravejando contra Aécio ou mesmo contra Serra, devido a suas posturas "equilibradas demais" e por não terem descido o pau no ministro. 

 

 

"Fico extranhando que os oposicionistas de mais evidencia, não estejam metendo o pau no Ministro"

Prezado,o motivo é o seguinte: O Palocci sabe as mazelas cometidas por estes que ora estão meio que calados, e se ele "contar"o que sabe(e ele sabe muito, a respeito dos seus adversários políticos)não ficará pedra sobre pedra.

Outra coisa que está sendo questionada e reprisada, é a declaração de renda do Ministro, relativa a 2006, e a variação desta, até os dias atuais. E quem destes políticos e integrantes dos altos escalões do governo, declara exata e precisamente à Receita, os seus bens ?

E quem que após prestar serviços a orgãos públicos,e conhecer os "atalhos"oficiais,deixa de prestar assessoria a quem interessas possa ?

Que tal pararmos com esta hipocrisia, e aceitarmos a realidade absoluta, que o que precisa ser feito, é uma mudança nas leis e criar uma quarentena, para tais ex-integrantes de cargos de alto escalão ?

Os poucos congressistas, que ainda se dizem oposicionistas, ao invêz de tentar alterar a Constituição, no que se refere a estas práticas costumases e pouco ortodoxas, ficam ameaçando chamar à tribuna do Congresso os envolvidos, e ficar em evidência, e ocupar os holofotes.

Que falta do que fazer !

 

Os poderosos  vieram na escuridão, e destruiram a única rosa do meu jardim; Depois vieram novamente às escondidas, e destruiram todas as minhas roseiras, porem jamais conseguirão impedir, a chegada da primavera.

Eu assino embaixo,a análise pespolitizada e imparcial da jornalista, e só acrescentaria o seguinte: A quem interessaria "colocar lenha na fogueira"após todas as explicações dadas pela assessoria de imprensa do Ministro, e as notas da sua empresa ?

O nosso Código penal reza claramente que "Cabe a quem acusa a alguem, mostrar as provas, e jamais ao acusado, ter que defender-se das acusações, exceto quando em juízo"

Se as nossas leis não impedem que ex-funcs.do alto escalão e portadores de informações privilegiadas, possam prestar serviços relacionados, ao mercado, então não podemos criticar a quem enriquece prestando tais serviços, ou então que mudemos as leis, criemos um código de atividade que impeça o exercício de tais atividades.

Ao contrário disto, o que estamos vendo, é uma oposição no Congresso, querendo sair da inespressividade, em cima de factóides encomendados e "atiçados por um jornal de direita, que não aceitou o resultado das urnas.

 

Os poderosos  vieram na escuridão, e destruiram a única rosa do meu jardim; Depois vieram novamente às escondidas, e destruiram todas as minhas roseiras, porem jamais conseguirão impedir, a chegada da primavera.

Fiz algumas continhas:

Das 56 semanas no ano passado, tirou umas 4 para descanso (afinal, ninguém é de ferro)

Se contarmos apenas de Abril a Outubro ele ficou 28 semanas tomando conta da campanha da presidenta.

Restaram 24 semanas (tô sendo bonzinho) o que dá 120 dias úteis de trabalho de consultoria.

Dividindo os R$ 20.000.000,00 por 120 dias nos dá a bagatela de R$ 167.000,00 por dia de trabalho ou R$ 21.000,00

Vai ser consultor bom assim na casa do c...hapéu...

 

 

 
 

Acho pornográfico num país com tanta desigualdade um ex-detentor de cargo público, que teve mandato eletivo inclusive , ficar rico desse jeito em tão pouco tempo.

Fora Palocci.

 

De que jeito, Márcio?

Ele roubou aonde? quem o corrompeu?

Você tem essas informações?

Fala pra gente, ora...

 

A corrupção surge da ignorância. Cercar-se de incapazes para gerir um país rico e venturoso como o Brasil, motivo de cobiça e ganância de indígenas e alienígenas  inexcrupulosos, é dar sopa para o azar.

Sobra para todos, sem excessão.

Acorda Dilma!!!!

 

Follow the money, follow the power.

É impressionante a incapacidade de ver além do compruimento do braço.

O Palocci está sendo alvo de denuncias oriundas dentro do PT. É claro isso!!! A oposição tem no Palocci seu maior interlocutor.

É uma briga interna do PT que trouxe isso a tona. Afinal, não interesse de ninguém da oposição esse tipo de denuncia.

É muita falta de visão...

 

 

Acho que a coisa tá errada desde quando se informa que Palocci tinha tão-só R$ 350.000,00 de patrimônio em 2006. Quem é capaz de crer nisso? Na idade dele, mesmo em 2006, um assalariado médio, com mais de 20 anos de serviço, já poderia ter patrimônio muiito superior. Essa história tá errada a partir dessa informação.

A CBN está hoje ligando os faturamentos de Palocci a Dilma. É tudo que a emissora quer: chegar na Presidenta. 

 

     Nassif, o artigo é excelente, mas queria chamar a atenção para um outro ponto, você estava identificando mudança no comportamento da midia durante esse semestre ou estou enganado ?

     No campo da politica, tudo me parece absolutamente igual. Os partidos de oposição terceirizam a direção para o "quadrado magico" ( Folha, Estadão, Globo e Veja).

    Por sua vez a direção politica do quadrado magico permanece a mesma: amplificar escândalos reais ou não para derrubar governos, no caso pegar o  valete e depois caçar a rainha.

 

Geraldo Siqueira

A coisa seria bem mais séria se o fato fosse em um país sério , pois prevaricação  ou  usufruir de informações previlegiadas para beneficio próprio ja bastaria , para uma cana maior de que a do chefe do FMI , nós eleitores fomos sacaneados e estrupados na nossa cidadania pelo Palocci.

 

É mesmo, ai nenhum ex poderia trabalhar né ? Que legal. Alguem será que aceitaria ser ministro ? Ou ele teria que se fazer no próprio ministério ?

 

@DanielQuireza

Caro Daniel, nesta época que ele enriqueceu ele era deputado, ou seja, tinha uma renda de trabalho. Vc não acha conflituoso que um deputado, ora legislador, preste concomintamente ao exercício do cargo, consultoria?

 

Daniel, em geral eu gosto e me alinho que as tuas opiniões, mas estou te achando irreconhecível. Teus argumentos , no caso Palocci, não estão a altura de sua inteligencia e sensibilidade. Talvez, porque não há argumentos contra o indefensável, resta sofismar.

 

So uma perguntinha que me corroi a alma :O caseiro teve que explicar a merreca que estava em sua conta , porque Palocci não explica logo esta mixaria de alguns milhões na sua evolução patrimonial ? . Existe algo de podre no reino do PT.

 

Perfeito, não sei como não haviam pensado nisso antes. Bastaria ao Palocci dizer que seu pai, dono de um dois alqueires e uma mula em Sertãozinho, arrependeu-se de nunca tê-lo reconhecido como filho e quis recompensá-lo agora, depositando 6 milhões na sua conta.

Daí a imprensa diria: ah, tá bom, então está explicado!

 

Sanzio, o momento não é pra isto mas.....kakakakakaka.......não aguentei!!!

 

#vaitercopa

(1) O que eu acho impressionante é a enorme força remanescente do PIG, que consegue pautar, por motivos clarissimamente interesseiros e desonestos, as discussões de um grande número de pessoas que não lêem o PIG, não gostam do PIG, desprezam o PIG. Esse caso do Palocci é parecido com a campanha que fizeram contra o Sarney, quando de repente, depois de 50 anos, descobriram que é um coronel da política.

(2) Eu também acho que agora é o momento da Dilma mostrar a que veio. Se se mostrar fraca agora seu governo (infelizmente) acabou, no sentido de que vai governar apenas para se justificar diariamente ao PIG. Porque fabricar crises é a marca registrada do PIG, e acredito que o que vimos até agora é só o começo.

(3) Além do mais, acho que o "novo tempo da política" que viria após a derrota do Serra era apenas uma miragem na cabeça de algumas pessoas bem-intencionadas mas ingênuas.

 

As empresas deveriam se candidatar como pessoas jurídicas mesmo ao invés de apoiar candidatos, as famosas caixinhas os lançamentos fraudulentos, claro que quando o candidato que ela(empresa) apoiou sai vitorioso, e geralmente é o que acontence, ela(empresa) vai querer tudo de volta

Melhor então que se candidatem para que possamos nelas votar, em qualquer uma, desde igrejas a supermercados passando por fábricas, pq não

Já que nesta noite sonhei passeando por um mundo mágico em direção a cidade encantada, não custa sonhar né

Por Uma Vida Melhor

 

Calendário SPIN

Muito bem colocado o problema. Se o sistema político brasileiro se orienta por critérios mercadológicos, de nada adiante fulanizá-lo por agir com esse regulamento debaixo do braço. Ou se fala sério e dicute-se o mal da origem, se é que isso realmente incomoda, pois me parece que esse sistema é o que a mídia e maioria dos políticos gostam, ou reconheçamos que essa conversa está apenas nos desviando do foco.

 

Eu não devia, mas sou obrigado a fazer este comentário. Ver gente que se diz progressista defender Antonio Palocci, mesmo que seja contra mais uma sordidez da imprensa, é deprimente.

Quanto ao artigo, tenho de dar os parabéns à Maria Inês. Sagacidade igual à dela, só vi nas colunas do Castelinho. É só ler o artigo com "olhos para ver".

 

  Luiz Lima, obrigado você não é, mas isso é um bom sinal de que sua percepção e consciência estão em funcionamento. Concordo plenamente com o que você disse, mas atribuo esse posicionamento de muitos comentaristas do blog à prevenção automática contra o PIG. Inclusive é notável que esse "moralismo de resultados" tem sido muito cada vez menos manifestado que no dia em que o enriquecimento do Palocci veio à tona. Acredito que, com o esfriamento de ânimos, o pessoal aqui perceba que o alinhamento automático não só é estéril, mas perigoso.

 

Caro Luiz, vc traduziu o meu estado de espirito em relação a defesa de Palocci por setores ditos progressistas: é deprimente !!!!! Só com muito cinismo e nivelando muito por baixo ... O voto e eleição de Dilma não foi uma sinalização de perdão aos aloprados de todas as cores, mas o entendimento de alguns é que é.

 

O sistema político brasileiro dá mais um sinal de que é todo estruturado em torno da corrupção. A Maria Inês Nassif não deixa passar um.

 

Ninguém vai atacar a filha do serra ou qualquer outro que tenha cometido "excessos", se este não for um "fiador". O Jogo político da oposição e da mídia "carniceira" é para derrubar pilares. E como estas estruturas são levantadas sob corrupção e dentro do sistema já bastante conhecido dos próprios "jogadores", não é difícil de assistirmos a repetição do mesmo episódio sempre.  

 

O próprio Palocci deu a deixa: não fui o único a me apropriar do sistema. Quem, dentro do sistema, vai querer mudá-lo?