Revista GGN

Assine

O preconceito contra São Paulo

sou bisneto de baiano, neto de italiano, de avô fluminense e tataravos portugueses

por acaso acidental, temporal e geográfico nasci em São Paulo

e não foi nisto que busquei, formei ou expliquei minha identidade

mas foi por estar aqui

que entre inúmeros paulistas eu escolhi

Florestan Fernandes, Aziz Ab Saber, Oswald de Andrade, Perseu Abramo, Fábio Konder, Sérgio Buarque, Maria Victoria Benevides, Caio Prado Júnior.....Mário de Andrade: 

Sérgio Milliet. Estou ficando o homem das cartas...Porém, a culpa é de você. Que historiada é essa, Sérgio, meu amigo, de falar, na sua crônica sobre poesia do número passado, que 'só se é brasileiro sendo paulista!' Protesto. É pena que já não tenha saído o número 4 da revista Estética porque lá eu verifico que vou perdendo cada vez mais e completamente a noção dos limites estaduais...Em que sentido simbólico heróico grandiloqüente errado você está empregando a palavra 'paulista!' Eu não nego um valor enorme sobretudo no passado dos meus coestaduanos, porém carece tomar cuidado com os símbolos e com os sentimentos perniciosos. Como o símbolo, o paulista é também aquela besta reverendíssima da guerra dos Emboabas, ainda por cima arara e covardão.... E é ainda o homem...bom, inda é cedo para comentar o procedimento dos paulistas durante a Isidora e a gente vive em estado de sítio. Porém eu, que vivi na rua observando revoltosos e legalistas, tenho muito que contar sobre a psicologia do paulista. 
E a nossa riqueza e progresso atuais, você já reparou como eles nascem do acaso, de circunstâncias climáticas e geológicas? Você já meditou naquelas frases verdadeiras da Paulística de Paulo Prado sobre a decadência do caráter paulista? 
Você e outros me chamam de sentimental e de romântico porque gosto de gemer no verso e no pinho o amor melado e caricioso do brasileiro e porque o grito o 'Vem minha gente' pros brasileiros sem limites estaduais da nossa terra. Pois me parece, Sérgio companheiro, que o sentimentalismo não está em gemer, gozando os desejos que nascem no corpo e no espírito, porém em se deixar levar por vaidadinhas rompantes e afirmativas ser realidade e perigosas. Perigosa como a de você que é desnacionalizante e irritante e errada. O Brasil é um vasto hospital. Amarelão de regionalismo e bairrismo histérico. Visão de míope sem futuro e sem presente. Cuidado com o saudosismo! É sintoma de decadência. Sérgio, você errou, Sérgio. Te abraço, Mário de Andrade

entre os fatos, não escolhi a revolução de 1932

fiquei com a esquecida revolução de 1924

a primeira que tentou derrubar um presidente da política do café com leite

depois, juntando-se as tropas de Luiz Carlos Prestes no Paraná deu origem a Coluna Prestes

como tantos outros brasileiros

tô de saco cheio de ilações  e preconceitos justificados 

unicamente

em decorência de minha ou de qualquer outra naturalidade

esta, ninguém escolheu

o preconceito é uma escolha individual

sempre

e nunca gerou nada

além de intrigas, destruição e estúpidas mortes 

 

 

Média: 3.9 (14 votos)
71 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+71 comentários

Preconceito de  nordestino contra paulista, o escambáu!!  Já se esqueceram desta  entrevistazinha  por ocasião do levante do PCC???

*Em tempo: Tio Almir da Bahia  aqui, nasceu em Astorga-PR e  se criou no Jd. Macedônia-SP-SP.  Hoje, ficou esperto e  "si picou" a tempos,  da fábrica de  criar malucos....

Governador de SP culpa elite branca por violência
Por Folha de SP 19/05/2006 às 02:48

 

O governador de São Paulo, Cláudio Lembo, afirma que o problema de violência no Estado só será resolvido quando a "minoria branca" mudar sua mentalidade. "Nós temos uma burguesia muito má, uma minoria branca muito perversa", afirmou.

 

 

18/05/2006 - 08h54
Burguesia terá de abrir a bolsa, diz Lembo
Publicidade
MÔNICA BERGAMO
Colunista da Folha de S.Paulo

O governador de São Paulo, Cláudio Lembo, afirma que o problema de violência no Estado só será resolvido quando a "minoria branca" mudar sua mentalidade. "Nós temos uma burguesia muito má, uma minoria branca muito perversa", afirmou. "A bolsa da burguesia vai ter que ser aberta para poder sustentar a miséria social brasileira no sentido de haver mais empregos, mais educação, mais solidariedade, mais diálogo e reciprocidade de situações."

Lembo criticou o ex-governador Geraldo Alckmin, que disse que aceitaria ajuda federal contra as ações do PCC se ainda estivesse no cargo, e o ex-presidente FHC, que atacou negociação entre o Estado e a facção criminosa para o fim dos ataques. Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

Folha - Os jornais estão noticiando hoje [ontem] que houve uma matança em São Paulo na madrugada de terça. A polícia está sob controle ou está partindo para uma vingança?

Cláudio Lembo - A polícia está totalmente sob controle. Eu conversei muito longamente com o coronel Elizeu Eclair [comandante-geral da PM] e estou convicto de que ela está agindo dentro dos limites e com muita sobriedade. Todas as noites há confrontos nas ruas da cidade e esses conflitos foram exasperados nesses dias. Mas vingança, não. A polícia agiu para evitar o pior para a sociedade.

Folha - Foram 93 mortes. Elas estão dentro dos limites? O senhor tem segurança que todos que morreram estavam em confronto?

Lembo - E o conflito que houve da cidade com a bandidagem? Foi violento. É possível que tenha havido tragédias, mas pelo que estou informado não houve nada que fosse além dos confrontos diretos.

Folha - Só no IML (Instituto Médico Legal) estão 40 mortos e não se sabe nem o nome dessas pessoas.

Lembo - Os nomes vão ser revelados. Estamos resolvendo questões burocráticas, de identificação, mas vão ser revelados.

Folha - Jornalistas da Folha entraram no IML e viram fotos de pessoas mortas com tiros na cabeça. Que garantia a sociedade tem de que não morreram inocentes e de que o Estado, por meio da polícia, não está executando essas pessoas?

Lembo - Não está, de maneira alguma. E digo a você: fui muito aconselhado a falar tolices como "aplique-se a lei do Talião". Fui totalmente contrário. Faremos tudo dentro da legalidade e do Estado de Direito.

Folha - O senhor não se assusta com o número de mortos?

Lembo - Eu me assusto com toda a realidade social brasileira. Acho que tudo isso foi um grande alerta para o Brasil. A situação social e o câncer do crime é muito maior do que se imaginava. Este é o grande produto desses dias todos de conflito. Nós temos que começar a refletir sobre como resolver essa situação, que tem um componente social e um componente criminoso, ambos gravíssimos. O crime organizado trabalha com a droga. A droga é um produto caro, consumido por grandes segmentos da sociedade. Enquanto houver consumidor de drogas, haverá crime organizado no tráfico. É assim aqui, na Itália, nos EUA, na Espanha. O crime se alimenta do consumidor de drogas.

Folha - E da miséria...

Lembo - Talvez no Brasil tenha esse componente também. O crime organizado destruiu valores. O Brasil está desintegrado. Temos que recompor a sociedade. A questão social é muito grave.

Folha - O senhor é um homem público há tantos anos, está num partido, o PFL, que está no poder desde que, dizem, Cabral chegou ao Brasil.

Lembo - Essa piada é minha.

Folha - O que o senhor pode dizer para um jovem de 15 a 24 anos, que vive em ambientes violentos da periferia? Que ele vai ter escola? Saúde? Perspectivas de emprego? Como afastá-lo de organizações criminosas como o PCC?

Lembo - Acho que você tem duas situações muito graves: a desintegração familiar que existe no Brasil, e a perda... Eu sou laico, é bom que fique claro para não dizerem que sou da Opus Dei. Mas falta qualquer regramento religioso. O Brasil está desintegrado e perdeu seus valores cívicos. É ridículo falar isso mas o Brasil só acredita na camisa da seleção, que é símbolo de vitória. É um país que só conheceu derrotas. Derrotas sociais...Nós temos uma burguesia muito má, uma minoria branca muito perversa.

Folha - Que ficou assustada nos últimos dia.

Lembo - E que deu entrevistas geniais para o seu jornal. Não há nada mais dramático do que as entrevistas da Folha [com socialites, artistas, empresários e celebridades] desta quarta-feira. Na sua linda casa, dizem que vão sair às ruas fazendo protesto. Vai fazer protesto nada! Vai é para o melhor restaurante cinco estrelas junto com outras figuras da política brasileira fazer o bom jantar.

Folha - Tomar conhaque de R$ 900 [preço de uma única dose do conhaque Henessy no restaurante Fasano].

Lembo - Nossa burguesia devia é ficar quietinha e pensar muito no que ela fez para este país.

Folha - O senhor acha que essas pessoas são responsáveis e não percebem?

Lembo - O Brasil é o país do duplo pensar. Conhecemos a inquisição de 1500 até 1821. Então você tinha um comportamento na rua e um comportamento interior, na sua casa. Isso é o que está na sociedade hoje. Essas pessoas estão falando apenas para o público externo. É um país que é dúbio.

Folha - Onde o senhor responsabiliza essas pessoas?

Lembo - Onde? Na formação histórica do Brasil. A casa grande e a senzala. A casa grande tinha tudo e a senzala não tinha nada. Então é um drama. É um país que quando os escravos foram libertados, quem recebeu indenização foi o senhor, e não os libertos, como aconteceu nos EUA. Então é um país cínico. É disso que nós temos que ter consciência. O cinismo nacional mata o Brasil. Este país tem que deixar de ser cínico. Vou falar a verdade, doa a quem doer, destrua a quem destruir, porque eu acho que só a verdade vai construir este país.

Folha - Mas qual é, objetivamente, a responsabilidade delas nos fatos que ocorreram na cidade?

Lembo - O que eu vi [nas entrevistas para a Folha] foram dondocas de São Paulo dizendo coisinhas lindas. Não podiam dizer tanta tolice. Todos são bonzinhos publicamente. E depois exploram a sociedade, seus serviçais, exploram todos os serviços públicos. Querem estar sempre nos palácios dos governos porque querem ter benesses do governo. Isso não vai ter aqui nesses oito meses [prazo que resta para Lembo deixar o governo]. A bolsa da burguesia vai ter que ser aberta para poder sustentar a miséria social brasileira no sentido de haver mais empregos, mais educação, mais solidariedade, mais diálogo e reciprocidade de situações.

Folha - O senhor diria que elas pensam que aquele rapaz de 15 a 24 anos, que vive perto da selvageria...

Lembo - ...pode ser o Bom Selvagem do Rosseau? Não pode.

Folha - O endurecimento na legislação pode resolver o problema?

Lembo - Transitoriamente pode resolver. Mas se nós não mudarmos a mentalidade brasileira, o cerne da minoria branca brasileira, não vamos a lugar algum.

Folha - O senhor diz que muita gente falou besteira sobre os episódios. Dos EUA, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso criticou a possibilidade de o governo ter feito acordo com os criminosos para cessar a violência.

Lembo - Eu acho que o presidente Fernando Henrique poderia ter ficado silencioso. Ele deveria me conhecer e conhecer o governo de SP. Eu não posso admitir nem a hipótese de se pensar isso. Para opinar sobre um tema tão amargo, tão grave, ele teria que refletir, pensar. E se informar. Quanto ao presidente [FHC], pode ser que eventualmente ele tenha precedente sobre acordos. Eu não tenho.

Folha - Vimos o senhor dando muitas entrevistas na TV. Mas SP teve um outro governador [Alckmin], tem um candidato ao governo e ex-prefeito [Serra]. O senhor ficou sozinho?

Lembo - No poder, um homem é absolutamente solitário. Houve momentos em que praticamente fiquei sozinho. Mas devo agradecer a Polícia Militar e a Polícia Civil também, que estiveram firmes ao meu lado.

Folha - O ex-governador Alckmin telefonou para o senhor em solidariedade?

Lembo - Dois telefonemas.

Folha - O senhor achou pouco?

Lembo - Eu acho normal. Os pulsos [telefônicos] são tão caros...

Folha - E o candidato José Serra?

Lembo - Não telefonou. Eu recebi telefonema da governadora Rosinha [do Rio de Janeiro] e de Aécio Neves [governador de MG], que estava em Washington, ele foi muito elegante. Um ofício do governador Mendonça, de Pernambuco. Recebi muitos apoios, do Poder Judiciário, e a Assembléia Legislativa, deputados de todas as bancadas, nenhum partido faltou.

Folha - As autoridades paulistanas garantiram, nos últimos anos, que o PCC estava desmantelado, que era um dentinho aqui ou ali. Elas enganaram os paulistanos?

Lembo - Não saberia responder. Eu não engano. Eu acho que nós ganhamos uma situação mas é um grande risco. Temos que ficar muito atentos.

Folha - Essas autoridades garantiram que o PCC tinha acabado. Ou elas enganaram...

Lembo - Ou o dentinho era maior do que elas diziam.

Folha - Ou foram incompetentes. O senhor vê terceira alternativa?

Lembo - Pode ser que tenham sido exageradas no momento de transferir segurança. Quiseram ser tranquilizadoras.

Folha - Então elas iludiram as pessoas?

Lembo - É possível.

Folha - O senhor pode dizer que o PCC pode acabar até o fim de seu governo?

Lembo - Só se eu fosse um louco. E ainda não estou com sinal de demência. Acho que o crime organizado é perigosíssimo. Ele se recompõe porque ele tem possibilidades enormes na sociedade.

Folha - O ex-presidente Fernando Henrique não telefonou?

Lembo - Não, não. Ele estava em Nova York. O presidente Lula telefonou, foi muito elegante comigo. Conversei muito com o presidente, ele me deu muito apoio. E o Márcio [Thomaz Bastos] veio, conversamos firmemente, com lealdade. E ele chegou à conclusão que não era necessário nem Exército nem a guarda nacional. Tivemos uma conversa responsável, e o equilíbrio voltou. Mostrei que a Polícia Civil e a Polícia Militar tinham condições de fazer retornar a SP a ordem e a disciplina social.

Folha - O Datafolha mostrou que 73% acham que o senhor deveria ter aceitado ajuda federal. O governador Alckmin disse que não rejeitaria a ajuda.

Lembo - Ele decidiria, se fosse governador, como achava melhor. Eu decidi da forma que achei melhor. Quanto às outras pessoas, faltou clareza de informação da minha parte. E aí me penitencio. Não é que não aceitei ajuda do governo. Ao contrário. Desde sempre houve vínculo forte entre o sistema de informação da polícia federal e a polícia de SP. A superintendência da PF em SP foi extremamente leal, solícita e dinâmica.

Eu tinha uma Polícia Militar muito aparelhada. Eu não poderia tirar esse respeito e esse moral que a tropa tinha que ter naquele momento tão difícil aceitando tanques de guerra do Exército. E aí uma sociedade que gosta de paternalismo, como a brasileira, queria Exército, tropas americanas, tropas alemãs, tropas de todo o mundo aqui. Não é assim.

Temos que ser fortes, saber decidir em momentos difíceis e dar valor ao que é nosso. Foi o que fiz. Em 48 horas liquidou-se o problema. O Exército é para matar o adversário. Eu queria recolher os adversários possíveis. Nós estávamos num conflito social.

 

“Preconceito de  nordestino contra paulista, o escambáu!!”

Ninguém aqui falou em preconceito DE NORDESTINO contra paulista! O preconceito é nacional! Alias, não é bem preconceito, é uma onda de idiotas politiqueiros sem noção que se dispuseram a falar mal de SP... Coisa de gente neurótica e racista que gosta de chamar os outros de racista.

Alias, se os nordestinos tivessem preconceito contra paulista eles não estariam aqui, muito menos teriam filhos e netos paulistas...

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

“*Em tempo: Tio Almir da Bahia  aqui, nasceu em Astorga-PR e  se criou no Jd. Macedônia-SP-SP.  Hoje, ficou esperto e  "si picou" a tempos,  da fábrica de  criar malucos....”

Realmente se vê que os comentaristas daqui não demonstram nenhum preconceito contra São Paulo...

Acusam os paulistas de ter preconceito e escrevem uma merda racista dessas! È o fim da picada!

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Ô Tio Almir:  Aí na Bahia não tem burguesia não? São todos pobres?

O crítica do Claudio  Lembo é claramente à elite...  Aí na Bahia não tem elite não?

Jaques Vagner é o que senão um membro da elite? É algum operário ou camponês humilde? É algum capoeirista arretado? É algum negro do Olodum?

 

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Não chamaria isso de preconceito contra paulista.O que se tem contra sp, é o tipo de política SELETIVA e EXCLUDENTE adotada por seus representantes.

 

Tem toda razão Jane, aqui infelizmente temos os piores governantes e a  unica coisa que sabem fazer é surrupiar o povo a começar pelos pedagios, altos impostos e por ai vai mas a uma  parte da população não concorda com  a trupe que está ai e estão no governo por que a impressa local local acoberta e faz parte de quadrilha de impostores.

 

Preconceito vai no blog do Paulo Henrique, até gosto das postagens dele contra o serra e o psdb. Mas o blog tem preconceito puro. Para ele o que presta ta fora de São Paulo, de preferencia  somente o  que vem do Rio. Infelizmente para um jornalista que tem a História que ele tem se deixou beber deste veneno.

 

Quem não tem preconceito? Que eu saiba, apenas os mortos.

E mais, preconceito é uma coisa, discriminação outra.  Bom não misturar alhos com bugalhos, nem bagulhos com baralhos...

http://blogdobriguilino.blogspot.com/2008/01/preconceito.html

 

 

Sei que alguns dirão que é ilusão minha, mas aqui no meu interior paulista, terra em que nasci e me criei, votamos em quem a elite mandar, a elite e seus coronéis. E não preciso dizer quais são os políticos por eles escolhidos.

 

  a america nos deu o jazz ,o cinema,a Elizabeth taylor( que beleza a capa da veja dessa semana,forçoso reconhecer),a america nos deu james brown, frank sinatra , miles davis.

 Agora o que o governo americano tem feito de atrocidade desde o fim da segunda guerra é outro assunto. não dá pra misturar.

 Só falta aparecer um americano aqui se queixando de ser vítima de preconceito. que que o frank sinatra tem com isso? 

 chomsky e o sean penn são grandes americanos. mas o Imperialismo é podre. misturar as coisas assim me parece um tipo de malandragem.

 Nunca vi notícia de alguém ser espancado na rua por ser paulista. mas já vi gente sendo espancada por ser negro, mulher, gay, NORDESTINO, judeu , árabe. Nunca li relato de vítima que ouviu' "seu paulista sujo" antes de levar uma tijolada. nunca vi ninguém mandando afogar paulista no twitter. Que onda é essa de paulistas vítimas? Me parece mais reflexo de um sentimento irracional de culpa. mas é irracional queridos. a culpa é apenas da elite e dos tucanos. em Minas eles são tão perversos ou mais. Porém a perversidade deles só teve alcance regional então a fama ruim ficou toda pra SP.

 

 

“em Minas eles são tão perversos ou mais. Porém a perversidade deles só teve alcance regional então a fama ruim ficou toda pra SP.”

O problema é que nenhum outro Estado recebeu tantas culturas diferentes como  SP recebeu...

Além dos constantes conflitos culturais há uma superpopulação aqui!  Isso acaba refletindo nos números, ou seja, nas estatísticas!

Veja: Você nunca viu um paulista ser agredido em Sergipe... Mas será que se o Sergipe, por uma contingência do destino, recebesse 5 milhões de migrantes  paulistas, o número de paulistas  agredidos por lá não iria aumentar substancialmente?

Ora! É só uma questão matemática! O problema na verdade não é étnico e nem cultural e sim matemático!

Como é que o amigo diz que nunca viu paulistas serem maltratados em outros lugares, se NÃO HÁ ou não houve migração em massa de paulistas para lugar algum?   

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

aleXandre,

o post não defende "paulistas"

defende que não se infira nada, de nenhuma pessoa, por sua naturalidade

indios foram queimados em brasília

garotos foram mortos na candelária

trabalhadores foram mortos no pará

mendigos foram mortos em são paulo

alguns deles paulistas

não por sua naturalidade

foram mortos pela intolerância e preconceito

"eles" ( procure ler uomini e no, de elio vittorini) não agem com razão

são, como traço comum de naturalidade, bossais e covardes

em são paulo, no pará, em qualquer lugar

não podemos responder a "eles" fazendo uso da mesma língua

o traço comum  que une "suas" vítimas

é a frágil condição delas

 

 

Gilberto .    @Gil17

Piauí, Piauí, como gosto de ti. Se o mundo tivesse um cu, o cu do mundo seria aqui.”

 

Ator Marauê Carneiro xinga o Piauí em perfil do Facebook

 

http://180graus.com/balanco-da-rede/ator-maraue-carneiro-xinga-o-piaui-em-perfil-do-facebook-413691.html

 

Mas do que é mesmo que trata esse post?

 

Alé de preconceutuoso, estúpido (com regra pouco rara para o primeiro qualicativo).

Seu "mentor" Juca Chaves, pelo menos viveu em outros tempos, onde pode "comprar Jaguares" explicitamente às custas de eus fãs.

 

besteiras,,,

todo preconceito tem origem na luta de classe, origem na elite, como contra prostitutas, negros, pobres, etc etc,,

paulista contra nordestinos sempre é contra o pobre nordestino que vem a sao paulo, sem vem um nordestino BANQUEIRO nao tem preconceito, por exemplos os baianos magalhaes foi so chegarem se juntaram e casaram com membros da elite paulista, os cardozos, tudo bem que isso nos custou 25 bilhoes de dolares um um proer,,,,,

 

Existe preconceito em relação a São Paulo e seus habitantes, mas, em parte e na minha opinião, com alguma razão de ser. Deve ser compreendido para ser superado.

Durante décadas (principalmente de 1930 a 1990) o estado se apropriou de renda através de políticas tributária e de comércio exterior que o favoreceram com um mercado cativo. Outros estados não podiam importar livremente produtos industriais, por exemplo, com a venda de seus produtos básicos, tendo assim desvalorizadas suas relações de troca.  Um pouco como a reprodução em miniatura de um processo de imperialismo norte-sul.

O corolário dessa situação é que por volta de 1990 a renda per capita no estado era 85% superior à média das demais unidades da federação, situação que pouco se alterou desde então.

Se isso favoreceu ou não o desenvolvimento do Brasil como um todo não vem ao caso agora, mas a proteção à produção industrial – e também agrícola – paulista, e a sucessiva acumulação e concentração de recursos financeiros e humanos, notadamente o poder de decisão econômica, foi um processo pouco percebido também por seus habitantes, alguns dos quais atribuem a pujança econômica do estado a um vago e mítico espírito empreendedor, trabalhador ou coisas assim.

Aqui cabe pensar se esse diagnóstico, de que a maior afluência econômica seria motivadora de posturas arrogantes, é verossímil . Creio que sim.

Não é necessário ser de outro estado para perceber que existem, sim, no nosso estado, pessoas pouco sensíveis a qualquer iniciativa para a necessária desconcentração regional de renda. E também há pessoas preconceituosas e petulantes em relação a oriundos de outros estados, julgando com uma régua equivocada de valores.

Posturas arrogantes e injustificadas eventualmente poderão ser notadas também entre os habitantes dos estados que sucedem em riqueza a São Paulo. Mas, em nenhum deles há semelhante proporção de nascidos fora do estado, reduzindo-se as situações eventuais de preconceito cotidiano, pelo menos o de origem geográfica.

Muito disso poderia ser mitigado com maior disseminação de história, de cultura, de sociedade, de conhecimento do outro e de si mesmo. Mas não se deu também assim o processo que levou ao preconceito xenofóbico em países centrais? E que por sua vez leva a uma reação, também preconceituosa, da qual é exemplo o sentimento antiamericano? Não há novidade em nada disso.

Enfim, se há preconceito em relação a São Paulo, quanto disso não se originou de um conceito, da percepção de que há uma porção visível de paulistas que “se acham”? Circunstância que inclusive embaraça, quando não envergonha, a muitos paulistas natos.

Mas tais conterrâneos “sem noção”, são minoria, acredito, de qualquer modo. Pena que aparecem, às vezes, mais que nossos Mários de Andrade.

Não é de hoje que surgem comentários, em blogs, generalizando demais em relação a paulistas, algo que não se nota para as demais origens. Fico pensando, talvez, se fosse mais disseminado o hábito de se usar as siglas dos estados nos logins, se não poderia haver uma percepção menos estereotipada do que é ser/estar paulista.

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

“o estado se apropriou de renda através de políticas tributária e de comércio exterior que o favoreceram com um mercado cativo.”

Como assim “se apropriou”?  Dá pra ser mais específico? Políticas estaduais são permitidas a todos os Estados da Federação!



“Outrosestadosnão podiam importar livremente produtosindustriais, por exemplo, com a venda de seus produtos básicos, tendo assim desvalorizadas suas relações de troca. Um pouco como a reprodução em miniatura de um processo de imperialismo norte-sul.”

Se “outros Estados” não contemplaram em suas políticas estaduais, benefícios à sua produção de bens e serviços, a culpa é de São Paulo?

Do jeito que o amigo coloca suas observações dá a impressão que os outros Estados foram proibidos por SP de fazerem algo de melhor para suas respectivas populações!  

 

“O corolário dessa situação é que por volta de 1990 a renda per capita no estado era 85% superior à média das demais unidades da federação, situação que pouco se alterou desde então.”

Corolário “DESTA” desta situação? Ora! Eu não vi você colocar situação alguma? São Paulo é disparado o Estado que mais produz no Brasil desde MUITO antes de 1930!

Foram condições geográficas, topográficas, climáticas, históricas e contingentes que fizeram São Paulo um Estado produtivo e grande como o é!  Isso não é “culpa” de ninguém!

Ademais, desconheço totalmente esta “informação” de que a renda per capita no Estado de SP seja 85% maior que a renda per capita dos demais Estados!  Qual é a fonte desta “informação”?  Quem foi o MALUCO que disse isso?  Qual a fundamentação deste “dado”? Fofoca?

 

“Se isso favoreceu ou não o desenvolvimento do Brasil como um todo não vem ao caso agora, mas a proteção à produção industrial – e também agrícola – paulista, e a sucessiva acumulação e concentração de recursos financeiros e humanos, notadamente o poder de decisão econômica, foi um processo pouco percebido também por seus habitantes, alguns dos quais atribuem a pujança econômica do estado a um vago e mítico espírito empreendedor, trabalhador ou coisas assim.”

Olha, amigo, seu discurso é bem bonito, mas absolutamente inconsistente!

As relações de poder entre mais ricos e mais pobres NÃO é invenção paulista! Isso é invenção da Humanidade!

A proteção à produção industrial é uma OBRIGAÇÃO de qualquer Estado que se preze!

Vivemos num mundo competitivo e você coloca estas observações como se fosse crime proteger a produção agrícola do Estado?  Ora! Quando o mundo for igualitário e justo não se esqueçam de avisar os paulistas! Também queremos ser!

 

“Aqui cabe pensar se esse diagnóstico, de que a maior afluência econômica seria motivadora de posturas arrogantes, é verossímil . Creio que sim.”

O que exatamente o amigo denomina de “arrogante”? Dá pra fundamentar?

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Quando se "raciocina" com emoção, corre-se o risco de argumentação tosca e voltada à" própria conveniência".

O que, aliás, é característica conhecida dos conservadores (que querem "conservar", o que está bom (só) pra eles).

Sua "argumentação" (defesa) só corrobora opiniões e sentimentos aqui expostos.

Não sei se vc é ou quanto é de "direita ou esquerda". Mas quando se trata da defesa à "pessoa juridica e virtual" de SP, suas emocionadas defesas atendem exatamente aos que "tem mais até do que conseguem gastar" em detrimeto dos que não tem "o suficiente" para isso. Seja no Brasil, em SP ou SP.

Não sou contra a riqueza (pelo contrário) mas sou contra a riqueza e competiçao predatória, desnecessária ou desigual, seja lá quem tenha "inventado" isso...

Comecemos pelo "não é culpa de ... se os outros..."

Os banqueiros não proibem os "outros" de ser banqueiros. Os industriais não proibem os operários de ser industriais. Os acadêmicos não proibem os analfabetos... os latifundiários ... Enfim, eles não têm culpa! Os pobres é que tem culpa de serem pobres. Que se virem, pois é "facinho, facinho"...

"quem inventou ... não foi..."

O nascido rico não inventou a pobreza, assim como o criminoso também não "inventou o crime"... E isso não pode ser argumento para só deixar o crime quando a "humanidade" acabar com ele.

Polítcas estaduais são inerentes à cada estado, sim. Agora um brasileiro (da Moóca?...) fazer política FEDERAL, colocando inversões tributárias marotas de bi-inversão tributária para beneficiar o seu estado, mais rico, em detrimento dos demais (mais pobres) é o que? Já sei sua resposta: competitividade entre irmãos da mesma família...

Este é o comportamento típico da (maior) bancada federal, através do congresso, dos ministérios e de todas as instituições que puderem ser utilizadas, não para o país, mas para conservar e aumentar sua riqueza e poder. Incluindo, sempre que possíve, a presidência...

Em detrimento dos outros. que precisam de mais. Mas..."que sejam competitivos". Como o Piauí ou Rondônia, ou...

Mas onde necessário, obviamente, é só colocar alguns aliado$$$ e fica tudo bem... exeto os povos locais.

Poderia comentar cada "argumento seu", mas aqui não é competição, só quero colocar o ponto de que a sua base de argumentação interessa a quem atrasa o país, há muito, para criar uma, para não falar injusta,  pouco inteligente (por isso chamo de mediocre) manuenção e concentração de priviégios que só interessa a seus promotores.

Nem aos que, ingenuamente, defendem suas posiçõe e símbolos.

Não tenha dúvidas: torço para que SP continue desenvolvendo e desenvolvida...e o Brasil MUITO MAIS ainda!

Este é o mérito de Lula!

(PS1: O que SP "antes dos 30" produzia, eminentemente, era café. "Mérito" da elite paulista, ao ver que ele já não seria "tudo aquilo" (Colômbia, Asia...), aplicou a grana que "sobrava", associando-se à estrangeiros para criar uma indústria de carros obsoletos (DKW, AeroWillys, etc.), transformando-se hoje numa das maiores indústrias automobilísticas do mundo...100% ESTRANGEIRA!...

PS2: A cidade de SP passou a ser a maior cidade brasileira apenas em meados da década de 60, embora muitos hoje pensem ou "finjam" que "sempre" tenha sido..

 

“Quando se "raciocina" com emoção, corre-se o risco de argumentação tosca e voltada à" própria conveniência".

O que, aliás, é característica conhecida dos conservadores (que querem "conservar", o que está bom (só) pra eles).

Sua "argumentação" (defesa) só corrobora opiniões e sentimentos aqui expostos.

Não sei se vc é ou quanto é de "direita ou esquerda". Mas quando se trata da defesa à "pessoa juridica e virtual" de SP, suas emocionadas defesas atendem exatamente aos que "tem mais até do que conseguem gastar" em detrimeto dos que não tem "o suficiente" para isso. Seja no Brasil, em SP ou SP.”

 

Caro “debatedor”, é muito discurso pra pouco argumento e nenhuma fundamentação!

Não discuta sobre o que vc pensa de mim! Discuta sobre o tema em questão! Os argumentos que coloquei não foram refutados!!!  No entanto, a sua opinião sobre quem eu possivelmente seja, é simplesmente patética!  Quem sou eu ou você, absolutamente NÃO  está em debate!

 

A acusação do Gunter de que o  “ ‘estado’  se apropriou de renda através de políticas tributárias e de comércio exterior que o favoreceram com um mercado cativo”  é absolutamente fantasiosa!  Eu perguntei exatamente a que se refere essas “políticas tributárias” citadas e FIQUEI SEM RESPOSTA!

Não é assim dizendo qualquer coisa que se debate não!

 

“O corolário dessa situação é que por volta de 1990 a renda per capita no estado era 85% superior à média das demais unidades da federação, situação que pouco se alterou desde então.”

Eu perguntei de onde ele tirou este “dado” aí acima!!!  Da revistinha de fofoca?

A renda per capita do paulista é 85%  superior à média dos demais Estados????  Ora! Mas que invençãozinha  mais esdrúxula! Que papinho mais sem sentido!

Se pra vocês, “debater” é isso aí: colocar qualquer coisa e ir acusando assim, sem qualquer prova ou fundamento... Eu acho que vocês não sabem o que é debate!

 

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

“Os banqueiros não proibem os "outros" de ser banqueiros. Os industriais não proibem os operários de ser industriais. Os acadêmicos não proibem os analfabetos... os latifundiários ... Enfim, eles não têm culpa! Os pobres é que tem culpa de serem pobres. Que se virem, pois é "facinho, facinho"...”

Meu caro, você tem certeza que esta crítica é dirigida exclusivamente a SP? Aí no teu Estado não tem banqueiros? Não tem milionários? Não tem elite? Oras!!!!

Esta sua crítica deveria ser dirigia à Humanidade!

 

 O nascido rico não inventou a pobreza, assim como o criminoso também não "inventou o crime"... E isso não pode ser argumento para só deixar o crime quando a "humanidade" acabar com ele.”

Mas isso que vc chama de “crime” acontece só em SP?

 

“Polítcas estaduais são inerentes à cada estado, sim. Agora um brasileiro (da Moóca?...) fazer política FEDERAL, colocando inversões tributárias marotas de bi-inversão tributária para beneficiar o seu estado, mais rico, em detrimento dos demais (mais pobres) é o que?”

É um picareta que poderia ser de QUALQUER OUTRO Estado, meu amigo!! Ou o Brasil foi governado somente por paulistas até ontem?

 

Política de bi-inversão que favorece o Estado? Ora!! Faça-me o favor!! Vê se São Paulo entrou na GUERRA FISCAL!  A maioria dos Estados deu um monte de benefícios para as grandes empresas irem para seus Estados e, São Paulo NÃO FEZ ABSOLUTAMENTE NADA!

A Ford se mudou da Mooca pra Bahia e ninguém aqui disse NADA!! Milhares ficaram desempregados.

 

“Já sei sua resposta: competitividade entre irmãos da mesma família...”

Meu querido, quando não houver mais competitividade, me avise! Mas não me peça para abdicar da competitividade ANTES de fazer isso também!! Ok? As regras do jogo são PARA TODOS!! Sacou?

 

“Em detrimento dos outros. que precisam de mais. Mas..."que sejam competitivos". Como o Piauí ou Rondônia, ou...”

Esse papo de “em detrimento dos outros” é uma verdadeira lamúria sem sentido!  Até agora eu só vi vocês colocarem essas acusações  SEM QUALQUER FUNDAMENTO!

O outro comentarista falou em “políticas que favoreceram o Estado”... Ora, me responda: Prá que serve os políticos do teu Estado? Não é para proceder políticas que favoreçam o TEU Estado? Se não é pra isso, é pra que então?

Essa coisa de citar o Piauí e Rondônia quer dizer o que exatamente? Não somos uma Federação com uns Estados mais ricos e outros mais pobres desde a República? Veja o PIB de SP e o PIB do Piauí  na época de Proclamação da República: São Paulo já era o Estado mais rico da nação.

Também me parece muita ingenuidade tratar de assuntos políticos, econômicos e comerciais nestes termos que você está colocando! O que SP deve fazer em sua opinião? Deve reverter todos os seus recursos ao Piauí e a Rondônia?

Quando se fala em “Estado rico”, não quer dizer que o povo é rico, meu amigo!!! Você sabe quantas pessoas estão em situação de miséria aqui neste Estado? Já ouviste falar das favelas paulistas? Já ouviste falar nas periferias das cidades paulistas?

Eu não sei de qual Estado você é natural ou  radicado, mas te faço uma pergunta: O teu Estado ajudou o Piauí com o que? O teu Estado ajudou Rondônia com o que?

Como exatamente você acha que São Paulo deveria agir em suas políticas estaduais, para “ajudar” os outros Estados, SEM fazer com que este aqui quebre? Dá pra fundamentar? Ou vai  fazer como o Gunter e deixar apenas as acusações sem sentido no ar?

 

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Mas nesse caso não é preconceito, é revolta mesmo, no caso contra o imperialismo de SP, assim como existe uma revolta contra o imperialismo dos EUA.

Preconceito é outra coisa

 

“Mas nesse caso não é preconceito, é revolta mesmo, no caso contra o imperialismo de SP, assim como existe uma revolta contra o imperialismo dos EUA.

Preconceito é outra coisa”

 

Mas que "imperialismo de SP", meu amigo??? A que exatamente você está se referindo???

Que papo é esse de ‘políticas tributárias”,  que o Gunter citou e o senhor está endossando???  Dá pra fundamentar isso???

Políticas tributárias são permitidas a TODOS os Estados da Federação!!!

São Paulo foi um dos poucos Estados que NÃO entrou na Guerra Fiscal, cidadão!!!

Sabes o que é  Guerra Fiscal??? É concorrência tributária DESLEAL entre os Estados!!!

O QUE TU TENS É PRECONCEITO MESMO!!!!

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Acho engraçado mesmo é carioca vir chamar paulista de imperialista.

Até 1960 todo centro político e cultural do Brasil estava lá por imposição.

São Paulo teve que conquistar seu espaço.

 

Equívoco, Fabio. O Rio, como capital, era apenas o lugar onde se formalizava o poder, discutido e acertado nas (medíocres) elites, espalhadas pelo país e concentradas onde havia poder econômico.

Basta lembrar da política "café com leite" para verificar que o Rio, como capital, pouco TEVE poder.

Quanto mais ser "imperialista".

Era apenas a "sala de reuniões" do condomínio.

E o carioca, morador da capital desde 1763, foi invadido (e até despejado) pela corte portuguesa em 1808 e teve até um chefe de policia gaúcho que proibiu os cariocas de usar os "indecentes" maiôs nas praias da cidade.

Ou seja, a casa da mãe Joana... do país.

Hoje fala-se da corrupção de Brasília. Como se os políticos que a fazem não viessem do pais inteiro apenas para formalizá-las lá (se necessário...).

Como se o poder esteja agora com os "imperialistas Brasilienses".

Que moram na nova e moderna casa da mãe Joana.

Poder efetivo anda abraçadinho com dinheiro. E desde a IMENSA riqueza trazida pelo "coffea arabica", temos 2 concentrações de poder: (1) SP no Brasil; (2) Elite paulista em SP. Concentrando renda em detrimento dos paulistas e de imigrantes que vem aqui trabalhar (com as sobras, que são maiores, já que banquetes geram mais delas).

Lula, basicamente, cresceu muito menos com paulistas do que com os nordestinos em SP, em luta contra a mediocrelite.

Há paulistas, fora dessa mediocrelite, que pelo seu natural orgulho (como um gaúcho ou piauiense) acabam defendendo (sem se perceber manipulados) não SP, mas a concentradora e poderosa elite mediocre que ao invés de pensar o estado como membro de uma família, o pensa como competidor dos seus irmãos. A família que se dane...

E (esta mediocrelite) trabalha sempre (e subterraneamente) para passar os outros pra tr'ss (desde inversão de impostos, até mesmo revoluções PRPistas, por ex.).

Se bem entendi o comentário de Gunter Zibelli SP, ele é esclarecedor.

Se uma certa parcela de paulistas ufanistas (como hienas que comem sobras e comemoram) passarem a atentar nestes aspectos, SP será melhor, mais igual. E o país também.

E suspeito que este "preconceito", injustamente generalizado, mas retroalimentado por parte dos paulistas (alguns aqui, além da verdadeira mediocrelite), num estado onde reina claramente a política conservadora e a concentração de dinheiro e poder, não terá mais razão de "existir"...

 

Mas Fernando, tanto você como eu estamos falando da mesma coisa, uma possível origem de um sentimento negativo.

Só que se esse sentimento é transferido a todos de uma população (paulistas, americanos, israelenses, etc.) indistintamente, sem que se busque identificar o quem é quem, pode derivar em preconceito, prejulgamento, generalizações estereotipadas, etc, ainda que por distração.

 

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

pensando alto e recordar é viver. o preconceito é uma manifestação ideológica de intolerância contra uma minoria. (ideologia é um conjunto de valores impostos a uma sociedade pela classe dominante, valores esses introjetados por essa sociedade e dados como "naturais" e legítimos.)

portanto, é impossível haver preconceito contra paulistas, assim como racismo contra brancos. a imagem de paulista é associada ideologicamente à metróprole, indústria, desenvolvimento, riqueza e por aí afora. não precisa falar da imagem do baiano e nordestino.

os paulistas, e nós também, percebem que estão politicamente na vanguarda do atraso, vêem e sentem os efeitos dos vexames das suas administrações estaduais e municipal (SP), acusam os golpes das derrotas consecutivas das suas lideranças e projetos nacionais* e lamentam a sua imprensa provinciana e medíocre, incapaz de corresponder à sua importância extra-regional. seriam estas, e mais algumas, das ilações? 

* o Lula é mostrado ideologicamente pela imprensa de sp como nordestino e pernambucano, mas faz parte de um projeto político de origem paulista e sindicalista, execrado pela zelite leitora da imprensa de sp. 

 

 

Acho que este preconceito contra São Paulo é bem recente, ao contrário do histórico preconceito contra nordestinos, se é que podemos chamar esta antipatia de preconceito, ou ainda revolta, como no caso dos EUA, ou seria o caso de que os EUA também sofrem preconceito, aqui no Blog, e no resto do mundo.

O pig e os tucanos, e de certa forma a população de SP que vota no tucanos sistematicamente, são responsáveis pela antipatia contra SP, não é o caso de preconceito.

O pig, não apenas o pig paulistano com Folha e Estadão, mas o pig nacional, a Globo, que fica aqui perto, tentaram fazer de SP por ser governado por tucanos o contraponto ao governo Lula.

SP do PSDB, em particular do Serra, seria melhor governado que o Brasil, é o que o pig tentou vender.

Os policiais de SP fogem de lá para trabalhar em outros estados, pois em SP o servidor público é muito mal pago e mal tratado.

Os professores recebem o vale coxinha, e faltam professores na rede pública

O que o Brasil sente por SP é uma certa repulsa a um modelo de governo, e eu diria até de vida, nada a ver com as pessoas, paulistas e paulistanos.

Apesar do poder econômico as condições sociais são péssimas.

Mas como eu já comentei é bem recente esta imagem negativa, porque o PT nasceu em SP, e foi SP que lançou o Lula, e também elegeu duas mulheres de esquerda para administrar sua capital, a Marta e a Erundina, então de uma certa forma todos sentiamos orgulho de SP, com seus movimentos sindical e estudantil, suas USP e UNICAMP.

Afinal o que aconteceu para que vocês ficassem tão burros e idiotas.

Seria a água que estão bebendo?

Mas não é aquela que passarinho não bebe.

Eu digo isto por que foi criada uma CPI na Assembleia Legislativa de São Paulo para investigar o  "consumo abusivo de álcool pelo cidadão paulista".

LinK:

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011/03/tucano-geraldo-alckmin-autoriza-cinco.html

Ps CPI para investigar o porquê de Serra ter paralizado a limpeza do rios nem pensar

E ainda estão preocupados com ........................ PRECONCEITO!!!!!!!!!!

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

 

“Afinal o que aconteceu para que vocês ficassem tão burros e idiotas.”

Como sempre os paulistas copiam os fluminenses até na burrice e na idiotice... Garotinho e Rosinha  que o digam...

 

“Seria a água que estão bebendo?

Mas não é aquela que passarinho não bebe.

Eu digo isto por que foi criada uma CPI na Assembleia Legislativa de São Paulo para investigar o  "consumo abusivo de álcool pelo cidadão paulista".

LinK:

http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011/03/tucano-geraldo-alckmin-autoriza-cinco.html

Ps CPI para investigar o porquê de Serra ter paralizado a limpeza do rios nem pensar

E ainda estão preocupados com ........................ PRECONCEITO!!!!!!!!!!”

Sim estamos preocupados com o preconceito contra nossa terra, enquanto rola a CPI dos bêbados...

Pelo menos não precisamos nos preocupar com  populações que moram em áreas de risco e ESTÃO SEM ASSISTÊNCIA ALGUMA!

Não precisamos nos preocupar com milhares de famílias que continuam PENDURADAS NOS MORROS DO RIO DE JANEIRO, afinal esse não é um problema nosso e sim dos senhores fluminenses que ficam aqui dando pitacos e preocupados com a CPI dos bêbados de SP.

Também não precisamos nos preocupar com a legião de bandidos que infesta a “cidade maravilhosa”, este também é um problema dos cariotas que ficam aqui no blog preocupados em diminuir os paulistas.

Também não precisamos nos preocupar com as milícias que estão simplesmente apavorando e achacando os cariotas.

Ainda que mal lhe pergunte: Já pagaste a mensalidade da TV a cabo aos policiais (milicianos)  aí do teu bairro? Pague logo antes que eles estuprem alguém da tua família!

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

“O pig e os tucanos, e de certa forma a população de SP que vota no tucanos sistematicamente, são responsáveis pela antipatia contra SP, não é o caso de preconceito.”

A população de SP vota sistematicamente nos tucanos?

Vejamos:

SP responde por 30 milhões de votos.

 Alkimin recebeu 11 milhões de votos.

 Mercadante recebeu 8 milhões de votos.

 Logo: 19 milhões de paulistas NÃO votaram nos tucanos!!!

MAUITO MAIS DA METADE dos paulistas NÃO votaram nos tucanos !!!

É preconceito ou não é? O Estado da Bahia durante muito tempo elegeu sistematicamente o PFL, no entanto eu nunca vi preconceito diretamente contra os baianos...

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

“Mas como eu já comentei é bem recente esta imagem negativa, porque o PT nasceu em SP, e foi SP que lançou o Lula, e também elegeu duas mulheres de esquerda para administrar sua capital, a Marta e a Erundina, então de uma certa forma todos sentiamos orgulho de SP, com seus movimentos sindical e estudantil, suas USP e UNICAMP.”

Pois é, Fernando, o Brasil não tem memória mesmo...

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Até agora não explicaram porque o Obama não veio à São Paulo. Será que é por causa Tea Party criado a partir daqui? Veja, Instituto Milenium, ou será porque aqui em São Paulo concentra-se a imprensa mais reacionária e golpista como a Fox News dele.

 

Não é o espaço ideal, mas mesmo assim vou publicar aqui Nassif. É futilidade, mas.. o Obama treinando a língua  portuguesa já é algo inimaginável até a pouco tempo.

Casa Branca divulga bastidores da visita de Obama ao Brasil; veja

 

 

Vagabundos temos em todos os lugares..políticos então nem se fala !

 

Penso que o Gilberto e eu, devemos nos mudar de SP. Basta passar pela Perdizes e conversar com os paulistanos de 450 anos e encontraremos o preconceito dito, escrito, falado..............Criticam mas não querem ser criticados. Na politica tai um exemplo do Maluf..........

 

É porque o amigo só considera "paulista" o morador das Perdizes; um bairro de classe média alta na cidade de São Paulo.

Conheces a periferia da cidade de São Paulo?  Sabes qual é a sua população?

Conheces todas a cidades deste Estado e suas respectivas periferias?

 

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Acho que os tucanos vendem essa historinha de "São Paulo, eterno reduto eleitoral das pessoas de bem"

E NÓS ENGOLIMOS.

 

Acho que Lula nunca ganhou em São Paulo, que no fundo, é muito conservador (o paulista), embora não  esteja criticando mas  constatando.

 

“Acho que Lula nunca ganhou em São Paulo, que no fundo, é muito conservador (o paulista), embora não  esteja criticando mas  constatando.”

Então, Márcia,  prossiga em sua análise para poder fazer uma constatação mais bem informada:

O PT nasceu na cidade de SP, mais especificamente nos meios sindicais, até então, todos pelegos; vendidos!

Lula, um sindicalista nordestino que falava coisas que soavam muito bem aos ouvidos dos trabalhadores paulistas, não só aos metalúrgicos, mas também a muitas outras categorias, conseguiu com inteligência e firmeza política, o que muitos sindicalistas paulistas fingiam estar reivindicando: Melhores salários e benefícios aos trabalhadores.

Com isso Lula ganhou o apoio de muitos paulistas e, devagar, SEMPRE em São Paulo,  foi construindo sua carreira política.

Foram os paulistas que elegeram Lula deputado federal. Os paulistas concederam a Lula a oportunidade ímpar de participar ativamente da Assembléia Constituinte Federal. Lula participou com sua anuência a cada item de nossa Constituição de 1988 e, ao final, recebeu o prêmio de Deputado nota 10 da Constituinte:  Um dos que mais participou ativamente.

A cidade de São Paulo foi a primeira cidade no Brasil a ter DUAS prefeitas do PT ( a primeira é nordestina).

Se todos os paulistas NÃO votassem em Lula ele JAMAIS teria sido presidente.

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

Lula ganhou em São Paulo apenas em 2002, quando a classe média tradicional e até setores da burguesia votou em peso no PT, graças também ao desgaste do governo FHC.

Em 2006 os petistas foram prejudicados pelo mensalão, em 2010 Dilma recuperou parte do eleitorado perdido em 2006, más mesmo assim insuficiente para ganhar no estado, se em 2006 um escândalo político atrapalhou o PT em SP, em 2010 creio que o câmbio valorizado não ajudou.

 

Concordo com isso do câmbio. Não tanto para a capital e litoral, mas o interior mais agrícola se ressente do valor que deixou de ganhar, pois a valorização cambial foi concomitante à valorização das commodities. Acho que muito da esperança depositada no ex-governador pelas classes médias dos estados do Centro-sul veio daí também. Não fosse o câmbio talvez a eleição de 2010 fosse mais parecida com a de 2002.

Agora, isso que se fala que paulista (e Centro-sul em geral) embarcou na onda conservadora religiosa me parece balela. As alterações eleitorais nesses estados (agora em relação a 2006) foram mínimas, e os resultados de Dilma foram muito bons. Na maioria desses estados o ex-governador venceu, é fato, mas no 2º turno (com a migração de votos marinistas, pois no 1º turno só venceu em 5 dos 11 estados que compõem S-CO-SE) e por margens de apenas 1 a 6%.

Em SP, por exemplo, a votação de Dilma foi apenas 2% inferior à de Lula em 2006. 4% a menos se ajustarmos pelo crescimento do eleitorado. 46% votarem em uma mulher (em um país machista), em candidata do PT (em um estado geralmente tucano onde o oponente foi governador popular), ainda nascida em outro estado e com carreira em um terceiro? Debaixo de uma campanha maciça de desconstrução de imagem? Não se pode falar em preconceito maior que em outros anos.

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

Essa de carioca não gostar do trabalho é pura fanfarronice. Dêem uma olhada na av. Brasil às 7 da manhã.Quem mora no Leblon geralmente não é carioca,só uma minoria. 

 

esse preconceito a "paulista", "paulistano" e sãopaulo é porque vem de páu.

 

“esse preconceito a "paulista", "paulistano" e sãopaulo é porque vem de páu.”

Oh!!! Essa tese é uma verdadeira maravilha da Psicanálise !  E ainda por cima corrobora para uma tese correlata, tão verossímil quanto a primeira:  Os cubanos são tão queridos porque o nome vem de “cú”!

EUREKA!!! Se Freud estivesse vivo ele diria que esta tese nasceu de uma tara do autor pela sua genitora.

 

 

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

nessa de comentar o mais resumido possível gera freuds. mas é o pessoal que fala por aí que paulista é páu prá toda obra, que verga mas não quebra e etc... e isso de certa forma pode implicar em preconceito pela impressão de superioridade transmitida.

 

Não apenas São Paulo capital, mas como um todo temos todas as raças e sangues..................se for verificar ou fazer uma pesquisa, São Paulo é menos preconceituoso no todo, no geral.

 

Vou aproveitar a deixa literária e postar um "desaforo" de Nelson Rodrigues:

"Não existe solidão maior do que a companhia de um paulista." 

Fico de cá curioso sobre como seria um encontro de Nelson e Mário. Este, por exemplo, tem uma frase que eu adoro, e me parece um contraponto ao Anjo Pornográfico:

"O silêncio é a melhor coisa da amizade."

De resto, como baiano que sou, meu tempero é outro. Eu sou do azeite, e o sotaque da Mooca nunca me soou bem aos ouvidos. Também pudera:

"Água do meu Tietê, 

Onde me queres levar?

- Rio que entras pela terra

E que me afastas do mar..."

Ah, Mário, como vc sabia das coisas...

 

No dia que o Nelson Rodrigues for uma referência literária o Papa vai parar de defender a pedofilia...

 

ANTIFA!

Calma aí, ô manô. O Nelson Rodrigues, frase e posições políticas polêmcias a parte, é sim uma referência literária, é disparado o maior dramaturgo do país.

A frase dele pode ser questionada sem negar o óbvio. Por exemplo, duvido que o Nelson preferisse a solidão à compania do fabuloso Mario de Andrade, paulistano e igualmente gênio da literatura brasileira

 

Juliano Santos

“No dia que o Nelson Rodrigues for uma referência literária o Papa vai parar de defender a pedofilia...”

hahahahahahaha essa foi ótima, Diogo! hahahahahahahhahahaha

 

Sabe por que o papa defende a pederastia (pedofilia)  e condena o uso de camisinhas? É porque criança do sexo masculino não engravida de jeito nenhum.

 

Este é um blog notadamente antipaulista! Paulistas, não se submetam docilmente a humilhações e manifestações de preconceito!! A internet é enorme.

É!

Vamos parar de responsabilizar São Paulo pelas coisas que a burguesia do brasil inteiro tem feito nos últimos 100 anos.