Revista GGN

Assine

O interesse público na mudança do comando da Globo

Comentário aos post "Mudanças na diretoria da Globo"

Ontem, o Jornal Nacional anunciou mudanças em sua cúpula num longo comunicado lido pela voz mansa e servil de William Bonner. A extensão da mensagem, no caso, era plenamente justificada. Ainda que não tenhamos sinais de mudança radical na orientação jornalística da emissora, qualquer alteração, por menor que seja, no comando da Rede Globo ganha interesse público, pois diz respeito ao controle sobre uma parte substancial dos mecanismos de formação da opinião pública no país. Apesar do interesse PÚBLICO inegável, o debate sobre esse tipo de mudança é feito entre quatro paredes, e a sociedade não tem a menor possibilidade de interferir no processo. Por outro lado, o interesse de uma organização gigantesca como a Globo no processo político é evidente. A emissora apoiou abertamente o regime militar, boicotou as diretas, criou a candidatura Collor, capitaneou o movimento pelo impeachment de Collor, apoiou criticamente o governo Fernando Henrique (manter o laço sempre armado faz parte da estratégia de poder), e desde 2002 dedica-se noite e dia a desgastar a imagem do PT e de Lula. 

O que falta ao PT para enfrentar personagens realmente grandes, como a Rede Globo? Falta ser um partido grande, que dê sustentação efetiva e mais ou menos independente ao Executivo e seja capaz de matar no nascedouro as tentativas de golpe via impeachment. Lula pôs a governabilidade acima de tudo. Para não ferir suscetibilidades, em mais de uma ocasião deixou de apoiar o partido em eleições regionais. Matou lideranças que nasciam em favor de outras, antigas e corruptas, que o apoiavam. No final, precoupou-se em renovar o partio, com Dilma e agora com Haddad. Mas o partido como um todo ainda é fraco, e é isso que torna inviável a elaboração de leis que democratizem efetivamente o exercício da liberdade de opinião, fazendo com que a vitrine de uma emissora do porte da Rede Globo esteja realmente acessível a diferentes correntes de pensamento, e não continue sendo aquilo que ela é hoje - um mero instrumento de manipulação ideológica das massas. 

O PT jamais será um partido confiável aos olhos da Rede Globo. O que a emissora puder fazer para manter o partido com uma dimensão reduzida, ela fará. Não é exclusividade do PT. De modo geral, nenhum partido e nenhum político é plenamente confiável do ponto de vista de um grande órgão de imprensa. A imprensa se vê, hoje, como um quarto poder, e EXERCE esse poder em toda a sua extensão, relacionando-se com os outros três levando em conta os seus INTERESSES no jogo, e nada mais. Demóstenes Torres e José Roberto Arruda só eram "confiáveis" aos olhos da revista Veja porque estavam associados ao MESMO bicheiro ao qual ela própria se associou. Pertenciam, digamos assim, ao mesmo organograma. A revista sabia que poderia detonar qualquer um dos dois quando bem entendesse, e por isso os apoiava e lutava para que chegassem à Presidência da República. Não os apoiava "apesar" de saber que tinham ligações com o crime organizado. Apoiava-os EXATAMENTE por isso: por serem "confiáveis", por poderem ser destruídos a qualquer tempo. A não ser por isso - por ter se tornado, em função dos próprios deslizes, num fantoche facilmente manipulável - NENHUM político é confiável aos olhos de uma Rede Globo, de uma revista Veja, ou de uma Folha de São Paulo. TODOS eles podem ser aliados ocasionais, mas continuam sendo sempre inimigos potenciais. Vem daí a filosofia que eles TODOS compartilham: "Se hay gobierno, yo soy contra!" A primeira providência que tomam, assim que um novo governante sobe ao poder, é fragilizá-lo com uma chuva de denúncias reais ou fabricadas, acuando-o, fazendo-o ficar à mercê de sua boa vontade. Foi o que fizeram com Fernando Henrique Cardoso (se quem me lê não se lembra disso, a culpa não é minha - consultem os arquivos), foi o que fizeram (em dose dupla) com Lula, é o que estão fazendo (ora mais, ora menos) com Dilma, e é o que farão com qualquer um que tenha a caneta o Poder Executivo em suas mãos. 

Só será possível romper essa lógica e partir para o enfrentamento dos conglomerados de comunicação no Brasil caso tenhamos um presidente fortemente respaldado por um partido político de esquerda - um partido capaz de lhe dar sustentação no Congresso contra tentativas de golpe branco, via denúncias seletivas e campanhas de difamação. O PSDB esgotou-se enquanto partido da SOCIAL-DEMOCRACIA brasileira. Hoje, o partido capaz de levar adiante essa bandeira é o PT. Enquanto não tivermos um PARTIDO forte, é impensável imaginar um enfrentamento de uma máquina ideológica do porte da Rede Globo. Esse é o dado básico que deveria ser levado em conta na hora de sabotar candidaturas locais em nome de associações nacionais.

A troca de comando, anunciada ontem na Rede Globo tinha um formato nitidamente stalinista. Imagino que uma reforma ministerial era anunciada pelo rádio na URSS dos anos 30 da mesma forma, no mesmo tom neutro, impositivo, projetado contra do pano de fundo de um poder incontrastável, envolto na sonoridade solene de um sobrenome quase mítico - "Stalin" para eles, "Marinho" para nós. Sem eliminar esse stalinismo vigente na mídia brasileira, não existe a menor esperança de construirmos uma democracia que não se resuma a um simples jogo formal de apertar um botãozinho numa urna eletrônica a cada quatro anos. Enquanto comunicados como o de ontem à noite continuarem determinando os rumos da discussão política  socialmente compartilhada, jamais evoluiremos da mera liberdade de ESCOLHA para uma efetiva liberdade de DELIBERAÇÃO, em que a discussão se articula a partir do contraditório. Não precisamos de um líder. Precisamos de um PARTIDO. Líderes podem ser facilmente descartados, e nada podem contra estruturas estabelecidas. Essa é a próxima etapa a ser vencida na construção da democracia brasileira e mundial: a afirmação do Estado democrático sobre organizações stalinistas que colonizam porções imensas da vida social. Lula foi, é e continuará sendo importante como líder. Para enfrentar a Rede Globo, no entanto, ele é menos que nada. Sem um partido forte, comunicados como o de ontem à noite continuarão ditando os destinos da circulação de informações e de idéias no país todo, decidindo o que pode e o que não pode ser dito, o que deve ser posto em discussão e o que deve continuar sendo um tabu, que crimes são urgente e importantes, que crimes devem ser esquecidos, quem pode continuar governando e quem deve ser apeado do poder porque não se mostrou suficientemente confiável.

Sem votos
36 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+36 comentários

"Foi o que fizeram com Fernando Henrique Cardoso (se quem me lê não se lembra disso, a culpa não é minha - consultem os arquivos), foi o que fizeram (em dose dupla) com Lula"...

Ótimo. É isso que quero, uma imprensa que vigie o poder, não uma que o bajule, como era na ditadura.

 

Como outros comentaristas, eu sinceramente não acho que o caminho para se solucionar o desequilíbrio de poder na imprensa é algum tipo de intervencionismo - a forma como a Globo se organiza internamente é problema exclusivo dela, se isso causa uma mudança de rumo na linha editorial, eu como cidadão terei plenas condições de detectar isso. E é aí que "a porca torce o rabo": será que a opinião pública brasileira tem a maturidade de separar o joio do trigo ? Se ela não tem, que garantia eu tenho que o governo, ao supostamente coibir os excessos da imprensa, não vai aproveitar para "puxar a sardinha" para o lado dele ?

Apesar disso, há pelo menos duas frentes em que o governo poderia atuar para diminuir o efeito do tal "quarto poder":

- fomentar a competição: o governo Lula errou, a meu ver, quando implementou a tecnologia de TV digital que mais privilegiava os "players" existentes. Se tivéssemos novos canais de TV aberta no Brasil, quem sabe isso não ajudaria a diminuir a audiência da Globo e aumentar a pluralidade de ideias. Um acerto na ideia que ainda não se refletiu na execução foi a criação de uma TV pública: aqui, me parece que o problema é mais do que nunca de marketing - até há programas bons na TV Brasil, mas ninguém sequer sabe que eles existem. Por último, o governo acerta ao fomentar a TV a cabo e a banda larga, uma vez que essas tecnologias tendem a roubar espaço da TV aberta e, particularmente no caso da Internet, democratizar a publicação de conteúdos.

- é fato que precisa-se de algum mecanismo para coibir eventuais excessos dos meios de comunicação em geral (não apenas da TV aberta). O caminho jurídico é reformar a Lei de Imprensa, e buscar formas de dar celeridade a processos que envolvam calúnias infundadas ou "assassinatos de reputação". Outra alternativa a se pensar é a criação de algum tipo de "conselho de ética", mas aqui o grande pepino é achar uma composição que não permita a captura por parte dos meios de comunicação (duvido que uma solução 100 % autorregulamentada como o CONAR funcionaria nesse caso), mas que ao mesmo tempo seja relativamente independente do governo.

Por último, eu não acho que as mudanças que precisam ser feitas só serão possíveis quando "o PT for um partido forte". A impressão que eu tenho é que nem o Lula nem a Dilma estão realmente interessados em uma reforma dos meios de comunicação, até porque ambos conseguiram vencer as eleições apesar da imprensa negativa. Considerando-se que a Dilma tem enfrentado um lobby fortíssimo como o do mercado financeiro (ao baixar as taxas de juros e buscar a desvalorização do câmbio), tenho certeza que, se isso fosse prioridade do governo dela, ela buscaria mais medidas para "amansar" o poder da mídia. Mas o fato é que essa é uma bandeira da militância/blogosfera, e não do governo.

 

 


Hei pessoal, vcs que tem tempo pra assistir esse canal, continuem a dar audiência e passando informações como essa.


Uma forma de barrar os caras e reduzindo a audiência. Eu faço a minha parte.

 

Vale lembrar o episódio da bolinha de papel em 2010. A Globo comprou o perito molina e tentou safar jserra do vexame e mantê-lo na disputa eleitoral no mesmo patamar anterior. Mas se deu muito mal. A mentira não colou, mas nem por isso e nem por tudo o que JV rememorou sobre os crimes da Globo, a mesma não perdeu audiência e nem a credibilidade do seu JN entre a população menos esclarecida, aquela que é por ela controlada. Daí, sobressai-se a urgente necessidade de investimentos na Educação e a importância de Haddad. Enquanto a Globo continuar passando feito trator sobre as mentes da maioria dos brasileiros, a possibilidade de vê-la no chão torna-se muito remota. 

 

"Não precisamos de um líder. Precisamos de um PARTIDO. Líderes podem ser facilmente descartados, e nada podem contra estruturas estabelecidas. Essa é a próxima etapa a ser vencida na construção da democracia brasileira e mundial: a afirmação do Estado democrático sobre organizações stalinistas que colonizam porções imensas da vida social. Lula foi, é e continuará sendo importante como líder. Para enfrentar a Rede Globo, no entanto, ele é menos que nada."

Jotavê, parabéns pela lucidez... concordo com quase tudo o que você afirma, em linhas gerais, a sociologia da coisa, o poder da Globo, tudo o mais...

Mas é nesse parágrafo que destaquei, que discordo de seu pensamento... O mundo SEMPRE foi movido por líderes, ou grupos de líderes a exercendo em conjunto. É meio abstrato falar em "Partido", nesse sentido que você tenta dar, de um Partido sólido... Partido sólido equivale a LIDERANÇAS SÓLIDAS, sempre foi assim, historicamente, até onde eu me lembro.

Para o bem e para o mal, nós homens, nitidamente "rebanho", como bem dizia Niezstche, mesmo hoje, no auge do espraiamento do conhecimento via internet, somos muito mais "rebanho" do que "consciências livres e pensantes" agrupadas em sociedade.

Quem pensa e decide por si, com conhecimento e consciência, ainda é minoria. No Brasil e no resto do mundo, via de regra.

Sei que o PT não se resume a Lula, mas tire Lula da história do PT, e tente fazer um exercício de imaginação, se o Brasil teria chegado onde chegou, SEM ESSE LÍDER MAGNÍFICO, INTUITIVO, CONCILIADOR, ÚNICO EM NOSSA HISTÓRIA...

Particularmente, duvido!!! É ver a Índia sem Gandhi, África do Sul sem Mandela, guardadas as devidas proporções...

Entendo perfeitamente - e concordo na essência do pensar... - seu entendimento, quanto à necessidade de um Partido SÓLIDO, claro que apóio isso.

Mas, meu amigo, ao contrário do que você afirma, LÍDERES NÃO PODEM SER FACILMENTE DESCARTADOS!!! Pseudo-líderes, sim... Lula não é e nunca será, "menos que nada", numa eventual luta contra a Rede Globo. Ao contrário, acredito que, se houe e há um brasileiro capaz de aglutinar brasileiros nessa causa, seria e é Lula! Porque acha que o ÓDIO da mídia é tão violento, tão feroz contra esse brasileiro? No fundo, reconhecem sua força, seu carisma, É O MEDO, MAIS QUE O PRECONCEITO, QUE JUSTIFICA-LHES O ÓDIO E O RANCOR CONTRA LULA... Não temem o PT, temem Lula, não temem o Partido, temem O LÍDER...

Líderes são tão ABSOLUTAMENTE NECESSÁRIOS, que por falta deles, o PSDB virou essa monstrengo social e político, essa coisa amorfa, apagada... A Mídia, com o mesmo afinco que tentou CONSTRUIR O MITO FHC-SOCIÓLOGO-MAGNÍFICO, ou SERRA-GRANDE-ADMINISTRADOR, tentou e tenta DESTRUIR LULA...

Caro Jotavê, a VERDADE se impõe, ela é o absoluto da vida.... Quem é FHC hoje, coitado...? Quem é Serra hoje...? NADA!!!! Fantasmas,sem liderança alguma, sustentados por um massacre midiático, de colunistas de aluguel, pagos para bajular e sustentar a ambos, e o apoio de Agnaldo Timóteo e Bruna Lombardi (Regina Duarte, talvez...?) - isso é FHC e Serra... Porque, com o apoio TOTAL da mídia, nos últimos 20 anos...? Porque essa é a VERDADE dos dois, isso é o que são... dois boçais incompetentes, fracos, sem vida própria, despersonalizados, são dois coitados, é isso...

E Lula? Falemos de Lula... onde está Lula, apesar do MASSACRE HEDIONDO E COVARDE DA MÍDIA? Lula está na HISTÓRIA, brasileira e mundial... Lula é querido, admirado, respeitado, temido e odiado... TUDO o que um LÍDER NATURAL provoca...

Não fosse pacato e conciliador, ele teria encediado o Brasil. Preferiu e prefere o diálogo, a política como caminho. E assim será. A hora da Globo vai chegar, como chega a hora da queda de todos os impérios. E será pelas mãos de um partido, da sociedade articulada? Provavelmente. Aposto com quem quiser, que pelas mãos de um  grande líder, como Lula tem sido. Um abraço!!!

 

Jotavê

PARABÉNS pela escriba, só um breve comentário; entendo que deste muita enfase as duas grandezas; mudanças são salutares e tanto a Globo como o Lula sabem o que estão por vir....

Abração

 

Mário Mendonça

O nosso escriba habilidoso, nos leva por caminhos floridos para nos deixar no deserto a praguejar contra o sol.


Esqueçe que a Globo (estamos falando de TV) foi recebida na Ditadura, mais ou menos 50 anos. Apesar de ainda ter grande domínio, vem perdendo dia a dia audiência. Sua credibilidade também não para de cair.


A internet e os blogs com toda falta de estrutura tem sido uma constante preocupação da Globo, não pela audiência, mas pela massa critica formada pelos seus autores e leitores. A Globo sabe a diferença entre esta massa crítica e os homers simpsons de sua audiência. Exceto uma classe média desprovida de senso crítico, para o restante, o que a globo repete ad nausem e o que faz com sua estrutura administrativa nem entra em seus ouvidos e continuarão a votar nos candidatos do Lula.


Sua imagem forjada não corresponde aos fatos nem à realidade e ao futuro das comunicações.


Como ninguém consegue enganar todo mundo o tempo inteiro, quando é decoberta a fraude, há um esfalecimento da confiança. E recuperar isso é extremamente difícil.


Os blogs ainda estão na infância e por muitas razões tem incomodado muito os barões da mídia.


De minha parte espero ter vida para assistir a globo falida. 

 

A Record concorrendo com a Globo é uma beleza. Sozinha, na liderança, nos faria sentir SAUDADES da Globo. Temos que imaginar soluções estruturais, que valham para a Globo, para a Record, para todos.

 

Data Venia Ilustre Colaborador Jotavê, faço minha percepção que minha ignara mente não contempla o veículo citado nem outros veículos da nossa querida "midia grande".  Meu modesto entendimento é que todos estão no ciclo de exaustão dentro dos processos de evolução da natureza, onde todos os organismos vivos nascem, crescem, reproduzem e morrem. Para o bem e para o mal, o  fim desta "midia grande" encontra-se inexoravelmente próximo.  

 

 

O real significado da democracia: o regime do poder visível.
 
“O ideário começou a ser conspurcado, à sombra do poder invisível no interior recôndito do Estado, pela confluência de interesses espúrios e alianças táticas entre máfias, grupinhos e castas que se alimentam da corrupção. Nesse momento, o Estado moral soçobra diante do império imoral.”
 
Gaudêncio Torquato, jornalista, professor da USP e consultor político (sobre lobbies)

 

Nós somos o povo mais bundão do planeta, algo que se confirma por alguns dos comentários postados aqui. Uma infinidade de etnias e origens diversas, que resultou em um país ridicularmente desigual, e que conserva, tanto naqueles que vêem a socidade de cima (minoria) como aqueles que a vêem de baixo (imensa maioria), a mesma característica: uma infinita passividade, que permite a alguns incautos acreditarem que deixar uma emissora maquiavélica como a Rede Globo de Televisão fazer o que quer é preservar a nossa "democracia". Sério, é de rolar no chão de dar risada. Nós podemos juntar 200 sextilhões de dólares no PIB ou coisa que o valha, que tudo vai continuar a mesma coisa: é porrada no Neymar e no Mano, e Carminha e Nina na telinha, que de resto a gente vai levando. Acho que pessoas como Lula e Dilma devem morrer de raiva quando vêem a classe média ainda presa nos valores do golpe de 64.  A última fração do país que precisa acordar pra realidade, o fio da navalha que separa o passado triste de um futuro glorioso, e eles insistem em cotinuar hibernando. ACORDA, BRASIL! Chega de República das Bananas, já deu essa porcaria!

 

agora esse JV forçou a amizade.

 

Del40

hein?

 

Del40

Caro Jotavê:

Perfeita a análise. É exatamente isso e representa um enorme desafio para todos, os ditos progressistas, enfrentar o tal do PIG.

A única restrição que faço a sua postagem é que, além de escrever, para certas pessoas, tens que desenhar para se fazer entendido, senão.....não dá.

 

"Tudo me é lícito mas nem tudo me convém" Contra o Preconceito e a Discriminação, o repúdio e a Lei.

Esse menino perdeu o juizo? Acha que o Brasil tem que ser uma democracia de "partido unico" como no Mexico?? Então o PT tem que ser  tão grande a ponto de ocupar 2/3 do Congresso e não sobrar vaga prá mais ninguém??? Que loucura é essa??? Enfrentamento a conglomerado??? "Enfrentar" como??? Quem "enfrentava" as coisas era o regime militar. Mandava prender e mandava matar ... Tenha juizo meu filho!  Existem outras maneiras de se conquistar a hegemonia.

 

Maria Izabel,

O problema é que você projeta sobre os problemas para que eu apontei soluções que você imagina que eu daria. 

Ninguém está falano em censura, antes de mais nada. Ninguém está falando em restrições à liberdade. Estou falando em MAIS liberdade. Estou falando em permitir que múltiplas opiniões se manifestem, e que a esturtura interna de uma organização como a Rede Globo se democratize. Como a discussão está minada por preconceitos de parte a parte, vou lhe dar um exemplo prático. Veja se vê nisso qualquer autoritarismo.

Que tal tornarmos obrigatória a figura do ombudsman em jornais, revistas, rádios e televisões de grandes dimensões? Que tal regulamentarmos essa atividade, fazendo com que a coluna do ombudsman não fique perdida num arrebalde distante da edição de domingo, mas ocupe toda a segunda página de um grande jornal, as "páginas amarelas" de uma grande revista, quinze minutos da programação matutina de uma rádio, quinze minutos semanais do horário nobre da Rede Globo? Acha que isso fere a liberdade de expressão? 

Outro exemplo.

Que tal tornarmos o direito de resposta LIMINARMENTE exigível (efetiva, portanto, alguns dias depois da publicação de uma notícia), sempre que o juiz considerar que o veículo de comunicação não deu suficiente destaque à versão de quem se sente injustamente acusado? Você acha que isso fere a liberdade de expressão? Ou reconhece que apenas torna essa liberdade acessível a um número maior de pessoas?

 

Não vejo globo nem acredito nos meios citados. Se depender de mim eles estão pregando no deserto. Com os meios que temos hoje para abter informações, só as elites e os idiotas se deixam levar por eles.

Em eleição algunha foi manipulado por estes meios e tenho pena de alguns que se deixa leva ao ponto;

se alguns destes meios falar comam merda serenada que faz bem, 90%  da elite vai fundo e 30% do povo ligados a estes meios também.

 

 

 

 

acho q quem está no deserto é vc...rs

 

Jotavê se superou sua nonsense com esse texto.

O lula e o PT derrotaram a Globo 3 vezes e vão para a quarta, nesse momento de eleições municipais, onde o PT está com maus resultados, estamos com a impressão de derrotismo. Aliado é claro ao julgamento do "mensalão".

Porém para 2014 temos clara perspectiva de mais 4 anos no poder e é issso que importa, a sociedade mudando e diminuindo as diferenças sociais, leia-se fim da fome e da miséria, aumento significativo da classe média, universalização de um sistema de saúde de qualidade e educação de qualidade para todos.

Somente a saúde não está no caminho certo, mas em 20 anos, por causa dos governos petista podemos chegar lá, e daí após isso nem eu terei mais tanto interesse no poder federal se a sociedade estiver como sonhávamos há 20 anos atrás. O caminho de lula estará percorrido.

 

NAo confunda duas coisas, Bento. Uma coisa é ganhar as eleições apesar da campanha contrária montada pela Rede Globo. Essa batalha, sem dúvida, Lula ganhou. Estou falando, porém, de outra coisa. Estou falando da viabilidade de se implementar medidas que FORCEM a democratização ds meios de comunicação no país. Para isso, repito, Lula ou qualquer outro líder isolado é impotente. So um partido forte e unido em torno de um programa de esquerda seria capaz de fazer isso. 

 

Mas no fim, será (e está sendo) feita por um líder religioso.

 

O problema é que respaldo pode ter o governo respaldado por partidos de "esquerda" como o PSB, ou sofrendo a oposição da "esquerda" de PSOLS, Marinas e Gabeiras da vida?

Acabar com o financiamento público da grande imprensa já seria uma grande iniciativa, o governo que anuncie suas medidas por canais oficiais, na internet, na TV Brasil, etc., a imprensa que receba publicidade por meio do livre mercado, que eles tanto exaltam, quem não lembra do caso da revistinha do Reinaldo Azevedo, que foi a falência assim que foi revelado o esquema do governo Alckmin pela Nossa Caixa?

 

Gosto demais dos textos do Jotavê, pela qualidade formal, sim, mas, e principalmente, pelas enormes "janelas" que ele abre para nós entrarmos sem sermos convidados. Há inúmeras delas nesse post. Ficarei, por ora, apena com esta:

Lula foi, é e continuará sendo importante como líder. Para enfrentar a Rede Globo, no entanto, ele é menos que nada.

De que nada estamos falando, mesmo? O "nada" da Mecânica Quântica que pode ser "tudo"? Só pode ser. Mas que diabo fez o Lula até agora se não enfrentar e impor derrotas FRAGOROSAS ao Conglomerado de Comunição dos Marinhos? Jotavê, não sei a sua idade, mas suponho que tenhas acompanhado as trajetórias da Rede Globo(fundada em 1965; o jornal é da década de 20), do Lula e do entrelamentos entre as duas. 

O primeiro embate entre os citados já se dá nos meados da década de 70 quando Lula desponta como liderança sindical. A Globo(vamos chamar assim o conglomerado) estava onde sempre esteve: a favor da ditadura e contra todos os que a emulassem, a começar pelo movimentos sociais e sindicais. Lembro demais como Lula era apresentado no JN(naqueles tempos com 80% de audiência) como radical, baderneiro instigador de greves, analfabeto e comunista.

Necessário é remeter à campanhas políticas a partir de 1989, cujo marco inicial em termos de safadeza foi a manipulação do último debate com Collor. Lula nunca recebeu um refresco sequer. NUNCA!

Foi eleito em 2002, reeleito em 2006 e liderou a vitória da Dilma TOTALMENTE À CONTRA GOSTO do conglomerado midiático da família Marinho. Recebeu uma oposição tão feroz e mesquinha(ou talvez até mais) como Getúlio e Brizola. 

Como você vem agora com essa estória de "menor que nada"? Se derrotados houve, não foi o Lula. Como um ser com essa mini dimensão saiu do NADA(aí sim, vale o termo nada) nos anos setenta, enfrenta a oposição de todo um aparato midiático, inclusive do maior da América Latina um dos maiores do mundo, caso das organizações Globo, funda um partido(atualmente o mais expressivo da política nacional), ignora o vácuo de 3 eleições perdidas e ao fim consegue ser o maior líder político do país e um dos maiores da sua história?

Sabe de uma coisa: não estou entendo mais NADA com essa evocação do NADA para confrontar o Lula com a poderosa Globo. Nesse caso com um NADA mais a declarar. 


 

A resposta é boa, JB. Só que não se dirige a nada que eu tenha dito.

 

Recorri a um realce do tipo chiste ao escrever que teus textos"abriam janelas" com o intuito de antecipar que minha réplica iria se dar somente por conta da assertiva que fizeste acerca de uma suposta incapacidade política de Lula enfrentar ao Complexo midiático-empresarial Globo. E a minha discordãncia se dá exatamente no ponto em que tua análise descura da historicidade de ambos, ou seja, parte simplesmente do contexto e omite fatos e dados que atestam que o poderio das Organizações Globo já foi infinitamente maior e que Lula e o PT de forma contribuíram(existem outros fenômenos envolvidos) para reduzí-lo ao que é hoje: forte, mas desprovido da capacidade quase absoluta que tinha em tempos pretéritos  de intervir no meio social nas duas diversas dimensões: ideológica, política, social e econômica.

Não desconheço que o complexo empresarial midiático ainda detém muito poder e que enfrentá-lo prescinde de algo mais que simples lideranças isoladas, merce dessas, na minha avaliação, serem o fator chave para conduzir o processo. Seria quimeras querermos que só Lula e o PT, mesmo que respaldados pelo tônico político-eleitoral, fossem capazes de mudar o status quo. Tanto é que até agora foram frustantes as tentativas nesse sentido, tal o poder de retaliação através da manipulação do Leviatã.

Entretanto, duas perspectivas faltaram, a meu ver, nesse teu texto, de resto bastante instigante: a historicidade, pela qual se conclui que a situação foi muito pior; até incomparável(o ministro das Comunicações até mesmo no governo FHC, teoricamente menos dependente dos humores globais, passava pelo crivo do Sr. Roberto Marinho). A outra seria, ao contrário, focada no futuro tomando por base as mudanças de cenários ocorridas nos últimos tempos, incluindo o próprio meio, a exemplo da internet, e o seu entorno político, social e econômico.

 

Sem uma organização que dê sustentação e capacidade de enfrentamento não há como se defender nem atacar um poderio cuja força e interesses advém de um império. Depender apenas de líderes e seus gogós - que não são eternos - é pouco. A crítica que eu faço é não solicitar que outros partidos também percebam esse jogo que um partido só não consegue nem competir. Ainda mais agora que uma parte boa da sua banda boa fora expulsa e lhe é ferrenha inimiga.

 

Concordo com você!!!

A cada dia, a Globo e seus coadjuvantes vem perdendo espaço e influência. Por isso o esperneio todo da parte deles.

Cada dia do governo Lula foi um dia de derrota para a ex-toda poderosa. Eles tiveram que engolir o "apedeuta, anta, e etc" por 8 anos e ainda vê-lo eleger seu "poste", e sair como o presidente mais popular da história!! Quer maior derrota que esta?

Para mim, só mudou a mosca por lá. Vai continuar tudo como antes, e eu continuo a não dar bola para eles...ahahahahahahahaah

 

por merecimento vai em DOBRO...

Re: O interesse público na mudança do comando da Globo
 

Foi o que a Globo fez com Ricardo Teixeira...

 

"Não existe testemunha tão terrível, nem acusador tão implacável quanto a consciência que mora no coração de cada homem." Políbio

MEU DEUSSSS. Perdeu totalmente a noção..... Vivemos em uma democracia e onde existem empresas privadas (caso da Globo). Tem gente que acha que vivemos em um regime comunista em que o governo entra em tudo e controla inclusive o pensamento das pessoas.

 

Helbert, 

Se quiser argumentar, fique à vontade. Precisará de algo mais substancial do que expressões interjectivas. A Constituição trata emissoras de televisão omo concessões públicas, a serem submetidas a critérios públicos de uso. A Constituição, entendeu? Ninguém está falando aqui em socialização dos meios de produção, ou de coisa que o valha. Estou falando do cumprimento daquilo que vem dito na Constituição do país.

 

Caro Jotavê, 

Perfeita a tua análise. Apenas um porém. Não perca tempo respondendo a certas pessoas que não entendem, sequer, o que está comentando. Fazem parte da boiada.

Parabéns pelo post é exatamente isso que acontece no Brasil.

 

 

Jotavê disse:

 

“Ninguém está falando aqui em socialização dos meios de produção, ou de coisa que o valha. Estou falando do cumprimento daquilo que vem dito na Constituição do país.”

 

“Sem um partido forte, comunicados como o de ontem à noite continuarão ditando os destinos da circulação de informações e de idéias no país todo, decidindo o que pode e o que não pode ser dito, o que deve ser posto em discussão e o que deve continuar sendo um tabu, que crimes são urgente e importantes, que crimes devem ser esquecidos, quem pode continuar governando e quem deve ser apeado do poder porque não se mostrou suficientemente confiável.”

 

Se o sujeito não consegue nem entender o texto que o Jotavê escreveu, como é que ele vai entender a necessidade de o Estado regular e limitar a escandalosa e criminosa manipulação política que a grande mídia paulista faz da informação seletiva que o texto ataca, se não puder manifestar-se e tiver seu argumento contestado?

 

Temos, ao contrario, que agradecer e estimular o contraditório nesse espaço.

 

Quando a Renata Lo Prete fala na telinha com aquela carinha de moça direita, o Merval Pereira diz que o mensalão “realmente existiu” (a compra de votos, bem entendido, que NÃO EXISTIU!) e tantos outros, Waak, Cantanhede, etc, reproduzem o LIXO que a Veja produz associada ao crime organizado, citando artigos da Folha de São Paulo e tudo se multiplica numa vasta rede de desinformação, até eu sou tentado a acreditar (e acreditei por muito tempo!).

 

 

 

 

Exatamente, WB, e o Implacável em seguida arremata com um verdadeiro xeque-mate

 

Ah, está sim.

A Lei fala de troca de controle, do ponto de vista societário. Assim, se a Globo fosse vendida para o Eike Batista ou um conglomerado estrageiro (a Fox News, por exemplo), aí sim o Governo poderia intervir e revogar a concessão, se fosse o caso.

Do contrário, o Estado nao pode se meter em mudanças meramente administrativas dentro da emissora.

Que há interesse público, nao há dúvida. Daí a achar que o Estado deveria meter o bedelho, colocar alguém no Conselho de Administração, na Diretoria, é um exagero.

Vocês aprovam isso só pq o PT e a Dilma estão lá. Quero ver se fosse um governo do PSDB. Você estaria com essa sana intervencionista toda?

Aposto que não. Estaria dizendo que é censura, que é isso, é aquilo.

 

 

Rodrigo,

A Dilma e antes dela o Lula, pode sim revogar da concessão da porcaria da rede globo, sem ferir a legislação em vigor. Muito simples e certamente apoiada pela maioria do povo brasileiro. Matando o inimigo pela parte mais sensível, o bolso.

A Dilma tem a caneta. Óbvio, não "o caneta", meliante funcionário da abril, assim chamado por seus comparsas. É só cortar os anúncios do governo federal e de estatais para aquela organização. E de quebra deixar claro aos fornecedores e empresas que tem interesses no governo federal a sua desaprovação se anunciarem naquele veículo venal.

Deixe-os espernear. Salafrários como os marinhos, não aguentam 30 dias de pressão e entregam os pontos.