Revista GGN

Assine

O preço do Kindle para o Brasil

Comentário ao post "Amazon pretende abrir loja digital no Brasil"

Eu fiz um teste há pouco no site da Amazon para a compra de um Kindle.

O Kindle mais barato que pode ser importado custa US$109, o preço promocional de 79 dólares não se aplica ao Brasil. Na finalização da compra a Amazon calcula o custo do frete e as taxas de importação.

O frete cobrado é de US$21.98. E, por fim, são cobrados inacreditáveis US$124.59 em taxas de importação. Ou seja, o imposto é maior do que o valor do produto (alguma novidade?!). O total fica em US$255.57, ou seja 500 reais. Não vejo como vender o Kindle no Brasil por 500 reais é subsidiar o produto.

Uma imprecisão no texto é afirmar que o preço seris o triplo do que é vendido nos EUA, na verdade é o dobro. E aí sim, devido a impostos. Mas repito, a Amazon não dá como opção o preço promocional de US$79 para o Brasil.

Confiram abaixo.

Sem votos
28 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+28 comentários

Alguns comentários aqui claramente são de quem nunca pegou em um kindle na vida, e muito provavelmente, também nunca leu muitos livros. Eu ja li livro no papel, já li uma série 14 livros de 900 paginas cada, misturando a leitura em notebook, o livro de verdade, aplicativo no iphone e tablet, e digo que ler no Kindle é a melhor opção de todas para quem gosta de ler. Antes de comentarem, tenham a decência de analisarem a si mesmos como público. Talvez vocês não o sejam, e se não forem, ué, porque comentar a sua opinião? Afinal de contas esse é um produto para ler livros, se você não gosta de ler, ou não tem o costume (que acha que tem), nem comente.

 

Solução é colocar e-readers dentro da "MP do Bem"... Faz mais sentido que colocar smartphones. Aliás, colocaram smartphones nessa tal de "MP do Bem"?

 

Kung Fu Tze disse tudo: "a política de um país deve ser centrada em 3 diretrizes: educação dos jovens, lealdade com os amigos e respeito aos mais velhos"

Eu particularmente não faço a menor questão de ter um kindle. Tenho um netbook, e ele resolve tudo. Funciona como PC e E-reader, dado a sua ótima portabilidade. Para acesso aos livros em formato kindle é necessário apenas estar logado ao site da Amazon.com e acessar a minha nuvem. Ali está armazenado todos livros por mim comprados e que posso ler até mesmo em off-line. Uma mamata.

 

O Kindle é importado por UPS, não é o USPS (os correios americanos). Nunca importe nada por UPS, pois eles inventam um monte de taxas por fora, além de te cobrarem ICMS. Eles,  por exemplo, te cobrarão 10 dólares a mais caso seu cpf não esteja na etiqueta do envelope. Inventam "taxas administrativas", que já deveriam estar embutidas no preço cobrado. A não ser que você queira ser enrolado com cobranças escondidas ou goste de jogar dinheiro fora,  nunca compre nada pela UPS.

 

Eles vão vender o Kindle no Brasil. Aguarde um pouco. O preço será de 200 reais!

 

Ao Kindle, assim como a outros leitores de e-books, deveria ser aplicada uma tarifa de importação diferenciada, pois é um aparelho dedicado à leitura de livros, que são objeto de regime especial. Não é uma máquina eletrônica como outra qualquer, um tablet, por exemplo. É um suporte, como o papel, para livros. Os e-books são um instrumento excelente de difusão da cultura, bem como para a educação: livros didáticos eletrônicos. Por que incentivar, fazer todo um auê em torno da produção nacional do tablet da Apple e não se mexer para produzir aqui Kindle e congêneres?

 

"O mundo estaria salvo se os homens de bem tivessem a mesma ousadia dos canalhas" Nelson Rodrigues

Simples: quem tem grana quer um tablet mais barato, mas não quer que pessoas comuns tenham acesso a e-readers e, consequentemente, a livros. Basta ver os comentários desse post e do anterior que você vai entender. Falaram até que "classe média indignada por ter de pagar impostos nos seus brinquedinhos é um porre." Isso sobre um aparelho pra ler livros, hein! Um aparelho capaz de dar acesso a milhões de livros pras pessoas é um considerado um brinquedinho.

 

E livros mais baratos, hein....e de entrega instantânea...e que não gastam papel....e que não envelhecem...e que não saem de catálogo....só vantagens....

 

Não importei o Kindle (e não pretendo), mas já importei muita coisa diretamente pelos correios de diversos lugares do mundo, e a experiência que tenho é a seguinte:

  • Os envios sem rastreio (ou seja, não-EMS) praticamente não são taxados, independentemente do valor em grande parte das vezes. Assim, entendo que, dependendo do método de entrega do Kindle, há grandes chances de o imposto não incidir. Já para produtos enviados via EMS, é quase certo que ele seja taxado.
  • O pessoal lá fora muitas vezes rouba no frete, sim. Várias vezes paguei de "shipping & handling" o dobro ou mesmo o triplo do frete calculado pela ferramenta de envio do portador (claro que só fui saber disso ao ver a etiqueta dos correios de outros países no pacote). Isso acontece no Brasil. também - um fornecedor do Paraná teve a coragem de cotar R$ 110 de frete para um produto que, de acordo com o sítio dos correios, não custaria mais de R$ 45.
  • Quando os produtos foram taxados, na maior parte das vezes paguei o valor correto (dólar x 1,6 x IPI x ICMS) - em outras, o valor foi até menor do que eu imaginava. Lembro-me de quando comprei um Blu-Ray em 2010: o aparelho + frete foi US$ 499 (para não ter que entrar num regime muito mais demorado de liberação das importações). Lembro-me que paguei aproximadamente mais R$ 540 em impostos ao retirar o aparelho na agência, sendo que o dólar na época era em torno dr R$ 1,72. Ou seja, se considerarmos a incidência de ICMS e IPI, os valores bateram.

No mais, estou com o Marc - esses produtos têm que pagar impostos sim, e nunca me incomodei de pagá-los na época em que importava esses produtos. E depois, o que acontece no Brasil é que os importadores fazem coisas absurdas com o preço dos produtos que importam - exceto pela ganância, não tem sentido vender no Brasil a R$ 900 um produto que custa US$ 100 por lá. Então, prefiro dar a grana dos impostos para o governo - que ao menos deve tentar redistribuir esse dinheiro em benefício do bem comum - ao invés de ser trouxa e comprar um pelo preço de 3 (ou 4), como é a prática useira e vezeira das firmas de importação.

 

-----------------------------------------------------------------

This is not right. This is not even wrong!

(Wolfgang Pauli)

Sei que vou levar pedrada mas vamos lá.

É um artigo de primeira necessidade?

Gera empregos no Brasil?

Traz algum desenvolvimento?

Então tem de cobrar imposto de importação sim.

Vivemos uma crise mundial terrivel onde todas as nações vão tentar desovar seus estoques em outros paises, temos de ter uma politica de proteção da industria nacional, esta coversa de classe média indignada por ter de pagar impostos nos seus brinquedinhos é um porre.

 

Tentando responder às perguntas:

É um artigo de primeira necessidade?

R: Sim, com um ebook você terá acesso a uma infinidade de livros em todo o mundo de forma gratuita por serem de domínio público ou poderá comprar livros por um preço bem abaixo do praticado nos livros de papel. Poderá transportar uma biblioteca com o peso de um celular. Poderá ler livros que dificilmente teria acesso no formato papel, ou por estarem esgotados, não disponíveis, não traduzidos, etc. Esses livros podem ser acessados e lidos sem um ebook, no entanto é necessário um computador, notebook, tablet, etc, que possuem pouca mobilidade ou tempo limitado de bateria, o que não ocorre no papel eletrônico.

Gera empregos no Brasil?

R: Sim, com acesso a livros mais baratos, mais pessoas poderão ter acesso à informação e a qualidade do trabalho será melhorada com reflexo em toda cadeia produtiva.

Traz algum desenvolvimento?

Sim,  os livros no formato papel são mais caros e portanto tem menos penetração do que teriam os livros em formato digital. O maior desenvolvimento é uma consequência direta de maior difusão cultural.

Quantos aos impostos, sim, tem que cumprir a legislação, quanto a isso não há dúvida. No entanto a discussão é se o imposto deve ser cobrado do mesmo modo que se cobra de um livro comum ou de um video-game!

 

Desde quando livro é brinquedo?

Acho que só pode defender esses impostos quem é beneficiário deles (i.e. quem é empregado do governo, ou político, ou empreiteiro).

 

Pra mim livros são itens de primeira necessidade. Não tenho a visão de classe média de que pobre só tem que ter comida e roupa limpra pra fazer trabalho braçal porque qualquer coisa além disso é um perigo ao equilíbrio vigente...

 

Vinicius,


Meu Kindle comprado no final de 2008 pifou - caiu da mesa e a tela morreu (ainda dá para acessar o disco e ler o conteudo mais a tela nao funciona mais). Tambem fiz cotação há dois dias atras.


O valor promococional é quando voce tem propaganda - acho que como eles nao tem propaganda pro Brasil, não vale pra gente.


O valor em taxas de importação acho  que é estimado pois acho que até 50 dolares deve ser isento e o imposto de importação + ICMS deve ser sobre o resto. Talvez tenha alguma taxa adicional de quem vai pagar as taxas e liberar o produto. De fato não sei calcular o custo total de importação.


Como tinha eBay por precos enre 72-90 dolares comprei de lá através do Paypal. Vamos ver quanto vao cobrar de imposto.....

 

A imagem com um pouco mais de qualidade

 

Re: O preço do Kindle para o Brasil
 

Valor do Kindle com o frete: US$ 130, 96 x 1,60 (60% de tributos na importação pelo Correio, ler meu comentário,acima) = US$ 209,53.

O resto, a Amazon deve embolsar!

Agora, quanto à servidão à Amazon. Se eu tenho um leitor de livros eletrônicos que não é o Kindle. Por que a Amazon não oferece livros para mim? Por que sou obrigado a comprar um livro eletrônico em um formato que somente o Kindle lê? Na verdade, não estou comprando um livro, mas alugando um direito personalíssimo de uso de um programa, cuja propriedade continua da Amazon, que estabelece unilateralmente as condições de uso. Se o meu Kindle estraga, não posso ler "meu" livro em outro dispositivo. Se a bateria estraga, sou obrigado a devolver o Kindle e comprar outro, dando o velho de entrada, para poder ler os "meus" livros sem violar a lei. 

É o engessamento da minha prática da leitura para satisfazer os interesses de um monopólio transnacional. Melhor comprar um livro eletrônico xingling, que lê epub ou pdf e piratear à vontade!

 

Se o meu Kindle estraga, não posso ler "meu" livro em outro dispositivo. Se a bateria estraga, sou obrigado a devolver o Kindle e comprar outro, dando o velho de entrada, para poder ler os "meus" livros sem violar a lei. 

Você fala sem conhecimento de causa. Você pode ler os livros que compra na Amazon por outros aparelhos, por smartphones (Android e iPhone), até pelo computador... Eu tenho um Kindle e costumo ler no meu Android sempre que o deixo em casa. Ele até sincroniza a página em que parei. Os ebooks que você comprar ficam registrados na sua conta, não no seu aparelho. Então é só logar pra desfrutar dos seus livros onde quiser.

 

Eu tinha um Kindle, comprei uns livros. Depois comprei um ipad e baixei o plicativo kindle no ipad. Loguei na minha conta e foram baixados todos os títulos que eu já tinha comprado, para leitura no ipad..!

Fantastic, baby.

 

Morales,


Acho que voce esqueceu do ICMS - parece que tem de incluir tambem.


Eu ainda acho que o valor de custo de importação era estimado e nao custo real - alguem pode ir lá e simular uma compra.


Sobre a questao da Amazon ser monopolio transnacional eu nao consigo discutir isso. Mas sobre a questao do formato proprietario dos livros vendidos pela Amazon: parece que é possivel crackear.


Mas de qualquer modo voce pode ler os livros kindles no seu computador, ipad, tablet android ou mesmo no browser com o aplicativo deles. Eu leio de vez em quando no computador ou notebook.


Acho que o problema dos ereader xing ling é encontrar algum bom (bateria boa, leve e tela boa) no Brasil. A bateria dos ereader com eInk display dura muito mais que um tablet e é muito mais gostoso de ler. O que a gente precisava no Brasil é de capitalistas inteligentes querendo ganhar dinheiro - conheço vários amigos que comprariam isso no Brasil por um preço decente - e o preço deveria ficar bem barato considerando os descontos das leis de incentivo para esses produtos.

 

Não fica mais barato não. O protecionismo nacional estimulado pelo governo não deixa, não há competição, não há motivo pra que os preços baixem. Se a Positivo vende consegue um e-reader xing ling a mil reais porque ela vai vender mais barato? Se uma empresa chegar aqui vendendo pela metade do preço (considerando os impostos) ela é um demônio a ser combatido que está cobrando demais por um produto porque as empresas nacionais vão se preocupar em preços justos? Se o dólar fosse 1 real e houvesse isenção fiscal pros e-readers (há um projeto de lei feito por gente séria, que se preocupa com o acesso à leitura) a Amazon poderia lançar o Kindle aqui a 100 reais. Imagine o potencial educacional de algo assim! Milhares de livros de domínio público já estão disponíveis pra download, falta só um aparelho adequado pra incentivar. Mas como você pode ver pelos comentários aqui boa parte das pessoas quer que o acesso a livros só seja fácil pra elite.

 

 

http://www.receita.fazenda.gov.br/aduana/rts.htm

Aplicação

Importação de bens pelos Correios, companhias aéreas ou empresas de courier, inclusive compras realizadas pela Internet.

O Regime de Tributação Simplificada (RTS) aplica-se, ainda, no despacho aduaneiro de presentes recebidos do exterior.

O RTS não se aplica à importação de bebidas alcoólicas, fumo e  produtos de tabacaria.

Valor Máximo dos Bens a serem Importados

O valor máximo dos bens a serem importados neste regime é de US$ 3,000.00 (três mil dólares americanos)

Tributação

60% (sessenta por cento) sobre o valor dos bens constante da fatura comercial, acrescido dos custos de transporte e do seguro relativo ao transporte, se não tiverem sido incluídos no preço da mercadoria.

Obs. : Quando a remessa contiver presentes, o preço será o declarado, desde que compatível com os preços praticados no mercado em relação a bens similares;

Tributação na Importação de Software

Softwares pagam 60% (sessenta por cento) sobre o meio físico, somente se o valor do meio físico vier discriminado separadamente na Nota Fiscal

Atenção:

Caso o valor do meio físico não seja discriminado na Nota Fiscal o pagamento do imposto recairá sobre o valor total da remessa.

Isenções

    1. Remessas no valor total de até US$ 50.00 (cinqüenta dólares americanos) estão isentas dos impostos , desde que sejam transportadas pelo serviço postal, e que o remetente e o destinatário sejam pessoas físicas;
    2. Medicamentosdesde que transportados pelo serviço postal, e destinados a pessoa física, sendo que no momento da liberação do medicamento, o Ministério da Saúde exige a apresentação da receita médica.
    3. livros, jornais e periódicos impressos em papel não pagam impostos (art. 150, VI, "d", da Constituição Federal);

Pagamento do Imposto

Na hipótese de utilização dos Correios, para bens até US$ 500.00 o imposto será pago no momento da retirada do bem, na própria unidade de serviço postal, sem qualquer formalidade aduaneira.

Quando o valor da remessa postal for superior a US$ 500.00, o destinatário deverá apresentar Declaração Simplificada de Importação (DSI)

No caso de utilização de empresas de transporte internacional expresso, porta a porta (courier), o pagamento do imposto é realizado pela empresa de courier à SRF. Assim, ao receber a remessa, o valor do imposto será uma das parcelas a ser paga à empresa;

Obs.: Nas remessas postais o interessado poderá optar pela tributação normal. Para isso deve informar-se no momento da retirada do bem nos correios.

Na hipótese de utilização de companhia aérea de transporte regular o destinatário deverá apresentar a DSI podendo optar pela tributação normal.

Base legal

Decreto 6.759/09Art. 81 do Decreto 6759/09

Portaria do Ministro da Fazenda 156/99

Instrução Normativa SRF Nº 096, de 04/08/1999

 

Talvez o melhor caminho seja esse:

 http://idgnow.uol.com.br/mercado/2010/07/22/decisao-judicial-isenta-kindle-de-taxas-de-importacao/

 

Ou seja, se eles nao "proibissem" a venda do Kindle mais barato para o Brasil, o que custa 79 dólares, ele deveria sair aqui por 79 x 2 (aproximadamente o preço do dólar) = R$ 158,00 +R$ 63,80 (60% de 158,00) = 221,80 + frete; eles estao cobrando cerca de 280,00 de frete, e dizendo que isso é preço subsidiado? Fala sério. 

 

Raciocínio corret:

Valor do bem + frete = x

x + ICMS = y

y + 60% de II = valor a pagar, descontado o valor do bem

 

É o ICMS que incide sobre o valor acrescido do imposto de importação e não o contrário.

Aliás o frete é usado como base de cálculo para o importo de importação e depois o ICMS é calculado sobre o valor do bem, mais o  frete, mais imposto de importação (que incide sobre o frete), mais o ICMS (que inclui o valor do bem, o frete e o imposto de importação). Esse é o grande problema, cobrar imposto sobre imposto.

 

ABAIXO A DITADURA

 

O Kindle de US$79,00 é subsidiado pelas propagandas. São empresas que pagam pra Amazon pra poder anunciar seus produtos que fazem com que ele seja mais barato. Mesma coisa da TV aberta. Ela só existe porque existem propagandas. Há a teoria de que o Kindle se paga (pra Amazon) em cerca de um ano, se não me engano.

Quem acha que só se cobra até 60% nunca fez compras internacionais ou é muito inocente. Não sabe como políticos adoram roubar dinheiro do povo. Pra começar vocês ignoraram o IOF, que a Dilma aumentou em quase 300%...  Há também os impostos estaduais. E por último a receita costuma cobrar a mais porque você tem um tempo limitado para buscar o produto, então não dá  pra recorrer. O valor normal é de 65~85%. Sem contar o IOF. E a Amazon não embolsa o dinheiro que sobra dos impostos, ele vai todo pra receita federal, é inclusive depositado no momento da compra. Quem ferra com a gente não é a Amazon, é o Brasil.

 

... E blablabla... Porue o senhor não vai lutar pra que esses impostos sejam bem aplicados, ao invés dedicar chorando porque ogoverno é mau e te censura em ter um ebook?

 

 

De saco cheio desSá galera. Vá pentear macaco!

 

Eu já tenho um kindle. Gostaria que todos pudessem ter um, ou que os culpados do alto preço fossem corretamente identificados. Se isso te chateia desculpa. Nem todos gostam da idéia de popularizar livros assim como eu gosto. Ela é perigosa. Indica que as pessoas terão que pensar, não só vir com o mesmo discurso batido ufanista. Nós temos e-readers brasileiros. Nenhum produzido aqui, todos aparelhos são produtos chineses com marcas nacionais colocadas sobre eles. Custam aproximadamente 1000 reais e tem uma qualidade muito inferior ao Kindle. Me desculpa mas pra mim livros deveriam ser acessíveis a todos. E um Kindle de 500 reais com milhares de livros de graça disponíveis é muito melhor que um e-reader genérico de 1000 reais. Mas cobrar +60% de impostos sobre um aparelho cuja única finalidade é ler livros (aos quais é garantida a isenção fiscal) deve parecer absurdo aos olhos de outras pessoas, não só aos meus...