newsletter

Pular para o conteúdo principal

O julgamento dos suspeitos do 11 de Setembro, pela BBC

Da BBC Brasil

Incidentes marcam início de julgamento de suspeitos do 11 de setembro 


 

 

 

 

 

 

Khalid Sheik Mohammed pemaneceu em silêncio no tribunal

A primeira aparição de cinco suspeitos de planejar os ataques de 11 de setembro de 2001 perante um tribunal militar na base americana na Baía de Guantánamo foi marcada por incidentes neste sábado.

Khalid Sheikh Mohammed e outros quatro acusados de planejar os ataques de 2001 se recusaram a responder às perguntas durante a audiência de sete horas.

Um dos acusados exaltou-se, sugerindo que os americanos poderiam matá-lo antes do final do julgamento.

Os cinco se recusaram a comentar especificamente as acusações de assassinato e terrorismo.

As acusações, referentes aos ataques em que 2.976 pessoas morreram, podem levar à pena de morte.

Em nova audiência, será solicitado que eles se declarem culpados ou inocentes.

Os homens estão sendo julgados por um tribunal militar após uma tentativa de transferi-los para um tribunal dos EUA civil em 2009 não ter ocorrido por causa de clamor público e da oposição no Congresso.

Regras recentemente introduzidas incluem a proibição de provas obtidas sob tortura.

....

Mas os advogados de defesa ainda dizem que o sistema de julgamento de Guantánamo carece de legitimidade por causa do acesso restrito aos seus clientes.

Os réus são acusados de planejar e executar os atentados de 11 de setembro de 2001, quando quatro aviões comerciais foram sequestrados e acabaram derrubados em Nova York, Washington e Shanksville, na Pensilvânia.

Um pequeno número de parentes das vítimas assistiu à audiência no complexo militar.

"Tão difícil '

O auto-proclamado "mentor" dos atentados de 11 de setembro Khalid Sheikh Mohammed está sendo julgado com Waleed bin Attash, Ramzi Binalshibh, Ali Abd al-Aziz Ali e Mustafa Ahmad al-Hawsawi.

A audiência de acusação - na qual são lidas para os réus as denúncias - chegou a ser suspensa quando Waleed bin Attash teve que ser contido em sua cadeira no tribunal. As amarras foram mais tarde retiradas, após o advogado de defesa dar garantias de que ele iria "se comportar".

Khalid Mohammed foi submetido a afogamento simulado 183 vezes, segundo a CIA

Outro réu, Ramzi Binalshibh, se ajoelhou e rezou durante alguns minutos.

Mohammed, usando um turbante branco se recusou a responder às perguntas do juiz. Seu advogado disse que ele estava se recusando a ouvir o juiz em protesto contra a suposta tortura em custódia e porque ele acreditava que o tribunal é injusto.

A audiência foi novamente suspensa quando todos os acusados se recusaram a usar os fones de ouvido que oferecem tradução para o árabe.

O procedimento foi mais tarde retomado com um tradutor árabe presente no tribunal, para garantir que os acusados seguiriam o processo.

Ramzi Binalshibh tentou abordar o tribunal. Quando informado pelo juiz que poderia falar mais tarde, respondeu: "Talvez você não nos veja mais".

"Talvez me matem e digam que cometi suicídio."

O juiz, coronel James Pohl, lutou para manter os processos em curso.

"Por que é tão difícil?", exclamou em determinado momento.

A decisão de realizar um julgamento militar em vez de civil permanece polêmica e resulta de uma longa disputa legal sobre onde os cinco homens deveriam enfrentar a justiça.

Alegação de tortura

Khalid Sheikh Mohammed, que é de origem paquistanesa, mas nasceu no Kuwait, foi capturado no Paquistão em 2003 e transferido para a base de Guantánamo, em Cuba, em 2006.

Durante uma tentativa anterior de julgá-lo perante um tribunal militar em 2008, ele disse que pretendia declarar-se culpado e gostaria de receber a pena de morte.

Em 2009, a administração Obama, que prometeu fechar Guantánamo, tentou mover o julgamento para Nova York, mas reverteu sua decisão em 2011, após uma oposição generalizada.

Os cinco foram acusados em junho de 2011, por crimes semelhantes aos que já haviam sido acusados pela administração de George W. Bush.

Segundo o Pentágono, Khalid Sheikh Mohammed admitiu ser responsável "de A a Z" pelos ataques do 11/9.

Promotores americanos alegam que ele estava envolvido com uma série de outras atividades terroristas. A lista inclui o ataque a bombas a um clube noturno em 2002 em Bali, na Indonésia, o assassinato do jornalista americano Daniel Pearl e outra tentativa em 2001 de explodir um avião com uma bomba em um sapato.

Khalid Sheikh Mohammed alegou que foi repetidamente torturado durante sua detenção em Guantánamo.

Documentos da CIA confirmam que ele foi submetido a uma espécie de simulação de afogamento, conhecida como waterboarding, por 183 vezes.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/05/120504_11desetembro_tri...

Sem votos
22 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+22 comentários

Esse julgamento é uma babaquice!

Tinha que juntar os familiares das 3000 pessoa que morreram há 11 ANOS em um lugar qualquer dos EUA, soltar o cabra no meio delas e falar para ele dar uma explicação para elas do porque!

 

O julgamento é babaquice.


E seu comentário é babaquice ao quadrado. rsrs


pieguice de um fascistinha-linchador.


 


A turma "sieg heil" do blog do Nassif está toda nervosinha.

 

Se o meu comentário fosse de jogar o George Bush no meio do pessoal do Afeganistão que ele mandou matar para ele explicar o porque... aí vc estava todo feliz...comunistazinho!

 

hã... erro primário de leitor de veja.

Não meça os outros pelo seu metro. rsrs

fascistinha-linchador.

 

 

 

 

 

Quem foi Osama? Quem é Obama?  

 

Michel Chossudovsky

 

por Michel Chossudovsky
Enquanto o presidente e supremo comandante dos Estados Unidos da América, Barack Hussein Obama “celebra” o primeiro aniversário da alegada morte de bin Laden, mantém-se inalterada a questão de fundo de QUEM FOI OSAMA BIN LADEN. (Remarks by President Obama in Address to the Nation from Bagram Air Base, Afghanistan, ver vídeo no fim do artigo). 
Cheio de mentiras e invenções, o discurso cuidadosamente elaborado do presidente Obama encerra um mundo de total fantasia, em que os “maus do filme” estão à espreita e “conspiram atos de terrorismo”. Entretanto, diz-se que os “jihadistas” estão ameaçando a civilização ocidental. 
Cada uma de todas as afirmações do discurso de 1º de Maio de Obama na base da Força Aérea de Bagram, relativas ao papel da Al Qaeda, é uma invenção: (abaixo damos excertos das Notas de Obama em itálico, os comentários do autor estão indicados entre colchetes [ ]):
Foi aqui, no Afeganistão, que Osama bin Laden instalou um porto seguro para a sua organização terrorista. [Osama foi recrutado pela CIA, a al Qaeda foi montada com o apoio da CIA. O porto seguro de Osama foi protegido pelos serviços secretos dos EUA].
Foi para aqui, no Afeganistão, que a al Qaeda trouxe novos recrutas, os treinou e planejou atos de terrorismo. [Os Mujahideen foram recrutados e treinados pela CIA. A Arábia Saudita, aliada dos EUA, financiou as escolas corânicas Wahabbi, Ronald Reagan elogiou os mujahideen como “Combatentes pela Liberdade”. Sem o público americano saber, os EUA divulgaram os ensinamentos da jihad islâmica em manuais “Made in America”, elaborados na Universidade de Nebraska ].
Foi aqui, a partir destas fronteiras, que a Al Qaeda lançou os ataques que mataram aproximadamente 3000 homens, mulheres e crianças inocentes. [Obama refere-se aos ataques do 11/Set. Até hoje não há provas de que a al Qaeda tenha estado envolvida nisso. Além disso, como confirmado pela CBS News, a 10 de Setembro de 2001, Osama bin Laden deu entrada num hospital militar paquistanês em Rawalpindi por especial favor do Paquistão, aliado da América . Terá coordenado os ataques de 11/Set a partir da sua cama no hospital?]
E assim faz agora 10 anos, os Estados Unidos e os nossos aliados entraram em guerra para garantir que a al Qaeda nunca mais poderia usar este país para lançar os seus ataques contra nós. [Os ataques do 11/Set foram a justificação para a guerra no Afeganistão, com base na “auto defesa”. Dizia-se que o Afeganistão abrigava al Qaeda e portanto era cúmplice num descarado ato de guerra contra os EUA.
A verdade é que o governo dos Talibãs por duas vezes nas semanas que se seguiram ao 11/Ser ofereceram-se (através dos canais diplomáticos) para entregar Osama bin Laden ao sistema judicial dos EUA. O presidente George W. Bush recusou a oferta do governo Talibã, alegando que a América “não negocia com terroristas”.
A OTAN entrou em guerra invocando o Artigo Cinco do Tratado de Washington: um ato de guerra contra um membro da OTAN é considerado um ato de guerra contra todos os membros da OTAN ao abrigo da doutrina da segurança coletiva].
Apesar do êxito inicial, por uma série de razões, esta guerra demorou mais do que o inicialmente previsto. Em 2002, bin Laden e os seus lugares-tenentes escaparam pela fronteira e estabeleceram um porto seguro no Paquistão. A América passou quase oito anos a travar uma outra guerra no Iraque. E os aliados extremistas da al Qaeda no seio dos Talibãs travaram uma brutal insurreição. [O paradeiro de Osama bin Laden foi sempre bem conhecido dos serviços secretos dos EUA. O presidente Obama transmite a ilusão de que as forças dos EUA-OTAN e os seus funcionários de informações não conseguiam encontrar bin Laden. Nas palavras do antigo secretário da Defesa, Donald Rumsfeld (2002), “é como procurar uma agulha num palheiro”.
O presidente Obama também sugere que os operacionais da al Qaeda, equipados com mísseis Stinger e Kalashnikovs, tinham conseguido superar a máquina militar de muitos milhões de milhões de dólares dos EUA-OTAN].
Mas nos últimos três anos, a maré mudou. Quebramos a dinâmica dos Talibãs. Montamos fortes forças de segurança afegãs. Destruímos a liderança da al Qaeda, eliminando 20 dos seus 30 líderes de topo. E há um ano, a partir duma base aqui no Afeganistão, as nossas tropas lançaram a operação que matou Osama bin Laden. [Muito se tem escrito sobre esta questão. Não há provas quanto à identidade da pessoa que foi alegadamente morta pelas Forças Especiais SEAL. Nas palavras de Paul Craig Roberts, “A história do governo dos EUA sobre bin Laden foi tão mal cozinhada que não demorou 48 horas a ser alterada profundamente…”]
A meta que estabeleci – derrotar a al Qaeda e impedir qualquer hipótese de ela se reconstituir – está agora ao nosso alcance. [Há muitos indícios de que a al Qaeda, enquanto “trunfo secreto” patrocinado pelos EUA está “viva e se mexendo”. Desde 11/Set, a al Qaeda evoluiu para uma entidade multinacional com “filiais” em diversos lugares quentes geopolíticos por todo o mundo.
Na Líbia e na Síria, brigadas da al Qaeda são os soldados de infantaria da aliança militar EUA-OTAN.
Onde quer que o aparelho militar e de informações dos EUA esteja instalado, a al Qaeda está presente:
A al Qaeda no Iraque, a al Qaeda na Península Arábica (AQAP), o Grupo de Combate Islâmico da Líbia (GCIL), o Al Shaabab (Somália), a al Qaeda no Magreb Islâmico, o Jaish-e-Mohammed (JEM) (Exército de Maomé) (Paquistão), a organização Jemaah Islamiya (JI) (Indonésia), o Movimento Islâmico do Uzbequistão, etc. (Ver; Organizações Terroristas Estrangeiras do Departamento de Estado dos EUA, Conselho de Segurança das Nações Unidas, Lista de indivíduos, grupos, empresas e outras entidades associadas com a Lista de Sanções Al-Qaeda).
Ironicamente, em todos estes países, os serviços de informações dos EUA coordenam abertamente as atividades dos grupos filiados da al Qaeda. Oficialmente, o contraterrorismo consiste em combater a jihad islâmica. Não oficialmente, por meio de operações secretas, os serviços secretos ocidentais apoiam os seus “trunfos” incluindo entidades terroristas da lista do Departamento de Estado dos EUA.
Além disso, estas diversas organizações terroristas estão hoje sendo usadas em operações militares secretas EUA-OTAN contra países soberanos (por ex: Líbia e Síria). Segundo fontes dos serviços de informações israelenses:
“Entretanto, na sede da OTAN em Bruxelas e no supremo comando turco estão a ser traçados planos para o seu primeiro passo militar na Síria, que é armar os rebeldes com armas para combater os tanques e os helicópteros com a intenção de dissolver o contestado regime de Assad. Em vez de repetir o modelo líbio de ataques aéreos, os estrategas da OTAN estão a pensar mais em termos de injectar grandes quantidades de foguetões anti-tanques e anti-aéreos e metralhadoras pesadas nos centros de protesto para vencer as forças blindadas do governo”. (DEBKAfile,  OTAN vai fornecer aos rebeldes armas anti-tanque, 14/Agosto/2011)] Reagan conversa com mujahideens.Ronald Reagan conversa com combatentes “mujahideen” pela Liberdade 
Quem é ou era Osama?
Um “trunfo dos serviços secretos”, nomeadamente um instrumento da CIA para justificar a “Guerra Global contra o Terrorismo”.
Vale a pena recordar que a 14 de Setembro de 2001, tanto a Câmara como o Senado adotaram a resolução histórica que autorizou o presidente a “perseguir” países que “ajudaram os ataques terroristas [de 11/Set]”.
O presidente está autorizado a usar toda a força necessária e adequada contra as nações, organizações, ou pessoas que considerar que planearam, autorizaram, praticaram, ou ajudaram os ataques terroristas que ocorreram a 11 de Setembro de 2011, ou albergaram essas organizações ou pessoas, a fim de impedir quaisquer atos futuros de terrorismo internacional contra os Estados Unidos por essas nações, organizações ou pessoas.
Atualmente, em 2012, há amplos indícios de que:
1) A al Qaeda não esteve por detrás dos ataques do 11/Set ao World Trade Center e ao Pentágono.
2) Também há indícios pormenorizados de que organismos do governo dos EUA e da OTAN continuam a apoiar e a "albergar essas organizações" [a al Qaeda e suas organizações afiliadas]. Na Líbia, os rebeldes “pró-democracia” foram liderados por brigadas paramilitares da al Qaeda sob a supervisão das Forças Especiais da OTAN. A “Libertação” de Trípoli foi levada a efeito por “antigos” membros do Grupo de Combate Islâmico da Líbia (GCIL). Os jihadistas e a OTAN trabalharam de mãos dadas. Essas “antigas” brigadas afiliadas da Al Qaeda constituem a espinha dorsal da rebelião "pró-democracia”.
3) Há indícios crescentes de que as torres do WTC foram postas abaixo através de demolição controlada, levantando a hipótese de cumplicidade e encobrimento no seio do governo dos EUA, dos serviços secretos e militares. (Ver os escritos de Richard Gage, Undisputed Facts Point to the Controlled Demolition of WTC 7 , Global Research, Março 2008. Ver também o vídeo, Richard Gage Controlled Demolitions Caused the Collapse of the World Trade Center (WTC) buildings on September 11, 2001, Global Research).
Quem é Obama?
Um mentiroso político e um criminoso de guerra.
Os discursos escritos de Obama são distorções descaradas. As realidades são viradas de pernas para o ar. Os atos de guerra são apregoados como operações de paz…
Ironicamente, o texto da resolução do Congresso de 14 de Setembro de 2001 (ver acima) não exclui ação judicial e investigação criminal dirigida contra patrocinadores dos EUA-OTAN de terrorismo internacional, incluindo o presidente Obama, que utilizaram os trágicos acontecimentos do 11/Set como pretexto para travar uma “guerra sem fronteiras” ao abrigo da bandeira humanitária da “Guerra Global contra o Terrorismo”.
http://www.whitehouse.gov/sites/all/modules/swftools/shared/flash_media_player/player5x2.swf
O artigo original, em inglês, pode ser lido em: “WHO WAS OSAMA? WHO IS OBAMA?”Tradução de Margarida Ferreira e adaptação ao português do Brasil pela redecastorphoto Este artigo foi extraído de Resistir

 
Re: O julgamento dos suspeitos do 11 de Setembro, pela BBC
 

A extrema direita Americana planejou e excutou os ataques de 11 de setembro, precisou convencer aos Americanos e ao mundo de que foram os terroristas. Quase 3000 mortos e uma mídia alucinada basta para convencer uma nação de que  a guerra e o melhor. Foi assim com o Vietnam, uma guerra estupida que so favoreceu a indústria de armas. Invasão do Iraque, e Afeganistão tem o petróleo, gás, heroína, que paga os custos da guerra e ainda sobra muita grana .

Com o seu serviço secreto seria quase  impossivel não saber que seriam atacados. Onde estava a força área na hora dos ataques. Somente sendo imbecíl pra pensar que o pessoal do Osama detonou as torres. 

O Iran e a Korea so escapam por causa de suas armas nucleares, se não já teriam invandido também. 

EUA são os piores terroristas, se somarmos o número de vitimas  já feita por eles em seus ataques, invasões e patrocínio de regimes sanguinários, não deve ficar longe do numero da segunda grande guerra.

O julgamento de guantanamo é uma piada, um absurdo, uma aberração.

 

Os ianques protegem o maior terrorista do planeta: george "genocida" bush

Hipócritas. Prendam e julguem o facínora!

 

Re: O julgamento dos suspeitos do 11 de Setembro, pela BBC
 

Esse "clamor público" é sempre um problema...

E esse julgamento, uma piada!

 

Julgamento sério foi aquele efetuado pelo Meritíssimo Osama Bin Laden e seus 12 juízes em alguma caverna do Afeganistão que julgou e condenou a morte 2.978 pessoas inocentes de 83 nacionalidades diferentes. Vc não falaria isso se teu filho,  se teu pai ou tua mãe fosse uma das vítimas. 

Que completa inversão de valores.

 

porque?

vc acha mesmo que esse cara e inocente?  que a CIA iria um total inocente para uma acusação desse tamanho?  ela não precisaria desse circo, bastaria executa-lo e dizer o mesmo, não teria problema algum.  Ele falou e entregou toda a organização, por isso que nesses 10 anos, toda a liderança da Alqaeda foi liquidada!

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH

Ele falou e entregou toda a organização. Blaya, você não parece ingênuo, todo torturador justifica sua tortura alegando o resultado positivo dela, que ninguem nunca vai saber se é ou não verdade. Não prestigie a tortura, Blaya, este crime desumano.

 

"...ela não precisaria desse circo."  

É mesmo. Os ianques não toleram espetáculos. São discretos, justos e muuuuuito bonzinhos.  


Haja saco!!!

 

Então, Mario Blaya, a verdade é que não há mesmo a menor necessidade desse circo todo pq todo mundo já sabe que isso tudo é uma grande cascata, que as confissões foram arrancadas a forceps e não tem a menor credibilidade mas é que para posar de democracia e fingir que houve julgamento justo, com amplo direito de defesa, etc.. o Estado precisa simular um julgamento mesmo que todo mundo saiba que é apenas uma simulação; é só para constar, para não parecer que foi uma execução, que pegaram qq um e colocaram ali para morrer e dar uma satisfação aos estadunidenses que precisam acreditar que vivem sob a maiior democracia do mundo e blá, blá, blá. O sujeito ser inocente ou culpado é irrelevante, ele está ali para ser responsabilizado por um atentado que muitos atribuem aos próprios EUA. Mas, se vc quer a minha opinião, sim, a cia colocaria ali, qq um, até eu servia, se fosse de origem islâmica, para completar o cenário. Esse é o modus operandi, até parece que tem alguma novidade. É só um circo mesmo. E, concordo com vc, poderiam executá-los e poupar-nos desse vexame. Eles não tem nada a ver com o atentado mesmo e vão morrer de qq jeito. Portanto, era só executar e depois veicular no PIG de lá que houve julgamento. Vc gosta de dar trabalho, né Mario Blaya? Precisava eu escrever isso tudo, que vc já tá careca de saber? De qq forma, valeu pelo retorno; bom final de domingo.

 

Por essas e outras que sou fã da democracia de Cuba e da Coréia do Norte. 

 

"Khalid Mohammed foi submetido a afogamento simulado 183 vezes, segundo a CIA"


Este julgamento é uma farsa grotesca que envergonha a humanidade.

Os maiorese mais perversos terroristas do mundo são os ianques que estão promovendo o assassinato em massa de civis muçulmanos... para roubar petróleo!

São facínoras genocidas como george bush, rumsfeld e cheney que deviam ser julgados e enforcados em praça pública.

 

Esses americanos são uma piada sem graça: o principal suspeito do 11 de setembro é um cara sequestrado ilegalmente o Paquistão, e que só "confessou" a sua culpa depois de ser submetido a 183 sessões de tortura! Em verdade, não conheço muita gente que resistiria tanto para se "confessar" sendo qualquer coisa...

 

 Do UOL - 06/05/2012

"Serei o presidente de todos os franceses", diz Hollande após vitória na França

 


Em seu primeiro discurso como novo presidente da França, o socialista François Hollande agradeceu a confiança dos eleitores que o elegeram o novo presidente francês, derrotando Nicolas Sarkozy, e disse que o país "escolheu a mudança". "A mudança começa agora", declarou ele, afirmando que será "o presidente de todos os franceses".

LEIA MAIS

Durante o discurso, feito em Tulle, na França, para centenas de partidários, ele reforçou o compromisso com algumas de suas principais promessas durante a campanha. 

"Acesso aos serviços de saúde, igualdade, priorizar a educação serão meus compromissos, além de mudanças ecológicas que precisamos realizar. Precisamos liderar a  Europa para o futuro", declarou Hollande, que ainda prometeu amenizar as impopulares medidas de austeridade impostas para conter os efeitos da crise econômica.

Durante a campanha, Hollande defendeu medidas para promover o crescimento no atual tratado de austeridade fiscal acertado por 25 dos 27 países da União Europeia, mas no discurso desta noite confirmou seu compromisso com "a redução do déficit e da dívida", com uma "recuperação de nossa capacidade de produção" para sair da crise.

"As pessoas esperam por esse momento há anos, outros, mais jovem, não viveram épocas como essa. Muitas pessoas tiveram muitas decepções, e eu me sinto feliz em poder trazer esperança", declarou Hollande.

Sobre o adversário, que buscava a reeleição, Hollande agradeceu Sarkozy por governar o país com "devoção". “Aos que não me deram seu voto, que saibam que eu respeito suas convicções e que serei o presidente de todos. Esta noite não há duas Franças que se enfrentam. Há apenas uma França, uma nação reunida no mesmo destino. Cada um e cada uma terão igualdade de direitos e de deveres”, disse.

O socialista disse ainda que "o dia 6 de maio deve ser um grande dia para o país, um novo começo para a Europa, uma nova esperança para o mundo". 

Hollande terminou seu discurso dizendo que "o sonho francês chama-se simplesmente progresso", e que ele, em suas palavras, sempre foi um homem de esquerda.

Ver em tamanho maiorEleições na França  

   Foto 141 de 144 - 6.mai.2012 - Candidato socialista François Hollande chega ao local para fazer discurso da vitória em Tulle, no sudoeste da França. Hollande derrotou o atual presidente e candidato à reeleição, Nicolas Sarkozy, no segundo turno das eleições presidenciais neste domingoFred Dufour/AFP

Após o fechamento dos colégios eleitorais, às 20h (15h no horário de Brasília), diferentes institutos confirmavam a vitória de Hollande. Segundo o instituto CSA, o socialista obteve 51,8% dos votos, para o Ipsos 51,9% dos votos e para o TNS Sofres, 52%.

Hollande será o segundo presidente socialista eleito no país e traz a esquerda de volta ao poder após um hiato de 17 anos. Antes dele, o primeiro socialista eleito presidente foi o francês François Mitterrand.

Dados preliminares do Ministério do Interior francês mostram que a participação dos eleitores superou 78%, um pouco acima do comparecimento do primeiro turno, que fora de cerca de 70,59%.

Sarkozy desejou boa sorte ao adversário

O atual presidente da França, Nicolas Sarkozy, adiantou seu discurso inicialmente previsto para as 21h30 (16h30 no horário de Brasília)  deste domingo e reconheceu a derrota no segundo turno das eleições presidenciais para o rival, o socialista François Hollande.

“A França tem um novo presidente e nós temos que respeitar”, disse ele, aplaudido pelos eleitores. "Estou prestes a me tornar um francês entre os franceses", declarou.

No discurso, Sarkozy disse que assumia a responsabilidade pela derrota e também agradeceu a oportunidade de ser presidente durante cinco anos, e deixa o cargo como o segundo presidente a não conseguiu se reeleger no país nos últimos 30 anos. Além disso, ele torna-se o 11º líder a perder o poder depois da crise econômica na Europa.

Sarkozy disse ter ligado para Hollande e desejado sorte no seu primeiro mandato como presidente. "Uma nova era começa na França. (...) E vocês podem contar comigo para defender seus ideais", disse ele no discurso.

Quem é François Hollande

François Hollande ganhou força entre o eleitorado após defender a implementação de políticas de crescimento da economia para combater a crise que assola a Europa. O político de 58 anos nascido em Rouen, no norte da França, entrou para o Partido Socialista (PS) aos 25 anos e foi primeiro-secretário da legenda entre 1997 e 2008. Em 1988, foi eleito deputado por Corrèze, departamento no centro da França. Em 1997, uma nova eleição o levou ao mesmo posto. Acumulou os cargos de prefeito de Tulle – capital de Corrèze – entre 2001 e 2008 e de presidente do conselho geral de Corrèze, desde 2008. Foi ainda eurodeputado entre julho e dezembro de 1999.

Hollande foi escolhido candidato do PS às presidenciais depois que o ex-presidente do Fundo Monetário Internacional Dominique Strauss-Kahn se viu envolvido em um escândalo de agressão sexual. A escolha de Hollande ocorreu nas primeiras primárias socialistas abertas à população.

Entre os pontos de seu programa estão a criação de uma agência europeia para regulamentar o sistema financeiro, a redução do uso da energia nuclear de 75% para 50% na produção energética nacional, a construção de 500 mil moradias por ano e a regularização de imigrantes ilegais com base em critérios objetivos (emprego, moradia e tempo de residência na França).

 

 

Hino Nacional da França - Tradução em português

 

Le Monde

Uma maré humana ocupa a praça da Bastilha depois da eleição de François Hollande

François Hollande élu président de la République, avec 51,7 % des voix selon les dernières estimations.

François Hollande
 

Imitou  a Dilma,  ela  disse  no  discurso  de posse  que  seria  Presidenta de  todos os brasileiros!

 

e a dilma repetiu de alguém, afinal a frase e de uma obviedade atroz!

 

"A verdade é a melhor camuflagem. Ninguém acredita nela." MAX FRICH